Espaço Literário

O Melhor da Web


Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto

PAULO FONTENELLE DE ARAUJO
Cadastrado desde: 06/03/2018

Texto mais recente: PONTOS DE VISTA



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de PAULO FONTENELLE DE ARAUJO , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=7367

 
Textos & Poesias || Contos
Imprimir - Impressora!
Imprimir
A MORADA DOS INSETOS
01/05/2018
Autor(a): PAULO FONTENELLE DE ARAUJO
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
A MORADA DOS INSETOS

      Chego. Quis que a antiga pedreira de Santo Amaro fosse o marco introdutório da minha missão. Dizem que ali se encontra uma grande pedra.   
      A pedreira é o ponto final do ônibus no qual embarco,    apesar da placa do lotação indicar como destino um lugar chamado Eldorado.      
      Desço na rua Prof. Cardoso de Melo Neto. Não vejo ninguém.    Sigo o asfalto, a estrada de terra e contorno o muro da pedreira vazia.    No mapa de São Paulo, o lugar é um branco e de fato seria somente um branco não fosse o morro.    Avisto-o ao fundo. Um morro escuro e isolado no meio de um terreno. Uma grande pedra como disseram, arruinada pela produção de seixos. Tiraram um pedaço com dinamites. As pessoas reclamaram dos estouros e desativaram a pedreira. Uma criança diria tratar-se de um meteoro. Sim, um corpo gerado no espaço sideral que se afundou na terra e determinou-se a cumprir sua órbita estúpida.    Atravessar o planeta.   
      Subo a rua porque o correto é subir. Julgo que ao redor daquele terreno existirá uma ousadia, um atrevimento que mudará o que sei sobre os homens e sobre o Altíssimo.   
      A subida é íngreme.    Estamos em junho. O sexto mês do ano. Muitos dias vividos inutilmente. Quero zerar o cérebro.    Procurar desígnios divinos exige o absoluto, exige estar pronto para tudo não sendo nada.   
      Ultrapasso a primeira divisa de São Paulo. A cidade de Diadema começa logo ali. Subo. Em determinado momento, visualizo a represa Billings. Peregrino até o extremo do habitável, onde mato, barranco e linhas de formigas se repetem. No fim do rastro encontro uma casa bem simples, branca, esquemática, com tranqueiras acumuladas sobre o terreno. Conto quatro privadas, uma carroça emborcada, cinco calotas e surpreendo-me. Justamente do quintal daquela casa, a represa surge deslumbrante. O sol vermelho do fim da tarde brilha somente neste ponto do mundo.    O ponto das privadas.   
      O visual vale a foto.    São cinco da tarde. A dona da casa recolhe roupas no varal e ao seu lado, dentro de um caixote, um bebê mexe os braços.   
      Pergunto a mulher se posso fotografar a represa. Ali a vista é muito bonita. A mulher permite. Tiro a foto. A imagem será um presente para Marina que se transformou no próprio barranco e esconde-se atrás da vegetação que despenca dali.
      Digo que sou fotógrafo de um jornal importante.    Invento o nome do tabloide. Procuro lugares que mostrem a beleza oculta de São Paulo.   
      A mulher grunhe, ali nem é São Paulo. É Diadema.   

      - O senhor quer café? – oferece enquanto coloca o caixote do filho dentro da casa. Aceito e entro. Quero conversar. Sento em um sofá e pergunto:   

      - É seu filho? Qual a idade?      

      - O Enerson fez seis meses.   

      Mal ouço a resposta. Percebo as inúmeras cataporas no corpo do menino. Desconcerto-me.   
      O cheiro do café se espalha e    o barraco diminui o tamanho. Apenas um quarto dividido por largas cortinas de fios de plástico. Já as vi em bares. Parecem espaguetes.   
      Recebo o café para observar os poucos móveis e objetos. O liquidificador azul celeste destoa do amarelo reinante.A geladeira redonda parece congelar a boneca de cabelos platinados que jogaram sobre a cama.   
      Paro de admirar o local quando detecto os maribondos. Na mesa pousam três. Enormes colibris escuros. Alguns escalam a porta da frente. Outros dominam a maçaneta. Estou dentro do ninho. Eles aterrissam em minha perna. Dois examinam a bolsa. Afugento-os. Eles voltam. Um grupo dominou a geladeira. Os maiores capturaram o fogão. Descem sobre o bebê. Pulam na fralda. Na janela um esquadrão parece marchar pelas patentes.      

      - A senhora não se preocupa com o ferrão desses maribondos?   

      A mulher responde que eles não mexem com gente, só aparecem por causa da represa.   
      Aviso-lhe que eles poderiam fazer mal. Passar uma doença ao seu filho. Criar um ninho do tamanho do morro.   

      - Ah, não passam não... – a mulher ri.      

      A displicência me impressiona e chego a rogar para que ela chame a vigilância sanitária, os bombeiros, a guarda-civil. Resolvo fechar a boca. Temo que os insetos descubram a fragilidade da minha língua.   

      - Eles não mordem – ela conclui.   

      Saio da casa. O que vi ali dentro? Um descalabro ambiental e somente isso. Tranquilizo-me. Não estou dentro de uma praga bíblica.   
      Encosto-me ao tanque de roupas. Os furúnculos no corpo da criança podem ser alergia ao calor ou alguma doença bixiguenta própria da idade e da condição social daquela família. A providência não castigou aquela mãe.   
      Por que sempre os insetos atuam em alguma justiça divina? Se eu acreditar nessa hipótese não poderia estar ali. O Criador se confirmaria na sucessão de pragas que os chefes da igreja anunciavam e eles estariam certos.   
      Olho a represa e penso no mar da Galileia. O Mar da Galileia agora é esta represa. Fotografo um pôr do sol igual ao primeiro dia da criação e respiro.   
      A dona da casa despeja uma bacia com Cândida perto de mim.    Ela pergunta se eu não quero mais café.    Já afugentara as muriçocas.    Respondo que não. Agradeço a hospitalidade e desço dos meus barrancos mentais. Quero sair.
      O sol e a represa cheiram a água sanitária.   


DO LIVRO: "DEUS, A FERIDA E A PERIFERIA"

Publicado no site: O Melhor da Web em 01/05/2018
Código do Texto: 137267
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.