Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto


Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de MANUELA , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6281

 
Textos & Poesias || Poema
Imprimir - Impressora!
Imprimir
Uma voz na pedra (António Ramos Rosa) (+ tradução italiana)
30/09/2013
Autor(a): MANUELA
VOTE!
TEXTO ELEITO
1
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
Uma voz na pedra (António Ramos Rosa) (+ tradução italiana)


Não sei se respondo ou se pergunto.
Sou uma voz que nasceu na penumbra do vazio.
Estou um pouco ébria e estou crescendo numa pedra.
Não tenho a sabedoria do mel ou a do vinho.
De súbito ergo-me como uma torre de sombra fulgurante.
A minha ebriedade é a da sede e a da chama.
Com esta pequena centelha quero incendiar o silêncio.
O que eu amo não sei. Amo em total abandono.
Sinto a minha boca dentro das árvores e de uma oculta nascente.
Indecisa e ardente, algo ainda não é flor em mim.
Não estou perdida, estou entre o vento e o olvido.
Quero conhecer a minha nudez e ser o azul da presença.
Não sou a destruição cega nem a esperança impossível.
Sou alguém que espera ser aberto por uma palavra.

In "Facilidade do Ar"
-----------------------------------------------------------------

Tradução italiana de Manuela Colombo


Una voce nella pietra

Non so se rispondo o se domando.
Sono una voce che nacque nella penombra del vuoto.
Sono un po’ ebbra e sto crescendo in una pietra.
Non ho la saggezza del miele né quella del vino.
Repentina m’innalzo come una torre d’ombra folgorante.
La mia ebbrezza è quella della sete e della fiamma.
Con questa piccola scintilla voglio incendiare il silenzio.
Ciò che amo non so. Amo in totale abbandono.
Sento la mia bocca dentro gli alberi e in una fonte nascosta.
Indecisa e ardente, qualcosa ancora non è fiore in me.
Non sono perduta, sto fra il vento e l’oblio.
Voglio conoscere la mia nudità ed essere l’azzurro della presenza.
Non sono la distruzione cieca né l’impossibile speranza.
Sono qualcuno che aspetta d’essere svelato da una parola.


Publicado no site: O Melhor da Web em 30/09/2013
Código do Texto: 110904
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.