Espaço Literário

O Melhor da Web


Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
kuryos - Silvio Dutra
Silvio Dutra
Cadastrado desde: 29/08/2012

Texto mais recente: A Origem e a Cura do Mal



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
O Reino de Cristo e o Poder do Magistrado
13/02/2018
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
O Reino de Cristo e o Poder do Magistrado


   John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

"Quanto a mim, Daniel, o meu espírito foi abatido dentro do corpo, e as visões da minha cabeça me perturbaram. Cheguei-me a um dos que estavam perto, e perguntei-lhe a verdadeira significação de tudo isso. Ele me respondeu e me fez saber a interpretação das coisas." (Daniel 7: 15,16)
O que interessa pelo entendimento correto dessas palavras naquela parte do capítulo anterior, pode ser considerado na abertura das próprias palavras; e, portanto, devo participar imediatamente disso.
Há nelas quatro coisas consideráveis:
I. O estado e a condição que Daniel, o escritor desta profecia, se expressa, onde ele tem companheiros nos dias em que vivemos: "Ele se entristeceu em seu espírito dentro do corpo."
II. A causa e os meios pelos quais ele foi trazido para este quadro de espírito perplexo: "As visões de sua cabeça o perturbaram".
III. O remédio que ele usou para o seu livramento daquela condição de espírito emaranhada em que ele estava: "Ele se aproximou de um deles que estava por perto e lhe perguntou a verdade de tudo isso".
IV. A questão desse pedido que ele fez para aquele que estava perto: "Ele lhe disse, e fez-lhe saber a interpretação das coisas." - Tudo isso, eu vou abrir brevemente para você, para que eu possa estabelecer as bases para a verdade que o Senhor me forneceu para lhe entregar neste dia.
I. No primeiro, a pessoa falada é o próprio Daniel: "Eu Daniel." Ele traz esse testemunho sobre ele, e sua condição era: "Ele se entristeceu em seu espírito".
A própria pessoa era um homem altamente favorecido de Deus acima de todos em sua geração; tão ricamente adornado com dons e graças que ele é uma e outra vez apresentado como um exemplo pelo próprio Deus por conta da eminência em sabedoria e piedade. No entanto, tudo isso não o impede de cair nesta condição perplexa, Daniel 1: 17-20; ezequiel 14:14, 28: 3. Agora, como a principal obra de todos os santos profetas, que desde o início do mundo, Lucas 1:70; 1 Pedro 1: 10-12, foi pregar e declarar o Senhor Jesus Cristo, o Messias que estava para vir; então, algumas preocupações especiais de sua pessoa, justiça e reino, foram, de maneira especial, comprometidas com eles, respectivamente; - Sua paixão e justiça para com Isaías; o pacto da graça nele a Jeremias; e a este Daniel, mais eminentemente, as grandes obras da providência de Deus na agitação e reviravolta de reinos e nações em subserviência ao Seu reino. Com a revelação disto, para o consolo da igreja em todas as épocas, o Senhor honrou aquele de quem falamos.
Por enquanto, ele se descreve em uma condição um pouco perplexa.
Seu espírito (mente e alma) estava triste, doente, perturbado no meio de seu corpo; isto é, profundamente, quase de perto: - estabelece o seu grande problema, a ansiedade de seus pensamentos dentro dele. Como Davi, quando ele lutou com sua alma sobre isso, "Por que você está tão triste, minha alma? e por que você está tão perturbada dentro de mim?", Salmo 43: 5, - ele não sabia o que dizer, o que fazer, nem para aliviar-se. Ele estava cheio de pensamentos tristes, triste apreensão do que aconteceria, e qual poderia ser a questão das coisas que lhe foram reveladas. Isto, eu digo, é o quadro e o temperamento em que ele se descreve, - um homem sob triste apreensão dos problemas e eventos das coisas e das dispensações de Deus (como muitos estão neste dia); e sobre essa conta, estava perplexo.
II. A causa desta perturbação da mente e do espírito era das visões de sua cabeça: "As visões de sua cabeça o perturbavam". Ele os chama de "visões da cabeça", porque essa é a sede dos sentidos internos e da imaginação, segundo a qual são recebidas visões. Então, ele os chama de "sonho", no versículo 1, "e visões de sua cabeça sobre sua cama". No entanto, tais visões, tal sonho eram, como, sendo imediatamente de Deus, e contendo uma descoberta não menos certa de sua vontade e mente do que se as coisas mencionadas neles tivessem sido faladas cara a cara, ele as escreve pela inspiração do Espírito Santo, versículo 2, para o uso da igreja. Não devo tirar proveito de seguir em frente a qualquer discurso de sonhos, visões, oráculos e outros modos e maneiras diferentes (Hebreus 1: 1), de revelar sua mente e vontade, que Deus agradou em usar com seus profetas antigos, Números 12: 6-8. Meu objetivo é outro caminho: só basta ter conhecimento de que Deus lhe deu no sono uma representação das coisas aqui expressadas, que ele deveria entregar para o uso da igreja nas eras seguintes. A questão dessas visões, que tanto o perturbaram, cai mais diretamente sob nossa consideração. Agora, - 1. O sujeito dessas visões desconcertantes é uma representação dos quatro grandes impérios do mundo, que tiveram, e teriam que ter, domínio sobre os lugares de maior interesse da igreja, e todos receberam seu período e destruição pelo Senhor Jesus Cristo e sua mão vingadora. E estas três coisas que ele menciona delas: - (1.) Sua ascensão; (2.) Natureza; (3.) Destruição. (1.) No versículo 2, ele descreve a sua ascensão e origem: foi "dos esforços dos quatro ventos dos céus sobre o grande mar", ele os compara às coisas mais violentas, incontroláveis e tumultuadoras de toda a criação . Ventos e mares! - Quantas ondas, quantas tempestades horríveis, que mistura do céu e da terra, que confusão e destruição devem resultar da competição feroz de todos os ventos contrários ao grande mar! Tais são as origens dos impérios e dos governos em sua maioria entre os homens, tais como suas entradas e avanços. Em particular, tais foram os começos dos quatro impérios aqui falados. Guerras, tumultos, confusões, sangue, destruição, desolação, foram as sementes de sua grandeza: "Ubi solitudinem faciunt, pacem adpellant", Galgac. apud Tácito. [Agr., 30.] Os mares e as grandes águas, na Escritura, representam pessoas e nações, Apocalipse 17:15, "As águas que viste, onde a prostituta está sentada, são povos, multidões, nações e línguas". Como "águas", são instáveis, ferozes, inquietas, tumultuantes; e quando Deus mistura seus juízos entre eles, eles são como "um mar de vidro misturado com fogo", frágil, incerto, devorador e implacável. É uma demonstração da soberania de Deus, que ele está acima deles, Salmo 93: 3,4, "Os rios levantaram, ó Senhor, os rios levantaram o seu ruído, os rios levantam o seu fragor. Mais que o ruído das grandes águas, mais que as vagas estrondosas do mar, poderoso é o Senhor nas alturas." Agora, a partir destes, lançados com os ventos de revoltas, sedições, opressões, paixões, fluem os governos do mundo, e o Espírito de Deus movendo-se sobre a face dessas águas, para produzir as formas e os quadros de governo de que ele usará. (2.) No versículo 9 ele os descreve quanto à sua natureza e espécie; - um deles pronto para ser destruído, e o outro para ter sucesso, até a total desolação de todos, e todo o poder aumentando em seu espírito e princípio. Não devo passar pela sua descrição particular, nem ficar para provar que a quarto animal, sem nome ou forma especial, é o império romano; que eu mostrei em outro lugar, e é outra coisa que neste momento eu apontarei. Isto é o que dificulta e aflige o espírito de Daniel no meio do seu corpo. Ele viu o que os poderes mundanos deveriam surgir, - por que tumultos horríveis, sacudidas, confusões e violência que deles deveriam surgir - com que ferocidade, crueldade e perseguição, eles deveriam governar no mundo e pisar tudo sob seus pés. (3.) Seu fim e destruição são revelados a ele, do versículo 10 aos versículos 12, 13; e isso pela aparência do "Ancião de dias" (o Deus eterno) no juízo contra eles; que ele se propõe com aquela solenidade e glória, como se fosse o grande julgamento do último dia; - Deus, de fato, dando uma promessa ao mundo desse julgamento universal, ele exercerá um dia sobre todos, "pelo homem que ele ordenou," Atos 17:31. E isso aumenta o terror da visão, por ter uma representação da glória de Deus que nenhuma criatura pode suportar. Deus também manifesta hoje suas atuações imediatas na criação e destruição dos poderes deste mundo; que ele faz tão completo e eficazmente como se estivesse sentado em um trono de julgamento, chamando-os todos por nome para aparecerem em sua presença e, na evidência de seus caminhos, crueldades e opressão, pronunciando sentença contra eles. "Servi ao Senhor com temor, e regozijai-vos com tremor. Beijai o Filho, para que não se ire, e pereçais no caminho; porque em breve se inflamará a sua ira. Bem-aventurados todos aqueles que nele confiam.", Salmo 2: 11,12. "Ele muda os tempos e as estações", Daniel 2:21. "Deus tem domínio sobre o reino dos homens, e a quem quer constitui sobre ele.", capítulo 5: 21. E esta é a primeira coisa nesta visão em que o profeta ficou perplexo. 