Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
kuryos - Silvio Dutra
Silvio Dutra
Cadastrado desde: 29/08/2012

Texto mais recente: A Motivação Correta



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
Resquícios de Pecado em Crentes – Cap 4
10/01/2018
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
Resquícios de Pecado em Crentes – Cap 4


   John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

CAPÍTULO 4.
Incompatibilidade do pecado em relação a Deus - Daí o seu poder - Atua sem dar paz e descanso - Está contra o próprio Deus - Atua em aversão a Deus e com propensão ao mal - universal – totalmente contra Deus - em toda a alma - constante.
Em segundo lugar. Nós vimos o assento e o sujeito desta lei do pecado. No próximo lugar, podemos ter uma visão de sua natureza em geral, que também irá manifestar seu poder e eficácia; mas não me estenderei sobre isto, pois não é meu dever declarar a natureza do pecado residente: que também é praticado por outros. Por conseguinte, somente, em referência ao nosso desígnio especial em mãos, consideraremos uma propriedade dele que pertence à sua natureza, e isso sempre, onde quer que esteja. E isso é o que é expressado pelo apóstolo, Romanos 8: 7, "A mente carnal é inimizade contra Deus". "A sabedoria da carne", é o mesmo que "a lei do pecado" em que insistimos. E o que diz ele aqui? Por que, é, "inimizade contra Deus". Não é apenas um inimigo, pois talvez possamos fazer alguma reconciliação com Deus, mas é inimizade e, portanto, não é capaz de aceitar quaisquer termos de paz. Os inimigos podem ser reconciliados, mas a inimizade não pode; sim, a única maneira de reconciliar inimigos é destruir a inimizade. Então o apóstolo em outro caso nos diz, Romanos 5:10: "Nós, quando éramos inimigos, fomos reconciliados com Deus"; isto é, uma obra realizada pelo sangue de Cristo, - a reconciliação dos maiores inimigos. Mas quando ele vem falar de inimizade, não há caminho para isso, senão que deve ser abolido e destruído: Efésios 2:15 , "Tendo abolido em sua carne a inimizade". Não há como lidar com qualquer inimizade, seja por sua abolição ou destruição.
E isso também reside nisso, como é inimizade, que cada parte dela, se pudermos falar, no menor grau possível que possa permanecer em qualquer um, enquanto e onde há alguma coisa de sua natureza, é inimizade ainda. Pode não ser tão eficaz e poderoso em operação como onde tem mais vida e vigor, mas é inimizade ainda. Como cada gota de veneno é veneno, e irá infectar, e toda faísca de fogo é fogo e queimará; assim é tudo na lei do pecado, o último, o mínimo disso, - é inimizade, ele irá envenenar, ele queimará. O que é qualquer coisa no resumo ainda é assim, enquanto ele tem algum ser. Nosso apóstolo, que pode ser suposto ter feito um grande progresso na subjugação dela como qualquer um na terra, e, afinal, clama pela libertação, como por um inimigo irreconciliável, Romanos 7:24. A atuação mais má, o trabalho mais mau e imperceptível da mesma, é a atuação e o trabalho da inimizade. A mortificação diminui sua força, mas não muda sua natureza. A graça altera a natureza do homem, mas nada pode mudar na natureza do pecado. Qualquer que seja o efeito sobre isso, não há efeito nela, mas é ainda inimizade, é o pecado ainda. Então, por isso, este é nosso estado e condição. "Deus é amor", 1 João 4: 8. Ele o é tanto em si mesmo, eternamente excelente e desejável acima de tudo. Ele é tanto para nós, ele está tanto no sangue de seu Filho e em todos os frutos inexplicáveis, pelo qual somos o que somos, e em que todas as nossas futuras esperanças e expectativas estão envolvidas. Contra este Deus, carregamos sobre nós uma inimizade todos os dias; uma inimizade que tem isso por sua natureza, que é incapaz de cura ou reconciliação. Destruído pode ser, deve ser, mas curado não pode ser. Se um homem tem um inimigo para lidar que seja muito poderoso para ele, como Davi teve em relação a Saul, ele pode seguir o caminho que ele fez, - considere o que isso provocou seu inimigo contra ele, e então se dirige para remover a causa e fazer a paz com ele: 1 Samuel 26:19: "Ouve pois agora, ó rei, meu senhor, as palavras de teu servo: Se é o Senhor quem te incita contra mim, receba ele uma oferta; se, porém, são os filhos dos homens, malditos sejam perante o Senhor, pois eles me expulsaram hoje para que eu não tenha parte na herança do Senhor, dizendo: Vai, serve a outros deuses."
