Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto


Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
O Deus de Santidade
13/02/2018
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
O Deus de Santidade


Por Octavius Winslow (1808-1878)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

"Pois só tu és santo." (Apocalipse 15: 4)

Nenhuma perfeição de "nosso Deus", até agora considerada, apresenta-Lhe à nossa visão, assim como a si mesmo como a perfeição da santidade. Não podemos formar uma ideia apropriada de Deus além disso. Mesmo a mente não renovada é consciente de que tem que lidar com Deus que não pode ser conivente com o pecado. É verdade, suas concepções devem ser obscuras, suas visões são defeituosas; pois, qual a noção adequada da santidade divina pode formar um ser pecaminoso? Suas opiniões devem ser necessariamente exatamente o que são as de um camponês não culto quanto ao que seja o sol, observado através de um meio distorcido. Na mente desse camponês haveria a convicção de que há um sol; mas a concepção mental da natureza e do esplendor do astro seria obscura e defeituosa.
Existe na consciência humana a convicção de que Deus é um Deus de santidade - porque a consciência, deixada à sua tendência natural, está sempre no interesse da verdade e da justiça e, como o vice-regente da alma, sussurra fielmente na mente o que é certo e o que é errado. Mas as visões mais elevadas e claras da santidade divina apreciada pela mente não renovada, em consequência do pecado e da escuridão da mente, são infinitamente curtas do que Deus é como o Deus da santidade.
Tal é a perfeição divina a que agora dobramos a nossa devota contemplação. Somos profundamente sensíveis à grandeza e solenidade de nosso tema. O terreno em que nos encontramos é, de fato, muito santo, e precisamos tirar os sapatos de nossos pés, pois "Quem pode estar diante deste santo Senhor Deus?" Somente enquanto observamos o sangue expiatório, podemos observar por um instante o brilho insuportável do Deus da santidade. Só podemos lidar com a pureza divina enquanto lidamos com o Divino Salvador. A Grande Expiação deve encontrar-se entre nós e o Sol Divino de pureza infinita, ou a refulgência de seus feixes dominaria e a santidade de sua glória nos consumiria. Deixe-nos, parados sob a sombra da cruz de Jesus, meditar sobre este tema elevado; e, portanto, com o nosso olho de fé posto sobre o sangue, que limpa de todo pecado, podemos passar dentro do véu, e apesar de pecadores, tenhamos uma doce comunhão com aquele que "somente ele é santo".
A passagem sobre a qual o assunto atual se baseia sugere o primeiro pensamento que oferecemos - isto é, a SANTIDADE ESSENCIAL de Deus. Deus é essencialmente santo. Este deve ser o significado das palavras notáveis dirigidas a Ele no hino dos santos glorificados: "somente tu és santo", não é meramente como outros são santos, mas como positivamente e essencialmente santo, em comparação com quem ninguém é santo. "Somente tu és santo". "Somente tu és divinamente santo, somente tu és santo, da necessidade da tua natureza, somente tu és infinitamente, absolutamente santo". Tal é a nota-chave, e a substância da canção triunfante de Moisés e do Cordeiro.
Como não há ninguém bom senão Deus, então não há ninguém santo senão Deus. Suas criaturas são derivativamente santas; ele é santo de si mesmo - absolutamente, de forma independente, santo. "Ninguém é santo como o Senhor! Não há ninguém além de ti, não há rocha como o nosso Deus.", 1 Samuel 2: 2. Em comparação com Deus, nenhum deles é santo, então é essencialmente puro e imaculado. Os céus não são limpos à sua vista, e ele carrega seus anjos com insensatez. Estas são palavras notáveis! Assim como as estrelas pálidas diante do sol, a santidade da criatura se torna escassa e é eclipsada pela santidade divina e essencial de Deus. Em comparação com a Sua santidade, as criaturas e coisas mais santas não são limpas à sua vista.
Diz-se de Deus que: "somente Ele tem imortalidade". Todos os seres morais criados são imortais, mas Deus é absolutamente assim. Ele apenas tem a imortalidade como uma perfeição essencial de Sua natureza. Todos os outros derivam de Sua imortalidade; dele mesmo. Que grande e glorioso ser, então, é Deus! Ele é "glorioso em santidade". Ele não podia possuir nenhuma glória se ele estivesse destituído de santidade perfeita. Divino em Sua natureza, dotado de infinitas perfeições e possuindo recursos vastos e ilimitados como infinitos, imagine o que seria se ele fosse todo poderoso para o mal, quão poderoso seria para a destruição - não estivesse toda a perfeição de Sua natureza impregnada e debaixo do controle da santidade infinita e perfeita!
