Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
kuryos - Silvio Dutra
Silvio Dutra
Cadastrado desde: 29/08/2012

Texto mais recente: A Única Fonte Celestial



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
A Corrente Dourada de Tribulação e Amor
16/05/2017
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
A Corrente Dourada de Tribulação e Amor


Título original: The Golden Chain of Tribulation and Love

Por J. C. Philpot (1802-1869)

Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra


"E não somente isso, mas também nos gloriamos nas tribulações, sabendo que a tribulação trabalha paciência, e paciência, experiência e a experiência, esperança e esperança não confunde, porque o amor de Deus é derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos é dado." (Romanos 5: 3-5)

Qual seria, você diria, o maior feito na religião? Se esta pergunta fosse colocada a pessoas diferentes, mesmo entre aqueles que conhecem e temem a Deus, a resposta pode ser diferente. Poder-se-ia dizer: "Deve ser o de estar bem estabelecido nas doutrinas do evangelho, não ser mais uma criança atirada de um lado para outro com cada vento de doutrina, mas enraizado e fundamentado na verdade como em Jesus". Outro pode responder: "É ter muito prazer do Espírito, graça e presença de Deus na alma, ter visões claras e abençoadas do nosso interesse em Jesus e experimentar um sentido contínuo do "amor perfeito que expulsa o medo" e daquela paz que ultrapassa todo entendimento”. Outro pode responder: "É ter uma consciência muito sensível e viva para o mal do pecado, caminhar muito humildemente com Deus, ficar muito perto do escabelo de seus pés e estar atento e orando em todo o tempo." Outro pode dizer: "Consiste em ter a mente e a vontade de Cristo carimbadas na alma, em andar com o mais estrito respeito a todos os preceitos do evangelho e em ter coração, lábios e vida perfeitamente conformados à imagem e ao exemplo do Senhor Jesus."
Agora eu não digo que todas ou algumas dessas respostas estariam erradas; mas eu digo que nenhuma delas atingiria precisamente o ponto. "Bem, então," pode ser perguntado, "o que você acha que é a maior realização na religião?" Eu respondo: "Gloriar-se nas tribulações". Essa foi certamente a mente do Apóstolo Paulo, como creio que em poucos momentos poderei mostrar-lhe.
Tendo estabelecido, nos capítulos precedentes, a doutrina da justificação, ele passa a mencionar, na abertura deste, alguns dos frutos que brotam dela. O primeiro é: "Paz com Deus por nosso Senhor Jesus Cristo"; o segundo, "Acesso pela fé a esta graça em que estamos firmes"; e o terceiro: "Alegrar-se na esperança da glória de Deus". Olhe para estes três frutos abençoados de ser livremente justificado pela fé. Algo pode superá-los? Paz com Deus, acesso a um estado de graça diante de Sua presença, e alegria na esperança de glória futura. Contudo, o quarto fruto da justificação ultrapassa esses três citados. "E não só isso, mas também nos gloriamos nas tribulações"; implicando claramente que a glória na tribulação é uma realização maior do que gozar a paz com Deus, ou ter acesso pela fé a um estado de graça, ou regozijar-se na esperança da glória eterna.
Mas, pode ser perguntado: "Como isso pode ser?" A resposta está incorporada no nosso texto, que, portanto, explicarei, como o Senhor me capacitar.
Encontro no nosso texto uma corrente de ouro, envolta pela mão de Deus em torno da alma; e nesta corrente de ouro eu encontro certas ligações abençoadas. O que é essa corrente? E quais são esses elos? A corrente é aquilo que, descido do céu à terra, une a alma ao trono de Deus. Os elos separados são:
I. Tribulação.
II. Paciência.
III. Experiência.
IV. Esperança
V. O amor de Deus.
E quando o primeiro está ligado ao último, quando a "tribulação" é soldada ao "amor de Deus", a cadeia está completa.
Com a bênção de Deus, portanto, esforçar-me-ei para retomar esta cadeia e, vendo separadamente os seus elos separadamente, para mostrar a sua ligação uns com os outros, bem como a sua dependência mútua e bela harmonia.
