Espaço Literário

O Melhor da Web

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto

PAULO FONTENELLE DE ARAUJO
Cadastrado desde: 06/03/2018

Texto mais recente: AMOR ATO UM



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de PAULO FONTENELLE DE ARAUJO , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=7367

 
Textos & Poesias || Poema
Imprimir - Impressora!
Imprimir
CERTAS ÓRFÃS
10/08/2018
Autor(a): PAULO FONTENELLE DE ARAUJO
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
CERTAS ÓRFÃS

A    órfã,
aquela sem pai e mãe
(ambos mal sorriem,
já fantasmas perfeitos),
enquanto espera    a adoção,
arranha    as próprias costas,
tortura    duas bonecas
e    cheira fundo, quando    passa,
a fumaça do caminhão.

A órfã
aquela sem pai e mãe
enquanto espera a adoção,
pensa que tem uma graça maior,
do que o orfanato católico.
no entanto, ela morde o lençol
tortura as bonecas   
e cheira fundo quando abre
a naftalina do armário.
A órfã
a menina sem casa,
enquanto espera a adoção calcula,
talvez em três milhões de anos,
os arqueólogos encontrem
seu esqueleto pelos canos.
e quando    estudarem dirão:
“Ela era especial,
mesmo sendo de outra espécie:
das orfanadas,
do gênero sapiens que ninguém soube
que ela esteve internada”.

A órfã,
dos doze aniversários e tão só,
enquanto espera a adoção imagina,
seus novos pais serão,
um    casal bonito assim
de    um lar bonito assado,
embora    a menina    diga que aceita
também casal    cru,
de    lar mal passado,
onde    pai e    mãe,
tão pálidos sem uma    filha,
a colocariam na mesma mistura,
e na mesma farinha.

Uma das bonecas somente torce:
“Quando cessará?   
Findará um dia?
Não chegará ao extremo,
a recorrência    de minha    enorme mutilação?”


Publicado no site: O Melhor da Web em 10/08/2018
Código do Texto: 138067
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):