Espaço Literário

O Melhor da Web


Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto

PAULO FONTENELLE DE ARAUJO
Cadastrado desde: 06/03/2018

Texto mais recente: PONTOS DE VISTA



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de PAULO FONTENELLE DE ARAUJO , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=7367

 
Textos & Poesias || Contos
Imprimir - Impressora!
Imprimir
TERNO E GRAVATA
09/03/2018
Autor(a): PAULO FONTENELLE DE ARAUJO
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
TERNO E GRAVATA

      Dizem que as vítimas confundem o rosto do agressor, mas as testemunhas viram    um homem magro de cabelos curtos, rosto comprido e encovado. O rosto parecia estar mal lavado, cheios de manchas, mas o bandido também poderia sofrer de algum tipo de melanoma. Não se podia afirmar, embora fosse nítido que os olhos do sujeito abriram vermelhos, como se ele acabasse de sair de um bar após embriagar-se e entrasse naquele coletivo quase vazio. Carregava uma mochila velha, sentou em um dos bancos laterais e certamente não gostou de Clayton, da sua aparência geral. Logo de Clayton, que seguia para uma entrevista de emprego vestindo terno e gravata.    Após dez minutos de viagem, o tal homem levantou-se, parou no corredor do ônibus e, sem dizer nada, tirou um revólver da bolsa e apontou contra a cabeça de Clayton.
      Quem conheceu Clayton sabe que ele poderia ter dito muitas coisas para evitar qualquer atitude drástica do bandido:

      - Eu acredito em Deus! E você, irmão?

      - Por que você quer assaltar um ônibus com gente tão pobre indo trabalhar?

      - Eu estou desempregado, meu amigo! Vai roubar um desempregado?

      - Hoje o dia está tão bonito. O sol ensina a ter paz no coração, amigo.

      Talvez Clayton fosse mais meditativo e pensasse: “ Eu visitei a cidade de São Luís, mas não me lembro dos casarões coloniais.    Eu devo ter achado todos maravilhosos, mas do que adiantou tanta beleza? Todos os azulejos portugueses desaparecerão se este homem puxar o gatilho desta arma”.
      E também poderia pensar que perdeu a oportunidade de ter sofrido menos no seu tempo de adolescente. Voltar para casa, depois de um dia escolar, sentindo algo a ser expresso em seu diário de uma forma especial:

      “ Nem sei explicar, mas hoje amei todo mundo. Acho que nunca saí tão feliz de uma aula como esta”.

      E Clayton concluiria: se fosse tão feliz quando adolescente, talvez não levasse a vida de divorciado atual, ela se resumia a comprar por mês, como sua alimentação básica, doze caixas de um litro de leite integral e dezenas de pacotes de biscoitos cream-cracker para serem digeridos durante a madrugada em frente à tevê.
      Clayton ainda arregalou os olhos. E quem o conheceu    não se surpreenderia com a rapidez de raciocínio. Ele certamente notou antes de todos, não estar sendo vítima de um roubo, mas sim de uma execução sumária; quando então elencaria os motivos: o agressor era algum marido traído; foi atraso no pagamento de dívida (suas muitas dívidas durante toda a sua vida) até parar no motivo único; simplesmente nenhum, ou melhor, sua ousadia em usar terno e gravata dentro de um ônibus onde os usuários eram apenas gente pobre.
      Quem conheceu Clayton sabe, ele poderia ter dito muitas coisas para evitar qualquer atitude drástica do bandido. Talvez    até    tenha cogitado: “Depois desta eu vou precisar de uma máscara de ressuscitação cardiopulmonar”.
      Mas Clayton, nos instantes da ameaça sofrida,    disse    somente uma coisa:

      - Você sabia que a bala do revolver atinge 700 quilômetros por hora?

      Nesta hora, o bandido riu. Mexeu na sua arma de brinquedo e quis descer do ônibus.

DO LIVRO: TOUROS EM COPACABANA

Publicado no site: O Melhor da Web em 09/03/2018
Código do Texto: 136730
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.