Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
kuryos - Silvio Dutra
Silvio Dutra
Cadastrado desde: 29/08/2012

Texto mais recente: Anseio



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
Não Tenha Medo
15/12/2016
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
Não Tenha Medo

Título original: Be Not Afraid Or, the Voice of Jesus in the Storm

Por Octavius Winslow (1808-1878)

Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra

"Mas ele imediatamente falou com eles e disse-lhes: Tende ânimo; sou eu; não temais." (Marcos 6:50)

Nosso Senhor acabara de realizar um de seus mais notáveis ​​milagres. Ele alimentara cinco mil homens com cinco pães e dois peixes. Deixem os incrédulos impugnarem a integridade da Bíblia e rejeitarem a evidência dos milagres - candidamente e solenemente, pesem este fato, como aqueles que são responsáveis ​​perante Deus pela sua crença; e aceitem com humildade e fé a conclusão a que inevitavelmente chegarão - uma persuasão firme da Deidade de Cristo e da verdade de Sua Palavra. Ansioso para evitar a excitação popular a que esta exibição benevolente de poder Divino deu origem, nosso Senhor se retirou para uma montanha, e estava lá sozinho. Seus discípulos, assim despedidos por seu Mestre, "desceram ao mar, entraram em um barco, e foram em direção a Cafarnaum". Foi durante esta viagem que ocorreu o incidente a que se refere o nosso presente assunto. O tópico que ele sugere naturalmente é "A VOZ DE JESUS ​​NA TEMPESTADE" - um tópico repleto de profunda instrução e doce conforto.
Há um capítulo na vida de cada cristão correspondente a este incidente na vida de Cristo. O caminho do crente para a glória é "através de ventos, tempestades e ondas". Sua vida espiritual é, figurativamente, uma viagem - mares tempestuosos são seu caminho, mas o céu é o porto que ele finalmente e certamente alcançará. É na tempestade que a voz de Jesus é agora ouvida. Consideremos os discípulos na sua condição naquela ocasião como ilustrando grande parte da história espiritual do cristão.   
A primeira tempestade espiritual que ele combate é a sua primeira convicção de pecado; e esta é uma tempestade abençoada! O Espírito Santo, como "um poderoso vento impetuoso", sopra sobre a alma, e o grito ansioso do carcereiro filipino é ouvido, "O que devo fazer para ser salvo?" Até agora, a alma viveu em toda a quietude da insensibilidade espiritual. Houve de fato uma calmaria, mas era a calmaria da morte; paz, mas a paz da sepultura. A alma está morta em delitos e pecados. Mas, agora há uma tempestade, um despertar, uma ressurreição da morte do pecado. A lei de Deus tem sido aplicada à consciência, sua santidade é vista, sua condenação é sentida, e a alma clama: "Senhor, salva-me ou perecerei!"
Meu leitor, esta tempestade de condenação do pecado passou por cima de você? Ela despertou você de seu sonho profundo, semelhante a Jonas? Tirou você de seus falsos refúgios, de seus falsos apelos e de sua esperança fatal? Você já sentiu o barco da sua alma afundar em meio à escuridão, em ondas de afrontamento de condenação bocejando para recebê-lo? Espírito do Deus vivo! Sopre sobre a alma para que ela viva! Desperte os descuidados, desperte os sonolentos, ressuscite os mortos e crie uma tempestade de convicção do pecado, como a voz de Jesus sozinha ainda pode fazer.
Não afirmamos que toda convicção do pecado, em seu primeiro estágio, participe do mesmo caráter. Há uma diversidade de operações na obra do Espírito Santo. Com alguns, a primeira tempestade de convicção não é tão violenta; é mais a brisa suave, respirando a partir do sul ensolarado. Com outros, é o vento norte que sopra poderoso e penetrante; mas, em ambos os casos, é o mesmo Espírito que opera, e ambas operações ilustram o mistério e a soberania da graça divina.
Tenha cuidado, portanto, de ignorar sua convicção porque, ao medir sua experiência por outros, você acha que sua convicção inicial de pecado não era de um caráter tão pungente e marcante como o deles. Isso seria imprudente. Há duas portas no grande templo da graça de Deus - a porta norte e a porta sul (Ezequiel 44: 9). Dois indivíduos entrando, um pelo norte e outro pelo portão sul, se encontrarão no mesmo edifício sagrado, e juntos se unirão no mesmo cântico eterno: "Pela graça somos salvos!"