I. TRIBULAÇÃO. O primeiro elo nesta corrente celestial é muito pesado, tão pesado que pesaria todos eles, se não fosse sustentado pelo último. E observe que este é o primeiro. Não temos a liberdade de escolher qual    elo vamos estabelecer primeiro, ou provavelmente se deveríamos deixar de lado, e compreender o "amor de Deus" antes da "tribulação"; apreender a coroa antes da cruz e gritar "Vitória!" antes da batalha começar. A ordem de Deus deve ser seguida, não a nossa; pois se começarmos no lado errado, nunca faremos uma cadeia completa. O primeiro elo, então, desta cadeia celeste é a "tribulação"; e este é um elo muito pesado, porque muitas aflições são muitas vezes soldadas juntas para torná-lo robusto e forte, e dar-lhe peso e substância.
A palavra "tribulação", no original, significa literalmente ser pressionado para baixo; e é notável que a palavra inglesa "tribulação" tem um significado semelhante, pois é derivado de uma palavra latina, que significa literalmente uma debulha de milho, de acordo com o antigo modo de conduzir uma máquina sobre ele. Nada, então, merece o nome de "tribulação" que não pressiona a alma e trilha a palha. Pequenos problemas que vêm e vão, passando por vexames, provações transitórias de um dia ou de uma hora, os diversos aborrecimentos que testam o temperamento ou mortificam o orgulho, as decepções inesperadas nos negócios e outras centenas de circunstâncias que são suficientemente assediadoras para o tempo, do que se entende pela palavra pesada "tribulação". Eles não são pesados o suficiente para formar um elo na cadeia celestial. O povo do Senhor, entretanto, tem muitas "tribulações", pois está escrito em letras grandes no arco da porta estreita: "Devemos, através de muitas tribulações, entrar no reino de Deus". Essas, então, são ou devem ser as primeiras palavras que saúdam o olho do peregrino e mostram-lhe de antemão o caráter da estrada.
Como a terra é apenas um vale de lágrimas, o cristão tem muitas tribulações em comum com o mundo. Os problemas familiares eram a sorte de Jó, Abraão, Jacó e Davi; a doença aconteceu com Ezequias, Trófimo e Epafrodito; reveses e perdas caíram sobre Jó e sobre o filho do profeta cuja viúva Eliseu milagrosamente aliviou da dívida; a pobreza e a fome levaram Noemi à terra de Moabe. O problema, então, não é em si nenhum sinal de graça; pois ele inevitavelmente flui e está necessariamente ligado ao estado caído do homem.
Mas, devemos fixar nosso olhar em duas coisas, como especialmente marcando as aflições temporais da família do Senhor:
1. Que todos sejam pesados e cronometrados por nomeação especial; pois embora "o homem tenha nascido para a tribulação como as faíscas voam para cima", contudo "a aflição não vem do pó, nem a dificuldade brota da terra". (Jó 5: 6).
2. Que são especialmente santificados e feitos para "trabalhar juntos para o bem" daqueles que amam a Deus.
Mas, além de aflições tais como problemas de saúde, problemas familiares ou circunstâncias estritas, que a igreja tem em comum com o mundo, ela tem tribulações peculiares a si mesma. Alguns deles são externos - como a perseguição, a opressão, o desprezo, o ridículo - estes resultam da sua própria posição no mundo, como testemunha de Cristo - ela os sofre como sendo uma com a sua Cabeça sofredora. "Se o mundo vos odeia", disse Ele, "sabeis que me odiou antes de vós. Se fosseis do mundo, o mundo amaria os seus, mas porque não sois do mundo, mas eu vos escolhi do mundo, portanto o mundo vos odeia." (João 15: 18,19).
Mas, seus principais problemas são internos, e surgem dos ataques de Satanás, poderosas tentações, a culpa do pecado colocada sobre a consciência, dúvidas e medos sobre um interesse em Cristo, sugestões angustiantes e um conflito diário e horário com uma natureza sempre luxuriante para o mal. Não posso dedicar-me a esta parte do assunto o quanto ela merece, porque eu prefiro traçar sua conexão particular com os outros elos dessa cadeia.
