Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto


Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de DIMAS PAIXÃO , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=1123

 
Textos & Poesias || Artigos
Imprimir - Impressora!
Imprimir
A HISTÓRIA E AS CORRENTES HISTORIOGRÁFICAS
13/01/2009
Autor(a): DIMAS PAIXÃO
VOTE!
TEXTO ELEITO
1
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
A HISTÓRIA E AS CORRENTES HISTORIOGRÁFICAS

A História surge, no século XIX, dentro do campo da Filosofia, como disciplina de Filosofia da História e já no século XX, dela desliga-se para se tornar Ciência, e passa a constituir seus próprios métodos de investigação, a exemplo das demais disciplinas, as chamadas, Ciências Humanas. (CHAUÍ, 2002, p 43 e 44)
Segundo Magnoli (2003, p. 8 e 9), “Toda a ciência está embebida de política. (...) nas ciências humanas a política e a ideologia estão presentes no próprio processo de produção de conhecimento, já que elas são a matéria-prima de trabalho do cientista”.
Por isso que a historiografia, no processo de construção da História, até se tornar disciplina autônoma e ser inserida nos currículos escolares, sofreu polêmicas transformações de cunho político, como também, influências de pensamentos ideológicos e filosóficos, como de forma aconteceu nos séculos XIX e XX. Primeiro na concepção de uma “História Tradicional” Positivista, e depois, com a chamada, “Renovação Historiográfica”, do Marxismo e do Grupo de Annales, a saber:
POSITIVISMO - Corrente historiográfica influenciada pelo pensamento filosófico de Auguste Comte, e por outra corrente, o Idealismo alemão, propõe um modelo de “História Tradicional”, preocupados em cientificar a história do pensamento e do estudo humano, sugere a busca de fatos passados, limitados em si, numa temporalidade linear. Considerando que o conhecimento se explica por si, exige a neutralidade do historiador, separando-o de sua obra, a fim de tornar a história uma ciência, a exemplo da Física. Cabendo ao historiador somente coletar e recuperar os documentos escritos (Oficiais e do Estado), fazer uma análise minuciosa, sem interpretá-los, para se chegar a uma verdade única e absoluta.
Com a ausência de uma síntese histórica, a História torna-se uma história de puros fatos isolados, de grandes eventos, grandes heróis, grandes personalidades, grandes impérios e dinastias. Nesse tipo de modelo o sujeito é a-histórico, isolado da sociedade. “No Brasil, o ensino de História foi introduzido de acordo com essa abordagem, permanecendo assim por décadas.” (UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ, 2007, P. 78)
RENOVAÇÃO HISTORIOGRÁFICA – Renovação de contraposição ao Positivismo, iniciada a partir do final do século XIX e metade do século XX, ocasião em que a Europa passava por grandes crises tanto, ideológicas como sociais. Na política internacional, as repercussões da Revolução Russa, das sociedades de massa, das Ditaduras Nacionais, abalam a estrutura liberal nacionalista e enfraquece a hegemonia européia, então surgem novas potências como os EUA, a Rússia, o Japão e a China. E Isso fez com que os historiadores abandonassem o antigo modelo de história tradicional, e passassem a adotar uma em que concebia o homem como sujeito e objeto da história, sob a influência de seu próprio tempo, impondo a ele a sua inserção na história, e isso vem mantendo-se até hoje, com o Marxismo e o grupo dos Annales.
MARXISMO – O alemão Karl Marx, durante o final do século XIX, observou que a sociedade estava sendo explorada pelo capitalismo e cria uma nova metodologia, cuja ideologia era compreender a realidade e transformá-la, propondo uma revolução do proletariado, que, através de um processo descontínuo socioeconômico da história conhecida como “materialismo histórico”, na qual, as condições socioeconômicas da sociedade, seria a “infra-estrutura”, adaptadas a ela as instituições políticas, ideológicas e culturais, que seriam a “superestrutura”. O antagonismo entre as forças produtivas e as relações de produção, induziria a “luta de classes” e as “transformações sociais”, que seriam “o motor da história”. Com esse processo dialético entre forças dominantes (a burguesia -TESE) e os dominados (os operários - ANTÍTESE), surgiria uma nova classe (o proletariado – SÍNTESE), como um novo modo de produção (o socialismo). O historiador passa ser o sujeito e objeto da história e os fatos históricos deixam de ser vistos isoladamente e centram-se, de forma mais concreta voltados para o coletivo e social, abrangendo os acontecimentos políticos, econômicos, sociais, antropológicos etc, e numa temporalidade focada no presente, ligando-o ao passado. Nesse contexto total da sociedade, o fato histórico chega à sua essência (o pensamento concreto).