Negar então, a sua conversão, porque você foi mais atraído a Cristo do que conduzido, foi levado à cruz sobre a suave ala da tempestade do Sul, e não sobre a forte e rude asa do vento norte, seria imprudente para você e uma desonra ao Espírito. Você sentiu-se um pecador, você viu bastante da praga de seu próprio coração para desesperar de toda a salvação em, e de si mesmo, e assim, espiritualmente convencido você foi em fé ao Senhor Jesus com o seguinte reconhecimento:   
"Outro refúgio eu não tenho,
Penduro minha alma indefesa em Você."
Veja, então, que você não se aflija e não rejeite o Espírito negando Sua obra de graça mais abençoada em sua alma. Espere seu tempo; mais cedo ou mais tarde, Ele mostrar-lhe-á mais da sua pecaminosidade, revelar-lhe-á maiores abominações do que você já viu, quando for mais profunda a sua experiência, e maior seu conhecimento de Cristo e do sangue que purifica de todo pecado, você será capacitado a ver esta nova "câmara de imagens" em sua alma sem desespero.
Reconheça, então, a soberania do Espírito na conversão, seja grato e louve a Deus que você saiba qualquer coisa de você mesmo como pecador e qualquer coisa de Cristo como seu Salvador. "É o Espírito que vivifica." Bem-aventurados aqueles que sentem o seu hálito mais suave!
"Como sopra o vento, e em seu voo,
Escapa o olhar da visão mais aguda,
Assim são as maneiras maravilhosas do trabalho
Da graça regeneradora de Deus.
Como sobre nossa condição sentimos o vendaval,
Suavemente ou poderosamente prevalecer,
Então, alguns são suavemente atraídos para o céu,
E outros como por tempestades impulsionados."
Os discípulos na tempestade também são simbólicos de algumas das provações espirituais do crente em sua jornada cristã. Provavelmente, quando esses discípulos de Jesus embarcaram em sua viagem, pouco pensavam na tempestade que os aguardava. Eles, sem dúvida, esperavam uma passagem suave e segura para o outro lado. E assim, quando muitos do povo de Deus partiram para a viagem cristã e abriram as velas de seus barcos para a brisa suave, eles pouco anteciparam os ventos tempestuosos e o alto mar que encontrarão antes de chegarem ao porto de destino.
Mas, o Senhor vê as necessidades de ser para aquelas tempestades, e assim em sabedoria e amor, Ele as envia. Por isso, as tempestades da alma consistem muitas vezes em um conhecimento mais doloroso do eu - um conhecimento e convicção mais profundos do pecado interior - o poder da lei trazido à consciência - um sentido de ira divina - os esconderijos do rosto de Deus – e a ação de Satanás. Tudo isso é necessário para ajudar a alma a seguir adiante. Precisamos ser sacudidos da nossa indolência espiritual - ser despertados da apatia espiritual, para sermos estimulados à oração. Ventos leves ajudam-nos a avançar, mas pouco, ondas suaves ainda menos.
"Mais a calamidade traiçoeira eu temo;
Do que tempestades estourarem sobre minha cabeça.”
Isto, talvez, seja em resposta à oração. Há muito tempo você pediu ao Senhor para vivificá-lo em seu caminho celestial, para avançá-lo na vida divina, e para aumentar sua santidade pessoal. Você tem desejado sentir o Salvador mais precioso, para uma caminhada mais próxima, para uma aptidão mais madura para o céu, para uma tempestade mais forte e mais favorável flutuando você mais verdadeira e rapidamente para o paraíso eterno. O Senhor tem respondido a sua oração de uma maneira que você pode não ter esperado, mas ainda assim é o caminho certo. Ele enviou a tempestade; as águas entraram em sua alma; e a casca frágil e trêmula está submersa.
Mas, que linha pode medir o aumento de velocidade que sua alma alcançou através desses dias tempestuosos e noites sombrias seguindo seu caminho para casa? O caráter de Deus foi mais abençoadamente revelado para você; você tem um firme apoio sobre Cristo; a fidelidade da Aliança foi mais rigorosamente testada; as promessas se tornaram mais preciosas; e tudo isto tem sido em resposta às suas muitas orações fervorosas e oferecidas há muito tempo para que a sua alma "cresça em graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo". Deus lhe respondeu, mas à Sua maneira.
Há, então, as tempestades de adversidade que o crente encontra em sua jornada. Nosso cristianismo não nos isenta desses eventos aflitivos que são semelhantes aos do mundo. A vida é um mar agitado; e todos os que lançam mão do arado encontram mais ou menos as tempestades da adversidade que varrem sua superfície. A aflição, mais cedo ou mais tarde, em uma ou mais de suas formas infinitas, é a nossa porção aqui. É uma disciplina necessária. É um processo preparatório para a apreciação e gozo do céu.
