Espaço Literário

O Melhor da Web

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
kuryos - Silvio Dutra
Silvio Dutra
Cadastrado desde: 29/08/2012

Texto mais recente: Sabedoria e Poder na Criação



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
A Sabedoria de Deus - P 1
01/12/2018
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
A Sabedoria de Deus - P 1


Por
Silvio Dutra




Dez/2018






















A474
      Alves, Silvio Dutra               
               A sabedoria de Deus                     
               Silvio Dutra Alves – Rio de Janeiro, 2018.                        
               167p.; 14,8 x21cm            

      1. Teologia. 2. Vida Cristã. 3. Alves, Silvio Dutra.            
I. Título.

                                                                                                   CDD 252               








“Ao Deus único e sábio seja dada glória, por meio de Jesus Cristo, pelos séculos dos séculos. Amém!” (Romanos 16.27)
Além de nossa justiça, redenção e santificação, Jesus foi feito pelo Pai para nós também a nossa sabedoria (I Cor 1.30).
A sabedoria espiritual que é por meio de Cristo, é eterna e há de prevalecer por toda a eternidade, quando a sabedoria dos sábios deste mundo for reduzida a nada por Deus (I Cor 1.19-21), porquanto na eternidade, nenhum conhecimento científico será de qualquer valor em face das novas condições e criação a serem trazidas à existência por Deus no novo céu e nova terra.
De que aproveitará ao sábio segundo o mundo, toda a sabedoria que ele adquiriu, quando estiver para sempre no inferno?
Então a verdadeira sabedoria é aquela que permanece para a vida eterna, e que se ajusta ao conselho eterno de Deus.
Há somente um meio para se acessar à sabedoria eterna de Deus, e este é pela fé no evangelho.
O evangelho era de uma resolução eterna, apesar de uma revelação temporária (Rom 16. 25,26); “De acordo com a revelação do mistério, que foi mantido em segredo desde o começo do mundo”. É um evangelho eterno; era uma promessa "antes do mundo começar" (Tito 1: 2). Não foi uma nova invenção, mas apenas mantida em segredo entre os arcanos, no peito do Todo-Poderoso. Foi escondido dos anjos, pelas suas profundezas que ainda não lhes são totalmente conhecidas; seu desejo de investigar, fala ainda de uma deficiência no conhecimento deles (1 Pedro 1:12). Foi publicado no paraíso, mas em palavras como Adão não entendeu completamente: ele foi revelado e encoberto na fumaça dos sacrifícios: foi envolvido em um véu sob a lei, mas não aberto até a morte do Redentor: foi então claramente dito às cidades de Judá: “Eis! seu Deus vem!” Toda a transação entre o Pai e o Filho, que é o espírito do evangelho, foi na eternidade.
Não vamos, então, considerar o evangelho como uma novidade; a consideração disto, como uma das raridades do gabinete de Deus, deveria aumentar nossa estimativa disso. Não há tradições de homens, nem invenções de inteligências vãs, que fingem ser mais sábias que Deus, deveriam ter o mesmo crédito com o que vale a data desde a eternidade.
Que a verdade divina é misteriosa; “De acordo com a revelação do mistério, Cristo se manifesta na carne”. O esquema da piedade é um mistério. Nenhum homem ou anjo poderia imaginar como duas naturezas tão distantes como a divina e a humana deveriam ser unidas; como a mesma pessoa deve ser criminosa e justa; como um Deus justo deveria ter uma satisfação e um homem pecador justificação; como o pecado deve ser punido e o pecador salvo. Ninguém poderia imaginar tal forma de justificação como o apóstolo declara nesta epístola: era um mistério quando se escondia sob as sombras da lei, e um mistério para os profetas quando soava em suas bocas; eles procuraram, sem serem capazes de compreendê-lo (1 Pedro 1:10,11). Se for um mistério, humildemente será apresentado porque: mistérios superam a razão humana.
O estudo do evangelho não deve ser com uma estrutura de bocejo e descuido. Negociações, você chama mistérios, não são aprendidos dormindo e assentindo: diligência é necessária; devemos ser discípulos aos pés de Deus. Como foi Deus o autor do evangelho, então devemos ter Deus para ser o professor dele; o artifício era dele, e a iluminação de nossas mentes deve ser dele. Como somente Deus manifestou o evangelho, então somente ele pode abrir nossos olhos para ver os mistérios de Cristo nele.
No versículo 26a (“e que, agora, se tornou manifesto e foi dado a conhecer por meio das Escrituras proféticas”,    podemos observar,
1. As Escrituras do Antigo Testamento verificam a substância do Novo, e o Novo prova a autoridade do Velho. O Novo Testamento é a realização da parte profética do Velho. O Velho mostra as promessas e predições de Deus, e o Novo mostra o cumprimento.   
As previsões do velho são divinas, porque estão acima da razão do homem para o conhecimento prévio; ninguém senão um conhecimento infinito poderia antecipá-las, porque nenhuma, senão uma sabedoria infinita poderia ordenar todas as coisas para a realização delas. A religião cristã é, então, a fundação mais segura, desde que as Escrituras dos profetas, são de antiguidade inquestionável. O Antigo Testamento é, portanto, para ser lido para o fortalecimento da nossa fé.
Nosso bendito Senhor e Salvador ressalta as correntes de sua doutrina do Antigo Testamento; e atesta que veio confirmar e não revogar o que as Escrituras do Velho Testamento profetizam acerca do evangelho. O que Deus prometeu pelos profetas Ele veio cumprir.
O coração do evangelho é que a justificação do pecador é realizada somente por meio da fé em Cristo. Por esta mesma fé, o próprio Abraão foi justificado, pois não há justificação em nenhum Outro. Assim, este benefício do evangelho é eterno para os que são salvos, de modo que é chamado de evangelho eterno (Apo 14.6), porque não somente foi projetado na eternidade, antes da fundação do mundo, como também é eterno aquele que lhe dá cumprimento, a saber, Cristo.
Então, como Antigo Testamento foi escrito para dar crédito ao Novo, quando deveria ser manifestado no mundo, deve ser lido por nós para dar força à nossa fé e nos estabelecer na doutrina do cristianismo.
Se fomos criados para sermos à imagem e semelhança de Cristo, a sabedoria para nós consiste portanto, em alcançar a perfeição desta imagem e semelhança. E como esta criação não é independente dEle, porque tudo quanto necessitamos para alcançar a citada perfeição encontra-se nEle próprio, sobretudo o Seu caráter e virtudes, então é nossa sabedoria permanecer nEle para que Ele permaneça em nós, de modo que o propósito de Deus seja cumprido.
