Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
kuryos - Silvio Dutra
Silvio Dutra
Cadastrado desde: 29/08/2012

Texto mais recente: Recolhimento dos Dispersos



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
Perdão de Ofensas
26/11/2016
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
Perdão de Ofensas

Título original: Forgiveness of injuries

  

Por John Angell James (1785-1859)

Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra



Em sua autobiografia, Spurgeon escreveu:
"Em uma primeira parte de meu ministério, enquanto era apenas um menino, fui tomado por um intenso desejo de ouvir o Sr. John Angell James, e, apesar de minhas finanças serem um pouco escassas, realizei uma peregrinação a Birmingham apenas com esse objetivo em vista. Eu o ouvi proferir uma palestra à noite, em sua grande sacristia, sobre aquele precioso texto, "Estais perfeitos nEle." O aroma daquele sermão muito doce permanece comigo até hoje, e nunca vou ler a passagem sem associar com ela os enunciados tranquilos e    sinceros daquele eminente homem de Deus ."


“Então Pedro, aproximando-se dele, disse: Senhor, até quantas vezes pecará meu irmão contra mim, e eu lhe perdoarei? Até sete? Jesus lhe disse: Não te digo que até sete; mas, até setenta vezes sete.” (Mateus 18.21,22)

Depois disso, segue-se uma das mais belas parábolas de nosso Senhor, quero dizer, a do credor implacável, que, tendo tido dez mil talentos perdoados, levou seu colega pela garganta e lançou-o na prisão por cem denários.
PERDÃO é uma palavra que ocupa um lugar grande e visível na Bíblia, tanto no Antigo Testamento quanto no Novo. Ele nos encontra em cada passagem. Ele vem diante de nós sob a forma de uma doutrina para ser crida, na proclamação da Divina misericórdia através do sangue de Cristo ao homem pecador, e na forma de um preceito a ser obedecido, na injunção ao homem de perdoar seu companheiro mortal errante.
As escrituras ressoam com a palavra perdão, e são radiantes com o brilho de suas bênçãos. A cada passo ouvimos o anúncio do céu, "Eu sou aquele que apago as vossas transgressões, e não me lembrarei mais dos vossos pecados”, e “perdoai como vos tenho perdoado."
Por isso, é como se fosse impossível distinguir nossa reivindicação do caráter de um cristão, sem cumprir o nosso dever de perdoar, assim como não crer na doutrina do perdão de Deus, pois não pode ser uma fé verdadeira, aquela que não funcione pelo amor, nem um verdadeiro amor, aquele que não age no caminho do perdão. Poder-se-ia supor, que não sabemos o contrário, tanto pela experiência como pela observação, que seria ao mesmo tempo o mais fácil e o mais agradável de todos os deveres, para o homem que professa ter recebido o perdão de Deus, que perdoe um ofensor, pois na plenitude de sua gratidão, de sua alegria e seu amor por ter recebido o perdão de seus duzentos e dez mil pecados, e na consciência de sua incapacidade de fazer devoluções adequadas a Deus, se apressaria a ir a seu irmão "ofensivo" e dizer: "Eu já fui perdoado demais, de modo que devo livremente lhe perdoar tudo."
Parece que, por uma espécie de necessidade moral, um homem perdoado deve ser um homem que perdoa. E ainda é realmente assim? Não é o caso contrário? Existe algum dever tão difícil, tão raro, ou tão relutantemente a contragosto, que é executado com moderação? Não é quase tão verdadeiro em relação à igreja, como é para o mundo, que "um irmão ofendido é mais difícil de ser conquistado do que uma cidade forte, e suas contendas são como as barras de um castelo?"
I. Como nenhum dever é mais equivocado, assim como negligenciado; e como o perdão inclui muito mais do que é geralmente suposto, vou mostrar o que é realmente perdoar. Isto pode parecer não precisar de nenhuma explicação, e não precisaria de nenhuma, se os julgamentos dos homens não fossem impostos pelo engano de seus corações.
É de se temer que muitos imaginem ter cumprido este dever quando foram levados a dizer "Eu o perdoo com todo meu coração, e peço a Deus que o perdoe também." Na verdade, o que sucede é o que se segue "Perdoe-o! Não, nunca... vou persegui-lo ao máximo." Mas, boas palavras sem bons sentimentos significam apenas acrescentar hipocrisia à vingança - e não há dúvida de que o perdão está muitas vezes nos lábios, enquanto a vingança está no coração. Os homens se enganam com suas próprias profissões, acreditam em suas próprias mentiras.
O verdadeiro perdão não é apenas a declaração de que nós perdoamos, mas um sentimento de perdão. É o coração dizendo "Eu perdoo", e a consciência que atesta a verdade da afirmação. As seguintes coisas são todas necessárias para o cumprimento correto desse dever.

