Espaço Literário

O Melhor da Web


Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
kuryos - Silvio Dutra
Silvio Dutra
Cadastrado desde: 29/08/2012

Texto mais recente: A Fórmula da Vitória – Simplesmente Isto



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
Hebreus 2 - Verso 1 – P2
15/05/2018
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
Hebreus 2 - Verso 1 – P2


   John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

II. Há épocas e ocasiões diversas em que, e várias maneiras e meios pelos quais, os homens correm o risco de perder a palavra que ouviram, se não atenderem diligentemente à sua preservação. Mhpote, “a qualquer momento”, ou “por qualquer forma ou meio.” Isto nosso Salvador nos ensina em geral na parábola da semente, que foi mantido, senão em um tipo de terreno daqueles quatro em que foi lançada, Mateus 13; e isso a experiência de todos os tempos e épocas confirmam. Sim, poucos há a qualquer momento que mantêm a palavra ouvida como deveriam. 1. Podemos nomear brevemente as ocasiões em que e as maneiras pelas quais os corações e mentes dos homens são feitos como vasos vazando, para derramar e perder a palavra que eles ouviram. (1) Alguns perdem em um tempo de paz e prosperidade. Essa é uma temporada que mata os tolos. Jesurum engorda e chuta. De acordo com os pastos dos homens, eles estão cheios e se esquecem do Senhor. Eles alimentam suas luxúrias, até que eles odeiem a palavra. Uma propriedade exterior próspera arruinou muitas convicções da palavra; sim, e fé e obediência enfraquecidas em muitos dos próprios santos. O calor da prosperidade gera enxames de apóstatas, como o calor do sol insetos na primavera. (2) Alguns perdem em um tempo de perseguição. “Quando surge a perseguição”, diz o nosso Salvador, “eles caem.” Muitos vão em frente na profissão até chegarem a ver a cruz; essa visão os coloca em posição, e depois os afasta completamente. Eles não pensaram nisso, e não gostaram disso. Sabemos que destruição isso tem feito entre os professantes em todas as eras; e geralmente onde destrói os corpos de dez, destrói as almas de cem. Esta é a ocasião em que as estrelas caem do firmamento; em referência, onde inumeráveis são os preceitos de vigilância, sabedoria, paciência, permanentes, que nos são dados no evangelho. (3.) Alguns perdem em um tempo de provação por tentação. Agrada a Deus, em sua sabedoria e graça, permitir algumas vezes uma “hora de tentação” a ser revelada ao mundo e à igreja no mundo, para sua provação, Apocalipse 3:10. E ele faz com que o seu próprio povo seja conformado à sua cabeça, Jesus Cristo, que teve sua hora especial de tentação. Agora, em tal período, a tentação opera de várias maneiras, conforme os homens são expostos a ela, ou como Deus vê que eles devem ser provados por ela. Cada coisa que em tais dias abundam, terá nela a força de uma tentação. E o efeito usual deste trabalho é que ela traz professantes ao sono, Mateus 25: 5. Nesse estado muitos perdem completamente a palavra. Eles foram lançados em um sono negligente pelo poder secreto e eficácia da tentação; e quando acordar e olhar sobre eles, todo o poder da palavra é perdido e partido deles. Com referência as estes e às ocasiões que o apóstolo nos dá essa cautela, para “tomar cuidado para que a qualquer momento a palavra que ouvimos não seja perdida.” 2. Os meios pelos quais esse efeito miserável é produzido são vários, sim, inumeráveis. Alguns deles apenas mencionarei, onde o resto pode ser reduzido; como, (1.) Amor deste mundo presente. Isso fez de Demas um vaso vazando, 2 Timóteo 4:10, e sufoca, uma quarta parte da semente da parábola, Mateus 13. Muitos poderiam ter sido ricos em graça, não tinham feito o seu fim e negócio serem ricos neste mundo, 1 Timóteo 6: 9. Mas isso é muito bem conhecido, bem como muito pouco considerado. (2.) Amor ao pecado. Um desejo secreto acarinhado no coração fará dele "cheio de fendas", que nunca reterá os aguaceiros da palavra; e seguramente os abrirá tão rapidamente quando as convicções os detiverem. (3). Falsas doutrinas, erros, heresias, adoração