Para ser nosso suficiente Provedor, o Pai fez com que toda a plenitude residisse em Cristo, de modo que nunca nos faltará qualquer suprimento de graça e poder para que tenhamos o crescimento espiritual que necessitamos.
Ganhar nossa alma equivale a ganhar a Cristo. Perder nossa alma equivale a perder a Cristo. De modo que nada aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se ele não tiver a Cristo, porque não perderá apenas tudo o que conquistou como a própria alma.
Se a nossa vida está oculta em Cristo, e se as Escrituras dão testemunho desta vida e o modo de alcançá-la e preservá-la, então nada deve ser acrescentado ou retirado desta revelação divina que foi escrita para o nosso benefício.
No texto de Romanos 16.25-27 nós vemos o apóstolo Paulo remetendo os crentes romanos às Escrituras dos profetas como a pedra de toque para o julgamento da verdade do evangelho, porque são autoritativas por si mesmas, e independem da aprovação de homens ou de concílios.
Nas Escrituras do Velho Testamento, Deus prometeu alargar as fronteiras da graça aos gentios nos dias de cumprimento do Evangelho. Por isso, o evangelho é agora dado a conhecer a todas as nações, de acordo com o mandamento do Deus eterno. Não apenas em um caminho de providência comum, mas em graça especial; em chamá-los para o conhecimento de si mesmo, e uma justificação deles pela fé, ele trouxe estranhos para ele, para a adoção de filhos, e os alojou sob as asas do pacto. Então vemos nosso Senhor ordenando à Igreja que o Evangelho fosse pregado até aos confins da Terra.
Observe que a libertinagem e a licenciosidade não acham encorajamento no evangelho. Foi dado a conhecer a todas as nações para a obediência da fé. A bondade de Deus é publicada, que nossa inimizade para com ele pode ser desfeita. A justiça de Cristo não é oferecida para nós sermos colocados, para que possamos rolar mais calorosamente em nossos desejos. A doutrina da graça nos ordena a nos entregar a Cristo, para sermos aceitos através dele, e ser governados por ele. A obediência é devida a Deus, como um senhor soberano em sua lei; e é devida a gratidão, como ele é um Deus de graça no evangelho. A descoberta de uma nova perfeição em Deus não enfraquece o direito de outra, nem a obrigação do dever que o antigo atributo reivindica em nossas mãos. O evangelho nos liberta da maldição, mas não do dever e serviço: “Nós somos livrados das mãos de nossos inimigos, para que sirvamos a Deus em santidade e justiça” (Lucas 1:74). “Esta é a vontade de Deus” no evangelho, “a nossa santificação”.
A justiça de Cristo nos dá um título para o céu; mas deve haver uma santidade para nos dar uma aptidão para o céu.
Observe que a obediência evangélica, ou a obediência da fé, só é aceitável a Deus. O tipo de obediência que Deus requer; uma obediência que brota da fé, animada e influenciada pela fé. Não obediência de fé, como se a fé fosse a regra, e a lei fosse revogada; mas à lei como regra e da fé como princípio. Não há verdadeira obediência antes da fé (Hb 11: 6). “Sem fé é impossível agradar a Deus” e, portanto, sem fé impossível obedecer a ele. Um bom trabalho não pode proceder de uma mente e consciência impuras; e sem fé a mente de todo homem é escurecida, e sua consciência poluída (Tito 1:15). A fé é o elo de união com Cristo, e a obediência é o fruto da união; nós não podemos produzir fruto sem ser ramos (João 15: 4, 5), e não podemos ser ramos sem crer. Fruto legítimo segue após o casamento com Cristo, não antes dele (Rom 7: 4). “Assim, meus irmãos, também vós morrestes relativamente à lei, por meio do corpo de Cristo, para pertencerdes a outro, a saber, aquele que ressuscitou dentre os mortos, a fim de que frutifiquemos para Deus.”.
Nossas pessoas devem ser primeiro aceitas em Cristo, antes que nossos serviços possam ser aceitáveis; essas obras não são aceitáveis quando a pessoa não é perdoada, boas obras fluem de um coração puro; mas o coração não pode ser puro antes da fé. Todas as boas obras contadas no décimo primeiro capítulo de Hebreus eram desta fonte; aqueles heróis primeiro acreditaram e depois obedeceram. Pela fé, Abel era justo diante de Deus, sem ele o sacrifício não seria melhor do que o de Caim: pela fé Enoque agradou a Deus e teve um testemunho divino de sua obediência antes de ser arrebatado; pela fé Abraão ofereceu Isaque, sem o qual ele não teria sido melhor que um assassino. Toda a obediência tem sua raiz na fé, e não é feito em nossa própria força, mas na força e virtude de outro, de Cristo, a quem Deus estabeleceu como nossa cabeça e raiz.
Observe, fé e obediência são distintas, embora inseparáveis "A obediência da fé". Fé, na verdade, é obediência a um evangelho, que nos ordena a acreditar; mas não é toda a nossa obediência. Justificação e santificação são atos distintos de Deus; justificação respeita à pessoa, santificação à natureza; justificação é a primeira em ordem da natureza, e a santificação a segue: eles são distintos, mas inseparáveis; toda pessoa justificada tem uma natureza santificada, e toda natureza santificada supõe uma pessoa justificada. Assim fé e obediência são distintas: fé como princípio, obediência como produto; fé como causa, obediência como efeito; a causa e o efeito não é o mesmo. Pela fé nós possuímos Cristo como nosso Senhor. pela obediência nos regulamos aos mandamentos dele.
A aceitação da relação com ele como sujeito, precede o desempenho de nosso dever: pela fé recebemos sua lei e pela obediência nós cumprimos isso. A fé nos torna filhos de Deus (Gál 3:26). A obediência nos manifesta como discípulos de Cristo (João 15: 8). Fé é a pedra de toque da obediência; a pedra de toque e aquilo que é experimentado por ela não são os mesmos. Mas apesar de serem distintas, ainda assim são inseparáveis. Fé e obediência são unidas; obediência segue a fé nos calcanhares. A fé purifica o coração e um coração puro não pode ser sem ações puras. A fé nos une a Cristo, através do qual nós participamos de sua vida; e um ramo vivo não pode ficar sem fruto em sua época e "muito fruto" (João 15: 5), e que naturalmente a partir de uma "novidade de espírito" (Rom. 7: 9); não constrangido pelos rigores da lei, mas extraído de uma doçura de amor; porque a fé funciona pelo amor. O amor de Deus é o motivo forte, e o amor a Deus é o princípio de vivificação; como não pode haver obediência sem fé, então não há fé sem obediência. Depois de tudo isso, o apóstolo termina com a celebração da sabedoria de Deus; “ao único Deus, sábio, seja glória, por meio de Jesus Cristo para sempre”.
