Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
kuryos - Silvio Dutra
Silvio Dutra
Cadastrado desde: 29/08/2012

Texto mais recente: Pobre e Ainda Rico



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
Pecado Imperdoável
13/07/2017
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
Pecado Imperdoável


A. W. PInk (1886-1952)

Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra

Nós sentimos que uma palavra separada, porém breve, sobre esse assunto precisa ser adicionada ao que dissemos no artigo de Hebreus (edição de dezembro de 1934). O ponto particular em que estamos aqui preocupados é remover qualquer possível equívoco da mente do leitor quanto ao porquê não há esperança de perdão depois que um pecador passou por um determinado limite, por que certos pecados são imperdoáveis. Nós dizemos certos "pecados", pois, como apontado no artigo de Hebreus, o "pecado imperdoável" não é uma ofensa específica - mas varia consideravelmente em diferentes casos, "blasfêmia contra o Espírito Santo" é uma forma, apostasia total da Verdade é outra. O pecado de Esaú era bastante diferente do de Caim, e cada um deles era diferente do do rei Saul. Esse fato de si mesmo certamente indica que a impiedade de qualquer pecado não está no caráter da ofensa em si, mas deve ser procurada em outros lugares. Nesta conclusão, diferimos de outros escritores sobre o assunto.
Negativamente, a impiedade de qualquer pecado não está na enormidade, abstraidamente considerada. O que quer dizer, não é porque a culpa é tão grande, que a misericórdia de Deus não a possa remir. Isso deve ser óbvio a partir de um exame cuidadoso dos casos que Deus perdoou. Tome um tal como Manassés. Perceba o registro sombrio de sua vida, e tenha em mente que ele não viveu entre a escuridão do paganismo, mas na terra favorita de Israel, onde Deus era conhecido; que ele não era uma pessoa privada - mas rei em Jerusalém, onde seu exemplo maligno exercia uma influência incalculável para o dano; e que ele era culpado de não só um ou dois crimes isolados - mas persistiu em um curso constante de conduta vil por muitos anos. Compare os pecados registrados de Caim, Esaú ou Saul - com o que se diz sobre esse monstro de maldade.
"1 Tinha Manassés doze anos quando começou a reinar, e reinou cinquenta e cinco anos em Jerusalém.
2 E fez o que era mau aos olhos do Senhor, conforme as abominações dos povos que o Senhor lançara fora de diante dos filhos de Israel.
3 Pois tornou a edificar os altos que Ezequias, seu pai, tinha derribado; e levantou altares aos baalins, e fez aserotes, e adorou a todo o exército do céu, e o serviu.
4 Também edificou altares na casa do Senhor, da qual o Senhor tinha dito: Em Jerusalém estará o meu nome eternamente.
5 Edificou altares a todo o exército do céu, nos dois átrios da casa do Senhor.
6 Além disso queimou seus filhos como sacrifício no vale do filho de Hinom; e usou de augúrios e de encantamentos, e dava-se a artes mágicas, e instituiu adivinhos e feiticeiros; sim, fez muito mal aos olhos do Senhor, para o provocar à ira.
7 Também a imagem esculpida do ídolo que tinha feito, ele a colocou na casa de Deus, da qual Deus tinha dito a Davi e a Salomão, seu filho: Nesta casa, e em Jerusalém, que escolhi de todas as tribos de Israel, porei eu o meu nome para sempre;
8 e nunca mais removerei o pé de Israel da terra que destinei a vossos pais; contanto que tenham cuidado de fazer tudo o que eu lhes ordenei, toda a lei, os estatutos e as ordenanças dados por intermédio de Moisés.
9 Manassés tanto fez errar a Judá e aos moradores de Jerusalém, que eles fizeram o mal ainda mais do que as nações que o Senhor tinha destruído de diante dos filhos de Israel.
10 Falou o Senhor a Manassés e ao seu povo, porém não deram ouvidos.
11 Pelo que o Senhor trouxe sobre eles os comandantes do exército do rei da Assíria, os quais prenderam Manassés com ganchos e, amarrando-o com cadeias de bronze, o levaram para Babilônia.
12 E estando ele angustiado, suplicou ao Senhor seu Deus, e humilhou-se muito perante o Deus de seus pais;
13 sim, orou a ele; e Deus se aplacou para com ele, e ouviu-lhe a súplica, e tornou a trazê-lo a Jerusalém, ao seu reino. Então conheceu Manassés que o Senhor era Deus.
14 Ora, depois disso edificou um muro do lado de fora da cidade de Davi, ao ocidente de Giom, no vale, até a entrada da porta dos peixes; e fê-lo passar ao redor de Ofel, e o levantou muito alto; também pôs oficiais do exército em todas as cidades fortificadas de Judá.
15 Tirou da casa do Senhor os deuses estranhos e o ídolo, como também todos os altares que tinha edificado no monte da casa do Senhor, e em Jerusalém, e os lançou fora da cidade.
16 Também reparou o altar do Senhor, e ofereceu sobre ele sacrifícios de ofertas pacíficas e de ações de graças; e ordenou a Judá que servisse ao Senhor Deus de Israel.
17 Contudo o povo ainda sacrificava nos altos, mas somente ao Senhor seu Deus.
18 O restante dos atos de Manassés, e a sua oração ao seu Deus, e as palavras dos videntes que lhe falaram em nome do Senhor, Deus de Israelram os seus altares e as suas imagens, e a Matã, sacerdote de
19 Também a sua oração, e como Deus se aplacou para com ele, e todo o seu pecado, e a sua transgressão, e os lugares onde edificou altos e pôs os aserins e as imagens esculpidas antes de se ter humilhado, eis que estão escritos nas crônicas dos videntes.
20 E dormiu Manassés com seus pais, e o sepultaram em sua casa; e Amom, seu filho, reinou em seu lugar.”    (2 Crônicas 33).