II. PACIÊNCIA. Lemos que "a tribulação opera a paciência". "Paciência" aqui não deve ser entendida em sua aceitação usual, como significando mansidão e quietude de disposição. O significado espiritual da palavra, aqui e em outros lugares, é resistência. Há duas palavras diferentes no original traduzido "paciência"; significa uma disposição tranquila e sofredora, como em Tiago 5: 7,8: "Portanto, irmãos, sede pacientes"; a outra palavra, que é usada aqui, significa perseverança, como em Tiago 5:11: "Eis que consideramos felizes os que perseveraram, e ouvistes da paciência de Jó". Propriamente, "a perseverança de Jó", sendo as duas palavras as mesmas. É necessário fazer essa distinção, pois as duas palavras significam coisas bem diferentes. Não é verdade que a "tribulação trabalha paciência", no sentido usual do termo. As tribulações de Jó certamente não o fizeram, pois ele era irritado; mas elas operaram resistência. Ele foi atacado de todas as formas, desprovido de família e propriedade, despojado até o osso, assediado por Satanás e tentado por sua própria esposa a "amaldiçoar a Deus e morrer". Mas, em meio a tudo isso, Jó não estava livre das ondas da rebelião; porque amaldiçoou o dia em que nasceu, e exalou as queixas mais pungentes. Mas ele suportou; ele desnudou a cabeça para a tempestade impiedosa; ele suportou o que Deus colocou sobre ele, manteve firme sua fé em seu Criador, e não cedeu à sugestão do tentador de "amaldiçoar a Deus e morrer"; e ele suportou e viveu todas as suas provações, como um nadador forte nada por sua vida em meio à espuma de ondas, e tão seguramente atinge a costa. Isso é "paciência", isto é, resistência no sentido da palavra usada no texto.
Mas como a tribulação trabalha a paciência? Uma figura pode explicar isso. Um cavalo intacto não pode suportar a menor carga nas suas costas; mas sendo ensinado a levá-las, elas são colocadas sobre ele, e é capacitado a suportá-las. Ou podemos fazer outra comparação. Um homem habituado a trabalhos corporais severos trabalhará dez ou doze horas por dia; onde eu não poderia trabalhar uma. De onde vem a diferença? O trabalho tem forjado nele a resistência. Assim é como a "tribulação trabalha a paciência."
Mas há algo mais ainda. A resistência, no sentido bíblico, implica submissão à vontade de Deus. Até que a alma seja trazida para suportar em silêncio e resignação os golpes aflitivos da mão de Deus, a "tribulação" não fez o seu próprio trabalho; não tem a "paciência" sido forjada. O primeiro elo da corrente não é soldado ao segundo. "Tribulação trabalha paciência." Isso implica em um processo, algo acontecendo, algo gradualmente produzido e, eventualmente, gerado. Não é muitas vezes assim no início. Quando a tempestade vem, não vemos um sol brilhante atrás da nuvem escura; não, em um ataque de incredulidade ou de rebelião irritada, muitas vezes estamos determinados a não ver nenhum bem preparado ou provável de sair da provação. O primeiro golpe derruba e atordoa a alma, e leva muitas vezes algum tempo antes de se recuperar suficientemente para ver de onde vem o golpe, ou por quem é infligido. Tão obscura é a mente, tão desnorteadora a provação, pela pressão da tribulação e sugestões de Satanás, que não podemos ver a mão de Deus atrás da nuvem, nem acreditar que ela é enviada por Ele para trabalhar uma obra especial na alma. Enquanto esse tumulto está acontecendo, a paciência não é produzida; a provação que deve operar paciência, opera apenas rebelião. O primeiro passo, então, para a paciência é ver na provação a mão de Deus. "Eu não posso suportar, não vou suportar", diz a alma, até então; mas quando um raio de luz vem para mostrar que a provação é de Deus, isto produz de uma só vez a submissão. Aqui está a "tribulação" trabalhando, como fermento na massa, gradualmente fermentando e mudando toda a massa; e produzindo pão para comida sólida.
Juntamente com isso virá uma sensação de ter adquirido a provação por nós mesmos. "Você não comprou isso para si mesmo?" - pergunta o profeta. "Sim", responde a alma, "de fato, na verdade eu tenho". Agora vem a resistência. "Esta prova, diz a alma, é de Deus, não veio sobre mim por acaso, eu mereço tudo, e se eu tivesse dez mil aflições mais pesadas do que eu sofro agora, devo confessar que as mereci todas. Eu coloco a minha boca no pó, reconheço que mereço estes pesados golpes, me submeto à vara, e que possa me aproveitar profunda e duradouramente!"
