Espaço Literário

O Melhor da Web


Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
kuryos - Silvio Dutra
Silvio Dutra
Cadastrado desde: 29/08/2012

Texto mais recente: O Bom Efeito da Aflição



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
Hebreus 3 - VERSÍCULOS 3 a 6 – P 3
12/07/2018
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
Hebreus 3 - VERSÍCULOS 3 a 6 – P 3


   John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado eEditado por Silvio Dutra

Glorioso em si mesmo: quem pode estabelecer, quem pode expressar a glória e a beleza, e a ordem deste trabalho? O tabernáculo, com o templo antigo, e todos os seus móveis, eram extremamente gloriosos; mas ainda assim eles e sua adoração não tiveram glória em comparação com a glória mais excelente desta casa espiritual, 2 Coríntios 3: 10. É gloriosa em sua fundação; que é o próprio Cristo. “Porque ninguém pode lançar outro fundamento, além do que foi posto, o qual é Jesus Cristo.” (1 Coríntios 3: 11). Essa é a rocha sobre a qual esta casa é construída, Mateus 16:18. Ele é posto “em Sião por um fundamento, uma pedra, uma pedra provada, uma pedra angular preciosa, um fundamento seguro”, Isaías 28:16 - tão glorioso que quando ele é trazido para fora, os que estão preocupados no edifício gritam, “Graça, graça para ela” Zacarias 4: 7. E é glorioso em sua superestrutura; é construído de pedras vivas, 1 Pedro 2: 4; que também são preciosas e eleitas, cimentadas entre si e transformadas em beleza e ordem pelo Espírito de Deus. Também é glorioso em relação ao seu fim; é construído para a glória de Deus. Esta casa é a base da glória eterna, como sendo aquela sobre a conta da qual Deus será eternamente glorificado. Ela entra no lugar de toda a criação a princípio, e dobra a receita da glória para Deus. Mas quanto a estas coisas mais deve ser falado depois. Nosso dever é ter em mente esta honra e glória de Cristo, como aquele para o qual ele é exaltado, aquele de que ele é de todo modo digno. E aqui nosso interesse e honra estão. Pois se qualquer membro do corpo místico é honrado, todos os membros se regozijam com isso, 1 Coríntios 12:26, quanto mais todos os membros fazem para se alegrar com esta honra indescritível e glória de sua cabeça, de onde toda a sua honra em particular flui! 3. A honra e a glória de todos os que sempre foram empregados, ou sempre serão, no trabalho e serviço da casa de Deus, conjunta e separadamente considerado, é inferior, subordinado e subserviente à glória e honra de Jesus Cristo, o construtor chefe da casa. Ele é digno de mais honra do que todos eles. Ele é o Filho, eles são servos. Ele está sobre a casa, eles estão nela e partes dela. Eles são pastores, mas as ovelhas e os cordeiros são Seus. Ele é o chefe ou príncipe dos pastores; toda a sua honra é dele e, se não lhe for devolvida, está totalmente perdida. 4. - “Porque toda casa é edificada por alguém; mas aquele que construiu todas as coisas é Deus.” Neste verso, o apóstolo confirma e ilustra o que ele tinha antes de afirmar e provar. Para isso, duas coisas eram necessárias; porque, primeiro, todo o seu discurso se referia à analogia que existe entre uma casa e seu construtor, de um lado, e Cristo com sua igreja, de outro - vendo que nisso reside que, como o construtor é digno de mais honra que a casa construída por ele, assim como Cristo é digno de mais do que a igreja inteira ou casa de Deus que foi construída por ele, - era portanto necessário mostrar que seu argumento tinha um fundamento real nas coisas das quais a paridade da razão insistida por ele. Isso ele faz nas primeiras palavras: “Toda casa é edificada por alguém”. Toda casa, seja qual for o seu construtor, entre quem e a casa, há essa condição de que ele é mais honroso do que ela. Isto, portanto, é igualmente válido em uma casa material e em uma espiritual. O respeito mencionado é semelhante em ambos. Em segundo lugar, se aquele edifício da casa que sozinho faria a inferência e intenção do apóstolo (a saber, que Cristo era mais honroso do que Moisés, porque ele construiu a casa, Moisés era apenas uma parte dela), como descrevemos, a edificação da igreja em todas as épocas, quem poderia realizá-la? A quem deve pertencer este trabalho? Por que, diz ele, “Aquele que construiu todas as coisas é Deus”. Duas coisas estão aqui para serem investigadas; - primeiro, o que é pretendido por “todas as coisas” aqui mencionadas; em segundo lugar, quem é pretendido por "Deus", que é dito construir a todas. Para o primeiro, ta panta, "todas as coisas", é colocado para tau ta panta, "todas estas coisas", - todas as coisas tratadas; - tipo de expressão que é frequente nas Escrituras. E, portanto, Beza traduz bem as palavras “haec omnia”, “todas estas coisas” - a casa inteira e todas as pessoas que pertencem a ela ou as partes dela em todas as épocas. E assim é ta panta constantemente restringido ao assunto tratado. Além disso, a palavra kataskeuasav, aqui usada pelo apóstolo, pela qual ele expressou antes a construção da casa, declara claramente que é o mesmo tipo de construção que ele ainda trata, e não a criação absoluta de todas as coisas, que é em nenhum lugar expresso por essa palavra. E isso é suficiente para evidenciar o que defendemos. Esta palavra não é usada em nenhum lugar nas Escrituras para expressar a criação de todas as coisas, nem significa criar, mas “preparar” e “edificar”. E é frequentemente usado neste negócio de preparar a igreja ou os caminhos da adoração de Deus. Veja Mateus 11:10; Lucas 1:17, 7:27; Hebreus 9: 2,6. Para que não haja pretensão de aplicá-lo à criação do mundo neste lugar. Novamente, a fabricação de todas as coisas, ou a primeira criação, não pertence ao seu propósito; mas a menção a isso perturbaria a série de seu discurso e o tornaria equívoco. Não há razão para isso em seu projeto, nem lugar para isso em seu discurso, ou qualquer coisa nele para seu propósito. Segundo, quem é aqui intencionado pelo nome "Deus". As palavras podem ser entendidas de modo a significar que Deus fez ou construiu todas estas coisas, ou que aquele que fez e construiu todas estas coisas é Deus; o primeiro sentido faz de Deus o sujeito, o segundo o predicado da proposição. Mas quanto ao nosso propósito, eles equivalem ao mesmo; porque, se aquele que os criou é Deus, o fazer deles declara que assim é. E é ao Senhor Jesus Cristo quem se destina nesta expressão; pois, - primeiro, se Deus absolutamente, ou Deus Pai, fosse intencionado, então pela “construção de todas as coisas” a criação do mundo é projetada; então todos eles concordam com essa opinião: mas isso não é assim, já demonstramos pelas próprias palavras. Em segundo lugar, a introdução de Deus absolutamente, e sua construção de todas as coisas, neste lugar, não é de modo algum subserviente ao propósito do apóstolo. Em terceiro lugar, é contrário ao seu propósito; porque enquanto ele não prova que o Senhor Jesus Cristo seja merecidamente preferido acima de Moisés, a menos que ele manifeste que, por sua própria força, ele construiu a casa de Deus de tal maneira que Moisés não foi empregado, de acordo com esta interpretação das palavras, ele aqui atribui o edifício principal da casa a outro, ao Pai, e assim derruba o que ele tinha antes afirmado. Este, então, é o que por estas palavras o apóstolo pretende declarar, a saber, a base e razão de onde é que a casa era ou poderia ser daquele modo glorioso construída por Cristo, mesmo porque ele é Deus, e assim capaz de efetuá-lo.
