Espaço Literário

O Melhor da Web


Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto


Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
O Espírito Santo e Seu Trabalho – Capítulo 1
12/02/2018
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
O Espírito Santo e Seu Trabalho – Capítulo 1


John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado eEditado por Silvio Dutra

PREFÁCIO

Os dois discursos seguintes apareceram postumamente em 1693.
De acordo com uma declaração do autor no início deles, eles completam seu desígnio nesta exposição da obra do Espírito Santo. O discurso sobre seu ofício como Consolador é valioso, a partir da exposição de vários textos interessantes; mas o autor nos dá a entender que deve ser tomado em conexão com o que ele escreveu em outro lugar neste ofício do Espírito, e ele se refere especialmente às suas obras na comunhão com Deus e na perseverança dos santos. Veja os capítulos II e XI do discurso sobre os dons espirituais, embora comparativamente curto, é a segunda parte do corpo principal de todo o trabalho sobre o Espírito; e, de várias alusões a ele em outras obras do autor, ele parece atribuir-lhe importância considerável. Ver vol. 15 p. 249.
ANÁLISE DO PRIMEIRO TRATADO.
Na obra do Espírito como Consolador, há que considerar, - I. Seu ofício especial como tal; II. A sua operação; e, III. Os efeitos dela para os crentes.
I. Em seu ofício está implícita uma confiança especial, missão, nome e trabalho.
II. As propriedades gerais deste ofício, como desenvolvidas pelo Espírito Santo, são desdobradas: - 1. Condescendência infinita; 2. Amor indescritível; 3. Poder infinito; e, 4. Continuação imutável com a igreja.
III. Em relação aos seus efeitos sobre os crentes, primeiro provou que suas consolações efetivas são exclusivamente o privilégio dos crentes, e algumas das suas operações neles como tal, e dos benefícios que eles em consequência apreciam, são especificados. Suas operações neles geralmente são desdobradas sob a cabeça da "habitação do Espírito", que é discriminada em primeiro lugar de pontos de vista errôneos em relação a isto, e depois provado pela Escritura.
Entre os benefícios especiais indicados estão: 1. A unção do Espírito; 2. selamento do Espírito, exposto em breve comentário sobre Efésios 1:13, 4:30; e 3. O Espírito como zeloso, considerado em referência a 2 Coríntios 1:22, 5: 5, Efésios 1:14. Uma aplicação das verdades precedentes conclui o tratado.
ANÁLISE DO SEGUNDO TRATADO.
A dispensação do Espírito para a edificação da igreja é dupla; incluindo, em primeiro lugar, a concessão de graça salvadora; e, em segundo lugar, a comunicação de dons espirituais. O primeiro já foi considerado nos livros III e VIII deste trabalho sobre a dispensação do Espírito. O último, dons espirituais, como distinto das graças salvadoras, propõe-se discutir em referência aos seguintes pontos: - 1. O nome deles; 2. Sua natureza geral; 3. Sua distribuição; 4. Sua natureza particular; e 5. Seu uso na igreja de Deus.
Algumas observações são feitas em seu nome, cap. I. Sua natureza geralmente é considerada com referência, - 1. Para seus pontos de acordo com graças salvadoras, (1.) São ambos a compra de Cristo; (2.) Eles concordam em sua causa eficiente imediata - o Espírito Santo; (3.) No final contemplado, - o bem da igreja; e (4.) Na generosidade de Cristo, como fonte. 2. Os pontos de diferença são: - (1.) Graças salvadoras são o fruto, os dons são apenas os efeitos do Espírito; (2.) Graças salvadoras são o fruto da eleição do amor; (3.) O resultado da aliança; e (4.) Em relação ao ofício sacerdotal de Cristo; (5.) Os dons e graus diferem quanto à sua questão final, o primeiro sendo às vezes: o último nunca; (6.) As graças da salvação são transmitidas diretamente para o benefício daqueles que as recebem e os dons para o benefício de outros; e, (7.) Eles diferem, finalmente e principalmente, em seus assuntos, operações e efeitos, II. Os dons são distribuídos em: 1. Dons que implicam poderes e deveres unidos; e, 2. Dons que se qualificam para tarefas simplesmente. 1. Do primeiro, uma subdivisão é feita em dons extraordinários e comuns: - (1.) Dons extraordinários constituíram oficiais extraordinários - apóstolos, evangelistas e profetas, III. Os próprios dons, em virtude dos quais eles exerceram esses ofícios extraordinários, são, em primeiro lugar, poderes que excedem as faculdades naturais de suas mentes; e, em segundo lugar, a especialização e adaptação de suas faculdades naturais para o seu trabalho: estas são consideradas em uma exposição de 1 Coríntios 12: 7-11,4. A origem, a duração, o uso e o final, dos dons extraordinários são considerados, 5. (2.) Os dons comuns são vistos em relação ao ministério cristão, cujo valor eminente é visto a partir da grandeza de sua introdução, de sua aquisição original, da causa imediata de sua comunicação real, de sua própria natureza, da variedade de ofícios nele, e do final designado por ele, VI. A realidade dos dons espirituais necessários para a execução do cargo ministerial é provada, da promessa de Cristo, Mateus 28:20; a presença de Cristo pelo Espírito; a promessa da aliança do Espírito, Isaías 59:21; o nome dado ao evangelho, "O ministério do Espírito", o fim pelo qual o Espírito é prometido, administrado e continuado; as afirmações simples das Escrituras; a necessidade indispensável para eles; e do prazer real e experiência deles, VII. Esses dons são enumerados: primeiro, com relação à doutrina, - sabedoria, habilidade na divisão da palavra e enunciado; em segundo lugar, em relação à adoração de Deus; e, em terceiro lugar, quanto à regra da igreja. 