Isso implica em que extinguimos, ou tomamos muito cuidado para fazê-lo - todos os sentimentos de raiva e ira contra o ofensor. O primeiro impulso da alma na recepção de uma ofensa é ficar zangada, olhar a ofensa da forma mais agravada, meditar sobre ela, e em cada reflexão sobre ela voltar a acender a indignação. Este é sempre o caso do homem implacável, mas, o perdoador acalma a perturbação de sua mente, se guarda de suas paixões ascendentes e limita a fúria de seu temperamento. O perdão põe fim à conflagração da alma, extingue as chamas dos nosso temperamento ardente e não permite que as brasas queimem. Nós nunca perdoamos, simplesmente por dizê-lo, a não ser que possamos nos conduzir para o ofensor, até que puséssemos completamente de lado toda a amargura e ira.
Todo homem que perdoa uma injúria deve ter uma mente livre de toda a intenção e todo desejo de VINGANÇA. Esta é uma palavra que a maioria dos professantes abjura, mas é algo que muitos praticam. Por vingança geralmente se entende que se trata de grandes atos de injúria devolvidos a outros, porém deve ser considerado qualquer retorno, em qualquer forma de desejo de vingança, seja por ter recebido ofensas grandes ou pequenas.
É lamentável ver quais são os pequenos atos de retaliação de que alguns serão culpados, porque talvez imaginem que, por não se terem vingado aberta e maliciosamente, eles realmente praticaram o perdão. Toda intenção ou desejo de se ressentir de uma injúria, de qualquer forma, é ou deve ser totalmente banida da mente, se realmente perdoarmos. Portanto, não devemos desejar que outros ou Deus assumisse a nossa causa, e vingasse a injúria. Alguns dirão que perdoam, e ainda secretamente desejam que, embora não sejam infligidos por eles mesmos, algum mal possa ser feito por outros a um ofensor. "Eu o perdoo", dizem eles, "e deixe-os na mão de Deus." Para qual propósito? Ser perdoado ou ser punido? Infelizmente, quantas vezes isso significa o último - mas nunca perdoamos até que possamos orar a Deus para perdoar o nosso inimigo, e para dar-lhe o bem, em vez de mal.
Perdão significa que nos esforçamos para esquecer a ofensa. Temos um belo exemplo disto na linguagem de Deus para os judeus: "Eu, eu mesmo, sou quem apaga as tuas transgressões por minha causa, e não me lembrarei dos teus pecados".
E quão impressionante é essa linguagem do profeta Miqueias: "Quem é Deus semelhante a ti, que perdoas a iniquidade, e que te esqueces da transgressão do resto da tua herança? O Senhor não retém a sua ira para sempre, porque ele se deleita na benignidade.”
Ele não se apega à Sua ira para sempre, porque se deleita no amor fiel. “Tornará a apiedar-se de nós; pisará aos pés as nossas iniquidades. Tu lançarás todos os nossos pecados nas profundezas do mar."
Linguagem maravilhosa! Esta é uma das melhores imagens para representar a plenitude da misericórdia perdoadora de Deus a ser encontrada em toda a Bíblia. Ele lança nossos pecados, não em um ribeiro, nem em um rio onde possam ser encontrados de novo; não, nem no mar perto da praia, onde a maré pode lançá-los de novo, mas como uma pedra nas profundezas do mar, onde eles nunca podem ser pescados novamente, mas repousarem para sempre enterrados e esquecidos no fundo do oceano! Este é o perdão divino, lançando todos os nossos pecados no esquecimento!
Sim, e este é o perdão humano também, onde é genuíno. "Eu vou perdoar", dizem alguns, "mas eu não posso esquecer." Isso significa que realmente não perdoam, pois eles não desejam nem pretendem esquecer o mal, mas conservar uma lembrança dele. Eles o anotam em sua memória, preservam-no lá com cuidado, muitas vezes o leem, e sempre com sentimentos de má vontade para com o ofensor. O esquecimento absoluto é impossível. Determinar de fato, e absolutamente esquecer tudo o que já foi conhecido por nós é uma coisa além do nosso poder; e pode haver casos em que, a fim de governar o nosso comportamento em relação ao ofensor no futuro, pode ser desejável e adequado manter uma recordação precisa da ofensa. Mas, a lembrança que o verdadeiro perdão impede é aquela que é estimada com o mero propósito de perpetuar um sentimento do dano recebido. Devemos esforçar-nos tanto quanto possível para esquecer e não imitar a Dario, o persa, que, quando os atenienses saquearam Sardes, resolveu lembrar-se do mal e vingá-lo, ordenando a um de seus servos que todos os dias deveria repetir três vezes: "Lembremo-nos dos atenienses". "O diabo", diz Jeremy Taylor, "está sempre pronto para fazer esse cargo para qualquer homem, e aquele que tem em mente uma injúria, não precisará de nenhum outro tentador inconveniente do que a sua própria memória."
O perdão exige que nós não REPREENDAMOS o ofensor pelo seu pecado depois de ter sido perdoado. O perdão sela nossos lábios, bem como amarra nossos braços contra a injúria. Repreender alguém por sua ofensa depois de termos professado perdoá-lo, prova que nossa profissão era insincera. Exceto que, se ele repetir a injúria, isto pode ser mencionado como uma agravante, uma nova ofensa,    pois é uma grande falta repetir a transgressão que tínhamos generosamente perdoado. E como nós não repreendemos o próprio ofensor pela ofensa, assim nós não devemos repreende-lo novamente, mas deixar que outros o repreendam. Ir de indivíduo a indivíduo com o conto de uma transgressão que professamos ter perdoado, pode ser apenas para fazer uma injúria àquele que nos ofendeu, ou para ampliar nossa própria "falsa caridade" ao passá-la adiante – a primeira é desprezível para com ele, e a outra uma vaidade desprezível nossa.
O perdão não é genuíno, a menos que estejamos preparados para fazer à parte ofensora todo o bem em nosso poder. Abster-se simplesmente do mal não é suficiente, pois devemos estar dispostos a fazer-lhe o bem. Fazer o mal real é vingança positiva; e abster-se de fazer o bem é vingança negativa.
Um belo incidente ocorreu na vida de Licurgo, o legislador espartano. Em um tumulto levantado contra ele por alguns dos cidadãos, ele perdeu um olho. As pessoas que se ressentiram desta injúria colocaram o homem que fez isso no poder do príncipe, e ele o usou mais dignamente, porque manteve o assaltante em sua casa um ano inteiro, onde lhe ensinou a virtude, e, em seguida, fez dele um cidadão digno, embora Licurgo fosse um pagão. Qual cristão poderia ter feito mais? Quão poucos cristãos fazem tanto! Mas temos exemplos mais elevados do que isto; a conduta do nosso Deus em Cristo, que não só perdoa todos os nossos pecados, mas "nos abençoa com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo Jesus". Nosso modo de lidar com os infratores deve, neste caso, ser semelhante ao de Deus.
Aquele que realmente perdoa deve, exceto em certos casos extremos, restaurar uma pessoa para as mesmas relações com ele mesmo, a qual ocupava antes da ofensa. Há como eu disse, exceções a esta regra. A ofensa pode ter sido de tal natureza, e contendo tal desenvolvimento de caráter, ou a confissão e o arrependimento podem ser de um caráter tão extenso, que traz o ofensor de volta como inteiramente de nossa confiança, ou nossa estima, ou nosso amor, como era antes, e isto é mais do que se pode esperar, ou mesmo exigido. Em outros casos, a restauração deve seguir a reconciliação, e esta última não está completa sem a primeira. Ao homem que me ofendeu, mas que reconheceu sua ofensa (com toda a tristeza que o ato pedia, e com toda a alteração de seu comportamento que a sinceridade daquele sofrimento exige para sua prova), é devido um grau de excelência que deveria restaurá-lo a um lugar em meu

respeito, pelo menos tão alto como ele mantinha antes. Se isso foi tudo o que ele fez para me ferir, sua humilhação e reforma são uma demonstração mais convincentes de um caráter radicalmente bom, do que a ofensa foi de um mau. Quando um homem me diz com sinceridade e tristeza óbvia e indubitável: "Senhor, eu te fiz mal, perdoa-me", este homem se levanta mais pela sua penitência do que por sua transgressão. Retirar-lhe meu amor, mantê-lo à distância e tratá-lo com frieza e suspeita, ainda é punir e não perdoá-lo. É inútil dizer-lhe "Eu te perdoo", porque ele sente que você não o fez.
Não é assim que Deus trata conosco. Ele nos perdoou tanto que não só evitou de nos dar o castigo que nossos pecados mereceram, mas nos recebeu de volta a Seu favor e nos trata com todo o amor que Ele suportou por nós, como se nunca tivéssemos lhe ofendido. Um método repulsivo de encontrar-se com um devedor que retorna, é através de uma linha de conduta fria, distante e suspeita para com ele, que muitas vezes como uma geada fere o broto inicial de sua penitência e reforma; enquanto uma gentil, generosa e cordial confiança como o sol vai trazê-lo, desenvolvê-lo, e amadurecê-lo na beleza e na fragrância da flor completamente desabrochada.
Tal é então o verdadeiro perdão; que qualquer um olhando para trás na descrição que fizemos, dirá se tal disposição não é muito mais rara do que muitas pessoas estão prontas para imaginar. Se tudo isso for incluído neste belo ramo do dever de um cristão (e não é?), então, como poucos de nós fizemos qualquer grande conquista nesta virtude evangélica, e quanto precisamos todos ser despertados repetidamente para analisar sua natureza, e nosso próprio avanço nela.
II. Permitam-me agora considerar algumas circunstâncias relacionadas com o exercício do perdão.
1. Podemos perguntar, QUANTAS VEZES somos obrigados a perdoar o mesmo agressor. Nosso Senhor, em Sua resposta à pergunta de Pedro, respondeu a isto. Aquele apóstolo veio a Jesus, e disse: "Senhor, quantas vezes meu irmão poderia pecar contra mim e eu perdoá-lo, até sete vezes?"
Os judeus, em sua moralidade corrupta tinham uma máxima, que devemos perdoar um inimigo três vezes, mas não uma quarta. Pedro, sem dúvida, ao propor sua pergunta imaginou que estava dando à sua caridade um aumento maravilhoso, estendendo a sete vezes o perdão. Como deve ter ficado espantado com a resposta de Cristo. "Eu te digo, não sete vezes, mas setenta vezes sete." Ideia assombrosa! Devemos ser tão cheios de amor quanto perdoar a mesma pessoa quatrocentas e noventa vezes, se ele muitas vezes ofender, e igualmente se arrepender! E isso era demais para Jesus exigir, já que Ele repetiu Seu próprio perdão mais de setenta vezes sete para cada um de nós? Não nos admiramos de ouvir os apóstolos responderem a essa ordem: "Senhor, aumenta a nossa fé". Nada além de uma fé muito forte pode fazer isso.
(Nota do tradutor: Sinto-me impelido a acrescentar em alusão a este perdão infinito do Senhor numa visão que tive em sonho, do amor de Jesus por nós. Ele amava indistintamente a cada um de seus servos e lhes recebia sem qualquer prevenção ou reserva, senão com plena disposição e boa vontade, amando e alegrando-se tanto nos que eram elevados santos, quanto nos menores do Seu rebanho ainda às voltas com tantas fraquezas e erros. O Seu amor infinito e perfeito era a razão de assim proceder e todos se admiravam e o amavam ainda mais por isso, e diziam “vejam como ele nos convida sem palavras a agirmos da mesma forma, amando com o mesmo amor com que Ele nos ama. Nisto se cumpre o propósito eterno de Deus que sejamos segundo à Sua imagem e semelhança.” Pela visão, entendi perfeitamente que sem isto não se pode ter a tão almejada unidade que Deus planejou para todos os Seus filhos com Ele, e uns com os outros. E como não há quem não peque enquanto neste mundo, o perdão continuado é uma necessidade que se interpõe para o cumprimento do que acabamos de citar. Todavia, deve ser considerado que isto não exclui as repreensões e correções que o Senhor faz em relação a todos aqueles que andam de modo desordenado, não condizente com a sua condição de filhos de Deus. Mas, ainda aqui, o amor não é excluído, antes é confirmado por tais repreensões e correções.)
Que diremos então, daqueles que não têm fé suficiente para perdoar uma vez! É claro que nosso Senhor, neste caso, usou um termo definido, por um número indefinido, e ensinou que nosso perdão deve ser repetido quantas vezes haja ofensa de nosso irmão - quando essa ofensa é seguida por confissão dolorosa e frutos do arrependimento. Se Cristo parasse de nos perdoar no quatrocentos e noventa - o que seria de nós?
É verdade que quanto mais vezes um pecado é cometido, mais evidente e convincente deve ser a evidência de um arrependimento sincero; e mais difícil é determinar a sua sinceridade - e também quanto mais cautelosos devemos ser em restaurar o ofensor à nossa confiança e favor. Nem pode ser esperado, por mais que possamos perdoá-lo até a ponto de abster-se de fazer-lhe o mal e de estar disposto a fazer-lhe algum bem, que devemos levá-lo de volta em nosso favor e confiança e confiar nele como fizemos antes. "Provou-se por ofensas repetidas que dificilmente é confiável, pois está claro que ele não foi curado do mau princípio, o coração malicioso ou o olho mau - a língua caluniosa ou a mão injusta - seu desejo cobiçoso, e sua raiva, portanto, embora tenha de ser perdoado caridosamente, e orarmos por ele de coração, deve ser tratado cautelosamente, e nisso o nosso amor não deve ser nem crédulo, nem moroso, nem muito difícil, nem muito fácil.
2. Devemos perdoar uma pessoa, se ela não confessar sua culpa? O perdão tem vários graus, e no sentido mais completo do termo não é exigido de nós, que a confissão seja feita. Deus não nos perdoa a menos que reconheçamos nossos pecados. "Se dissermos que não temos pecado, nos enganamos a nós mesmos, e a verdade não está em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça".
Cristo torna o dever do perdão, dependente do arrependimento do ofensor. "Se o teu irmão pecar, repreende-o, e se ele se arrepender, perdoa-lhe, e se ele pecar contra ti sete vezes por dia, e voltar a ti sete vezes, dizendo: “Arrependo-me”.