Versículos 5, 6.
“5 E Moisés era fiel, em toda a casa de Deus, como servo, para testemunho das coisas que haviam de ser anunciadas;
6 Cristo, porém, como Filho, em sua casa; a qual casa somos nós, se guardarmos firme, até ao fim, a ousadia e a exultação da esperança.”
O apóstolo nestas palavras procede a outro argumento para o mesmo propósito do primeiro, consistindo em uma comparação entre Cristo e Moisés em referência à sua relação com a casa de Deus quando construída. No edifício, ambos eram fiéis, Cristo como o principal construtor, Moisés como parte principal da casa, ministerialmente empregado também na sua construção. Na casa que está sendo construída, ambos são fiéis a ela em suas várias relações com ela; Moisés como servo na casa de Deus; Cristo como um filho sobre sua própria casa; porque a construiu. Tendo construído a casa, e sendo o filho ou o senhor sobre ela, ela se torna sua própria casa. Como para Moisés, há nas palavras: 1. Sua relação com a casa de Deus, que era a de um servo; 2. O fim do seu ministério: “para testemunhar das coisas que foram ditas depois”. Em referência ao Senhor Jesus Cristo, 1. Sua relação com a casa é afirmada como “de um filho”. "Ou senhor sobre a casa." 2. Uma implicação de sua fidelidade nessa relação, "Mas Cristo como um filho", isto é, "era fiel como um filho." 3. Uma declaração do estado e condição daquela casa sobre a qual, como filho, ele preside, com uma aplicação das coisas ditas à fé e obediência dos hebreus: "a qual casa somos nós, se guardarmos firme, até ao fim, a ousadia e a exultação da esperança" etc. O argumento do apóstolo nestas palavras é óbvio : O filho fiel sobre a sua própria casa é mais glorioso e honrado do que um servo que é fiel na casa de seu senhor e mestre; mas Cristo era assim um filho sobre a casa, Moisés apenas um servo nela. Há uma dificuldade nos termos desse argumento, que deve ser removida antes de entrarmos na explicação das palavras em particular; e isso está na oposição que é feita aqui entre um filho e um servo, sobre o qual o estresse disso está. Pois Moisés não era somente servo, mas também filho, um filho de Deus; e o Senhor Jesus Cristo não era apenas um filho assim, mas também servo do Pai em sua obra, e é na Escritura muitas vezes assim chamado, e consequentemente ele professava constantemente que, como ele foi enviado pelo Pai, ele veio a fazer a sua vontade e não a sua. Resposta: Primeiro, a comparação feita aqui não é entre as pessoas de Cristo e Moisés absolutamente, mas com sua relação com a igreja ou casa de Deus em seus ofícios. Moisés era de fato um filho de Deus por adoção (pois “a adoção” pertencia aos crentes sob o Antigo Testamento, Romanos 9: 4); ele era assim em sua própria pessoa; mas ele não era um filho em referência à casa, mas um servo por seu cargo, e não mais. E o Senhor Jesus Cristo, que era o Filho de Deus em um relato mais glorioso, aquele mesmo de sua eterna geração, não é daí aqui dito ser um filho, ele não é como tal aqui falado, mas como aquele que tinha o governo como um filho sobre a casa. Segundo, é verdade, Cristo era o servo do Pai em sua obra, mas ele era mais do que isso também. Moisés estava na casa como um servo, e não mais. O Senhor Jesus Cristo era tão servo quanto ele também era filho, senhor e herdeiro de todos. E isto, quanto à equidade, é fundado originalmente na dignidade de sua pessoa, pois ele é “sobre todos, Deus bendito para sempre, Romanos 9: 5. Ele era Deus e Senhor por natureza, um servo por condescendência; e, portanto, fez-se um filho ou senhor pela constituição do Pai, como nosso apóstolo declara em geral, Filipenses 2: 6-9. Esta, então, é a economia deste assunto: sendo em si mesmo Deus acima de tudo, ele se tornou por condescendência voluntária, na suspeita da natureza humana, o servo do Pai; e ao fazer a vontade dele, ele teve a honra de ser o filho, o chefe e o senhor de toda a casa. Assim, nenhum escrúpulo pode, portanto, surgir contra a força do argumento do apóstolo. Duas coisas estão contidas em geral nas palavras, pois relatam a relação de Moisés com a casa de Deus, 1. Seu ministério, 2. O fim daquela ministério, como foi observado. 1. “Moisés, na verdade, foi fiel como servo em toda a sua casa”. O ofício atribuído a ele é o de servo, servo de Deus e do povo; um “servo”, “ministro” ou “oficial”, nas coisas pertencentes ao culto religioso. Este era o seu lugar, ofício, dignidade e honra. E isso é acompanhado de uma tripla amplificação: (1.) Em que ele era “fiel” em seu serviço; o qual em que consistiu foi declarado. (2) Em que ele era um servo na casa de Deus; não somente no mundo, e em conformidade com as obras de sua providência (já que todas as coisas servem à vontade de Deus, e homens ímpios, como Ciro e Nabucodonosor, são chamados seus servos), mas em sua casa, - naquele serviço que é da mais próxima relação e de maior interesse para ele. É uma honra servir à vontade de Deus em qualquer dever, mas naqueles que dizem respeito especialmente à sua casa e à sua adoração. (3) Em que ele não foi assim empregado e, portanto, fiel nesta ou naquela parte da casa de Deus, neste ou naquele serviço dela, mas "em toda a sua casa" e todas as suas preocupações, aqui estava ele diferenciado de todos os outros que Deus usou no serviço de sua casa sob o Antigo Testamento. Um foi empregado em uma parte dela, outro em outra; - um para ensinar ou instruir, outro para reformá-la ou restaurá-la; um para renovar uma ordenança negligenciada, outro para dar uma nova instrução: ninguém, senão somente Jesus Cristo foi usado a serviço de toda a casa. 2. “Moisés era fiel, em toda a casa de Deus, como servo, para testemunho das coisas que haviam de ser anunciadas”. O fim do serviço e ministério de Moisés é expresso nestas palavras. Era para ser “para um testemunho”. A palavra e as ordenanças de Deus são frequentemente chamadas de seu “testemunho”, o que testifica e revela sua vontade aos filhos dos homens: twde, “o que Deus testifica”. Alguns, portanto, acham que o significado das palavras é que Moisés, em seu ministério, revelou o testemunho de Deus; e que estas palavras, "das coisas que deveriam ser anunciadas", são tanto como "nas e pelas coisas que ele falou", que Deus teria falado por ele, onde