Medimos a extensão da capacidade de uma criatura caída para o bem ou para o mal pela quantidade de seus recursos intelectuais e morais. Em proporção à sua capacidade de controlar as mentes, moldar as opiniões e influenciar as ações dos outros, consideramos a extensão do mal ou do bem que ele é capaz de realizar. Imagine, então, medido por esta regra, qual seria o ser de Deus se Ele estivesse destituído da santidade perfeita enquanto ainda estivesse dotado com poder infinito! É o intelecto caído de Satanás que lhe dá o poder quase onipotente e o alcance ilimitado que ele possui. Todas as perfeições de Deus o armariam com tremendas forças para o mal, limitadas e restringidas apenas pelo universo que ele formou e as criaturas que ele criou, e Ele não seria um ser infinito em santidade, impecável em pureza. Comparado com o dele, o intelecto de Satanás seria um anão, sua sabedoria idiota, sua força de um bebê. Mas não precisamos tentar imaginar o que Deus seria destituído de infinita pureza; em vez disso, pensemos em um ser que ele é "glorioso em santidade". Quem viu algo da beleza e sentiu alguma coisa do poder, e provou qualquer coisa da felicidade da santidade, por um momento apreciaria o desejo de que Deus fosse menos santo do que Ele é? Em vez disso, não é o desejo intenso e a oração fervorosa e a luta ardente da alma renovada serem santos, pois Deus é santo? Somos sinceros, conscientes de inúmeras fraquezas, fracassos e retrocessos, e não é a nossa maior felicidade se comunicar e, até certo ponto, ser assimilada com a impecável pureza de Deus? Quando somos tão felizes quanto ao aspirar pela pureza divina, para vencer o pecado, "entregar nossos membros como servos da justiça", e "aperfeiçoar a santidade no temor de Deus"? Nem por milhares de mundos, nós desejaríamos ser menos santos. Quanto mais profundas nossas visões sobre Sua santidade crescem, mais profundo cresce nosso amor. Nós amamos a verdade, porque está do lado da santidade; amamos os santos, porque são o reflexo da santidade; amamos a disciplina do nosso Pai celestial, porque nos faz participantes da sua santidade; quanto mais intenso, então, for nosso afeto por Deus, como a santidade de Seu ser, a pureza de Seu caráter, revela nosso olhar admirador! Uma pergunta, muitas vezes feita, pode surgir na mente do leitor. Se Deus é essencialmente santo, e poderia ter impedido o pecado, por que, então, ele o permitiu? A entrada do pecado no mundo é um daqueles problemas misteriosos em sua história maravilhosa, cuja solução nos espera no mundo vindouro. O breve espaço no presente ao nosso comando, só nos permitirá atender a esta pergunta por uma única e simples resposta. O pecado entrou no mundo, não pela aprovação de Deus, mas por Sua vontade permissiva. Ele não estava obrigado nem a impedir a sua origem nem a impedir o seu advento. Onde existe uma obrigação, deixar de agir quando essa ação preveniria um crime seria incontestável para o pecado. Um indivíduo que recebeu de outro a confissão de que estava prestes a cometer um crime mortal e, no entanto, sob o segredo de sigilo professo, não toma medidas para impedir a sua comissão, é apenas uma remoção da culpa real do próprio crime; o corretivo do assassinato é bem tão próximo quanto o autor da ação. Ele tem a obrigação moral de divulgar o crime pretendido e denunciar o criminoso. Ele está vinculado pelo laço de uma humanidade comum, igualmente pela lei de uma caridade comum, para evitar a ação e salvar a vítima. Mas Deus está em uma relação totalmente diferente com Suas criaturas. Ele não tinha nenhuma obrigação de impedir a entrada do pecado no mundo. Se Ele tivesse, para quem? E qual era a natureza da obrigação? Deixe a resposta especulativa. Para ele, devemos deixar a solução do problema da introdução do pecado, satisfeito com a única conclusão racional em que a Bíblia garante a nossa chegada, que Deus o permitiu para a sua própria glória. Não deixe sua mente, meu leitor, ficar perplexa com o que deve ser considerado - sem insinuar nada de um caráter cético para aqueles que levantam essas questões - senão como discussões especulativas. "Há coisas secretas que pertencem ao Senhor nosso Deus, mas as coisas reveladas pertencem a nós e aos nossos descendentes para sempre, para que possamos obedecer essas palavras da lei". Fiquemos satisfeitos com e