Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto


Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de MANUELA , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6281

 
Textos & Poesias || Poema
Imprimir - Impressora!
Imprimir
A esposa (Vinicius de Moraes) (+tradução italiana)
22/10/2013
Autor(a): MANUELA
VOTE!
TEXTO ELEITO
12
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
A esposa (Vinicius de Moraes) (+tradução italiana)

Às vezes, nessas noites frias e enevoadas
Onde o silêncio nasce dos ruídos monótonos e mansos
Essa estranha visão de mulher calma
Surgindo do vazio dos meus olhos parados
Vem espiar minha imobilidade.

E ela fica horas longas, horas silenciosas
Somente movendo os olhos serenos no meu rosto
Atenta, à espera do sono que virá e me levará com ele.
Nada diz, nada pensa, apenas olha — e o seu olhar é como a luz
De uma estrela velada pela bruma.
Nada diz. Olha apenas as minhas pálpebras que descem
Mas que não vencem o olhar perdido longe.
Nada pensa. 
Virá e agasalhará minhas mãos frias
Se sentir frias suas mãos.

Quando a porta ranger e a cabecinha de criança
Aparecer curiosa e a voz clara chamá-la num reclamo
Ela apontará para mim pondo o dedo nos lábios
Sorrindo de um sorriso misterioso
E se irá num passo leve
Após o beijo leve e roçagante...

Eu só verei a porta que se vai fechando brandamente...
Ela terá ido, a esposa amiga, a esposa que eu nunca terei.


Rio de Janeiro , 1933
_______________________________

Tradução italiana de Manuela Colombo


La sposa

A volte, in quelle notti fredde e nebbiose
In cui il silenzio nasce da rumori monotoni e lievi
Quella strana visione di donna calma
Che spunta dal vuoto dei miei occhi fissi
Viene a spiare la mia immobilità.

E lei resta per lunghe ore, ore silenziose
Muovendo soltanto gli occhi sereni sul mio viso
Attenta, in attesa del sonno che verrà e mi porterà con sé.
Nulla dice, nulla pensa, appena guarda — e il suo sguardo è come la luce
Di una stella velata dalla bruma.
Nulla dice. Guarda appena le mie palpebre che scendono
Ma che non fermano lo sguardo perso lontano.
Nulla pensa.
Verrà e coprirà le mie mani fredde
Se sentirà fredde le sue mani.

Quando la porta cigolerà e la testolina di bimbo
Apparirà curiosa e la voce chiara la richiamerà severa
Lei si rivolgerà a me portando il dito alle labbra
Sorridendo d’un sorriso misterioso
E se ne andrà con passo lieve
Dopo un bacio lieve e carezzevole...

Io vedrò solo la porta che si chiuderà delicatamente...
Lei se ne sarà andata, la sposa amica, la sposa che non avrò mai.   



Publicado no site: O Melhor da Web em 22/10/2013
Código do Texto: 111807
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.