consistia o seu testemunho. Mas esta exposição das palavras é perplexa e faz uma coincidência direta entre o testemunho e as coisas ditas, enquanto elas são distintas no texto, uma sendo subserviente à outra, o testemunho das coisas ditas. Outros tomam “testemunho” para ser colocado como testemunhas, aquele que devia prestar testemunho; qual era o dever de Moisés de ser e fazer. Ele deveria ser uma testemunha da palavra de Deus que foi dada e revelada por ele. E ambas as exposições supõem que “as coisas faladas” são as coisas ditas pelo próprio Moisés. Mas nem isso parece responder à mente do Espírito Santo; pois, - (1.) Este testemunho refere-se a toda a fidelidade de Moisés, que não foi confinado ou restrito às coisas que foram ditas, mas estendeu-se a todo o serviço da casa em que ele estava empregado, bem como no construção do tabernáculo e instituição de ordenanças como reveladoras da vontade de Deus em sua lei. (2) Lalhqhsomnwn, respeita às coisas futuras até o que ele fez em todo o seu ministério. Esta nossa tradução observa corretamente, tornando-a: “As coisas que deveriam ser ditas depois”. E também esta ordem das palavras, como a importância delas exige. Em seu ministério ele era um testemunho, ou pelo que ele fez no serviço da casa que ele deu testemunho. Do que? Das coisas que depois foram ditas, isto é, na plenitude dos tempos, na época determinada, pelo Messias, isto é, as coisas do evangelho. E isso, de fato, foi o fim de tudo que Moisés fez ou ordenou na casa de Deus. Essa é a importância das palavras, e este foi o fim verdadeiro e apropriado de todo o ministério de Moisés, onde sua fidelidade foi provada. e manifestado. Ele ordenou todas as coisas pela direção de Deus na adoração típica da casa, para que pudesse ser uma promessa e testemunho do que Deus depois revelaria e exibiria no evangelho: pois “Cristo é o fim da lei para a justiça de todo aquele que crê”, (Romanos 10: 4). E foi-lhe revelado, como aos outros profetas, que não a si mesmos, mas a nós, eles ministravam nas revelações que fizeram das coisas que lhes testifica- mos pelo Espírito de Cristo, que neles havia, 1 Pedro 1: : 11,12. E considerando que é frequentemente dito que Moisés deu testemunho do Senhor Jesus Cristo e do evangelho, ele o fez não tanto por profecias diretas e promessas dele, como por toda a constituição e ordenação da casa de Deus e de todas as suas instituições, especialmente na edificação do tabernáculo e na nomeação dos sacrifícios a ele anexados: pois, como o primeiro testemunhou e representou a assunção de nossa natureza humana por Cristo, segundo a qual “habitou entre nós”, João 1:14, e, portanto, depois que o tabernáculo foi construído, Deus falou somente dali, Levítico 1: 1, assim como o último, aquele grande sacrifício pelo qual o Cordeiro de Deus levou os pecados do mundo. Nisso Moisés foi fiel. E aqui o apóstolo se despede de Moisés - ele não trata mais dele; e, portanto, ele lhe dá como se fosse um enterro honroso. Ele coloca este glorioso epitáfio em seu túmulo: “Moisés, servo fiel do Senhor em toda a sua casa”. 6 - "Mas Cristo como um filho sobre sua própria casa." O termo "fiel" está aqui para ser repetido, "Foi fielmente como um filho sobre sua própria casa.” Cada palavra quase prova a preeminência afirmada. Ele é um filho, Moisés, um servo; ele sobre a casa, Moisés na casa; ele sobre sua própria casa, Moisés na casa de outro. Em que sentido do Senhor Jesus Cristo é dito ser o filho sobre sua casa tem sido tão plenamente declarado em nossa exposição do primeiro capítulo, que não precisa ser aqui insistido. A autoridade absoluta e suprema sobre todas as pessoas e coisas é pretendida nesta expressão. Todas as pessoas que pertencem à casa de Deus estão à sua disposição, e a instituição de toda a adoração está somente em seu poder. “De quem é a casa?” Tendo confirmado seu argumento, o apóstolo retorna, de acordo com seus modos, para aplicá-lo aos hebreus e aperfeiçoá-los para a execução de sua exortação à constância e à perseverança. E aqui, primeiro, ele faz uma explicação da metáfora na qual ele insistiu. "Eu tenho", disse ele, "falado estas coisas de uma casa e seu edifício; mas é a igreja, é a nós mesmos que eu me refiro.” De quem é a casa? Em segundo lugar, para que também saibam, em particular, quem é a quem ele se refere, ele acrescenta outra descrição deles: “Se nós retivermos a nossa confiança e a glória da esperança até o fim”. “Os quais somos nós”, isto é, os crentes, que o adoram de acordo com o evangelho, são assim. E o apóstolo frequentemente, tanto em exortações quanto em aplicações de argumentos e ameaças, se une aos professantes hebreus, para sua direção e encorajamento. Agora, os crentes são a casa de Cristo em uma conta tripla: 1. De suas pessoas. Neles ele habita realmente pelo seu Espírito. Por isso, deles é dito que são “pedras vivas” e sobre ele são edificados em “templo santo”, 1 Pedro 2: 5. E como tal ele habita neles, Efésios 2: 20-22, 1 Coríntios 3:16, 2 Coríntios 6:16, João 14:17. 2. De serem colocados juntos na ordem da igreja de acordo com a sua instituição, por meio da qual eles são edificados, cimentados, unidos e tornam-se uma casa, como o tabernáculo ou templo antigo, Efésios 4:16, Colossenses 2:19. 3. De seu culto conjunto realizado nessa ordem; onde e por meio do qual ele também habita entre eles, ou está presente com eles para a consumação de todas as coisas, Apocalipse 21: 3, Mateus 28:20. “Se guardarmos firme, até ao fim, a ousadia e a exultação da esperança.” Essas palavras podem ter um duplo sentido: primeiro, expressar a condição da qual a verdade da antiga asserção depende: Somos sua casa, mas em segundo lugar, para expressar uma descrição das pessoas que são assim a casa de Cristo, por uma limitação e distinção entre os professantes, mostrando que na primeira afirmação, ele se refere apenas àqueles que se apegam em sua confiança firme até o fim. De acordo com essas diversas interpretações, as palavras são empregadas separadamente. Aqueles que abraçam o primeiro sentido fazem uso delas para provar uma possibilidade da queda dos verdadeiros crentes, e isto totalmente e finalmente, de Cristo; porque, dizem eles, sem a suposição disso, as palavras são supérfluas e inúteis. Aqueles