Espaço Literário

O Melhor da Web


Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
kuryos - Silvio Dutra
Silvio Dutra
Cadastrado desde: 29/08/2012

Texto mais recente: A Origem e a Cura do Mal



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P3
17/05/2018
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P3


   John Owen (1616-1683)
Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

VI. Os administradores mais gloriosos da lei se inclinam para olhar os mistérios do evangelho. Veja 1 Pedro 1: 12.
VII. As transgressões da aliança são atendidas com penalidades inevitáveis: “Toda transgressão” - que é da aliança, anulando-a -, “recebeu uma recompensa de castigo”.
VIII. O evangelho é uma palavra de salvação para aqueles que acreditam. A salvação oferecida no evangelho é "grande salvação". Os homens são capazes de pensar em escapar da ira de Deus, embora vivam negligenciando o evangelho. Isto o apóstolo insinua nessa interrogação: “Como escaparemos?”
XI. Os negligentes do evangelho inevitavelmente perecerão sob a ira de Deus: “Como escaparemos nós se negligenciarmos tão grande salvação?” Estas três últimas observações podem ser colocadas em uma proposição, e assim serem consideradas juntas, a saber, “Que o evangelho é a grande salvação, que aqueles que negligenciam, portanto, inevitavelmente perecerão sem remédio ”.
Primeiro, devemos indagar como o evangelho é dito ser salvação, e que grande salvação; e então mostrar a justiça e inevitabilidade de destruição daqueles por quem é negligenciado, e nisso a vaidade de suas esperanças que buscam uma fuga no desprezo dele. Pelo evangelho, entendemos com o apóstolo a palavra pregada ou falada por Cristo. e seus apóstolos, e agora registrados para nosso uso nos livros do Novo Testamento, mas não exclusivamente para o que foi declarado nos tipos e promessas do Antigo Testamento. Mas, por meio de eminência, apropriamos todo o nome e a natureza do evangelho na entrega da mente e vontade de Deus por Jesus Cristo, que incluiu e aperfeiçoou tudo o que havia precedido para esse propósito.
Agora, primeiro, o evangelho é a salvação em uma dupla conta: - Primeiro, declarativamente, em que a salvação de Deus por Cristo é declarada, ensinada e revelada por meio dele. Assim, o apóstolo nos informa, Romanos 1: 16,17: “É o poder de Deus para a salvação, ..... pois nele a justiça de Deus é revelada de fé em fé”, isto é, a justiça de Deus Cristo, pelo qual os crentes serão salvos. E, portanto, é chamado de “a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens, Tito 2:11, - a graça de Deus, como aquilo que ensina e revela sua graça. E dali dizem que os que abusam disso para suas concupiscências “transformam a graça de Deus em lascívia” (Judas 1: 4); isto é, a doutrina dela, que é o evangelho. E, portanto, sob o Antigo Testamento é chamado a pregação ou declaração de boas novas, novas de paz e salvação, Naum 1:15, Isaías 52: 7; e é descrito como uma proclamação de misericórdia, paz, perdão e salvação aos pecadores, Isaías 61: 1-3: e “vida e imortalidade” são ditas “trazidas à luz” por meio disso, 2 Timóteo 1:10. É verdade, Deus desde toda a eternidade, em sua graça infinita, planejou a salvação dos pecadores; mas este plano, e o propósito disto, estava escondido em sua própria vontade e sabedoria, como em um abismo infinito de escuridão, totalmente imperceptível para anjos e homens, até ser trazido à luz, ou manifestado e declarado, pelo evangelho, Efésios 3: 9,10; Colossenses 1: 25-27. Não há nada mais vaidoso do que a suposição de alguns, que existem outras maneiras pelas quais essa salvação pode ser descoberta e tornada conhecida. O trabalho da natureza, ou criação e providência, o sol, a lua e as estrelas, chuvas do céu, com estações frutíferas, são no seu julgamento pregadores da salvação dos pecadores. Eu não sei o que mais eles dizem - que a razão do homem, pela contemplação dessas coisas, pode descobrir, que não sei qual revelação da graça de Deus pode incitar os pecadores a ir até ele, e capacitá-los a encontrar aceitação com ele. Mas vemos que sucesso todo o mundo e todos os sábios dele tiveram no uso e aplicação desses meios de salvação dos pecadores. O apóstolo nos diz não somente que “visto como, na sabedoria de Deus, o mundo não o conheceu por sua própria sabedoria”, 1 Coríntios 1:21, mas também que quanto mais eles procuraram, maior foi a perda, até que “porquanto, tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; antes, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-se-lhes o coração insensato.”, Romanos 1:21. E, de fato, o que quer que houvesse entre eles, que tivesse qualquer semelhança de uma apreensão obscura de algum modo de salvação por expiação e intercessão, como em seus sacrifícios e mediações de divindades inferiores (que o apóstolo alude a 1 Coríntios 8: 5,6), como eles tinham por tradição daqueles que foram um pouco instruídos na vontade de Deus por revelação, então eles se transformaram em horríveis idolatrias e o maior desprezo de Deus. E essa era a questão de suas dissertações, que não eram menos sábias nos princípios da razão pura e do conhecimento das obras da natureza do que