A rica descoberta do evangelho não pode ser pensado, por uma alma graciosa, sem um retorno de louvor a Deus, e admiração de sua sabedoria singular.
Deus sábio. Seu poder antes, e sua sabedoria aqui, são mencionados em conjunto (nos quais sua bondade está incluída, como interessados em seu poder de estabelecimento) como a base de toda a glória e louvor que Deus tem de suas criaturas.
Único sábio. Como Cristo diz (Mt 19.17): “Ninguém é bom, senão Deus”. Assim diz o apóstolo: Não há sábio, senão Deus. Como todas as criaturas são imundas a respeito de sua pureza, então eles são todos tolos a respeito de sua sabedoria; sim, os próprios anjos gloriosos (Jó 4:18). Sabedoria é a realeza de Deus; o dialeto apropriado de todos os seus caminhos e obras. Nenhuma criatura pode reivindicá-lo; ele é tão sábio que ele é a própria sabedoria.
Seja glória através de Jesus Cristo. Como Deus só é conhecido em e por Cristo, ele deve ser adorado e celebrado apenas em e através de Cristo. Nele devemos orar a ele e nele devemos louvá-lo. Como todas as misericórdias fluem de Deus através de Cristo para nós, todos os nossos deveres devem ser apresentados a Deus por meio de Cristo. No grego, literalmente, é assim: “Para o único Deus sábio, através de Jesus Cristo, deveres devem ser apresentados a Deus por meio de Cristo.” No grego, literalmente, é assim: “Para o único Deus sábio, através de Jesus Cristo, a ele seja a glória para sempre ”. Mas não devemos entendê-lo, como se Deus fosse sábio por Jesus Cristo, mas que se deve dar graças a Deus através de Cristo; porque em e por Cristo Deus revelou sua sabedoria ao mundo. O grego tem uma repetição do artigo ῷ , e expressa na tradução: "Para ele seja a glória".
Nas palavras do apóstolo há uma apropriação de sabedoria a Deus e uma remoção dela de todas as criaturas; "Só Deus é sábio".    A sabedoria é uma excelência transcendente da natureza divina.
A maioria confunde o conhecimento e a sabedoria de Deus juntos; mas há uma distinção manifesta entre eles.
A sabedoria consiste em querer e agir de acordo com a razão correta, de acordo com um julgamento correto das coisas. Nós nunca podemos considerar um homem voluntarioso, como um homem sábio; mas somente se ele age de acordo com uma regra correta, quando os conselhos corretos são tomados e vigorosamente executados.
Resoluções e caminhos de Deus não são mera vontade, mas serão guiados pela razão e conselho de seu próprio entendimento infinito (Efésios 1:11); "Quem trabalha todas as coisas de acordo com o conselho de sua própria vontade." Os movimentos da vontade Divina não são precipitados, mas seguem as propostas da mente divina; ele escolhe aquilo que é mais apto para ser feito, de modo que todas as suas obras são graciosas, e todos os seus caminhos têm uma graça e decoro neles. Por isso todos os seus caminhos são considerados “juízo” (Deuteronômio 32: 4), não mera vontade. Por isso, parece que a sabedoria e conhecimento são duas perfeições distintas. O conhecimento tem sua sede na compreensão especulativa, a sabedoria na prática. Sabedoria e conhecimento são evidentemente distinguidos como dois dons do Espírito no homem (1 Cor 12: 8); “A um é dado, pelo Espírito, a palavra de sabedoria; para outro, a palavra do conhecimento, pelo mesmo Espírito.” O conhecimento é uma compreensão das regras gerais e da sabedoria é tirar conclusões dessas regras para casos particulares. Um homem pode ter o conhecimento de toda a Escritura, e ter todos fixados no tesouro de sua memória, e ainda ser destituído de habilidade para fazer uso deles em ocasiões particulares, e desatar aquelas questões complicadas que podem ser propostas a ele, por uma pronta aplicação dessas regras.
Ainda, conhecimento e sabedoria podem ser distinguidos, como duas perfeições distintas em Deus: o conhecimento de Deus é a sua compreensão de todas as coisas; dele a sabedoria é a habilidade de resolver e agir de todas as coisas. E o apóstolo, em sua admiração por ele, os possui como distintos; “Oh profundidade das riquezas, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus ”(Rom 11:33)! O conhecimento é o fundamento da sabedoria e antecedente a ele; sabedoria a superestrutura sobre o conhecimento: os homens podem ter conhecimento sem sabedoria, mas não sabedoria sem conhecimento; de acordo com o nosso provérbio comum, "Os maiores funcionários não são os homens mais sábios". Todo o conhecimento prático é fundado na especulação, ou secundum rem, como em um homem; ou, secundum rationem, como em Deus. Eles concordam nisso, que ambos são atos da compreensão; mas o conhecimento é a apreensão de uma coisa, e a sabedoria é a nomeação e ordenação das coisas.
Sabedoria é o esplendor e brilho de conhecimento brilhando nas operações, e é um ato de compreensão e vontade; compreensão em aconselhar e elaborar, resolver e executar: o conselho e a vontade estão ligados entre si (Efésios 1:11).
Há uma sabedoria essencial e uma sabedoria pessoal de Deus. A sabedoria essencial é a essência de Deus; a sabedoria pessoal é o Filho de Deus. Cristo é chamado de sabedoria por si mesmo (Lucas 7:35). A sabedoria de Deus pelo apóstolo (1 Coríntios 1:24). A sabedoria de que falo pertence à natureza de Deus e é considerada uma perfeição necessária. A sabedoria pessoal é assim chamada, porque ele nos abre os segredos de Deus. Se o filho fosse aquela sabedoria pela qual o Pai é sábio, o Filho seria também a essência pela qual o Pai é Deus. Se o Filho fosse a sabedoria do Pai, pela qual ele é essencialmente sábio, o Filho seria a essência do Pai, e o Pai teria a sua essência do Filho, desde que a sabedoria de Deus é a essência de Deus; e assim o Filho seria o Pai, se a sabedoria e o poder do Pai estivessem originalmente no Filho.
Em segundo lugar, portanto, a sabedoria de Deus é a mesma com a essência de Deus. Sabedoria em Deus não é um hábito adicionado à sua essência, como é no homem, mas é a essência dele. É como o esplendor do sol, o mesmo com o próprio sol; ou como o brilho do cristal, que não é comunicado a ele por qualquer outra coisa, como o brilho de uma montanha é pelo raio do sol, mas é um com o próprio cristal. Isto não é um hábito sobreposto à essência divina; que seria repugnante à simplicidade de Deus, e fala-lhe composta de diversos princípios; seria contrário à eternidade de suas perfeições: se ele for eternamente sábio, sua sabedoria é sua essência; porque nada existe eterno, senão a essência de Deus. Como o sol derrete algumas coisas, e endurece outras; enegrece algumas coisas e embranquece outras, e produz qualidades contrárias em diferentes assuntos, mas é apenas uma e a mesma qualidade no sol, que é a causa daquelas operações contrárias; Assim, as perfeições de Deus parecem ser diversas em nossas concepções, mas elas são uma e a mesma coisa em Deus.