que se apegam a este último sentido supõem que as palavras confirmam a certeza da permanência na fé daqueles que são verdadeiramente a casa de Cristo, sendo eles tão somente aqueles cuja fé tem os adjuntos de permanência e estabilidade anexados a ela. Para outros, seja o que for que professem, nunca são verdadeiramente ou realmente a casa de Cristo; daí resulta inegavelmente que todos os verdadeiros crentes certamente perseveram até o fim. Não me engajarei aqui nesta controvérsia, tendo lidado com ela em outros lugares. Apenas, quanto ao primeiro sentido alegado, observarei brevemente: - primeiro, que a suposição sugerida prova não a inferência pretendida; e, em segundo lugar, que o argumento deste lugar não é adequado à hipótese deles que fazem uso dele. Pois, como Paulo se coloca entre o número daqueles que são falados, cuja fé ainda ninguém vai, então, alegar ter sido responsável até um fracasso total; assim, tais expressões condicionais de ameaças do evangelho, embora tenham um uso e eficácia peculiar aos crentes no decorrer de sua obediência, como manifestação do desagrado de Deus pelo pecado, e a conexão certa que existe pela lei eterna de Deus entre incredulidade e punição; eles não incluem qualquer afirmação de que as pessoas dos crentes podem, em qualquer momento, de todas as coisas consideradas, da parte de Deus, assim como de si mesmas, de fato cair sob essas penalidades, como tem sido em geral evidenciado em outros lugares. Novamente, este argumento não se ajusta à hipótese de que é produzido na confirmação disto; porque, se é a condição da afirmação precedente, da qual depende a verdade, então não há nenhuma na atualidade na casa de Deus, senão uma suposição de sua perseverança até o fim. Mas a opinião deles exige que as pessoas possam ser realmente esta casa em virtude de sua fé e obediência atuais, embora, depois disso, caiam completamente de ambos e pereçam para sempre. Este, então, não pode ser o sentido das palavras de acordo com seus princípios, daqueles que fazem uso delas para seus fins: pois dizem que os homens podem ser a casa de Cristo, embora não mantenham sua confiança até o fim; que é diretamente contradizer o apóstolo, e fazer sua exortação vã e inútil. As palavras, consequentemente, são uma descrição das pessoas que são a casa de Cristo, de um certo efeito ou complemento daquela fé pela qual eles se tornam assim. Eles são tais, e somente eles, que “guardam firme, até ao fim, a ousadia e a exultação da esperança”, por meio dos quais eles se distinguem dos professantes temporários, que podem cair definitivamente. Duas coisas são observáveis nas palavras; - em primeiro lugar, o que o apóstolo requer naqueles que são a casa de Cristo, a saber, "confiança" e "exultação na esperança"; em segundo lugar, a maneira de mantê-los, - devemos guardá-los "firme” onde é subentendida a continuação deste dever, - deve ser “até o fim”. Primeiro, porque por nossa “confiança”, a maioria entende por ela a própria fé ou uma confiança fiduciária em Deus, que é um efeito inseparável disto. Essa graça é muito elogiada nas Escrituras e, é aqui pretendida pelo nosso apóstolo. Uma confiança que significa, descansar e repousar nossos corações em Deus em Cristo, por misericórdia, graça e glória; esta é nossa confiança cristã. E a “alegria da esperança” é a esperança em que nos regozijamos. A esperança da vida eterna, prometida por Deus, adquirida por Jesus Cristo e esperada pelos crentes, enche-os de alegria e regozijo; como em Romanos 5: 5, 1 Pedro 1: 8. Estas coisas são verdadeiras; mas se peculiarmente pretendido neste lugar pelo apóstolo é questionável, sim, que as palavras são de outra importância, e requerem outra interpretação, é manifesto delas e do contexto. Pois, - primeiro, a palavra parrhsia, traduzida como “confiança”, embora frequentemente ocorra no Novo Testamento, todavia nunca é usada para significar a confiança fiduciária em Deus que é um efeito da fé, e em que alguns pensaram que consiste na natureza da fé; pois, a menos que seja usado adverbialmente para significar “abertamente”, “claramente”, “notoriamente”, como sempre faz no Evangelho de João (ver capítulo 18:20), denota constantemente liberdade e constância de espírito, em falar ou fazer qualquer coisa para com Deus ou homens. Veja Atos 2:29, 4:13, 29; 2 Coríntios 3:12; Filipenses 1:20; 1 Timóteo 3:13. E antes manifestamos que esta é a genuína e nativa significação da palavra. Segundo, a “confiança” aqui pretendida refere-se à nossa “esperança” não menos que o kauchma, ou “regozijo”, que se segue. As palavras não são corretamente distinguidas quando a “confiança” é colocada distintamente como uma coisa por si mesma, e a “alegria” só se une à “esperança”. E isso é evidente a partir da construção das palavras; pois bezaian, “firme”, não concorda imediatamente com elpidov, “esperança”, que é de outro caso, nem com kauchma, “regozijo”, que é de outro gênero; mas com parrhsia, “confiança”, que concorda em ambos, e é regulado por isso, o que não poderia ser a menos que "confiança" fosse unida com "esperança" também, "confiança de esperança". Terceiro, não nossa esperança em si, mas o kauchma "exultação" ou "alegria" nisto e dela é pretendida pelo apóstolo; e, portanto, não mais é nossa fé na expressão anterior. O sentido genuíno, então, dessas palavras aparecerá da consideração do estado e condição dos hebreus, e para o que o apóstolo os convida e os encoraja. Esta condição, como tem sido frequentemente declarada, era uma condição de perseguição e perigo de retrocesso. Como, então, os homens em tal época geralmente prevaleceram pecaminosamente para falhar e abortar em sua profissão? A princípio, não é caindo direta e abertamente de fé e esperança, mas fracassando nos frutos delas e nos deveres de que necessitam. Agora, daquela esperança que temos a respeito de uma imortalidade abençoada e glória por Jesus Cristo, há dois efeitos ou deveres apropriados, ou requer duas coisas de nós: - Primeiro, uma profissão livre, corajosa e aberta daquela verdade em que nossa esperança é construída e contra todos os perigos e oposições; porque sabemos que essa esperança nunca nos envergonhará, Romanos 5: 5. Esta é a exultação da esperança aqui mencionada; - uma profissão confiante, aberta, de nossa esperança. Isto nos é exortado em 1 Pedro 3:15: "Esteja sempre pronto a dar uma resposta a todo homem que lhe pede uma razão da esperança que há em você."    