Eu não acho que o céu teria o prazer que possui sem provação. Sua felicidade é tão grande, deve haver uma educação, uma aptidão da alma para seu prazer. Essa educação é obtida na escola da tristeza. Todos os santos em glória, liderados por Cristo, seu Líder, saíram de grande tribulação. E se o Irmão mais velho - Ele, o Salvador sem pecado, Ele, o bendito Filho do Pai - não esteve isento de tribulação, deveríamos perguntar se teríamos falta disto?
Diversificadas são as tempestades do povo de Deus, derivando seu caráter muitas vezes da posição peculiar em que cada crente é colocado na vida, assim como as tempestades que varrem o oceano derivam sua intensidade das latitudes em que ocorrem. Possuímos riquezas? - as tempestades da adversidade as varrem, e nós ficamos pobres. Estamos em lugares de poder? - o vento da popularidade muda, e o ídolo de hoje se torna o joguete de amanhã. A nossa mesa está cercada de amados ramos de oliveira, ou a vinha suave se entrelaça na beleza em torno de nossa habitação? - a morte entra e afasta o tesouro afeiçoado de nosso coração; o ramo de oliveira desvanece-se, a videira murcha e morre.
"Muitas são as aflições dos justos, mas o Senhor os livra de todas". "Através de muita tribulação devemos entrar no reino". Mas oh, como útil em nosso curso celestial são estas tempestades rudes e ferozes! Muitos do povo do Senhor testemunharão que suas almas fazem pouco ou nenhum verdadeiro progresso na vida divina, senão sob a pressão da adversidade. Como observamos, as brisas leves e os mares suaves os ajudam pouco. A embarcação é tão lenta, e tão carregada, que nada além de ventos fortes e ondas tempestuosas a aceleram em seu caminho celestial.
Para mudar a figura: assim como a tempestade impulsiona a raiz mais profunda e firmemente na terra, a árvore, portanto, adquire vigor e crescimento pelos próprios meios que ameaçavam varrê-la da floresta, assim "árvores de Deus da justiça", árvores de Seu próprio plantio direto estão "enraizadas e fundamentadas" em Cristo e na fé e no amor por aquelas mesmas provações, aflições e dores que pareciam mais adversas ao seu bem-estar. A aflição é um tempo de semeadura, um tempo de crescimento, um tempo de colheita - a disciplina não é agradável agora, mas depois produz os frutos pacíficos da justiça para aqueles que são exercitados por ela.
Testifique, ó aflito, que preciosa e inestimável bênção essa aflição tem sido para sua alma. Testifique como a tempestade que te fez pobre, enriqueceu-o com o amor de Deus; como a tempestade que quebrou o caule de sua bela flor, trouxe você mais de perto sob a sombra da árvore da vida; como os ventos contrários, os mares cruzados e as ondas agitadas impulsionaram o seu barco adiante, dando-lhe, através do telescópio da fé, uma visão mais próxima e mais clara do porto desejado onde Jesus está trazendo todos os seus navegadores espirituais. Mas, quanto à tempestade, quão pouco devemos saber de Seu poder que controla nossa tempestade e de Seu amor que amortece nossos medos.
E onde estava Jesus enquanto os discípulos estavam na tempestade? Ele estava sozinho na montanha em oração - em oração por eles! Por que Ele retirou Sua presença bem conhecendo os perigos e os medos que os aguardavam? Para que eles pudessem aprender a grande lição da vida cristã, ou seja, que "sem Mim nada podeis fazer". É assim que o Senhor trata agora conosco. Ele nos fará conhecer a nossa fraqueza e na dependência dEle a nossa força. Ele nos livrará de nós mesmos, e nos mortificará para o mundo, e nos ensinará onde estão nossos grandes suprimentos de graça, poder e conforto.
E em todo esse tempo de nossa tempestade terrena e perigo, onde está Cristo? Ele está no céu, agora para aparecer na presença de Deus por nós. "Ele está na glória orando por Sua Igreja. Com um olho sem sono de amor descansando sobre as nossas almas lançadas pela tempestade, Ele está intercedendo por nós com o Pai, para que nossas aflições não nos envolvam, para que nossa fé não falhe, para que nossos medos não prevaleçam, mas para que possamos ser mantidos pelo poder de Deus pela fé para a salvação.
Oh, quão doce é a intercessão de Cristo! Quão reconfortante e santificante é o pensamento de que agora estamos descansando em Seu seio que está entrelaçado com Suas orações, que nossos nomes são carregados sobre Seu coração, que nossas necessidades são respiradas de Seus lábios e que nosso povo está sempre representado diante de Deus nEle próprio! Fazemos muito pouco uso da intercessão de Jesus, nosso grande Sumo Sacerdote dentro do véu. É muito raramente o tema de nossa meditação, está muito vagamente entrelaçado com os acontecimentos e a experiência de nossa vida diária, profissional e doméstica. Por esta negligência que perdedores somos! Que fonte de simpatia fecham nossas próprias mãos, e de que fonte de socorro nos separamos!