A sabedoria de Deus, é Deus agindo com prudência; como no poder de Deus, Deus está agindo poderosamente; e a justiça de Deus é Deus agindo justamente; e, portanto, é mais verdadeiramente dito que Deus é sabedoria, justiça, verdade, poder, do que ser sábio, justo, verdadeiro, etc. como se ele fosse composto de substâncias e qualidades. Todas as operações de Deus procedem de uma simples essência; como todas as operações da mente do homem, embora várias, procedam de uma faculdade de compreensão.
Em terceiro lugar, a Sabedoria é a propriedade de Deus somente: “Ele somente é sábio”. É uma honra peculiar para ele. Após a conta de que ninguém merecia o título de sábio, senão que era uma realeza pertencente a Deus, Pitágoras foi chamado de filósofo (amigo do saber). O nome filósofo surgiu de um respeito a esta perfeição transcendente de Deus.
Quando dizemos, Deus é um Espírito, é verdadeiro, justo, sábio; entendemos que ele é transcendentalmente estes, por uma necessidade intrínseca e absoluta, em virtude de sua própria essência, sem a eficiência de qualquer outra, ou qualquer eficiência em si e por si mesmo.
Deus não se faz sábio, não mais do que ele se faz Deus. Como ele é um Ser necessário em relação à sua vida, ele é necessariamente sábio em relação à sua compreensão.
A sabedoria entre os homens é adquirida pela idade e experiência promovida por instruções e exercícios; mas a sabedoria de Deus é sua natureza. Como o sol não pode ficar sem luz, enquanto permanece um sol, e como a eternidade não pode ser sem a imortalidade, então nem Deus pode ser sem sabedoria, pois somente ele tem imortalidade (1 Timóteo 6:16), não arbitrária, mas necessariamente; então somente ele tem sabedoria: não porque ele será sábio, mas porque ele não pode senão ser sábio. Ele não pode senão planejar conselhos e exercer operações, tornando-se a grandeza e majestade de sua natureza.
Os homens adquirem sabedoria pela perda de seus anos mais justos; mas a de Deus é a perfeição da natureza Divina, não o nascimento do estudo, ou o crescimento da experiência, mas tão necessário, tão eterno, quanto a sua essência. Ele não sai de si mesmo para buscar sabedoria: ele não precisa mais dos cérebros das criaturas no artifício de seus propósitos, do que o braço dele na execução deles. Ele não precisa de conselho, ele não recebe conselho de ninguém (Rom. 11:34): “Quem tem sido seu conselheiro?” e (Is 40:14) “Com quem tomou ele conselho, para que lhe desse compreensão? Quem o instruiu na vereda do juízo, e lhe ensinou sabedoria, e lhe mostrou o caminho de entendimento?” Ele é a única fonte de sabedoria para os outros; anjos e homens têm sabedoria por comunicação dele. Toda a sabedoria criada é uma centelha da luz Divina, como a dos planetas emprestadas do sol. Aquele que empresta sabedoria de outro, e não a possui originalmente em sua própria natureza, não pode corretamente ser chamado sábio. Como Deus é o único Ser, a respeito de que todos os outros seres são derivados dele, então somente ele é sábio, porque toda outra sabedoria flui dele. Ele é a fonte de sabedoria para todos.
Sendo portanto, o "único sábio" perfeitamente. Não há nuvens sobre o seu entendimento. Ele tem um conhecimento distinto e certo de todas as coisas que podem entrar em ação; como ele tem um conhecimento perfeito sem ignorância, então ele tem uma bela e eterna sabedoria.
Os homens são sábios, mas não têm um entendimento tão vasto a ponto de compreender todas as coisas, nem uma perspicácia tão clara a ponto de penetrar nas profundezas de todos os seres. Anjos têm mais encantadoras e vivas faíscas de sabedoria, mas tão imperfeitas, que em relação à sabedoria de Deus são acusados de loucura (Jó 4:18). Sua sabedoria e sua santidade estão veladas na presença de Deus. Ela desaparece, como o brilho de um fogo diante da beleza do sol, ou como a luz de uma vela no meio de um sol contrai-se, e nenhum dos seus raios são vistos, senão no corpo da chama. Os anjos não são perfeitamente sábios, porque eles não estão perfeitamente sabendo: o evangelho, a grande descoberta da sabedoria de Deus, foi escondido deles por séculos.
A sabedoria em um homem é de um tipo, em outro de outro tipo; um é um comerciante sábio, outro estadista sábio e outro filósofo sábio: um é sábio nos negócios do mundo, outro é sábio nas coisas divinas.
Alguém pode ter muito de um tipo, mas ele pode ter uma escassez em outro; um pode ser sábio para a invenção e tolo em execução; um artífice pode ter habilidade para enquadrar um mecanismo, e não habilidade para usá-lo. O solo adequado para as oliveiras pode não ser adequado para videiras; que terá um tipo de grão e não outro. Mas Deus tem uma sabedoria universal, porque sua natureza é sábia; não é limitada, mas paira sobre tudo, brilha em todos os seres. Suas execuções são tão sábias quanto seus planos: ele é sábio em suas resoluções e sábio em seus caminhos: sábio em todas as variedades de suas obras de criação, governo, redenção. Como sua vontade quer todas as coisas, e seu poder afeta todas as coisas, por isso a sua sabedoria é o diretor universal dos movimentos de sua vontade, e as execuções de seu poder: como a sua justiça é a medida da matéria de suas ações, então sua sabedoria é a regra que direciona a maneira de suas ações. O poder absoluto de Deus não é um poder indisciplinado: sua sabedoria ordena todas as coisas, de modo que nada é feito, a não ser o que é adequado e conveniente, e agradável a um tão excelente Ser: como ele não pode fazer uma coisa injusta por causa de sua retidão, então ele não pode fazer um ato imprudente, por causa de sua infinita sabedoria.
Embora Deus não seja necessária para qualquer operação sem ele mesmo, como para a criação de qualquer coisa, ainda supondo que ele irá agir, sua sabedoria exige que ele faça aquilo que é congruente, pois a sua justiça exige que ele faça aquilo que é justo: de modo que, embora a vontade de Deus seja o princípio, mas sua sabedoria é a regra de suas ações.
