Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
kuryos - Silvio Dutra
Silvio Dutra
Cadastrado desde: 29/08/2012

Texto mais recente: Queixas Vivas



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Acrósticos
Imprimir - Impressora!
Imprimir
Como ser Indizivelmente Feliz
02/02/2013
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
 
102057 Como ser Indizivelmente Feliz kuryos - Silvio Dutra
Como ser Indizivelmente Feliz

Por A. R. Torrey (adaptado)

“A quem, não havendo visto, amais; no qual, não vendo agora, mas crendo, exultais com alegria indizível e cheia de glória,”    (I Pe 1.8)

Eu tenho aqui um belo texto, um texto que vocês todos conhecem, mas eu fico surpreso como muitos de vocês têm sempre refletido sobre o mesmo o suficiente para compreenderem todo a maravilhosa riqueza do seu significado.
Uma jovem na Inglaterra, há muitos anos atrás sempre usava um medalhão de ouro que ela nunca permitiria a qualquer pessoa que o abrisse e olhasse o que ele continha em seu interior, e todos pensavam que deveria haver algum romance relacionado ao medalhão e que este deveria conter o retrato de alguém que ela amava. A jovem morreu ainda nova, e depois da sua morte o medalhão foi aberto, todos ficaram surpresos com o que eles viram. Porque no medalhão havia uma simples e pequena tira de papel com estas palavras escritas, “Embora eu não o veja, eu o amo.”. O Senhor Jesus foi o único amor que ela conheceu e o único amor que ela desejou, e ela tinha ido se encontrar com ele, o único objeto de toda a devoção do seu coração, o invisível mas amado Salvador.   
Mas é para a última parte do versículo que eu chamo a sua particular atenção, “no qual, não vendo agora, mas crendo, exultais com alegria indizível e cheia de glória,”.
Este texto nos informa (e muitos de nós não necessitam estar informados disto, porque nós conhecemos isto por uma experiência abençoada) que aquele que realmente crê em Jesus Cristo, nosso invisível, mas sempre vivo Senhor e Salvador, regozija-se com “indizível e gloriosa alegria”. A palavra grega “alegria” traduzida é um palavra muito forte, que significa extrema alegria ou alegria jubilosa. A palavra “indizível” significa que esta jubilosa alegria é de um tal caráter que não podemos, de nenhuma maneira, explicar isto adequadamente a outros. Cada um que realmente crê no Senhor Jesus regozija-se com    um alegria jubilosa que está além de qualquer descrição. E todos os que verdadeiramente creem no Senhor Jesus Cristo são os únicos que se regozijam desta forma. Outros podem ter uma certa quantidade de alegria, uma certa medida de felicidade, mas somente o povo que realmente conhece a “indizível e gloriosa alegria” são aqueles que realmente creem em Jesus Cristo.
Quem há entre nós que não deseja ser feliz? A felicidade é algo que todos os homens estão procurando. Um homem procura por ela de uma maneira, mas todos os homens estão à procura disto. Mesmo o homem que é “feliz somente quando ele está infeliz” e está procurando felicidade neste estranho caminho de cultivo de uma melancolia deleitosa por estar sempre olhando para o lado escuro das coisas. Um homem procura o dinheiro porque ele pensa que o dinheiro fará um homem feliz. Outro homem procura prazeres mundanos porque ele pensa que os prazeres do mundo o farão feliz. Ainda outro procura aprender, o conhecimento da ciência, ou filosofia, ou história, ou literatura, porque ele pensa que o aprendizado traz a verdadeira alegria, mas todos eles estão à procura de uma única coisa, a felicidade.