Mas ainda existem certos deveres a serem cumpridos para com ele mesmo, neste estado de mente obstinado e implacável. Devemos, no exercício da mansidão e longanimidade, esforçarmo-nos por convencê-lo de seu erro na maneira estabelecida na primeira parte deste nosso livro.
Não deveríamos, ao descobrir sua impenitência e obstinação, afastar-nos imediatamente dele com raiva e desgosto, deixá-lo entregue a si mesmo, e assim permitir que o pecado se deite sobre ele. E mesmo depois de todas as exposições adequadas terem sido usadas, e ele ainda permanecer obstinadamente empenhado em não fazer nenhuma concessão, não devemos nos permitir acariciar inimizade e malícia para com ele, nem abrigar má vontade para com ele; devemos orar por e estar dispostos a fazer qualquer bem para ele.
A bondade mostrada a um ofensor impenitente, de uma maneira que não parece conivente com seu pecado, ou não encoraje uma repetição dele pode derreter seu coração endurecido. É isso que o apóstolo chama de brasas de fogo sobre sua cabeça, pois    pela agonia de uma consciência culpada é tornada mais suscetível ao perdão, derretendo a substância fria e dura de seu coração de ferro.

Aqui agimos como Deus, que embora não receba ofensores impenitentes em Seu favor, ou conceda sobre eles as bênçãos de Seus filhos, ainda continua dando-lhes muitos confortos providenciais. E com que finalidade? O apóstolo declara isso, quando diz: "Ou desprezas as riquezas de Sua bondade, contenção e paciência, não reconhecendo que a bondade de Deus tem a intenção de te levar ao arrependimento?"
Isto é extraordinariamente belo; a bondade de Deus, em vez de virar as costas para o pecador arrependido e retirar-se dele com ira e desgosto, volta para ele seu rosto adorável e até mesmo pega sua mão para levá-lo ao arrependimento. Aqui está o nosso padrão. Não podemos receber o ofensor em nosso favor até que ele tenha confessado sua culpa, mas podemos ser bondosos para com ele como nosso Pai Celestial, e levá-lo pela mão a um estado de espírito melhor. Ele não deve ser,    nem mesmo em sua obstinação, um objeto de nosso ódio e vingança.
III. Considerarei agora a indispensável necessidade de exercer essa disposição de perdão. Este dever não pode ser colocado entre os não essenciais da religião, como aquele sem o qual um homem pode ser um cristão real,