2. Existe a aproximação do Senhor Jesus Cristo ao Pai, com a sua entrada em seu reino e domínio, que é eterna, e não passa, versículo 14. Este é o fim da visão, devo insistir um pouco nela; não que pretendo deliberadamente lidar com o reino de Cristo como mediador, mas apenas um pouco para considerá-lo como está aqui na visão, e é necessário para o fundo da verdade em nossa intenção. Vários foram os pensamentos dos homens sobre o reino de Cristo em todas as épocas. Que o Messias fosse um Rei, um Príncipe, um Governante, - que ele fosse ter um reino, e que o governo fosse sobre seu ombro - é evidente no Antigo Testamento; que tudo isso foi e é realizado em Jesus de Nazaré, a quem Deus exaltou, fez um Príncipe e um Salvador, não é menos evidente no Novo; - mas sobre a natureza deste reino, o seu surgimento e a forma de governo, foram e são as competições dos homens. Os judeus até hoje esperam como uma coisa carnal e temporal, visível, exteriormente gloriosa, onde, em todos os prazeres, dominarão as nações à sua vontade; - outra coisa, de todo o mundo, como o romanismo, que os adoradores gentios ou idólatras de Cristo criaram para o seu reino; e de alguma coisa pode ser suposto que os próprios apóstolos não estavam sem pensamentos, até que conversaram com Senhor após a ressurreição, Lucas 9:46; Atos 1: 6. Nem todos estão entre nós livres deles neste dia. Aqueles que, com qualquer simplicidade, professam o nome de Cristo, geralmente concordam que existem três partes disso. (1) Primeiro, e principalmente, naquilo que é interno e espiritual, dentro e fora das almas dos homens, sobre espíritos bons e maus, em referência aos fins que ele deve realizar sobre eles. Daquilo que é direto e imediato sobre os corações e as almas dos homens, há duas partes. [1.] O que ele exerce para os seus eleitos, que lhe são dados por seu Pai, convertendo-se, governando, preservando-os, sob e através de grande variedade de dispensações, internas e externas, até que ele as leve a si mesmo: "E ele permanecerá, e apascentará o povo na força do Senhor, na excelência do nome do Senhor seu Deus; e eles permanecerão, porque agora ele será grande até os fins da terra.", Miquéias 5: 4; - aquele que é o "Governante em Israel", versículo 2. Ele é exaltado e feito " Príncipe e Salvador, para dar a Israel o arrependimento e remissão de pecados.", Atos 5:31. Ele faz seu povo "um povo disposto no dia do seu poder", Salmos 110: 3, - enviando seu Espírito Santo para levá-los a toda a verdade, e fazendo suas palavras e ordenanças "poderosas em Deus, para demolição de fortalezas; derribando raciocínios e todo baluarte que se ergue contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência a Cristo.", 2 Coríntios 10: 4,5. Ele toma posse de seus corações por seu poder, habitando-os pelo seu Espírito, tornando-os reis no seu reino e trazendo-os infalivelmente à glória. Ah, que este governo, este reino dele, possa ser carregado em nossos corações! Nos ocupamos de muitas coisas; devemos achar por completo essa coisa necessária. Esta é a parte do reino de Cristo, que estamos principalmente apontando na pregação do evangelho: "Pregamos a Cristo Jesus, o Senhor", 2 Coríntios 4: 5, ele é o Senhor e o Rei, embora outros tenham tido domínio sobre nós. Eles são os grãos de Israel que o Senhor procura, na sua peneiração das nações, pela sua palavra, bem como pela sua providência; e estamos, na obra do evangelho, para "suportar todas as coisas por ele próprio", 2. Timóteo 2:10. [2.] No poder que ele exerce para os outros, a quem a palavra do evangelho vem, chamando, convencendo, esclarecendo, endurecendo muitos, que não sendo sua ovelha, nem de seu redil, ele nunca levará para ele mesmo; mas deixa entregues a si mesmos, sob agravações de condenação, que eles puxam sobre eles pelo desprezo do evangelho, 2 Coríntios 2:16; Hebreus 10:29. Ele envia seu Espírito para convencer o "mundo do pecado, da justiça e do julgamento", João 16: 8. Ele envia flechas afiadas aos próprios corações de seus inimigos, Salmos 45: 5, fazendo com que se inclinem, se curvem e caiam debaixo dele; encolhendo assim a ira, dominando suas concupiscências, deixando-os sem desculpas em si mesmos, e seu povo muitas vezes não se beneficia com elas: - com algum tratamento mesmo nesta vida mais severamente; fazendo com que as testemunhas do evangelho os atormentem pela pregação da palavra, Apocalipse 11:10, mas dando-lhes "fortes ilusões, para que creia em mentiras e sejam condenados", 2 Tessalonicenses 2: 11,12, etc. [3.] Ao levar a cabo esta obra para o primeiro e para o outro, ele expõe o poder e o domínio, que ele tem de seu Pai sobre os espíritos, bons e maus. 1º. Sendo feito chefe de principados e poderes, e exaltado acima de todo nome no céu ou na terra, sendo feito o primogênito de toda criatura", e todos os anjos de Deus sendo comandados a adorá-lo, Hebreus 1: 6, e a se colocarem sob sujeição; - ele os envia e os usa como espíritos ministradores para os que serão herdeiros da salvação, versículo 14, - nomeando-os para contemplar o rosto de seu Pai, prontos para os seus mandamentos em seu nome, Mateus 18:10, - atendendo em suas assembleias, 1 Coríntios 11:10, e dando-lhes o seu auxílio no tempo de perigo e dificuldade, Atos 12: 9, destruindo seus adversários, verso 23, com inúmeras outras administrações vantajosas, que ele não achou bom de conhecer em particular, que nossa dependência seja ao nosso próprio Rei, e não em nenhum dos nossos servos, embora nunca tão glorioso e excelente, Apocalipse 22: 9. 2º. Para Satanás, quando ele veio para amarrar o homem forte armado e para arruinar seus bens, Mateus 12:29, - para destruir aquele que teve o poder da morte, Hebreus 2:14; e sendo manifestado para este fim, para destruir suas obras (1 João 3: 8) nas almas dos homens neste mundo, 2 Coríntios 10: 4,5; assim, tendo em sua própria pessoa conquistado esses principados e poderes das trevas, fazendo uma exibição aberta deles em sua cruz, e triunfando sobre eles, Colossenses 2:15, ele continua dominando e julgando-os, em sua oposição à sua igreja , e fará isso até que ele os leve a uma sujeição completa, para que sejam julgados e condenados pelas pobres criaturas, que neste mundo permanecem continuamente com toda a inimizade, 1 Coríntios 6: 3. E isso parece a substância interna do reino de Cristo, que lhe é dada por seu Pai, e não é deste mundo, embora ele o exerça no mundo até o último dia; - um reino que nunca pode ser abalado, nem removido. "O governo está sobre o seu ombro, e o aumento dele, não haverá fim" (2). Esse governo ou reino que, na sua palavra, designou e ordenou para todos os seus santos e escolhidos a entrar, para testemunhar sua submissão interna a ele e para se adequar uns aos outros. Agora, desta parte, a administração está envolvida nas leis, ordenanças, instituições e compromissos do evangelho, e é