Espaço Literário

O Melhor da Web


Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
kuryos - Silvio Dutra
Silvio Dutra
Cadastrado desde: 29/08/2012

Texto mais recente: John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P4



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
Resquícios de Pecado em Crentes – Cap 9
12/01/2018
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
Resquícios de Pecado em Crentes – Cap 9


   John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

CAPÍTULO 9.
O engano do pecado em retirar a mente de uma assistência devida a deveres especiais de obediência, instanciados na meditação e na oração.
Como o pecado por seu engano se esforça para tirar a mente de atender a esse quadro santo ao caminhar com Deus em que a alma deve ser preservada, conforme foi declarado; procedo agora para mostrar como funciona o mesmo em referência aos deveres especiais para que sejam evitados. O pecado, de fato, mantém uma inimizade contra todos os deveres de obediência, ou melhor, com Deus neles. "Quando eu quero fazer o bem", diz o apóstolo, "o mal está presente comigo"; "Sempre que eu fizesse o bem, ou o que seria bom que eu fizesse (isto é, espiritualmente bom, bom em referência a Deus), está presente comigo para me impedir de realizá-lo". E, do outro lado, todos os deveres de obediência estão diretamente contra os atos da lei do pecado; pois, como a carne, em todas as suas atuações, luta contra o Espírito, de modo que o Espírito em todas as suas ações luta contra a carne. E, portanto, todo dever desempenhado na força e na graça do Espírito é contrário à lei do pecado: Romanos 8:13, "Se, por meio do Espírito, mortificardes as obras da carne". Os atos do Espírito da graça operam nos deveres. Estes dois são contrários. Mas, no entanto, existem alguns deveres que, em sua própria natureza e pela nomeação de Deus, têm uma influência peculiar no enfraquecimento e subjugação de toda a lei do pecado em seus próprios princípios e forças principais; e isso, a mente de um crente deve atender principalmente em todo o seu curso; e isso o pecado faz em seu esforço de engano, principalmente para tirar a mente dos deveres. Como em doenças do corpo, alguns remédios têm uma qualidade específica contra os problemas; então, nesta doença da alma, existem alguns deveres que têm uma virtude especial contra este transtorno pecaminoso. Não devo insistir em muitos deles, senão apenas em dois, que me parecem ser desta natureza, isto é, que, por designação de Deus, têm uma tendência especial para a ruína da lei do pecado. E então devemos mostrar os caminhos, métodos e meios, que a lei do pecado usa para desviar a mente de um devido comparecimento a eles. Agora, esses deveres são, primeiro, a oração, especialmente a oração privada; e, em segundo lugar, a meditação na Palavra. Eu os apresento, porque eles concordam em sua natureza geral e propósito, diferindo apenas na maneira de seu desempenho; por meio da meditação, pretendo meditar sobre o respeito e a adequação entre a Palavra e os nossos próprios corações, para este fim, que eles possam ser levados a uma conformidade mais exata. É nossa ponderação sobre a verdade como é em Jesus, para descobrir a imagem e representação dela em nossos próprios corações; e assim tem a mesma intenção a oração, que é levar nossas almas a um quadro santo em todas as coisas respondendo à mente e à vontade de Deus. Eles são como o sangue nas veias, que carrega a própria vida em seu movimento. Mas ainda assim, porque as pessoas geralmente estão em grande perda neste dever de meditação, tendo declarado que é de tão grande eficácia para controlar as atuações da lei do pecado, em nossa passagem daremos brevemente duas ou três regras para a direção dos crentes para um bom desempenho deste grande dever, e elas são estas:
1. Meditação sobre Deus como Deus; isto é, quando empreendemos pensamentos e meditações de Deus, suas excelências, suas propriedades, sua glória, sua majestade, seu amor, sua bondade, que seja feito de uma maneira de falar a Deus, em uma profunda humilhação e abaixamento de nossas almas diante dele. Isso irá consertar a mente e extrai-la de uma coisa para outra, para dar glória a Deus de maneira devida, e afetar a alma até ser trazida para aquela admiração santa de Deus e deleitar-se com ele naquilo que é aceitável para ele. O meu significado é que seja feito de uma maneira de oração e louvor,    falando a Deus.