profundamente gratos pela clareza com que Deus nos revelou o caminho pelo qual, como pecadores, podemos ser salvos. Que Jesus Cristo morreu pelos ímpios, e pelo amor que Ele mostrou, e a missão que Ele empreendeu, e a obra que Ele terminou, e o convite que Ele emitiu, prometendo não expulsar ninguém que acredite nele, salvando ao máximo, e sem uma obra própria, todos os que vêm a Deus por ele. Deixe isso também ser uma questão de alegria e ação de graças para nós, que o evento mais terrível que a história deste universo registra - a queda do homem - tem, através da infinita sabedoria, bondade e poder, resultado em tal manifestação da glória de Deus, e em uma benção tão grande e infinita para o homem, como não poderia ter sido o caso mesmo se o pecado nunca tivesse entrado no mundo. Seguros disto, vejamos tudo o que é obscuro e misterioso e especulativo na história do mundo e na revelação e governo de Deus até aquele dia em que saberemos, quando o mistério de Deus estiver concluído, e Deus for tudo em todos. Deus também é DECLARATIVAMENTE SANTO - Sua palavra é uma revelação de Sua santidade. Ele é chamado de "o Santo"; "O Santo de Israel, cujo nome é Santo"; "Tu és de olhos tão puros que não pode ver o mal e encarar a iniquidade"; "Santo, santo, santo é o Senhor dos exércitos"; "Os quatro seres vivos não descansam dia e noite, dizendo: Santo, santo, santo, Senhor Deus Todo-Poderoso." Deus escolhe esta perfeição de Sua natureza para jurar: "Uma vez que jurei com a minha santidade que não vou mentir para Davi", "O Senhor jurará pela santidade". Os santos são chamados a louvarem a Sua santidade: "Cantai ao Senhor, ó santos dele, e dai graças pela lembrança da sua santidade". Precisamos multiplicar estas declarações das Escrituras da santidade de Deus? Podemos aumentar as provas, mas dificilmente podemos fortalecer o fato revelado que Deus é santo. E, no entanto, nestes dias de baixas visões de Inspiração, de princípios frouxos sobre a verdade da Bíblia, devemos ser zelosos de cada palavra desse volume sagrado, sobretudo quando se trata da coroa de Jeová - Sua santidade essencial e perfeita. Cuidado, meu leitor, quanto a ter dúvidas sobre a veracidade divina ou a representação correta de qualquer parte da Palavra de Deus. O julgamento humano mais profundo é, afinal, falível, e a aprendizagem humana é muitas vezes contraditória. O caminho mais seguro é aceitar a Bíblia como está, e não permita que sua confiança em sua integridade Divina seja perturbada por esta representação ou por isso, por um manuscrito ou por outro; mas para manter firme a declaração memorável e preciosa do Salvador - uma declaração que pode ser afrontada sem medo em face de todas as dúvidas lançadas sobre a Inspiração Divina das Escrituras - "Sua Palavra é Verdade". Deus é JUDICIALMENTE SANTO. Seus julgamentos são manifestações de Sua santidade - Sua santidade em terrível exercício. "O Senhor é conhecido pelos julgamentos que Ele executa.” Qual foi o dilúvio que destruiu os antediluvianos - o fogo que consumiu Sodoma e Gomorra - os exércitos que sitiaram Jerusalém, e a colocaram no chão, são as terríveis exposições da santidade de Deus, manifestações solenes de Seu ódio e punição do pecado. Nesta luz, devemos sempre ler e interpretar os juízos divinos que acontecem com um mundo ímpio, seja em seu caráter natural, social ou individual. No entanto, cego pelo pecado e pela ignorância, os homens deste mundo não veem este fato solene. Nunca se levantam acima das segundas causas do trato judiciário de Deus - a peste e a fome, o terremoto, o turbilhão e o fogo, o pânico comercial e a colheita destruída - eles não reconhecem o fato de que, muito acima das causas imediatas e próximas que levam a essas convulsões naturais e sociais, há um dos olhos mais puros que considera a iniquidade, seja em um indivíduo, em uma família ou em um país e quem, quando a Sua paciência há muito esperou, senão em vão, e não aguardará mais, desencadeia os frascos de Sua ira e escreve o Seu nome sagrado em letras de significado tremendo e impressionante. É nessa luz que lemos a declaração expressiva do profeta: "Quando seus julgamentos virem sobre a terra, as pessoas do mundo aprendem a justiça". Isaías 26: 9. Ou seja, os julgamentos de Deus são demonstrações tão inconfundíveis e tremendas de Sua santidade, que o mundo