Existe algum pensamento mais forte, animador, que promova a nossa santidade, do que Cristo estar em cada momento orando por nós no céu? Pedimos as orações do povo do Senhor, e somos fortalecidos por isso. Quanto mais necessário, precioso e prevalecente é a intercessão de Cristo! Amigos terrestres morrem, ou a distância os remove, e no curso do tempo nós, talvez, perdemos a sua simpatia e oração. Mas, "Jesus vive sempre para interceder por nós". Exaltado por Ele estar na glória, o mesmo coração bate dentro daquele peito que pulsava, chorava e sangrou na terra.
Cercado por miríades de espíritos glorificados, Ele não é negligente em relação a Seus santos aqui embaixo. Ele pisou o caminho que você agora pisa, e o santificou. Ele passou por sua tentação, e a frustrou. Ele bebeu sua taça amarga e adoçou-a. Ele percorreu sua escuridão e iluminou-a. Ele carregou sua cruz, e o aliviou. Ele sofreu sua perseguição e desarmou-a. Ele experimentou sua morte, e arrancou a picada do último inimigo. Ele se deitou no túmulo, e deixou uma luz imperecível e fragrância lá.
Olhe para Ele, então, como seu Intercessor. Nada que Ele peça ao Pai é-lhe recusado. Ele nunca recebe uma negação. Sua veste, misturada com a Sua própria, prevalece na Chancelaria do céu. E quando, através do sofrimento, da languidez ou do pesar, você não pode derramar suas necessidades, Cristo está orando por você, empregando seu interesse em seu favor com Deus. E a Ele, o Pai ouve sempre.
E o Senhor poderia ser ignorante ou indiferente à posição atual de Seus discípulos? Impossível! Ele os viu da praia. Eles não o reconheceram, mas Seu olho vigilante repousou sobre eles. "Ele os viu trabalhando com o remo, porque o vento lhes era contrário". O oceano bocejando, a névoa da onda, a tempestade enevoada não podia escondê-los de Sua visão. Senhor, você conhece a minha posição atual. Você vê meu conflito mental, minhas provações espirituais, minha enfermidade corporal, quão altas as ondas, quão contra o vento, quão feroz a tempestade, quão cansativo é o afã de remar. Há conforto doce e reconfortante, meu caro leitor!
Outros - os mais próximos e os mais queridos - podem nada saber de sua vida interior; o mundo de excitação interior, a ansiedade da mente, a pressão nervosa, o conflito espiritual, a provação, a tristeza, a necessidade pela qual você está passando; é suficiente, que Jesus esteja sobre a margem da glória, e olhe para baixo todo o caminho que você percorre com um olho de amor vigilante e fiel! Nem ele jamais removerá esse olhar até que Ele lhe traga para casa para Ele no céu.
“Saia, incredulidade, meu Salvador está próximo,
E para meu alívio certamente aparecerá;
Pela oração, luto e Ele atenderá;
Com Cristo no barco, sorrio para a tempestade.
Seu amor nos tempos passados, me proíbe de pensar
Que Ele me deixará finalmente com problemas para afundar;
Cada doce Ebenezer tenho em vista,
Confirma Sua boa vontade em me ajudar completamente."
Mas, Jesus, como no caso de Lázaro, demora-se. "Já estava escuro, e Jesus não tinha vindo até eles." Por que esse atraso? Oh, havia infinita sabedoria e amor divino nisso. Ele esperou, mas para aparecer no melhor momento em seu nome. Na mesma luz que já exortamos, vejamos todos os adiamentos e atrasos do Senhor em aparecer em nosso favor. Ele espera o tempo determinado. É, talvez, escuro - oh, quão escuro! E ainda não há sinais de que Cristo venha em sua ajuda. Deve ser assim. Ele gostaria que você agora aprendesse, que é bom para um homem que ele tenha esperança, e silenciosamente espere pela salvação do Senhor".
Não há obscuridade com Ele, "Ele julga através da nuvem escura." E quando a noite, longa e triste, se aprofundou em uma escuridão que poderia ser sentida, neste momento Cristo aparece andando sobre a água. Foi uma noite de choro, mas agora amanhece, e é uma manhã de alegria. Há um amanhecer do dia, amado, sucedendo a noite mais escura e a mais longa de nossa história. "A noite vem, e também a manhã." Não desmaie no dia da adversidade. Que a fé e a esperança resistam, e a paciência tenha seu trabalho perfeito até que Jesus venha. "Até o dia raiar, e as sombras fugirem, eu vou chegar ao monte de mirra, e ao monte de incenso."
