Espaço Literário

O Melhor da Web

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
kuryos - Silvio Dutra
Silvio Dutra
Cadastrado desde: 29/08/2012

Texto mais recente: O Maior e Melhor Dom



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
A Vara e o Cajado
27/02/2017
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
A Vara e o Cajado

Título original: The Rod and the Staff
  
Por Octavius Winslow (1808-1878)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra


"A tua vara e o teu cajado me confortam." (Salmos 23: 4).
"A tua vara e o teu cajado me protegem e me confortam." (Salmos 23: 4).

Quando Davi falou estas palavras, ele estava passando pelo vale da morte. É conveniente e proveitoso fazer uma pausa entre os deveres e a confusão desta vida presente e prever a hora e a cena em que seu negócio e sua provação terminarão e alcançaremos aquela vida que não tem fim. É um homem sábio aquele que medita com frequência e seriamente sobre seu último fim, uma vez que a morte é comum e certa! É o último evento da nossa história com o qual nos tornaremos familiares! Muito sábio foi um monarca pagão que, em meio à pompa e ao esplendor de sua corte, -sempre ouviu a advertência do criado ao seu lado: "Lembre-se, ó rei, que você é mortal!" Menos excêntrico e mais real foi o modo pelo qual José de Arimateia procurava familiarizar sua mente com sua morte futura, pois escavou uma rocha, cercada pelas flores e folhagens de seu jardim, e construiu um túmulo para seu corpo - um novo sepulcro, onde nunca nenhum morto havia sido colocado. E é provável que ao passear pelo seu jardim, à tarde, contemplava a sua beleza e respirava a sua fragrância, fazendo uma pausa diante do seu túmulo preparado e recordava o impressionante clamor do Profeta: "Toda a carne é erva, a sua glória é como a flor do campo; seca-se a erva, e a flor cai."
Se, na linguagem sublime do culto fúnebre, "no meio da vida estamos na morte", então o pensamento, o imaginário e a preparação da morte estarão sempre presentes em nossas mentes. E acreditamos que não há nada impróprio ou incoerente na ideia de que, em qualquer lugar ou compromisso que possamos estar ocupados, a perspectiva da dissolução futura do nosso corpo deve dar um tom a cada sentimento, um caráter para cada circunstância e uma santidade para cada pensamento, palavra e ação de nossa vida.
Não se trataria de mero exagero fantasioso do sentimento pensar na morte enquanto se ouve a música alegre, pois no meio da vida, por mais ocupados, festivos e alegres que estejamos, sempre estamos diante da perspectiva da morte.
Agora, nos voltamos para a "Vara e o Cajado" do cristão - sua orientação e apoio naquela hora agitada e solene.
Sua vara e seu cajado. A imagem é pastoral e requintadamente bela. Há poucos objetos mais pitorescos do que o do pastor e seu cajado. A vara e o cajado são essenciais para o ofício do pastor quanto à orientação e proteção do rebanho. O significado espiritual e prático do símbolo será óbvio para toda mente reflexiva.
O primeiro é o da designação. O primeiro e principal uso da vara do pastor é o de marcar as ovelhas, pelas quais se distinguem de todas as outras e são reconhecidas como suas.
Este é o significado da Palavra de Deus: "Eu vos farei passar debaixo da vara, e eu vos introduzirei no vínculo da aliança."
E ainda: "Nas cidades dos montes, nas cidades do vale, os rebanhos passarão de novo sob as mãos daquele que lhes diz, assim diz o Senhor". E ainda uma vez mais: "Quanto ao dízimo do rebanho que passa debaixo da vara, o décimo será santo ao Senhor".
Quão claro e precioso é o ensino! A Igreja de Cristo é um rebanho escolhido, distinto e separado de todos os outros por um ato de eleição eterna, soberana e livre. Por isso nosso Senhor disse: "Eu sou o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas". Você, sendo um membro do redil de Cristo, "passou debaixo da vara" de eleição do amor, e tem sobre você Sua própria marca secreta e distintiva de que você é dele.
Não negue isto! A este eterno amor, a esta eleição da graça de onde este amor surgiu. para que você tendo passado assim sob a vara do Pastor, você deve tudo o que você é como um filho de Deus, e tudo o que você espera como um herdeiro da glória.