2. Os dons comuns do Espírito, que se qualificam apenas para deveres, são aludidos; mas as discussões anteriores são realizadas para substituir a necessidade de qualquer consideração total delas. Um breve inquérito segue a maneira pela qual se pode participar desses dons, ministeriais ou mais privados, VIII. O PREFÁCIO tem muitas promessas grandes e eminentes, referindo-se aos tempos do Novo Testamento, a respeito do derramamento do Espírito, ninguém que esteja familiarizado com as Escrituras e acredite que pode duvidar. Com o desempenho deles, uma igreja foi gerada e mantida no mundo através de todas as épocas desde a ascensão de Cristo, às vezes com maior luz e brilho espiritual, e às vezes com menos. Foi uma das glórias da Reforma Protestante que foi acompanhada com uma efusão muito notável do Espírito; e, de fato, assim, desde o céu, um selo foi estabelecido e uma testemunha transmitida a essa ótima obra de Deus. Nesta bênção inestimável, nós, nessa nação, tivemos uma participação rica e abundante, de modo que parece que Satanás e seus ministros foram atormentados e exasperados por isso; e daí aconteceu que se levantaram entre nós que manifestaram-se não só desprezadores de coração, mas também de reprovadores virulentos das operações do Espírito. Deus, que sabe como tirar o bem do mal, fez, para fins sagrados e abençoados, sofrer essas blasfêmias horríveis para que ele fosse particularmente ventilado. Nesta ocasião, foi essa grande, e culta e santa pessoa, o autor desses discursos, tomou pensamentos de escrever sobre o Espírito abençoado e toda a sua dispensação, como compreendi há vários anos, discorrendo com ele em relação a alguns livros, depois publicados recentemente, cheios de contestação e desprezo pelo Espírito Santo e suas operações ; pois, como era com Paulo em Atenas, quando viu a cidade totalmente dada à idolatria, o espírito do Dr. Owen se agitou nele quando ele leu as burlas e as blasfêmias sobre o Espírito Santo e sua graça, dons e auxílios em alguns escritores tardios. Não tendo Pelágio liberado suas opiniões corruptas sobre a graça de Deus, é como se a igreja nunca tivesse aprendido dos excelentes escritos de Agostinho em sua defesa. Parece de Bradwardin que o renascimento do Pelagianismo em seus dias despertou seu espírito zeloso e piedoso para escrever aquele seu livro profundo e elaborado, "De Causa Dei". Armínio e os Jesuítas, tentando plantar a mesma erva novamente, produziram os escritos escolásticos de Twisse e Ames (para não mencionar teólogos estrangeiros); pelo que, nesta geração, temos abundante causa de agradecimento alargado ao Pai das luzes. A ocasião em que o Espírito Santo se apoia para levar Paulo a escrever a Epístola aos Gálatas (onde a doutrina da justificação pela fé é tão plenamente esclarecida), foi trazê-los de "outro evangelho" por professores corruptos; depois disso, muitas dessas igrejas logo foram retiradas. A aderência obstinada de muitos dos judeus aos ritos e observâncias mosaicos e a inclinação de outros a apostatarem do culto e das ordenanças do Novo Testamento foi, da mesma forma, a ocasião da Epístola aos Hebreus. A luz que brilha e é exibida nestas epístolas, a igreja de Cristo poderia ter desejado. O modo e o funcionamento da sabedoria de Deus devem ser vistos e adorados ao agitar esta pessoa culta e excelente para se comunicar e sair para o mundo que iluminou, tocou o Espírito e suas operações, que ele recebeu por esse Espírito dos sagrados oráculos da verdade, as Escrituras. Para que vantagem e aumento de luz é realizada não é tão incompetente que uma caneta diga como esta escreve. No entanto, não duvido, mas o leitor discernidor observará tais excelências brilhando neste e em outros escritos deste grande autor, como os recomenda grandemente à igreja de Deus, e fará isso depois de épocas, no entanto, dessa geração corrupta e degenerada entretê-los. Não são os abortos grosseiros, precipitados e intempestivos de um espírito inchado e destemperado, e muito menos as feridas - sobre corrupção interna e podridão colocadas em fermentação; mas os problemas maduros, sedados e sazonais de uma rica revista de aprendizado, bem digeridos com grande exatidão de julgamento. Há neles um grande elenco de luz    refletida, bem como derivado das Sagradas Escrituras, aqueles obtidos em exaustivas minas de luz inesgotáveis em coisas sagradas. Eles não estão cheios de zombarias vãs e impertinentes, nem com um barulho de distinções inutilmente multiplicadas, nem com termos novos e infalíveis, estranhos aos teólogos, como é a maneira de alguns escritores ad nauseam usque; mas existe neles uma conjunção feliz e rara de solidez firme, clareza esclarecedora e espiritualidade que busca o coração, evidenciando-se a si mesmos e, assim, aprovando e recomendando seus escritos ao julgamento, consciência, gosto espiritual e experiência de todos aqueles que conhecem e saboreiam o evangelho. Nestes e semelhantes relatos os escritos deste grande sábio, como também os seus sermões comuns, se algum deles for publicado (como possivelmente alguns deles), será , enquanto o mundo está em pé, uma disputa e condenação desta geração, cujos olhos viciosos e mal-afetados não poderiam suportar uma luz tão grande e brilhando em um candelabro, e que, portanto, tentava colocá-la sob um alqueire. Esses dois discursos, com aqueles anteriormente publicados, compõem tudo o que o Dr. Owen aperfeiçoou ou projetou sobre este assunto do Espírito, como o leitor pode perceber no relato que ele mesmo deu em seus prefácios para parte da peça anterior publicada por ele mesmo em sua vida. Não, mas que há algumas elucubrações do espírito sobre os assuntos quase aliados a estes, que possivelmente podem ser publicados a seguir, ou seja, um intitulado, "As Evidências da Fé dos Eleitos de Deus", e talvez outros. O que ele poderia ter tido em seus pensamentos para fazer é conhecido por aquele a quem ele serviu tão diligentemente e tão fielmente em seu espírito no evangelho enquanto ele estava aqui na Terra, e com quem ele agora desfruta da recompensa de todos os seus trabalhos e de todos os seus sofrimentos; com certeza é sobre o Dr. Owen, que, como Deus lhe deu habilidades muito transcendentes, então ele fez com ele dar-lhe uma grande amplitude de coração e um desejo insaciável de prestar serviço a Cristo e a sua igreja, de tal forma que ele foi conduzido através de grande fraqueza corporal, languidez e dores, além de múltiplas provações e desânimos, a produzir o seu tesouro, como um escriba bem instruído para o reino dos céus, muitos frutos úteis e excelentes de seus estudos, muito além da expectativa e das esperanças daqueles que viram quantas vezes e por quanto tempo ele estava próximo ao túmulo. Mas, enquanto ele estava infatigável e inquieto atuando para o serviço de Cristo, nas gerações seguintes e sucessivas, aqueles ricos talentos com os quais ele foi fornecido, o Senhor disse para ele: "Bem feito, servo bom e fiel; entre na alegria do teu Senhor." Ninguém nunca, senão Jesus Cristo, conseguiu terminar tudo o que estava em seu coração para fazer por Deus. Na remoção de pessoas tão realizadas e úteis, às vezes me alivio com esse pensamento, que Cristo ainda vive no céu, e o Espírito abençoado, de quem a cabeça e o coração deste vaso escolhido foram tão ricamente reabastecidos, ainda vive.