Venha de Deus ou do homem, ainda há esperança de paz. Mas quando um homem tem inimizade para lidar com isso, nada é esperado, senão luta contínua, para a destruição de uma única parte. Se não for vencida e destruída, ela vencerá e destruirá a alma.
E aqui não há uma pequena parte de seu poder, que estamos enfocando, pois não pode admitir termos de paz, sem composição. Pode haver uma composição onde não há reconciliação, pode haver uma trégua onde não haja paz; mas com este inimigo não podemos obter nem um nem outro. Nunca é silenciado, nem conquistado; que era o único tipo de inimigo do qual o famoso guerreiro do passado reclamava. É em vão que um homem tenha alguma expectativa de descanso de sua luxúria, senão por sua morte; de liberdade absoluta, senão por sua própria conta. Alguns, no tumulto de suas corrupções, procuram silêncio trabalhando para satisfazê-las, "providenciando para a carne, cumprindo suas concupiscências", como o apóstolo fala, Romanos 13:14. Isto é despertar o fogo na madeira e no petróleo. Como todo o combustível do mundo, todo o tecido da criação que é combustível, sendo lançado no fogo, não o satisfará, mas o aumentará; assim também é com a satisfação dada ao pecado pecando, - é mais para inflamar e aumentar. Se um homem se separar de alguns de seus bens para um inimigo, pode satisfazê-lo; mas a inimizade terá tudo, e não haverá uma satisfação tanto quanto se não tivesse recebido nada, como o gado magro que nunca mais estava com fome por ter devorado o gordo. Você não pode negociar com o fogo para pegá-lo, senão que deve extingui-lo. É neste caso, como é na disputa entre um sábio e um tolo: Provérbios 29: 9, " O sábio que pleiteia com o insensato, quer este se agaste quer se ria, não terá descanso." Seja qual for o enquadramento ou o temperamento, a sua insensatez o torna problemático. É assim com este pecado interior: se ele se contrapõe violentamente, como fará em provocações e tentações, será ultrajante na alma; ou se parece estar satisfeito e contente, tudo é um, não há paz, nenhum descanso para ser tido com ele ou por isso. Se fosse, então, de qualquer outra natureza, de outra maneira poderia ter sido consertado; mas, visto que isso consiste na inimizade, todo o alívio que a alma deve encontrar está na sua ruína. Em segundo lugar, não é apenas dito ser "inimizade", mas é dito ser "inimizade contra Deus". Ele realmente escolheu um grande inimigo. É em vários lugares proposto como nosso inimigo: 1 Pedro 2:11: "Abstenham-se das concupiscências carnais, que guerreiam contra a alma"; elas são inimigos da alma, isto é, para nós mesmos. Às vezes, como inimigo do Espírito que está em nós: "A carne luta (ou combate) contra o Espírito” Gálatas 5:17. Luta contra o Espírito, ou o princípio espiritual que está em nós, para vencê-lo, luta contra nossas almas, para destruí-las. Ela tem fins especiais e projeta contra nossas almas e contra o princípio da graça que está em nós, mas seu objeto formal apropriado é Deus: é "inimizade contra Deus". É o seu trabalho opor-se à graça, é consequente do seu trabalho opor-se às nossas almas, que segue o que faz mais do que o que pretende, mas a natureza e o desígnio formal são para se opor a Deus - Deus como legislador, Deus como santo, Deus como o autor do evangelho, um caminho de salvação pela graça e não pelas obras, este é o objeto direto da lei do pecado. Por que ele se opõe ao dever, para que o bem que queremos não o façamos? Por que ele torna a alma carnal, indisposta, incrédula, não espiritual, cansada, vagando? É por causa da sua inimizade contra Deus, com quem a alma pretende ter comunhão com o dever. Como foi, o comando de Satanás, que os assírios tinham do seu rei: "Não lute com os pequenos nem os grandes, senão com o rei de Israel" 1 Reis 22: 31. Não é grande nem pequeno, mas Deus mesmo, o Rei de Israel, que o pecado se propõe a se opor. Encontra-se a razão secreta e formal de toda a sua oposição ao bem, mesmo porque se relaciona com Deus. Que uma estrada, um comércio, uma forma de deveres sejam criados, onde a comunhão com Deus não se destina, mas apenas o dever em si, como é a maneira dos homens na maior parte de seu culto supersticioso, a oposição que irá contra ele da lei do pecado será muito fraca e superficial. Ou, como os assírios, por causa de seu show de um rei, atacaram Josafá, mas quando descobriram que não era Acabe, eles voltaram-se de persegui-lo; então, porque há um show e uma aparência da adoração de Deus, o pecado pode assumir a cabeça em primeiro lugar, mas quando o dever clama no coração, de fato, Deus não está lá, o pecado se afasta para procurar seu próprio inimigo, o próprio Deus, em outro lugar. E, portanto, muitas criaturas pobres passam seus dias em superstições lúgubres e cansativas, sem qualquer