ímpio reconhecerá o fato, e dessas terríveis visitas de Sua providência aprenderá a detestar-se diante dele, arrepender-se dos seus pecados e renunciar às suas iniquidades , e voltar-se para o Senhor. Meu leitor! O Senhor está lidando com você individualmente no caminho do julgamento? Ele "descobriu seu arco e pegou muitas flechas?" Suas flechas caem volumosamente e ferindo? Existe a perda de saúde, ou a destruição da propriedade, ou a visita do luto? É a sua canção de julgamento e de misericórdia? Ah! interprete essas dispensações de Deus à luz de uma disciplina santa e justa, mas amorosa, destinada a corrigir um mal, a prender uma declinação e a conferir-lhe a maior honra que Deus poderia conferir, tornando-se um participante da Sua santidade. "Isto", diz o profeta, "é todo o fruto, para tirar o pecado". Deus também é MEDIATORIAMENTE SANTO. Esta ilustração do nosso assunto apresenta uma visão mais solene e impressionante da santidade divina do que qualquer outra que já consideramos - a visão exibida na cruz de Jesus. Não é o próprio inferno, horrível e eterno como é o seu sofrimento - o verme eterno, o fogo inextinguível, a fumaça do tormento que sobe para sempre e sempre oferece um espetáculo tão solene e impressionante da santidade e da justiça de Deus na punição de pecado, como é apresentado na morte do Filho amado de Deus. Um eminente escritor puritano, de forma impressionante, coloca: "Nem todos os frascos de julgamento que têm ou serão derramados sobre este mundo perverso, nem o forno flamejante da consciência do pecador, nem a sentença irrevogável pronunciada contra os demônios rebeldes, nem os gemidos das malditas criaturas, dão uma demonstração do ódio de Deus ao pecado, como a ira de Deus derramada em relação ao Seu Filho!" Nunca a santidade Divina pareceu mais bonita e adorável do que no momento em que o semblante do nosso Salvador estava mais ameaçado no meio de Seus gemidos moribundos. Isto é referido naquele salmo penitencial (Salmo 32. 12), quando Deus virou o rosto sorridente dele e empurrou a sua lança afiada em seu coração, que forçou aquele grito terrível dele: "Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste? Mas, tu és santo". Uma visão tão impressionante da santidade de Deus, os anjos no céu, nunca antes tinham visto, nem mesmo quando viram os espíritos não eleitos lançados das alturas da glória até o poço sem fundo, para serem reservados em cadeias de trevas e estarem ali para sempre. Mas será perguntado: onde trouxe a grande prova de que Deus era santo na alma – a tristeza, o sofrimento físico e a morte ignominiosa de Jesus? Nós respondemos - É encontrado no fato de que Ele era o inocente morrendo pelo culpado, o Santo morrendo pelo pecador. A justiça divina, na sua missão de julgamento, enquanto varreu a cruz, encontrou o Filho de Deus, sob os pecados e a maldição de Seu povo. Sobre ele, o seu juízo caiu, sobre a Sua alma a ira foi derramada, no seu coração a espada flamejante foi mergulhada; e, assim, da parte dEle, a justiça exigiu a pena total da transgressão do homem - o último pagamento da grande dívida. Vá para a cruz, então, meu leitor, e aprenda a santidade de Deus. Contemple a dignidade da pessoa de Cristo, a preciosidade do Filho de Deus para o coração de Seu Pai, a falta de pecado da Sua natureza; e então veja a tristeza de Sua alma, a tortura de Seu corpo, a tragédia de Sua morte, o abatimento, a ignomínia, a humilhação, nas profundidades insondáveis de que toda a transação mergulhou nosso Deus encarnado; e deixe-me perguntar, de pé, como você está, diante deste espetáculo sem paralelo, você pode apreciar visões baixas da santidade de Deus ou visões claras de sua própria pecaminosidade? Mas veja esta representação mediadora da santidade divina em duas ou três indicações. O PERDÃO DO PECADO exibe a santidade de Deus. Como o pecado é perdoado? Pelo sangue expiatório de Jesus somente. "Em quem temos a redenção através do Seu sangue, o perdão dos pecados". Não há remissão de nenhum pecado senão pelo sangue expiatório de Cristo; enquanto, por esse derramamento de sangue, há a remissão de todo pecado naqueles que acreditam. O que nos purifica de todo pecado, deve ser livre de todo pecado. A menor mancha de pecado em Cristo teria invalido todo o seu sacrifício e tornaria o seu sangue expiatório totalmente ineficaz