Ó sim, Cristo está vindo! E todas estas nuvens se fundirão rapidamente na luz e no esplendor do dia milenar e eterno. A "Estrela Brilhante e da Manhã", já alta nos céus, brilha através dos interstícios das nuvens que cobrem e escurecem o céu, e em breve se irradiarão em sua refulgência plena e nua. Esta noite de choro em breve terá passado, e então virá a manhã gloriosa, e o dia perfeito e infinito de felicidade milenar.
"E cerca da quarta vigília da noite, Ele veio a eles andando sobre o mar." A quarta vigília, ou cerca de três horas da manhã - o mais escuro período da noite. Sua emergência foi Sua graciosa oportunidade. A altura de seus medos era a medida do Seu amor. É assim com o seu povo agora. Está escuro, e Jesus não veio até nós. Mas, deve ficar ainda mais escuro! A "quarta hora" deve vir.
Quanto mais escura a noite, mais visíveis são as estrelas e mais brilhantes os céus. As interposições de Deus em nosso favor nunca são tão marcadas e gratas como quando nossa extremidade é a maior.
O amor de Jesus nunca brilha tão brilhante, Sua piedade nunca parece tão terna, Sua graça nunca tão ilustre, como quando somos levados ao fim de nossa inteligência. Ele aguarda até a "quarta vigília" de nossa noite de tempestade e de trabalho ansioso; e então, quando cansados ​​e exaustos com o remo contra o vento e a maré, nossas dificuldades só ultrapassavam em sua altura os temores que elas inspiram, pisando a crista das ondas Ele avança para nossa libertação!
Que palavras maravilhosas são essas - "andando sobre o mar". Ele fez isso. Ele estabeleceu seus limites e Ele os controla; e agora, em toda a majestade de Sua Deidade, misturada com toda a simpatia de Sua humanidade, Ele vem em auxílio de Seus discípulos. Como Ele realmente apareceu agora como o Soberano dos mares, o Cabeça da criação! "As águas viram-te, ó Deus, as águas te viram, e temeram; também as profundezas foram perturbadas". Elas reconheceram a Divindade, e obedeceram à voz de seu Criador, orgulhosas de que Ele pisou seu pavimento límpido.
Quem pode pisar as ondas quebradas e escuras que muitas vezes se arremessam e espumejam e se erguem ao nosso redor, senão Jesus! O que são os nossos problemas, o que são    as nossas dores, as nossas necessidades, as nossas dificuldades, para ele? Ele pode facilmente controlar as enormes ondas que entram em nossa alma, como enquanto ele andava sobre o mar para o resgate de Seus discípulos. Oh, como limitamos o Filho de Deus! Que baixas visões temos de Cristo! - de Seu poder, de Sua graça, Seu amor, Sua proximidade a nós em todos os momentos!
Voltamo-nos novamente aos discípulos. Tão sobrenatural foi a aparência de seu Senhor quando Ele se aproximou deles - Seus pés inclinando com luz dourada as ondas da montanha - os discípulos estavam com medo, pois não sabiam que era Jesus. Pouco pensavam que eles estavam perto dele, em meio à tempestade e em seus temores mais altos, era seu melhor, mais poderoso e sempre fiel Amigo!
E assim, muitas vezes, também nós erramos em relação ao nosso bendito Senhor. Estamos tão cheios de medo, tão desesperados e afundando que, olhando para o caráter de Deus através de Suas negociações, e interpretando Suas promessas por Suas providências, como os discípulos na tempestade, aterrorizados, clamamos por medo! E quando, também, o Espírito Santo nos dá um mais aprofundado sentido de nossa pecaminosidade, e temos uma vívida percepção da justiça de Deus, vendo Cristo através deste meio obscuro, assim como os discípulos o viram somente através do cinzento crepúsculo da manhã, exclamamos: "Afasta-te de mim, porque eu sou um homem pecador, ó Senhor!" Confundindo nosso Salvador com um vingador, nosso Amigo com um inimigo.
Quão infundados são, em sua maioria, os medos do crente em Jesus! Há apenas uma coisa que precisamos temer - pecar contra Deus. "Como posso fazer esta grande maldade, e pecar contra Deus?" Você, Deus, me veja. Tal é a linguagem forte de um homem temente a Deus, um santo de Deus temendo apenas o pecado. Mas, não temos razão para desconfiar de Deus, ou temer que Cristo não venha a nós caminhando sobre nossas ondas perturbadoras apenas na crise, quando nosso perigo é maior e nosso alarme mais alto.