aqueles que agora disputam sua capacidade de ter feito melhor. Além disso, a salvação dos pecadores é um mistério, como a Escritura em todos os lugares declara, um abençoado e glorioso “mistério”, Romanos 16:25: “A sabedoria de Deus em um mistério”, 1 Coríntios 2: 7; Efésios 1: 9; Colossenses 1: 25,26; isto é, não apenas uma coisa secreta e maravilhosa, mas que não depende de nenhuma causa que venha naturalmente ao nosso conhecimento. Agora, o que quer que os homens possam descobrir pelos princípios da razão, e a contemplação das obras de Deus na criação e. providência, é por conclusões científicas naturais; e o que é assim descoberto não pode ser um mistério celestial, espiritual e glorioso, como este é a salvação. O que quer que os homens possam descobrir, se descobrirem qualquer coisa dessa maneira, é apenas ciência natural; não é um mistério e, portanto, não tem utilidade neste assunto, seja ele qual for. Além disso, não se diz apenas que é um mistério, mas um mistério oculto, e que "se escondeu em Deus", como Efésios 3: 9,10; Colossenses 1: 25,26; 1 Coríntios 2: 7,8; isto é, na sabedoria, propósito e vontade de Deus. Ora, é muito estranho que os homens possam, pelos meios naturais acima mencionados, descobrir uma sabedoria celestial e sobrenatural, e isso oculto de propósito a partir de sua descoberta por qualquer indagação desse tipo, e isso no próprio Deus; assim, chegando ao conhecimento de como foi se ele faria ou não. Mas podemos passar por cima dessas imaginações e aceitar o evangelho como o único meio de declarar a salvação de Deus. E, portanto, toda palavra e promessa em todo o livro de Deus, que intimamente ou revela qualquer coisa pertencente a esta salvação, é em si uma parte do evangelho e, portanto, para ser estimado. E como esta é a obra do evangelho, assim é de uma maneira especial seu trabalho próprio e peculiar com respeito à lei. A lei nada fala da salvação dos pecadores e, portanto, é chamada de ministério de morte e condenação, assim como o evangelho é da vida e salvação, 2 Coríntios 3: 9, 10. E assim o evangelho é a salvação declarativa. Segundo, é a salvação eficientemente, na medida em que é o grande instrumento que Deus tem o prazer de usar em e para a concessão de salvação aos seus eleitos. Por isso, o apóstolo chama isso de “o poder de Deus para a salvação”, Romanos 1:16; porque Deus em e por ele exerce seu poder poderoso na salvação daqueles que creem; como é chamado novamente, 1 Coríntios 1:18. Portanto, há um poder salvífico atribuído à própria palavra. E, portanto, Paulo confirma aos crentes “a palavra da graça”, como aquilo que “pode edificá-los e dar-lhes herança entre todos os que são santificados” (Atos 20:32). E Tiago chama isso de “a palavra enxertada, que é capaz de salvar nossas almas”, capítulo 1:21; o poder poderoso de Cristo sendo colocado nele, e acompanhando-o, para esse propósito. Mas isto melhor parecerá se considerarmos as várias partes principais desta salvação, e a eficiência da palavra como o instrumento de Deus em sua comunicação a nós; como: 1. Na regeneração e santificação dos eleitos, o primeiro ato externo desta salvação. Isto é feito pela palavra, 1 Pedro 1:23: "Nascer de novo, não de semente corruptível, mas de incorruptível, pela palavra de Deus", em que não só a coisa em si, ou a nossa regeneração pela palavra, mas a maneira em que também, é declarada. É pela concessão de uma nova vida espiritual sobre nós, da qual a palavra é a semente. Como toda vida procede de alguma semente, que tem em si virtualmente toda a vida, para ser educada por meios naturais, então a palavra nos corações dos homens é transformada em um princípio vital, que, valorizado por meios adequados, promove atos e operações vitais. Por esse meio, somos “nascidos de Deus” e “vivificados”, nós que “por natureza somos filhos da ira, mortos em ofensas e pecados”. Assim, Paulo diz aos coríntios que “os havia gerado em Cristo Jesus através do evangelho”. 1 Coríntios 4:15. Confesso que não faz este trabalho por nenhum poder residente em si, e sempre necessariamente acompanhando sua administração; pois então tudo seria tão regenerado a quem é pregado, e não haveria descuidados disso. Mas é o instrumento de Deus para este fim; e poderoso através de Deus é para a realização dele. E isso nos dá o nosso primeiro interesse real na salvação que ela declara. O mesmo uso e eficácia está no progresso deste trabalho, em nossa santificação, pela qual somos levados para o pleno desfrute desta salvação. Por isso, nosso Salvador ora por seus discípulos, João 17:17: “Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade”, como os meios e instrumentos de sua santificação; e ele diz aos seus apóstolos que eles estavam “limpos pela palavra que lhes havia falado”, capítulo 15: 3. Pois é a comida e nutrição em que o princípio da vida espiritual que recebemos em nossa regeneração é valorizado e aumentado, 1 Pedro 2: 2; e assim capaz de “edificar-nos”, até que “nos dê uma herança entre os que são santificados”. 