frequentemente chamado de " O reino de Deus". Que Jesus Cristo não governa nestas coisas, e não deve ser obedecido como um rei nelas, é apenas uma escuridão tardia, que, embora se espalhe como uma nuvem sobre a face dos céus, e derrame alguns chuveiros e tempestades, ainda assim será como uma nuvem ainda, que rapidamente se espalhará e desaparecerá em nada. E isso é aquele cuja propagação, como meio de continuar os primeiros fins espirituais de Cristo, você deseja força e direção para este dia. Os homens podem reunir-se para Cristo, e saírem com as cabeças cheias de esperanças, as almas pobres e os olhos fixos à direita e à esquerda, "Senhor, é nesse tempo que restauras o reino a Israel?" Veja sua resposta e fique contente com isso: "A vós não vos compete saber os tempos ou as épocas, que o Pai reservou à sua própria autoridade.", Atos 1: 6,7, - mas faça seu trabalho com fidelidade. Eu sei disso, é muito mais fácil se queixar para você não fazer, do que direcionar o que fazer. O Senhor seja o seu guia, e dê-lhe palha onde quer que sejam exigidos tijolos! (3.) No juízo universal, que o Pai comprometeu com ele sobre todos, o que exercerá mais eminentemente no último dia; - recompensando, coroando, recebendo alguns para si mesmo; julgando, condenando, lançando os outros em completa escuridão, João 5: 22-27; Atos 2:36; Romanos 14: 9; Atos 17:31. E deste juízo universal e justo, ele deu muitas advertências ao mundo, derramando taças diversas da sua ira sobre grandes Ninrodes e opressores, Salmos 110: 6; Miquéias 4: 3; Apocalipse 19: 11-13. E, ao aguardar estas três partes do reino do Senhor Jesus, a Bíblia abunda nelas. Mas agora, seja por cima e por detrás de tudo isso, o Senhor Jesus Cristo não suportará um domínio exterior, visível e glorioso, estabelecendo um reino como os do mundo, para ser governado pela força e pelo poder; e, em caso afirmativo, quando ou como será trazido, - em cujas mãos a sua administração será cometida, e em que conta, se ele irá pessoalmente caminhar nela ou não, - se deve ser claramente distinto do governo que agora ele exerce no mundo, ou apenas é diferente por graus mais gloriosos e manifestações de seu poder, - intermináveis e irreconciliáveis são os concursos daqueles que professam seu nome. Isto, por meio de uma viva experiência, é que todos os que, desde a espiritualidade do governo de Cristo, e deleitando-se neles, degeneraram em apreensões carnais da beleza e da glória dele, foram, em sua maior parte, entregues ao comportamento carnal, adequado a tais apreensões; e ficaram tão deslumbrados com o olhar da glória temporal, que o reino que não vem pela aparência visível foi vil a seus olhos. 3. Agora, porque está aqui caído no meu caminho e faz parte da visão em que o profeta estava tão perturbado, eu lhe darei algumas observações breves sobre o que é claro e certo sobre as Escrituras referentes ao mesmo. É, portanto, certo, - (1) Que o interesse de homens particulares, quanto a este reino de Cristo, seja olhar em que consiste o interesse universal de todos os santos, em todas as épocas. Isto, sem dúvida, eles podem alcançar, e isso pertence a eles. Agora, certamente, isso é naquela parte que não vem pela aparência (ou observação), Lucas 17:20, mas está dentro de nós, que "é justiça, paz e alegria no Espírito Santo", Romanos 14:17. Isso pode ser possuído em uma masmorra, bem como em um trono. Que glória externa seja trazida, é apenas uma sombra disso; - este é o reino que não pode ser movido, o que requer graça em nós para "servir a Deus de forma aceitável com reverência e temor piedoso", Hebreus 12:28. Muitos falharam em compreender as aparências externas: nunca houve falha de bem-aventurança que fizesse essa porção. Então, isso foi mais perseguido e seguido depois! Não pensem em criar o reino de Cristo no mundo, enquanto eles o retiram em seus próprios corações pelo pecado e loucura. Nisto, as linhas caíram para mim, e deixo minha herança estar entre aqueles que são santificados. No entanto, - (2.) Isto é certo, que todas as nações, o que, em seu estado e governo atual, deram seu poder ao dragão e ao animal para se opor ao Senhor Jesus Cristo, serão abalados, quebrados, e lançados fora de suas antigas fundações e constituições, em que o interesse anticristão foi tecido durante uma longa temporada. Deus abalará os céus e a terra das nações ao redor, até que todos os desperdícios babilônicos, todos os seus compromissos originais com o homem do pecado, sejam tirados. Isto demonstrou plenamente em outro lugar. Todas aquelas grandes guerras que você anunciou, em que os santos de Deus serão eminentemente comprometidos, estão sob este relato. (3) Que os poderes civis do mundo, depois de terríveis tremores e desolações, serão eliminados em uma subserviência útil ao interesse, poder e reino de Jesus Cristo. Por isso, eles são ditos seus reinos, Apocalipse 11:15; isto é, ser descartado de seu interesse e domínio. Disto você tem muitas promessas, em Isaías 60 e outros lugares. Quando as nações são quebradas em oposição a Sião, seu ganho deve ser consagrado ao Senhor, e sua substância ao Senhor de toda a terra, Miquéias 4:13. Mesmo juízes e governantes, como tal, devem beijar o Filho. Alguns pensam, que se você estivesse bem estabelecido, você não deveria em nada, como governantes das nações, colocar seu poder para o interesse de Cristo: o bom Senhor guarde seus corações contra essa apreensão! Você já recebeu em seus assuntos qualquer encorajamento das promessas de Deus? Você, em tempos de maior sofrimento, foi revigorado com o testemunho de uma boa consciência, que em simplicidade divina você buscou o avanço do Senhor Jesus Cristo? Você acredita que ele já possuía a causa como chefe de sua igreja? Não diga agora que você não tem nada a ver com ele: - ele havia tido a sua profissão e de seus assuntos, qual foi a sua parcela há muito tempo! (4.) Veja, que reino, para que o Senhor Jesus Cristo avance no mundo e exerça entre os seus santos, o princípio deve ser com os judeus; eles devem ser "caput imperii". A cabeça e a sede deste império devem estar entre eles; estes são os "santos do Altíssimo", mencionados por Daniel: e, portanto, naquela parte de sua profecia que ele escreveu na língua do império babilônico - fala deles obscuramente e sob expressões emprestadas; mas chegando a essas visões que ele escreveu em hebraico, para o único uso da igreja, ele é muito mais expressivo sobre as pessoas de quem ele falou. A vara do poder de Cristo sai de Sião, e daí ele prossegue para governar aqueles que eram seus inimigos, Salmos 110: 2. Todas as promessas do glorioso reino de Cristo devem ser cumpridas na reunião dos gentios, com a glória dos judeus. O Redentor vem a Sião, e àqueles que passam da transgressão (a grande transgressão da incredulidade) em Jacó, Isaías 59:20. Então ressuscitará o Senhor sobre eles, e a sua glória será vista sobre eles. Os gentios chegarão à sua luz, e os reis ao brilho do seu nascimento, Isaías 60: 2,3. Eu ouço dizer que não há nenhuma promessa em qualquer lugar de se criar um reino para o Senhor Jesus Cristo neste mundo, mas é expressado ou claramente indicado que o início deve ser com os judeus, e isso em contraposição às nações: então eminentemente naquela gloriosa descrição, em Miquéias 4: 7,8: "E da que coxeava farei um resto, e da que tinha sido arrojada para longe, uma nação poderosa; e o Senhor reinará sobre eles no monte Sião, desde agora e para sempre. E a ti, ó torre do rebanho, outeiro da filha de Sião, a ti virá, sim, a ti virá o primeiro domínio, o reino da filha de Jerusalém." Quando o grande caçador, Ninrode, criou um reino, o princípio do que foi Babel, Gênesis 10:10; e quando o grande Pastor estabelecer o seu reino, o início dele será Sião: mais longe é expresso, Miquéias 5: 7,8. Nada é mais claro para qualquer um, que, não sendo conduzido com apreensões fracas e carnais de coisas presentes, já pesou seriamente as promessas de Deus para esse propósito. O que o Senhor Jesus Cristo fará com eles, e por