Uma esperança, essa prontidão em pedir desculpas, declarar, defender, pleitear as bases de nossa esperança, é a "confiança", ou melhor, "liberdade" e "ousadia" de profissão aqui pretendida. Em segundo lugar, uma oposição aberta de nossa esperança, ou daquilo que se espera, em todas as dificuldades, perigos e perseguições, com uma santa ostentação, glória ou alegria em nossa sorte e porção, porque o fundamento de nossa esperança é certo, e as coisas que esperamos são preciosas e excelentes, e que, o desprezo de todas as coisas que se levantam contra elas, também é exigido de nós. Esta é a confiança que se pretende que seja. Nestas coisas, os homens tendem a falhar em tentações e perseguições; e quando alguém assim desmaia quando se afasta da confiança de sua profissão, e quando não consegue, com alegria e satisfação, firmar-se ao alicerce e ao fim de sua esperança para enfrentar esses perigos, eles estão prestes a se desviar. E estas coisas também são inseparáveis da fé pela qual somos feitos a casa de Cristo; pois embora eles possam ser interceptados em seus atos por um período, pelo poder de alguma tentação vigorosa, como estavam em Pedro, ainda que radicalmente e habitualmente eles são inseparáveis da própria fé, Romanos 10: 10. Estas, portanto, são as coisas. que o apóstolo pretende nessas palavras; e mostrando-lhes qualificações indispensáveis neles, que são a casa de Cristo, ele tacitamente persuade os hebreus a cuidarem deles e assegurá-los em si mesmos, até o final de sua exortação geral antes de serem estabelecidos. Em último lugar, o apóstolo declara a maneira como estas coisas devem ser asseguradas: “Se guardarmos firmemente a nossa confiança até o fim.” O dever em si, relativo à maneira de retermos estas coisas, é “segurá-las firmemente”; o estado delas, onde elas devem ser retidas, são “firmes” e sua duração nesse estado é “até o fim”. O primeiro é expresso pela palavra katascwmen, o que significa uma ação cuidadosa e poderosa de qualquer coisa. contra a oposição. Katecein to plhqov, é efetivamente manter a multidão em obediência quando está em perigo de sedição. E katecein, para guardar, reter ou manter um lugar como um guarda. Duas coisas, portanto, estão representadas nesta palavra. Primeiro, que grande oposição surgirá contra este dever, contra nossa firmeza e constância na profissão. Em segundo lugar, que grande cuidado, diligência e esforço devem ser usados neste assunto, ou falharemos e abortaremos nele. Por causa da oposição que é feita contra eles, por causa da violência que será usada para arrancá-los de nós, a menos que os mantenhamos firmes, isto é, retendo-os com cuidado, diligência e vigilância, senão vamos perdê-los ou ser privados deles. Em segundo lugar, devem ser mantidos “firmes”. O significado desta palavra, o apóstolo, explica: Hebreus 10:23: “Retenhamos a profissão da nossa fé sem vacilar”; isto é , - sem diminuir ou sacudir. Não é suficiente que mantenhamos e retenhamos, sim, a nossa profissão; mas devemos mantê-la contra a incerteza e a flutuação da mente que são capazes de invadir e possuir pessoas instáveis em um tempo de provação. Em terceiro lugar, devemos continuar "até o fim", isto é, enquanto vivemos neste mundo, - não somente para a presente temporada, mas em todas as ocorrências futuras, até chegarmos ao fim de nossa fé, ou ao fim de nossas vidas e à salvação de nossas almas. Das observações destes versos resultam:
II. A edificação da igreja é uma obra tão grande e gloriosa que não poderia ser efetuada por ninguém além daquele que era Deus. “Aquele que edificou todas as coisas é Deus.” Para ele é atribuído, Atos 20: 28,1 João 3: 16. E requer que Deus seja o construtor disto, - Primeiro, pela sabedoria do seu artifício. Quando Deus designou Bezaleel para a obra de construir o tabernáculo, ele diz que o havia “enchido com o Espírito de Deus, com sabedoria, entendimento e conhecimento” (Êxodo 31: 3); e ninguém deveria ser empregado no trabalho com ele, senão aqueles que eram “sábios de coração”, e em quem Deus havia colocado sabedoria, versículo 6. E, no entanto, isto não era senão para a construção de um tabernáculo terrestre, e não para inventar. mas apenas para fazê-lo e erguê-lo de acordo com um padrão que o próprio Deus enquadrou. Isso eles não podiam fazer até que fossem cheios do Espírito de Deus em sabedoria. O que, então, precisa ser requerido para o artifício desta gloriosa, misteriosa, espiritual e celestial casa de Deus? Nada poderia produzi-lo, senão a sabedoria infinita. Sim, “a multiforme sabedoria de Deus” estava nela, Efésios 3:10; “Todos os tesouros de sua sabedoria e conhecimento”, Colossenses 2: 3. Nessa infinita sabedoria de Deus estava o misterioso artifício desse edifício escondido desde a fundação do mundo, Efésios 3: 9; e a partir daí a revelação feita no evangelho foi acompanhada de tanta glória que os anjos do céu desejaram ardentemente curvar-se e olhar para ela, 1 Pedro 1:12. Temos uma visão muito sombria das glórias deste edifício; e onde é misticamente representado para nós, como Isaías 60, Ezequiel 40-48, Apocalipse 21:22, podemos admirar mais do que compreender sua excelência. Mas quando chegarmos para ver como foi estabelecido o fundamento, no qual todos os filhos de Deus gritaram de alegria; como, pela obra estranha e maravilhosa do Espírito da graça. As pedras projetadas desde a eternidade para a construção desta casa foram vivificadas em todas as idades e gerações; e como são, desde o princípio do mundo até o fim, devidamente enquadradas para servirem de templo ao Senhor; e qual é a glória da habitação de Deus nisso, - ficaremos satisfeitos que a sabedoria divina foi necessária para isso. Em segundo lugar, pelo poder de sua ereção. É o efeito do poder divino; e se respeitamos a oposição que é feita a ele, ou a preparação e montagem da obra em si. Aqueles anjos que deixaram sua primeira habitação levaram toda a criação a uma conspiração contra a construção desta casa de Deus. Nenhuma pessoa poderia ser usada nela, se estivesse comprometida em uma inimizade