Espaço Literário

O Melhor da Web


Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto


Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de MANUELA , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6281

 
Textos & Poesias || Poema
Imprimir - Impressora!
Imprimir
Elegia das Águas Negras para Che Guevara (Eugénio de Andrade) (+tradução italiana)
16/10/2014
Autor(a): MANUELA
VOTE!
TEXTO ELEITO
1
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
Elegia das Águas Negras para Che Guevara (Eugénio de Andrade) (+tradução italiana)

Atado ao silêncio, o coração ainda
pesado de amor, jazes de perfil,
escutando, por assim dizer, as águas
negras da nossa aflição.

Pálidas vozes em prado procuram
O potro mais livre, a palmeira
mais alta sobre o lago, o barco talvez
Ou o mel entornado da nossa alegria.

Olhos apertados pelo medo
aguardam na noite o sol do meio-dia,
a face viva do sol onde cresces,
onde te confundes com os ramos
de sangue do verão ou o rumor
dos pés brancos da chuva nas areias.

A palavra, como tu dizias, chega
húmida dos bosques: temos que semeá-la;
chega húmida da terra: temos que defendê-la;
chega com as andorinhas
que a beberam sílaba a sílaba na tua boca.

Cada palavra tua é um homem de pé;
cada palavra tua
faz do orvalho uma faca,
faz do ódio um vinho inocente
para bebermos contigo
no coração em redor do fogo.
_______________________________

Tradução italiana de Manuela Colombo


Elegia delle Acque Nere per Che Guevara

Avvolto nel silenzio, il cuore ancora
gonfio d’amore, giaci di profilo,
ascoltando, per così dire, le acque
nere del nostro dolore.

Pallide voci nella pianura cercano
il puledro più libero, la palma
più alta sopra il lago, la barca chissà
o il miele traboccato dalla nostra gioia.

Occhi socchiusi per la paura
aspettano nella notte il sole di mezzogiorno,
la faccia ardente del sole dove cresci,
dove ti confondi con i rami
di sangue dell’estate o il rumore
dei piedi bianchi della pioggia sulla sabbia.

La parola, come dicevi tu, arriva
umida dai boschi: dobbiamo seminarla;
arriva umida dalla terra: dobbiamo difenderla;
arriva con le rondini
che la bevvero sillaba a sillaba dalla tua bocca.

Ogni tua parola è un uomo in piedi;
ogni tua parola
fa della rugiada un coltello,
fa dell’odio un vino innocente
da bere insieme a te
nel cuore intorno al fuoco.


Publicado no site: O Melhor da Web em 16/10/2014
Código do Texto: 122641
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.