eles, não é tão claro; isto é certo, para que seu retorno seja maravilhoso, glorioso, como a vida dentre os mortos. Quando, então, o Eufrates se secará, o poder islâmico e a idolatria romana serão retirados do mundo, e esses "reis do oriente" vieram, quando a semente de Abraão, sendo multiplicada como as estrelas do céu e as areias da costa do mar, possuirão as portas dos seus inimigos, e terão paz nas suas fronteiras; podemos levantar a cabeça para a plenitude da nossa redenção; mas, enquanto essas coisas são, ou podem ser, para qualquer coisa que conhecemos, longe, de sonhar em criar um reino exterior, glorioso e visível de Cristo, em que ele deve dominar, e no mundo, seja na Alemanha ou na Inglaterra, é apenas uma presunção não fundada. Os judeus não são chamados, o Anticristo não é destruído, as nações do mundo em geral envolvidas em idolatria e falso culto, pouco se pensa na sua libertação, - o Senhor Jesus Cristo deixará o mundo neste estado e estabelecerá seu reino aqui em um monte? (5.) Esta é uma antítese e oposição perpétua que é colocada entre os reinos do mundo e o reino de Cristo, - que se levantam dos esforços dos ventos sobre o mar; ele vem com as nuvens do céu; - são trazidos por comoções, tumultos, guerras, desolações (e assim devem ser todos os sacudidas das nações, para puni-los pela sua antiga oposição e para trazê-los em uma subserviência para o seu interesse); a chegada do reino de Cristo não será pelo braço da carne, nem será produto das contendas e concursos dos homens que estão no mundo, - não deve ser feito pela força ou pelo poder, mas pelo Espírito do Senhor dos exércitos, Zacarias 4: 6. Grandes guerras, desolações, alterações, devem precedê-lo; mas não são os filhos dos homens que, por força externa, edificarão a Nova Jerusalém; que desce do céu adornada como noiva para Cristo, preparada por si mesmo. Certamente, os esforços dos homens sobre esse negócio não terão influência nisso. Será pela manifestação gloriosa de seu próprio poder, e por seu Espírito subjugando as almas dos homens a ele; - não pela espada do homem configurando alguns para dominar os outros. Por isso, é em todos os lugares chamado de criação de "novos céus e uma nova terra", Isaías 65:17, uma obra, sem dúvida, muito difícil para os vermes da Terra empreenderem. Não há nada mais oposto ao espírito do evangelho, do que supor que Jesus Cristo trará a si mesmo um reino pela espada carnal e pelo arco dos filhos dos homens. O levantamento do tabernáculo de Davi, que caiu, e a criação dos seus lugares deteriorados, Atos 15:16, é feito por visitar o povo com o seu Espírito e a Palavra, versículo 14. É pelo derramamento de seu Espírito em uma aliança de misericórdia, Isaías 59:21. Assim, o Senhor cria um pastor de seu povo, "e ele mesmo os alimentará", diz ele, "meu servo Davi; ele os alimentará, e ele será o seu pastor, e eu o Senhor será seu Deus, e meu servo Davi, um príncipe entre eles.", Ezequiel 34: 23,24. Ele traz o reino de seu Filho, fazendo os filhos de Israel "Depois tornarão os filhos de Israel, e buscarão ao Senhor, seu Deus, e a Davi, seu rei; e com temor chegarão nos últimos dias ao Senhor, e à sua bondade.", Oséias 3: 5. Quem, agora, pode entender os conselhos do Todo-Poderoso? - quem procurou seu peito e pode por meio de cálculos, diga-nos quando ele derramará o seu Espírito para a realização destas coisas. Isto, então, é a última coisa nesta visão, cuja consideração levou o profeta a uma grande perplexidade e angústia de espírito. Há os meios que Daniel usou para reparar naquela condição triste para a qual ele foi trazido pela consideração desta visão: "Ele aproximou-se de um deles que ficou por perto e lhe perguntou a verdade de tudo isso".
Isso também foi feito em visão. A visão continua, ele se aproxima da mesma maneira a um deles, - um desses anjos, ou santos, que estava ministrando diante do trono de Deus, que foi levantado para familiarizá-lo com a mente e vontade de Deus nas coisas representadas para eles. Este, então, é o remédio para o qual se aplica; - ele trabalha para conhecer a mente e a vontade de Deus nas coisas que deveriam ser feitas. Parece que ele era o único meio para acalmar seu espírito aflito e perturbado; e aqui, - IV. Ele lhe dá a conhecer a interpretação das coisas, até agora, pelo menos, podendo aquietar seu espírito quanto à vontade de Deus.
Não que ele seja claramente instruído em cada particular; pois ele diz no final do capítulo, que ele tinha pensamentos incômodos sobre o todo; - "suas cogitações o perturbaram, e o seu semblante mudou", versículo 28; mas tendo recebido a luz que Deus estava disposto a comunicar-lhe, não pergunta mais, mas se dirige ao seu próprio dever.
Pegue, portanto, das palavras assim abertas nessas proposições - Observação I. Na consideração das atualizações maravilhosas de Deus no mundo, para o avanço do evangelho e o interesse do Senhor Jesus Cristo, os corações de seus santos são muitas vezes cheios de perplexidade e problemas.
Eles não sabem qual será o problema, nem às vezes o que fazer.
Daniel recebe uma visão das coisas em que vivemos em parte: e se elas enchem o coração de espanto, é de admirar se elas se aproximam de nós e nos enchem de pensamentos ansiosos e desconcertantes, sobre quem as coisas em si caíram?
Observação II. A única maneira de libertar nossos espíritos sob tais perplexidades e enredos é aproximar-se de Deus em Cristo, por descobrir sua vontade.
Daniel também aqui; ele foi a um daqueles que ministravam perante o Senhor, para conhecer sua vontade. Caso contrário, pensamentos e disposições irão deixá-lo perplexo. Como os homens na lama, enquanto eles arrancam uma perna para fora, a outra afunda ainda mais, - enquanto você se alivia em uma coisa, você será mais prejudicado em outra. Sim, aquele que aumenta a sabedoria, aumenta a tristeza; - quanto maiores forem as visões, maiores serão os seus problemas; até, ser consumado em seus próprios medos e cuidados, e você se torna inútil em sua geração. Aqueles que veem apenas o exterior de seus assuntos dormem com segurança; aqueles que se aproximam, para olhar para os espíritos dos homens, o descanso é retirado deles; e muitos não estão sossegados. A grande cura de todos está em Deus.
Observação III. Quando Deus faz conhecer as interpretações das coisas, ele irá acalmar seus espíritos, em sua caminhada diante dele e atuando com ele.
Isto foi o que levou o espírito de Daniel a um acordo. Como Deus revela sua mente nessas coisas, por que meios, como pode ser conhecido por pessoas individuais, por seu silêncio e assentamento, - como todas as revelações de Deus estão acalmando e tendem a acalmar os espíritos dos homens, - deve ser tratado nesta observação.
Mas eu começo com a primeira observação.
Observação I. Na consideração das atuações maravilhosas de Deus no mundo, para o avanço do evangelho, os corações de seus santos são muitas vezes cheios de perplexidade e problemas.
Quando João recebeu seu livro de visões em referência às grandes coisas que deveriam ser feitas, e as alterações que seriam provocadas, embora fosse doce em sua boca, e ele se alegrou em seu emprego, mas foi amargo em seu ventre, "Apocalipse 10: 9,10. Isso o encheu de perplexidade, como nosso profeta fala, no meio de seu corpo. Ele viu sangue e confusão, conflitos e violência; isso tornou seu ventre muito amargo.
O pobre Jeremias, no mesmo relato, está tão oprimido, que o faz sair de todos os limites da fé e da paciência, para amaldiçoar o dia do nascimento, para se cansar de seu emprego, capítulo 15.
Nosso Salvador, descrevendo tal época, Lucas 21:26, nos diz que "os homens desfalecerão de terror, e pela expectação das coisas que sobrevirão ao mundo; porquanto os poderes do céu serão abalados." Eles estarão pensando o que será deles, e qual será a questão das dispensações de Deus; temendo que todo o quadro das coisas esteja envolvido em escuridão e confusão. Portanto, o nosso Salvador pede aos seus discípulos que não se incomodem quando ouvirem estas coisas, Mateus 24: 6.
