Escreva seu Comentário:
Depressão

Autor(a): BEATRIZ NAHAS PINTO

Barco à Deriva
Vejo um barco parado
no meio do mar
como o meu eu desanimado
sem vontade de continuar.

É um barco sem motor,
sem bússola nem âncora
prestes a se inundar de dor
seja aonde for que corra.

Ele pode ir para qualquer lugar
pela força do vento que continuará
parado sem conseguir se deslocar
com o mesmo sentimento que o adoecerá.

O barco à deriva permanece
E num pesar cultural se enfraquece
aos olhos daqueles velozes
que passam por ele mais "fortes".

Os outros barcos o olham
e seu motor quebrado reprovam
dizendo que é um incompetente,
fraco e incapacitado vivente.

Eles veem a vida como uma empresa
por não entenderem a não lucrativa tristeza
do barco na azulada imensidão
do céu e do mar na depressão.

O barco sem empatia e autenticidade fica à deriva
se desconectando da interna e humana energia da vida,
que o faria escolher por si mesmo ligar o motor
e fazer as coisas sem obrigação e mais amor.

E assim ele está por aí nesse momento
como o barco que parou no espaço e tempo
Até agora esperando ser tratado e encontrado
antes que seja tarde demais e esteja afogado.

Que a investigação em nós mesmos
comece pela nação e aqui dentro
para procurarmos pelos oceanos esse barco à deriva
E nos conectarmos com ele sem violência e mais empatia!

Publicado no site: O Melhor da Web em 07/09/2020
Código do Texto: 141684
É necessário efetuar o login para fazer comentários.
Comentários Recebidos