embora incompleto. Isto não deve ser visto como um simples e gracioso ornamento da religião, uma espécie de decoração de bom gosto do caráter que alguns ótimos espíritos, homens feitos de barro mais macio ou moldados em um molde mais ornamental, podem usar. Nada disso.
Leitor,    faça uma pausa aqui e pondere a verdade que eu agora expus, pois se você não é um cristão, nunca poderá ser um, bem como não está no caminho para o céu, mas no caminho da perdição, e suas transgressões não lhe são perdoadas, mas estão sobre você neste momento, se você habitualmente não é um homem perdoador. Este é um fato solene, que com aspecto escuro e carrancudo, agora te olha no rosto. Uma voz do mundo invisível proferida em trovão não poderia torná-la mais certa. Tome as seguintes evidências deste fato.
1. O perdão é positivamente ordenado na Sagrada Escritura. Com que frequência, quão solenemente e quão autoritariamente este dever é cumprido pelo próprio Senhor! Leia com devota e fixa atenção as seguintes passagens: "Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará, mas se não perdoardes aos homens as suas ofensas, tampouco vosso Pai perdoará as vossas ofensas".
Isto é repetido em outros quatro lugares do evangelho. "E sejam bondosos uns para com os outros, corajosos, perdoando-vos uns aos outros, assim como Deus, por amor de Cristo, vos perdoou". "Comprometendo-vos uns aos outros, e perdoando-vos uns aos outros, se alguém tem discórdia contra qualquer um, assim como Cristo vos perdoou, assim também deveis perdoar".
Confesse suas falhas uma a uma. Lembre-se que isto é lei e mandamento, não apenas um conselho - como lei verdadeira, como a que requer honestidade ou castidade; de modo que um homem não perdoador, é tão verdadeiramente rebelde contra Cristo como aquele que não ora, ou é desonesto, ou adúltero.
Se Cristo é nosso Mestre, estamos obrigados a obedecê-lo em tudo - nisto e em tudo o mais. Se não podemos perdoar, não podemos ser discípulos de Cristo. Resistimos à Sua autoridade, rejeitamos o seu jugo, pisoteamos sob os pés Seus comandos. Nós dizemos a Ele, que Ele passou uma lei que não podemos,    ou que não obedeceremos. Não    podemos alegar ignorância, nem da existência ou do significado desta lei. Aqui está estabelecida como regra de nossa conduta. Uma criança pode compreendê-la; nada pode ser mais inconfundível. O comando está na própria superfície do cristianismo, e o significado está na superfície da lei. O perdão não é necessário? Podemos pretender ser cristãos sem ele?
2. Não é apenas um comando da religião cristã, mas um dos comandos que lhe pertencem peculiarmente, como de uma maneira muito extraordinária. O paganismo não sabe nada sobre isso. A vingança sempre foi seu espírito em todas as formas e todas as épocas. Não é de admirar que suas divindades costumam ser personificações de luxúria ou crueldade; suas orgias têm sido sangue.
Para o judaísmo não era desconhecido, mas como a doutrina de um estado futuro era menos claramente revelada do que sob a dispensação cristã. Essa brilhante dispensação que revelou tão claramente o amor perdoador de Deus, através da expiação de Cristo, também revelou claramente o nosso dever de perdoar uns aos outros, como Deus nos perdoou por amor a Cristo.
O "ramo de oliveira do perdão" é suspenso da cruz. Como o dever de amar uns aos outros, o dever de perdão é especialmente o mandamento de Cristo, pois este último está incluído no primeiro. Para que possamos dizer disto, assim como do amor: "Nisto todos conhecerão que sois discípulos de Cristo - se vos perdoardes uns aos outros". Cristo não nos possui como discípulos se não perdoarmos. Ele, na verdade diz: "Olha para aquele homem que não pode perdoar - ele é como eu? Ele carrega a minha imagem, carrega a minha mente, respira o meu espírito?
Não! Deixe então todos os homens saberem que aquele que diz carregar o meu nome - eu o rejeito. Ele dá falsos testemunhos contra mim. Ele me desvirtua    - ele é uma calúnia viva, uma calúnia suja sobre mim, e é ao mesmo tempo um transgressor da minha religião. Se os homens acreditam que eu sou como ele, como a sua profissão assume, eles devem concluir que eu sou em vez de um Salvador, um destruidor; em vez de uma encarnação de misericórdia, uma personificação de vingança. Não creiam nele quando diz que é um cristão, porque nenhum homem habitualmente não perdoador pode ser um."
3. O perdão dos outros é uma condição para o nosso próprio perdão de Deus. Quando digo condição, não quero me referir naturalmente, a algo meritório, mas àquele estado de espírito sem o qual ele não pode ser perdoado, pela a evidência e    demonstração de nosso perdão. É uma condição no mesmo sentido, embora não com o mesmo propósito, e necessidade como é a fé. Não há nenhum mérito em qualquer um, mas ambos são necessários, bem como indispensáveis. Sim, porque um está incluído no outro, porque a fé que crê na doutrina do perdão de Deus, acredita também no dever de perdão para com os outros. A verdadeira fé funciona pelo amor, e um verdadeiro amor funciona pelo perdão. Nada pode ser mais explícito do que as palavras de nosso Senhor: "Se não perdoardes aos homens as suas ofensas, nem vosso Pai perdoará as vossas ofensas."
Isto é novamente repetido com maior ênfase, na bela parábola do credor implacável que foi perdoado de dez mil talentos, e ainda não podia perdoar cem denários, a qual foi entregue por Jesus para impor este dever, que se fecha com a declaração: "Então, depois ele o convocou, seu mestre disse-lhe: "Servo malvado, perdoei-te toda aquela dívida, porque me suplicaste; não devias tu também ter compaixão do teu companheiro, assim como eu tive compaixão de ti? E, indignado, o seu senhor o entregou aos verdugos, até que pagasse tudo o que lhe devia. Assim vos fará meu Pai celestial, se de coração não perdoardes, cada um a seu irmão.”
Como isso pode ser evitado? Por qual lógica, até mesmo de nossos corações enganosos, isso pode ser respondido? Ninguém pode ser tão cego, tão totalmente ignorante da natureza da religião, ou dos pré-requisitos para a salvação, como imaginar que ele pode ser perdoado, enquanto continua a viver na mentira, no roubo ou no adultério; e, no entanto é tão certo que ele pode ser salvo enquanto se entrega a estes pecados, como ao viver na indulgência habitual de uma disposição inexorável, maliciosa e implacável! Pode um homem ser salvo sem amor?
Que o apóstolo responda a isso por sua linguagem no capítulo 13 da primeira epístola aos Coríntios, onde diz que nem o poder dos milagres, nem a eloquência dos anjos, nem a mais difusiva esmola, nem mesmo os sofrimentos do martírio podem ser um substituto para o amor. "O amor é paciente, o amor é benigno, o amor não é invejoso, não é jactancioso, não é vaidoso, não age de maneira imprópria, não é egoísta, não é provocado facilmente, não guarda registro de injustiças, não encontra alegria na injustiça, mas alegra-se na verdade, suporta todas as coisas, crê em todas as coisas, tudo espera, tudo suporta." (1 Coríntios 13: 4-7)
Deve haver, o que quer que os homens possam imaginar, a ausência da fé onde há ausência do amor, porque o amor é o fruto natural e necessário da fé. É possível que qualquer homem realmente acredite que pecou contra Deus dez mil vezes, e que Deus totalmente e livremente o perdoou de todos os seus pecados; é possível que ele tenha ido com um coração partido para a cruz, gemendo sob o peso de sua culpa, e ouviu a voz misericórdia, redentora dizer a ele, "Vá em paz, sua fé o salvou, seus pecados são todos perdoados!" E enquanto se regozijando com gratidão e amor no sentido da graça perdoadora de Deus, se recusa a estender a misericórdia a um companheiro que não pecou a milionésima parte, tanto para com ele quanto para com Deus?
Incrível! Impossível! Como pode um homem implacável apresentar a petição a Deus, "Perdoa-me os meus pecados, como eu perdoo aqueles que pecam contra mim". Será que ele entende e considera o que na realidade, em tal caso, é a sua oração?
"Ó Deus, entra em juízo comigo e sê forte para marcar todas as minhas ofensas, não extingas nenhum dos meus pecados, mas trata-me de acordo com as minhas transgressões, nunca me diga o sentido do teu amor, mas deixa as tuas flechas me atingirem, e do seu veneno beba o meu espírito, desterra-me da tua presença vivificante e me deixa nas regiões de desespero, e atravessar a eternidade sob o sentimento de pecado cometido e irrevogável!”
Você treme com a própria ideia, isto faz o seu sangue coagular, e envia um arrepio de horror através de seu corpo e mente; pensar em um pecador pedindo a condenação. Mas, o que significa a petição: "Perdoa-me os meus pecados, assim como eu perdoo os pecados dos outros", nos lábios de um homem implacável?