Agora, as causas e ocasiões (quais são os motivos do ponto) surgem, - 1. Da grandeza e da espontaneidade das coisas que Deus fará; mesmo grandes e terríveis, que os homens não procuravam, Isaías 64: 2,3. Quando ele vem chamar seu nome sobre as nações, para que seus adversários possam tremer diante de sua presença e fazer coisas terríveis, bem acima e além da expectativa dos homens, que nunca antes as procuraram, - não admira que seus corações se surpreendam com espanto. De repente foi assim com essa nação. Todos os professantes no início destes dias se juntaram sinceramente nessa oração, Isaías 63: 17-19, 64: 1. Deus, em resposta a isso, desce e destrói os céus, e as montanhas fogem da sua presença, de acordo com o desejo de suas almas; no entanto, ele faz coisas terríveis, coisas que não procuramos. Quantas criaturas pobres são transtornadas com espanto, e não sabem como agir com isto! Quando o nosso Salvador Jesus Cristo veio na carne, que tinha sido o desejado de todas as nações por quatro mil anos, e procurado pelos homens daquela geração em que ele veio, ainda assim, fazendo coisas grandiosas e inesperadas na sua vinda, quem era capaz para cumprir isso? Isto, diz Simeão, será a questão disso: "Ele será para a queda e a ascensão de muitos; e os pensamentos de muitos corações serão revelados.", Lucas 2: 34,35. Então, há essa exclamação, em Malaquias 3: 2, "Quem pode permanecer no dia da sua vinda, e quem permanecerá quando aparecer?" Sua chegada é desejada de fato, mas poucos podem suportá-la. Seu dia "queimará como um forno", Mal 4: 1: alguns são superaquecidos por ele, alguns consumidos nele; - abençoados são os que permanecem. Esta é uma das causas da perplexidade dos espíritos dos homens; - a consideração das coisas que são feitas, estando acima e além das suas expectativas; e até mesmo muitos dos santos de Deus são carregados abaixo neste dia. Poucos procuraram o sangue e o banimento dos reis, a mudança de governo, a alteração das nações, tais sacudidas do céu e da terra que se seguiram; não considerando que aquele que faz essas coisas pesa todas as nações na balança, e os governantes delas são como o pó diante dele. 2. Da maneira pela qual Deus fará essas coisas. Muitas circunstâncias perplexas e mortíferas atendem às suas dispensações. Eu apenas tomarei um exemplo, e isto é, escuridão e obscuridade, pelo qual ele mantém as mentes dos homens em incerteza e suspense, para seus próprios fins gloriosos. Assim diz ele, o seu dia e as suas obras serão: "Acontecerá naquele dia, que não haverá calor, nem frio, nem geada; porém será um dia conhecido do Senhor; nem dia nem noite será; mas até na parte da tarde haverá luz.", Zacarias 14: 6,7. Não saberão o que fazer, nem o que julgar. Ele não traz seu trabalho de uma vez, mas gradualmente; e, às vezes, o coloca para trás e leva-o para cima e para baixo, como ele fez ao seu povo antigo no deserto, para que ninguém soubesse onde eles deveriam cair ou se estabelecer; e aquele que acredita não se apressará. Quando Deus está fazendo coisas grandiosas, ele se deleita em envolvê-las nas nuvens; para manter as mentes dos homens em incertezas, para que ele consiga trabalhar tudo o que há neles; e os prove ao máximo, se eles podem viver sobre seus cuidados e sabedoria, quando eles veem seus próprios cuidados e sabedoria não fazendo nenhum bem. Os homens perderiam a certeza; e, comumente, pelos pensamentos e maneiras pelas quais eles pressionam para isso, colocam todas as coisas em mais incerteza do que nunca, e assim promovem o desígnio de Deus, que eles tão cuidadosamente se esforçam para diminuir. Daí é essa descrição da presença do Senhor em suas obras poderosas, Salmo 18: 9,11: "Ele abaixou os céus e desceu; trevas espessas havia debaixo de seus pés. Montou num querubim, e voou; sim, voou sobre as asas do vento. Fez das trevas o seu retiro secreto; o pavilhão que o cercava era a escuridão das águas e as espessas nuvens do céu.” Ele tem fins surpreendentes, de endurecimento e destruição em direção a alguns, os quais devem ser deixados para seus próprios espíritos, e conduzidos em muitas armadilhas e caminhos, para o seu julgamento e para a provação dos outros; o que não poderia ser realizado não vindo nas nuvens, e não tendo escuridão em seu pavilhão e seu lugar secreto. Sobre este relato é aquele grito de homens de espíritos profanos e endurecidos, em Isaías 5:19: "E dizem: Apresse-se Deus, avie a sua obra, para que a vejamos; e aproxime-se e venha o propósito do Santo de Israel, para que o conheçamos." Eles não sabem o que fazer do que veem, - de tudo o que ainda está sendo feito ou realizado. Eles teriam todo o trabalho, para que eles pudessem ver o fim dele, e então saber o que julgar; eles estariam em um ponto com ele, e nem sempre ficaram com essas incertezas desconcertantes. E esta é outra causa do problema dos espíritos dos homens, em consideração às dispensações de Deus. Deus ainda mantém uma nuvem pendurada, e eles não sabem quando cairá, nem o que será feito na questão das coisas. Isso faz com que um pouco cansado de esperá-lo e, com o rei profano de Israel, para clamar, esse mal é do Senhor; não há fim; a confusão será a questão de tudo; - Por que eu devo permanecer por mais tempo? 3. As concupiscências dos homens costumam, tantas vezes, tumultuar, sob tais dispensações, com a perturbação dos espíritos mais equilibrados. Satanás se aproveita para desencadeá-los em uma tal ocasião ao máximo, tanto no plano espiritual quanto no temporal. Qual será a conduta constante de homens de mentes corruptas em tal tempo, nosso Salvador expõe, em Mateus 24: 5. Eles devem vir em nome de Cristo para enganar; e enganarão a muitos, e causarão a multiplicação da iniquidade. Em tal dia Edom aparecerá um inimigo (Obadias 12, 13, Isaías 7: 1) e Efraim com o filho de Remalias unir-se-ão com a Síria para o aborrecimento de Judá: portanto, são perplexidades e espadas que atravessam as próprias almas de homens. Veja por exemplo os próprios dias em que vivemos. Desde o início das contestações nesta nação, quando Deus deu causa a seus espíritos para resolver quais as liberdades, privilégios e direitos desta nação, com os qual você foi incumbido, não deveria, não deveria, por sua ajuda, ser arruinado por suas mãos pela violência, opressão e injustiça;    isso ele também colocou em seus corações, para vindicar e afirmar o evangelho de Jesus Cristo, seus caminhos e suas ordenanças, contra toda oposição, embora você estivesse apenas inquirindo sobre o caminho a Sião, com seus rostos voltados para lá. Deus encoberta secretamente o interesse de Cristo com o seu, envolvendo com você a geração inteira daqueles que procuram o seu rosto e prosperam seus assuntos por esse motivo: de modo que, enquanto as causas de uma justiça tão clara entre os filhos dos homens quanto as suas não venha a nada, mas seu empreendimento foi como o feixe de José no meio das nações, que se levantou quando todos os outros se curvaram no chão. Sendo, então, convencido de que seus assuntos caíram sob suas promessas, e chegaram a uma aceitação diante dele, unicamente por conta de sua subserviência ao interesse de Cristo, Deus colocou em seus corações o desejo de promover a propagação de seu evangelho. O que agora, pelas luxúrias dos homens, é o estado das coisas? Alguns dizem, não há nenhum evangelho; outros dizem, se houver, você não tem nada a ver com isso; - alguns dizem: "Ei, aqui está Cristo"; outros, “Está lá”; - alguns usam a religião para um propósito, outros, para outro; - alguns dizem, o magistrado não deve apoiar o evangelho; outros, o evangelho deve submeter o magistrado; - alguns dizem, sua regra é apenas para homens como homens, você não tem nada a ver com o interesse de Cristo e da igreja; outros dizem, você não tem nada a fazer para governar os homens, mas por conta de ser santos. Agora, aqueles que ponderam essas coisas, seus espíritos estão entristecidos dentro de seus corpos; - as visões de suas cabeças os perturbam. Eles procuraram outras coisas que professavam Cristo; mas o verão terminou, e a safra passou, e não estamos abastecidos. Mais uma vez, Deus havia afirmado seus assuntos, que você era o alvo do mundo anticristão para atirar em você no início, e produzir seu terror no fim: e quando você pensou apenas ter sido perseguido por Seba, filho de Bicri, o homem de sua primeira guerra, eis que um Absalão após o outro empreende a briga contra você; sim, tais como a Escócia e a Holanda, e não há um sábio ou mulher entre eles que possa dissuadi-los. Estranho! que Efraim deveria juntar-se à Síria para vexar Judá, seu irmão, - que a Holanda, cujo ser é fundado apenas sobre o interesse que você empreendeu, deve juntar-se com o grande interesse anticristão, que não pode ser configurado novamente sem uma inevitável ruína. Daí também são os pensamentos profundos de coração; os homens estão perplexos, perturbados e não sabem o que fazer. Posso mencionar outras concupiscências e tumultos dos espíritos dos homens, que influenciam a perturbação dos corações dos mais preciosos nessa nação. 4. Os desejos dos próprios homens perturbam seus espíritos em uma época como esta. Eu poderia oferecer um exemplo em muitos; mas quero nomear apenas quatro: - (1.) Insatisfação da mente, (2). Medos carnais; (3.) Amor ao mundo; (4.) Desejo de preeminência. (1.) Insatisfação mental, que faz com que os homens gostem das ondas do mar, que não podem descansar. A Escritura chama isso de "tumulto" de espírito. Há algo daquilo de que Judas fala, em melhores pessoas do que aquelas de quem ele descreve, - "furioso como as ondas do mar e espumam sua própria vergonha", versículo 13. Se Deus der aos homens um espírito inquieto, sem que haja condições imagináveis que possam aquietá-lo; ainda assim eles pensam que veem algo além disso, que é desejável. Hannibal disse de Marcellus, que nunca poderia ficar sossegado, - vencendo ou sendo vencido. Os desejos de alguns homens são tão amplos, que nada pode saciá-los. Homens sábios, que contemplando diversas pessoas piedosas nesta nação, e como todo jugo do opressor é quebrado de seus pescoços, para que nenhum homem tenha medo deles, que sejam vistos como a cabeça, e não como a cauda, desfrutando as ordenanças de Deus de acordo com a luz de suas mentes e desejos de seus corações, e nenhum homem que os impeça, - estão dispostos a admirar (falo de pessoas privadas) o que podem encontrar para fazer em seus diversos lugares e chamados, mas para servir ao Senhor em justiça e santidade, sem medo, todos os dias de suas vidas.