A vasta maioria dos homens que procuram a felicidade não a encontram. Vocês podem dizer que vocês estão satisfeitos, mas para a maioria dos homens este é um mundo infeliz. Eu visito os lares dos pobres, e não acho muitas pessoas felizes lá. Eu vou às casas dos ricos, e eu não encontro muitas pessoas felizes mesmo neste caso. Observem os rostos das pessoas que vocês encontram nas ruas, e lugares de diversão, ou qualquer outro lugar, quantas faces realmente radiantes vocês veem? Quando vocês veem um isto é tão excepcional que você não nota isto outra vez. Mas há uma maneira, e uma muito simples maneira, uma maneira muito certa, que está aberta a todos, não somente para achar felicidade, mas para ser indizivelmente feliz. Nosso texto fala-nos qual é esta maneira. Ouçam:    “a quem, não havendo visto, amais; no qual, não vendo agora, mas crendo, exultais com alegria indizível e cheia de glória,”. Esta afirmação de Pedro é verdadeira. Como eu sei que isto é verdade? Em primeiro lugar, eu sei que isto é verdadeiro porque a Palavra de Deus o diz. Não importa o que digam, a Bíblia diz que é verdade. Em segundo lugar, eu sei que isto é verdade porque eu tenho colocado o assunto sob um teste de experiência pessoal, e descobri que é verdade. Muitas pessoas boas dizem, “eu não creio na Bíblia.”. Bem, eu creio. Eu creio na Bíblia por algumas suficientes razões;    mas há uma razão porque eu creio nela, que eu desejo mencionar: eu creio na Bíblia porque eu tenho pessoalmente testado grandes porções dos seus mais surpreendentes e aparentemente mais inacreditáveis relatos e tenho encontrado cada um deles verdadeiro em minha própria experiência.         
I. Porque aqueles que creem em Jesus Cristo têm Indizível e Gloriosa Alegria   
1. Primeiro de tudo, aqueles que creem em Jesus Cristo têm “indizível e gloriosa alegria” porque esta alegria como se diz no texto, é em Jesus mesmo (“no qual”) assim é por meio daquilo que está nele mesmo que ficamos alegres. A primeira das coisas importantes que dele recebemos é saber que todos os nossos pecados são perdoados. Isto é uma coisa maravilhosa para se saber que não há uma só, a mais leve nuvem entre você e Deus, saber que não importa quantos, ou quão grandes    seus pecados possam ter sido, que eles são todos apagados e esquecidos; saber que Deus tem colocado todos eles atrás das Suas costas, onde ninguém pode jamais apanhá-los; saber que Deus tem lançado todos os seus pecados nas profundezas do oceano; de onde nunca mais poderão ser levantados; que todos eles têm se ido. Um menino uma vez perguntou à sua mãe, “Mãe, para onde vão os nossos pecados depois que eles são apagados?”. Sua mãe respondeu, “Meu filho, onde foram parar todas aqueles desenhos que você apagou no seu caderno ontem?”. Ele respondeu, “eu apaguei com a borracha”. Então ela perguntou, “Onde estão eles agora?”. Ele respondeu, “Eles não estão em nenhum lugar.”. “Bem”, ela disse, “é justamente isto a mesma coisa que acontece com os nossos pecados quando Deus os tem apagado. Eles não estão em nenhum lugar. Eles deixaram de existir.”.      