no cancelamento de nossa culpa. Mas somos "redimidos pelo sangue precioso de Cristo, como de um Cordeiro sem defeito e sem mancha". E aqui a santidade de Deus aparece tão conspícua, na medida em que providenciou uma vítima imaculada, um sacrifício sem pecado, um santo Salvador; assim, assegurando os direitos da santidade, por um lado, e por outro, limpando e apagando, completa e para sempre, a mancha mais profunda da transgressão do homem. E agora, porque Deus é tão santo, e porque Ele reivindicou, ao máximo, a justiça de Seu governo moral, veja-o "esperando para ser misericordioso", "pronto para perdoar" o mais vil, o mais culpado, o próprio chefe dos pecadores, lançando-se, em penitência e fé, aos Seus pés. E, assim, estendendo a esse pecador penitente um perdão completo e gratuito, Ele recebe e magnifica Sua própria santidade aos olhos dos anjos e dos homens. Assim, o apóstolo coloca; "Porque Deus enviou Jesus para tomar o castigo pelos nossos pecados e para satisfazer a ira de Deus contra nós. Nós somos feitos filhos de Deus quando acreditamos que Jesus derramou seu sangue, sacrificando sua vida por nós. Deus estava sendo inteiramente justo quando ele não castigou aqueles que pecaram nos tempos antigos. "Não hesitem então em lançar-se sobre a misericórdia perdoadora de Deus em Cristo Jesus, pois, no próprio ato de conferir-lhe o perdão de todo pecado, a sua santidade parecerá ainda mais ilustre. Oh, o amor maravilhoso de nosso Deus no fornecimento de um expediente tão capaz que pode afligir todos, e o ponto mais sombrio, a mancha mais suja e a mais profunda desonra do pecado, apresentando a alma limpa do pecado "mais branca que a neve" e contudo, os pecados do pecador parecem ainda mais pecaminosos, e a sua santidade é ainda mais santa. "Mas com você há perdão, para que sejas temido." A JUSTIFICAÇÃO igualmente assegura e ilustra a santidade de Deus. Nossa justificação - em outras palavras, nossa absolvição de toda culpa e consequente condenação - só poderia ser assegurada com base na perfeita santidade do governo de Deus. Mas a obediência do Senhor Jesus à lei em favor do pecador foi tão completa, sim, tão magnificante da santidade dessa lei, e tão honrada para o caráter do Legislador, que agora se torna apropriada, por parte de Deus, para "justificar os ímpios". Ele pode fazer isso sem o menor comprometimento de Sua divina e essencial pureza. A justiça em que se encontra o pecador crente, é enfaticamente denominada "justiça de Deus". Por conseguinte, deve ser uma santa justiça, uma vez que não só é a justiça da nomeação de Deus e da aceitação de Deus, mas é a justiça daquele que era Deus e que é Deus. Em contraste com isso, quão impura aparece nossa própria obediência, quão imundos são os trapos da nossa justiça! E, se nós aceitamos esta justiça de Deus, quão completamente devemos afastar de nós a veste imperfeita, e sem valor de nossa própria justiça, e envolver-nos dentro desse manto divino da "justiça de Deus, que é para todos e para todos aqueles que acreditam." A REGENERAÇÃO, ou a renovação espiritual da alma, não é menos, em alguns aspectos, é uma ilustração mais marcante da santidade divina. É assim, de fato, uma vez que é a restauração do homem à imagem de Deus e, consequentemente, a manifestação da santidade de Deus no homem. Quão claramente o apóstolo afirma isso: "E fostes revestidos do novo homem, que, segundo Deus, é criado em justiça e verdadeira santidade". "E revesti-vos do novo homem, que se renova em conhecimento segundo a imagem daquele que o criou". Como a eleição é o efeito da soberania de Deus, nosso perdão é o fruto da Sua misericórdia, o nosso conhecimento, um fluxo de Sua sabedoria, nossa força, uma impressão de Seu poder, então nossa pureza é um feixe de Sua santidade. O grande fim, cuja realização é o desígnio de Deus em nossa regeneração espiritual, é a nossa restauração da santidade. Assim, Deus projeta mais do que a nossa felicidade, uma vez que, ao nos fazer santos, Ele nos faz felizes; ao nos restaurar para a santidade, Ele nos restaura a felicidade - o que inclui a outra, pois o efeito envolve sua causa, a sombra é a substância. Deus poderia ter nos assimilado ao Seu amor, ou à Sua misericórdia, ou ao Seu poder, ou à Sua sabedoria, e ainda assim, deixando nossa natureza ao poder descontrolado e ao domínio de