Quão maravilhosamente foi isso exemplificado em Davi, sob a mão de Deus que o corrigiu; primeiro, quando a criança foi afligida com a doença e a morte, e então quando ele fugiu de Absalão! Como a "tribulação" forjou a "paciência" quando ele suportou a maldição de Simei, e pronunciou aquele belo discurso a Zadoque: "Torna a levar a arca de Deus à cidade; pois, se eu achar graça aos olhos do Senhor, ele me fará voltar para lá, e me deixará ver a arca e a sua habitação. Se ele, porém, disser: Não tenho prazer em ti; eis-me aqui, faça a mim o que bem lhe parecer.”    (2 Sam 15: 25,26). Isto é o que Tiago quer dizer quando afirma: "Meus irmãos, tende por motivo de grande gozo o passardes por várias provações, sabendo que a aprovação da vossa fé produz a perseverança; e a perseverança tenha a sua obra perfeita, para que sejais perfeitos e completos, não faltando em coisa alguma.” (Tg 1: 2-4). Tentações ou provações testam a fé; e "a provação da fé trabalha a paciência" - a expressão precisa usada por Paulo, mas a "paciência" deve ter sua obra perfeita; isto é, deve ser completamente forjada na alma, e exteriorizada em seu caráter real. Esta é a soldagem no elo. "Tribulação", portanto, "trabalha paciência", sustenta-a, e está unida a ela.
III. Mas o que a paciência opera? Não é inoperante; ela tem um trabalho a executar. A paciência trabalha a EXPERIÊNCIA. Qual é o significado da palavra "experiência" aqui? Não significa experiência no sentido usual do termo; isto é, toda a obra de Deus na alma. Tem aqui uma significação mais limitada, e significa uma experiência especial do poder, sabedoria e graça de Deus sob a tribulação. A palavra "experiência" significa literalmente "prova" e, portanto, significa a prova que a alma tem da bondade de Deus sob a provação e aflição. Veja o processo. A tribulação trabalha a resistência e submissão; quando a alma sofre e se submete, ganha uma experiência e prova do poder e bondade de Deus. Esta experiência é dupla - uma prova de quem é DEUS, e uma prova do que NÓS somos; luz direta e luz refletida.
Quando as ondas de rebelião se acalmam, podemos ver que um perigo escapou de fazer naufrágio no vale do desespero, e uma experiência é adquirida de nossa própria fraqueza, impotência, pecaminosidade, rebeldia e incapacidade de fazer qualquer coisa boa ou piedosa . É no forno que a escória da natureza é trazida à luz; é no caminho da tribulação que há descobertas tão profundas do eu em sua vileza, escuridão, e imundície.
Mas, esta é a única experiência que ganhamos no caminho da tribulação? Não; há também uma experiência de quem e o que é DEUS. Mas por que deve a paciência trabalhar isso para fora? Porque, até que a paciência tenha tido seu trabalho perfeito, não vemos a mão de Deus na provação. Deus não se revela em Sua misericórdia, amor e graça à alma enquanto está em estado de rebelião; mas quando é trazida à mansidão, humildade e submissão, então, mais cedo ou mais tarde, Ele se manifesta. Assim, a paciência ou a perseverança de Sua mão aflitiva opera uma experiência de Seus tratos num modo de graça.
1. A primeira coisa geralmente experimentada é uma prova interior ou aprovação da sabedoria de Deus na escolha da provação; pois, seja isso sempre levado em mente, que é o Senhor quem escolhe nossas provações; e não temos nenhum comando sobre elas, para lhes oferecer um início ou um fim; nenhuma seleção de sua natureza, grau; ou duração. O paciente não tem permissão para escolher seus próprios remédios. A provação, seja ela qual for, é escolhida em infinita sabedoria pelo dispositivo de todas as coisas. Se for doença, é Sua escolha; se uma aflição na família, é Sua escolha; se uma provação nas circunstâncias, é Sua escolha; perseguição, oposição, desprezo, ridículo, todos são Sua escolha. Jacó escolheu perder sua Raquel pela morte, e seu José por traição? Jó escolheu para o seu lar ser assolado de um golpe, os seus rebanhos serem afugentados e queimados, e o seu corpo ferido de febre desde a planta do pé até à sua cabeça? Um arco invisível, mas infalível, apontou as flechas que tremiam em seu coração. "As flechas do Todo-Poderoso estão dentro de mim", ele clamou em sua angústia, "por que Você me colocou como um alvo?"
Agora, até que a paciência tenha seu trabalho perfeito na alma, e possamos nos submeter à provação como vindo de Deus, Sua sabedoria na seleção e determinação da forma peculiar de provar não é vista. Mas, quando começamos a sentir uma medida de benefício saindo da tribulação, e vemos que bons efeitos ela está trabalhando em nossa alma, como nos separando do mundo, aproximando-nos de Deus, arrebatando a palha, limpando a escória e conformando-nos mais à imagem de Cristo, então ganhamos uma experiência da sabedoria de Deus ao nos enviar essa provação particular; e depois vem o humilde reconhecimento: "É de fato a própria provação que eu precisava, nada mais teria feito para mim o que ela fez." O golpe me atingiu, é verdade, na parte mais sensível, e ainda no mesmo lugar onde era mais necessário para mim ser ferido. Eu vejo a Sua sabedoria nele. De que mal me tem guardado, e que bem tem trabalhado em minha alma! Que lições abençoadas eu aprendi nesta provação! Agora, você não vê como a "paciência trabalha a experiência?" Até ser paciente, a mente está muito confusa para ver isso. Somente nas profundidades calmas da resignação a sabedoria de Deus passa diante do olho crente da alma.