grande relutância interior, quando outros não podem sofrer livremente para vigiar com Cristo de maneira espiritual uma hora. E não é de admirar que os homens lutem com armas carnais para o seu culto supersticioso exterior, quando não têm luta contra ele em seu interior; porque Deus não está nele, e a lei do pecado não faz oposição a nenhum dever, mas a Deus em todos os deveres. Este é o nosso estado e condição: toda a oposição que surge em nós para qualquer coisa que seja espiritualmente boa, seja da escuridão na mente, ou aversão na vontade, ou preguiça nas afeições, todas as discussões secretas e raciocínios que estão na alma em busca deles, o objeto direto deles é o próprio Deus. A inimizade está contra ele; cuja consideração certamente deve influenciar-nos a uma vigilância perpétua e constante sobre nós mesmos. É, portanto, também em relação a toda a propensão ao pecado, bem como à aversão de Deus. É ao próprio Deus que se destina. É verdade, os prazeres, os salários do pecado, influenciam grandemente as afeições sensuais e carnais dos homens; mas é contra a santidade e autoridade de Deus que o próprio pecado se levanta; odeia o jugo do Senhor. "Você está cansado de mim", diz Deus aos pecadores; e durante o desempenho de abundância dos deveres. Todo ato de pecado é fruto de estar cansado de Deus. Assim, Jó nos conta o que está no fundo do coração dos pecadores: "Dizem a Deus, afasta-te de nós"; é inimizade contra ele e aversão a ele. Aqui está a natureza formal de todo pecado: é uma oposição a Deus, uma rejeição de seu jugo, uma quebra da dependência que a criatura deve ter do Criador. E o apóstolo, em Romanos 8: 7, dá a razão pela qual ele afirma "a mente carnal é inimizade contra Deus", ou seja, "porque não está sujeita à vontade de Deus, nem pode ser". Nunca é, nem será, nem pode ser sujeita a Deus, toda sua natureza consistindo em uma oposição a ele. A alma em que está pode estar sujeita à lei de Deus; mas esta lei do pecado se configura em contrariedade e não estará sujeita. Para manifestar um pouco mais longe o poder desta lei do pecado a partir desta propriedade de sua natureza, que é inimizade contra Deus, um ou dois adjuntos inseparáveis podem ser considerados, o que mais a irá evidenciar:
1. É universal. Algumas contenções são delimitadas a algumas preocupações particulares; isso é sobre uma coisa, sobre isso. Não é tanto aqui; a inimizade é absoluta e universal, assim como todas as inimizades que se fundamentam na natureza das próprias coisas. Essa inimizade é contra todo o tipo do qual é o seu objeto. Tal é essa inimizade: porque (1). É universal para tudo o que é de Deus; e, (2.) É universal em toda a alma. (1.) É universal para tudo o que é de Deus. Se houvesse alguma coisa de Deus, sua natureza, propriedades, sua mente ou vontade, sua lei ou evangelho, qualquer dever de obediência a ele, de comunhão com ele, de que o pecado não tivesse inimizade, a alma poderia ter um abrigo constante e se retirar em si mesma, aplicando-se à vontade de Deus, ao dever para com ele, à comunhão com ele, em que o pecado não faria qualquer oposição. Mas a inimizade está contra Deus, e tudo o que é de Deus, e toda coisa em que que temos que fazer com ele. Não está sujeito à lei, nem em qualquer parte ou parcela, palavra ou título da lei. É o contrário de qualquer coisa como tal, é oposta a tudo isso. O pecado é inimizade contra Deus como Deus e, portanto, para tudo o que é de Deus. Não é sujeito à sua bondade, nem à sua santidade, nem à sua misericórdia, nem {a sua graça, nem às suas promessas: não há nada dele sobre o qual não eleve a cabeça contra; nem nenhum dever, privado, público, no coração, em obras externas, a que não se oponha. E quanto mais próximo (se eu posso dizer) qualquer coisa seja de Deus, maior é a sua inimizade. O mais de espiritualidade e santidade que haja em qualquer coisa, maior é a sua inimizade. O que tem a maior parte de Deus tem a maior parte de sua oposição. No que diz respeito àqueles em quem esta lei é mais predominante, Deus diz: "antes desprezastes todo o meu conselho, e não fizestes caso da minha repreensão" Provérbios 1: 25. Não há essa ou aquela parte do conselho de Deus, a que sua mente ou vontade não se oponham, mas a todos os seus conselhos; tudo o que ele chama ou guia, em cada particular disso, tudo é posto em nada, e nada da sua repreensão é atendido. Um homem não acharia muito estranho que o pecado mantivesse uma inimizade contra Deus na sua lei, que vem julgá-la, condená-la; mas levanta uma grande inimizade contra ele no seu evangelho, onde ele pede misericórdia e perdão como libertação dela; e isso simplesmente porque mais das propriedades gloriosas da natureza de Deus, mais de suas excelências e condescendência, se manifestam no evangelho do que na lei.
