Espaço Literário

O Melhor da Web

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
Manu - MANUELA
MANUELA
Cadastrado desde: 23/04/2012

Texto mais recente: Transe (Gastão Cruz) (+tradução italiana)



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de MANUELA , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6281

 
Textos & Poesias || Poema
Imprimir - Impressora!
Imprimir
Ecce homo (Manuel de Freitas) (+tradução italiana)
03/09/2016
Autor(a): MANUELA
VOTE!
TEXTO ELEITO
2
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
Ecce homo (Manuel de Freitas) (+tradução italiana)

Nunca amanhecera assim, num inimaginável
barracão perto da cidade gótica.
A sua casa.
Conhecia-o do Fandango,
e sabia apenas que uma tristeza sem lágrimas
lhe iluminava as tardes e as noites.

Dessa vez foi diferente. Eu acabara de partir
um copo no único pub ainda aberto
(a memória já não me devolve o nome).
Ele veio sentar-se ao meu lado, bêbedo
contra bêbedo, unidos pelo quase esplendor
da queda. Convidou-me a segui-lo e eu,
não sei bem porquê, acedi. Acompanhei-o
até às duas assoalhadas em que morava
– sem vizinhos, numa barraca de alumínio
e tabopan que fazia da palavra desespero
um eufemismo inoportuno. O cão,
pelo menos, gostou de nos ver chegar.

Depois chorou, a troco de nada. Queria apenas
um ombro concreto onde pousar a cabeça
que a mulher e as filhas já nem por engano
beijavam. Não precisava de gestos ou palavras,
bastava-lhe ser ouvido, partilhar o impartilhável
a que talvez chamasse (não me lembro bem) a dor.

Adormeceu assim, no meu ombro – e eu estava
capaz de matar (mas não a ele) por uma cerveja,
pelo gin que horas antes encontrara demasiado
cedo o chão. Ao amanhecer, abanei-o levemente,
disse-lhe que tinha mesmo de ir. Beijou-me
a mão, agradeceu com um sorriso estragado
aquele nada de nada entre dois homens
que nunca mais se voltarão a ver. Cá fora,
uma luz amordaçada desaconselhava qualquer
tentação lírica, vinha morrer nas couves,
nos dejectos vários que lhe tornavam menos só a solidão.

Não reconheci a cidade: pálida, desinteressante, reles.
Tremia de sono e frio ao entrar no primeiro
autocarro e quase acreditei – por algumas horas –
que existia, afinal, alguém ainda mais triste do que eu.
_____________________________________


Tradução italiana di Manuela Colombo



Ecce homo

Non mi ero mai svegliato così, in un’incredibile
stamberga, vicino alla città gotica.
La sua casa.
L’avevo conosciuto al Fandango,
e sapevo solo che una tristezza senza lacrime
gli illuminava le sere e le notti.

Quella volta fu diverso. Avevo appena rotto
un bicchiere nell’unico pub ancora aperto
(il nome non mi torna alla memoria).
Lui venne a sedersi accanto a me, ubriaco
con ubriaco, accomunati da quella decadenza
quasi sontuosa. Mi invitò a seguirlo e io,
non so bene perché, obbedii. Lo accompagnai
fino ai due locali in cui abitava
– senza vicini, in una baracca d’alluminio
e laminato che rendeva la parola angoscia
un eufemismo inadeguato. Il cane,
per lo meno, fu contento di vederci arrivare.

Poi si mise a piangere, senza motivo. Voleva solo
una spalla concreta su cui posare il capo
che la moglie e le figlie ormai neanche per sbaglio
baciavano. Non gli servivano gesti o parole,
gli bastava essere ascoltato, condividere l’indivisibile
che lui forse (non ricordo bene) chiamava dolore.

S’addormentò così, sulla mia spalla – e io sarei stato
capace di uccidere (ma non lui) per una birra,
per quel gin che poche ore prima aveva toccato troppo
precocemente il suolo. Al risveglio, lo scossi leggermente,
gli dissi che dovevo proprio andare. Mi baciò
la mano, ringraziò con un sorriso tirato
per quel niente del tutto fra due uomini
che mai più si rivedranno. Là fuori,
una luce fievole scoraggiava qualsiasi
tentazione poetica, andava a perdersi tra i cavoli e
le varie deiezioni che rendevano meno solitaria la sua solitudine.

Non riconobbi la città: pallida, insignificante, scialba.
Tremavo di sonno e di freddo salendo sul primo
autobus e quasi credetti – per qualche ora –
che, in fondo, esistesse qualcuno ancora più triste di me.



Publicado no site: O Melhor da Web em 03/09/2016
Código do Texto: 132663
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):