2. Mas essa não é a única experiência que temos. Em seguida, temos uma experiência do poder de Deus em apoiar a alma sob a tribulação. Ah, o que é a natureza, pobre natureza caída, quando a tribulação vem! A natureza pode sustentar-se contra ela? A natureza pode se submeter a ela? A natureza pode bendizer a Deus por enviá-la? Tudo o que a natureza pode fazer é exaltar-se em rebelião contra a soberana majestade do Altíssimo. Não há beijo na vara, e não recebê-la como da mão do Senhor, não reconhecendo a sabedoria de Deus, nenhuma submissão à vontade de Deus, há naturalmente isso no coração do homem. Mas, se sob a provação somos apoiados e experimentamos a força de Cristo aperfeiçoada em nossa fraqueza, isso nos dá uma experiência do poder de Deus. O que, exceto o poder de Deus, apoiou Jó? Os braços eternos estavam embaixo; mal sentiu, talvez, mas ainda se encontravam lá. A resistência na provação dá uma experiência do poder que tem forjado essa resistência. E assim a paciência trabalha a experiência.
3. Mas nada mais? Oh sim; ganhamos nela uma experiência da bondade de Deus; que Ele é bom em tirar tanto quanto em dar; bom em trazer para baixo, bem como em elevar; bom em colocar sob a vara, bem como conceder o beijo; bom em colocar a alma na fornalha para purificar a escória, bom em sustentá-la na fornalha, e boa em trazê-la para fora da fornalha. Assim, obtemos uma experiência da bondade de Deus, suportando pacientemente a Sua mão aflitiva. "Os rebeldes moram em uma terra seca." Que experiência, então, têm eles da "bondade do Senhor na terra dos viventes?" É somente quando a alma está possuída pela paciência que "a bondade do Senhor" aparece.
4. Mas não há outra experiência adquirida pela paciência? Sim; uma experiência da misericórdia paciente de Deus; que Ele deve suportar tais rebeldes, que Ele não devia ter sido provocado por nossa rebelião para lançar-nos completamente fora, cortar-nos para baixo, e nos enviar de cabeça para o inferno. Quando a alma se acalma à submissão, ela vê o que era quando as ondas corriam alto; e à medida que a crista das ondas diminuem, a paciência do Senhor brilha no horizonte.
Sem ampliar aqui, podemos acrescentar com segurança que sem tribulação não há paciência e sem paciência nenhuma experiência. Uma paciência sem tribulação, uma experiência sem paciência, podemos pronunciar tristemente como algo defeituoso, se não totalmente inútil.
IV. Mas, a experiência opera outra coisa, e esta é a ESPERANÇA. Você observa onde o apóstolo coloca esse elo? É no começo, no meio, ou no fim desta corrente? A maioria das pessoas colocam-no no início; começam com esperança - sem tribulação, sem paciência e sem experiência; mas o apóstolo não começa lá. A corrente contém cinco elos, mas não coloca a esperança como a primeira. A tribulação é a primeira, depois vem a paciência, depois a experiência, e então - ligada à experiência - vem a esperança. Mas que esperança? Não esperança no geral, mas esperança no particular; isto é, uma esperança ligada à experiência, pois a experiência está ligada à paciência e a paciência com a tribulação. Eu observei antes que a experiência falada era particular; isto é, limitada ao caminho da tribulação. Assim é a esperança particular; significando não tanto "uma boa esperança através da graça", em geral, como uma esperança especial, conectada com a experiência adquirida através da paciência.
