Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
Manu - MANUELA
MANUELA
Cadastrado desde: 23/04/2012

Texto mais recente: Vento (A.M. Pires Cabral) (+tradução italiana)



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de MANUELA , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6281

 
Textos & Poesias || Poema
Imprimir - Impressora!
Imprimir
blues da morte de amor (Vasco Graça Moura) (+tradução italiana)
01/08/2013
Autor(a): MANUELA
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
blues da morte de amor (Vasco Graça Moura) (+tradução italiana)

já ninguém morre de amor, eu uma vez
andei lá perto, estive mesmo quase,
era um tempo de humores bem sacudidos,
depressões sincopadas, bem graves, minha querida,
mas afinal não morri, como se vê, ah, não,
passava o tempo a ouvir deus e música de jazz,
emagreci bastante, mas safei-me à justa, oh yes,
ah, sim, pela noite dentro, minha querida.

a gente sopra e não atina, há um aperto
no coração, uma tensão no clarinete e
tão desgraçado o que senti, mas realmente,
mas realmente eu nunca tive jeito, ah, não,
eu nunca tive queda para kamikaze,
é tudo uma questão de swing, de swing, minha querida,
saber sair a tempo, saber sair, é claro, mas saber,
e eu não me arrependi, minha querida, ah, não, ah, sim.

há ritmos na rua que vêm de casa em casa,
ao acender das luzes, uma aqui, outra ali.
mas pode ser que o vendaval um qualquer dia venha
no lusco-fusco da canção parar à minha casa,
o que eu nunca pedi, ah, não, manda calar a gente,
minha querida, toda a gente do bairro,
e então murmurarei, a ver fugir a escala
do clarinete: — morrer ou não morrer, darling, ah, sim.
_______________________________

Tradução italiana de Manuela Colombo


Blues del morir d’amore

ormai nessuno muore d’amore, io una volta
ci andai vicino, stavo proprio quasi,
erano tempi di comportamenti agitati,
depressioni sincopate, molto gravi, mia cara,
ma alla fine non morii, come si vede, ah, no,
passavo il tempo ad ascoltare dio e la musica jazz,
dimagrii molto, ma mi salvai in tempo, oh yes,
ah, sì, vivendo nella notte, mia cara.

uno si sfiata e non sfonda, sente una stretta
al cuore, una tensione nel clarinetto e
tanto squallido il risultato, ma realmente,
ma realmente io non ho mai avuto disposizione, ah, no,
io non ho mai avuto la stoffa del kamikaze,
è tutta una questione di swing, di swing, mia cara,
saper uscire a tempo, saper uscire, è chiaro, ma sapere,
e io non mi pentii, mia cara, ah, no, ah, sì.

ci sono ritmi per la via che vanno di casa in casa,
all’accendersi delle luci, una qui, l’altra lì.
ma può darsi che la tempesta un bel giorno venga
e sul finire della canzone si fermi a casa mia,
cosa che non ho mai preteso, ah, no, fai tacere la gente,
mia cara, tutta la gente del quartiere,
e allora mormorerò, vedendo sfuggire la scala
del clarinetto: — morire o non morire, darling, ah, sì.

Publicado no site: O Melhor da Web em 01/08/2013
Código do Texto: 109075
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.