Warning: include(../i_menu_impressao.php) [function.include]: failed to open stream: No such file or directory in D:\Domains\omelhordaweb.com.br\wwwroot\poesias\imprime_poesia.php on line 21

Warning: include(../i_menu_impressao.php) [function.include]: failed to open stream: No such file or directory in D:\Domains\omelhordaweb.com.br\wwwroot\poesias\imprime_poesia.php on line 21

Warning: include() [function.include]: Failed opening '../i_menu_impressao.php' for inclusion (include_path='c:\php5.2fastcgi\dev;c:\php5.2fastcgi\ext;c:\php5.2fastcgi\extras;c:\php5.2fastcgi\extras\pdf-related;c:\php5.2fastcgi;.') in D:\Domains\omelhordaweb.com.br\wwwroot\poesias\imprime_poesia.php on line 21
Poema

Autor(a): MANUELA

Cançoneta da recriação do mundo (Paulinho Assunção) (+tradução italiana)
No princípio era o coito — e não havia trevas.
Só havia o coito — o céu e a terra, os astros
e as águas, e as gentes, das incontáveis espécies,
e havia ritmo, pois no princípio era o coito, e havia
cítaras e saxofones, rombudos violoncelos,
encapelados violinos, e flautas, e flautins, e taróis,
pois no princípio era o coito, e havia orquestra,
e havia vinhas e havia uva e havia vinho
para o curso da festa, pois no princípio era o coito,
e não havia verbo e não havia discurso, só o corpo,
e os corpos, a líquida aliança, jateantes abraços,
esguichantes tumultos, orgíacas cidadelas, e as gentes,
das incontáveis espécies, pois no princípio era o coito,
grilos e grilas, abelhos e abelhas, formigos e formigas,
todas as gentes, bípedes e quadrúpedes, voantes
e rastejantes, o fero e a fera, pois no princípio era o coito,
é o que digo, desbocado com gregório, com o elixir
do bernardo, é o que digo, no princípio era o coito
e foi assim a criação do mundo.
____________________________________


Tradução italiana de Manuela Colombo



Canzoncina della ricreazione del mondo
 
In principio era il coito — e non c’erano tenebre.
C’era solo il coito — il cielo e la terra, gli astri
e le acque, e le genti, di innumerevoli specie,
e c’era ritmo, poiché in principio era il coito, e c’erano
cetre e sassofoni, rustici violoncelli,
beneducati violini, e flauti, e ottavini, e tamburi,
poiché in principio era il coito, e c’era l’orchestra,
e c’erano vigne e c’era uva e c’era vino
per la riuscita della festa, poiché in principio era il coito,
e non c’era verbo e non c’era sermone, solo il corpo,
e i corpi, la liquida alleanza, zampillanti abbracci,
sprizzanti tumulti, orgiastiche cittadelle, e le genti,
di innumerevoli specie, poiché in principio era il coito,
grilli e grille, api e apesse, formiconi e formiche,
tutte le genti, bipedi e quadrupedi, volanti
e striscianti, il fiero e la fiera, poiché in principio era il coito,
questo io dico, sboccato come gregorio, con l’elisir
di bernardo, questo io dico, in principio era il coito
e andò così la creazione del mondo.