Nath. Mather.
CAPÍTULO 1.
O Espírito Santo o consolador da igreja por meio do cargo - como ele é o defensor da igreja - João 14:16; 1 João 2: 1,2; João 16: 8-11. Aquilo que continua a completar nossos discursos sobre a dispensação do Espírito Santo é o oficio e o trabalho que ele empreendeu para o consolo da igreja; e - três coisas devem ser consideradas com respeito a este chefe da graça do evangelho: - I. Que o Espírito Santo é o consolador da igreja por meio de um cargo especial. II. O que há nesse ofício, ou em que a realização dele consiste. III. Quais são os efeitos disso para os crentes. Deve ser concedido que há alguma impropriedade nessa expressão, pelo caminho do ofício. Um ofício não é simplesmente, nem pode ser, falado propriamente de uma pessoa divina, que é absolutamente assim e nada mais. Por outro lado, a impropriedade é encontrada na maioria das expressões que usamos em relação a Deus, pois quem pode falar dele tão bem quanto deveria? Somente, temos uma regra segura para expressar nossas concepções, a saber, o que ele próprio fala de si mesmo. E ele nos ensinou a aprender o trabalho do Espírito Santo em relação a nós nesta matéria, atribuindo-lhe as coisas que pertencem a um ofício entre os homens. São necessárias duas coisas para a constituição de um ofício: 1. Uma confiança especial; 2. Uma missão ou comissão especial; 3. Um nome especial; 4. Um trabalho especial. Tudo isso é necessário para um ofício propriamente chamado; e quando é cumprido de forma voluntária pela pessoa designada para isso, um ofício está completamente constituído. E devemos indagar como essas coisas, de uma maneira divina, concordam na obra do Espírito Santo, como ele é o consolador da igreja. Primeiro, ele é confiado para esta obra, e de sua própria vontade tomou sobre si mesmo; pois quando nosso Salvador estava saindo do mundo e tinha uma perspectiva completa de todos os males, problemas, abatimentos, e desconsolações que aconteceriam com seus discípulos, e sabia muito bem que, se fossem deixados entregues a si mesmos, desfaleceriam e pereceriam sob eles, ele lhes dá a garantia de que a obra de seu consolo e apoio foi deixada confiada e comprometida com o Espírito Santo, e como isso Ele se preocuparia e o aperfeiçoaria de forma adequada. O Senhor Jesus Cristo, quando ele deixou este mundo, estava muito longe de deixar de lado seu amor e de cuidar de seus discípulos. Ele nos deu a maior garantia de que ele continua para sempre o mesmo cuidado, o mesmo amor e graça, para nós, que ele tinha exercido quando deu a vida por nós. Veja Hebreus 4: 14-16, 7:25, 26. Mas na medida em que houve um duplo trabalho ainda a ser realizado em nosso favor, um para Deus e o outro em nós mesmos, ele tomou um caminho duplo para a sua realização: que para Deus ele deveria se libertar imediatamente em sua natureza humana; para outro mediador entre Deus e o homem, nem é nem pode ser qualquer um. Isso ele faz por sua intercessão. Por conseguinte, havia uma necessidade de que, quanto à sua natureza humana, o "céu o receba até os tempos da restituição de todas as coisas", como se vê em Hb 3:21. Havia tanto os dois com respeito a si mesmo quanto a nós. 1. Três coisas com respeito a si mesmo que tornaram necessária a exaltação de sua natureza humana no céu; porque, - (1.) Era uma promessa e um sinal da aceitação de Deus dele, e aprovação do que ele havia feito no mundo, João 16: 7,8; porque como poderia ser mais declarado ou provado o consentimento e o prazer de Deus no que ele havia feito e sofrido; do que, depois de ter sido tratado tão ignominiosamente no mundo, ser recebido visivelmente, gloriosamente e triunfalmente no céu? "Ele foi manifestado na carne, justificado no Espírito, visto por anjos", e, na questão, "recebido na glória", 1 Timóteo 3: 16. Quando Deus estabeleceu o grande selo dos céus ao seu trabalho de mediação, e à pregação do evangelho que se seguiu; e um testemunho foi o que encheu seus inimigos de raiva e loucura, Atos 7: 55-58. Sua ressurreição confirmou sua doutrina com inegável eficácia; mas sua ascensão ao céu deu testemunho da sua pessoa com uma glória surpreendente. (2.) Era necessário, com respeito à própria natureza humana, que, depois de todos os seus trabalhos e sofrimentos, fosse "coroado de glória e honra". Ele deveria "sofrer" e "entrar em sua glória", Lucas 24 : 26. Alguns discordam se Cristo em sua humanidade personificou alguma coisa para si mesmo ou não; mas, para não se imolar nas sutilezas dessa indagação, é inquestionável que a maior glória se devesse a ele após a realização da obra que lhe foi confiada neste mundo, a qual, portanto, reivindica, João 17: 4, 5. Foi assim, - (3.) Com respeito à administração gloriosa do seu reino; pois, como o seu reino não é deste mundo, não é somente sobre este mundo, nem toda a criação abaixo; - Os anjos da glória, os principados e os poderes acima, estão sujeitos a ele, e pertencem ao seu domínio, Efésios 1:21; filipenses 2: 9-11. Entre eles, atendido com seu pronto serviço e obediência a todos os seus mandamentos, ele exerce os poderes de seu reino glorioso. E eles o degradariam de sua glória, sem a menor vantagem para si mesmos, caso desejassem que ele abandonasse o seu alto e glorioso trono nos céus para vir e reinar entre eles na terra, a menos que eles se supusessem mais atendidos com sua dignidade régia do que os próprios anjos, que são poderosos em força e glória. 