Seu perdão é vingança. Eu coloquei o caso com força, com esperança de despertar a atenção, porque não pode ser colocado com pouca intensidade! Coloco o caso com tanta força, porque estou convencido de que multidões se enganam a si mesmas! A eles eu digo; as portas do céu estão fechadas, barradas, e aparafusadas contra o homem que se recusa a perdoar seu irmão! As portas do céu não serão abertas para um homem não perdoador que não tem misericórdia em sua alma, tanto quanto para o mentiroso contínuo ou fornicador.
IV. Posso agora fazer a pergunta: Como é que um dever tão óbvio é tão negligenciado e tão raramente realizado, de modo a evidenciar qualquer peculiar excelência de caráter?
Aqui presumo, como fiz com relação ao assunto da primeira parte do livro, que ele é negligenciado; que é muito pouco praticado, mesmo por cristãos professos. Alguém pode duvidar disso? Alguém é tão cego ao que está passando ao seu redor, tão ignorante de si mesmo, tão pouco acostumado a testemunhar as disputas incessantes entre os professantes, como para não saber, e não querer admitir, que entre todos os deveres da vida cristã, o desempenho do perdão cristão está entre os ramos mais raros da santidade evangélica? Quem não sabe por experiência, quão rápido é o nosso ressentimento, e quão lento é o nosso perdão?
A negligência deste dever pode ser explicada em parte, pela nossa falta de consideração. Nós nunca o consideramos como devemos. Nós fomos elevados com as doutrinas da eleição, da justificação, da glorificação, entre outras, mas não nos habituamos o suficiente com os    deveres que são também doutrinas da Bíblia! Temos tido a intenção de receber privilégios e esquecemos as obrigações morais! Temos estado com fome e sede de conforto, mas não de justiça. Ou, se temos cobiçado e orado por santidade, não analisamos essa palavra, e perguntamos quantas espécies e variedades estão compreendidas neste termo genérico. Nós não a estabelecemos por si mesma, olhamos para ela, pesamos seu significado, consideramos sua importância e pressionamos em nossas consciências sua necessidade. Mas, não dissemos a nós mesmos: "Este perdão, este perdão implacável, esse perdão necessário, eu devo praticá-lo, e eu que tenho sido tão perdoado, não devo perdoar aos outros? Considero isto, bem como as outras coisas?"
E por que é que os cristãos pensam tão pouco sobre isso, senão porque não foi suficientemente insistido pelos ministros do púlpito? Há muito tempo tenho a convicção de que há uma grande deficiência nas igrejas evangélicas, da aplicação prática dos deveres cristãos em detalhes, especialmente do que se pode chamar enfaticamente de as virtudes cristãs, as graças passivas do caráter cristão, o exercício da bondade fraterna e do amor.
É maravilhoso, eu sei, ouvir um belo, eloquente e rico sermão teológico sobre o amor redentor e perdão da misericórdia; ter a imaginação e o coração repletos de retórica, radiante com as glórias da cruz e cheio de odor daquele Nome que está acima de todo nome! É gratificante para a mente pensante ter o intelecto satisfeito com belos sermões lógicos e as belas abstrações do pensamento claro e forte, mas será insuficiente ter os assuntos da obrigação moral discutidos em generalidades vagas e em composição elegante.
Mas, não é tão aceitável ter todos os deveres especiais e difíceis da vida do cristão, ou a conduta do homem para com seus companheiros, colocados claramente diante do entendimento e aplicados à consciência. Os homens não gostam de ser seguidos através de todos os labirintos do engano do coração, espancados de todos os refúgios de mentiras, e obrigados a sentir a obrigação de amar onde estão inclinados a odiar, e perdoar onde desejam vingar-se.
O púlpito não cumpriu seu dever. Pregamos ao intelecto, à imaginação e ao gosto, mas não o suficiente para o coração e a consciência. Em nosso esforço para agradar, não temos nos aplicado ao assunto de maior lucro. Nós não pregamos muito a justificação, e a santificação muito pouco. Temos tido a intenção de exortar os homens a obter o perdão de seus próprios pecados da parte de Deus, mas temos negligenciado exortá-los a perdoar os pecados de seus semelhantes contra eles. Incentivamos a fé com uma veemência devastadora, mas não o amor. Descrevemos o mal da licenciosidade, da falsidade, da desonestidade e da cobiça, mas dizemos muito pouco sobre a malícia e a amargura. Incentivamos os homens ao zelo e à liberalidade, mas não o suficiente para a humildade, a tolerância e o perdão. Nós temos levado os homens a verem a cruz de Cristo, mas não insistimos suficientemente para que eles tomem as suas. Nós lhes    rogamos que O considerem como sua justiça, mas não suficientemente como seu exemplo.
Quantas e quantas vezes insistimos sobre o dever de perdão, que agora estou discutindo? Este dever assumiu o lugar em nossos discursos como aparece naqueles de nosso Senhor? Não temos levado nosso povo a negligenciar esse dever? Eu me declaro culpado, e me sinto como se não o tivesse feito suficientemente proeminente em meu ministério, embora eu não tenha pregado,    nem escrito sobre ele.
É, pois de admirar que os cristãos professantes devam pensar tão pouco, quando ouvem tão pouco sobre isso, portanto há outro resultado - a obrigação deste dever não é sentida. É surpreendente ver quão levemente pressiona a consciência de muitas pessoas. Aqueles que têm escrúpulos para cometer muitos outros pecados, não têm nenhum escrúpulo sobre o assunto de não perdoar. Eles não têm um profundo sentimento solene de serem obrigados a praticá-lo, nenhum sentimento de estarem obrigados a fazê-lo, suas consciências não os exortam a fazê-lo.
Uma injúria é infligida e, ao invés de dizer de uma só vez: "Aqui está um apelo ao nosso amor", eles imediatamente, na rapidez do ressentimento, dizem "É uma questão para ressentir-se", e formam diretamente um propósito de retaliação tão naturalmente, como se fosse a coisa mais apropriada a ser feita.
É frequentemente o caso que, aqueles que estão inclinados para os exercícios de perdão generoso são impedidos pela interferência de um terceiro, que incita a pessoa ofendida à vingança. Este verdadeiro filho do diabo faz tudo o que pode para magnificar a transgressão, e assim inflama o ressentimento do sofredor. Ele se esforça para apagar a faísca do amor no seio daquele que se amacia e se funde na bondade, soprando as brasas da contenda na chama da paixão impura. Quantas vezes os terceiros obstruíram assim, o progresso da reconciliação por meio de atraentes apelos ao orgulho e à paixão!
A todo intruso oficioso que impedisse que os laços quebrados da amizade se unissem novamente por um ato de perdão, digamos, na linguagem indignada de Cristo a Pedro: "Para trás de mim, Satanás, porque não conheces as coisas que são de Deus." Diga-lhe que ele o confunde e interpreta seu coração por conta própria, se supõe que ele não pode perdoar. Terceiros, por esta oficiosa interferência maligna têm feito mais para perpetuar a animosidade e impedir a cura das feridas sangrentas da amizade, do que aqueles que estiveram envolvidos na própria disputa. Em vez de realizar a obra e assegurar a bênção do pacificador, eles tiveram uma ambição oposta, esforçando-se para prolongar a luta, trazer sobre si a maldição do céu e a infâmia de serem chamados filhos do diabo.
Mas afinal, a causa principal e radical dessa deficiência em nosso dever cristão é a corrupção de nossa natureza. Um ser perfeitamente santo acharia tão fácil perdoar, quanto agir nesse sentido. Nenhuma nuvem de paixão tempestuosa se abaixaria na testa de um anjo encarnado, nenhum relâmpago de ira não desejada brilharia de seus olhos, nenhum grunhido de trovão irado rolaria de seus lábios contra o ofensor. Ele olharia, falaria e agiria em amor e paz.
Por outro lado um demônio encontra um prazer maligno na vingança. É a única gratificação que pode surgir em seu seio miserável, porém é um prazer que, quando acaba, se transforma de mel em absinto. Os brutos parecem ter a mesma gratificação feroz em se preocupar uns com os outros no caminho da vingança. Agora, há na corrupção humana, na medida em que prevalece, algo semelhante com essa disposição semelhante à de um demônio, como uma besta; uma satisfação em retaliação, daí o terrível adágio, "a vingança é doce." Este é um dito que podemos imaginar capturado dos lábios de Satanás, um eco do seu comando aos seus exércitos quando os enviou para a guerra contra Deus, que o expulsou dos assentos do Paraíso.