sua depravação inata, ainda teríamos sido miseráveis. Mas, ao nos assimilar à Sua santidade, ele nos assimila, em uma medida, à Sua felicidade - a maior felicidade do céu sendo o seu mais alto grau de santidade. A perfeição da glória é a perfeição da graça, e a perfeição da graça é a sua perfeita assimilação da alma à santa imagem de Deus. Será, penso, óbvio para a mente do leitor espiritual e inteligente, que nessa vista da santidade divina, incluímos a Divindade em seu caráter Triúno - a santidade do Pai, a santidade do Filho, a santidade do Espírito - as Três Pessoas que constituem o Único Senhor Deus. Cristo era essencialmente santo em relação à Sua Divindade, e Ele era perfeitamente santo em relação à Sua humanidade. Quão notáveis as palavras do anjo anunciando o nascimento de Cristo a Maria! "Virá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso o que há de nascer será chamado santo, Filho de Deus.". Sim, Cristo, que era "santo, inofensivo, imaculado, separado dos pecadores", e porque Ele estava assim sem pecado e "não conheceu pecado", Seu sangue precioso e expiatório, "nos purifica de todo pecado". Igualmente sagrado é o Espírito. Portanto, ele é enfaticamente designado "O Espírito Santo", "o Espírito de santidade". O Espírito é o Santificador da igreja, o Divino Autor, Sustentador e Finalizador de tudo o que é santo no regenerado, a quem pertence o trabalho de encaixar suas almas pela herança dos santos na luz. Segure-se com a fé inquebrável desta doutrina essencial da salvação - a doutrina da Trindade. Sua crença é essencial para o nosso ser salvo, seu conhecimento experimental é indispensável para sermos santos. E "a graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo," seja com todos aqueles que creem nessa doutrina simplesmente, que a vivem seriamente, e que defendem com fervor a sua verdade como para a fé uma vez entregue aos santos! Mas devemos concluir este assunto, assim brevemente e imperfeitamente discutido, com algumas deduções tiradas disso. Ele nos fornece a RAZÃO DA OPOSIÇÃO NATURAL DO HOMEM A DEUS. O pecador odeia Deus porque Ele é santo! "Porque a natureza pecaminosa é sempre hostil a Deus. Nunca obedeceu às leis de Deus, e nem pode obedecer". O pecado nunca pode ser amaldiçoado com a santidade, nem a santidade nunca pode ter comunhão com o pecado. Deve existir sempre - até que a graça divina e soberana se interponha - um fosso amplo e intransponível entre Deus e o pecador, a santidade de Deus que abomina o pecador, por causa do pecado dele; e o homem pecador odiando a Deus, por causa de Sua santidade. Qualquer coisa pode apresentar uma visão mais justa e melancólica da péssima condição do homem natural do que isso - odeio a Deus porque Ele é santo! Homem não convertido, esse é o seu estado! Sua mente carnal é hostil contra Deus e continuará o ódio e a rebelião, a menos que a conversão da graça mude-se; ou até que seu espírito esteja diante dEle em juízo. E então você vai acordar com a terrível descoberta de que durante toda a vida você lutou contra Deus; mas que provou uma disputa desigual, como foi uma coisa profana; e, finalmente, Deus se mostrou mais forte do que você e obteve a vitória; entregando-o a uma condenação justa e sem fim. Em vista desta afirmação, qual é o seu curso adequado e imediato? Em uma palavra, eu pelo que abaixe suas armas de rebelião, se submeta e seja reconciliado com Deus. Odiar este santo Senhor Deus, cujo nome é amor, é o crime mais profundo! Lutar contra Aquele que é infinito em poder e onipotente em força, é a loucura mais profunda. Pense nas consequências terríveis! Pense naquele que tem poder para lançar a alma e o corpo no inferno. Pense em quem odeia e contra quem você se rebelou, o Deus que o criou, que o preservou, que o alimentou e vestiu, que lhe dispensou todas as bênçãos, que derramou o incessante fluxo da Sua misericórdia em todos os seus caminhos, que sempre te abençoou com nada além de bom! E, no entanto, em vez do amor, você o odeia; em vez de obediência, você se rebela; em vez de submissão, você o oferece desafio; em vez de Seu paraíso, você prefere o seu inferno! Pois, no seu estado atual, você não está totalmente equipado para o céu! Está escrito com a caneta do Espírito Santo: "Sem santidade, ninguém pode ver o Senhor". O céu, portanto, seria muito santo para sua