Mas, como uma experiência especial trabalha uma esperança especial? O crente que anda no caminho da tribulação sente e fala assim: "Eu entro em tribulação, nesta tribulação aprendo, mais cedo ou mais tarde, a submeter-me à vontade de Deus e a suportar a tribulação como vindo de Sua mão. Uma experiência da sabedoria, do poder e da bondade de Deus manifestada na provação. Quando ganho isso, ganho algum fundamento de esperança para o futuro, obtenho uma base firme sobre a qual colocar a minha esperança de que, como o Senhor tem estado comigo em seis dificuldades, Ele também estará comigo na sétima, e como em minha longa tribulação eu obtive força para suportar, e quando levado à submissão sensivelmente experimentei a sabedoria, poder e amor de Deus, assim em minhas provações futuras - pois ainda tenho de andar no caminho da tribulação - surge na minha alma uma esperança abençoada de experimentar a mesma libertação, sentir o mesmo poder e desfrutar da mesma bênção."
Quão diferente é uma esperança desta natureza, operada na alma pelo poder de Deus, de uma esperança que eu quase poderia dizer que é recolhida nas ruas, como um sapato que vai caber em qualquer pé! A esperança aqui falada é um sapato que se encaixa no pé do peregrino cansado e desgastado, pois é feito por uma mão divina a partir da "preparação do evangelho da paz", com a qual ele é calçado no arsenal de Deus. Mesmo a experiência natural é necessária para a esperança. Uma pessoa doente experimentou o benefício em uma doença anterior de um determinado médico, ou de um determinado remédio; e ela recorre ao mesmo médico ou ao mesmo remédio. "Me fez bem em uma doença semelhante, por que não agora?" Ele diz interiormente. Ou um amigo nos ajudou anteriormente; nós esperamos, quando nós somos trazidos em circunstâncias de tribulação, que nos ajudará outra vez.
Basta ver como este sentimento de esperança foi forjado na alma do apóstolo. Assim, escreve à igreja de Corinto: "Porque não queremos, irmãos, que ignoreis a tribulação que nos sobreveio na Ásia, pois que fomos sobremaneira oprimidos acima das nossas forças, de modo tal que até da vida desesperamos;    portanto já em nós mesmos tínhamos a sentença de morte, para que não confiássemos em nós, mas em Deus, que ressuscita os mortos;" (2 Cor 1: 8,9). Observe, quando foi morto assim para toda a esperança da criatura, como Deus pisou dentro - "que nos livrou de uma morte tão grande, e livra." Agora vem a esperança, ou a confiança - "Em quem confiamos que Ele ainda nos livrará".
Basta traçar os passos sucessivos detalhados aqui. Primeiro foi uma pesada provação, que esmagou sua alma quase em desespero; esta confiança de criatura esmagada. A confiança em Deus seguiu; então veio a libertação; sobre isto seguiu a confiança, ou esperança para o futuro - que Aquele que tinha livrado no passado, e estava livrando no presente, também livraria no futuro.
Agora, esta é exatamente a mesma experiência que é traçada no texto - tribulação trabalhando paciência, paciência trabalhando experiência, e experiência operando esperança; isto é, uma esperança de que quaisquer provações que vierem, haverá apoio sob elas; que a próxima provação será tão benéfica para a alma quanto a última, e que a bondade de Deus será vista como claramente, sentida como abençoada e apreciada com doçura. Isso prepara a alma para a tribulação quando ela chega, e levanta uma bendita esperança de que Deus apoiará a alma sob ela sempre que ela vier, como Ele já fez antes.
Mas, falando desta esperança, o apóstolo acrescenta: "Não confunde". Contrasta essa esperança, que brota da experiência, com esperanças falsas e ilusórias. A grande maioria das esperanças humanas irá provar-se como sendo teias de aranhas. A esperança que não é forjada no coração pelo poder de Deus deixará a alma na ilusão, e é, portanto, uma esperança que confunde. Mas, que coisa terrível é que, quando um homem chega a uma hora de morrer, ou para se apresentar perante o tribunal de Deus no grande dia, a sua esperança o confunde! Ele se envergonha dela. E por que? Porque não tinha fundamento, nem raiz, pois não estava fundamentada e enraizada em sua alma pelo poder de Deus. Não veio nem por tribulação, nem por paciência, nem por experiência; era, portanto, uma ligação solitária, não unida à experiência de um lado, ou ao amor do outro e, consequentemente, como um elo isolado na natureza, é inútil. Pegar um elo de uma corrente na rua - o que vale a pena? Você não teria vergonha de ser visto com ele em sua mão? Joga-o, então, fora. Assim, há uma esperança que confunde, que envergonha; é um elo velho enferrujado.