Oh, amigos, que alegria é saber que não há uma única diminuta nuvem entre você e o Espírito de Deus que nós chamamos de Pai e que governa este universos. Suponha que você tivesse ofendido as leis da nação e que tinha sido enviado à prisão sob uma sentença de morte, e o perdão foi dado a você, você não ficaria feliz? Mas isto não é nada comparado com a alegria de saber isto, que cada um dos seus pecados é apagado. Alguns anos atrás o Governador Stuart da Pensilvânia determinou o perdão a um dos prisioneiros daquele Estado, e chamou o Sr. Moody (avivalista americano) e disse-lhe: “eu tenho determinado o perdão a um dos prisioneiros de nossa prisão estatal, e eu desejo que você venha anunciar-lhe que foi perdoado.”. Assim o Sr Moddy veio, e antes de começar a pregar ele disse, “eu tenho o perdão para um dos homens a quem o Governador me tem enviado para lhe declarar isto.”. Ele não pretendia dizer quem era aquele a quem ele havia perdoado, até o sermão terminar, mas assim que ele olhou ao redor de sua audiência e viu quão ansiosos eles estavam, o Sr Moody pensou, “isto nunca ocorrerá, eu não posso manter estes homens neste suspense,” assim ele disse, “eu falarei a vocês agora quem é o homem,”, e ele leu seu nome dizendo que tinha sido perdoado. Você não pensa que foi um momento de alegria para aquele único homem entre aquelas centenas de prisioneiros, um momento alegre porque um só homem tinha sido perdoado pelo Governador. E que poderia sair livre da prisão? Sim, mas isto não é nada diante do conhecimento de que o eterno Deus tem perdoado eternamente seus pecados. Cada verdadeiro cristão sabe isto, ele sabe que cada um dos seus pecados foram perdoados. Como pode ele saber isto? Porque a Bíblia assim ensina em muitos lugares, desde as Escrituras do Antigo Testamento.      
Por exemplo, ela diz em Atos 13.39: “e por meio dele todo o que crê é justificado de todas as cousas das quais vós não pudestes ser justificados pela lei de Moisés.”. Nós sabemos isso porque Deus disse isso. Mas ninguém além do cristão em Jesus Cristo sabe que todos os seus pecados são perdoados. Se alguém que não é um cristão em Jesus diz, “eu sei que todos os meus pecados são perdoados”, ele diz o que não é verdade, porque ele não sabe isto, e não pode saber isto, porque isto não é um fato no seu caso, mas o cristão sabe isto porque a Palavra de Deus assim o afirma.
Os cristãos sabem que todos os seus pecados são perdoados por uma outra razão, esta é, porque o Espírito Santo produz um testemunho em seus próprios corações sobre este fato. Um dia, quando o apóstolo Pedro estava pregando a Cornélio, o centurião romano, e à sua casa, ele disse, “Dele todos os profetas dão testemunho de que, por meio de seu nome, todo o que nele crê recebe remissão de pecados.” (At 10.43), e cada um dos seus ouvintes creu nisto. O Espírito de Deus foi derramado então e encheu seus corações com o conhecimento de que seus pecados foram perdoados, e eles começaram a magnificar a Deus com vozes de júbilo. Eu lhes digo que aquele foi um alegre encontro.   
Um rei, um grande rei, certa vez escreveu uma das maiores canções que jamais foi escrita. Aquela canção tem permanecido através das gerações. Ela tinha sido cantada e ainda está sendo cantada por milhares. Ela tem sido cantada por milhões, e penso que ela foi escrita muitos séculos atrás, e é tão doce hoje quanto quando foi escrita pelo rei. O homem que escreveu esta canção era um grande rei, o maior rei até estes dias, e ele foi também o maior dos generais. Ele tinha um grande exército, o maior exército conquistador até hoje. Ele tinha um palácio magnífico.   
Eu não suponho que algum outro rei terreno tenha sido tão amado quanto ele foi. Esta canção era sobre alegria e sobre felicidade. Ele não diz nesta canção, “Quão feliz é o homem que é um grande rei,”, ou “quão feliz é o homem que é um grande general”. O que ele diz? “Bem-aventurado aquele cuja iniquidade é perdoada, cujo pecado é coberto.” (Sl 32.1). Não felicidade igual à alegria de saber que seus pecados são todos perdoados. Oh, que alegria faz estremecer o coração quando o homem sabe que seus pecados são totalmente, voluntariamente e eternamente esquecidos por Deus. Esta é uma das razões porque aquele que crê em Jesus Cristo é indizivelmente feliz, e você pode ter esta indizível felicidade, e pode ter esta indizível felicidade hoje. Eu não me importo quão negra sua vida    tenha sido no passado, eu não me importo quão longe você possa ter se desviado de Deus, eu não me importo com quanto tempo você possa ter permanecido no pecado, se você receber a Jesus hoje como seu Salvador e seu Senhor, e crer nele, cada um dos seus pecados serão apagados, e será seu privilégio saber isto.   