Suas opiniões sobre a doutrina da Eleição podem ser enevoadas, e sua fé nela hesita; no entanto, sua crua concepção e crença hesitante não negam a própria doutrina, nem o liberam da obrigação de acreditar humildemente, e aceitá-la com gratidão, e vivê-la santamente. É um pensamento abençoado, que a incredulidade do crente não pode invalidar qualquer verdade de Deus, ou diminuir sua obrigação de recebê-la, embora possa obscurecer o brilho e prejudicar o poder dessa verdade em sua experiência pessoal, furtando de si mesmo a sua bênção, e de Deus a Sua glória!
Contudo, ainda neste assunto, deixe-me lembrar que a doutrina divinamente revelada da Eleição é uma das verdades centrais no esquema mediador, contudo a questão de sua eleição pessoal de Deus não é a verdade com a qual sua fé tem que lidar principalmente. A eleição não está em nenhuma parte da Bíblia colocada diante de você como um princípio essencial de sua fé, mas sim como uma doutrina que transmite simetria e consistência a todo o esquema da verdade divina – torna as doutrinas lúcidas e harmoniosas que de outra forma seriam obscuras e dissonantes - envolve a glória divina - e fornece ao crente um dos mais potentes e influentes motivos para a santidade pessoal: "Segundo Ele nos escolheu nEle (Cristo) antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e sem culpa diante dEle em amor".
A salvação reconhece apenas um objeto de fé - o Senhor Jesus Cristo. Você não é chamado a acreditar que você é um dos eleitos; mas você deve crer no Salvador, como um pecador salvo inteiramente pela graça livre de Deus, somente e inteiramente por meio do Senhor Jesus Cristo, o único Nome dado abaixo do céu pelo qual devemos ser salvos. Não fique, então, perturbado em sua mente tocando em sua eleição; pois é uma das coisas secretas de Deus, com a qual somente Ele tem que lidar. A coisa revelada é a absoluta necessidade da fé em Cristo, que por seu encorajamento declarou: "Quem crê em mim será salvo". Não tropece mais então, nesta pedra de tropeço; por mais divina e revelada que seja, mas, esteja ansioso para saber que você é chamado pela graça. Esta grande questão uma vez razoavelmente resolvida, você pode permanecer perfeitamente composto quanto à sua eleição de Deus; pois, o seu "chamado garantido", você tem lógica e teologicamente, assegurado na sua eleição de Deus.
Outro uso da "vara" do pastor é o da separação. Como ele separa as ovelhas. Passando-as debaixo da vara, Deus assim insinuou que Seu povo foi especialmente separado de todas as outras nações para si mesmo. Aqui temos o que pode ser chamado de corolário da eleição, a saber, a conclusão certa para a qual ela nos conduz. Todos os eleitos de Deus são chamados por Deus. "A quem ele predestinou, ele também chamou". Com este chamado, então, temos primeiro e principalmente o ato antecedente - sua eleição - por assim dizer, realizada; a qual é a primeira coisa na mente de Deus. Agarre pela fé este último e mais baixo elo na corrente mística de sua salvação, e isso o elevará ao primeiro e ao mais elevado. O povo de Deus, então - as ovelhas do rebanho de Cristo - são um povo separado. Eles passaram sob a vara separadora e consagradora do Pastor. "Ele chama Suas próprias ovelhas pelo nome, e as conduz para fora. E quando Ele tira para fora Suas próprias ovelhas, Ele vai adiante delas". Preciosa e maravilhosa verdade! A graça divina e soberana tirou você do mundo, e o colocou entre aqueles que são:
"Chamados para serem santos", "os chamados segundo o Seu propósito". "Agradou a Deus", diz o apóstolo, "que me chamou por Sua graça, para revelar, Seu Filho em mim". Oh, alto e sagrado chamado! O que são todos os outros em comparação com este que é mais imperioso e brilhante? Que o pensamento nunca esteja ausente de sua mente, de que você seja chamado, que você deve estar separado deste mundo ímpio, sendo "uma nação santa, um povo peculiar, um sacerdócio real", separado de todos os outros para ser o tesouro especial de Cristo. Minha alma! Você já ouviu o chamado de Cristo? Externamente, uma e outra vez, o chamado do evangelho caiu sobre seus ouvidos; mas o chamado interior e eficaz do Espírito penetrou o ouvido de sua alma, oferecendo-lhe e obrigando-o a levantar-se e vir a Jesus? Não descanse até que tenha feito isso!