A vingança de algumas pessoas é como a do leão ferido que se volta contra o assaltante, bebe seu sangue e devora sua carne, ganhando assim indenização por seu dano,    enquanto que de outros se assemelha à raiva da cascavel que morde e mata, mas não recebe nada por isso. Para nossa tristeza e vergonha devemos todos reconhecer que o provamos. Tivemos mais dessa gratificação maligna do que gostamos de confessar. Esta é a operação da carne que luta contra o espírito, mostrando como somos ainda imperfeitamente santificados, e quanto precisamos continuar o trabalho de mortificação de nossas corrupções.
Não conheço nenhuma prova mais convincente ou afetadora dos baixos graus do cristianismo prático vital na igreja de Deus, do que esta prevalência de irascibilidade, como se vê claramente que os cristãos estão muito menos sujeitos à autoridade de Cristo do que imaginam, quando estão com tanta dificuldade de ceder a Ele neste particular. É fácil fazer muitas coisas que Ele requer; ouvir sermões,    acreditar em doutrinas e promessas reconfortantes, fazer uma profissão de religião, observar a ceia do Senhor, assistir a reuniões públicas, e se envolver em esquemas de utilidade pública, até mesmo para dar nossos bens; mas pedir perdão se ofendemos, e perdoar do coração uma ofensa, se a recebemos; quão poucos são preparados pronta e inteiramente para render-se a Cristo, mostrando assim seu amor e obediência a Ele. Contudo, este é o teste, isto é o que Ele exige de Seus seguidores. É um teste severo que eu conheço, e, portanto verdadeiro.
Quando estou de pé, como às vezes eu faço, e como todos nós fazemos, e vejo a contenda de dois cristãos professos que podem ser membros da mesma igreja, observo seus temperamentos não desejáveis, de com que imprudência uma parte cometeu uma transgressão à outra; então com que ressentimento amargo a parte lesada recebeu a ofensa; e com que obstinação, o ofensor persiste em sua determinação em não fazer nenhuma concessão, e não pedir perdão. Depois há o temperamento irado e vingativo da parte ofendida; e a permanente e amarga alienação de ambos.
Quando eu digo que estou de pé, como espectador aflito desta febre incurável, pergunto com tristeza e surpresa, onde está a submissão à autoridade de Cristo, que ambos professam? Ah, aqui está a prova do grau de obediência a Cristo como nosso Senhor e Mestre, que prevalece em sua própria casa; e, na verdade, receio que seja escasso.
V. Considerarei agora os MEIOS e AJUDAS de que nos serviremos para o cumprimento desta obrigação. "Meios", dizem alguns, "por que falar sobre meios? Peça-lhes para fazê-lo."
Sim, e isso seria tudo o que seria necessário se fosse um assunto fácil, para o qual o coração fosse natural e fortemente inclinado, mas por um dever tão duro, corações tão resistentes, e uma santidade tão imperfeita como a nossa, precisamos de todos os meios e ajudas que possamos usar. O controle das paixões irascíveis é, como já disse muitas vezes, a coisa mais difícil na obra de mortificação do pecado,    só porque a sua indulgência é um pecado que não somos mais propensos a satisfazer, mas um pecado que estamos mais prontos a desculpar, e que podemos cometer em grande medida sem prejudicar nossa reputação na estimativa do mundo ou da Igreja.
Um homem sabe, que se for atingido por uma única falha de embriaguez ou fornicação, seu caráter recebeu uma mancha suja, que inundações de arrependimento sincero e toda propriedade futura dificilmente podem apagar,    mas pode acalentar as paixões malignas e fazer da sua alma o lugar de habitação de temperamentos quase semelhantes ao de um demônio; no entanto, não perder sua posição na sociedade, ou ser expulso da comunhão da igreja, ou sentir-se chamado para fazer penitência e humilhação diante de Deus. Ele pode ir e adorar na casa de Deus e sentar-se à mesa da Ceia do Senhor cheio de ira maligna e de toda falta de caridade para com um companheiro; e ainda assim, embora ele coma e beba juízo para si mesmo continuará a ser considerado como um homem respeitável.
Ah! Quão diferente Deus estima a criminalidade das ações como o homem costuma fazer! O fornicador penitente lançado fora pelo homem, é honrado em comparação com o maligno que nunca perdoa. Precisamos então, de instrução quanto ao desempenho deste dever, e eu vou agora sugeri-lo.
1. Há algumas coisas a serem evitadas. Não devemos nos deixar influenciar pelas incitações e persuasões dos outros. O perdão não é uma doutrina palatável para o mundo, nem é mantido em estima geral; assim aqueles que não podem praticá-lo, nos impedirão se puderem.
Não devemos pensar sobre a ofensa, mas esforçar-nos tanto quanto possível para esquecê-la, pois em cada olhar para ela, como um olhar para um objeto proibido vai excitar nossas paixões e exasperar nossos sentimentos. Tampouco devemos conversar com outras pessoas sobre a injúria que recebemos, pois nada é mais provável para inflamar nosso ressentimento do que o recital de nossos erros. O homem que está adiantando-se para falar de uma injúria, nunca vai retroceder para perdoá-la. As pessoas a quem ele relata o caso terão em geral, algumas histórias similares a contar, e ao acompanhá-las com descrições da maneira como as receberam, proporão, e com muito sucesso, seu próprio mau exemplo de imitação.
2. Há algumas coisas a serem CONSIDERADAS. Por falta de consideração, os deveres são negligenciados, os pecados são cometidos, as almas são arruinadas. Todos nós deveríamos ser mais santos e mais felizes se quisermos considerar. É uma palavra importante, CONSIDERAR.
Devemos considerar que o perdão deve ser praticado. Nós não temos nenhuma opção; não há espaço para dúvida ou disputa sobre isso. Não é uma questão que possamos ou não tomar. Não podemos com mais propriedade recusar a perdoar, do que podemos recusar a ser casto ou honesto.
Devemos considerar que devemos fazê-lo. "Perdoar", devemos dizer, "não é apenas o dever de todos, mas é meu dever. Eu sou o homem que deve praticá-lo". Estamos muito aptos a mudar a obrigação de nós mesmos como indivíduos, para a multidão. Nós nos perdemos na multidão.
Devemos considerar que isso pode ser feito; não é impossível. Muitos o fizeram. Os temperamentos mais irascíveis foram controlados, e as mentes mais inexoráveis ​​se suavizaram em mansidão; e o que outros fizeram, nós podemos fazer.
Deveríamos considerá-lo como um dever imediato; um dever em referência ao ponto em questão. Muitos que lerão este tratado estão, enquanto o leem, em um estado de hostilidade em relação a alguém que os feriu. Eles foram insultados ou injustiçados. Você que está nesta situação, é a pessoa a quem este dever se aplica. Esse mesmo assunto que agora o aflige e irrita, é o objeto do dever. Você deve perdoar esse inimigo, perdoar essa ofensa. Agora, você deve começar a fazê-lo imediatamente. Você deve estabelecer esse tratado e se colocar diretamente no negócio do perdão. Você não deve esperar pela próxima ofensa, tomando medidas apropriadas para trazer o ofensor a um sentido correto daquele já cometido, você pode evitar a repetição dele.
Você não deve esperar até algum tempo futuro. Você pode morrer sem perdoar o ofensor, ou sem confessar e lamentar seu pecado. A procrastinação neste, assim como em qualquer outro dever, é susceptível de tornar seu desempenho mais difícil e mais precário.
3. Há algumas coisas a serem FEITAS. A próxima vez que você entrar em seu quarto, (e você deve ir lá para este propósito específico), abra a sua Bíblia, e leia muito solenemente e seriamente a parábola do credor implacável em Mateus 18. Ore a Deus antes de começar, para dar-lhe graça a fim de entender o seu significado, e para ver se ela se aplica ao seu caso. Quando você tiver lido uma vez, faça uma pausa e diga: "Posso perdoar agora?"
Se você puder, ajoelhe-se, agradeça a Deus e peça graça para cumprir seu propósito. Se você não pode, leia novamente, e diga uma segunda vez, "Posso perdoar agora?" Leia novamente e novamente, até que tenha subjugado você. Mas, se isso falhar, leve com você este livro em seu quarto. Leia sozinho, leia-o completamente; leia-o em oração, e quando tiver terminado, deite-se e diga: "Posso perdoar agora?"
Se o seu ressentimento ainda não está subjugado, então, "comungue com seu próprio coração em sua cama e fique quieto." À noite, quando você não se encontra mais na pressa do trabalho; quando o barulho do mundo é silenciado; quando a escuridão do seu quarto, que envolve o homem exterior contrasta com a luz da presença de Deus na qual está a sua alma, então faça suas paixões ficarem caladas, e fale à sua consciência. Lá, fale para si mesmo sobre este dever. Lá, quando você talvez tenha pedido a Deus antes de se aventurar a deitar-se em sua cama, para perdoar suas ofensas, pergunte se você pode realmente perdoar aquele irmão.
Mas, além de tudo isso, deve haver muita, profunda e solene meditação sobre o amor de Deus em perdoá-lo. Professante cristão, pode ser possível que você precise de toda essa persuasão para induzi-lo a perdoar os outros, você que tanto foi perdoado?