falsa, superstição e idolatria farão o mesmo. Coloco essas coisas juntas, como aquelas que funcionam da mesma maneira sobre a curiosidade, a vaidade e a escuridão das mentes dos homens. Estes quebram o vaso e, de uma só vez, derramam todos os benefícios da palavra que já foram recebidos. E muitos casos parecidos podem ser dados. E isso nos dá a razão da necessidade de dar ouvidos à palavra conforme antes insistimos. Sem isto, de uma vez ou outra, por um meio ou outro, perderemos todo o desígnio da palavra sobre nossas almas. Somente isso nos preservará e nos levará através do curso e das dificuldades de nossa profissão. O dever mencionado, então, não é menos preocupante para nós do que nossas almas, pois sem ela nós iremos perecer. Não nos enganemos; uma audição preguiçosa e negligente da palavra não trará nenhum homem à vida. Os mandamentos que temos para “vigiar, orar, trabalhar e lutar” não são em vão. As advertências que nos são dadas sobre a oposição que é feita à nossa fé, pelo pecado interior, Satanás e o mundo, não são deixados em registro por nada; não são mais tristes exemplos que temos de muitos que iniciam uma boa profissão e que se desviaram totalmente para o pecado e a insensatez. Todas essas coisas, eu digo, nos ensinam a necessidade do dever que o apóstolo prescreve e que temos explicado.
III. A palavra ouvida não se perde sem um grande pecado, assim como a inevitável ruína das almas dos homens. Perdido é quando não está misturado com a fé, quando nós a recebemos não em corações bons e honestos, quando o fim dela não é realizado em nós e em relação a nós. E isso nos acontece não sem o nosso pecado, e lamentável negligência do dever. A palavra de sua própria natureza é capaz de permanecer, de se incorporar a nós e de criar raízes; mas nós a expulsamos, nós a derramamos de nós. E têm um relato lamentável a fazer aqueles em cujas almas a culpa deve ser encontrada no último dia. É da natureza da palavra do evangelho molhar corações estéreis e torná-los frutíferos para Deus. Assim, como foi mostrado, é comparado à água, orvalho e chuva; que é o fundamento da expressão metafórica aqui usada. Onde esta palavra vem, faz “a areia esbraseada se transformar em lagos, e a terra sedenta, em mananciais de águas”, Isaías 35: 7. Estas são as águas do santuário, que curam os lugares estéreis da terra, e os tornam frutíferos, Ezequiel 47; o rio que alegra a cidade de Deus, Salmos 46: 4; aquele rio de água viva que sai do trono de Deus, Apocalipse 22: 1. E os lugares e pessoas que não são curados ou beneficiados por estas águas são deixados à esterilidade e queimando para sempre, Ezequiel 47:11; Hebreus 6: 8. Com o orvalho da água de Deus rega a sua igreja a cada momento, Isaías 27: 3; e então “cresce como lírio e lança suas raízes como o Líbano”, Oséias 14: 5-7. A abundante fecundidade para com Deus segue-se a uma recepção graciosa deste orvalho. Bem-aventurados aqueles que têm este orvalho destilando sobre eles todas as manhãs, que são regados como o jardim de Deus, como uma terra que Deus cuida. A consideração da revelação do evangelho pelo Filho de Deus é um motivo poderoso para esse atendimento diligente a ela que já descrevemos. Esta é a inferência que o apóstolo faz da proposição que fez da excelência do Filho de Deus: "Portanto". E é isso que na maior parte do capítulo seguinte ele persegue. Isto é aquilo que Deus declara que ele poderia justamente esperar e procurar, ou seja, que quando ele enviou seu Filho para a vinha, ele deveria ser considerado e atendido. E isso é muito razoável em muitos relatos: 1. Por causa da autoridade com a qual ele falou a palavra. Outros falaram e transmitiram sua mensagem como servos; ele como o Senhor sobre sua própria casa, Hebreus 3: 6. O próprio Pai deu-lhe toda a sua autoridade para a revelação de sua mente e, portanto, proclamou do céu que, se alguém tivesse alguma coisa a ver com Deus, deveria "ouvi-lo", Mateus 17: 5; 2, Pedro 1:17. Toda a autoridade de Deus estava com ele; para ele, Deus, o Pai, o selou, ou colocou o selo de toda a sua autoridade sobre ele; e ele falou