Escreva seu Comentário:

Warning: include(../i_menu_impressao.php) [function.include]: failed to open stream: No such file or directory in D:\Domains\omelhordaweb.com.br\wwwroot\poesias\comentario_poesia.php on line 406

Warning: include(../i_menu_impressao.php) [function.include]: failed to open stream: No such file or directory in D:\Domains\omelhordaweb.com.br\wwwroot\poesias\comentario_poesia.php on line 406

Warning: include() [function.include]: Failed opening '../i_menu_impressao.php' for inclusion (include_path='c:\php5.2fastcgi\dev;c:\php5.2fastcgi\ext;c:\php5.2fastcgi\extras;c:\php5.2fastcgi\extras\pdf-related;c:\php5.2fastcgi;.') in D:\Domains\omelhordaweb.com.br\wwwroot\poesias\comentario_poesia.php on line 406
Datas Especiais

Autor(a): GILSON LIRA

22.06. MORTE DE CARLOS ANTÔNIO NAPION (PATRONO DO MATERIAL BÉLICO) – 1.814
Num antigo calendário descubro
que ele nasceu neste 30 de outubro.
Era italiano, do começo ao fim,
do bairro Carmine, na bela Turim.

Na Itália, um engenheiro sem igual,
foi contratado pelo exército de Portugal.
Veio para o Brasil com aquela gente,
na comitiva do Príncipe Regente.

Seu nome ganhou grande projeção,
pelos serviços prestados à nação
principalmente no campo da Artilharia.

Na fábrica da Estrela, nesta terra,
também lá no Arsenal de Guerra,
seu retrato é o 1º da galeria.


Publicado no site: O Melhor da Web em 22/06/2011
Código do Texto: 78744
É necessário efetuar o login para fazer comentários.
Comentários Recebidos
EDUARDO EUGÊNIO BATISTA
Foto Internauta: nº 3893 - Setedados - EDUARDO EUGÊNIO BATISTA

Vai para a página de Recados! Texto mais recente, cadastrado no site! CLIQUE PARA LER! Sonetos 25, 26 e 27 do meu livro Vai para a página de Contatos!
Mensagem referente ao texto: 22.06. MORTE DE CARLOS ANTÔNIO NAPION (PATRONO DO MATERIAL BÉLICO) – 1.814
Eduardo
A guerra é um horror! É uma carnificina! Ressaltar pessoas relacionadas a ela é uma ofensa a humanidade... Um mau gosto tremendo Sr. Gilson Lira. Não se ofenda mas, tem certas datas ou pessoas que nem devem ser mencionadas nunca em poesia, ainda mais se tratando com uma contribuição mesmo que seja mínima sequer com a realidade da tristeza da guerra. Só para citar um exemplo: Alberto Santos Dumont foi traído pelos países avançados, ao ver o seu invento ser transformado em uma arma de guerra, com certeza ele jamais o teria criado se soubesse deste destino fatal para a sua invenção. Pense profundamente nisto e analise melhor o futuro dessa juventude de esperança das todas as nações que sofreram amargamente no passado com essas perdas bélicas.
22/06/2011