Examine, então, a sua esperança e veja se ela é um elo solitário, ou um em uma cadeia da qual a tribulação forma um fim, e liga-se ao elo do amor. Como você passou por isso? Você pode percorrer sua experiência, e encontrar nela qualquer semelhança com o que está escrito aqui com a caneta da Inspiração? A tribulação rebaixou sua alma, e a submissão foi dada para suportá-la? Alguma experiência doce veio em seu coração; uma experiência da misericórdia, bondade e amor de Deus na tribulação? E surgiu nela uma esperança doce, infantil e abençoada na misericórdia de Deus, de um interesse salvífico no precioso sangue de Cristo, e que o Senhor o apoiaria em cada provação e eventualmente o colocaria diante de Sua face em glória?
V. Mas, o apóstolo acrescenta o principal motivo pelo qual esta esperança não confunde: "Porque o AMOR DE DEUS é derramado no coração pelo Espírito Santo que nos é dado". Este é o último elo da corrente, e a torna completa - o elo da esperança está agora firmemente soldado ao elo do amor. Esta união é de esperança e de amor, o que faz com que a esperança seja "uma boa esperança pela graça", e dá-lhe que permaneça sem ruído diante do trono de Deus. E, no entanto, "o amor de Deus derramado no coração pelo Espírito Santo" está unido à tribulação pelos elos intermediários; e assim você vê como o amor, a esperança, a experiência, a paciência e a tribulação são todos unidos, cada ligação sendo contínua e mutuamente dependente, mas todos se combinando para formar uma cadeia harmoniosa. Eles não devem, não podem ser separados, porque Deus os uniu, e o que "Deus uniu, ninguém o separe".
Mas, que elo abençoado é este último, "o amor de Deus derramado no coração pelo Espírito Santo!" E que força e firmeza dá ao precedente, ao elo da esperança! Mas como todos os elos da cadeia, do primeiro ao último, têm uma dependência mútua, o elo mais elevado, que é o amor, e que está ligado ao trono de Deus, sustenta e suporta o mais baixo, que é a tribulação, e que se arrasta, por assim dizer, sobre a terra.
Esse derramamento de amor no coração resolve o problema: "Nós também nos gloriamos nas tribulações", e explica o que eu afirmei desde o início, que a maior realização na religião é regozijar-se na tribulação. Veja isso no caso de Paulo. Foi arrebatado até o terceiro céu, onde ouviu palavras inexprimíveis, e foi abençoado com manifestações indizíveis; mas esta foi sua maior conquista? Não; ele não tinha aprendido a ter prazer em fraquezas; para aprender a fazer isso, ele tinha que descer das glórias do céu para as portas do inferno. Foi-lhe permitido a Satanás dar-lhe um golpe. Ali estava a tribulação. Mas o espinho na carne ensinou-lhe a paciência. Assim, quando o Senhor lhe disse que Sua graça foi aperfeiçoada em sua fraqueza, ele teve uma experiência abençoada de Seu poder. Isto levantou uma doce esperança de força futura para futuras batalhas; e como o amor de Deus foi derramado em seu coração, também o fez gloriar-se nas suas tribulações. A paciência teve então seu trabalho perfeito; ele era "perfeito e íntegro, sem nada faltar"; e estas realizações profundas e mais elevadas na vida divina são incorporadas por ele nessas palavras notáveis: "Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco, então é que sou forte.” (2 Cor 12:10).
Agora, é esta corrente espiritual, constituída por esses vários laços espirituais, que distingue o povo de Deus de todos os outros. Você pode ter tribulações; mas examinar essas tribulações, sua natureza e conexão. São tribulações espirituais? Elas trabalham paciência? Aqui os erros são frequentemente cometidos. A tribulação sem paciência, ou paciência sem tribulação, não é nada. Muitas pessoas mundanas têm tribulações, muitas são naturalmente pacientes, e muitos professam ter uma experiência, mas é de alegria sem tristeza, misericórdia sem miséria, liberdade sem escravidão, luz sem escuridão e fé sem incredulidade. Muitos, também, se gabam de uma esperança, e até de "uma boa esperança pela graça", que não têm nem experiência nem amor, nem paciência, nem tribulação. Uma ligação solitária não liga nada. Tal é uma esperança, que permanece por si mesma; não liga a alma ao trono de Deus; não sustentará o coração no dia da tribulação. E o que, também, é o amor, a não ser em união com a experiência e a esperança? No entanto, muitos falam do amor de Deus, que nada conhecem de tribulação, ou experiência, ou esperança, ou qualquer um desses elos, como ligados a ele e uns aos outros.