Mas, infelizmente! Quando as pobres criaturas são entregues ao poder de uma mente insegura, eles acham escassa qualquer coisa vil, e ser sábio para a sobriedade, - nada desejável, senão o que está sem seus limites próprios e o que leva a essa confusão que eles mesmos, na questão, são menos capazes entre muitos a se submeterem. Assim os corações dos homens devem ser perfurados com inquietação e problemas, nos que são dados a este quadro. (2.) Medos carnais. - Estes também devoram os corações dos homens. O que devemos fazer? o que será de nós? Efraim está confederado com a Síria, e os corações dos homens são abalados como as árvores da madeira que se move com o vento. O que! Novos problemas ainda! Novos desajustes! Essa tempestade não será evitada; isso será pior do que tudo o que nos aconteceu na juventude de nossos empreendimentos. Deus ainda não conquistou os espíritos dos homens para confiar nele em sacudidas, perplexidades, alterações; eles não se lembram das manifestações de sua sabedoria, poder e bondade nos dias anteriores, e quão amável até agora tem sido do interesse de Cristo, para que seus corações possam ser estabelecidos. Podemos fazer o nosso dever e confiar no Senhor com a realização de suas promessas, que quietude, que doçura poderemos ter! Não devo mostrar os outros dois detalhes. É muito manifesto que muitos dos nossos pensamentos penetrantes e perplexos são causados pelo tumulto e desordem de nossos desejos. De modo que, o que resta do tempo que me foi atribuído, só devo gastar no uso deste ponto e não avançar. De instrução, dirigi-lo em caminhos e meios de quietude, em referência a todas essas causas e ocasiões aflitivas, dividindo pensamentos em uma época esta. O bom Senhor sele as instruções para suas almas, para que você conheça as coisas que pertencem à sua paz e o que Israel deve fazer nesse momento. Pelo amor de meus irmãos e companheiros, desejo-lhe prosperidade. Embora a minha parte seja no pó, para o interesse verdadeiro, espiritual, não imaginário e carnal da igreja de Deus nesta nação, e sobre as nações, desejo-lhe prosperidade. (1) Primeiro, então, em referência às coisas que Deus está fazendo, tanto quanto à sua grandeza e sua maneira de fazer; cuja consideração preenche os homens com pensamentos que afligem seus espíritos no meio de seus corpos. Vocês teriam seus corações acalentados a este respeito? - pegue minha segunda observação para sua direção; - A única maneira de libertar e livrar nossos espíritos sob tais perplexidades e enredos é aproximar-se de Deus em Cristo pela descoberta de sua vontade. Como Daniel também aqui no meu texto. Temo que isso seja negligenciado demais. Você toma conselho com seu próprio coração, vocês se aconselham mutuamente, - escutam dos homens sobre a sabedoria; e se tudo isso não aumenta o seu problema, todavia você faz, senão mais e mais enredar e perturbar seu próprio espírito. Deus está de pé e diz: "Eu também sou sábio", e pouco aviso é tirado dele. Nós pensamos que somos crescidos em nós mesmos, e não lembramos que nunca prosperamos, senão apenas quando fomos a Deus e dissemos claramente que não sabíamos o que fazer. O jejum público é negligenciado, desprezado, falado contra; e, quando designados, praticados de acordo com os corações dos homens, são princípios de tal dever, - frieza, mortal e inaceitável. Vida e fervor desapareceu; e todos não devem seguir nisto? O Senhor o impeça! Reuniões privadas são usadas para mostrar-nos sábios no debate das coisas, com uma forma de palavras piedosas; às vezes por conflitos, tumulto, divisão, desordem. E devemos pensar que há muitos perguntando a Deus, quando todas as outras atuações desse princípio que devem levar a cabo serão contrariadas e desprezadas?
Quando às vezes esperamos Deus, muitos não parecem pedir mal, para gastar em suas concupiscências? - não esperando por ele pobre, com fome, vazio, para conhecer sua vontade, para receber a direção dele; mas sim voltado, resolvido em pensamentos, talvez preconceitos, nossos próprios, - quase assumindo a prescrição ao Todo-Poderoso e impondo nossos pensamentos pobres, baixos e carnais sobre sua sabedoria e cuidado de sua igreja? Oh, onde está aquele santuário e aquele quadro humilde com que, no início, seguimos nosso Deus no deserto, onde fomos alimentados e vestidos, preservados e protegidos por tantos anos?
Daí é que as obras de Deus se tornaram estranhas, terríveis e escuras para nós; e, necessariamente, alguns de nós, muitos de nós, devemos calar a boca com decepção e tristeza. Enchemos as nossas almas corajosamente, com confiança, com apreensões e contrárias às pretensões de Deus e dos meios pelos quais cumprirá os seus fins; e não consideramos que este não seja um quadro de homens de acordo com a luz de suas mentes e desejos de seus corações, sem nenhum homem que os impeça, - estão dispostos a admirar (falo de pessoas privadas) o que podem encontrar para fazer em seus diversos lugares e chamados, mas para servir ao Senhor em justiça e santidade, sem medo, todos os dias de suas vidas.