GRUPO DOS ANNALES – O Grupo dos Annales tem início em 1929, com a fundação da revista: “História Econômica e Social”, por Lucien Febvre e Marc Bloch, introduz uma atualização no método historiográfico. A cientificidade da história através da história problema, “colocar problemas e levantar hipótese”, o uso do método regressivo, “interrogar o passado a partir do presente”, e do “Trabalho em Equipe” inserindo a história no contexto das outras ciências, em contraposição ao fato individual. Também coloca o homem como objeto da história, tomado no quadro das sociedades das quais é membro. Exige que o fato histórico não se limite aos documentos escritos, mas que se amplie, buscando outras fontes. Para tal, insere o historiador em seu tempo histórico de maneira que ele sendo homem, passe a exprimir o homem em suas várias atividades, gestos, maneiras de ser etc. Apresentando uma integração entre os fatores econômicos, sociais, políticos e militares. A inovação metodológica seria uma história que buscasse leis próprias, com base nos dados coletivos de massa. “Bloch”, também usa o método comparativo da sociedade européia com outras sociedades.
Mais tarde, “Braudel”, devido à multiplicidade do tempo social, propõe aos historiadores que observem três tipos de tempo: curto, médio e longo, com destaque para a história de longa duração: a ESTRUTURA, devido às mudanças ocorrem em tempos, em séculos e em longas gerações. Já na CONJUNTURA, a histórias de eventos e acontecimentos, seria num tempo mais rápido. Permanece o interesse pela história global e total da sociedade de “Bloch/Febvre”. Com a preocupação das noções de civilização e de cultura, busca na Antropologia a concepção de área cultural, na qual gira o domínio da civilização. Essa concepção de história da humanidade passa a considerar o homem em toda sua complexidade, portanto, nega a unilateralidade da história.
No Brasil, somente no fim dos anos 60 e na década de 1970, com o desenvolvimento dos Cursos de Pós-Graduação, foi que os trabalhos acadêmicos, em suas teses e dissertações, passaram a criticar a produção do conhecimento histórico, fundamentado no Positivismo, a exemplo do marxismo e do grupo dos Annales. E isso, mais tarde, de forma gradual, foi refletindo-se nos livros didáticos.
Em suma, tanto a Corrente Marxista como a dos Annales contrapõem-se e rejeitam a História Tradicional do Positivismo. Para tal, ambas propõem novos métodos históricos: uma história total, mais votada para o coletivo e social, interagindo com as demais ciências do homem, com uma vinculação histórica voltada para o presente. Para uma história científica, os Annales sugerem o aproveitamento de outros campos do conhecimento ligado ao homem e ao social em torno de problemas dos diversos setores da sociedade. Já o Marxismo apresenta uma teoria científica, de conceitos básicos, com base na análise das diferentes formações sociais, de uma sociedade em movimento girando em torno do modo de produção.
A fusão da confluência dessas duas correntes já é nítida na nova historiografia européia, como a Moderna História Social inglesa e a Nova História francesa, abordando temas relacionados à história social, cultural e cotidiano, e que, de certa maneira, já pode ser percebido também na historiografia brasileira.


REFERÊNCIAS
CHAUI, Marilena. Convite à Filosofia. 12. ed. São Paulo: Ática, 2002.

MAGNOLI, Demétrio. O Mundo Contemporâneo: Relações Internacionais 1945-2000. São Paulo: Moderna, 2003.

UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ. Gradação em História na modalidade à distância – Licenciatura: módulo 1. Londrina: UNOPAR, 2007.


Publicado no site: O Melhor da Web em 13/01/2009
Código do Texto: 11720
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.