diversão. Você não teria nenhuma aptidão moral para o lugar, sem simpatia com seus prazeres, sem amor por seus habitantes, e desejaria escapar de um ambiente muito puro para respirar, em que você não teria gosto pela comunhão com seres com quem você não teve nada em simpatia. Oh, caia diante de Deus em penitência e oração. Derrube as tuas armas aos Seus pés, submeta-se ao Seu cetro e lança-te sobre a Sua misericórdia perdoadora através de Cristo Jesus. Eis que ele espera ser gentil com você. Ouça a sua língua falando: "Durante todo o dia eu estendi minhas mãos". E em Sua infinita paciência, na Sua falta de vontade de que alguém perecesse, essa mão ainda está esticada. "Por que você vai morrer?" "Se reconcilie com Deus". Mas outros de outra classe podem verificar essas páginas. O penitente que chora procurará uma palavra de promessa a partir da qual ele possa extrair a segurança e esperar que uma alma tão pecadora e culpada possa encontrar perdão, aceitação e salvação com este santo Senhor Deus. Sim, há perdão, há aceitação, há salvação, para você, oh, pecador humilde e penitente, em Cristo Jesus, o Salvador dos pecadores! O seu sangue limpa de todo pecado, a justiça dele justifica de todas as coisas; de modo que, em falta de qualquer santidade e mérito em você mesmo, Jesus fornece-lhe tudo o que Deus exige e que você necessita, e assim, na linguagem forte do apóstolo, "Você está completo nele". Uma palavra de cautela nesta conexão. Cuide-se de colocar a santificação no lugar da justificação. Muitos estão fazendo assim, e o efeito consequente é que eles estão sempre se esforçando pelo que eles nunca podem alcançar dessa maneira - um senso claro de sua aceitação em Cristo. Não é por uma santidade forjada em nós que Deus nos aceita, mas por uma justiça forjada fora de nós; não na base da obra de santificação do Espírito Santo, mas na base da obra de justificação de Cristo. Assim, olhar para a nossa santidade para a aceitação divina, em vez de para a obra de Cristo, é substituir a santificação pela justificação, o trabalho regenerador do Espírito pelo trabalho expiatório do Salvador. Isso nunca lhe dará paz, alegria e esperança, uma vez que todos os seus próprios esforços pela santidade - com base em que você está em vão procurando a salvação - provarão ser fracassos tristes e repetidos; enquanto uma visão de fé em Cristo, como "feito de Deus para nós, sabedoria, justiça, santificação e redenção", trará paz, alegria e confiança para a sua alma. Cessa, então, os teus esforços pela santidade, a fim de ganhar o favor de Deus; e estabeleça-se sobre o grande, mas simples, o poderoso, mas fácil, o trabalho de acreditar - acreditar em Jesus - e assim, "sendo justificado pela fé, você terá paz com Deus através de nosso Senhor Jesus Cristo". E ainda assim, deve ser nosso objetivo ser santo! Mas como isso deve ser alcançado? Não podemos ser santos e ser do mundo. Não podemos ser santos - foi uma contradição de termos - e viver em qualquer pecado conhecido. Não podemos ser santos e prover para a carne, e amar a sociedade dos ímpios, e assim caminhar após o curso deste mundo. O que o apóstolo diz? "Pare de amar esse mundo maligno e tudo o que lhe oferece, pois quando você ama o mundo, você mostra que você não tem o amor do Pai em você. Pois o mundo oferece apenas a luxúria pelo prazer físico, a luxúria de tudo que nós vemos e orgulho em nossas posses. Estes não são do Pai. Eles são deste mundo maligno". Quão sincero e emocionante o idioma do apóstolo, E, portanto, queridos amigos cristãos, imploro a vocês que ofereçam seus corpos a Deus como um sacrifício vivo e santo - o tipo que ele aceita. Quando você pensa no que ele tem feito para você, é demais para pedir? Não copie o comportamento e os costumes deste mundo, mas deixe Deus transformá-lo em uma nova pessoa mudando a maneira como você saberá o que Deus quer que você faça, e você saberá o quão boa e agradável e perfeita é a Sua vontade. E, mais uma vez, quão preciosa é a sua oração pelos santos tessalonicenses: Agora, o Deus da paz te faça santo em todos os sentidos e que todo o seu espírito, alma e corpo sejam mantidos irrepreensíveis até aquele dia em que nosso Senhor Jesus Cristo voltará. E esse é nosso desejo, esse é o nosso objetivo, e isso, em certo grau, nossa verdadeira realização? Nós estamos com fome e provendo