2. Em segundo lugar, aqueles que creem em Jesus Cristo se regozijam com “indizível e gloriosa alegria” porque eles estão livres da mais opressiva e escruciante forma de escravidão, a escravidão ao pecado. Há muitos escravos na audiência esta noite. Alguns de vocês são escravos da bebida.    Vocês sabem que são escravos da bebida. Alguns de vocês são escravos das drogas. Outros são escravos de um temperamento incontrolável. Outros de atos de impureza ou de pensamentos impuros. Alguns de vocês são escravos de ouros pecados. A mais grosseira, vil, e degradante escravidão no universo é a    escravidão ao pecado. Sim, muitos de vocês aqui esta noite são escravos. Mas o Senhor Jesus diz em Jo 8.31,32: “Disse, pois, Jesus aos judeus que haviam crido nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos; e conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.”.    E ainda no verso 36: “Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.”. Não há um escravo nesta igreja hoje que não possa ter suas correntes partidas num momento, pelo poderoso Filho de Deus, se somente crer em Jesus e confiar nele para fazê-lo. Quantos homens e mulheres eu tenho conhecido que uma vez foram escravos do pecado em suas formas mais degradantes, e que agora estão livres.   
Um dos mais queridos e mais honrados e úteis amigos que eu tive foi Sam Hardley da cidade de Nova York. Ele estava antes desesperançado e escravizado ao pecado. A bebida o havia dominado e minado o seu caráter. Ele tinha cometido 138 falsificações, e estava sendo procurado pela polícia. Uma noite, depois de ter    passado a noite anterior numa cela de Nova York com calafrios num encontro missionário a uns poucos quarteirões da cadeia ele creu em Jesus para salvá-lo, e Jesus o salvou, e eu frequentemente lhe ouvi dizer que nunca mais desde aquela noite teve o menor desejo de fazer o que lhe havia escravizado mais do que qualquer coisa, intoxicar-se com bebidas. Ah! que homem feliz ele se tornou! Tudo o que ele soube testemunhar é que ele tinha “indizível e gloriosa alegria.”. Eu gostaria que você olhasse a face de    Sam Hardley para ver a alegria neste redimido e radiante semblante. Mas nós não precisamos chamar Sam Hardley para vir do céu testemunhar, porque há centenas de pessoas aqui nesta noite que uma vez foram completamente escravizadas, que agora são homens e mulheres livrados por Deus, e que poderiam testificar o fato. Esta é uma razão porque nós somos indizivelmente felizes, porque nós somos livres. Como os negros do Sul se regozijaram quando eles souberam que eles tinham sido libertados. Eles clamavam e cantavam, “Glória! Glória! Aleluia!”. Por que? Porque uma vez eles foram escravos, mas agora estavam livres. Não admira, então que nós nos regozijemos com “indizível e gloriosa alegria” porque nós sabemos que nós estamos livres, e livres para sempre.         
3. Em terceiro lugar, aqueles que creem em Jesus Cristo se regozijam com “indizível e gloriosa alegria,” porque eles foram livrados de todo o medo. Não há nada que enegreça mais o coração humano e que lhe furta toda a alegria e o enche com tristeza do que o medo em suas mais variadas formas.
Aqueles que verdadeiramente creem em Jesus Cristo são salvos de todo o medo. Eles são livrados de todo o medo da falta de sorte, eles são livrados de todo o medo dos homens. São livrados de todo o medo da morte; são livrados de todo o medo do que há depois da morte. Vocês sabem, amigos, que para um cristão verdadeiro em Jesus, a eternidade é uma das mais doces palavras? Oh, como isto faz nossos corações se alegrarem, esta palavra eternidade. Mas eternidade não é uma doce palavra para o não salvo. Escreva estas palavras, “Onde você passará a eternidade?” numa placa e a dê a um cristão, e isto o fará alegre. Por que isto? Simplesmente porque um cristão verdadeiro em Jesus Cristo não teme, mas se delicia em pensar na eternidade. Porque, para ele que crê em Jesus Cristo a eternidade é glória.