Certamente, se alguém tivesse pecado contra a graça - Manassés deve ter feito isso! Certamente, se o mal intrínseco de quaisquer ofensas os deixa imperdoáveis, aqueles que cometeu esse homem devem ter sido assim. Certamente, se houver alguns crimes muito altos para que a misericórdia de Deus alcance, deve ter sido aqueles perpetrados por este rei controlado por Satanás.
Certamente, se alguém puder afundar muito baixo para que o Espírito Santo o entregue, deve ter sido esse miserável, que tão gravemente provocou Jeová. Ah, leia a continuação: "Mas, enquanto estava profundamente angustiado, Manassés procurou o Senhor seu Deus e clamou humildemente ao Deus de seus antepassados. E, quando orou, o Senhor o ouviu e se moveu com seu pedido de ajuda". (Vv. 12, 13).
Se, então, o caso de Manassés demonstra que a impiedade do pecado não se encontra na enormidade considerável de forma abstrata - então a história de Saulo de Tarso faz isso igualmente evidente; que não é porque o carmesim de certos crimes seja de cor forte demais que o sangue expiatório de Cristo não possa limpá-lo. Este homem, que pelo Espírito de inspiração, denominou-se "o principal dos pecadores" (1 Tim. 1:15), estava presente no apedrejamento brutal do piedoso Estevão, "seus assassinos deitando suas roupas aos pés de Saulo” (Atos 7:58). Ele, portanto, ouviria não só o sermão do proto-mártir - mas também sua oração moribunda.
Que grande impressão profunda deve ter sido deixada em sua mente, não podemos duvidar - mas, ao invés de ceder às convicções feitas em sua consciência, ele resistiu a elas, como é evidente pelas palavras do Senhor: "Dura coisa para você é resistir aos aguilhões."(Atos 9: 5).
"E homens devotos levaram Estevão ao seu enterro, e fizeram grandes lamentos sobre ele" (Atos 8: 2). Mas tão longe de "o chefe dos pecadores" sendo derretido por um espetáculo tão trágico, ele acrescentou pecado a pecado, "Saulo porém, assolava a igreja, entrando pelas casas e, arrastando homens e mulheres, os entregava à prisão." (Atos 8: 3). Nem o conteve, "Saulo, porém, respirando ainda ameaças e mortes contra os discípulos do Senhor, dirigiu-se ao sumo sacerdote, e pediu-lhe cartas para Damasco, para as sinagogas, a fim de que, caso encontrasse alguns do Caminho, quer homens quer mulheres, os conduzisse presos a Jerusalém."(Atos 9: 1, 2). Que imagem viva essas palavras "respirando ainda ameaças e mortes" colocadas diante de nós, como de alguém possuído com uma sede insaciável de sangue, como uma besta voraz que procurava sua presa inocente. Ouça sua própria conta em uma data posterior. "Eu, na verdade, cuidara que devia praticar muitas coisas contra o nome de Jesus, o nazareno; o que, com efeito, fiz em Jerusalém. Pois havendo recebido autoridade dos principais dos sacerdotes, não somente encerrei muitos dos santos em prisões, como também dei o meu voto contra eles quando os matavam. E, castigando-os muitas vezes por todas as sinagogas, obrigava-os a blasfemar; e enfurecido cada vez mais contra eles, perseguia-os até nas cidades estrangeiras."(Atos 26: 9-11).