2. Medite na Palavra como Palavra; isto é, na leitura dela, considere o sentido nas passagens particulares em que insistimos, buscando Deus para ajudar, orientar e dirigir, na descoberta de sua mente na mesma, e depois trabalhar para afetar nossos corações com isto.
3. O que nos falta em termos de uniformidade e constância em nossos pensamentos nessas coisas, que seja compensado em frequência. Alguns são desencorajados porque suas mentes não lhes fornecem regularmente pensamentos para continuar suas meditações, através da fraqueza ou imperfeição de seus entendimentos. Deixe isso ser compensado por retornos frequentes da mente ao assunto proposto para ser meditado, pelos quais novos sentidos ainda serão fornecidos a ela.
Esses deveres, digo, entre outros (pois nós apenas os escolhemos para uma instância, não excluindo outros do mesmo lugar, ofício e utilidade com eles), fazem uma oposição especial ao próprio ser e à vida do pecado interior. Eles estão perpetuamente projetando sua ruína total. Devo, portanto, nesta instância, na busca do nosso propósito atual, fazer essas duas coisas: (1) Mostrar a adequação e utilidade deste dever, ou desses deveres (como eu lidarei com eles conjuntamente), até a ruína do pecado (2) Mostrar os meios pelos quais o engano do pecado se esforça para tirar a mente de um devido comparecimento a eles. (1) Para o primeiro, observe, [1.] Que é o bom trabalho da alma, neste dever, considerar todos os funcionamentos secretos e ações do pecado, quais as vantagens que obteve, quais são as tentações em conjunto com o mesmo, o que prejudica no momento e o que está ainda mais pronto para fazer. Por isso, Davi dá esse título a uma das suas orações: Salmo 102, "Uma oração dos aflitos, quando ele está sobrecarregado, e derrama sua queixa perante o Senhor". Eu falo daquela oração que é acompanhada com uma devida consideração de todos os desejos, distúrbios e emergências da alma. Sem isso, a oração não é oração; isto é, qualquer exibição ou aparência desse dever, não é útil para a glória de Deus ou para o bem das almas dos homens. Uma nuvem sem água, é conduzida pelo vento do sopro de homens. Nem houve mais veneno presente e efetivo para as almas que se descobriu do que a sua ligação com uma forma constante e uso de eu não sei quais palavras em suas orações e súplicas, que eles mesmos não entendem. Relacione os homens, portanto, em seus negócios neste mundo, e eles rapidamente encontrarão o efeito disso. Por este meio, eles são desativados de qualquer consideração devida do que atualmente é bom para eles ou para o mal para eles; sem o qual, de que modo a oração pode servir, senão burlar de Deus e iludir as próprias almas dos homens? Mas neste tipo de oração em que insistimos, o Espírito de Deus vem para dar-nos o seu auxílio, e que, nesta questão de descobrir os atos e funcionamentos mais secretos da lei do pecado: Romanos 8:26 "Do mesmo modo também o Espírito nos ajuda na fraqueza; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis."; ele descobre nossas necessidades para nós, e em que, principalmente, precisamos de ajuda e alívio. E a gente acha, através da experiência diária, que, na oração, os crentes são levados a tais descobertas e convicções da obra enganosa e secreta do pecado em seus corações, que nenhuma consideração poderia jamais ter levado a elas. Então, Davi, no Salmo 51, projetando a confissão de seu pecado real, tendo sua ferida em sua oração procurada pela mão habilidosa do Espírito de Deus, ele teve uma descoberta feita a ele na raiz de todos os seus erros, em sua corrupção original, versículo 5 (“Eis que eu nasci em iniquidade, e em pecado me concedeu minha mãe.) O Espírito neste dever é como a lâmpada do Senhor para a alma, permitindo que ele procure todas as partes internas do coração. Dá uma luz santa e espiritual à mente, permitindo que ela sonde os recessos profundos e sombrios do coração, para descobrir as maquinações sutis e enganosas invenções e imaginações da lei do pecado nela. Qualquer que seja a noção que haja, seja qual for o poder e a prevalência nela, é posto em prática, apreendido, trazido à presença de Deus, julgado e condenado. E o que pode ser mais eficaz para a ruína e destruição das operações da lei do