2. É assim na comunicação do Espírito para aqueles que creem, para lhes fornecer os dons e graças de Deus. o reino dos céus, e para interessá-los em todos os privilégios desta salvação que Deus se agrada nesta vida para nos comunicar e nos confiar. Assim, o apóstolo, tratando dos gálatas sobre o desvio do evangelho, pergunta-lhes se “receberam o Espírito pelas obras da lei ou pela palavra da fé”, capítulo 3: 2; esse é o evangelho. Esse foi o caminho e meio pelo qual Deus comunicou-lhes seu Espírito, por quem, entre muitos outros privilégios, somos selados para o dia da redenção. Este é o pacto de Deus, que seu Espírito e a palavra do evangelho irão e devem permanecer com seus eleitos, Isaías 59:21. E ele nos é dado pelo evangelho em muitos relatos: (1.) Porque ele é o dom e a concessão do autor do evangelho, como para todos os fins e preocupações especiais da salvação. João nos diz que o Espírito não foi dado quando Jesus ainda não havia sido glorificado (capítulo 7:39), ou seja, não da maneira que Deus anexou a essa salvação; e, portanto, Pedro nos diz que quando o Senhor Jesus Cristo ascendeu ao alto, ele recebeu do Pai a promessa do Espírito e o derramou sobre aqueles que creram, Atos 2:33. E isso ele fez, de acordo com sua própria grande promessa e previsão, enquanto ele conversava com seus discípulos nos dias de sua carne. Não havia nada em que ele mais os apoiasse e encorajasse, nem em que mais elevasse seus corações a uma expectativa de que ele lhes enviasse e concedesse a eles o Espírito Santo, para muitos fins e propósitos abençoados, e que para permanecer com eles para sempre, como podemos ver, João 14: 15,16. E este é o grande privilégio do evangelho, que o autor dele é o doador do Espírito Santo; que está envolvido no assunto da nossa salvação, e todos os homens sabem que tem alguma familiaridade com essas coisas. (2) Ele é prometido no evangelho e só nele. Todas as promessas da Escritura, seja no Antigo Testamento ou no Novo, cujo assunto é o Espírito, são evangélicas; todos eles pertencem e são partes do evangelho. Pois a lei não tinha promessa do Espírito nem qualquer privilégio dele anexado a ela. E daí ele é chamado “O Espírito Santo da promessa”, Efésios 1:13; que, ao lado da pessoa de Cristo, era o grande assunto de promessas desde a fundação do mundo. (3) Por estas promessas são os crentes realmente participantes do Espírito. Eles são "vehicula Spiritus", os carros que trazem este Espírito Santo para nossas almas, 2 Pedro 1: 4. Por estas “grandes e preciosas promessas” é a “natureza divina” comunicada a nós, tão longe quanto à habitação deste abençoado Espírito. Toda promessa evangélica é para um crente, mas como se fosse a vestimenta do Espírito; no recebimento de que ele recebe o próprio Espírito, para alguns dos fins abençoados desta grande salvação. Deus faz uso da palavra do evangelho, e de nenhum outro meio, para esse propósito. De modo que aqui também é "a graça de Deus que traz salvação". 3. Em nossa justificação. E isso tem uma participação tão grande nessa salvação que muitas vezes é chamada de salvação em si; e aqueles que são justificados são considerados “salvos”, como em Efésios 2: 8. E isso é somente pelo evangelho; que é um ponto de tamanha importância que é o tema principal de algumas das epístolas de Paulo, e é totalmente ensinado em todas elas. E em vários aspectos isto é pelo evangelho: (1.) Porque nisto e assim é designado e constituído a nova lei de justificação, pela qual um pecador pode vir a ser justificado diante de Deus. A lei da justificação era que aquele que fez as obras da lei deveria viver nelas, Romanos 10: 5. Mas isso se tornou fraco e não lucrativo em razão do pecado, Romanos 8: 3; Hebreus 8: 7-12. Que qualquer pecador (e todos nós pecamos e carecemos da glória de Deus) deve ser justificado por esta lei ou a regra implica uma contradição, e é totalmente impossível. Pelo que Deus, pelo evangelho, constituiu uma nova lei de justificação, a saber, “a lei da fé”, Romanos 3:27; que é a santa declaração de sua vontade e graça de que os pecadores serão justificados e aceitos com ele pela fé no sangue de Cristo, "sem as obras da lei", que "aquele que crer será salvo". constituído e nomeado na lei da fé para ser proposto a todos os que crerem. E, por causa disso, o evangelho é salvação. (2) Porque em toda justificação deve haver uma justiça diante de Deus, no relato de que a pessoa a ser justificada deve ser declarada justa, isso é oferecido, proposto e exibido a nós pelo evangelho. Este não é outro senão o próprio Senhor e sua justiça, Isaías 45: 21,22; Romanos 8: 3,4, 10: 4; 2, 2 Coríntios 5:21; Gálatas 3: 13,14. Agora, Cristo, com toda a sua justiça, e todos os seus benefícios, são oferecidos a nós e dados àqueles que creem, pela promessa do evangelho. Isso ele pregou e propôs como crucificado diante de nossos olhos, e somos convidados a aceitá-lo; que as almas dos crentes através do evangelho fazem em conformidade. (3) E a própria fé, pela qual nós recebemos o Senhor Jesus Cristo por todos os fins pelos quais ele é oferecido a nós, e nos tornamos realmente interessados em todos os frutos e benefícios de sua mediação, é feito em nós pela palavra do evangelho. porque, como declaramos, é a semente de toda graça, qualquer que seja; e, em especial, “a fé vem pelo ouvir e ouvir pela palavra de Deus”, Romanos 10:17. A convicção do pecado é pela lei; mas a fé é pelo evangelho. E este é o caminho e meios que Deus designou de nossa parte para nos dar um interesse real na justificação, conforme estabelecido na lei do evangelho, Romanos 5: 1. Novamente, - (4) A promessa do evangelho, transmitida à alma pelo Espírito Santo, e alimentada pela fé, completa a justificação de um crente em sua própria consciência, e lhe dá paz assegurada com Deus. E assim todo o trabalho deste ramo principal de nossa salvação é realizado pelo evangelho. 