Mas você vai dizer, talvez: "Eu sei o que é tribulação, eu tive, ou ainda tenho, aflição de corpo ou circunstâncias, aflição na minha família ou em minha mente." Bem, você pode ter tudo isso; mas o que sua tribulação fez por você? Esse é o grande ponto. Pode ser apenas uma ligação solitária; e, portanto, até ser soldado à paciência, deve ser duvidoso que seja da natureza ou da graça. O que, então, a tribulação faz por você? Você diz: "Acho que sou muito rebelde por causa disso". Sem dúvida você é, e deixou para si mesmo, você nunca pode ser qualquer outra coisa. Mas, você nunca encontra nada além de rebelião? Não há resistência, perseverança, nem submissão? Você nunca vê a mão de Deus em suas provações, abençoando-o por elas, e sente que você nada seria sem elas, por mais dolorosas que fossem? Se assim for, o primeiro elo está sendo soldado ao segundo; a corrente está sendo feita; o Espírito Santo está operando em sua alma.
Mas, você nunca vai além disso? Porque há uma paciência natural, bem como uma espiritual; um estoicismo insensível e uma submissão graciosa. Você encontra alguma coisa surgir em sua alma com essa paciência? Uma doce experiência da bondade, misericórdia, poder e amor de Deus? Se vocês puderem ir tão longe e terem experimentado alguma coisa do poder e da bondade de Deus, não lhes pergunto mais: O que os fez aspirar pelos testemunhos de Deus? O que fez você ver o vazio, a incerteza e a loucura de tudo, senão uma experiência para si mesmo da bondade e do amor de Deus? Tribulação. Nenhum homem poderá ter uma experiência doce do amor de Deus em sua alma até que esteja no forno. Ele está sempre cheio de si mesmo, até que seja queimado nele. Mas quando as provações, as aflições, a angústia da consciência, a culpa da alma, o medo da morte, as ciladas do inferno e os assaltos de Satanás queimaram o farisaísmo dele, sua alma anseia experimentar o amor e a misericórdia perdoadores e perceber por si mesmo que Deus é Seu Pai e Amigo. É esta a sua experiência? Se for, então a sua esperança é "uma boa esperança através da graça", e não o deixará envergonhado.
Mas você já experimentou alguma medida do amor de Deus? Você sabe que naturalmente todas as correntes não são do mesmo peso e tamanho. O número de elos pode ser o mesmo, mas os elos são geralmente proporcionais; pois é evidente que a força da corrente é determinada pelo elo mais fraco. Grande tribulação está ligada com grande paciência; grande paciência com grande experiência; grande experiência com grande esperança; e grande esperança com grande amor. E, portanto, inversamente, se temos pouca tribulação, temos pouca paciência; com pouca paciência, pouca experiência; com pouca experiência, pouca esperança; com pouca esperança, pouco amor. Ainda assim, grande ou pequeno, pesada ou leve, deve ser uma corrente completa.
Agora não é isso escritural, bem como experimental? Você pode negar isso? E isso não resolve o problema e nos leva de volta ao ponto de onde começamos, que é a maior realização na vida divina, porque a última, é a gloriar-se ou regozijar-se em tribulações? Nenhum homem nunca fez, ou poderia, se alegrar na tribulação por sua própria causa; isso seria uma contradição. Mas ele pode, e se alegra na tribulação por causa do fruto que ela carrega, os efeitos que produz. É verdade que não podemos orar por ela. Nossa carne covarde encolhe ao pensar. E, no entanto, o que sabemos do poder de Deus ou da idoneidade e bem-aventurança do Senhor Jesus no caminho da tribulação?
Que misericórdia é ter uma pequena religião verdadeira! Não há muito em nossos dias; na verdade, há muito poucos em quem há qualquer religião em tudo. Que misericórdia ter, mesmo a menor partícula! E você pode confiar nela, a única religião digna de ser conhecida é o que o Espírito Santo revelou aqui pela pena de Paulo.
Agora, se você pode encontrar um pouco deste trabalho acontecendo em seu coração, valorize-o muito. Você pode ser tentado às vezes quanto à realidade e genuinidade do trabalho. Esta é uma parte necessária da tribulação. Mas, apegue-se à obra do Espírito em seu coração. Valorize cada sinal para o bem, cada marca de graça, tudo o que humilha a si mesmo e exalta Jesus. Porque à Sua imagem de sofrimento todos os Seus santos devem ser conformados; e aqueles que sofrem com Ele aqui serão glorificados com Ele no futuro.






Publicado no site: O Melhor da Web em 16/05/2017
Código do Texto: 134954
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.