Agora, meu leitor compare essas ações atrozes com os pecados registrados de Caim, Esaú ou Saul, rei de Israel. Qual a comparação entre eles? Se eles irritaram Deus para que Ele os entregasse à impenitência final, e pelo o que ele fez, você não acha que Saulo de Tarso o provocou com mais força? Então, este "chefe dos pecadores" cometeu delitos que nenhum sacrifício de expiação poderia atingir? Existem alguns pecados tão sujos, tão hediondos, também insultantes para o céu, para que o sangue de Cristo limpe? Se houver, eles não devem ter sido perpetrados por Saulo de Tarso? Tendo em vista que ele encontrou a misericórdia do Senhor, que até mesmo seus terríveis crimes receberam perdão, não somos obrigados a concluir que a impiedade de qualquer pecado não está no fato de estar fora do alcance da expiação de Cristo? Estamos, portanto, fechados com uma alternativa - a impiedade de qualquer pecado deve ser atribuída à vontade soberana do juiz divino. Assim, ele mesmo afirma: "Portanto, tem misericórdia de quem quer, e a quem quer endurece." (Romanos 9:18). O exercício da misericórdia divina, a provisão de um sacrifício expiatório, a aplicação de suas virtudes a casos particulares, reside inteiramente no bom prazer do Deus soberano.
Isso não foi reconhecido como deveria ter sido. Mesmo os homens bons, bem ensinados nas Escrituras, foram culpados de falar sobre o que Deus foi obrigado a fazer e o que Ele não podia fazer. O fato de que as Escrituras afirmam repetidamente que "com Deus todas as coisas são possíveis", deve impedir-nos de limitar o Santo de Israel, mesmo em nossos pensamentos. Não fale de "impossibilidades" na presença daquele que é onipotente e onisciente.
Há apenas uma coisa que Deus "não pode" fazer (não nos inclinamos a absurdos quanto a se ele pode fazer dois mais dois ser igual a cinco), e isso é contrário às Suas próprias perfeições infinitas. E aí está Sua ineficaz singularidade - Deus não pode mentir, Deus não pode se negar, Deus não pode ser tentado pelo mal. E porque não? Porque Ele e Ele somente é imutável. Exceto agir de forma contrária às Suas próprias perfeições, Deus pode fazer qualquer coisa e tudo o que Ele quiser. Ele não tem nenhuma restrição. Suas ações são circunscritas ou limitadas por Sua "natureza", sua "lei" ou "o bem do universo"; mas são regulados unicamente pela própria vontade imperial.
A única razão pela qual existe um universo - é porque Deus ficou satisfeito em fazê-lo existir. A única razão pela qual houve uma lei dada por Deus às Suas criaturas - é porque agradou-lhe muito promulgar uma. É verdade, tendo dado a lei, Deus agora lida com Suas criaturas de acordo com suas exigências. Mas não poderia ter havido nenhuma razão fora de si mesmo, porque, em primeira instância, propôs colocar suas criaturas de acordo com a lei; e, portanto, Sua vontade deve ser a única fonte disso.