para a justiça, buscamos a santidade com uma convicção cada vez maior do "pecado excessivo do pecado" e um crescente espírito de autoaversão e renúncia ao pecado? Oh, então, temos a prova mais verdadeira e forte , que somos os verdadeiros santos de Deus, que somos regenerados, passamos da morte para a vida, e nascemos de novo de cima, nossos corpos, os templos de Deus, através do Espírito. Não existe uma evidência mais forte e sem ela, nossa religião é inútil. "Bem-aventurados os puros de coração, pois verão a Deus". Mas em todas as nossas falhas em nossos esforços pela santidade - e fracassos, muitos e tristes haverá - reparemos na "Fonte aberta para o pecado e a impureza", e lavem, constantemente, diariamente, e sejam limpos. É somente assim que nos guardaremos de um espírito de escravidão, sim, de um espírito de desespero. Um simples olhar fora de nós mesmos, tanto o nosso sucesso como nossas tentativas mal sucedidas pela santidade - para Jesus, deve ser nosso hábito constante, se devemos caminhar em paz e em comunhão com Deus. Para o Seu sangue expiatório, tragam todas as nossas coisas santas, para que sejam purificadas. Manchas de pecado, impurezas, traços de imperfeição, tudo o que fazemos por Deus. Assim, o serviço mais sagrado em que nos envolvemos, a mente mais celestial que apreciamos, o dia mais espiritual e útil que gastamos, precisa do sangue expiatório de Jesus para limpá-lo, purificá-lo e apresentá-lo sem culpa, santo e aceitável para Deus. Quão expressivo é o ensinamento típico desta verdade - referindo-se à mitra na cabeça do sacerdote Arão - "E estará sobre a testa de Arão, e Arão levará a iniquidade das coisas santas, que os filhos de Israel consagrarem em todas as suas santas ofertas; e estará continuamente na sua testa, para que eles sejam aceitos diante do Senhor." Êxodo 28:38. Assim, Cristo, nosso verdadeiro Arão, coloca a iniquidade de nossas coisas sagradas pela purificação de Seu precioso sangue. Veja que sua santidade é evangélica. Não a santidade do mérito humano, nem a santidade dos deveres piedosos, nem a santidade da observância cerimonial, nem a santidade dos rituais, mas a santidade do Evangelho, a santidade que flui da fé somente em Cristo, do amor a Deus e pela graça e poder do Espírito na alma. Em uma palavra, a santidade que brota em afastar-se de si mesma em todos os sentidos, de deveres de todo tipo, de modo crente, simplesmente, a Jesus, encarnado e expresso em obediência a Cristo, sob a restrição de todo o comando de Seu amor. À luz de sua santidade pessoal, interprete todas as relações disciplinares de Deus. Todas as suas provações, aflições, tribulações, adversidades, são enviadas como correções de seu Pai celestial, senão para promover o seu lucro, para que você seja participante da Sua santidade. "Além disto, tivemos nossos pais segundo a carne, para nos corrigirem, e os olhávamos com respeito; não nos sujeitaremos muito mais ao Pai dos espíritos, e viveremos? Pois aqueles por pouco tempo nos corrigiam como bem lhes parecia, mas este, para nosso proveito, para sermos participantes da sua santidade. Na verdade, nenhuma correção parece no momento ser motivo de gozo, porém de tristeza; mas depois produz um fruto pacífico de justiça nos que por ele têm sido exercitados.” (Heb 12;9-11). Então, Senhor, você está pronto para exclamar, se este é o grande fim de Sua disciplina - se for apenas para me conformar com a Sua vontade, expulsar o pecado do meu coração, enchê-lo com o Seu Espírito e me moldar à sua imagem divina, acenda a chama, alimente o forno, refine seu ouro da escória e separe o seu trigo da palha - e deixe sua vontade, e não a minha ser feita. Antecipe a chegada de Senhor, porque "sabemos que, quando ele aparecer, seremos como ele, porque o veremos como ele realmente é". Ó pensamento bem-aventurado, liberdade perfeita e eterna do pecado! "Ora, o Deus de paz, que pelo sangue do pacto eterno tornou a trazer dentre os mortos a nosso Senhor Jesus, grande pastor das ovelhas, vos aperfeiçoe em toda boa obra, para fazerdes a sua vontade, operando em nós o que perante ele é agradável, por meio de Jesus Cristo, ao qual seja glória para todo o sempre. Amém.". (Hebreus 13:20,21)





Publicado no site: O Melhor da Web em 13/02/2018
Código do Texto: 136530
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.