A "vara" do pastor é empregada igualmente para a orientação do rebanho. Por uma única aplicação de sua "vara", por um toque suave de seu cajado, o pastor conduz hábil e eficazmente o seu rebanho no caminho em que deve ir. Quão claramente nosso Senhor se apropria disso. "Quando Ele chama Suas ovelhas, Ele vai adiante delas, e as ovelhas o seguem". Como uma das ovelhas de Cristo, desde o momento em que você "passou debaixo da vara", você se tornou um objeto de Sua especial orientação e cuidado. De agora em diante, "Eu o guiarei com meus olhos", é a promessa que Ele fez individualmente, que sua fé deve pleitear. Você está passando pelo país de um inimigo - seu caminho muitas vezes é intrincado e de perplexidade - você não vê um passo adiante, e muitas vezes é chamado a descer um vale profundamente sombreado com provações e tentações sombrias; mas você tem promessas divinas e preciosas: "Eu trarei os cegos por um caminho que eles não conhecem, eu os guiarei em caminhos que eles não conheceram: eu lhes farei das trevas luz diante deles, e as coisas tortuosas endireitarei. Eu estou com eles, e não os desampararei."
Pastor Abençoado! Estou perplexo em conhecer o caminho do dever! Meu caminho está protegido, e eu não posso ver um passo adiante de mim. Mostre-me agora Seu caminho para que eu possa conhecê-lo. A Palavra da tua verdade e o olho da tua providência, indicam o caminho pelo qual eu devo andar - o teu próprio caminho. E quando esse caminho for revelado, dá-me graça para andar nele; seja o caminho do serviço mais abnegado; do sofrimento mais severo; ou de solidão mais solitária.
Comprometa-se então, sem hesitação, à orientação da vara de Cristo. Ele certamente irá levá-lo pela melhor maneira. Ele está levando você agora no caminho certo. Nuvens e trevas podem estar ao seu redor; mas tudo é luz para Aquele, em quem não há escuridão. Em torno de seu caminho, os eventos da Divina Providência podem ser como uma rede completa, confundindo todos os seus esforços para desvendá-los; mas Ele "conhece o caminho que você deve tomar", e o guiará através do labirinto, trazendo-o "de um lugar estreito para um lugar amplo, porque Ele se deleita em você". Pastor Abençoado! "Tu me guiarás com o teu conselho, e depois me receberás na glória".
O cajado do pastor é para proteção. É uma arma de defesa com a qual o rebanho está protegido das bestas feras. Não há um momento em que o perigo não esteja próximo, nem um momento em que o cajado de Cristo não esteja estendido em nossa defesa. Não há um ser no vasto universo mais exposto ao assalto, nem mais um mantido divinamente e com segurança, do que um santo de Deus. Amado com um amor que transmite o conhecimento - redimido com o sangue precioso do Pastor - e feito um templo de Deus através do Espírito, é possível que ele possa perecer? Ouça a declaração do Pastor sobre esta verdade: "Eu lhes dou a vida eterna, e eles nunca morrerão, nem ninguém os arrancará da minha mão. Meu Pai, que mos deu, é maior do que todos, e nenhum homem é capaz de arrancá-los da mão de meu Pai." Tome conforto com isso, ó minha alma! Você muitas vezes treme com os animais rondando-a como uma presa, fazendo a floresta tremer com seu rugido - ainda mais você teme o inimigo - o pecado que habita em você - sempre presente, nunca adormecido, traiçoeiro e forte e, portanto, o mais perigoso e temido, muitas vezes eleva o grito, "um dia perecerá o meu inimigo!" Não se assombre! Todas as ovelhas do rebanho são mantidas pelo poder de Deus pela fé para a salvação; e serão libertadas da boca do leão, da pata do urso e dos dentes da serpente.
