Warning: include(../i_menu_impressao.php) [function.include]: failed to open stream: No such file or directory in D:\Domains\omelhordaweb.com.br\wwwroot\poesias\imprime_poesia.php on line 21

Warning: include(../i_menu_impressao.php) [function.include]: failed to open stream: No such file or directory in D:\Domains\omelhordaweb.com.br\wwwroot\poesias\imprime_poesia.php on line 21

Warning: include() [function.include]: Failed opening '../i_menu_impressao.php' for inclusion (include_path='c:\php5.2fastcgi\dev;c:\php5.2fastcgi\ext;c:\php5.2fastcgi\extras;c:\php5.2fastcgi\extras\pdf-related;c:\php5.2fastcgi;.') in D:\Domains\omelhordaweb.com.br\wwwroot\poesias\imprime_poesia.php on line 21
Poema

Autor(a): MANUELA

Não há motivo para te importunar (José Luís Peixoto) (+tradução italiana)
Não há motivo para te importunar a meio da noite,
como não há leite no frigorífico, nem um limite
traçado para a solidão doméstica.
 
Tudo desaparece. Nada desaparece. Tudo desaparece
antes de ser dito e tu queres dormir descansada. Tens
direito a um subsídio de paz.
 
Se eu escrever um poema, esse não é motivo para te
importunar. Eu escrevo muitos poemas e tu trabalhas
de manhã cedo.
 
Toda a gente sabe que a noite é longa. Não tenho o
o direito de telefonar para te dizer isso, apesar dessa
evidência me matar agora.
 
E morro, mas não morro. Se morresse, perguntavas:
porque não me telefonaste? Se telefonasse, perguntavas:
sabes que horas são?
 
Ou não atendias. E eu ficava aqui. Com a noite ainda
mais comprida, com a insónia, com as palavras
a despegarem-se dos pesadelos.
 
in Gaveta de Papéis
_______________________________________


Tradução italiana de Manuela Colombo


Non c’è motivo per disturbarti...

Non c’è motivo per disturbarti a mezzanotte,
come non c’è latte nel frigorifero né un limite
prestabilito per la solitudine domestica.
 
Tutto scompare. Nulla scompare. Tutto scompare
prima d’esser detto e tu vuoi dormire tranquilla. Hai
diritto a un sussidio di pace.
 
Se sto scrivendo una poesia, questo non è motivo per
disturbarti. Io scrivo tante poesie e tu vai al lavoro
presto di mattina.
 
Tutti quanti sanno che la notte è lunga. Non ho
il diritto di telefonarti per dirtelo, malgrado questa
innegabilità mi stia uccidendo.
 
E muoio, senza morire. Se morissi, mi chiederesti:
perché non mi hai telefonato? Se telefonassi, mi chiederesti:
sai che ore sono?
 
O non risponderesti. E io rimarrei qui. Con la notte ancora
più lunga, con l’insonnia, con le parole
che si distaccano dagli incubi.