4. Em quarto lugar, aquele que crê em Jesus Cristo se regozija com “indizível e gloriosa alegria” porque ele sabe que viverá para sempre. Não é isto algo para se regozijar para sempre? Isto não é maravilhoso? Nós lemos em I Jo 2.17, “Ora, o mundo passa, bem como a sua concupiscência; aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente.”. Nós sabemos que é verdade que o mundo passa. Nós certamente devemos saber isto pelos dias em que vivemos, mas é igualmente verdade que aquele que faz a vontade de Deus permanece eternamente.      
Satanás veio roubar, matar e destruir, mas Jesus para dar vida, e vida em abundância. O trabalho do príncipe do mundo é o de destruir. Destruir é muito fácil. Não é preciso ser um gênio para destruir o que quer que seja. Mas o trabalho de Jesus é de edificação. O de edificar o Seu próprio caráter em nós, de forma a que tenhamos a plenitude da Sua vida eterna. Vida esta que temos recebido pela fé nele. Olhamos o mundo visível e vemos em todas as coisas criadas o grande trabalho de planejamento e de execução de Deus para trazer tudo à existência com a infinidade de detalhes que encontramos na criação. Basta olhar para as criaturas no fundo dos oceanos, ou para as que vivem sobre a terra, quão variadas são as suas formas de vida e o modo como elas se expressam. Além disso há ainda um mundo físico invisível de bilhões de seres microscópicos. Pensamos agora em Jesus nos edificando naquelas coisas que pertencem ao mundo espiritual e que não são visíveis ao olho ou inexplicáveis à razão humana, tal como a alegria indizível de que falamos, e junto com esta o seu amor, bondade, misericórdia, santidade e tudo o mais que existe na natureza de Deus e que está sendo edificado em nós, no trabalho de tornar-nos semelhantes a Jesus. Para este propósito é que o cristão pode ser contristado, caso necessário, por breve tempo, por várias provações, como se afirma no sexsto versículo do mesmo capítulo do nosso texto, isto terá em vista a confirmação do valor da sua fé, para que isto redunde em louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo, como se afirma no versículo sétimo. Esta alegria indizível e cheia de glória não significa portanto que o cristão não terá aflições e provações neste mundo. Mas, nenhuma delas poderá roubar a alegria que tem na sua comunhão com Cristo, e o efeito destas circunstâncias adversas em sua vida será a confirmação da sua fé, conduzindo-o ao crescimento espiritual nAquele que o salvou.   
Algumas vezes nós dirigimos ao longo de nossa belas estradas e nós vemos as majestosas mansões dos multimilionários, e um deles pensará, “é muito agradável viver aqui”. Bem, eu suponho que deve ser, mas pense um momento. Quanto tempo estas pessoas morarão lá? Talvez o pai de família possa viver lá dez anos, possivelmente vinte. Então onde ele irá viver? Alguns de seus filhos podem viver lá vinte, trinta, possivelmente, quarenta anos, e então onde viverão depois, quando a morte chegar? Eu lhes digo que é de nenhum valor tudo isto. Mas o cristão olha para uma vida que não tem fim, a vida que é eterna. Glória!
Há uma beleza espiritual que estará sempre sendo construída em sua vida. Ele sempre estará avançando por toda a eternidade no trabalho da sua semelhança com o majestoso Deus, cujas moradas são eternas, porque os que nelas habitam também têm alcançado a eternidade.      
