Espaço Literário

O Melhor da Web

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto


Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de MANUELA , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6281

 
Textos & Poesias || Poema
Imprimir - Impressora!
Imprimir
A casa (Nuno Rocha Morais) (+tradução italiana)
27/11/2017
Autor(a): MANUELA
VOTE!
TEXTO ELEITO
13
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
A casa (Nuno Rocha Morais) (+tradução italiana)

A casa

As camas, a mesa, as cadeiras,
Almofadas, lençóis, cortinas, tapetes –
Assim começamos a insinuação
Na casa onde o vazio é uma bruma.
Vamos aprendendo como a luz inverte a sua rota,
De uma janela à outra
Para ser manhã ou crepúsculo.
Começamos a respeitar o ritmo da casa,
A aceitar os diferentes tempos e silêncios
Dos quartos, da cozinha, da sala.
Depois chegam as coisas vivas,
Como os livros, as plantas, os quadros,
Os discos, as fotografias,
O jogo de xadrez para a mesinha:
Vão-se divisando os tons de uma memória
Que a casa aceita como sua
E nós entregar-lhe-emos o sono e a confiança.
Só faltam as nossas vozes e passos
Para definir o espaço da casa que se deslaça.
Assim a casa começa a respirar connosco,
Nossa, nítida.
____________________________________


Tradução italiana de Manuela Colombo


La casa

I letti, il tavolo, le sedie,
Cuscini, lenzuola, tende, tappeti –
Cominciamo così ad insinuarci
Nella casa ove il vuoto è una bruma.
Iniziamo ad apprendere come la luce inverte la sua rotta,
Da una finestra all’altra
Per farsi mattino o crepuscolo.
Cominciamo a rispettare il ritmo della casa,
Ad accettare i differenti tempi e silenzi
Delle stanze, della cucina, della sala.
Poi arrivano le cose vive,
Come i libri, le piante, i quadri,
I dischi, le fotografie,
Il gioco di scacchi sul tavolino:
Si vengono a delineare i toni d’una memoria
Che la casa accetta come sua
E noi le concederemo il sonno e la fiducia.
Mancano solo le nostre voci e i passi
Per definire lo spazio della casa che si dispiega.
Così la casa comincia a respirare con noi,
Nostra, nitida.


Publicado no site: O Melhor da Web em 27/11/2017
Código do Texto: 136037
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):