2. A presença da natureza humana de Cristo no céu era necessária com respeito a nós. O restante de seu trabalho com Deus em nosso favor deve ser prosseguido por intercessão, Hebreus 7: 25-27; e que esta intercessão consiste na representação virtual de sua oblação, ou de si mesmo como um cordeiro morto em sacrifício, não poderia ser feito sem a sua presença contínua na presença de Deus, cap. 9: 24. A outra parte da obra de Cristo diz respeito à igreja, ou aos crentes, como seu objeto imediato; assim, em particular, faz o conforto e o apoio deles. Este é o trabalho que, de uma maneira peculiar, é confiado ao Espírito Santo, após a partida da natureza humana de Cristo para o céu. Mas duas coisas devem ser observadas a respeito: - 1. Que, enquanto esse trabalho inteiro consiste na comunicação da luz espiritual, graça e alegria para as almas dos crentes, não foi menos a obra imediata do Espírito Santo enquanto o Senhor Jesus Cristo estava sobre a terra do que agora está ausente no céu; somente durante o tempo de sua permanência aqui embaixo, nos dias de sua carne, seus santos discípulos o consideravam a única fonte e fundamento de toda a sua consolação, seu único apoio, guia e protetor, como eles o haviam tido. Ainda não tinham conhecimento do mistério da dispensação do Espírito; nem ele ainda estava tão dado ou derramado quanto à prova de si mesmo e sua operação para suas almas. Por isso, eles se olharam como completamente desamparados quando o seu Senhor e Mestre começou a familiarizá-los com a sua partida. Assim que ele falou sobre isso, "a tristeza encheu seus corações", João 16: 6. Por isso, ele imediatamente os deixa saber que esta grande obra de aliviá-los de todas as suas dores e medos, de dissipar suas desconsolações e apoiá-los sob seus problemas, foi comprometida ao Espírito Santo, e que ela seria executada de forma tão eminente na medida em que a sua saída deles seria para a sua vantagem, versículo 7. Portanto, o Espírito Santo não começou, então, de forma real e efetiva a ser o consolador dos crentes na partida de Cristo de seus discípulos, mas então ele é prometido pela primeira vez, em uma dupla conta: - (1.) Da declaração fulminante e manifestação dela. Então, as coisas são ditas na Escritura para ser, quando elas aparecem e são manifestadas. Uma instância eminente temos aqui neste caso, João 7: 38,39. Os discípulos haviam procurado tudo imediatamente de Cristo na carne, e a dispensação do Espírito estava escondida deles. Mas agora isso também deveria se manifestar a eles. Por isso, o apóstolo afirma que "embora conheçamos Cristo segundo a carne, contudo não o conhecemos mais desse modo," 2 Coríntios 5:16; isto é, de modo a buscar graça e consolação imediatamente dele na carne, como é evidente que os apóstolos fizeram antes de serem instruídos sobre esse desconhecido ofício do Espírito Santo. (2.) Da exposição completa e eminente comunicação dele para este fim. Este em todo o tipo foi reservado para a exaltação de Cristo, quando ele recebeu a promessa do Espírito do Pai, e derramou-o sobre seus discípulos. 2. O Senhor Jesus Cristo não deixa de ser o consolador de sua igreja; para o que ele faz pelo seu Espírito, ele faz sozinho. Ele está conosco até o fim do mundo pelo seu Espírito estar conosco; e ele habita em nós pelo Espírito que habita em nós; e o que quer que seja feito pelo Espírito é feito por ele. E é assim em um triplo relato: porque, - (1.) O Senhor Jesus Cristo como mediador é Deus e homem em uma pessoa, e a natureza divina deve ser considerada em todas as suas operações mediatas; pois quem as opera é Deus, e as opera todas como Deus-homem. E isso nos é proposto nos maiores atos de sua humilhação; em que a natureza divina em si não é formalmente capaz. Assim, "Deus comprou a igreja com seu próprio sangue", Atos 20:28. "Sendo na forma de Deus, ele pensou que não era usurpação ser igual a Deus; mas ele se humilhou e tornou-se obediente até a morte, e morte de cruz." (Filipenses 2: 6-8). Agora, a este respeito, o Senhor Jesus Cristo e o Espírito Santo são um na natureza, essência, vontade e poder. Como ele disse sobre o Pai: "Eu e meu Pai somos um", João 10:30; assim é com o Espírito, ele e o Espírito são um. Assim, todas as obras do Espírito Santo são dele também. Como suas obras eram as obras do Pai, e as obras do Pai eram dele, todas as operações da Santíssima Trindade, quanto às coisas externas à sua subsistência divina, sendo indivisíveis; assim como o trabalho do Espírito Santo no consolo da igreja, seu trabalho também. (2) Porque o Espírito Santo nesta condescendência ao ofício age por Cristo e em seu nome. Assim, o Filho agiu e em nome do Pai, onde ele atribuiu o que ele fez ao Pai de uma maneira peculiar: "A palavra", diz ele, "que você ouve não é minha, mas do Pai que me enviou", João 14: 24. É sua originalmente e eminentemente, porque, como falou o Senhor Jesus Cristo, foi dito para ele falar. Assim são os atos do Espírito, por meio dos quais ele consolida os atos de Cristo, porque o Espírito fala e age para ele e em seu nome. (3.) Todas essas coisas, esses atos de luz, graça e misericórdia, pelas quais as almas dos discípulos de Cristo são consoladas pelo Espírito Santo, são as coisas de Cristo, isto é, frutos especiais de sua mediação. Assim fala o próprio Salvador dele e de sua obra: "Ele me glorificará; porque ele receberá o que é meu, e o mostrará", João 16: 14. Toda aquela consolação, paz e alegria, que ele comunica aos crentes, sim, tudo o que ele faz em todo o seu trabalho para os eleitos, é apenas a comunicação efetiva dos frutos da mediação de Cristo para eles. E esta é a primeira coisa que constitui o ofício do Consolador; este trabalho está comprometido com ele de maneira especial, que, na infinita condescendência de sua própria vontade, ele assume sobre ele. Em segundo lugar, mais longe evoca a natureza do ofício em que dele é dito ser enviado ao trabalho; e a missão sempre inclui uma comissão. Aquele que é enviado é confiado e habilitado quanto ao que ele é enviado. Veja    Salmo 104: 30; João 14:26, 15:26, 16: 7. A natureza deste envio do Espírito, e como dele é falado em geral, tem sido considerado antes, na nossa declaração de seus adjuntos gerais, ou o que é afirmado dele na Escritura, e talvez não volte a insistir novamente nisto. Agora é mencionado apenas como evidência para provar que, nessa sua obra para nós, ele tomou isso sobre ele que tem a natureza de um ofício; para o que ele é enviado para executar é o seu ofício, e ele não falhará na realização dele. E é, por si só, um grande princípio de consolo para todos os verdadeiros crentes, meios eficazes de apoio e refúgio, para considerar que não só o Espírito Santo é o seu Consolador, mas também que ele é enviado do Pai e do Filho. Nem pode haver uma evidência mais incontestável do cuidado de