4. Existe nesta salvação uma instrução e crescimento em sabedoria espiritual e um conhecimento do “mistério de Deus e do Pai e de Cristo” (Colossenses 2: 2); que também é um efeito do evangelho. De nós mesmos não somos apenas obscuros e ignorantes das coisas celestiais, senão "trevas" em si, isto é, totalmente cegos e incompreensíveis de mistérios espirituais e divinos, Efésios 5: 8; e assim, sob “o poder das trevas”, Colossenses 1:13, assim como nós não devemos menos do que os próprios demônios, sermos presos sob as suas correntes ao juízo do grande dia. Escuridão e ignorância quanto às coisas de Deus, em relação à revelação delas, e trevas na mente quanto à compreensão delas de maneira correta, reveladas, estão em todo o mundo; e nenhum coração é capaz de conceber, nenhuma língua para expressar, a grandeza e miséria desta escuridão. "A remoção disto é uma misericórdia inexprimível", o começo de nossa entrada no céu, o reino de luz e glória, e uma parte especial de nossa salvação. Pois “Deus é luz e nele não há treva alguma”, de modo que, enquanto estivermos sob o poder dela, não podemos ter relações com ele; pois “que comunhão tem luz nas trevas?” Agora, a remoção disto é pelo evangelho: 2 Coríntios 4: 6, “Porque Deus, que disse: Das trevas resplandecerá a luz, ele mesmo resplandeceu em nosso coração, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Cristo”, e ele o faz pela iluminação “o glorioso evangelho de Cristo”, verso 4. Pois não somente o objeto revelado aqui, “vida e imortalidade sendo trazidas à luz pela evangelho”, mas também os olhos de nossos entendimentos são iluminados por ele, para discernir as verdades por ele reveladas: pois é por meio dele que tanto os olhos dos cegos se abrem como a luz brilha para os que se assentam nas trevas; de onde nos é dito que somos “chamados das trevas para a maravilhosa luz”, 1 Pedro 2: 9. E nosso chamado não é outro senão pela palavra do evangelho. E como a implantação desta luz celestial em nós é pela palavra, assim o crescimento e aumento dela em sabedoria espiritual não é feito de outra maneira, 2 Coríntios 3:18; Colossenses 2: 2. E esse conhecimento espiritual com Deus em Cristo, essa sabedoria salvadora no mistério da graça, este conhecimento e entendimento sagrados da mente de Deus, essa crescente luz e discernimento sobre as coisas celestiais, que é iniciada, aumentada e levada adiante pelo evangelho, é um alvorecer especial daquela glória e imortalidade que essa salvação finalmente provoca. 5. Também pertence a essa alegria e consolação que os crentes são participantes do Espírito Santo neste mundo. Muitas vezes, suas provações são muitas, seus problemas são grandes e suas tentações abundam no curso de sua obediência. E estas coisas estão prontas para enchê-las de cuidados, medos, tristezas e desconsolação. Agora, embora nosso Senhor Jesus Cristo tenha predito seus discípulos de todas as tribulações e tristezas que devem atendê-los neste mundo, e os ensinou a sustentar e apoiar seus espíritos com os pensamentos e esperanças da glória que será revelada; todavia, na salvação que ele comprou para eles há provisão de consolo, “com alegria indescritível e cheia de glória”, mesmo durante sua peregrinação aqui embaixo. Tal alegria, de fato, é como o mundo não conhece, nem pode saber. Os princípios e causas disto, sua natureza e efeitos, estão todos escondidos neles. No entanto, é assim que todos os contentamentos e prazeres deste mundo não têm como ser comparados com ele. Agora, isso também é feito em nós e comunicado a nós pelo evangelho. É a palavra da promessa pela qual Deus dá “forte consolo” aos herdeiros da salvação, Hebreus 6: 17,18. E ao receber esta palavra pela fé, é que os crentes “alegram-se com alegria, indizível e cheia de glória”. Não apenas o apoio e conforto em suportar problemas, mas gloriosas exultações e êxtases de alegria, muitas vezes são forjados nos corações das pessoas crentes pelo evangelho. Agora eles podem suportar, agora eles podem sofrer, agora eles podem morrer; a alegria está sobre suas cabeças e em seus corações, e a tristeza e o suspiro fogem. Aqui está o descanso, aqui está a paz, aqui estão os refrigérios, aqui estão os prazeres, aqui está a vida a desejar. O bom Deus adoça e temperar todos os nossos corações com todas essas consolações, estas alegrias de seu reino, e aquilo pela bendita palavra de sua graça! 6. Finalmente, por exemplo, não mais particularmente, o evangelho é a palavra da salvação, e o instrumento na mão de Deus para a sua concessão aos crentes, porque eles serão levados para a plena possessão e gozo da mesma.