pecado? Pois, juntamente com a sua descoberta, é feita a aplicação para todo o alívio que, em Jesus Cristo, é providenciado contra ela, todos os meios para que ela possa ser arruinada. Por isso, é dever da mente "vigiar em oração", 1 Pedro 4: 7, para atender diligentemente à herança de nossas almas, e tratar com fervor e eficácia com Deus sobre isso. O mesmo se pode dizer da meditação, sendo sabiamente gerenciada até o seu devido fim. [2.] Neste dever, é feito no coração um profundo e pleno senso da vileza do pecado, com uma constante e renovada detestação dele; sendo uma coisa, que indubitavelmente tende à sua ruína. Este é um desígnio da oração, a saber, extrair o pecado, ajustá-lo em ordem, apresentá-lo a si mesmo em sua vileza, abominação e circunstâncias agravantes, para que seja detestado, abominado e descartado como um imundo; como se vê em Isaías 30:22 (“E contaminareis a cobertura de prata das tuas imagens esculpidas, e o revestimento de ouro das tuas imagens fundidas; e as lançarás fora como coisa imunda; e lhes dirás: Fora daqui.”) Aquele que pede a Deus por remissão do pecado, também invoca seu próprio coração para detestar o pecado, Oséias 14: 3. Aqui também o pecado é julgado em nome de Deus; pois a alma em sua confissão se inscreve na detestação de Deus e na sentença de sua lei contra ele. Há, de fato, um curso desses deveres que convenceram as pessoas a desistirem de um mero acobertamento das suas concupiscências; eles não podem pecar silenciosamente, a menos que eles desempenhem o dever constantemente. Mas aquela oração de que falamos é uma coisa de outra natureza, uma coisa que não permitirá composição com o pecado, muito menos servirá aos fins do engano dela, como a outra - a oração formal. Não será subornado em uma conformidade secreta com nenhum dos inimigos de Deus ou da alma, nem mesmo por um momento. E, portanto, é que muitas vezes neste dever o coração é levantado para o mais sincero e eficaz sentimento de pecado e detestação do mesmo. (Nota do tradutor: e nisto é fundamental a operação do Espírito Santo, no coração conduzindo todo o processo.) E isto, evidentemente, também tende ao enfraquecimento e à ruína da lei do pecado. [3.] Este é o caminho designado e abençoado de Deus para obter força e poder contra o pecado: Tiago 1: 5, "Falta sabedoria a algum homem? peça a Deus". A oração é o modo de obter de Deus por Cristo um suprimento de todas as nossas necessidades, assistência contra toda oposição, especialmente àquilo que é feito contra nós pelo pecado. Isto, suponho, não precisa ser insistido; é, na noção e na prática, para cada crente. É aquilo em que chamamos, e sobre o qual o Senhor Jesus entra em nosso socorro com "ajuda adequada em tempo de necessidade", Hebreus 4:16. (Nota do tradutor: eis a razão da ordenança bíblica de que a oração não seja uma mera repetição de palavras, mas que tenha nela a vida e o poder do Espírito, e por isso se diz: “orando em todo o tempo no Espírito”, pois de outra forma não se pode obter tal eficácia espiritual produtora de real santidade e vitória sobre a raiz do pecado.) [4] A fé na oração condena todo o funcionamento do engano do pecado; porque a alma nela se envolve constantemente a Deus para se opor a todo pecado: Salmo 119: 106: "Fiz juramento, e o confirmei, de guardar as tuas justas ordenanças." Este é o idioma de toda alma graciosa em seus endereçamentos a Deus: as partes mais íntimas se engajam em Deus, se apegam a ele em todas as coisas e se opõem ao pecado em todas as coisas. Aquele que não pode fazer isso não pode orar como convém. Orar com qualquer outro enquadramento é lisonjear Deus com os nossos lábios, o que ele aborrece. E isso ajuda muito um crente a perseguir o pecado até a sua ruína; porque, (1.) Se houver uma luxúria secreta que esteja à espreita no coração, ele achará que ela está se levantando contra esse compromisso com o Senhor. E por isso é descoberto, e a convicção do coração em relação ao seu mal é promovido e fortalecido. O pecado faz a descoberta mais certa de si mesmo; e nunca é mais evidente do que quando é mais severamente perseguido. As luxúrias dos homens são comparadas a feridos dolorosas; ou os próprios homens o são por causa de suas concupiscências, Isaías 11: 