Jesus Cristo sobre sua igreja e para com seus discípulos em todas as suas dores e sofrimentos, do que isso é, que ele envia o Espírito Santo para ser o seu consolador. Terceiro, ele tem um Nome especial dado, expressando e declarando seu ofício. Quando o Filho de Deus encarnou e nasceu no mundo, ele teve um nome especial dado a ele: "Ele será chamado de Jesus". Agora, embora houvesse nesse nome uma significação do trabalho que ele faria, - pois ele foi chamado de Jesus, "porque ele deveria salvar o seu povo dos seus pecados", Mateus 1:21, - ainda assim era o próprio nome pelo qual ele se distinguiria de outras pessoas. Assim, o Espírito Santo não tem outro nome senão o do Espírito Santo, que, como é característico da terceira pessoa na Santíssima Trindade, foi declarado antes. Mas, como ambos os nomes de Jesus e Cristo, embora nenhum deles seja o nome de um ofício, ainda que diga respeito ao trabalho que ele tinha que fazer e o ofício que ele deveria cumprir, sem o qual ele não poderia ter sido exatamente assim chamado; assim, o Espírito Santo é um nome que lhe foi dado, o qual não é distintivo em relação à sua personalidade, mas denominativo com respeito à sua obra. 1. Este nome é usado apenas pelo apóstolo João, e somente no seu Evangelho, da boca de Cristo, cap. 14: 16,26, 15:26, 16: 7; e, uma vez que o usa ele mesmo, aplicando-o a Cristo, 1 João 2: 1,2, onde lemos "Um advogado". O intérprete siríaco retém o nome de Paráclito; não, como alguns imaginam, do uso dessa palavra antes entre os judeus, o que não pode ser provado. Também não é provável que nosso Salvador tenha feito uso de uma palavra grega barbaramente corrompida; "É a palavra que ele empregou para esse propósito". Mas, olhando para ele como um nome próprio do Espírito em relação ao seu ofício, ele não o traduziria. Como esta palavra é aplicada a Cristo, - o que é nesse único lugar de João 2: 1, - relativo à sua intercessão, e nos dá luz sobre a natureza dela. Que é a sua intercessão que o apóstolo tem em vista é evidente por sua relação com o fato de ser "nossa propiciação", pois a oblação de Cristo na terra é o fundamento de sua intercessão no céu. E, assim como ele, compromete-se ao nosso patrocínio, como nosso defensor, a invocar a nossa causa e, de modo especial, evitar o nosso mal; pois, embora a intercessão de Cristo em geral respeite à aquisição de toda graça e piedade para nós, tudo para que possamos ser "salvos ao máximo", Hebreus 7: 25,26, contudo a sua intercessão por nós como defensor respeita apenas ao pecado, e as consequências do mal; pois assim ele está neste lugar, disse ser nosso defensor, e neste lugar somente dele é dito ser tão somente com respeito ao pecado: "Se alguém pecar, nós temos um defensor". Portanto, o seu ser, em particular diz respeito à parte de sua intercessão em que ele se compromete com a nossa defesa e proteção quando acusados de pecado; pois Satanás é o acusador, Apocalipse 12:10; e quando ele acusa os crentes pelo pecado, Cristo é o seu paráclito, seu patrono e advogado. Pois, de acordo com o dever de um patrono ou advogado em causas criminais, em parte ele mostra onde a acusação é falsa e agravada acima da verdade, ou procede a erros; em parte, para que os crimes acusados não tenham essa maldade falsa neles; e principalmente ele reivindica sua propiciação por eles, que, na medida em que são realmente culpados, eles possam ser graciosamente dispensados. Como para este nome, conforme aplicado ao Espírito Santo, alguns o traduzem Consolador, algum advogado e alguns retêm a palavra grega Paráclito, pode ser melhor interpretado da natureza do trabalho que lhe foi atribuído sob esse nome. Alguns limitariam toda a obra destinada a este nome para o seu ensino, do qual ele é prometido principalmente; pois "a matéria e a maneira de ensinar, o que ele ensina e o modo como ele faz isso" é, dizem eles, "o fundamento de toda consolação para a igreja". E pode haver alguma coisa nesta interpretação da palavra, tomando "ensinar" em um sentido amplo, para todas as operações internas, divinas e espirituais. Assim, somos ditos que somos "ensinados de Deus", quando a fé é forjada em nós, e nós somos capazes de vir a Cristo assim. E todas as nossas consolações são de tais operações divinas internas. Mas tome "ensinar" adequadamente, e veremos que não é senão um ato distinto da obra do Espírito Santo, como aqui prometido, entre muitos. Mas, - 2. O trabalho de um consolador é atribuído principalmente a ele; porque, - (1.) Que ele é principalmente sob este nome destinado como um consolador é evidente a partir de todo o contexto e a ocasião da sua nomeação. Foi com respeito aos problemas e dores de seus discípulos, com o seu alívio, que ele é prometido sob este nome por nosso Salvador. "Não vou", diz ele, "deixá-los órfãos", João 14:18; - "Embora eu me afaste de você, ainda não o deixarei numa condição desolada e desconsolada". Como isso será impedido em sua ausência, quem era a vida e a fonte de todos os seus confortos? Disse ele: "Rogarei ao Pai, e ele te dará um outro paráclito", versículo 16; isto é, "outro para ser seu consolador". Então, ele renova sua promessa de enviá-lo sob esse nome, porque "a tristeza encheu seu coração" sobre a apreensão de sua partida, cap. 16: 6,7. Portanto, ele é principalmente considerado como um confortador; e, como veremos mais adiante, esta é a sua obra principal, mais adequada à sua natureza, como ele é o Espírito de paz, amor e alegria; para aquele que é o amor eterno e essencial do Ser Divino, como existe nas distintas pessoas da Trindade, é mais conhecido para comunicar uma sensação de amor divino, com prazer e alegria, às almas dos crentes. Ele estabelece o "reino de Deus" neles, que é "justiça, paz e alegria no Espírito Santo", Romanos 14:17. E, em nada, ele prova sua presença nos corações e espíritos de qualquer um, pela disposição deles para o amor e a alegria espirituais; para "derramar o amor de Deus em nossos corações" como cap. 5: 5, ele produz um princípio e um quadro de amor divino em nossas almas, e nos enche de "alegria indescritível e cheia de glória". A atribuição, portanto, desse