Ele falou com eles. Ele os trouxe imediatamente à comunhão com Ele. Os primeiros tons de Sua voz os acalmaram, e seus primeiros acenos apaziguaram todos os seus medos. Jesus fala com Seu povo agora. Eles ouvem Sua voz em meio à tempestade furiosa, na coluna nebulosa, do "lugar secreto do trovão".
"É a voz do meu Amado", exclama o discípulo amoroso de Cristo, fala como e quando pode. "As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e não conhecem a voz dos estranhos." Temos esta marca da verdadeira ovelha de Cristo? Podemos distinguir a voz de Deus da do homem, a voz da verdade da do erro, a voz dos verdadeiros ministros de Cristo da de falsos mestres, a voz de Jesus da voz de todos os outros? "As ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz".
Jesus ainda fala com Seu povo. Ele fala de perdão ao culpado, de paz ao perturbado, de conforto ao triste, de esperança ao desesperado. Só há uma voz que pode acalmar a tempestade da alma e dar-lhe a paz. Não há voz, a não ser a de Cristo, que lhes assegure a sua salvação - nenhuma voz, a não ser a de Deus, que lhes declara perdoados. Ele não delegou nenhuma autoridade ou poder sacerdotal ao homem nem para amarrar seus pecados ou para soltá-los, para confessar ou para absolvê-lo. É a ousada presunção que o reivindica, a mais profunda blasfêmia que o emprega, e a prostração mais baixa e abjeta do intelecto que o reconhece. Eu volto ao pensamento, não deixe nenhuma voz senão a de Cristo pronunciar seus pecados perdoados. Não deixe nada, a não ser uma expiação aplicada, o sangue aspergido, aliviar suas convicções, sufocar seus medos e assegurar que você está real e verdadeiramente salvo.
E, então, com relação à oração, esforce-se para realizar a ideia de comunhão e comunhão real para ser exatamente isso - Jesus falando com você, e você falando com ele - como fizeram os discípulos no monte. Como essa concepção da oração verdadeira simplificará sua aproximação ao propiciatório? A oração é, Cristo falando conosco e nós falando com Cristo. Permaneça sobre este pensamento até que todas as suas visões vagas e frias de oração desapareçam e você se encontre sentado aos pés de Jesus, banhado pelo sol de Sua presença, falando com Ele em toda a simplicidade de uma criança e olhando para cima vendo Seu rosto em toda a confiança de um discípulo amoroso.
"Sou eu, não tenham medo." Tais foram as palavras emocionantes com que Ele acalmou seus sentimentos excitados, acalmou e assegurou suas mentes perturbadas. Palavras de significado maravilhoso! De todos os muitos títulos que Ele usou, nenhum deles é mencionado agora. Nem é necessário. Esta única palavra, esse pronome pessoal divino, os continha e expressava: "SOU EU".
Tal é a voz de Jesus para nós agora. Ela fala em cada tempestade - a fé ouve em todas as circunstâncias da vida. A união de Cristo com Seu povo envolve Seu controle pessoal de todos os eventos de sua história individual. De fato, não há um incidente em sua vida momentânea que não traga Jesus ao seu lado, andando como em uma carruagem, brilhante ou sombrio. Os eventos marcados de sua vida diária são tantas vindas de Cristo para você, e são igualmente muitos recados que o convidam a ir a Ele. Ele quer que o encontremos em todas as Suas dispensações providenciais.
Se cada um contiver o Seu coração, Ele pede a união do nosso coração com o Seu. Ouça, então, a voz de Jesus na tempestade. "Sou eu" - que levantou a tempestade em sua alma, e vai controlá-la. "Sou eu" - quem enviou a sua aflição, e estará com você nela. "Sou eu" - que acendeu a fornalha, e vigiará as chamas, e o trará através dela. "Sou eu", que formou a sua carga, que esculpiu a sua cruz, e que lhe fortalecerá para a suportar. "Sou eu" - quem misturou o seu cálice de sofrimento, e o capacitará a beber com submissão mansa à vontade de seu Pai. "Sou eu" - quem tirou de você a substância mundana, que lhe privou de seu filho, da mulher do seu seio, do marido da sua mocidade, e lhe será infinitamente melhor do que marido, mulher ou filho. "Sou eu" - quem fez tudo isso.