Os segredos de todos os corações serão julgados de acordo com o evangelho, Romanos 2:16; e pela palavra disso, os eleitos receberão sua coroa. E, nesses aspectos, o evangelho é uma palavra de salvação. Mas, segundo, em nossa proposição, como no texto, é ser grande salvação. Agora, vimos que o evangelho é chamado de salvação metonimicamente, a causa sendo chamada pelo nome do efeito. Mas neste adjunto de grande, "tão grande", o efeito em si, a própria salvação, pregado e oferecido pelo evangelho, é principalmente pretendido. Que, então, no próximo lugar, devemos declarar, a saber, que esta salvação pregada no evangelho é “grande salvação”. Nem é absolutamente dito que se torna uma grande salvação, mas “tal” (ou “assim”) “grande salvação”. E é comum na Escritura, quando sugeriria a nossas mentes e pensamentos uma grandeza inconcebível, usar algumas dessas expressões tão claramente íntimas um pouco mais do que pode ser expressado. Veja 1 Pedro 4: 17,18; Hebreus 10:29; João 3:16. “Tão grande”, isto é, absolutamente assim e comparativamente, com respeito aos benefícios recebidos pela lei; e inconcebivelmente, além do que podemos conceber ou expressar. Portanto, não devemos esperar que declaremos a verdadeira grandeza desta salvação, que o apóstolo sugere ser inexprimível. Nós apenas apontaremos para algumas das considerações em que a grandeza dela mais consistem e aparecem principalmente: - Primeiro, é grande no dispositivo eterno. Quando o pecado desfigurou a glória da primeira criação, e a honra de Deus parecia estar em uma posição, permanecendo de qualquer maneira para levá-lo até esse fim que todas as coisas a princípio tendiam, todas as criaturas eram, e para sempre teriam sido, ignorantes de um caminho para a recuperação de coisas para a primeira ou uma melhor ordem, ou a criação de uma salvação para o que foi perdido; pois, além disso, havia tais horríveis confusões, e esses emaranhados indissolúveis trazidos à criação e às várias partes dela, que ninguém conseguia discernir como poderiam ser articulados e postos em ordem novamente, parecia haver uma repugnância nas próprias propriedades da natureza divina para qualquer alívio ou salvação dos pecadores. Que os pecadores sejam salvos, e o que deve ser da justiça, santidade e verdade de Deus, todos os que estão comprometidos a ver uma recompensa de castigo prestada a toda transgressão? E isso foi o suficiente para eternamente silenciar toda a criação, em razão dessa obrigação indispensável que a de sempre e em todas as coisas, de preferir a honra e a glória de seu Criador diante do ser ou do bem-estar de qualquer criatura. Deveriam os santos anjos ter um plano para a salvação dos pecadores, na primeira descoberta de que iria interferir e colidir com a glória de Deus (como todo plano da sabedoria finita e limitada teria feito, sem dúvida), sim, levantar-se contra sua bem-aventurança e seu ser, e eles instantaneamente lançariam isso deles como algo abominável, e descansariam eternamente na contemplação de suas excelências; para que fim eles foram criados. Aqui, portanto, sabedoria infinita, graça infinita, bondade infinita e santidade infinita, descobrem-se naquele único plano da salvação que resolve todas essas dificuldades e aparentes contradições, e mantém toda a glória dos atributos de Deus, restaurando a honra perdida pelo pecado e reduzindo toda a criação em uma nova ordem e subserviência à glória de seu Criador. Portanto, essa grande projeção e desígnio é chamada “a sabedoria de Deus”, como aquela em que ele se agradou principalmente de abrir a fonte de sua eterna sabedoria, Romanos 11:33, 1 Coríntios 1:24; e não somente isso, mas “a multiforme sabedoria de Deus”, Efésios 3:10 - isto é, infinita sabedoria, exercendo-se em grande e indizível variedade de meios para a realização do fim planejado. Sim, é dito que “todos os tesouros da sabedoria” estão expostos nesta questão e colocados em Cristo Jesus, Colossenses 2: 3: como se ele tivesse dito que todo o estoque de sabedoria infinita estava exposto aqui. Ainda que Deus tenha feito todas as coisas com sabedoria, ainda assim, aquilo que ele propõe principalmente para nossa consideração na criação de todas as coisas é sua soberana vontade ou prazer, unido com infinito poder. Para sua vontade ou prazer, todas as coisas foram criadas, Apocalipse 4:11. Mas nesta obra de pensar a salvação dos pecadores, ele se importa com o “conselho de sua vontade”, Efésios 1:11 - isto é, a infinita sabedoria com a qual os santos atos de sua vontade