nome a ele, O Consolador, evidencia que ele realiza esse trabalho no caminho de um ofício. (2.) Nem a significação de um advogado deve ser omitida, visto o que ele faz como tal também vem ao consolo da igreja. E devemos primeiro observar que o Espírito Santo não é nosso defensor com Deus. Isso pertence somente a Jesus Cristo, e é parte de seu ofício. Ele disse, de fato, "interceder por nós com gemidos que não podem ser proferidos", Romanos 8:26; mas isso ele não faz imediatamente, ou em sua própria pessoa. Ele não faz de outra forma "intercede por nós", mas ao nos permitir interceder de acordo com a mente de Deus; porque fazer intercessão formalmente é totalmente inconsistente com a natureza divina e sua pessoa, que não tem outra natureza senão aquilo que é divino. Ele é, portanto, incapaz de ser nosso defensor com Deus; pois nisto o Senhor Jesus Cristo está tão sozinho, e que, por conta de sua propensão precedente feita para nós. Mas ele é um defensor da igreja, dentro, com, e contra o mundo. Tal advogado é aquele que compromete a proteção e defesa de outro quanto a qualquer causa em que ele esteja envolvido. A causa em que os discípulos de Cristo estão envolvidos e contra o mundo é a verdade do evangelho, o poder e o reino de seu Senhor e Mestre. Estes testemunham; isso é oposto pelo mundo; e isso, sob várias formas, aparências e pretensões, é no que eles sofrem reprovações e perseguições por cada geração. Nessa causa, o Espírito Santo é seu defensor, justificando Jesus Cristo e o evangelho contra o mundo. E isso ele faz de três maneiras: - [1.] Ao sugerir e fornecer as testemunhas de Cristo com argumentos para a convicção de adversários . Então prometeu-se que ele deveria fazer, Mateus 10: 18-20: "e por minha causa sereis levados à presença dos governadores e dos reis, para lhes servir de testemunho, a eles e aos gentios. Mas, quando vos entregarem, não cuideis de como, ou o que haveis de falar; porque naquela hora vos será dado o que haveis de dizer. Porque não sois vós que falais, mas o Espírito de vosso Pai é que fala em vós." Eles deveriam ser "levados", isto é, entregues como malfeitores, - aos reis e aos governantes, por causa da fé em Cristo, e do testemunho que deram dele. Nessa condição, o melhor dos homens pode ser solícito com suas respostas, e com o argumento que eles devem fazer na defesa de si mesmos e suas causas. Nosso Salvador, portanto, dá-lhes encorajamento, não só pela verdade e pela bondade de sua causa, mas também pela capacidade que devem ter para a convicção ou a confusão de seus adversários. E isso, ele diz que lhes deve acontecer, não por nenhum poder ou faculdade em si mesmos, mas com a ajuda e o suprimento que eles devem receber deste Advogado, que neles falaria por eles. Esta foi a "boca e sabedoria" que ele prometeu a eles, "que todos os seus adversários não poderiam evitar nem resistir", Lucas 21:15; - um dom de fornecimento de coragem, ousadia e liberdade de expressão, acima e além do seu temperamento e habilidades naturais, imediatamente após o recebimento do Espírito Santo. E seus próprios inimigos viram os seus efeitos para o seu espanto. Sobre o pedido que fizeram perante o conselho em Jerusalém, diz-se que "quando viram a ousadia de Pedro e João, e perceberam que eles eram homens iletrados e ignorantes, eles se maravilharam", Atos 4: 13. Eles viram sua condição externa, que eram pobres e do mais baixo do povo, levaram-nos com coragem e ousadia diante deste grande sinédrio, com cuja autoridade e aparência incomum na grandeza, todas as pessoas desse tipo costumavam se envergonhar e temer. Eles os acharam ignorantes e não preparados com essa habilidade e aprendizado que o mundo admirava, senão para pleitear por sua causa para sua confusão. Eles não podiam, portanto, discernir e reconhecer que havia um poder divino presente com eles, que os atuava acima de si mesmos, seu estado, suas habilidades naturais ou adquiridas. Este foi o trabalho deste advogado neles, que tinha assumido a defesa de sua causa. Então, quando Paulo pleiteou a mesma causa diante de Agripa e Félix, um deles confessou sua convicção, e o outro tremia em seu tribunal. Nem ele estava desejando a defesa da mesma causa, da mesma maneira, nas gerações seguintes. Toda a história da igreja está repleta de exemplos de pessoas, na sua condição externa, temerosas por natureza, e desacostumadas a perigos, não letradas e baixas em suas habilidades naturais, que diante de governantes e potentados diante de prisões, torturas, fogueiras, desde a sua destruição, invocaram a causa do evangelho com coragem e sucesso, para o espanto e a confusão de seus adversários. Nem qualquer discípulo de Cristo, no mesmo caso, requer o mesmo auxílio em alguma medida e proporção devidas, que o espera de uma maneira de acreditar e depender disso. Exemplos que temos aqui todos os dias em pessoas que agiram acima de seu próprio natural temperamento e habilidades, para sua própria admiração; por estarem conscientes de seus próprios medos, desânimo e deficiência, é surpreendente que eles encontrem como todos os seus medos desapareceram e suas mentes foram ampliadas, quando foram chamados a julgamento por seu testemunho para o evangelho. Nós somos, em tais casos, chamados a fazer uso de qualquer razão, habilidade, sabedoria ou capacidade de falar que possamos, ou outras circunstâncias honestas e vantajosas que se apresentam a nós, como o apóstolo Paulo fez em todas as ocasiões; mas nossa dependência é estar unicamente sob a presença e provisões de nosso abençoado Advogado, que não nos deixará totalmente defeituosos no que é necessário para a defesa e justificação de nossa causa. [2.] Ele é o defensor de Cristo, da igreja e do evangelho, na sua comunicação de dons espirituais, extraordinários e comuns, para os que creem; pois são coisas, pelo menos em seus efeitos, visíveis para o mundo. Onde os homens não são totalmente cegos por preconceitos, amor ao pecado e ao mundo, eles não podem deixar de discernir um pouco de poder divino nesses dons sobrenaturais. Portanto, eles declaram abertamente a aprovação divina do evangelho e a fé