4-6. Agora, tais luxúrias como animais selvagens usam suas guaridas e coberturas, e nunca se revelam, pelo menos tanto em sua própria natureza e raiva, como quando são perseguidas com mais força. E assim é com o pecado e a corrupção no coração. (2.) Se algum pecado for prevalecente na alma, ele a enfraquecerá, e tirá-la-á desse engajamento para Deus; ele criará uma tergiversação para ela, uma superficialidade nela. Agora, quando isso for observado, despertará uma alma graciosa. Como uma lesão espontânea, ou um cansaço sem causa e indisposição do corpo, é encarado como o sinal de uma febre que se aproxima ou de uma intempérie perigosa, o que leva os homens a usar uma prevenção vigorosa, para que não sejam vencidos por ela, então dá-se o mesmo neste caso. Quando a alma de um crente encontra em si mesma uma indisposição para fazer compromissos fervorosos e sinceros de santidade para com Deus, sabe que há algum distúrbio prevalecente nela, encontra o lugar e se estabelece contra ele. (3.) Embora a alma possa, assim, se envolver constantemente com Deus, é certo que o pecado pode crescer sem uma prevalência ruinosa. Sim, é uma conquista sobre o pecado, uma conquista muito considerável, quando a alma completa e claramente, sem qualquer reserva secreta, saia com alacridade e resolução em tal engajamento; como no Salmo 18:23. (“Também fui irrepreensível diante dele, e me guardei da iniquidade.”) E pode, em tal sucesso, triunfar na graça de Deus, e ter uma boa esperança, por meio da fé, que terá uma conquista final, e o que ela resolver será feito; se decretou uma coisa, ela será estabelecida. E isso tende à decepção, sim, à ruína da lei do pecado. (4.) Se o coração não for enganado pela hipocrisia amaldiçoada, esse compromisso com Deus o influenciará grandemente para uma diligência e vigilância peculiares contra todo pecado. Não há maior evidência de hipocrisia do que ter o coração como a mulher, em Provérbios 7:14, para dizer: "Eu paguei meus votos", e agora eu posso me entregar ao meu pecado"; ou ser negligente sobre o pecado, por estar satisfeito de ter orado contra ele, sem tê-lo vencido de fato. É de outra forma com uma alma graciosa. Sentido e consciência dos compromissos contra o pecado feitos a Deus, tornam-na vigilante contra todos os seus movimentos e operações. Sobre estas e outras contas, a fé neste dever opera peculiarmente para o enfraquecimento do poder e à interrupção do progresso da lei do pecado. Se a mente for diligente em seu controle e guarda para preservar a alma da eficácia do pecado, atenderá atentamente a esse dever e ao seu devido desempenho, que é de tão singular vantagem para este fim e propósito. Aqui, portanto, (2) O pecado coloca seu engano em sua própria defesa. Ele trabalha para desviar e tirar a mente de atender a esses e outros deveres semelhantes. E há, entre outros, três formas e meios, pelos quais ele tenta a realização de seu desígnio: [1.] Aproveita seu cansaço para a carne. Há uma aversão, como foi declarada, na lei do pecado a toda a comunhão imediata com Deus. Agora, esse dever é tal que não há nada que o acompanhe, pelo que a parte carnal da alma pode ser gratificada ou satisfeita, como pode haver algo dessa natureza na maioria dos deveres públicos, na maioria dos casos que um homem pode fazer além dos atos puros de fé e amor, para uma exibição hipócrita e pecaminosa em seus motivos. Nenhum alívio ou vantagem, então, entrando por ele, senão o que é puramente espiritual, torna-se cansativo, pesado para a carne e o sangue. É como viajar sozinho sem companheiro ou diversão, o que faz o caminho parecer longo, mas traz o passageiro com maior velocidade para o fim de sua jornada. Assim, nosso Salvador declara, quando, esperando que seus discípulos, de acordo com seu dever e angústia presente, tivessem estado envolvidos nesta obra, ele os encontrou profundamente adormecidos: Mateus 26:41: "O espírito”, diz ele, "está realmente disposto, mas a carne é fraca."; e dessa fraqueza crescem sua indisposição e cansaço de seu dever. Então Deus se queixa de seu povo: Isaías 43:22: "Tens te cansado de mim". E pode chegar ao longo da altura mencionada, Malaquias 1:13: "Dizeis também: Eis aqui, que canseira!" Os judeus supõem que isso era o idioma