5. Em quinto lugar, aqueles que verdadeiramente creem em Jesus Cristo se regozijam grandemente com “indizível e gloriosa alegria” porque eles sabem que eles são filhos de Deus. Isto é a grande coisa para se saber, que você é filho de Deus. Como pode o cristão saber isto? Ele sabe isto porque Deus diz em Jo 1.12, “”Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; a saber: aos que creem no seu nome;”. Um filho de Deus, pense nisto! Algumas vezes eu tenho viajado ao redor do mundo e alguém apontaria para mim e diria, “este homem é filho de tal homem, que tem a aparência de algum rei. Você não gostaria de ser filho de um grande rei? Apenas olhe para aquele homem. Ele é o filho do rei.”.               
Há muitos anos atrás, em um país, quando o negócios do rei caminhavam melhor do que hoje, eu estava sendo apresentado ao filho do monarca de um dos reinos da Europa, e o homem que me havia apresentado sussurrou ao meu ouvido, “ele é o filho de fulano”    (dizendo o nome do rei). Bem, e daí? Ele era um homem refinado, mas ele não era o filho do rei? Eu sou um filho de Deus, e isto é muito maior, e cada cristão em Jesus Cristo nesta igreja é um filho de Deus,    filho do Rei dos reis. E alguns de vocês, se ainda não são filhos de Deus, podem vir a ser num instante por receber ao Senhor Jesus.
6. Em sexto lugar, os verdadeiros cristãos em Jesus Cristo se regozijam com “indizível e gloriosa alegria” porque eles são herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo. Isto não é       maravilhoso?    Nós estamos tão familiarizados com isto que nós não podemos parar de comentar o seu significado. Um dos duques da Inglaterra estava morrendo. Ele chamou seus irmãos, e dentre eles o que o sucederia e lhe disse, “irmão, em poucas horas você será duque e eu serei um rei.”. Ele já era um filho do Rei, e em poucas horas ele viria a ser um rei. Eu também serei um rei em poucos dias. Você pode dizer, “isto pode ser em muitos anos.”. Bem, muitos anos são apenas poucos dias na escala da eternidade. E, se vocês realmente são cristãos em Jesus Cristo, se vocês têm uma fé real e viva nele, vocês também serão reis em poucos dias. Nunca houve uma cerimônia real nas ruas de Londres, cuja coroação seja comparável em glória, à que nos espera a você e a mim, quando o Senhor voltar. “Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então vós também sereis manifestados com ele, em glória.” (Col 3.4). Nós podemos ser pobres hoje. Isto não é problema. Sua vida será elevada num momento e uma outra vida começará, e esta vida é eterna.
7. Em sétimo lugar, aqueles que verdadeiramente creem em Jesus Cristo, aqueles que lhes entregaram abertamente seus corações,    aqueles que se entregaram absolutamente a ele, se regozijam com “indizível e gloriosa alegria” porque Deus lhes dá o Espírito Santo, e não há outra alegria na presente vida semelhante à alegria do Espírito Santo. Numa manhã de domingo, em Chicago, a campainha da minha porta tocou. Eu guardava o domingo naqueles dias como meu dia de descanso, e por isso eu coloquei o seguinte recado fixado na porta: “Mr. Torrey não recebe ninguém no domingo”. A empregada veio atender à porta, e lá estava uma pobre mulher. A empregada disse, “O Sr Torrey não atende ninguém aos domingos. Você não leu o aviso na porta?”. Ela disse, “eu sabia isto, mas eu vim vê-lo    e você apenas vá dizer-lhe que um membro da sua igreja deve vê-lo.”. Assim a empregada trouxe-a à sala de recepção. Ela era uma lavadeira. A empregada fez com que ela se assentasse e veio até mim dizendo, “há uma mulher na sala que é membro da sua igreja e disse que ela veio vê-lo.”. Assim que me dirigi até ela, levantou-se e correu na minha direção, e disse, “Sr Torrey, eu sei que você não vê ninguém aos domingos, mas eu tinha que vê-lo.    Na noite passada depois que eu fui para a cama eu estava cheia com o Espírito Santo e eu estava tão feliz que eu não pude dormir toda a noite, e esta manhã, eu tinha que dizer isto a alguém. Eu não deveria faltar a um dia de trabalho para vir dizer-lhe isto, mas eu sabia que eu deveria dizer a alguém e eu não conheço ninguém a quem poderia falar senão ao senhor. E sei que não ficará chateado comigo.”. Certamente, eu não fiquei chateado. Eu fiquei feliz por ela ter vindo, e me regozijei com ela, que a idosa lavadeira tivesse sido cheia do Espírito Santo e que ficou tão cheia de alegria que, pobre como ela era, ela teve que dar um dia de trabalho para dizer tudo o que havia ocorrido a alguém que ela amava.      