que está em Cristo Jesus. Assim, o apóstolo confirma as verdades que ele pregou por este argumento, que com isso e, assim, ou na confirmação disso, o Espírito, como a comunicação dos dons, foi recebido, Gálatas 3: 2. E aqui ele é o advogado da igreja, justificando sua causa abertamente e visivelmente por essa dispensação de seu poder em relação a eles e em seu favor. Mas porque tratamos separadamente e em grande parte da natureza e uso desses dons espirituais, não devo insistir aqui na consideração deles. [3.] Por eficácia interna na dispensação da Palavra. Aqui também é o defensor da igreja contra o mundo, como ele é declarado, João 16: 8-11: "E quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo: do pecado, porque não creem em mim; da justiça, porque vou para meu Pai, e não me vereis mais, e do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado." O que lhe é atribuído com respeito ao mundo é expresso pela palavra elegxei, - "ele irá repreender, ou convencer”. A palavra grega elegew é    usada várias vezes na Escritura, às vezes é para manifestar ou produzir luz: Efésios 5:13, "se manifestam pela luz, pois tudo o que se manifesta é luz." E tem o mesmo sentido, em João 3: 20. Às vezes é para repreender e reprovar: 1 Timóteo 5:20, " Aos que vivem no pecado, repreende-os na presença de todos, para que também os outros tenham temor." Então também Apocalipse 3:19; Tito 1:13. Às vezes, é para convencer, como para fechar a boca de um adversário, para que ele não tenha nada para responder: João 8: 9, "Sendo convencidos por sua própria consciência", de modo que, sem ter uma palavra para responder, desertaram sua causa. Então, Tito 1: 9, "Para convencer os adversários", é explicado, versículo 11, "para fechar a boca", ou seja, pela prova convincente da verdade. Elegcon é uma evidência irrefutável, ou um argumento evidente, como em Hebreus 11: 1. Portanto, elegcon aqui é "por argumentos e provas inegáveis, para convencer o mundo, ou os adversários de Cristo e do evangelho, pois não terão nada para responder". Este é o trabalho e o dever de um advogado, que irá absolutamente reivindicar seu cliente quanto à sua causa. E o efeito disso é duplo; para todas as pessoas, com uma convicção tão irresistível, tomada de uma dessas duas maneiras: - 1º. Eles cederam à verdade e abraçam-na, como não encontrando nenhum fundamento para defender sua recusa; ou 2. Eles voam com raiva e loucura desesperadas, como sendo obstinados em seu ódio contra a verdade e destituídos de todas as razões para se oporem. Um exemplo da maneira anterior que temos nos judeus a quem Pedro pregava no dia de Pentecostes. Reprovando-os e convencendo-os além de toda contradição, "eles compungiram-se em seus corações, e disseram: “irmãos, o que devemos fazer?", Atos 2: 37,41. E isso aconteceu por causa da evidência que fé dá de coisas que se esperam, de forma irrefutável (Hb 11.1). Disso, temos muitos exemplos no trato do nosso Salvador com essas pessoas; pois, quando ele os convencera em dado momento, e fechou a boca deles por não terem como retrucar a verdade que ele lhes falara, eles o chamaram de Belzebu, gritando que tinha um demônio, pegaram em pedras para jogar nele e conspiraram sua morte com todas as manifestações de raiva e loucura desesperadas, João 7: 48,59, 10: 20,31,39. Assim foi no caso de Estêvão, e o testemunho que ele deu de Cristo, Atos 7: 54-58; e com Paulo, Atos 22: 22,23, - um exemplo de raiva bestial para não ter paralelo em qualquer outro caso, mas isso muitas vezes caiu no mundo. E os mesmos efeitos desta obra do Espírito Santo, como defensor da igreja, já ocorreram, e ainda ocorrem sobre o mundo. Muitos, sendo condenados por ele na dispensação da Palavra, são realmente humilhados e convertidos para a fé. Assim, Deus "acrescenta diariamente à igreja, os que devem ser salvos". Mas a generalidade do mundo está enfurecida pelo mesmo trabalho contra Cristo, o evangelho e aqueles por quem é dispensado. Enquanto a Palavra é pregada de forma formal, o mundo está bastante contente que deve ter uma passagem tranquila entre eles; mas, sempre que o Espírito Santo produz uma eficácia convincente na sua pregação, o mundo fica furioso por isso: o que não é menos prova do poder de sua convicção do que o outro que é de melhor sucesso. O assunto em relação ao qual o Espírito Santo dirige o seu pleito pela Palavra contra o mundo, como defensor da igreja, é referido pelas três cabeças de "pecado, justiça e juízo", João 16: 8, sendo declarada a natureza especial deles, versos 9-11. (1º). Em que pecado é, em particular, que o Espírito Santo deve ir ao mundo e convencê-lo, é declarado no verso 9: "Do pecado, porque eles não acreditam em mim". Há muitos pecados dos quais os homens podem ser convencidos pela luz da natureza, Romanos 2: 14,15, mais do que eles são reprovados pela letra da lei; e pela obra do Espírito que operam também em geral para tornar essas convicções eficazes: mas estas não pertencem à causa que ele deve defender pela igreja contra o mundo, nem é assim que qualquer um pode ser levado à convicção pela luz da natureza ou sentença da lei, mas é somente a obra do Espírito pelo evangelho; e isso, em primeiro lugar, é a incredulidade, particularmente não crendo em Jesus Cristo como o Filho de Deus, o Messias e o Salvador prometido do mundo. Ele testemunhou sobre si mesmo, e suas obras o evidenciaram, e tanto Moisés e os profetas testemunharam. Aqui ele diz aos judeus que, se eles não acreditassem quem ele era, isto é, o Filho de Deus, o Messias e Salvador do mundo, "eles deveriam morrer em seus pecados", João 8: 21,24. Mas nessa incredulidade, nesta rejeição de Cristo, os judeus e o resto do mundo se justificaram, e não apenas assim, mas desprezaram e perseguiram os que creram nele. Esta foi a diferença fundamental entre os crentes e o mundo, a cabeça da causa em que foram rejeitados por ele como tolos e condenados como ímpios. E aqui estava o Espírito Santo seu advogado; pois ele operou com tais evidências, argumentos e testemunhos inegáveis, convencendo o mundo da verdade e da glória de Cristo, e do pecado da incredulidade, que