contra esse trabalho. E quem prevalecerá contra essa oposição? Nada além do poder divino poderia espalhar essa combinação de principados e poderes, e derrotar o engajamento do mundo e as portas do inferno contra esse desígnio. Mais uma vez, para o trabalho em si; os pecados dos homens deviam ser expiados, a expiação por eles deveria ser feita, um preço de redenção a ser pago; pecadores mortos deveriam ser vivificados, olhos cegos para serem abertos, pessoas de todos os tipos para serem regeneradas; ordenanças e instituições de adoração para que a beleza e a glória sejam erigidas; suprimentos do Espírito em todos os tempos, e todas as épocas e lugares, por seu aumento em graça e santidade, deveriam ser concedidos, com outras coisas inumeráveis; que nada além do poder divino poderia efetuar. Considere apenas uma coisa, considerando que todas as partes desta casa estão sujeitas à dissolução, as pessoas das quais consiste e todas devem morrer, aquele que constrói esta casa deve ser capaz de levantá-las dentre todos os mortos, ou então todo o seu trabalho sobre a própria casa está perdido. Agora, quem pode fazer isso senão aquele que é Deus? Aqueles que pensam que isso é obra de um simples homem, nada sabem disso; de fato, nada de Deus, de si mesmos, do Espírito de Deus, da fé, graça, redenção ou realidade do evangelho como deveriam. É apenas uma visão um pouco sombria que posso tomar da sabedoria e do poder que estão expostos nesta obra, e, no entanto, não estou mais convencido de que haja um Deus no céu do que aquele que construiu essa casa, que é Deus. E aqui também podemos ver de onde é que esta construção continua, apesar de toda a oposição que é feita a ela. Pegue um único crente, desde a fundação do mundo, e considere a oposição que é feita, pelo pecado, por Satanás e pelo mundo, em tentações e perseguições, ao seu interesse nesta casa de Deus, e não parece maravilhoso que ela seja tão preservada, que ela seja tão livrada? Como tem sido este assunto com nossas próprias almas, se pertencemos a esta casa? Que devemos ser “chamados das trevas para a maravilhosa luz”, que devemos ser preservados até agora, não obstante nossas fraquezas, enfermidades, quedas, pecados etc. - não existe algum poder oculto e secreto que, de maneira eficaz, desconhecido para nós, não percebido por nós, coloca-se em nosso favor? Tome qualquer igreja particular em qualquer época e considere as pessoas de quem ela é composta; - comumente os pobres, os fracos, os tolos no mundo são a questão disso. Os embaraços e perplexidades que encontram nos resquícios de suas próprias trevas e incredulidade, com o vitupério e a perseguição que, na maior parte, se encontram no mundo, parecem suficientes para arraigá-los ou dominá-los a cada momento; e permanecem firmes e estáveis. Ou considere toda a igreja, com todas as pessoas individuais pertencentes a ela, e em todas as eras, por todas as gerações, e pense no que ela requer para sua preservação em sua condição interior e exterior. O poder divino resplandece em todas estas coisas. Nenhuma pedra deste edifício é perdida ou lançada ao chão, e muito menos toda a estrutura dela será arruinada pelos opositores.
III. O maior e mais honrado dos filhos dos homens que são empregados na obra de Deus em sua casa são apenas servos e partes da própria casa: Versículo 5: “Moisés, na verdade, como servo”. O próprio Moisés, o grande legislador, era apenas um servo. E se ele não existisse mais, certamente, ninguém que o seguisse sob o Antigo Testamento, sendo todos inferiores a ele (visto que não havia um profeta em Israel como ele, Deuteronômio 34:10), estaria em qualquer outra condição. Assim, os principais construtores da igreja sob o Novo Testamento declaram a respeito de si mesmos. “Servos de Jesus Cristo” era o único título de honra deles; e eles professavam ser servos da igreja por amor de Cristo, 2 Coríntios 4: 5. E naquele terreno eles negam todo domínio sobre a fé ou adoração da igreja, como sendo apenas “ajudantes de sua alegria”, 2 Coríntios 1:24; “Não é senhor da herança do Senhor, mas exemplo para o rebanho”, 1 Pedro 5: 3; - tudo de acordo com o encargo que lhes foi imposto pelo seu Senhor e Mestre, Mateus 20: 25-27. E isto aparece, - primeiro, porque nenhum homem tem algo a fazer nesta casa, senão por virtude da comissão daquele que é o único Senhor e Governador dela. Isto indica-lhes serem servos, e neste sentido deles se pode dizer que são inúteis. Todos eles são arrebatados no mercado, dentre o número de homens comuns do Senhor da vinha, e enviados por ele. Nem são enviados para descansar ou dormir, nem para comer as uvas e se encher, muito menos para pisar e estragar as vinhas; mas trabalhar e trabalhar até a noite, quando receberão seus salários. Todas as coisas claramente provam serem servos; e isto é registrado na comissão deles, Mateus 28: 18-20, que deve ser cuidadosamente atendida. Segundo, é exigido deles, como servos, observar e obedecer aos mandamentos de seu Senhor; e nada mais que eles façam, eles devem fazer em sua casa. É exigido deles que sejam fiéis; e sua fidelidade consiste na dispensação dos mistérios de Cristo, 4 Coríntios 4: 1, 2. O próprio Moisés, que recebeu tal testemunho de sua fidelidade de Deus, não fez nada além do que lhe foi ordenado, não fez nada senão segundo o padrão que lhe mostrou no monte. Nem os construtores sob o Novo Testamento ensinavam a igreja a fazer ou observar qualquer coisa na casa de Deus, senão o que o Senhor Jesus Cristo lhes ordenara, Mateus 28:20. Este é o dever de um servo fiel, e não fingir seu próprio poder e autoridade para ordenar coisas na casa, para sua adoração e uso sagrado, não designado por seu Senhor e Mestre. Há um estranho fascínio espiritual nesse assunto, ou os homens não podem, ao mesmo tempo, professar serem servos, e ainda assim não pensarem que todo o seu dever consiste em fazer a vontade de seu Senhor, mas também em dar ordens de si mesmos, para serem observadas. Este é o trabalho dos senhores e não dos servos. Terceiro, como servos eles são responsáveis. Eles devem dar conta de tudo o que fazem na casa do seu Senhor. Disto seu Mestre frequentemente e solenemente os adverte. Veja Mateus 24: 45-51; Lucas 12: 42-48. Um relato que ele