Tampouco devemos esquecer o uso restritivo da vara de Cristo e do cajado. As restrições da graça de Cristo não são menos visíveis na experiência do crente do que as restrições de Seu amor. Há uma forte tendência em nós para ir adiante do Senhor, em vez de seguir Sua mão orientadora. Desejamos antecipar Sua vontade e Seu caminho a nosso respeito, em vez de em silêncio e confiança esperar o movimento de Sua vara guia. Pedro - impulsivo e autossuficiente, se adiantou ao Senhor quando Ele pediu a Jesus que o fizesse chegar a Ele sobre as águas. A consequência foi que ele começou a afundar; e sem a mão de Cristo, as ondas orgulhosas o teriam engolido em suas profundezas. Impetuosos e desconfiados, ditaríamos a Deus o caminho pelo qual Ele deveria conduzir, e os meios pelos quais Ele deveria livrar, e as lições pelas quais Ele deveria instruir, e a disciplina pela qual Ele deveria nos santificar?
Mas Jesus, consultando nosso maior bem, ordena o contrário. "Quando Ele guia Suas próprias ovelhas, Ele vai adiante delas". Oh abençoadas restrições de Cristo! Restringindo nossa vontade rebelde - nosso espírito impetuoso - nosso zelo cego - e nosso julgamento errado - Cristo interpõe Sua vara e Seu cajado, e em mil casos nos impede de cair. Palavras significativas de Deus a Davi - "Eu te impedi de pecar contra Mim"! Entre as suas mais piedosas misericórdias, contam as restrições da vara e do cajado de Cristo. Nós nunca saberemos completamente, até que nós chegarmos no céu, em quantos exemplos e maneiras nós fomos livrados por Deus - de quantos precipícios, e de quantos ossos quebrados, e de quantos erros fatais, o Senhor foi adiante para nos preservar. Nós nos rebelamos, talvez, com a interferência da "vara" - murmuramos nas restrições do "cajado" - sentimos a dor da doença - o sofrimento agudo - o desapontamento amargo - no entanto, quando a névoa e a nuvem se ergueram, revelando o perigo iminente a que tínhamos sido expostos, vimos então claramente a sabedoria e a misericórdia de nosso Deus ao impor essas restrições divinas e saudáveis, mas pelas quais deveríamos cegamente e inevitavelmente ter destruído tudo o que era precioso para nós nesta vida e glorioso na vida que está para vir.
Nem omitimos o emprego da "vara" como um agente disciplinador nas mãos de nosso Divino Pastor. Este símbolo é frequentemente usado como ilustrando as dispensações aflitivas pelas quais o povo de Deus passa. "Ouvi a vara, e Aquele que a ordenou." (Miqueias 6.9). A vara da disciplina divina não é menos essencial para a plenitude de nosso caráter cristão e, portanto, para a nossa aptidão para o céu, do que qualquer outro uso em que o Senhor a emprega. A referência na Palavra de Deus a isso é impressionante e instrutiva. "Se ele cometer iniquidade, eu o castigarei", diz Deus, "com a vara dos homens" (2 Sam 7.14). Ouça as palavras do patriarca dolorosamente aflito - "Tire ele a sua vara de cima de mim, e não me amedronte o seu terror." (Jó 9.34). Quão necessária é esta "vara" de repreensão, provação e contenção, pela qual a Igreja de Deus é disciplinada! É terrível contemplar o resultado de sua ausência! Remova um exercício oportuno e saudável da disciplina de uma igreja,    ou de uma nação, ou de uma escola, ou de uma família, e quão rapidamente a anarquia, a destruição e a ruína se seguiriam! E, assim, isentar a Igreja de Deus, coletiva e individualmente, da disciplina de Cristo, extinguir a fornalha, suspender a vara e deixar de lado a faca da poda, e qual seria o resultado? A escória esconderia então o ouro, a palha estragaria o trigo e o musgo estragaria a videira, e seria incalculável a perda de nossa alma!
Mas a "vara" da disciplina de Cristo tem uma voz. "Ouvi a vara, e Aquele que a designou." É a voz de um Pai, cujo amor por nós não é um afeto cego, imprudente, mas infinitamente santo e inteligente. É a voz de um Salvador que nos ordena não fugirmos da poda, mas aceitar o seu corte como concebido, para promover a nossa fecundidade. "Ele abre o meu ouvido à disciplina." E quando o ouvido se dobra humilde e submissamente à voz divina nesta disciplina de tristeza, pode-se dizer que, como a vara de Arão, "gerou brotos e floresceu com flores". A aflição santificada, a dor consagrada, não é uma vara nua e estéril de Deus. Há poder e vitalidade nela, pois desperta a vida divina, desperta o espírito de oração, fortalece e purifica a fé, entra em Cristo supremamente sobre o coração, e embora presentemente não alegre, mas dolorosamente, mas depois produz os frutos de    justiça que são exercidos por ela. E assim é, quando o Marido Celestial purifica o ramo, e o Refinador Divino purifica o ouro, que um produz mais fruto, e o outro reflete a mais perfeita semelhança; e aquele que purifica e aquele que refina recebe toda a glória.