dos homens quando eles trouxeram suas ofertas ou sacrifícios sobre seus ombros, e se fingiram cansados, e trouxeram apenas os dilacerados, os coxos e os doentes. Mas esse dever é muitas vezes para a carne. E disso, o engano do pecado faz uso para inclinar o coração por graus insensíveis de um atendimento constante a ele. Ele coloca o alívio da carne fraca e cansada. Há uma conformidade entre a carne espiritual e a carne natural neste assunto, - eles se ajudam uns aos outros; e a aversão a este dever é o efeito de sua conformidade. Então isso estava na esposa em Cantares 5: 2, 8. Ela estava dormindo, em sua condição espiritual, e suplica sua incapacidade natural de despertar-se desse estado. Se a mente não for diligentemente vigilante para prevenir essas insinuações, - se não reside constantemente nas considerações que evidenciam a presença deste dever como indispensável, - se não agitar o princípio da graça no coração para manter seu governo e soberania, - será desviada; que é o efeito pretendido pela lei do pecado. [2.] O engano do pecado faz uso de raciocínios corruptos, tirados das pressões e urgentes ocasiões da vida. "Devemos nós", diz ele no coração, "atender estritamente a todos os deveres desse tipo, devemos negligenciar nossas principais ocasiões e ser inúteis para nós mesmos e para os outros no mundo". E nessa conta geral, pessoas descartam deveres específicos de seu devido lugar e tempo. Os homens não têm lazer para glorificar a Deus e salvar suas próprias almas, é certo que Deus nos dá tempo suficiente para tudo o que ele exige de nós em qualquer tipo neste mundo. Nenhum dever precisa ser empurrado, quero dizer, constantemente. As ocasiões especiais devem ser determinadas de acordo com circunstâncias especiais. Mas se, em qualquer coisa, tomarmos mais sobre nós do que temos tempo para realizá-lo, sem roubar de Deus daquilo que é devido a ele e às nossas próprias almas, isto não nos abençoa. Por mais que nossos deveres de santidade e respeito a Deus estejam intrincados nos deveres de nossos chamados e empregos neste mundo do que o contrário; no entanto, Deus não exige isso de nossas mãos, de maneira ou caminho normal. Quão pouco, então, ele suportará o que, evidentemente, é muito pior em todas as contas, seja o que for! Mas ainda assim, através do engano do pecado, as almas dos homens são enganadas. Em vários graus, eles são finalmente expulsos do seu dever. [3.] Lida com a mente, para retirá-la do atendimento a este dever, por uma proposta de compensação a ser feita e por outros deveres; como Saul pensou em compensar sua desobediência por sacrifício. "Pode não ser suficiente o mesmo dever realizado em público ou na família?" E se a alma for tão tola quanto a não responder: "Essas coisas devem ser feitas, e isso não deve ser desfeito", pode ser enredada e enganada. Pois, além de um comando para ela, a saber, que devemos pessoalmente "vigiar em oração", há, como foi declarado, vantagens diversas nesse dever assim executado contra o engano e a eficácia do pecado. [4.] Posso adicionar aqui o que tem lugar em todos os trabalhos do pecado por enganação, isto é, alimentando a alma com promessas e propósitos de um atendimento mais diligente a este dever quando as ocasiões permitirão. Por isso significa que traz a alma para dizer suas convicções de dever, como Félix fez com Paulo: "Vai por este caminho, quando eu tiver uma estação conveniente, eu te chamarei". E por isso, muitas vezes, a ocasião e o tempo presentes, que são nossos, são perdidos de forma irrecuperável. Estes são alguns dos meios pelos quais o engano do pecado se esforça para retirar a mente do devido comparecimento a este dever, que é tão peculiarmente adequado para evitar seu progresso e prevalência, e que visa tão diretamente e imediatamente em sua ruína. Eu também poderia citar exemplos em outros deveres da mesma tendência; mas isso pode bastar para descobrir a natureza desta parte do engano do pecado. E este é o primeiro caminho pelo qual abre caminho para o emaranhamento das afeições e a concepção do pecado. Quando o pecado produziu esse efeito em qualquer um, dele é dito ser "afastado", para ser desviado do que em sua mente ele deve constantemente atender em sua caminhada perante o