Todos os seus decretos são extraídos do infinito tesouro de sabedoria em si mesmo. Ele não resolve nada sobre nenhuma de suas criaturas sem razão; mas a razão de seus propósitos está em si mesmo, e brota de si mesmo, e não das criaturas: não há uma coisa que ele deseja, senão que “ele deseja por conselho e trabalha por conselho” (Efésios 1:11). O conselho escreve cada linha, cada letra, em seu Livro eterno; e todas as ordens são tiradas dali por sua sabedoria e vontade: o que era ilustre no plano, reluz na execução.
Sua compreensão e vontade são infinitas; o que é, portanto, o ato de sua vontade, é o resultado de sua compreensão e, portanto, racional.
Sua compreensão e vontade juntam as mãos; não há disputa em Deus, vontade contra a mente e mente contra a vontade; eles são um em Deus, um em suas resoluções, e uma em todas as suas obras.
Portanto, somente ele é sábio perpetuamente. Como a sabedoria do homem se dá pela maturidade da idade, também se perde pela decadência dos anos; é obtido por instrução e perdido por esquecimento. As mentes mais perfeitas, quando em declínio, foram obscurecidas com loucura: Nabucodonosor, isto foi sábio para um homem, tornou-se tão tolo quanto um bruto.
Mas o Ancião de Dias é um imutável possuidor de prudência; Sua sabedoria é um espelho de brilho, sem um ponto de desfiguração. Esta sabedoria foi "possuída por ele no início de seus caminhos, antes de suas obras antigas" (Provérbios 8:22), e ele nunca pode ser desapossado dela no final de suas obras. É inseparável dele: o ser da sua divindade pode cessar tão cedo quanto a beleza de sua mente; “Com ele está a sabedoria” (Jó 12:13); é inseparável dele; portanto, tão durável quanto sua essência. É uma sabedoria infinita e, portanto, sem aumentar ou diminuir em si mesma. A experiência de tantas idades no governo do mundo não acrescentou nada à imensidão do resplendor do sol desde a criação do mundo não acrescentou nada à luz daquele corpo glorioso. Como a ignorância nunca obscurece seu conhecimento, então a insensatez nunca degrada sua prudência. Deus encheu os homens, mas nem homens nem demônios podem encher a Deus; ele é infalivelmente sábio; Seu conselho não varia; não é um dia uma coisa, e outro dia outra, mas é como uma rocha imóvel ou uma montanha de bronze. “O conselho do Senhor permanece para sempre e os pensamentos de seu coração para todas as gerações” (Salmo 33:11)
Só Deus é sábio incompreensivelmente. “Seus pensamentos são profundos” (Salmo 92: 5); “Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos!” (Rom. 11:33): profundezas que não podem ser sondadas; um esplendor mais deslumbrante para as nossas mentes fracas do que a luz do sol para os nossos olhos fracos. A sabedoria de um homem pode ser compreendida por outro, mas como a essência, a sabedoria de Deus é incompreensível para qualquer criatura; Deus só é compreendido por Deus. Os segredos da sabedoria em Deus são o dobro das expressões dela em suas obras (Jó 11: 6, 7): “Você pode, procurando, descobrir Deus?” Há uma profundidade insondável em todos os seus decretos, em todas as suas obras; não podemos compreender a razão de suas obras, muito menos a de seus decretos, muito menos que em sua natureza; porque sua sabedoria, sendo infinita, assim como seu poder, não pode mais agir para o tom mais alto que o seu poder. Como seu poder não é terminado pelo que ele fez, mas ele poderia dar mais testemunhos disso, então nem a sua sabedoria. Como em relação à sua imensidão ele não é delimitado pelos limites do lugar; em relação a sua eternidade, não medido pelos minutos do tempo; em relação ao seu poder, não terminado com este ou aquele número de objetos; assim, em relação à sua sabedoria, ele não está confinado a este ou àquele modo particular de trabalho; de modo que ele habita em luz inacessível (1 Timóteo 6:16); e tudo o que entendemos de sua sabedoria na criação e providência, é infinitamente menor do que o que é em si mesmo e em sua própria natureza ilimitada. Muitas coisas nas Escrituras são declaradas principalmente como sendo os atos da vontade Divina, mas não devemos pensar que elas eram atos de mera vontade sem sabedoria, mas elas são representadas assim para nós, porque não somos capazes de compreender a razão infinita de seus atos: sua soberania é mais inteligível para nós do que sua sabedoria. Podemos conhecer melhor os comandos de um superior e as leis de um Príncipe, do que entender o motivo que deu origem a essas leis. Podemos conhecer as ordens da vontade divina, como são publicadas, mas não a sublime razão de sua vontade. Embora a eleição seja um ato da soberania de Deus, e ele não tem causa de fora para determiná-la, senão sua infinita sabedoria não ficou em silêncio enquanto o mero domínio agia. Tudo o que Deus faz, ele o faz sabiamente, bem como soberanamente; embora a sabedoria que se encontra nos lugares secretos do Ser Divino seja tão incompreensível para nós quanto os efeitos de sua soberania e poder no mundo são visíveis, Deus pode dar uma razão de seu processo, e que tirou de si mesmo, embora nós não o entendamos.
As causas das coisas visíveis estão escondidas de nós. Podemos compreender a justiça dos procedimentos de Deus na prosperidade dos ímpios e nas aflições dos piedosos?
Deus não é tão sábio que nada mais sábio pode ser concebido, mas ele é mais sábio do que pode ser imaginado; algo maior em todas as suas perfeições do que pode ser compreendido por qualquer criatura. É uma coisa tola, portanto, questionar aquilo que não podemos compreender; devemos adorá-lo em vez de contestar; e tome como certo que Deus não ordenaria qualquer coisa, se não fosse agradável à soberania de sua sabedoria, bem como à de sua vontade.
Embora a razão do homem proceda da sabedoria de Deus, contudo há mais diferença entre a razão do homem e a sabedoria de Deus, do que entre a luz do sol e o débil brilho da minhoca; no entanto, nós presumimos censurar os caminhos de Deus, como se nossa razão cega tivesse um alcance acima dele.
