Espaço Literário

O Melhor da Web


Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
Manu - MANUELA
MANUELA
Cadastrado desde: 23/04/2012

Texto mais recente: Alexandria (Mário Osório) (+tradução italiana)



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de MANUELA , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6281

 
Textos & Poesias || Poema
Imprimir - Impressora!
Imprimir
A Festa do Silêncio (António Ramos Rosa) (+tradução italiana)
09/03/2016
Autor(a): MANUELA
VOTE!
TEXTO ELEITO
3
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
A Festa do Silêncio (António Ramos Rosa) (+tradução italiana)

Escuto na palavra a festa do silêncio.
Tudo está no seu sítio. As aparências apagaram-se.
As coisas vacilam tão próximas de si mesmas.
Concentram-se, dilatam-se as ondas silenciosas.
É o vazio ou o cimo? É um pomar de espuma.

Uma criança brinca nas dunas, o tempo acaricia,
o ar prolonga. A brancura é o caminho.
Surpresa e não surpresa: a simples respiração.
Relações, variações, nada mais. Nada se cria.
Vamos e vimos. Algo inunda, incendeia, recomeça.

Nada é inacessível no silêncio ou no poema.
É aqui a abóbada transparente, o vento principia.
No centro do dia há uma fonte de água clara.
Se digo árvore a árvore em mim respira.
Vivo na delícia nua da inocência aberta.

______________________________

Tradução italiana de Manuela Colombo



La festa del silenzio

Nella parola ascolto la festa del silenzio.
Tutto è al suo posto. Svanite le apparenze.
Le cose si confondono così vicine a sé stesse.
Si concentrano, si dilatano in onde silenziose.
È il vuoto o l’apice? È un vivaio di spuma.

Un bimbo gioca tra le dune, il tempo accarezza,
l’aria indugia. Il candore è il cammino.
Stupore e non stupore: il semplice respiro.
Relazioni, variazioni, niente di più. Nulla si crea.
Si va e si viene. Qualcosa inonda, incendia, ricomincia.

Non v’è nulla d’inaccessibile nel silenzio e nella poesia.
È qui la volta trasparente, l’origine del vento.
Nel cuore del giorno v’è una fonte d’acqua chiara.
Se dico albero l’albero in me respira.
Vivo nel nudo incanto dell’innocenza pura.



Publicado no site: O Melhor da Web em 09/03/2016
Código do Texto: 130800
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.