Senhor. E isso nos instruirá a ver e a discernir onde está o início de nossas declinações e falhas nos caminhos de Deus, e quer seja no nosso curso geral ou no nosso atendimento a deveres especiais. E isso é de grande importância e preocupação para nós. Quando os primórdios e as ocasiões de uma doença do corpo são conhecidos, é uma grande vantagem para dirigir-se para a cura. Deus, para recordar a Sião para si mesmo, mostra a ele onde estava o "começo de seu pecado", Miquéias 1:13. Agora, isso é o que, em sua maior parte, é o começo do pecado para nós, a saber, retirar a mente do devido comparecimento em todas as coisas para o cumprimento de seu dever. O principal cuidado e carga da alma está na mente; e se isso falhar em seu dever, o todo é traído, tanto no que se refere ao seu quadro geral como a certos erros de aborto. O fracasso da mente é como a falha do vigia em Ezequiel; o todo é perdido por sua negligência. Isso, portanto, naquele autoescrutínio e busca a que somos chamados, somos muito diligentes para inquirir. Deus não olha para quais deveres nós executamos, quanto à quantidade, ou quanto à sua natureza meramente, mas se os fazemos com essa intenção de espírito que ele exige. Muitos homens exercem funções em uma estrada ou um curso, e não, por assim dizer, tanto quanto pensam neles; suas mentes estão cheias de outras coisas, apenas o dever ocupa tanto tempo. Isso não é mais um esforço para zombar de Deus e enganar suas próprias almas. Vocês, portanto, tomarão a verdadeira medida de si mesmos, considerem como estão quanto ao dever de suas mentes que nós apontamos. Considere se, por qualquer dos enganos mencionados, você não foi desviado e tirado; e se houver algum decaimento sobre você em qualquer tipo, você encontrará que tem sido o começo deles. De um jeito ou de outro, suas mentes foram ignoradas, independentes, preguiçosas, incertas, sendo seduzidas e retiradas de seus deveres. Considere a acusação em Provérbios 4:23 e Provérbios 25-27. Que tal alma não diga: "Se eu tivesse vigiado mais diligentemente, se eu tivesse considerado mais sabiamente a vil natureza do pecado, se não tivesse feito a minha mente possuir esperanças vãs e imaginações tolas, por um maldito abuso do evangelho e da graça, se eu não tivesse permitido que fosse preenchido com as coisas do mundo, e tornar-me negligente em atender a tarefas especiais, - naquele dia eu não estaria tão doente, fraco, sem dinheiro, ferido, decaído e contaminado. descuidado, e minha mente enganada, foi o começo do pecado e transgressão para a minha alma." E essa descoberta dirigirá a alma de maneira adequada para sua cura e recuperação; que nunca será efetuada pela multiplicação de deveres particulares, mas por uma restauração da mente, Salmo 23: 3. E isso, também, parece ser o grande meio de preservar nossas almas, tanto quanto a seu quadro geral e deveres particulares, de acordo com a mente e vontade de Deus, - a saber, esforçar-se para ter uma mente firme. É um sinal de graça ter "o espírito de poder, de amor e de moderação" - 2 Timóteo 1: 7; uma mente estável, sólida e resolvida nas coisas de Deus, que não é movida facilmente, desviada, mudada; uma mente que não é capaz de ouvir raciocínios corruptos, insinuações vãs, ou pretensões de tirá-la de seu dever. Isto é o que o apóstolo exorta os crentes a buscarem: 1 Coríntios 15:58: "Portanto, meus amados irmãos, sede firmes, inamovíveis, sempre abundantes na obra do Senhor". A firmeza de nossas mentes cumprindo seu dever é a causa de toda nossa inamovibilidade e fecundidade na obediência; e assim Pedro nos diz que aqueles que, por algum meio, são levados ou seduzidos, "caem da própria firmeza", 2 Pedro 3:17. E a grande culpa que é colocada sobre os rebeldes é que eles não são firmes: Salmo 78:37, "Seu coração não foi firme". Pois, se a alma estiver segura, a menos que a mente seja retirada do seu dever, a solidez e firmeza da mente é seu grande conservador. E há três partes dessa firmeza da mente: Primeiro, um propósito completo de ligar-se a Deus em todas as coisas; em segundo lugar, uma renovação diária e vivificação do coração para o cumprimento deste propósito; terceiro, resoluções firmes contra todos os tipos de apostasia e negligência desses deveres.
