Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
Manu - MANUELA
MANUELA
Cadastrado desde: 23/04/2012

Texto mais recente: Cantigas (Jorge de Lima) (+tradução italiana)



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de MANUELA , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6281

 
Textos & Poesias || Poema
Imprimir - Impressora!
Imprimir
A casa (Adélia Prado) (+tradução italiana)
19/03/2013
Autor(a): MANUELA
VOTE!
TEXTO ELEITO
4
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
 
104057 A casa (Adélia Prado) (+tradução italiana) Manu - MANUELA
A casa (Adélia Prado) (+tradução italiana)

É um chalé com alpendre,

forrado de hera.

Na sala, 

tem uma gravura de Natal com neve. 

Não tem lugar pra esta casa em ruas que se conhecem.

Mas afirmo que tem janelas,

claridade de lâmpada atravessando o vidro,

um noivo que ronda a casa 

- esta que parece sombria – 

e uma noiva lá dentro que sou eu.

É uma casa de esquina, indestrutível. 

Moro nela quando lembro,

quando quero acendo o fogo, 

as torneiras jorram, 

eu fico esperando o noivo, na minha casa aquecida. 

Não fica em bairro esta casa 

infensa à demolição.

Fica num modo tristonho de certos entardeceres,

quando o que um corpo deseja é outro corpo pra escavar.
Uma idéia de exílio e túnel.
____________________________________

Tradução italiana de Manuela Colombo


La casa

È uno chalet con veranda,
rivestito d’edera.
In sala
c’è un’incisione natalizia con neve.
Non c’è posto per questa casa in strade conosciute.
Ma sostengo che ci sono finestre,
chiarore di lampada che attraversa il vetro,
uno sposo che fa il giro della casa
di questa che appare in ombra -
e una sposa là dentro che sono io.
È una casa d’angolo, indistruttibile.
Ci abito, quando ricordo,
quando ne ho voglia accendo il fuoco,
i rubinetti zampillano,
io resto ad aspettare lo sposo, nella mia casa al calduccio.
Non sta in un quartiere questa casa,
ostile alla demolizione.
Sta con quell’aria mesta di certi crepuscoli
quando ciò che un corpo vuole è un altro corpo per inabissarsi.
Un qualcosa tra l’esilio e il tunnel.


Publicado no site: O Melhor da Web em 19/03/2013
Código do Texto: 104057
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.