Medita, atentamente sobre suas transgressões multiplicadas, seus pecados antes e após a conversão; todos, todos apagados, nem um, mesmo o mais grave, sem qualquer exceção. Pense nos meios pelos quais este perdão foi obtido. Vai, vai para o Calvário; eis que o Senhor entregou o Filho de seu amor a toda a agonia, degradação e horrores da crucificação; ouve o grito penetrante do sofredor santo e paciente. "Meu Deus, meu Deus, por que me desamparaste?" E pergunte, por que esta cena de sangue e tortura? E ouvirás uma resposta na linguagem da Escritura: "Nele temos a redenção pelo seu sangue, o perdão dos pecados, segundo as riquezas da sua graça". Você pode olhar para aquela cena dos maravilhosos triunfos do amor, você pode    deixar aquele lugar onde espera que seu próprio perdão seja selado assim como está, e não se sentir feliz com a oportunidade que lhe foi dada de expressar sua gratidão, perdoando seu irmão? Você, que muitas vezes, canta na hora da Santa Ceia:
"Doce os momentos, ricos em bênçãos,
Que diante da cruz eu gasto;
Vida, e saúde, e paz possuindo
Do moribundo amigo do pecador
Aqui vou sentar para sempre
Correntes de misericórdia, em correntes de sangue,
Preciosas lágrimas minha alma derrama
Reivindica e clama minha paz com Deus."
Sim, eles pleiteiam não menos urgentemente, e clamam não menos justamente sua paz com seu irmão ofensivo. Se essa cruz não crucificar sua inimizade e trazê-lo ao amor, você nunca viu Sua glória, nunca sentiu Seu poder. Oh, é possível que você possa trazer um coração não perdoador daquela cena, que fez as pedras tremerem e o véu do templo rasgar?
Veja o que custou a Deus perdoá-lo; veja lá todas as bênçãos da salvação eterna fluindo sobre você através das feridas abertas no corpo de seu Filho; e ainda acha difícil perdoar! Você não pode, não deve, não ousa sair daquela cena de misericórdia perdoadora, com um espírito implacável.
Não é apenas o moribundo, mas o Salvador vivo que você deve contemplar e imitar – aquela Sua perseverança em Sua carreira de cura milagrosa, apesar da oposição; o insulto e a ingratidão que sofreu do povo; aquelas lágrimas e gemidos devotados à cidade que já o havia tratado com tanta indignidade, e estava prestes a completar a tragédia de Sua morte; aquele perdão que conferiu ao apóstolo covarde que O havia negado três vezes, com um olhar que, embora administrasse repreensão, transmitiu a garantia de perdão; aquela oração por Seus assassinos, "Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem"; aquela ordem a Seus apóstolos: "Ide pregar arrependimento e remissão de pecados, começando em Jerusalém"; aquela primeira efusão do Espírito sobre os homens que o tinham conduzido à cruz; aquela conversão de um dos inimigos mais amargos que Ele já teve, no principal de seus apóstolos (Paulo). Ó, cristãos, pensem em tudo isto, estudem esse maravilhoso caráter, contemplem esse ilustre padrão que    repousa sobre aquele belo modelo, até que as incrustações geladas de seu coração frio e duro tenham derretido, como pingentes diante do sol, e suas lágrimas de amor e gratidão a Jesus tornem-se lágrimas de amor e perdão para com seu irmão.
Mas, isto não é tudo; deve haver muita súplica sincera para a ajuda do Espírito de toda a graça. Esta forma de atitude e ação não virá, senão    pelo jejum e pela oração. Precisamos da ajuda do Espírito Santo, o Santificador, até para o mínimo e mais fácil de todos os deveres da vida cristã; quanto mais para esse, um dos mais difíceis.
Um temperamento naturalmente implacável deve ser levado muitas vezes ao trono da graça com profunda humilhação e fervorosa súplica. Nada menos que a graça divina pode subjugá-lo. Tal disposição não cede à razão, mas somente a Deus. Devemos nos apoderar de Sua força, ou não há esperança. O demônio da vingança só pode ser expulso por aquela voz que expulsou a legião do homem que morava entre os túmulos. Assim, devemos vigiar e orar, usar nossa razão e pedir ajuda divina, mas só aquela voz que abafou a tempestade e acalmou as ondas no mar de Tiberíades pode acalmar as paixões tempestuosas de um espírito irritado e perturbado. E Ele o fará, em resposta à oração da fé.
Também é necessário que haja um esforço para elevar o tom de nossa religião pessoal em geral. Para os exercícios vigorosos e atléticos do corpo e o desempenho de tarefas laboriosas, não é necessário apenas um estímulo extraordinário na época e para a ocasião, mas uma constituição robusta e saudável. Isto se aplica de igual forma à alma, pois o dever estabelecido neste tratado é muito difícil; um dever que neste mundo desordenado é frequentemente esquecido. E há pouca esperança de que seja bem feito, se a alma, quanto à sua religião, for doentia e fraca, já que precisa ser estimulada para o seu desempenho pela forte excitação produzida para a ocasião pelos elixires e instruções de um sermão do púlpito, ou o ardente conselho de um amigo.
O que precisamos para o cumprimento regular e consistente deste e todos os deveres difíceis é uma religião saudável e robusta, uma mente bem instruída, um coração eminentemente santificado, uma consciência terna, um amor fervoroso. Se não estamos vivendo muito sob o amor constrangedor de Cristo, não podemos cumprir este dever. Um estado mundano e morno de alma, um coração não cheio em certa medida do Espírito, uma consciência embotada e obtusa, não são iguais a este alto exercício e realização na vida divina; só quando somos fortes no Senhor, e na força de Seu poder, é que podemos alcançar essa elevação.
VI. Exorto agora o cumprimento deste dever por alguns MOTIVOS adequados e eficazes.
Peço-lhe por seu irmão ofensor. Você não deve nem ousar ser indiferente ao seu bem-estar.    Sou o guardião do meu irmão? Foi a pergunta a sangue frio de um assassino, cuja impulsão para assassinar estava nele. A palavra de Deus, em toda parte ordena um terno respeito ao bem-estar espiritual dos outros. Amar o nosso irmão como a nós mesmos é metade da lei de Deus, e a obediência a ela é essencial para um desempenho correto da outra metade; de amar a Deus acima de tudo. Se você permitir que o pecado se deite sobre    seu irmão, não protestando com ele, ou se tentá-lo a ser mais culpado por não perdoá-lo, você está pondo em perigo o seu eterno interesse. Ao não lhe contar suas ofensas, você permite que sua consciência adormeça sobre a culpa não confessada; e por ter para com ele uma disposição implacável, você o exaspera em malícia, ou quebra a cana ferida, e apaga o pavio fumegante. Aquele irmão a quem você não pode perdoar, talvez tenha sido perdoado por Cristo, a quem confessou o pecado com penitência, assim como está disposto a confessar a você. Peço-lhe, por todo o amor que você dá a seu irmão, e eu acrescento, por todo o amor que você tem por seu Pai comum, perdoe-o.
Você pode fingir ter amor fraterno, se não pode exercer o perdão fraternal? Mas se não é um irmão que te feriu, porém só um companheiro que não é cristão, é provável que seu espírito implacável tenha dado ocasião a isto? É assim que você o atrairia para Jesus? Assim você ganharia a sua alma para o Senhor, assim você o predisporia em favor da religião, assim você derreteria seu coração obstinado? Poderia dizer, que seu perdão pode levá-lo a procurar a Deus? Por não o perdoar, petrifica seu coração já endurecido e o afasta de Deus. Tenha vergonha, cristão, tenha vergonha por ter tão pouca consideração pela salvação das almas, por manifestar tão pouco da mente daquele que morreu por elas.
Eu pleiteio com você no terreno de seu próprio conforto e santificação. Você às vezes diz, e diz a Deus que quer ser santo. Isso é tudo hipocrisia? É mentir para Deus? O que é santidade? Conformidade com a imagem de Deus; e não é uma parte disto, ser misericordioso e perdoar pecados? Você limitaria a santidade à castidade, à justiça, à verdade e à sobriedade, e deixaria de lado a misericórdia; a joia mais brilhante da coroa do céu, a mais bela aparência do semblante de Deus, a própria beleza da santidade e o deleite do coração de Jeová?
Ser santo, e não perdoar! Impossível, homem, impossível! Você está sob uma ilusão terrível. O engano do coração se apoderou de você. A pura luz branca da santidade é composta de muitas cores prismáticas, e a misericórdia no caminho de perdoar o pecado é uma delas.