Também não falo uma palavra sobre o que é, pode ou não ser incumbente a você em relação aos opositores mais profícuos das verdades do evangelho, mas apenas isso, que, não sendo como aqueles que estão sempre aprendendo, e nunca chegando ao conhecimento da verdade, mas sendo plenamente persuadido em suas próprias mentes, certamente é incumbente que você tome cuidado para que a fé que você recebeu, que uma vez foi entregue aos santos, em todas as condições necessárias disso, possa ser protegida, preservada, propagada para e entre as pessoas que Deus tem definido. Se um pai, como pai, é obrigado a fazer o que responda a isso em sua família, aos seus filhos; um mestre, como mestre, aos seus servos; se vocês se justificarem como pais ou governantes do seu país, encontrarão em sua conta que isso lhes incumbe. Tenha atenção sobre aqueles que temperariam argila e ferro, coisas que não se misturariam, - isso combinaria as coisas carnais e mundanas com as coisas celestiais e espirituais, para que elas não envolvessem seus espíritos. O grande desígnio de agarrar o poder temporal sobre um relato espiritual, será, finalmente, o maior emblema do anticristo. Até então Deus apareceu contra ele; e, sem dúvida, até o fim. Se você quer, pela autoridade que Deus lhe deu no mundo, tomar sobre você a incumbência de governar a casa de Deus, tão formalmente, como a sua casa, embora você governe as pessoas pelas quais é constituída; ou aqueles que são, ou pretendem ser, daquela casa, para governar o mundo por essa conta, - o seu dia e o deles estarão próximos. Agora, porque você espera em Deus por direção em referência à propagação do evangelho , e impedindo o que é contrário à sã doutrina e piedade, eu devo, - [1.] Mostrar-lhe muito brevemente o que Deus prometeu sobre os magistrados para este fim; [2.] Dar-lhe alguns princípios sobre os quais você pode descansar em suas atuações; e, [3.] Colocar algumas regras para a sua direção: e, então, chegar ao fim. [1.] Tome, em primeiro lugar, o que Deus prometeu sobre magistrados, reis, governantes, juízes e nações, e sua subserviência à igreja. O que Deus prometeu que fará, que é seu dever fazer; ele não mediu uma herança para o seu povo dos pecados de outros homens. Deixe-nos ver um pouco algumas dessas promessas e, em seguida, considerar sua aplicação para a verdade que temos em mãos, e o que nos é esclarecido. Há muitos; devo instar no mais óbvio e eminente. "e te restituirei os teus juízes, como eram dantes, e os teus conselheiros, como no princípio", Isaías 1:26. É para a Sião, redimida, purgada, lavada no sangue de Cristo, que esta promessa é feita. Isaías 49: 7 "Os reis verão e se levantarão, e os príncipes se curvarão". Os judeus, sendo na maior parte deles, rejeitados na vinda de Cristo, esta promessa é feita àqueles em seu derramamento do Espírito Santo para a entrada dos gentios; como se vê nos versos 22,23, "Assim diz o Senhor Deus: Eis que levantarei a minha mão para as nações, e ante os povos arvorarei a minha bandeira; então eles trarão os teus filhos nos braços, e as tuas filhas serão levadas sobre os ombros. Reis serão os teus aios, e as suas rainhas as tuas amas; diante de ti se inclinarão com o rosto em terra e lamberão o pó dos teus pés; e saberás que eu sou o Senhor, e que os que por mim esperam não serão confundidos." Isaías 60 parece totalmente assim. Gosto da natureza e da intenção do todo: " E nações caminharão para a tua luz, e reis para o resplendor da tua aurora. Levanta em redor os teus olhos, e veja; todos estes se ajuntam, e vêm ter contigo; teus filhos vêm de longe, e tuas filhas se criarão a teu lado. Então o verás, e estarás radiante, e o teu coração estremecerá e se alegrará; porque a abundância do mar se tornará a ti, e as riquezas das nações a ti virão. A multidão de camelos te cobrirá, os dromedários de Midiã e Efá; todos os de Sabá, virão; trarão ouro e incenso, e publicarão os louvores do Senhor. Todos os rebanhos de Quedar se congregarão em ti, os carneiros de Nebaoite te servirão; com aceitação subirão ao meu altar, e eu glorificarei a casa da minha glória. Quem são estes que vêm voando como nuvens e como pombas para as suas janelas? Certamente as ilhas me aguardarão, e vêm primeiro os navios de Társis, para trazerem teus filhos de longe, e com eles a sua prata e o seu ouro, para o nome do Senhor teu Deus, e para o Santo de Israel, porquanto ele te glorificou. E estrangeiros edificarão os teus muros, e os seus reis te servirão; porque na minha ira te feri, mas na minha benignidade tive misericórdia de ti. As tuas portas estarão abertas de contínuo; nem de dia nem de noite se fecharão; para que te sejam trazidas as riquezas das nações, e conduzidos com elas os seus reis. Porque a nação e o reino que não te servirem perecerão; sim, essas nações serão de todo assoladas. A glória do Líbano virá a ti; a faia, o olmeiro, e o buxo conjuntamente, para ornarem o lugar do meu santuário; e farei glorioso o lugar em que assentam os meus pés. Também virão a ti, inclinando-se, os filhos dos que te oprimiram; e prostrar-se-ão junto às plantas dos teus pés todos os que te desprezaram; e chamar-te-ão a cidade do Senhor, a Sião do Santo de Israel. Ao invés de seres abandonada e odiada como eras, de sorte que ninguém por ti passava, far-te-ei uma excelência perpétua, uma alegria de geração em geração. E mamarás o leite das nações, e te alimentarás ao peito dos reis; assim saberás que eu sou o Senhor, o teu Salvador, e o teu Redentor, o Poderoso de Jacó. Por bronze trarei ouro, por ferro trarei prata, por madeira bronze, e por pedras ferro; farei pacíficos os teus oficiais e justos os teus exatores.", versos 3-17. Ao que acrescenta a realização de todas as promessas mencionadas, Apocalipse 11:15, 21: 24. Veja aqui promessas gloriosas, na expressão literal, olhando diretamente para o que afirmamos quanto à subserviência dos governantes ao evangelho e ao dever de magistrados no apoio ao interesse da igreja. Deixe-nos, em relação a eles, observar estas três coisas; como, - 1º, a quem são feitas; 2º, em que ocasião são dadas; 3º, qual é o assunto delas em geral. 1º Então, todas são entregues e feitas à igreja de Cristo depois da sua chegada na carne, e ao pôr fim a todas as instituições cerimoniais, típicas e carnais. Para, - (1º.) São todos os caminhos atendidos com as circunstâncias de chamar os gentios, e eles fluem para a igreja; o que não foi realizado até depois da destruição da igreja judaica. Então é o caso daquilo que você tem, em Isaías 49:20: "Os filhos de que foste privada ainda dirão aos teus ouvidos: Muito estreito é para mim este lugar; dá-me espaço em que eu habite." Será quando a igreja deve ter recebido os novos filhos dos gentios, tendo perdido os outros dos judeus; que ele expressa mais amplamente no verso 22: "Assim diz o Senhor Deus: Eis que levantarei a minha mão para as nações, e ante os povos arvorarei a minha bandeira; então eles trarão os teus filhos nos braços, e as tuas filhas serão levadas sobre os ombros." Então também quanto ao restante. Quando Deus dá às nações a herança de Cristo, o Espírito Santo adverte governantes e juízes para beijarem o Filho e pagarem homenagem a ele no seu reino, Salmos 2: 10,11. (2º.) Porque essas promessas são apontadas para a Igreja cristã naquele lugar de Apocalipse antes mencionado: "E tocou o sétimo anjo a sua trombeta, e houve no céu grandes vozes, que diziam: O reino do mundo passou a ser de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos.", capítulo 11:15. " As nações andarão à sua luz; e os reis da terra trarão para ela a sua glória.", cap. 21: 24. Assim, há claramente promessas de reis e príncipes, juízes e governantes, a serem entregues à igreja e a serem úteis para isso; e reinos e nações, pessoas em suas regras e governos, sejam fundamentais no seu bem: para que essas promessas pertençam diretamente a nós e aos nossos governantes, se sob qualquer noção pertencemos à Igreja de Cristo. 2. Por ocasião dessas promessas; - é bem conhecido que uma confiança, pela própria nomeação de Deus, foi investida nos governantes, juízes, reis e magistrados, do estado judicial e da igreja sob o Antigo Testamento, em referência aos caminhos e culto de Deus, a acusação e a execução das leis de Deus a respeito de sua casa e serviço se comprometeram com eles. Além disso, quando eles atuaram fielmente, - promovendo a adoração de Deus de acordo com suas instituições, - encorajando, apoiando, dirigindo, reprovando outros, a quem a administração imediata e peculiar das coisas sagradas foi cometida, - destruindo, removendo o que fosse uma abominação ao Senhor, - foi bom para todo o povo e a igreja; eles floresceram em paz, e o Senhor se deleitou com eles, e alegrou-se por agirem bem. E, do outro lado, sua negligência no cumprimento de seu dever era comumente acompanhada com a apostasia da igreja, e grandes demonstrações da indignação do Senhor. Isso a igreja encontrou naqueles dias, e lamentou. Para sustentar, portanto, o estado feliz de seu povo que ele traria, ele prometeu-lhes tais governantes e juízes, como ele lhes deu no princípio, que cumpriram fielmente o que foi confiado a eles. Isto, então, sendo a ocasião dessas promessas, e a sua realização, como antes, de uma maneira peculiar apontada para a chamada e a nova moldagem dos reinos e nações do mundo que tinham dado o seu poder à besta e, em seguida, enquadraram-se de novo em uma subserviência devida ao interesse de Cristo, não há a menor sombra para desprezar e rejeitar a doçura de todas essas promessas, em virtude de serem meramente metafóricas e terem suas glórias espirituais sombreadas: - nem o seu começo nem o fim, nem o seu surgimento nem a queda, suportarão qualquer interpretação superficial ou corrompida. 