fará uma prestação de contas dos talentos que lhes foram confiados, - de seus próprios dons, e das pessoas ou almas comprometidas com suas responsabilidades, suas ovelhas; uma conta de seu trabalho, dores, diligência e prontidão para fazer e sofrer de acordo com sua mente e vontade. Uma conta que eles devem dar, Hebreus 13: 17, ao Supremo Pastor quando ele vier, 1 Pedro 5: 4. É de se temer que isso não esteja muito nos pensamentos de alguns homens, que ainda não estão muito preocupados com isso. Eles contam seus lucros, vantagens, preferências, riqueza; mas do relato que eles farão no último dia, eles parecem não fazer grandes cálculos. Mas o que esses homens pensam? São senhores ou servos, têm um mestre ou não? Eles devem fazer suas próprias vontades ou a vontade de outro? Eles lutam com certeza e batem no ar, ou têm algum alcance e objetivo certeiros diante deles? Se eles têm, o que pode ser, senão como eles podem prestar suas contas com alegria? - alegria, se não na segurança de todos os seus rebanhos, através da negligência pecaminosa e abortos de qualquer um deles, ainda em sua própria fidelidade, e o testemunho de suas consciências a eles. Em quarto lugar, como servos eles terão sua recompensa, cada um sua moeda, aquilo para o qual ele trabalhou; porque, embora sejam apenas servos, todavia, eles servem a um bom, justo, grande e gracioso Senhor, que não esquecerá seu trabalho, mas lhes dará uma coroa em sua aparição, 1 Pedro 5: 4. Mas o “homem do pecado” e seus cúmplices, cuja descrição temos exatamente, em Mateus 24: 48,49 - um “mau servo, que diz em seu coração que seu Senhor retarda sua vinda, e assim fere seus companheiros de serviço e come e bebe com os bêbados.” Ele finge, de fato, ser um servo de servos, mas sob aquele título ilusório e demonstração de humildade voluntária, assume-se como um senhor absoluto sobre a casa de Deus. Existem apenas dois tipos de domínio; - primeiro, aquilo que é interno e espiritual, sobre a fé, almas e consciências dos homens; e então aquilo que é externo, sobre seus corpos e propriedades: e ambos, este servo de servos, usurpa na casa de Deus; e, assim, senta-se nela, fazendo ostentação de si mesmo como se fosse Deus. E há duas maneiras pelas quais o domínio supremo nas coisas sagradas pode ser exercido; - um fazendo leis, ordenanças e instituições, religiosas ou divinas; o outro por punições corpóreas e correções dos que não os observam: e ambos estes exercem. O que o Senhor Jesus Cristo ordena que seja observado em sua igreja, ele não observa, nem permite que outros façam isso; e o que ele não designou ou ordenou, em instâncias inumeráveis ele pede para ser observado. Um mau servo, cujo Senhor no devido tempo vai chamá-lo para uma conta! É para ser um servo ou um tirano? Outros também fariam bem em ponderar a conta que devem fazer. E bem irá com eles, feliz é a condição daqueles, cuja maior alegria neste mundo, em bases sólidas, é que eles sejam neste trabalho servos responsáveis.
IV. O grande objetivo de todas as instituições mosaicas era representar ou prefigurar e dar testemunho da graça do evangelho por Jesus Cristo. Para esse fim, Moisés era fiel na casa de Deus, a saber, dar testemunho daquelas coisas que mais tarde seriam anunciadas. A demonstração deste princípio é o escopo principal desta epístola, desde que seja doutrinal, e a consideração dela ocorrerá a nós em tantos casos, que não precisaremos aqui insistir na afirmação geral. É um privilégio eminente ser a casa de Cristo, ou uma parte daquela casa: “a qual somos nós”. Nisto o apóstolo se importa com os hebreus de que um senso de privilégio deles e vantagem poderia prevalecer com eles até os deveres a que ele os pressiona. E é, portanto, uma vantagem: - Primeiro, porque esta casa é o edifício de Deus: 1 Coríntios 3: 9, “Vós sois o edifício de Deus” - uma casa que ele construiu e de maneira admirável. O tabernáculo da antiguidade era assim longe do edifício de Deus que foi construído por sua nomeação, e que de acordo com o padrão que ele deu a Moisés. Mas este edifício é muito mais glorioso: Hebreus 9:11, “Um grande e perfeito tabernáculo, não feito por mãos; isto é, não desta criação”, assim é da edificação de Deus que ninguém seja empregado em um modo de autoridade para o levar a cabo, mas somente o Senhor Jesus Cristo, o Filho e o Senhor sobre sua própria casa. E ele toma sobre si mesmo: Mateus 16:18: "Eu edificarei a minha igreja". Mas pode ser objetado: "É assim também com o mundo inteiro." É a edificação de Deus e foi edificada pelo Filho, a Palavra eterna, pela qual todas as coisas foram feitas, e “sem a qual nada do que foi feito se fez” (João 1: 2,3). Sim, foi construído para ser uma habitação para a glória divina, nas manifestações providenciais do mesmo. “Eu respondo: Tudo isso é verdade. É assim e, portanto, é excelente e expõe maravilhosamente a glória de Deus, como foi declarado no capítulo anterior. Mas ainda esta casa da qual falamos em muitos relatos excede todo o tecido do céu e da terra; pois, - Primeiro, não é apenas uma casa, mas é uma casa sagrada, um templo - não um lugar comum, mas santo, dedicado. “Estais edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo o próprio Jesus Cristo a principal pedra angular; em quem todo o edifício cresce para um templo santo no Senhor ”, Efésios 2: 20,21. Esta é a mansão de Deus, quando todas as outras coisas do mundo são soltas para cultivar os filhos dos homens. São casas de carne e sangue para habitar; esse é o lugar de constante e especial responsabilidade de Deus. Em segundo lugar, é um tipo especial de templo; não é como aquele construído no passado por Salomão, de pedras, madeira de cedro, prata e ouro, mas é uma casa espiritual, 1 Pedro 2: 5, feita de pedras vivas de uma maneira estranha e maravilhosa, - um templo não sujeito a decair, mas tal como cresce continuamente em toda pedra que é colocada nele, e na nova adição diária de pedras vivas a ele. E embora estas pedras sejam continuamente removidas, algumas das salas inferiores desta casa em graça, para os mais altos em glória, nem uma pedra dela é, ou será perdida para sempre. Em terceiro lugar, a maneira da habitação de Deus nesta casa também é peculiar. Ele habitou, de fato, no tabernáculo e no templo de antigamente, mas como? Por sacrifícios, ordenanças carnais e algumas aparências externas de glória. Nesta casa ele habita pelo seu Espírito: “Sois edificados para morada de Deus em espírito”, Efésios 2:22; e “Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?” 