Somente Deus é sábio infalivelmente. Os homens mais sábios se deparam com atritos no caminho, o que os deixa aquém do que visam; eles muitas vezes projetam e falham; então começam de novo; e, no entanto, todos os seus conselhos terminam em fumaça, e nenhum deles chega à perfeição. Se os mais sábios anjos estabelecem um plano, eles podem ficar desapontados; porque, embora sejam mais elevados e mais sábios que o homem, há Alguém mais elevado e mais sábio do que eles, que pode verificar seus projetos. Deus sempre compensa seu fim, nunca falha em nada que ele projeta e visa;    como nada pode resistir à eficácia de sua vontade, então nada pode contrariar a habilidade de seu conselho: “Não há sabedoria, nem entendimento, nem conselho contra o Senhor” (Provérbios 21:30). Ele compensa seus fins por aquelas ações dos homens e demônios, em que eles pensam em atravessá-lo; eles atiram em seu alvo e acertam os deles. O enredo de Lúcifer, pela sabedoria divina, cumpriu a vontade de Deus em seu propósito contra a mente de Lúcifer. O conselho da redenção por Cristo, o fim da criação do mundo, cavalgou para o mundo sobre a parte de trás da tentação da serpente. Deus nunca confunde os meios, nem pode haver desapontamentos para fazê-lo variar seu conselho, e lançar outros meios que antes ele tinha ordenado. Sua palavra que sai de sua boca não retornará a ele vazia, mas cumprirá o que lhe agrada, e prosperará naquilo que lhe enviou.” (Isaías 55:11). O que é dito de Sua palavra ser verdadeira para o seu conselho; prosperará na coisa para a qual foi designada; não pode ser derrotado por todas as legiões de homens e demônios; porque “como ele pensa, assim acontecerá; e assim como ele intentou, assim será; o Senhor intentou e quem o anulará?” (Isaías 14:24, 27). A sabedoria da criatura é uma gota da sabedoria de Deus, e é como uma gota para o oceano, e uma sombra ao sol; e, portanto, não é capaz de satisfazer a sabedoria de Deus, que é infinita e ilimitada. Nenhuma sabedoria é isenta de erros, mas o Divino: ele é sábio em todas as suas resoluções, e nunca "chama de volta suas palavras" e propósitos (Isaías 31: 2).
"Sabedoria e poder são dele". (Daniel 2.20).
Sabedoria para planejar e poder para efetuar. Onde deve habitar a sabedoria, senão na cabeça de uma divindade? E onde deve o poder triunfar, senão no braço da onipotência? Tudo o que Deus faz, ele artificialmente, habilmente; de onde ele é chamado de “Construtor dos céus” (Hb 11:10), um construtor pela arte: e essa palavra (Provérbios 8:30) é referente a Cristo; "Então, eu estava com ele e era seu arquiteto, dia após dia, eu era as suas delícias, folgando perante ele em todo o tempo;”.
Deus não tem necessidade de deliberar em si mesmo quais são os melhores meios para realizar seus fins: ele nunca é ignorante ou indeterminado quanto ao curso que ele deve tomar.
As graças de um cristão perdem seu brilho, quando são destituídas da orientação de sabedoria: a misericórdia é uma fraqueza e a justiça uma crueldade; a paciência uma lerdeza, e a coragem uma loucura, sem a conduta de sabedoria; então a paciência de Deus seria covardia, seu poder uma opressão, sua justiça uma tirania, sem sabedoria como a fonte de santidade como a regra.   
O poder é uma grande perfeição, mas a sabedoria é maior. A sabedoria pode estar sem muito poder, como nas abelhas e nas formigas; mas o poder é uma coisa tirânica sem sabedoria e justiça. O piloto é mais valioso por causa de sua habilidade do que o escravo da galera por causa de sua força; e a conduta de um general mais estimável do que o poder de um soldado raso. Os generais são escolhidos mais por sua habilidade para guiar do que por sua força para agir.
Agora, sendo Deus o primeiro Ser, possui tudo o que é mais nobre em qualquer ser. Se, portanto, a sabedoria, que é a mais nobre perfeição em qualquer criatura, estivesse faltando em Deus, ele seria deficiente naquilo que é a mais alta excelência. Deus sendo o Deus vivo, como ele é frequentemente denominado nas Escrituras, ele tem, portanto, a maneira mais perfeita de viver, e isso deve ser uma vida pura e intelectual; sendo essencialmente vivo, ele está essencialmente no mais alto grau de vida. Como ele tem uma vida infinita acima de todas as criaturas, então ele tem uma vida intelectual infinita e, portanto, uma sabedoria infinita; de onde alguns chamam Deus, não sapientem, mas supersapientem, não só sábio, mas acima de toda sabedoria.
Sem infinita sabedoria, Deus não poderia governar o mundo. Sem sabedoria na formação do assunto, que foi feito pelo Divino poder, o mundo poderia ter sido outro senão um caos; e sem sabedoria no governo, poderia ter sido outro senão um monte de confusão; sem sabedoria, o mundo não poderia ter sido criado na postura em que existe. A criação supõe uma determinação de a vontade de colocar o poder em ação; a determinação da vontade supõe o conselho do entendimento, determinando a vontade: não trabalho, mas supõe a compreensão, assim como a vontade, em um agente racional. Como sem habilidade as coisas não poderiam ser criadas, então sem as coisas não pode ser governado. A razão é uma perfeição necessária para aquele que preside todas as coisas; sem sabedoria, não poderia haver um exercício de governo; e sem a mais excelente sabedoria, ele não poderia ser o governador mais excelente. Ele não poderia ser um governador universal, sem uma sabedoria universal; nem o único governador sem uma sabedoria inimitável; nem um governador independente sem uma sabedoria original e independente; nem um perpétuo governador sem uma sabedoria incorruptível. Ele não seria o Senhor do mundo em todos os pontos, sem habilidade para ordenar os assuntos dele.
Poder e sabedoria são fundamentos de toda autoridade e governo; sabedoria para saber governar e comandar; poder para fazer esses comandos obedecidos: nenhuma ordem regular poderia ser emitida sem a primeira, nem qualquer ordem poderia ser executada sem a segunda.
Uma sabedoria fraca e um poder bruto raramente ou nunca produzem um bom efeito. Magistratura sem sabedoria, seria um poder frenético, uma conduta precipitada; como um braço forte quando o olho está para fora, parece que não sabe para onde vai. Sabedoria sem poder, seria como um grande corpo sem pés, como o conhecimento de um piloto que perdeu o braço, que, embora conheça a regra de navegação, e que curso seguir em sua viagem, ainda não pode gerenciar o leme: mas quando esses dois, sabedoria e poder, estão ligados juntos, surge a aptidão para o governo.
Há sabedoria para propor um fim, e tanto sabedoria quanto poder empregados significa aquela conduta para esse fim. E, portanto, quando Deus demonstra a Jó seu direito de governo, e a irracionalidade de Jó discutindo com seus procedimentos, ele principalmente urge sobre ele a consideração dessas duas excelências de sua natureza, poder e sabedoria, que são expressas em suas obras (cap. 38–41).
Um príncipe sem sabedoria, é apenas um título sem capacidade para realizar o ofício; nenhum homem sem isso é apto para o governo; nem poderia Deus sem sabedoria exercer um domínio justo no mundo. Ele tem, portanto, a mais alta sabedoria, já que ele é o governador universal.
