Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
Manu - MANUELA
MANUELA
Cadastrado desde: 23/04/2012

Texto mais recente: Vento (A.M. Pires Cabral) (+tradução italiana)



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de MANUELA , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6281

 
Textos & Poesias || Poema
Imprimir - Impressora!
Imprimir
Reflexões de um adeus (Victor Motta) (+ tradução italiana)
20/07/2013
Autor(a): MANUELA
VOTE!
TEXTO ELEITO
180
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
Reflexões de um adeus (Victor Motta) (+ tradução italiana)


Agora, sentado,
ouvindo apenas o ruído do silêncio,
parado,
eu penso em nós.

Vem vindo do fundo, gritante,
alarmante,
a ansiedade do tempo passado
preenchendo do nada
o vazio de dois mundos.
Somos duas pontas de flexas,
disparadas do infinito,
que não se encontrarão.

Um grito de alarme
cresce na garganta
e espanta
no vôo, a felicidade
que em vão tenta o pouso
em minha alma angustiada.
Somos dois que
marcham ao longo,
sem cruzamentos,
nem encontros.

Tontos,
procuramos nos dar as mãos
através o nevoeiro do tempo.
Ilusão temerária de sermos um,
quando seremos, eternamente
dois.
Pois,
não percebes?
Teu mundo é formado
de outras cores.

Consulto o silêncio,
tal fora o relógio da vida,
e vejo nos ponteiros
que não se tocam
nossa própria tentativa
do ser uno.
Nessa ilusão míope não vemos
que passamos
um pelo outro,
sem nos tocarmos,
como os ponteiros
que marcam a vida,
perdida.
(1972)
-------------------------------------

Tradução italiana de Manuela Colombo


Riflessioni per un addio

Adesso, seduto,
ascoltando solo il suono del silenzio,
immobile,
io penso a noi.

Sta salendo dal fondo, urlante,
allarmante,
l’ansia del tempo passato
riempiendo di nulla
il vuoto di due mondi.
Siamo due punte di freccia,
scoccate dall’infinito,
che non si incontreranno.

Un grido d’allarme
cresce in gola
e spaventa,
nel volo, la felicità
che invano tenta di posarsi
sulla mia anima afflitta.
Siamo due che
camminano a fianco,
senza incrociarsi
né incontrarsi.

Storditi,
cerchiamo di darci la mano
attraverso la nebbia del tempo.
Illusione temeraria d’esser uno,
mentre saremo, eternamente
due.
Così è,
non t’accorgi?
Il tuo mondo è fatto
d’altri colori.

Interrogo il silenzio,
come fosse l’orologio della vita,
e vedo nelle lancette
che non si toccano
il nostro stesso tentativo
d’esser uno.
In questa miope illusione non vediamo
che ci superiamo
l’un l’altro,
senza toccarci,
come le lancette
che segnano la vita,
perduta.


Publicado no site: O Melhor da Web em 20/07/2013
Código do Texto: 108654
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.