3. Quanto à questão dessas promessas, só vou afirmar isso em geral, - que o Senhor se compromete com que os juízes, os governantes, os magistrados e outros semelhantes, apresentem o seu poder e se apliquem claramente ao bem, ao bem-estar e à prosperidade da Igreja. Isso é claramente oferecido em cada um deles. Então, os reinos são ditos para servir a igreja; isto é, todos os reinos. Eles devem fazê-lo, ou ser quebrados em pedaços, e deixarem de ser reinos. E como pode um reino, como um reino (pois é tomado formalmente, e não materialmente, apenas para os indivíduos dele, como aparece pela ameaça de serem quebrados em pedaços), senão ao que se refere ao seu poder e força em seu nome, Isaías 60:12. E, portanto, após a realização dessa promessa, deles é dito serem os reinos do Senhor Jesus Cristo, Apocalipse 11:15, porque, como reinos, servem-no com seu poder e autoridade. Eles devem cuidar da igreja, não com seios secos, nem alimentá-la com pedras e escorpiões, mas com as coisas boas que lhes são confiadas. Seu poder e substância, em proteção, ação e apoio, devem ser envolvidos em seu nome: daí Deus diz que dá estes juízes, governantes, príncipes, reis, rainhas à igreja; não estabelecendo-os na igreja, como seus oficiais, mas ordenando seu estado no mundo (Apocalipse 11:15) em seu favor. Em suma, não há nenhuma das promessas recitadas, que não mantenham o máximo do que eu pretendo afirmar de todos eles; a saber, que o Senhor prometeu que os magistrados a quem ele der, possuir e abençoar, apresentarão o seu poder, e agirão a esse respeito, em que os colocou no mundo, para o bem, o adiantamento e a prosperidade da verdade e da igreja de Cristo. Eles devem protegê-los com o seu poder, alimentá-los com sua substância, adorná-los com seu favor e os privilégios com que são confiados; eles devem quebrar seus adversários e opressores, e cuidar para que aqueles que caminham na verdade do Senhor tenham uma vida pacífica, com toda piedade e honestidade. Se, então, você é magistrado como Deus prometeu (como ai de você se não for!) Sabe que o ele empreendeu por você, para que realize esta parte do seu dever; e oro para que você possa governar com ele nisto e ser encontrado fiel. [2] O segundo fundamento que eu gostaria de apontar, como um fundo de seus atos nesta coisa, surge de diversos princípios indubitáveis, que eu mencionarei brevemente. E o primeiro é, - 1º. Que o evangelho de Jesus Cristo tenha o direito de ser pregado e propagado em todas as nações e a toda criatura debaixo do céu. Jesus Cristo é o "Senhor dos senhores e o Rei dos reis", Apocalipse 17:14. As nações são dadas para serem sua herança, e as partes mais importantes da terra para ser sua possessão, Salmos 2: 8,9. Ele é nomeado "herdeiro de todas as coisas", Hebreus 1: 2. Deus o colocou sobre as obras de suas mãos, e colocou todas as coisas sob seus pés, Salmos 8: 6. E, sobre este relato, dá comissão aos seus mensageiros para pregarem o evangelho a todas as nações, Mateus 28:19, ou a toda criatura debaixo do céu, Marcos 16:15. As nações do mundo sendo do Pai entregues a ele, ele pode lidar com elas como lhe agrada, e açoitá-las com uma vara de ferro, e quebrá-los em pedaços como vaso de oleiro, Salmos 2: 9, - ele pode encher os lugares da terra com os cadáveres, e fazer em pedaços as cabeças dos países, Salmos 110: 6, ou ele os torna próprios e os submete a si mesmo; - que para alguns deles ele irá efetuar, Apocalipse 11:15. Agora, o evangelho sendo a vara de seu poder e o cetro de seu reino, o grande instrumento pelo qual ele cumpre todos os seus projetos no mundo, seja por vida ou por morte, 2 Coríntios 2:16, - ele deu que um direito de tomar posse, em seu nome e autoridade, de tudo o que ele possuirá em qualquer país sob o céu. E, de fato, ele tem em todos eles alguns que são suas compras peculiares, Apocalipse 5: 9; a quem, apesar de todo o mundo, ele trará a si mesmo. Ter passagem livre em todas as nações é o direito indiscutível do evangelho; e as pessoas de Cristo terão tal direito e interesse nela, que, olhem, de quem quer que reivindiquem proteção em referência a qualquer outra das suas preocupações mais indubitáveis entre os homens, deles podem reivindicar proteção em respeito do prazer e da possessão do evangelho. 2º. Que, sempre que o evangelho seja de propriedade de qualquer país, recebido e abraçado, é a benção, benefício, prosperidade e vantagem dessa nação. Os que amam Sião devem prosperar, Salmo 122: 6. A piedade tem a promessa desta vida, e é proveitosa para todas as coisas, 1 Timóteo 4: 8. A recepção da palavra da verdade e a sujeição a Cristo nela, fazendo com que um povo se torne disposto no dia do seu poder, dá direito a essas pessoas a todas as promessas que Deus fez à sua igreja. Eles serão estabelecidos em justiça; eles estarão longe da opressão; e medo e terror, não se aproximarão deles; todo aquele que se opuser a tal povo, cairá por causa dele. Nenhuma arma forjada contra eles prosperará; toda língua que se levante contra eles em juízo, eles devem condenar. Porque esta é a herança dos servos do Senhor, Isaías 54: 14,15,17. Para a prosperidade de uma nação, são necessárias duas coisas: (1 °). Que sejam libertados da opressão, da injustiça, da crueldade, da desordem, confusão, em si mesmos, da parte de seus governantes ou de outros; (2.) Que sejam protegidos da espada e da violência daqueles que buscam a sua ruína de fora. (1º.) Para o primeiro, eles têm a promessa de Deus de que eles terão "juízes como no princípio", Isaías 1:26, - tais injustiças e julgamentos terão domínio sobre eles e entre eles, como os primeiros juízes que ele levantou e deu ao seu povo antigo; os seus oficiais serão a paz, e a justiça dos justos, Isaías 60:17. Mesmo o próprio evangelho que eles recebem só é capaz de instruí-los a serem justos, governando no temor do Senhor; para que somente efetivamente ensine os filhos dos homens a viverem com justiça, sobriedade e piedosamente neste mundo presente, Tito 2:12. (2º.) E para o segundo, inúmeras são as promessas que são dadas a tal povo; de onde conclui o salmista, considerando a misericórdia que eles praticam e gozam, "Feliz é o povo cujo Deus é o SENHOR", Salmo 144: 15. O glorioso Senhor será para eles um lugar de rios e águas largas, no qual nenhuma galera com remos, nem navio galante passará; o SENHOR será seu redentor, legislador, rei e salvador, Isaías 33:21. Isso interessará a qualquer pessoa em todas as promessas que sejam feitas para o uso da igreja para derrubar, quebrar, destruir, queimar, consumir e matar os inimigos; - Até agora um povo deve sofrer sob as mãos de opressores, para que o Senhor os use para a quebra e destruição dos Ninrodes da terra; e essa benção das nações eles recebem pela fé de Abraão. 3º. A rejeição do evangelho por qualquer povo ou nação a quem é oferecido é sempre acompanhada da destruição certa e inevitável desse povo ou nação; que logo ou mais tarde, sem qualquer ajuda ou libertação, será trazido sobre eles pela mão de vingança de Cristo. Quando a palavra de graça foi rejeitada e desprezada pelos judeus, os mensageiros dele professadamente se voltaram para os gentios, Atos 13 : 46, 28:28, - Deus removeu-os deles, para uma nação que produzisse fruto, Mateus 21:43, como aconteceu em todo o mundo, ou entre todas as nações, por uma temporada, Colossenses 1: 6, - com que terrível e tremenda desolação ele rapidamente desperdiçou essas pessoas, é conhecido de todos; - Ele rapidamente matou e destruiu aqueles latifundiários que arruinaram sua vinha, e deixa isso para outros, que podem trazer o seu fruto no devido período. Por isso, quando Cristo é oferecido no evangelho, os juízes e governantes das nações são exortados a obedecerem a ele, sob pena de serem destruídos por sua recusa, Salmo 2:12. E temos a experiência de todas as gerações, desde o dia em que o evangelho começou a ser propagado no mundo. A discussão disso foi vingada pelos judeus pelos romanos, - sobre os romanos pelos godos, vândalos e inúmeras nações bárbaras; e a vingança devida ao mundo anticristão está à mão, mesmo à porta. O Senhor certamente cumprirá sua promessa ao máximo, para que o reino e as nações que não servem a igreja, mesmo aquele reino e essas nações devam perecer completamente, Isaías 60:12. 4º. Que é dever dos magistrados buscarem o bem, a paz e a prosperidade das pessoas comprometidas com a sua carga, e tirar tudo o que lhe causará confusão, destruição e desolação; como Mordecai adquiriu coisas boas para o seu povo e

Publicado no site: O Melhor da Web em 13/02/2018
Código do Texto: 136529
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.