(2) É universal em toda a alma. Esta lei do pecado se contentaria em subjugar qualquer faculdade da alma, teria deixado qualquer pessoa em liberdade, qualquer afeto livre de seu jugo e escravidão,    poderia ter sido com mais facilidade, oposição ou subjugação. Mas quando Cristo vem com seu poder espiritual sobre a alma, para conquistá-la para si mesmo, ele não tem lugar de pouso silencioso. Ele não pode colocar o pé em nenhum terreno, senão no que ele deve lutar e conquistar. Não é a mente, não é um afeto, não uma vontade, mas tudo está protegido contra ele. E quando a graça fizer a sua entrada, o pecado habitará em todas as suas costas. Se houvesse qualquer coisa na alma em perfeita liberdade, um suporte poderia ser feito para expulsá-lo de todo o resto de suas prisões; mas é universal e guerreia em toda a alma. A mente tem sua própria escuridão e vaidade para lutar com, - a vontade sua própria teimosia, obstinação e perversidade; todo afeto tem a sua própria paixão e aversão de Deus, e sua sensualidade, para lidar com isso: de modo que não se pode dar alívio a outra como deveria; eles têm, por assim dizer, as mãos cheias em casa. Daí é que o nosso conhecimento é imperfeito, nossa obediência fraca, o amor misturado, temor não puro, deleite espiritual não livre e nobre. Mas eu não devo insistir nesses detalhes, ou eu poderia mostrar abundantemente o quanto esse princípio de inimizade é difuso através de toda a alma.
2. Aqui pode ser adicionada a sua constância. É constante para si mesmo, não pisca, não tem pensamentos de ceder ou entregar apesar da oposição poderosa que é feita tanto pela lei como pelo evangelho; como depois será mostrado. Esta é, então, uma terceira evidência do poder do pecado, tirado de sua natureza e propriedades, onde eu apresentei, em um exemplo, sua ilustração, isto é, que é "inimizade contra Deus", e isso é universal e constante. Se fôssemos inserir uma descrição completa dele, exigiria mais espaço e tempo do que nós atribuímos a todo esse assunto. O que foi entregue pode nos dar uma pequena sensação, se for a vontade de Deus, e nos mover para a vigilância. O que pode ser uma consideração mais triste do que aquilo que devemos levar sobre nós constantemente o que é inimizade contra Deus, e que não neste ou naquele particular, mas em tudo o que ela está e em todos os quais ela se revelou? Não posso dizer que está bem com aqueles que não acham isso. Está bem com aqueles, de fato, em quem está enfraquecida, e o poder dela diminuiu; mas ainda assim, para aqueles que dizem que não está neles, eles fazem, senão se enganarem, e não há verdade neles.
(Nota do tradutor: No assunto da inimizade da carne contra Deus deve ser considerado que é a lei do pecado que opera nos membros dos crentes que é inimiga de Deus, e não propriamente eles, pois a inimizade deles com Deus foi desfeita pela cruz, como afirmado em vários textos do N. T., e na própria epístola aos Romanos, cujo sétimo capítulo está sendo explanado. O apóstolo afirma neste capítulo que ao fazer o mal que não quer, já não é ele quem o faz, mas a lei do pecado que nele habita, pois com a mente serve à lei de Deus e ama a Sua vontade, e esta é a condição de todos os crentes, que amam mais a Deus do que a si mesmos, que abominam agora o pecado por causa desse amor ao Senhor. Assim, em tudo o que se aplica a este assunto deve ser considerado que quem reina agora nos crentes é a graça, e não mais o pecado; que eles são agora novas criaturas e que foram efetivamente libertados por Cristo da escravidão ao pecado, motivo pelo qual Ele é um Salvador competente, suficiente, glorioso e digno de toda honra e louvor.)


Publicado no site: O Melhor da Web em 10/01/2018
Código do Texto: 136305
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.