Antes de que eu viesse a crer em Jesus Cristo eu era um dos homens mais tristes que já viveram. Eu nunca tinha sabido o que a tristeza significa até o dia em que eu realmente me tornei um cristão, absolutamente rendido a Deus. Eu tinha tido problemas. Eu tinha tido perdas. Houve momentos em minha vida quando eu tinha perdido tudo de belo que o mundo aprecia. Eu sei o que é ter uma esposa, e quatro filhos, e perder tudo por problemas financeiros, e não sabia de refeição a refeição, onde seria a próxima que eu teria. Eu estava absolutamente sem recursos, vivendo da ajuda de mãos para a boca – da mão de Deus para a minha boca. Eu tinha sabido o que é estar com esposa e filhos numa terra estrangeira onde eles falam uma língua estranha, e por alguma razão ou outra os suprimentos não chegavam, e eu não conhecia ninguém o bastante na cidade de forma que pudesse ser ajudado; mas eu não me atormentei. Eu sabia que estava totalmente nas mãos de Deus, que tudo voltaria ao normal de alguma maneira, e certamente tudo daria certo.
A primeira vez que visitei Londres, há trinta e nove anos atrás, eu estava planejando gastar duas semanas na Inglaterra, e então voltar à América. Eu esperava encontrar dinheiro esperando por mim, e quando cheguei a Londres com minha esposa e filhos, não havia nem carta nem dinheiro. Mas eu disse, “a carta e o dinheiro virão amanhã ou no próximo dia.”. Minha esposa fez algumas compras, com a condição de que somente as pagaríamos quando chegassem em casa, mas o dinheiro não chegou. Dia após dia se passou e as compras chegaram mas não havia dinheiro, e a proprietária viria com sua conta para efetuar a cobrança.                  
Faltava apenas um dia para o nosso navio partir, e não tínhamos um só centavo à vista. Eu fui ao banco. Eu não conhecia uma só alma em Londres. Havia três ou quatro milhões de pessoas lá então, um estrangeiro entre três ou quatro milhões de pessoas, sem nenhum dinheiro. Eu não me atormentei. Eu sabia que o dinheiro chegaria. Eu não sei como ele viria, mas ainda assim eu estava feliz. Por que? Porque eu era um filho de Deus; eu tinha a promessa da Bíblia; eu sei que elas são absolutamente corretas. Eu nunca perdi uma hora de sono. Eu nunca me desesperei. Eu apenas confiei. Isto parecia como se eu tivesse que ser alimentado como Elis havia sido, mas eu sabia que seria alimentado. Eu sabia que minha esposa e filhos seriam providos. O dinheiro veio, e eu naveguei no vapor. Amigos,, um cristão está feliz em todas as    horas e sob todas as circunstâncias. Nós nos regozijamos com “indizível e gloriosa alegria”, cada uma da vinte e quatro horas do dia. Vocês também podem ter esta alegria.