"A tua vara e o teu cajado me confortam." A disciplina divina e o conforto divino são termos sinônimos. O Senhor prova os justos, para que Ele possa consolá-los. Ele fere para curar - cria um canal para seus consolo divinos muitas vezes através dos sulcos e fissuras de um coração partido. Jesus disse a seus discípulos que ele estava prestes a deixá-los – e a tristeza encheria seu coração. Mas, na primeira explosão de luto, ele apressa-se a aplicar o bálsamo: "Não se turbe o vosso coração; crede em Deus, crede também em Mim" - criando assim um caminho para Suas mais ricas consolações através do canal de sua mais amarga tristeza.
Em que outra escola aprendemos que o Senhor está cheio de compaixão - que Cristo é tocado com o sentimento de nossas fraquezas - que Sua força é aperfeiçoada na nossa fraqueza, e Sua graça é toda suficiente para nós - senão na escola em que ele mesmo, embora um Filho, aprendeu a grande lição de "obediência" à vontade e ao comando de Seu Pai? Oh sim, a "vara e o cajado" são canais de "conforto" divino que fluem para nós através de nenhum outro canal. Incline-se humilde e submissamente à "vara" da correção de Deus, agarre-a crente e pegue firmemente o "cajado" da verdade de Cristo e, na multidão de seus pensamentos, Seus confortos deleitarão sua alma. A cruz pode ser pesada, a fornalha ardente, a faca afiada, a vara esmagadora, mas todos os seus consolos serão mais ricos e mais doces, fluindo em sua alma do "Deus de todo o conforto."
Oh, não fuja da carga que seu Pai coloca sobre seu ombro, por mais pesada que seja, não desvie seus olhos da cruz que o Salvador lhe ordena carregar, porque por mais que sejam dolorosos os pastos, mais ricas e tranquilas são as águas que refrigeram a alma. Levando esta cruz à beira do Jordão, então a trocarás pela coroa. E, olhando para Jesus, passarás triunfantemente sobre as suas dores, e todos os cantores do céu celebrarão a tua vinda.
Senhor! se tal é o fruto da "vara" e o apoio do "cajado", e tal a bênção da "Cruz", faça com o seu servo como bem parece aos Seus olhos!
"Mais pesada a cruz, mais próximo o céu;
Nenhuma cruz, nenhum Deus em nós;
Haja a mortificação e a provação do coração,
Em meio ao brilho falso do mundo.
Ó feliz com toda a sua perda,
A quem Deus colocou debaixo da cruz!
Mais pesada a cruz, melhor o cristão;
Esta é a pedra de toque que Deus aplica.
Quantos jardins estaria desperdiçando,
Por estarem secos por falta de olhos chorando!
O ouro pelo fogo é purificado;
O cristão é por problemas provado.
Mais pesada a cruz, mais forte a fé;
A palmeira golpeada atinge a raiz mais profunda;
O suco de videira é suavemente emitido
Quando os homens pressionaram o fruto aglomerado;
E a coragem cresce onde os perigos vêm,
Como pérolas sob a espuma do mar salgado.
Mais pesada a, cruz, mais sincera a oração;
As ervas feridas são mais perfumadas.
Se o céu e o vento fossem sempre claros,
O marinheiro não observaria as estrelas;
E os Salmos de Davi nunca teriam sido cantados
Sem o sofrimento seu coração nunca teria sido quebrado.
Mais pesada a cruz, maior a aspiração;
Dos vales nós escalamos à crista da montanha;
O peregrino do deserto cansado,
Aspira pela Canaã de seu descanso.
A pomba não tem aqui nenhum descanso à vista,
E para a arca ela voa.
Mais pesada a cruz, mais fácil morrer;
A morte é um rosto mais amigável para se ver;
Da decadência da vida, uma pessoa desafia,
Da angústia da vida, então, é livre.
A cruz sublime levanta nossa fé,
Àquele que triunfou sobre a morte.
Crucificado, a cruz que carrego,
Quanto mais tempo, pode ser mais cara;
E para que eu não desmaie enquanto estou aqui,
Implante tal coração em mim,
Que a fé, a esperança, o amor, possam florescer ali,
Até que troque a cruz por minha coroa."
(De German of Smolk)