O que as Escrituras dizem? Isto, que Deus "trabalha todas as coisas segundo o conselho da própria VONTADE" (Efésios 1:11). Este fato fundamental é exemplificado e ilustrado em todos os pontos. Por que os eleitos escolhidos em Cristo antes da fundação do mundo e predestinados para a adoção de filhos? Porque tal era "de acordo com o bom prazer de Sua vontade" (Efésios 1: 5). Novamente; "E que direis, se Deus, querendo mostrar a sua ira, e dar a conhecer o seu poder, suportou com muita paciência os vasos da ira, preparados para a perdição." (Romanos 9:22). Que nossos amigos observem que o exercício da ira de Deus - "Sua justiça punitiva" não procede de nenhuma "necessidade" moral, mas é atribuído unicamente à vontade divina. Observe novamente as palavras "Ele não inocenta o culpado" (Ex 34: 7) e não se atreva a mudá-lo para "Ele não pode, de modo algum, inocentar o culpado". Tanto a justiça como a misericórdia, são regulados unicamente pela vontade de Deus.
Novamente, perguntamos: o que as Escrituras dizem? Isto: "Portanto, tem misericórdia de quem quer, e a quem quer endurece." (Romanos 9:18). E, novamente, afirmamos, a misericórdia divina e a justiça divina são reguladas unicamente pela vontade imperial de Deus. Embora seja verdade, abençoadamente verdade, que Deus não pode agir contrariamente às Suas próprias perfeições ou atributos, mas é igualmente verdade que Deus não tem nenhuma restrição no exercício deles. A paciência e o poder estão entre as excelências da natureza ou do ser de Deus - mas existe sempre um momento em que ele é obrigado a exercê-los? Pereça o pensamento. O mesmo é verdade para todas as outras perfeições divinas - o exercício delas é determinado por nada fora da própria vontade de Deus. Ele é supremo soberano, fazendo o que quiser, apenas como quiser, sempre que quiser; apesar de nunca fazer errado. Também não somos competentes para decidir o que é certo e o que há de errado na conduta do Altíssimo. O que ele faz é certo simplesmente porque ele faz isso.
A soberania absoluta de Deus fornece a chave, e nada mais faz, à impiedade de qualquer pecado. Deus atribuiu soberanamente os limites aos quais Ele permitirá que cada criatura rebelde vá - e esse limite varia consideravelmente em diferentes casos.
Ele determinou soberanamente quando qualquer pecador deve ser finalmente abandonado pelo Espírito Santo e entregue a uma impenitência sem esperança. Ele determinou soberanamente quando o pecado se torna imperdoável na vida de cada transgressor. É isso que torna o assunto tão indizivelmente solene, pois os homens não têm meios de saber se o próximo ato deles ou não pode selar sua condenação irrevogavelmente! Quando Cristo disse aos fariseus: "Morrereis nos vossos pecados" (João 8:21), podem ter vida em mais cinquenta anos, e ouvir o apóstolo Paulo pregar o Evangelho, mas o dia da graça terminou. Os pecados de Manassés e Paulo foram perdoados porque Deus decretou soberanamente que deveriam ser; os pecados dos fariseus eram imperdoáveis porque Deus tinha tão soberanamente ordenado. Cuidado com isso de ser insignificante com Deus. Cuidado com continuar a provocar o Altíssimo. Ele não será ridicularizado com a impunidade!



Publicado no site: O Melhor da Web em 13/07/2017
Código do Texto: 135317
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.