eles estavam em todos os lugares, quer se convertendo dela ou se enfurecendo assim. Então, alguns deles, com essa convicção, "receberam alegremente a Palavra e foram batizados", Atos 2:41. Outros, após a pregação da mesma verdade pelos apóstolos, "foram cortados no coração e tomaram conselhos para matá-los", cap. 5:33. Neste trabalho, ele ainda continua. E é um ato do mesmo tipo pelo qual ele ainda em particular convence qualquer um dos pecados da incredulidade, que não pode ser feito, senão pela efetiva operação interna de Seu poder. (2). Ele convence o mundo da justiça: João 16:10: "De justiça, porque eu vou para o meu Pai, e não me vereis mais." Tanto a justiça pessoal de Cristo quanto a justiça de seu ofício são aqui incluídas; por ser concernente a ambas, a igreja tem uma disputa com o mundo, e eles pertencem à causa em que o Espírito Santo é seu defensor. Cristo foi encarado pelo mundo como um malfeitor; acusado de ser um glutão, um beberrão de vinho, uma pessoa sediciosa, um sedutor, um blasfemo, um malfeitor, em todos os tipos; - de onde seus discípulos foram desprezados e destruídos por acreditar nele; e não dá para ser declarado o tudo em que eles foram desprezados e reprovados, e o que eles sofreram nesta conta. Enquanto isso, eles pregaram e deram testemunho da Sua justiça, - que "ele não tinha pecado, nem foi encontrado engano em sua boca", que "ele cumpriu toda justiça", e era o "Santo" de Deus. E aqui estava o Espírito Santo seu advogado, convencendo o mundo principalmente por esse argumento, que, afinal de contas, ele sofreu neste mundo, como a maior evidência imaginável da aprovação de Deus sobre ele e pelo que ele fez, ele foi para o Pai, e assumiu a sua glória. O pobre homem cego, cujos olhos foram abertos por ele, apresentou isso como um argumento forçado contra os judeus, que ele não era nenhum pecador, em que Deus o ouviu assim que abriu os olhos; cuja evidência e convicção eles não podiam ter, mas isso; transformou-os em raiva e loucura, João 9: 30-34. Quanto mais glorioso e eficaz deve ser essa evidência de sua justiça e santidade, e da aprovação de Deus dele, que, afinal de contas, o que ele fez neste mundo, foi a seu Pai e foi levado para a glória! Pois tal é o significado dessas palavras: "Não me vereis mais", isto é, "haverá um fim para o meu estado de humilhação e do meu caminhar com vocês neste mundo, porque eu vou entrar minha glória". Que o Senhor Jesus Cristo foi então a seu Pai, e que ele foi tão gloriosamente exaltado, foi um testemunho inegável dado pelo Espírito Santo, para a convicção do mundo. Então este argumento é usado por Pedro, Atos 2:33. Isso é suficiente para parar as bocas de todo o mundo nesta causa, que enviou o Espírito Santo do Pai para comunicar dons espirituais de todos os tipos aos discípulos; e não poderia haver maior evidência de sua aceitação, poder e glória com ele; e o mesmo testemunho que ele ainda continua, dando na comunicação de dons comuns no ministério do evangelho. Esta justiça também pode se referir (cujo sentido eu não excluiria) à justiça de seu ofício. Sempre houve um grande concurso sobre a justiça do mundo. Os gentios cuidaram da luz da natureza e dos judeus pelas obras da lei. Neste estado, o Senhor Jesus Cristo é proposto como o "Senhor, a nossa justiça", como aquele que iria "trazê-la", e trouxe, "justiça eterna", Daniel 9:24, sendo "o fim da lei para a justiça de todo aquele que crê", Romanos 10: 4. Isso os gentios rejeitaram como loucura, - Cristo crucificado era "loucura" para eles; e para os judeus era uma "pedra de tropeço", como aquela que invadiu toda a lei; e, em geral, todos concluíram que ele não podia se salvar, e, portanto, não era provável que outros fossem salvos por ele. Mas aqui também o Espírito Santo é o defensor da igreja; pois, na dispensação da Palavra, ele convence os homens de uma impossibilidade de alcançar uma justiça própria, como devem submeter-se à justiça de Deus em Cristo ou morrerem em seus pecados. (3). Ele "convence o mundo do juízo, porque o príncipe deste mundo é julgado". O próprio Cristo foi julgado e condenado pelo mundo. Naquele juízo, Satanás, o príncipe deste mundo, tinha a mão principal; pois foi efetuada na hora e sob o poder da escuridão. E não há nenhuma dúvida que ele esperava que ele tivesse triunfado em sua causa quando ele tinha prevalecido para que o Senhor Jesus Cristo fosse julgado e condenado publicamente. E este julgamento é que o mundo procurou por todos os meios para justificar e fazer o bem. Mas o todo é chamado de novo pelo Espírito Santo, advogando a causa e a fé da igreja; e ele o faz tão eficazmente que o julgamento é ativado pelo próprio Satanás. O julgamento, com uma convicção inevitável, passou sobre toda a superstição, idolatria e maldade, que ele havia disparado ao mundo. E considerando que ele se carregou, sob várias marcas, sombras e pretensões, para ser "o deus deste mundo", o supremo governante sobre todos, e, portanto, foi adorado em todo o mundo, ele está agora pelo evangelho aberto e manifestado como um maldito apóstata, um assassino e o grande inimigo da humanidade. Portanto, tomando o nome de Paraclito nesse sentido para um advogado, é apropriado para o Espírito Santo em alguma parte de seu trabalho. E quando somos chamados a prestar testemunho de Cristo e do evangelho, abandonamos nossa força e traímos nossa causa se não usarmos todos os meios designados de Deus para esse fim para envolvê-lo em nossa assistência. Mas é como um consolador que ele nos foi prometido principalmente e, como tal, ele é dado à igreja com este nome. Quatro vezes, que ele tem uma obra peculiar que lhe foi confiada, apropriada para esta missão ou comissão e nome, é a que aparecerá na declaração das particularidades em que consistem. Por enquanto, apenas afirmamos, em geral, que seu trabalho é apoiar, estimar, aliviar e confortar a igreja, em todas as provações e angústias; e isso é tudo o que pretendemos quando dizemos que é o seu ofício fazê-lo.








Publicado no site: O Melhor da Web em 12/02/2018
Código do Texto: 136517
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.