Aquela sabedoria que é capaz de governar uma família pode não ser capaz de governar uma cidade; e aquela sabedoria que governa uma cidade, pode não ser capaz de governar uma nação ou reino, muito menos um mundo. Os limites do governo de Deus sendo maiores do que qualquer outro, sua sabedoria para o governo precisa superar a sabedoria de todos. E embora as criaturas não sejam em número realmente infinitas, ainda assim elas não podem ser bem governadas, mas por um dotado de infinita discrição. O governo providencial não pode ser mais sem sabedoria infinita do que a sabedoria infinita pode ser sem a Providência.
As criaturas que trabalham para um fim, sem o seu próprio conhecimento, demonstram a sabedoria de Deus que as guia. Todas as coisas no mundo funcionam para algum fim; os fins são desconhecidos para eles, embora muitos de seus fins sejam visíveis para nós. Como havia alguma causa principal, que por seu poder os inspirou com seus vários instintos; então deve haver alguma sabedoria suprema, que se move e guia-os até o fim. Como o seu ser manifesta o poder dAquele que os dotou, assim o agir de acordo com as regras da natureza deles, que eles mesmos não entendem, manifesta sua sabedoria em dirigi-los.
Tudo o que age para um fim, deve conhecer esse fim, ou ser dirigido por outro para atingir esse fim. A flecha não sabe quem a dispara, ou para que lado é lançada, ou para que alvo é apontada; mas o arqueiro que a usa sabe disso. Um relógio tem um movimento regular, mas nem a fonte, nem as engrenagens que se movem, sabem o fim do seu movimento; nenhum homem julgará uma sabedoria para estar no relógio, senão no artífice que dispôs as engrenagens, por uma combinação conjunta para produzir tal movimento para tal fim.
Ou o sol que anima a terra, ou a terra que viaja com a planta, sabe o que planta produz em tal solo, ou de que tipo deve ser o fruto que dará, e de que cor? Que planta conhece suas próprias qualidades medicinais, sua própria beleza e flores, e para que uso elas são ordenadas? Todavia, produz todas essas coisas em estado de ignorância. O sol aquece a terra, inventa os humores, excita a virtude disso, e nutre as sementes que são lançadas em seu colo, mas todas desconhecidas do sol ou da terra. Desde então, que a natureza, que é a causa imediata dessas coisas não compreende sua própria qualidade, nem operação, nem o fim de sua ação, aquilo que assim eles devem ser concebidos para ter uma sabedoria infinita. Quando as coisas agem por uma regra, elas não sabem, e se movem para um fim, que elas não entendem, e ainda trabalhar harmoniosamente juntos para um fim, que todos eles, temos a certeza, são ignorantes, monta nossas mentes para reconhecer a sabedoria dessa Causa Suprema que tem variado todas estas causas inferiores em sua ordem, e imprimido sobre elas as leis de seus movimentos de acordo com as ideias em sua mente, quem ordena a regra pela qual eles agem.
Deus é a fonte de toda a sabedoria nas criaturas e, portanto, é infinitamente sábio.
“Ele dá sabedoria aos sábios e conhecimento aos que conhecem a compreensão” (Daniel 2.21), falando das mais obscuras partes do conhecimento: "A inspiração do Todo-Poderoso nos dá entendimento" (Jó 32: 8). Daí a sabedoria que Salomão expressou no caso da prostituta (1 Reis 3:28) foi, no julgamento de todo o Israel, a sabedoria de Deus; isto é, um fruto da sabedoria divina, um raio comunicado a ele de Deus. A alma de cada homem é dotada, mais ou menos, dessas nobres qualidades; a alma de todo homem excede a de um bruto; se os riachos forem tão excelentes, a fonte deve estar mais cheia e mais clara. O primeiro Espírito deve infinitamente possuir mais o que outros espíritos derivam dele pela criação; foram a sabedoria de todos os anjos no céu, e os homens na terra, reunidos em um espírito, deve ser infinitamente menor do que na fonte; pois nenhuma criatura pode ser igual ao Criador. Como a criatura mais alta já feita, ou que podemos conceber pode ser feita pelo poder infinito, seria infinitamente inferior a Deus na noção de uma criatura, por isso seria infinitamente abaixo de Deus na noção de sábio.
A quarta coisa é onde a sabedoria de Deus aparece. Aparece, 1º, na criação. 2º, no governo. 3º, na redenção.
Primeiro, na criação. Como em um instrumento musical há primeiro a habilidade do operário no fabrico, então a habilidade do músico em tocá-lo, assim é a sabedoria de Deus vista no enquadramento do mundo, depois na afinação, e depois no movimento das várias criaturas. O tecido do mundo é chamado a sabedoria de Deus (1 Cor 1:21): “Depois disso, na sabedoria de Deus, o mundo pela sabedoria não conheceu a Deus”, isto é, pela criação o mundo não conheceu a Deus. A causa do enquadramento é colocada para o efeito e o trabalho emoldurado; porque a sabedoria Divina surgiu nas criaturas, para uma aparição pública, como se tivesse se apresentado em uma forma visível ao homem, dando instruções em e pelas criaturas, para conhecê-lo e adorá-lo. O que traduzimos (Gên 1: 1) “No princípio, Deus criou o céu e a terra”, o Targum expressa:“ Em sabedoria, Deus criou o céu e a terra”. Ambos têm um selo desta perfeição neles; e quando o apóstolo diz aos romanos (Rom. 1:20) “As coisas invisíveis de Deus eram claramente entendidas pelas coisas que foram criadas", a palavra que ele usa é ποιήμασι not ἒργοις; isso significa uma obra de trabalho, mas é um trabalho de habilidade ou um poema.
Toda a criação é um poema, cada espécie uma estrofe e cada criatura individual um verso nela. A criação nos apresenta uma perspectiva da sabedoria de Deus, como um poema faz o leitor com a sagacidade e imaginação do compositor: "Pela sabedoria ele criou a terra" (Provérbios 3:19), “e estendeu os céus com discrição” (Jeremias 10:12). Não há nada tão mau, tão pequeno, mas brilha com um feixe de habilidade divina; e a consideração deles faria justamente cada homem subscrever àquele do salmista, “Que variedade, SENHOR, nas tuas obras! Todas com sabedoria as fizeste; cheia está a terra das tuas riquezas.” (Salmos 104: 24). Todos, o menor assim como o maior e o pior bem como o mais nobre; mesmo aquelas criaturas que parecem feias em grande variedade de formas, figurações, cores, vários cheiros, virtudes e qualidades! E essa raridade é produzida a partir de uma mesma matéria, como animais e plantas da terra (Gên 1:11, 20, 24): “E disse: Produza a terra relva, ervas que deem semente e árvores frutíferas que deem fruto segundo a sua espécie, cuja semente esteja nele, sobre a terra. E assim se fez... Disse também Deus: Povoem-se as águas de enxames de seres viventes; e voem as aves sobre a terra, sob o firmamento dos céus... Disse também Deus: Produza a terra seres viventes, conforme a sua espécie: animais domésticos, répteis e animais selváticos, segundo a sua espécie. E assim se fez.”