(Nota do tradutor: a vara e o cajado têm entre outros meios usados por Deus, a finalidade de nos conduzir à plenitude de Cristo, da qual apresentamos uma breve reflexão a seguir:

Plenitude

Todos os que são chamados para serem filhos de Deus são criados em Cristo Jesus para serem tomados de toda a plenitude de Deus.
É no próprio Cristo que o Pai fez habitar toda esta plenitude com a qual convém que sejamos revestidos – a plenitude da sua própria pessoa divina e suas virtudes espirituais.
Os filhos de Deus são, portanto, vocacionados para atingirem a referida plenitude, plenitude esta que, conforme está amplamente citado na Escrituras, é a plenitude do próprio Cristo que é comunicada a eles pela fé e progresso em santificação.

“Pois todos nós recebemos da sua plenitude, e graça sobre graça.” (João 1.16)

“17 Ele é antes de todas as coisas, e nele subsistem todas as coisas;
18 também ele é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio, o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência,
19 porque aprouve a Deus que nele habitasse toda a plenitude,” (Col 1.17-19)

“8 Tendo cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo;
9 porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade,
10 e tendes a vossa plenitude nele, que é a cabeça de todo principado e potestade,” (Colossenses 2.8-10)

Tendo visto que há uma plenitude que todos os crentes devem alcançar, há então um modo de ela ser alcançada, e isto é também ensinado a nós na Palavra de Deus.

“14 Por esta razão dobro os meus joelhos perante o Pai,
15 do qual toda família nos céus e na terra toma o nome,
16 para que, segundo as riquezas da sua glória, vos conceda que sejais robustecidos com poder pelo seu Espírito no homem interior;
17 que Cristo habite pela fé nos vossos corações, a fim de que, estando arraigados e fundados em amor,
18 possais compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade,
19 e conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios até a inteira plenitude de Deus.” (Efésios 3.14-19)

Há uma plenitude a ser buscada e atingida, e no texto retrocitado podemos verificar que há necessidade de oração pedindo-a a Deus, e isto, deve ser lembrado, não deve ser feito de forma genérica, como por exemplo com as seguintes palavras “Oh Deus dá-me a tua plenitude”, pois é importante que saibamos o que não somente significa esta plenitude, como também o que importa fazermos para alcançá-la. Veremos adiante que para este propósito nos foram dados por Deus apóstolos (que mortos ainda nos falam através de seus escritos na Bíblia), profetas, pastores, mestres, evangelistas, para nos ensinarem o modo de fazer a Sua santa vontade, de maneira que o apóstolo fala de uma “plenitude do entendimento” para o pleno conhecimento de Cristo. (Col 2.2), pois é nele mesmo que se encontram escondidos todos os tesouros da sabedoria e da ciência que importa sejam comunicados a nós.
Daí que, a forma de ser buscada a plenitude de Cristo em oração seria melhor expressada, como por exemplo, com as seguintes palavras: “Oh Deus, dá-me a plenitude de Cristo, mostrando-me em que devo mudar, em que devo permitir o trabalho do Espírito Santo, para que haja em mim a plenitude das virtudes de Cristo, tendo mortificadas todas as áreas que ainda, presentemente, em minha vida são ocupadas por hábitos nocivos ou pecaminosos. Renova e purifica a minha mente para que pense somente no que for puro e louvável. Não permita Senhor que eu me acomode a algum progresso já obtido em santificação, pois sei que sempre haverá a necessidade de um maior avanço de purificação em áreas do meu ser que estão ocultas ao meu entendimento, e também que há a necessidade de uma manutenção do que foi alcançado por uma constante renovação da operação da Sua graça em meu viver.”

“1 Pois quero que saibais quão grande luta tenho por vós, e pelos que estão em Laodiceia, e por quantos não viram a minha pessoa;
2 para que os seus corações sejam animados, estando unidos em amor, e enriquecidos da plenitude do entendimento para o pleno conhecimento do mistério de Deus - Cristo,
3 no qual estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e da ciência.” (Colossenses 2.1-3)

Este conhecimento de Cristo não é nocional, por se ouvir falar de, mas experimental, por ser experimentado e incorporado à nossa própria experiência de vida.