1 Coríntios 3:16. Inefável, portanto, é esse privilégio; e assim são as vantagens que dependem disso. A grandeza desse privilégio requer uma capacidade de resposta do dever. Como somos esta casa de Deus, nos convém "manter firme a nossa confiança até o fim". Isso é particularmente expresso; mas a razão é a mesma para muitos outros deveres que, por conta de sermos a casa de Deus, são incumbidos de nós; como: - 1. Santidade universal, Salmo 93: 5. 2. Especial pureza de alma e corpo, tornando-se uma habitação do Espírito Santo, 1 Coríntios 3: 16,17, 6:19, 20. 3. Esforços para preencher o lugar, estado, condição e relação que mantemos com a casa, para o bem do todo, Colossenses 2:19, Efésios 4: 15,16. Pois além do interesse geral que todos os crentes têm nesta casa, que é igual em todos eles, cada um tem seu lugar e ordem especial neste edifício. (1) Na época peculiar, ou geração em que nosso serviço nesta casa é esperado; e estes requerem vários deveres, adequados à luz, prazeres e provações, do todo neles; (2) Nos lugares ou ofícios especiais que qualquer pessoa ocupa nesta casa; (3) No respeito que deve haver para a assembleia particular ou especial desta casa; (4.) Com respeito a vantagens que a qualquer um é confiado, para o aumento ou edificação da casa na fé e amor; tudo o que exige o cumprimento de muitos deveres especiais. Em tempos de provação e perseguição, liberdade, ousadia e constância na profissão são uma boa evidência para nós mesmos de que somos pedras vivas na casa de Deus e aceitáveis para ele. “Guarde”, diz o apóstolo, “sua livre e ousada profissão do evangelho, e sua exultação na esperança das grandes promessas que são dadas a você.” Deus estabeleceu uma marca singular, como aquilo que ele indispensavelmente requer e por meio do qual ele é peculiarmente glorificado. Um exemplo abençoado que temos aqui nos três companheiros de Daniel. Eles viram de um lado, “vultum instantis tyranni”, “cuja forma foi mudada com fúria”, “furiis accensus, et ira terribilis”; do outro lado, uma fornalha flamejante e consumidora de fogo, em que instantaneamente seriam lançados se eles não deixarem a sua profissão. Mas eis a sua ousadia e confiança na sua profissão: Daniel 3: 16-18: “Responderam Sadraque, Mesaque e Abede-Nego ao rei: Ó Nabucodonosor, quanto a isto não necessitamos de te responder. Se o nosso Deus, a quem servimos, quer livrar-nos, ele nos livrará da fornalha de fogo ardente e das tuas mãos, ó rei.” Eles não pedem um momento para deliberar neste assunto. E um final abençoado que eles tinham de sua confiança. Então Basílio respondeu a Juliano, quando ele lhe daria espaço para consultar. “Faça”, disse ele, “o que você pretende, pois eu serei o mesmo amanhã que sou neste dia”. Isso é prontidão e prontidão para testemunhar uma boa confissão com ousadia. Assim, observa-se em Pedro e João, Atos 4:13. Os judeus ficaram atônitos, observando sua “ousadia”, isto é, sua disponibilidade e prontidão de mente e fala, em sua confissão do nome de Cristo, quando estavam na prisão e sob o poder de seus adversários. Por isso, também aqueles que falham nesse dever são chamados de “medrosos” e estão no primeiro posto daqueles que são excluídos da nova Jerusalém, Apocalipse 21: 8. Pedro, de fato, nos instrui a estar “sempre prontos a dar uma resposta a todo homem que nos pede uma razão da esperança que está em nós, - “com temor”, 1 Pedro 3:15; isto é, com reverência a Deus e à santidade daquelas coisas em que seu nome está em questão. Mas não devemos fazê-lo com um “medo pusilânime”, medo dos homens ou respeito pelo que deles possa nos afetar em nossa profissão. Esses "temerosos", são aqueles "meticulosi" que temem e tremem ao relatar o perigo; de modo que quando a perseguição surge, imediatamente eles são ofendidos, e largam sua profissão. E no cumprimento deste dever está a glória de Deus grandemente preocupada. A receita da glória que Deus tem de qualquer um neste mundo surge principalmente, se não somente, daquela profissão que eles fazem do evangelho e da sua fé nas suas promessas. Por este meio testificam a sua autoridade, bondade, sabedoria, graça e fidelidade. Outra maneira de dar glória a Deus que não temos, mas dando testemunho de suas excelências; isto é, glorificando-o como Deus. Agora, quando surgem perseguições e problemas sobre essas coisas, uma provação é feita, quer acreditemos e depositemos nossa confiança no que professamos de Deus, quer valorizemos suas promessas acima de todas as coisas presentes. E aqui é nosso Pai celeste glorificado. Este, portanto, é um privilégio singular quando é dado aos crentes, Filipenses 1: 29. Mais uma vez; por este meio as almas dos santos experimentam sua própria graça, de que tipo é; como Abraão teve de sua própria fé e obediência na grande experiência que Deus lhe deu por seu comando para o sacrifício de Isaque. Graças provadas são muito preciosas, 1 Pedro 1: 6,7, e são evidências de que aqueles em quem elas estão pertencem à casa de Deus.
VIII . O interesse no evangelho dá causa suficiente de confiança e regozijo em todas as condições. “Guarde a alegria da sua esperança.” As riquezas dela são inestimáveis, eternas, peculiares, tais como o desequilíbrio de todas as coisas terrenas, satisfatórias para a alma, terminando em glória sem fim; e aquele que está devidamente interessado nelas não pode deixar de ter causa abundante de “alegria indizível” em todos os momentos. Tantas e grandes são as intervenções e tentações que se encontram no caminho da profissão, tão grande é o número daqueles que decaem nela, ou apostatam dela, que quanto à glória de Deus, e a principal descoberta de sua verdade e sinceridade, é para ser levado de sua permanência até o fim: "Cristo, porém, como Filho, em sua casa; a qual casa somos nós, se guardarmos firme, até ao fim, a ousadia e a exultação da esperança."


Publicado no site: O Melhor da Web em 12/07/2018
Código do Texto: 137909
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.