de acordo com ele, Mateus 7:29. E, portanto, ele falou tanto em seu próprio nome quanto no nome de seu Pai: de modo que essa autoridade brotou em parte da dignidade de sua pessoa - por ser Deus e homem, embora ele falasse sobre a terra, contudo, aquele que era o Filho do homem ainda estava no céu, João 3:13, e por isso é dito que fala do céu, Hebreus 12:25, e vindo do céu ainda estava acima de tudo, João 3:31, tendo poder e autoridade sobre todos - e parcialmente a comissão que ele tinha de seu pai, que, como dissemos antes, deu toda a autoridade em sua mão, João 5:27. Sendo então em si o Filho de Deus, e sendo peculiarmente projetado para revelar a mente e a vontade do Pai (que o profeta chama de “estar em pé e se alimentar na força do Senhor, na majestade do nome do Senhor seu Deus” Miquéias 5: 4), toda a autoridade de Deus sobre as almas e consciências dos homens é exercida nesta revelação do evangelho por ele. Não pode, então, ser negligenciado sem o desprezo de toda a autoridade de Deus. E isso será um doloroso agravamento do pecado dos incrédulos e apóstatas no último dia. Se não atendermos à palavra nesta conta, sofreremos por isso. Quem despreza a palavra, o despreza; e quem o despreza, despreza aquele que o enviou. 2. Por causa do amor que está nele. Há nele o amor do Pai ao enviar o Filho, para revelar a si mesmo e sua mente aos filhos dos homens. Há também nele o amor do próprio Filho, condescendendo em ensinar e instruir os filhos dos homens, que por sua própria culpa foram lançados no erro e nas trevas; o Amor maior não podia manifestar-nos a Deus nem a seu Filho eterno, do que deve empreender em sua própria pessoa para se tornar nosso instrutor. Veja 1 João 5:20. Aquele que considerar a brutal estupidez e cegueira da generalidade da humanidade nas coisas de Deus, a miserável flutuação e incertezas da parte mais inquisitiva delas e, além disso, a grandeza de sua preocupação em serem levados ao conhecimento da verdade, não podem deixar de ver em alguma medida a grandeza desse amor de Cristo ao nos revelar todo o conselho de Deus. Por isso suas palavras e discursos são ditos “graciosos”, Lucas 4:22; e “graça para ser derramada em seus lábios”, Salmos 45: 2. E isso não é motivo pequeno para nossa atenção para a palavra. 3. A plenitude da revelação em si feita por ele é da mesma importância. Ele veio não para declarar uma parte ou parcela, mas toda a vontade de Deus - tudo o que devemos saber, tudo o que devemos fazer, tudo em que devemos acreditar. “Nele estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento”, Colossenses 2: 3. Ele dissipou todas as trevas das sentenças da vontade de Deus, ocultas desde a fundação do mundo. Há em sua doutrina toda sabedoria, todo conhecimento, como toda luz está no sol, e toda a água no mar, não havendo nada de um ou outro em qualquer outra coisa, exceto por uma comunicação deles. Agora, se toda palavra de Deus for excelente, se cada parte e parcela dela entregue por algum de seus servos antigos fosse atendida na penalidade de extermínio do número de seu povo, quanto mais nossa condição seria miserável, como agora são a nossa cegueira e obstinação, se não tivermos um coração para atender a essa completa revelação de si mesmo e de sua vontade! 4. Porque é final. "Por último de tudo, ele enviou seu Filho", e "falou-nos por ele." Nunca mais neste mundo ele vai falar com esse tipo de fala. Nenhuma novidade, nenhuma nova revelação de Deus deve ser esperada neste mundo, senão a que é feita por Jesus Cristo. A isso devemos observar, ou estamos perdidos para sempre. A verdadeira e única maneira de honrar o Senhor “Cristo como o Filho de Deus, é por diligente assiduidade e obediência à sua palavra. O apóstolo tendo evidenciado sua glória como o Filho de Deus, faz desta sua única inferência a partir disso. Então ele mesmo. “Se me amas”, diz ele, “guarda os meus mandamentos.” Onde não há obediência à palavra, não há fé nem amor a Jesus Cristo.


Publicado no site: O Melhor da Web em 15/05/2018
Código do Texto: 137384
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.