II. Como ter esta indizível e gloriosa alegria
Agora aparece a questão, o que alguém aqui esta noite que não tenha esta indizível e gloriosa alegria deve fazer para tê-la? Eu tenho realmente respondido esta questão nas várias vezes em que eu tenho dito, mas para ter certeza que nós todos realmente compreendemos isto, deixe-me responder isto de novo, ou ainda melhor deixe que o meu texto o responda, “A quem, não havendo visto, amais; no qual, não vendo agora, mas crendo, exultais com alegria indizível e cheia de glória,”    (I Pe 1.8). O texto fala-nos que a forma de obter esta “indizível e gloriosa alegria”, a maneira de ser indizivelmente feliz em todas as horas e sob todas as circunstâncias, é justamente pela fé no Cristo invisível.      
   O que isto significa, crer em Jesus Cristo? Não há nenhum mistério nisto. Isto simplesmente significa colocar a confiança em Jesus Cristo para ser o que ele declara ser e que ele oferece a si mesmo para ser para nós, para colocar a confiança nele como o único que morreu em nosso lugar, o único que carregou os nossos pecados em seu próprio corpo na cruz, e para confiar em Deus para perdoar todos os nossos pecados porque Jesus Cristo morreu em nosso lugar, para colocar a confiança nele como o único que se levantou da morte e que agora tem todo o poder no céu e na terra, e consequentemente para render todos os nossos pensamentos e desejos e vidas inteiramente ao seu controle, crendo em cada coisa que ele diz, mesmo que cada intelectual na terra negue isto, obedecendo cada coisa que ele ordena, independente do preço que    me custe; e a por a confiança nele como nosso divino Senhor, e confessar-lhe como Senhor diante do homens, e louvá-lo e adorá-lo. Isto é maravilhoso que agora vejam a quem creia deste modo em Jesus Cristo.   
Ser meramente um membro da igreja não é o suficiente. Meramente ser batizado não é o bastante. Meramente ler sua Bíblia não é suficiente. Meramente orar não é o bastante. Meramente ir à igreja não é o suficiente. Meramente participar da ceia do Senhor não é o bastante. Mas se vocês são realmente cristãos em Jesus Cristo, se vocês têm colocado nele toda a sua confiança como seu suficiente Salvador e seu exaltado Senhor e Mestre, e fazendo tudo o que já comentamos antes, então vocês terão “indizível e gloriosa alegria” em todas as horas e sob todas as circunstâncias.         
Tudo o que alguém tem que fazer, então, para ser indizivelmente feliz em todas as horas e sob todas as circunstância, é crer em Jesus Cristo. Isto não faz qualquer diferença, o que suas circunstâncias possam ser: ele pode ser rico ou ele pode ser pobre, ele pode ser altamente educado, ou ser muito ignorante, ele pode gozar de boa saúde, ou estar muito doente, ele pode ter sido um bom homem ou o mais vil dos pecadores, isto não importa. Cada um que crê no invisível mas vivo Cristo achará “indizível e gloriosa alegria”. Eu posso trazer uma grande quantidade, centenas, milhares de testemunhas para provarem isto. Você não pode trazer uma só testemunha do outro lado.
Certa vez um homem que estava totalmente em miséria veio a mim. Ele tinha sido dantes um homem talentoso, um estudante brilhante. Se eu nunca tivesse visto um homem no inferno ali estava o homem. Ele tinha tentado o suicídio pelo menos uma quatro vezes. Ele tinha estado tão perto em suas tentativas que em duas ocasiões foi necessário expulsar o veneno que ele havia tomado e assim ser trazido de novo à vida. Eu o encorajei a crer em Jesus Cristo. Ele replicou, “eu não posso, eu tenho pecado demais.”. Dia após dia eu falava com ele e sempre lhe entregava a seguinte mensagem: “Venha a Jesus Cristo. Creia em Jesus Cristo.”. Por fim, um dia o homem veio a Jesus. Ele encontrou “indizível e gloriosa alegria”; Algumas vezes eu tenho visto aquele homem e como sua face estava radiante. Fora do inferno, dentro do céu por apenas crer em Jesus Cristo! Vocês não farão o mesmo agora?               


Publicado no site: O Melhor da Web em 02/02/2013
Código do Texto: 102057
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.