Eu faço das nuvens o meu carro, e me visto da tempestade como de uma veste. A hora da noite é a minha hora de vir, e as ondas escuras e agitadas são o pavimento sobre o qual eu ando. Tenha bom ânimo, não tenha medo; "Sou eu, seu Amigo, seu Irmão, seu Salvador, estou fazendo com que todas as circunstâncias de sua vida trabalhem em conjunto para o seu bem, e eu que permiti que o inimigo assalte você, e que a calúnia lhe atinja. A sua aflição não brotou da terra, mas desceu de cima como uma bênção enviada pelos céus, disfarçada como um anjo de luz vestido com um manto de ébano. Eu enviei todas no amor. Esta doença não é para a morte, mas para a glória de Deus. Este luto nem sempre lhe inclinará à terra, nem lhe fechará em uma escuridão imutável de sua vida. Sou eu quem ordenou e controlou tudo! Não tenha medo."
Oh, responde o seu coração: "Então, Senhor, me inclino humildemente à tua vontade. Recebo a aflição e abraço a cruz. Não é mais um batismo de fogo desde que tu estás comigo. A cama de sofrimento é emplumada, esta fornalha flamejante é um paraíso, enquanto eu ouço Sua voz suave flutuando acima da tempestade, "Tenha bom ânimo: sou eu, não tenha medo". Entra, Senhor, na porta do meu coração, porque tu a tens, e eu me regozijarei na tribulação, na glória, na enfermidade e na tempestade, e com alegria bebo a taça de tristeza que me tens dado,    transbordante com Seu louvor.
No momento em que os discípulos receberam Jesus no barco, o vento cessou e houve uma grande calma. Que mudança instantânea e deleitosa! Assim é com o crente precipitado na tempestade. Quando o Senhor Jesus se aproxima e se manifesta, tudo é paz! A tempestade de ansiedade mental diminui, o medo espiritual cessa, o fardo é aliviado, o desânimo desaparece e uma grande calma se difunde sobre a alma. O tormento dá lugar ao amor perfeito, o legalismo que engendra a escravidão é sucedido pelo espírito de adoção, clamando "Abba, Pai", e o barco do céu desliza placidamente ao longo do mar e passeia suavemente sobre as ondas, e se dirige diretamente para o reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, em que temos entrada abundante - e assim Ele os leva para o seu porto desejado.
Todos os crentes podem não ter essa "entrada abundante" na glória - ou seja, eles não podem entrar todos no céu em plenitude - no entanto, todos certamente entrarão lá, no entanto, como os marinheiros náufragos de Paulo, alguns em placas de peças do navio. Pensamento deleitoso, que todos os que estão no navio do evangelho, todos os que têm a Deus seu Pai ao leme, todos os que têm Cristo para seu piloto, devem resistir a todas as tribulações, provações e tentações da vida, e finalmente chegarem ao céu!
Mas, não deixe, meu leitor, em relação a si mesmo, que isto seja uma questão de dúvida e incerteza. Agonize para uma esperança assegurada do céu. Seja satisfeito com nada menos que "Cristo em você, a esperança da glória". Avance para a frente até encontrar o repouso, o único descanso, de um pobre pecador no sangue e justiça de Cristo. Então, você pode confiantemente comprometer-se a todas as vicissitudes da viagem do cristão. Você pode ter céus nebulosos, e mares tempestuosos, e noites escuras, mas você encontrará em Jesus um "esconderijo do vento e uma proteção da tempestade."
Quem criou os ventos os controlará; aquele que fez o mar o ordenará; aquele que formou as nuvens as equilibrará, e através de águas profundas e escuras o levará à Rocha que é mais alta do que você. Em cada vento tempestuoso, em cada noite sombria, em cada hora solitária, em cada medo crescente, a voz de Jesus será ouvida, dizendo: "Tenha bom ânimo: sou eu, não tenha medo".
Você se encolhe diante das "enchentes do Jordão?" Você está em cativeiro através do medo da morte? Você teme a hora solene e horrível? Por que esses medos? As ondas do Jordão estão todas sob o controle de Jesus! Ele teve mais a ver com a morte do que qualquer outro. Ele atravessou o fundo sem trilhas, e deixou um caminho pavimentado com a marca de seus pés; e quando chegamos às suas margens, e entramos na corrente fria, temos apenas de seguir Seus passos - porque Ele aboliu a morte - e passou a seco sobre o Jordão.
Arrependa-se pecador, Jesus espera recebê-lo. À voz do teu pranto, Ele será misericordioso contigo. Seu próprio Espírito operou em você essa contrição, destrancou essas lágrimas, inspirou esses desejos, despertou estas confissões; e a obra que o Espírito Santo começou em sua alma, Jesus Cristo completará em sua plena, livre e presente salvação. Mas, você deve crer no Senhor Jesus agora, e com todo o seu coração. Você deve aceitá-lo como Ele é e como você é, sem qualificação ou sem objeção. Não deve haver adição ou remoção do trabalho do Salvador. Nem um pensamento ou sentimento que lançará uma sombra sobre Sua glória.
