Warning: include(../i_menu_impressao.php) [function.include]: failed to open stream: No such file or directory in D:\Domains\omelhordaweb.com.br\wwwroot\poesias\imprime_poesia.php on line 21

Warning: include(../i_menu_impressao.php) [function.include]: failed to open stream: No such file or directory in D:\Domains\omelhordaweb.com.br\wwwroot\poesias\imprime_poesia.php on line 21

Warning: include() [function.include]: Failed opening '../i_menu_impressao.php' for inclusion (include_path='c:\php5.2fastcgi\dev;c:\php5.2fastcgi\ext;c:\php5.2fastcgi\extras;c:\php5.2fastcgi\extras\pdf-related;c:\php5.2fastcgi;.') in D:\Domains\omelhordaweb.com.br\wwwroot\poesias\imprime_poesia.php on line 21
Duetos

Autor(a): HELENO ALEXANDRE

AUGUSTO DOS ANJOS E JOÃO PESSOA
AUGUSTO DOS ANJOS E JOÃO PESSOA
HELENO ALEXANDRE (SAPÉ-PB) & DOMINGOS MATIAS NOVA CRUZ-RN)

Heleno
Um norteriograndense
Que tem a voz muito boa
Com esse paraibano
Pra o mundo seu verso voa
Em Sapé terra de Augusto
Na Praça João Pessoa

Domingos
O berço de João Pessoa
Que no Umbuzeiro é
Sobrinho de Epitácio
Neto do Barão até
Democrata de nascença
E paraibano de fé

Heleno
Augusto dos Anjos é
Daqui nasceu na usina
Foi nutrido com o leite
Da escrava Guilermina
Partiu pra Minas Gerais
E Morreu em Leopoldina

Domingos
João não quis a medicina
Em Direito fez carreira
Por ser contra a Prestes teve
Que enfrentar a capoeira
Do guerrilheiro João Dantas
E o coronel Zé Pereira

Heleno
Augusto em terra mineira
Morreu ainda rapaz
O sapeense deseja
Que tragam os restos mortais
Do filho ilustre da terra
Que em outra cidade jaz

Domingos
Dois anos governou mais
Trabalhando na medida
Entregou durante a morte
O que não pode com a vida
E deu nome pra capital
Da sua terra querida

Heleno
Augusto da mãe querida
Tem sobrenome Carvalho
Foi pai de Guilherme e Glória
Esposo de Esther Fialho
O e mundo inteiro se curva
Acerca do seu trabalho

Domingos
João teve como trabalho
Ministério Federal
Da Fazenda e da Marinha
Três anos e no final
Passou a ser presidente
Do Supremo Tribunal

Heleno
Ganhou fama mundial
Desde o Alaska á Suíça
Até um doutor em letras
Com seus versos se enguiça
Paraibano do século
Augusto foi com justiça

Domingos
Agosto da injustiça
Trinta o ano e trinta o dia
De João Dantas João sofreu
Dois tiros de covardia
Faleceu lá no Recife
Em uma confeitaria