Você quer evidência que é um filho de Deus, e deseja saber que seus pecados são perdoados. Como você espera isto? Por uma voz do céu, ou procurando os rolos ocultos dos decretos eternos? Você não vai, não pode tê-los. Nem estes, nem nenhuma impressão secreta, ininteligível e entusiasmada sobre a sua própria imaginação constituem o testemunho do Espírito para sua filiação, mas a conformidade de sua disposição com a de Deus. A emoção mais arrebatadora, o prazer mais extasiado, ainda excitado no seio pela meditação silenciosa, ou eloquência sagrada ou pela poesia religiosa não tem metade da força da evidência de seus pecados sendo perdoados, que um ato de perdão possui, quando foi realizado por amor de Cristo a um irmão errado. Quando de um só olhar para a cruz e uma vívida lembrança dos meus vinte mil pecados que foram cancelados pela misericórdia de Deus, posso acalmar as paixões impetuosas do meu coração, abjurar o ato e extinguir o próprio desejo    de vingança, e digo a alguém que me feriu "Eu livremente, do meu coração te perdoo por amor de Cristo, assim como também tenho sido perdoado por Ele". Ali, naquele ato de obediência ao comando de Jesus, e conformidade com a imagem de Cristo, percebo meu discipulado e exclamo: "Obrigado, ó Salvador, pela graça que, permitindo-me realizar este ato de misericórdia, me permitiu realizar a minha união contigo, como um ramo na videira viva".
E então, quão calmo o seio, quão serena a mente, quão pacífico o coração, onde as brasas da malícia foram apagadas pela água do amor! Quão feliz esse homem, quão doce é seu gozo, que ganhou a vitória sobre si mesmo, e pode realmente dizer "Sim, eu perdoei a ele - toda faísca de malícia se extingue; posso recebê-lo em meu favor e ser para com ele como antes." Oh, que inimigos são alguns homens para si mesmos, que autoatormentadores, e como mantêm sua própria alma sobre a prateleira - que apreciam uma lembrança viva de um ferimento recebido, uma ira ardente para o ofensor e o desejo de uma oportunidade para vingar o insulto! É como manter um carvão vivo no seio, ou um abutre que rapina em cima do coração! Enquanto aquele que perdoa tem uma mente calma como o coração de Jesus, e uma face terna como a de Deus quando apaga as transgressões do pecador e o recebe de volta ao seu favor. Com que confiança ele pode agora se aproximar de Deus, seu Pai nos céus, pois seu coração não o condena, e com que língua inabalável pode apresentar a petição: "Perdoa-me os meus pecados, assim como eu perdoo aos que pecam contra mim."
Exorto este dever pelo respeito ao caráter e ao progresso do verdadeiro cristianismo. Vocês professam compreender e amar a religião, e desejam seu progresso no mundo, não é? Você realmente sabe e praticamente considera que todas as pessoas redimidas de Deus têm a intenção de serem testemunhas, não apenas para a doutrina do perdão de Deus, mas para o dever de também perdoarmos? Imagine o pecado que é dar falso testemunho sobre este ponto para Deus, e levar os homens a considerarem que sua religião não promove mais o perdão do que a religião do paganismo. Considere que uma impressão a favor do cristianismo seria produzida pela igreja sobre o mundo, se todos os cristãos professos fossem vistos e conhecidos como pessoas em cujo seio habita o espírito de amor, e que haviam apagado do seu vocabulário pelas lágrimas de sua própria penitência, a palavra "vingança".
Por que eles seriam fortes por sua fraqueza, e poderosos por sua mansidão, pois quem prejudicaria um homem que era demasiado amoroso para ressentir-se? Quantos iriam perguntar "Onde esses homens aprenderam esta lição?"
A religião do Novo Testamento veio ao mundo para abençoar os homens, surpreendê-los com sua novidade e atraí-los pela sua beleza. Esta é a coisa nova e bela por meio da qual é realizado seu fim, levando os homens, primeiro a obter misericórdia, e depois a mostrá-la.
Mas, ai, infelizmente, como lentamente ganha terreno, mesmo na terra onde isto é professado! E por que? Porque seu caminho está cheio com os tropeços lançados lá por seus professantes. Os professantes deturpam o cristianismo por sua conduta, e levam os homens a supor que não é melhor do que outras falsas religiões. A grande maioria da humanidade toma o evangelho tal como está exposto diante deles, na vida de seus seguidores. E, como há muito do espírito do mundo; espírito de raiva, mágoa e malícia, eles mantêm-se afastados disto. Eles temem que não lhes faça nenhum bem, sim, que lhes fará mal, somando a hipocrisia a seus outros pecados. Sim, eles estão realmente com medo da religião. Mas, isso não aconteceria, não poderia ser o caso, se todos os cristãos fossem como Jesus, sempre perdoando pecados e fazendo o bem. Portanto, devemos ser mais santos, e para isso, entre outras coisas, devemos ser mais mansos e gentis, devemos ser mais amorosos para sermos mais amáveis ​​e tornar nossa religião mais amada.
Devemos perdoar e suprimir as suspeitas do ciúme, as censuras da calúnia e a indiferença da estupidez. Sermões e livros não o farão. A eloquência pode descer sobre o perdão, e a retórica do orador pode ser admirada, mas se quisermos que a religião prospere, todos os que a professam devem ser vistos e conhecidos por perdoar aqueles que os injuriam.
Nossa religião, felizmente neste dia está colocando suas energias no espírito evangelizador da era, mas todas essas coisas passam por muito pouco na estima dos homens deste mundo, pois na sua estima elas são apenas efusões de entusiasmo ou paroxismos de sectarismo, e fazem muito pouco para conciliar sua estima, ou alistar suas simpatias. Eles querem uma exposição do verdadeiro espírito do cristianismo para que possam entender melhor, admirar mais, e que venha mais diretamente sob a sua observação, o que é visto somente neste amor divino e celestial. Quando veem os cristãos saírem com todo espírito de amor, suavemente suportando as provocações pelas quais são assaltados, e perdoando livremente as ofensas pelas quais são feridos, "Ah", dirão eles, "isto é o que temos esperado. Isto parece uma religião que é uma emanação de um Deus de amor."
Ao exaltar o caráter e ajudar o progresso de nossa santa religião, trazemos honra e glória àquele que é seu Cabeça e Autor. Isto é deixar nossa luz brilhar diante dos homens, pela qual vendo nossas boas obras, glorificarão nosso Pai que está nos céus. Deus é honrado quando sua imagem é copiada, e os raios de sua glória refletidos por seu povo. E, os filhos deste grande e bom Pai, este Pai dos espíritos, não deveriam fazer tudo o que pudessem para torná-lo conhecido e honrado?
Quão maravilhosa e enobrecedora é a concepção, e que ambição deve elevar na mente do cristão, considerar e dizer: "Os homens podem ver algo de Deus em mim!" Sim, podemos ensinar-lhes o que Deus é quanto ao seu caráter moral, e deixá-los ver em nossa disposição misericordiosa um raio do sol infinito de sua própria glória. Esta doce mansidão de nossa natureza, essas correntes suaves de nossa alma, essas efusões de amor; estas, podemos lembrá-los, são apenas o transbordamento de Sua bondade, Seu próprio amor em nossos corações, e são como o segundo arco-íris, o reflexo do primeiro, que é Sua infinita misericórdia.
E, se outro motivo for necessário, insista no último que agora ofereço, que o perdão é uma virtude que não precisaremos mais exercer. Quando chegarmos ao céu, teremos chegado a um mundo onde não precisaremos mais buscar o perdão de Deus, nem dá-lo a nosso irmão. Lá nunca pecaremos contra Deus, nem nosso irmão pecará contra nós. Naquela região de amor, onde a bondade fraterna, como todo o resto será perfeito; não haverá ocasião pela eternidade para um exercício desta parte do amor cristão. Todos os habitantes daquele mundo serão divinamente amáveis ​​e nunca precisarão de perdão. Todos serão perfeitos para que outros amem e vejam neles a perfeição do amor. Ninguém jamais ofenderá, nem se ofenderá jamais. A compreensão será muito clara para ofender pela ignorância, e o coração demasiado santo para ofender por desejo.
A difícil virtude da paciência não será chamada para lá; pois tendo sido realizada aqui na terra será dispensada no céu, e nada resta senão os fáceis e deliciosos atos de se deleitar na bondade imaculada de todos os que nos rodeiam. É o desempenho aqui, daquele árduo dever de perdão, que nos prepara para esse futuro mundo de amor e alegria. É a conquista de nós mesmos, orgulhosos, nesta cena de nossa disciplina e provação, que é para nos encaixar num estado abençoado onde nenhum inimigo nunca é visto, e nenhuma batalha é combatida.
Ó cristão, o dever de perdoar aqui, é só um pouco antes de você ser libertado do conflito, proferir o grito e usar a coroa da vitória! Cada ofensa que você perdoar, pode ser a última que terá que perdoar. Então, mesmo em meio à felicidade do glorioso estado ao qual o último inimigo o introduzirá, sim, ali mesmo isso será parte de sua inefável felicidade; olhar para trás e lembrar-se de que, em alguma medida humilde, você foi capacitado através da graça soberana    a "perdoar, assim como você foi perdoado".






Publicado no site: O Melhor da Web em 26/11/2016
Código do Texto: 133482
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.