“Tu me farás conhecer a vereda da vida; na tua presença há plenitude de alegria; à tua mão direita há delícias perpetuamente.” (Salmo 16.11)

A plenitude de alegria espiritual e deleite no Senhor, a que se refere o salmista são operados por Deus, mas devemos orar para tal propósito e também buscarmos a nossa transformação pessoal e cooperarmos com o trabalho de Deus em nós através de uma mente e vontade renovadas,                que queiram e suportem o trabalho do fogo do ourives que arrancará de nós as nossas escórias e nos tornará o metal precioso e puro que é habilitado para receber as joias de Cristo.

O apóstolo Paulo, com tantos outros servos de Deus alcançaram a referida plenitude e tiveram assim autoridade para a recomendarem a outros, conforme é da vontade de Deus.

“E bem sei que, quando for visitar-vos, chegarei na plenitude da bênção de Cristo” (Rom 15.29)

Mas, ninguém se iluda pensando que esta plenitude pode ser alcançada sem muitas batalhas espirituais, especialmente contra a nossa própria natureza decaída, pois há diversas áreas em nosso ser nas quais não permitimos que o Espírito de Deus faça o seu trabalho de renovação e purificação. Nosso apego obstinado a hábitos ruinosos, mau temperamento, e mesmo a pecados é um grande fator impeditivo de sermos tomados de toda a plenitude de Cristo, tendo todas as áreas de nossas vidas tomadas por ela, incluindo-se aí até mesmo os nossos pensamentos.

Somos dirigidos pelo Espírito Santo na medida em que lhe entregamos a direção de todas as partes de nossas vidas.

Convicções arraigadas do que seja certo ou errado que não correspondam à verdade conforme ela se encontra em Cristo, são também um grande fator impeditivo para o trabalho de transformação e renovação do Espírito para nos conduzir à plenitude de Deus.

Devemos estar sempre conscientizados que fomos criados por Deus para que Cristo habitasse e fosse Senhor de cada parte de nossos sentimentos, emoções, vontade, pensamentos e ações.

Devemos dar-lhe boa acolhida para que ele entre em todos os cômodos de nossa casa espiritual, e que ali possa habitar e comandar segundo o seu bem querer. E se algum cômodo estiver sujo, que peçamos ao Espírito Santo que passe ali a vassoura celestial para que Cristo possa ter uma recepção digna de sua Pessoa santíssima.

Um bom modo de permitir este trabalho espiritual é se sujeitando ao ensino daqueles que Deus levantou para tal propósito, e nunca estamos impedidos de receber essa instrução porque ainda que não houvesse presentemente na Igreja pessoas qualificadas e santificadas para nos ensinarem, temos o testemunho de muitos servos de Deus do passado, que embora já tenham morrido, nos falam através dos seus escritos.

“11 E ele deu uns como apóstolos, e outros como profetas, e outros como evangelistas, e outros como pastores e mestres,
12 tendo em vista o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo;
13 até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, ao estado de homem feito, à medida da estatura da plenitude de Cristo;
14 para que não mais sejamos meninos, inconstantes, levados ao redor por todo vento de doutrina, pela fraudulência dos homens, pela astúcia tendente à maquinação do erro;
15 antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo,
16 do qual o corpo inteiro bem ajustado, e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, efetua o seu crescimento para edificação de si mesmo em amor.” (Efésios 4.11-16)

Vemos assim que a plenitude de Cristo é evidenciada em nós pelo nosso crescimento no amor, o qual cresce na mesma medida em que crescemos na verdade, que é a Palavra de Deus.

Há uma altura, uma profundidade, um comprimento e uma largura na plenitude de Cristo, que sendo infinitos, demandam um crescimento constante na fé, no amor, na bondade, na longanimidade, na mansidão, na força, na coragem, na paz, na alegria, no domínio próprio, e onde houver a plenitude destas graças não haverá espaço para o ódio, a maldade, a impiedade, a ira, a fraqueza, a covardia, a ansiedade, a autocomiseração, a intemperança, a ingratidão e tudo aquilo que é contrário à Pessoa e vontade de Cristo.

Deus quer habitar em todas as partes do nosso ser, e para isto fez a provisão necessária em Cristo, em quem podemos achar tudo o que precisamos, porque ele possui toda a plenitude para encher todos os nossos espaços vazios ou ocupados por coisas que devem ser eliminadas para que Cristo possa ali reinar pela graça.


Publicado no site: O Melhor da Web em 27/02/2017
Código do Texto: 134373
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):