a respeito dela foram acompanhados; e o “mistério de sua vontade”, no qual ele planejou reunir todas as coisas em uma só cabeça, por Jesus Cristo, versículos 9, 10. Certamente o produto da sabedoria infinita e eterna, do conselho da vontade do Santíssimo, em que os tesouros do mesmo foram dispostos com um desígnio para exibi-lo em variedade múltipla, devem ser grandes, muito grandes, tão grandes como não podem ser concebidos ou expressos. Poderíamos aqui ficar contemplando e admirando, em nossa fraca e premente luz, em nossa fraqueza, de acordo com a mesquinhez de nossas apreensões das reflexões no espelho do evangelho, a eternidade desse plano; as transações entre Pai e Filho sobre isso; a recuperação da glória perdida de Deus pelo pecado e a criação arruinada; a segurança da santidade, justiça, verdade e justiça vingativa de Deus, previstas nela; com abundantes transbordamentos de graça, bondade, amor, misericórdia e paciência, que são a vida dela; podemos manifestar que há o suficiente nesta fonte para tornar grandes e gloriosas as correntes que fluem dela. E ainda assim, ai! Quão pouco, que pequena porção de sua glória, excelência, beleza, riquezas, é o que podemos alcançar neste mundo! Quão fracos e mesquinhos são as concepções e pensamentos das criancinhas sobre os desígnios e conselhos dos sábios da terra! E ainda há uma proporção entre os entendimentos de um e do outro. Mas não há absolutamente nada entre a nossa e a profundidade infinita da sabedoria e do conhecimento de Deus que são expostos neste assunto. Nós pensamos como crianças, falamos como crianças, vemos sombriamente, como em um espelho; e a melhor atuação de nossa fé nesse negócio é a admiração humilde e a gratidão sagrada. Agora, certamente, não está na capacidade de uma criatura lançar maior desprezo a Deus, do que supor que ele fixaria todas as suas propriedades gloriosas no trabalho, e extrair todos os tesouros de sua sabedoria, para produzir ou efetuar aquilo que deveria ser baixo, mau, nem todo caminho admirável. E, no entanto, até aquela altura de impiedade, tem havido incredulidade entre muitos a quem o evangelho é e tem sido pregado, a ponto de rejeitar e desprezar todo o mistério dele como mera loucura, como uma noção vazia, apta a ser negligenciada e desprezada. Assim o deus deste mundo cegou os olhos dos homens, para que a luz do evangelho glorioso não brilhe em suas mentes. Mas, quando Deus vier a ser admirado em todos os que creem, na conta desse desígnio de sua graça e sabedoria, com espanto verão a glória dele em outros, quando for tarde demais para obter qualquer benefício por ele. Em segundo lugar, a salvação pregada no evangelho é grande na conta do caminho e dos meios pelos quais foi realizada, ou o grande efeito da infinita sabedoria e graça de Deus na encarnação, sofrimentos e morte de seu Filho. Assim foi forjado, e não o contrário poderia ser efetuado. Não fomos redimidos com coisas corruptíveis, como a prata e o ouro, 1 Pedro 1:18. Nenhum preço assim seria aceito com Deus; a salvação é muito preciosa para que possa ser comprada, Salmos 49: 6,7. "Mas pode ser que seja efetuado e provocado pela lei, que era a instituição de Deus? Ou seus preceitos ou seus sacrifícios podem efetuar essa obra, e a salvação pode ser alcançada pelas obras da lei?” Mas nem isso será suficiente. Pois a lei é fraca e insuficiente quanto a tal propósito, Romanos 8: 2,3; nem os sacrifícios seriam aceitos para esse fim, Hebreus 10: 7,8. "Como então isso será feito? Não há ninguém digno no céu ou na terra para empreender este trabalho, e deve cessar para sempre?” Não; o eterno Filho de Deus, a Palavra, o Poder e a Sabedoria do Pai, o brilho de sua glória e a imagem expressa de sua pessoa, ele realizou esta obra. Isso torna grande e glorioso que o Filho de Deus em sua própria pessoa o execute; deve ser, seguramente, a "grande salvação", que ele próprio elaborou. "E como ele faz isto, pela poderosa palavra do seu poder, como ele fez todas as coisas da antiguidade?" Não; este trabalho é de outra natureza e, de outro modo, deve ser realizado. Pois, - 1. Para este propósito, ele deve ser encarnado, "feito carne", João 1:14; “nascido de mulher”, Gálatas 4: 4. Embora ele estivesse na forma de Deus, e fosse igual a Deus, ainda assim ele deveria humilhar-se e esvaziar-se para a forma de um homem, Filipenses 2: 6,7. Este é o grande “mistério da piedade, Deus manifesto na carne”, que “os anjos desejam examinar”. Que o Filho de Deus deve levar a natureza do homem à subsistência