(Nota do tradutor: A Serpente enganou Eva quando esta não tinha a lei do pecado ainda operando em seus membros, e assim, não possuía a condição que nós possuímos desde que houve a Queda, em que somos como um barril de gasolina prestes a incendiar-se com qualquer faísca de tentação, pela lei do pecado que está ligada à nossa natureza terrena (Rom 7.21). Temos portanto, uma grande desvantagem em relação a Adão e a Eva, quando foram tentados, e necessitamos de muito maiores cuidados e capacitações para poder resistir às insinuações do pecado, tão logo    sejam descobertas em sua atuação sobre nós e em nós.
A primeira orientação bíblica é que fujamos das fontes de tentação (2 Tim 2.22), coisa que Eva não fez ao permanecer ouvindo os argumentos da Serpente. A segunda é que mantenhamos nossa mente firme na Palavra de Deus e em nada duvidando dos mandamentos do Senhor para nós. Sabemos também que Eva não manteve sua mente firme para obedecer o mandamento de não comer o fruto proibido, e se deixou levar pelo desejo de comê-lo, aceitando as sugestões do diabo.
Quando não é possível fugir imediatamente do engano da lei do pecado que atua nos nossos membros, especialmente em tentações que são oriundas em nós mesmos (mas isto também se aplica às de origem exterior), é preciso orar para que a graça (lei do Espírito da vida, ou lei da graça) nos livre de ceder à tentação, e voltemos à pureza e firmeza de mente na santificação.
Além disso, é necessário vigiar os movimentos da lei do pecado que opera nos nossos membros, e nos exercitarmos em todos estes pontos recomendados, sobretudo em face do maior perigo que corremos de cair em nossos dias, pois são variadas as fontes de tentação, tanto reais quanto virtuais, e que se encontram espalhadas por todas as partes ao nosso redor.
Devemos ter sempre em mente que guardar o coração em pureza é a condição fundamental para se manter a comunhão com Deus, a qual é quebrada por qualquer pecado que venhamos a praticar, tendo uma vez concebido o mesmo em nossa alma pelo engano e cobiça gerado pela lei do pecado que atua no nosso interior (“Ninguém, sendo tentado, diga: Sou tentado por Deus; porque Deus não pode ser tentado pelo mal e ele a ninguém tenta. Cada um, porém, é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência.” – Tiago 1.13,14).
Esta pureza não se refere apenas aos nossos atos, mas também às nossas intenções, pensamentos e imaginações. Lembremos que Jesus definiu o pecado de adultério como sendo a própria intenção da fornicação ligada ao coração, e para afirmar a diligência e firmeza de mente para evitar tal pecado, disse que isto é equivalente à resolução de cortar um braço direito ou tirar um olho direito, para se manter em pureza de espírito em santificação.
Com este quadro de tentações espalhadas inclusive em meios virtuais, muito é explicado quanto ao estado atual de grande parte dos crentes, e até mesmo do teor da ministração em várias igrejas, em que a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor, raramente é vista.)


Publicado no site: O Melhor da Web em 12/01/2018
Código do Texto: 136326
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.