Não seria uma desonra maior para Cristo negar Seu próprio ser, do que negar Sua habilidade e disposição de salvar um pecador angustiado, ferido, quebrantado de coração. Quanto a um ponto, não pode haver senão uma conclusão racional, a saber: a menos que você aceite Cristo como seu único Salvador, e Cristo o receba como um pecador acabado, Cristo e você não podem ter nenhum acordo, comunhão ou união. Se você está olhando para as obras, e deveres, e aptidão como fundamentos de aceitação por Deus, em vez de olhar totalmente e exclusivamente para Jesus, isto vai custar-lhe caro no final.
Você deve vir a Deus, trazendo nada além de seus pecados com você! Deve renunciar ao seu batismo, à sua obediência, aos seus deveres, às suas graças, à sua santificação, às suas lágrimas, às suas humilhações, aos seus sacramentos, como fundamentos de aceitação, e nada deve ser visto - todas estas coisas, são valiosas no seu devido lugar, mas misturadas com a sua fé, amor e confiança em Cristo, só envenenarão e corromperão as suas graças, neutralizarão e derrotarão a sua salvação e lhe manterão fora do céu para sempre. Cristo deve ser, no grande assunto de sua aceitação com Deus, o tudo em todos.
Seja igualmente confiante e esperançoso quanto ao bem-estar e à segurança da Arca de Deus, Sua Igreja, agora lançada entre as ondas. É verdade que o céu está se abaixando, e as nuvens estão se acumulando, e o mar está inchando, e muitos dos oficiais e tripulantes se amotinam contra Cristo e Sua verdade; no entanto, seu grande Capitão e Piloto está em cima da costa celestial, e Ele está presente pelo Seu Espírito, e vigia com um olho sem sono, de amor à Sua Igreja lançada pela tempestade através do abismo, guiando seu caminho para a glória. Todas estas coisas cooperarão para o seu bem; todas conspirarão, senão para a promoção do evangelho, o triunfo de Sua verdade, o aumento de Seu reino e a glória de Seu nome.
O erro pode por algum tempo estar na ascendente, a infidelidade e o ritualismo podem ter seu dia; mas, dê tempo à Verdade Divina, e ela deve triunfar. A vitória pode ser adiada, a disputa pode ser prolongada, o fim aparentemente incerto; mas o triunfo é tão certo quanto o resultado será manifesto e glorioso. Se não fosse assim, poderíamos nos envolver no manto do desespero. Se não houver no Evangelho de Cristo, se não houver na Igreja de Deus, se não houver nos eternos princípios da verdade e da justiça, elementos que lhes deem uma superioridade presente e lhes assegurem uma supremacia final, que estímulo deveríamos ter para o esforço presente, e que fundamento deveríamos possuir para a fé e a esperança no futuro?
Mas, não temos nenhuma dúvida. Possuindo a consciência do triunfo final; firmes em nossa crença nas promessas divinas e no reinado final de Cristo, estamos calmos na derrota, esperançosos no desânimo e confiados quando todas as coisas parecem ser contra nós. "Por isso não temeremos, ainda que a terra seja removida, e ainda que os montes sejam levados para o meio dos mares, ainda que as águas rujam e se perturbem".
Entre os elementos furiosos, ouvimos a Voz Celestial: "Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus". Sim, Senhor, estaremos quietos, confiantes, esperançosos. "Os rios elevaram-se, Senhor, os rios elevaram a sua voz, os rios elevaram as suas ondas, o Senhor nas alturas é mais poderoso do que o ruído de muitas águas, sim, do que as poderosas ondas do mar".
Tudo está bem, minha alma, embora a nuvem escura baixe,
E a ceifeira reuniu suas flores mais requintadas;
Embora a tempestade ruja, e as ondas corram alto,
Uma voz doce sussurra - Não temas, sou eu!
Esses sotaques tão ternos, tão amorosos e amáveis,
Podem dispersar a tempestade, e silenciar o vento;
Podem ainda colocar as ondas ásperas em perfeito repouso,
E fazer com que o deserto floresça como a rosa.
Então, uma vez que é a mão de um Deus infinito
Que em sabedoria me corrige, eu sorrirei na vara,
Sim, alegrar-me-ei na aflição, tão graciosamente dada,
Para me livrar da terra e me atrair para o céu.
E quando as tempestades selvagens da jornada da vida são passadas,
E o porto de glória é finalmente alcançado;
No meio das canções do resgatado, meu hino devo entoar
Para o louvor do Seu nome, daquele que fez todas as coisas tão bem.


Publicado no site: O Melhor da Web em 15/12/2016
Código do Texto: 133666
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.