consigo mesmo, na mesma pessoa - que era necessário para a realização desta salvação - é uma coisa que toda a criação deve admirar para a eternidade. E, no entanto, isso é apenas uma entrada para este trabalho; pois, 2. Nesta natureza ele deve ser "nascido debaixo da lei", Gálatas 4: 4; e ligado à obediência que requeria. Tornou-se a ele cumprir toda a justiça, para que ele pudesse ser nosso Salvador; pois, embora fosse um Filho, ele aprenderia a obedecer. Sem sua perfeita obediência à lei, nossa salvação não poderia ser aperfeiçoada. O Filho de Deus deve obedecer, para que possamos ser aceitos e coroados. As dificuldades também, tentações e perigos que o acompanharam no curso de sua obediência, são inexprimíveis. E certamente isso torna a salvação dele muito grande. Mas ainda há restos que lhe dão outra exaltação; pois, - 3. Este Filho de Deus, após o curso de sua obediência a toda a vontade de Deus, deve morrer, derramar seu sangue e “fazer de sua alma uma oferta pelo pecado”. E aqui a glória desta salvação irrompe como o sol em sua força. Ele deve ser “obediente até a morte, a morte da cruz”, Filipenses 2: 8. Se ele for um “capitão da salvação”, para “trazer muitos filhos à glória”, ele deve ser “aperfeiçoado pelos sofrimentos” (Hebreus 2: 10). Havia lei, maldição e ira no caminho. da nossa salvação, todos eles para serem removidos, todos a serem submetidos, e pelo Filho de Deus; porque “não fomos redimidos com coisas corruptíveis, como a prata e o ouro, mas com o precioso sangue de Cristo”, 1 Pedro 1: 18,19. E aí Deus “redimiu a sua igreja com o seu próprio sangue”, (Atos 20:28). E aqui seguramente foi o amor de Deus manifesto, que "ele deu a sua vida por nós", 1 João 3:16. Isso pertence aos meios pelos quais nossa salvação é obtida. Ainda não é tudo isso; pois se Cristo tivesse morrido por nós, nossa fé nele havia sido em vão, e nós ainda estaríamos em nossos pecados. Portanto, - 4. Para continuar o mesmo trabalho, ele ressuscitou dos mortos e agora vive para sempre fazer intercessão por nós e salvar perfeitamente os que por ele se chegam a Deus. Por esses meios, a salvação foi pregada no evangelho obtido; o que seguramente a manifesta como “grande salvação”. Deus teria enviado seu Filho, seu único Filho, e que de tal maneira, se não fosse pela realização de uma obra tão grande e gloriosa em si mesma quanto indispensavelmente necessária? Para que fim? Será que o próprio Filho tem assim se esvaziado da sua glória, condescendido em tão baixa condição, lutado com tais dificuldades, e sofrido longamente uma morte tão amaldiçoada e vergonhosa, não teve um grande trabalho para o qual ele foi comprometido? Ó cegueira, dureza e estupidez dos filhos dos homens! Eles professam que acreditam que essas coisas são verdadeiras, pelo menos não ousam negar que sejam assim; mas para o efeito deles, para a salvação operada por eles, eles valorizam a menor de todas as coisas que eles têm algum conhecimento. Se essa salvação, assim obtida, se apoderar deles durante o sono, e cair sobre eles, quer queiram ou não, não resistirão muito a ela, contanto que não os atravesse em nenhum de seus desejos, propósitos ou prazeres. Mas para ver a sua excelência, para colocar uma avaliação sobre ela de acordo com o preço pelo qual foi comprada que eles são totalmente indiferentes. “Ouvi, desprezadores! Maravilhai-vos, e pereçam.” O Filho de Deus derramou seu sangue em vão? Ele obedecerá e sofrerá, sangrará, orará e morrerá por nada? Não é nada para você que ele devesse sofrer todas essas coisas? Havia falta de sabedoria em Deus, ou amor a seu Filho, para empregá-lo, de modo a usá-lo, em um negócio que você estima de tão pequena preocupação que você deixaria de lado para investigá-lo? Assegure-se que estas coisas não são assim, como você um dia encontrará para sua eterna ruína. Terceiro, esta salvação parecerá ser grande se considerarmos por que somos libertos e naquilo em que estamos interessados, ou nos tornamos participantes de, em virtude disso. Estes também podem denominar a salvação como sendo grande e, portanto, podem ser considerados separados. 1. Do que nós somos livrados por esta salvação? Em uma palavra, tudo o que é mal neste mundo ou o que está por vir. E todo mal pode ser referido a duas cabeças: (1) Aquilo que corrompe e deprava os princípios de nossa natureza em seu ser e operação; e (2) Aquilo que é destrutivo da nossa natureza quanto ao seu bem-estar e felicidade. O primeiro deles é pecado, o último é castigo; e ambos assumem toda a natureza do mal. Os detalhes neles contidos podem não ser aqui distintos e diversos. O primeiro contém nossa apostasia de Deus, com todas as consequências disso, na escuridão, loucura, imundície, vergonha, servidão, inquietação, serviço da luxúria, o mundo e Satanás, e nisso constante rebelião contra Deus, e diligência na elaboração, nossa própria ruína eterna; todos compareceram com uma estupidez insensata ao não discernirem que essas coisas são más, prejudiciais, ruinosas, corrompedoras de nossas naturezas e seres e, na maior parte, com sensualidade brutal na aprovação e gosto delas. Mas aquele que não compreende o mal ao ser caído de Deus, a causa primeira, o bem maior e o fim último de tudo - estando sob o poder de uma constante inimizade contra ele, na desordem de toda a sua alma e de todas as faculdades dela, no constante serviço do pecado, o fruto da escravidão e do cativeiro na mais vil condição, será despertado para outra apreensão dessas coisas quando não houver mais tempo de libertação delas. O último destes consiste na ira ou maldição de Deus, e compreende o que é ou pode ser penal e aflitivo para a nossa natureza até a eternidade. Agora, de ambos estes, com todos os seus efeitos e consequências, crentes são livrados por esta salvação, a saber, do pecado e da ira. O Senhor foi chamado Jesus, porque ele “salva o seu povo dos seus pecados”, Mateus 1:21; e ele também é o Salvador que “os livra da ira futura”, Tessalonicenses 1:10. E esta é a “grande salvação”. Se um homem for apenas o meio de libertar outro da pobreza, da prisão ou de uma doença perigosa, especialmente se tal não puder ser livrado senão por ele, quão grande deve a bondade dele ser estimada e merecidamente! As libertações providenciais dos perigos iminentes da morte temporal são encaradas como grandes salvações, e isso pelos homens bons, e assim deveriam ser, 2 Coríntios 1:10. Mas o que são todos estes para esta salvação? Qual é a doença do corpo para a doença, sim, a morte da alma? O que é aprisionamento do homem exterior, sob a ira de vermes pobres como nós, e que por alguns dias, para as cadeias da escuridão eterna? O que é uma pequena necessidade e pobreza externas, à falta do favor, amor e presença de Deus para a eternidade? O que é a morte temporal, passada em um momento, um fim de dificuldades, uma entrada em repouso, comparado à morte eterna, sob a maldição, a ira e a justa vingança do Deus santo? Essas coisas não têm proporção de uma para outra. Tão inexprimivelmente grande é esta salvação, que nada nos resta para ilustrá-la. E esta excelência da salvação do evangelho será por fim conhecida por quem, no momento, é desprezada, quando eles caem e perecem sob a falta dela, e isso para a eternidade. 2. Esta salvação é grande na conta do fim dela, ou daquilo que traz aos crentes. A libertação do povo de Israel do antigo Egito foi uma grande salvação; assim Deus colocou em toda a parte, e assim as pessoas o estimaram e justamente. Os que murmuravam debaixo dela, os que desprezavam a terra aprazível, caíram todos sob o doloroso desagrado de Deus. Mas, ainda assim, como essa libertação não era senão de um cativeiro temporal e exterior, de modo que aquilo a que ela os levou era apenas descanso exterior por alguns dias, em um país abundante - deu-lhes uma herança de casas, terras e vinhas, na terra de Canaã; mas ainda assim eles também morreram rapidamente, e muitos deles pereceram em seus pecados. Mas como vimos o que nos é dado por esta salvação, também a excelência da herança que obtemos desse modo é como nenhum coração pode conceber, nenhuma língua pode expressar. Leva-nos ao favor e amor de Deus, à adoção de filhos, ao descanso durável e à paz; em uma palavra, para o desfrute de Deus em glória eterna. Oh, a bem-aventurança deste descanso, a glória desta herança, a excelência desta coroa, a eternidade e imutabilidade desta condição, a grandeza desta salvação! Quão malvadas, quão fracas, quão baixas, quão indignas são as nossas apreensões disso! No entanto, certamente, através da abençoada revelação do Espírito de graça pela palavra do evangelho, vemos, sentimos que experimentamos tanto dela quanto é suficiente para nos manter em uma santa admiração dela todos os dias de nossa peregrinação aqui na terra. Ainda resta agora, em terceiro lugar, que declaramos a inevitabilidade da destruição de quem negligencia esta tão grande salvação.


Publicado no site: O Melhor da Web em 17/05/2018
Código do Texto: 137411
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.