Esta extração de tal variedade de formas de uma única e monótona matéria, é a química da sabedoria Divina. É uma habilidade maior para enquadrar corpos nobres de matéria comum, como variedades de vasos preciosos de argila e terra, do que de uma matéria mais nobre, como ouro e prata. Ainda, todas essas variedades propagam seu tipo em cada particularidade e qualidade de sua natureza, e uniformemente produz cópias exatas de acordo com o primeiro padrão que Deus criou do tipo (Gên 1:11, 12, 24). Considere, também, como o mesmo pedaço de terra é decorado com plantas e flores de vários virtudes, frutas, cores, aromas, sem sermos capazes de perceber qualquer variedade na terra que os produza, e nem tão grande diferença nas raízes que os carregam. Adicione a isso a diversidade de pássaros de diferentes cores, formas, notas, consistindo de várias partes, asas como remos, para cortar o ar e as caudas como o leme de um navio, para guiar seu movimento. Quão variados são também os dotes das criaturas!
A sabedoria da criação aparece na beleza, na ordem e na situação das várias criaturas (Ec 3:11): “Ele fez tudo bonito em seu tempo”. Como o seu ser era um fruto do poder divino, assim a sua ordem é um fruto da sabedoria Divina. Todas as criaturas são como membros do grande corpo do mundo, proporcionados uns aos outros e contribuindo para a beleza do todo; de modo que se as formas particulares de tudo, a união de todos para a composição do mundo, e as leis que são estabelecidas na ordem da natureza para sua conservação, seja considerada, nos arrebataria com uma admiração de Deus.
A face da terra e os metais são gerados nas entranhas dela, para materiais de construção e outros usos para o serviço do homem.
Deus os plantou lá, especialmente para serem usados para as grandes populações dos séculos XX e XXI, que dependem de tecnologia e maquinaria extensas para a sua sobrevivência.
“Lá ele faz a erva crescer para o gado e a erva para o serviço do homem, para que ele possa trazer alimento da terra” (Salmo 114: 14). O mar está equipado para uso; é um viveiro de peixes para a nutrição do homem; um limite para a divisão de terras e vários domínios: une nações distantes: um grande navio para o comércio (Salmo 114: 26), "lá vão os navios".
Esta sabedoria divina aparece na ligação de todas estas partes úteis em conjunto, de modo que um é subordinado ao outro para uma fim comum. Todas as partes são exatamente adequadas uma para a outra, e todas as partes para o todo, embora sejam de naturezas diferentes, como linhas distantes eles mesmos, contudo se encontram em um centro comum, o bem e a preservação do universo; eles são todos juntos, como a palavra traduzida emoldurada em (Hebreus 11: 2) significa; tecido por mãos e ligamentos aptos para conferir beleza mútua, força e assistência um ao outro; como tantos elos de uma corrente acoplados, que embora haja uma distância no lugar, há uma unidade em relação a conexão e fim, há um consentimento no todo (Os 2:21, 22). “Naquele dia, eu serei obsequioso, diz o SENHOR, obsequioso aos céus, e estes, à terra; a terra, obsequiosa ao trigo, e ao vinho, e ao óleo; e estes, a Jezreel.”
A par de toda a beleza que existe na criação, uma realidade é incontestável. Tudo morre na Terra por causa do pecado original.
Tudo o que nasce já está a caminho da morte.
O homem não somente morre em seu corpo como também está morto espiritualmente. E esta morte está destinada a ser morte eterna se não houver uma intervenção de Deus em seus eleitos.
Ora, o que a sabedoria de Deus pretende nos ensinar com toda esta realidade visível da morte que está em    nós e que nos rodeia por todos os lados?
Certamente a de nos convencer que é grande sabedoria de nossa parte crer no evangelho que é o único meio de se vencer a morte e ser transportado para a vida eterna.
Jesus é o grande Fiador e Salvador que nos foi dado da parte de Deus para ser o nosso substituto por Sua justiça que é não somente atribuída a nós na justificação, como também implantada progressivamente na santificação.
Mas por mais que nos santifiquemos, sempre será achado o pecado residente atuando em nós. Até mesmo as nossas melhores obras são contaminadas pelo pecado de nossas fraquezas, omissões, pensamentos, imaginações, comissões, de forma que toda a santidade que há em nós, de nós mesmos, é nada mais do que nossa sinceridade e desejo e luta por viver de modo santo para o Senhor.
Então, qual é a mensagem que este estado de morte passa para nós? Não é porventura que devemos desistir de nós mesmos? Não é o de que devemos confiar totalmente em Cristo para ser o nosso Fiador e Salvador?
O evangelho é crer somente nEle para a salvação, e não em nossos méritos, nossas boas obras, ou seja o que for.
Até mesmo a fé, o nosso arrependimento, não são coisas meritórias para obtermos a salvação, mas apenas meios designados e necessários para recebermos a única causa da nossa salvação que é exclusivamente o amor, a graça e a misericórdia de Deus, conforme o decreto e a aliança que fez com o Filho, antes mesmo da fundação do mundo, para nos salvar.
Em segundo lugar. A sabedoria de Deus aparece em seu governo de suas criaturas. O movimento regular das criaturas fala dessa perfeição, bem como a composição exata delas. Se a perfeição do quadro nos conduz à habilidade do Criador, a    exatidão de sua ordem, de acordo com sua vontade e lei, não fala menos da sabedoria do Governador.
A vontade de Deus é a regra da justiça para nós, mas a sabedoria de Deus é o fundamento da regra de justiça que ele nos prescreve.   
A lei moral, que era a lei da natureza, a lei impressa em Adão, é tão enquadrada de modo a garantir os direitos de Deus como supremo, e os direitos dos homens em suas distinções de superioridade e igualdade: é, portanto, chamada "santa e boa" (Rom. 7:12); santa, como prescreve nosso dever para com Deus em sua adoração; boa, como regula os ofícios da vida humana e reserva o interesse comum da humanidade.
Como Deus deu uma lei da natureza, uma ordem fixa para criaturas inanimadas, então ele deu uma lei de razão para criaturas racionais: outras criaturas não são capazes de uma lei que diferencie o bem e o mal, porque elas são destituídas de faculdades e capacidades para fazer distinção entre eles. Não teria sido agradável à sabedoria de Deus propor qualquer lei moral a eles, que não tinham entendimento para discernir, nem vontade de escolher. É, portanto, para ser observado que, enquanto Cristo exortou os outros para abraçar sua doutrina, ele mesmo não exortou criancinhas, embora ele as tivesse em seus braços, porque, embora tivessem faculdades, ainda assim elas não chegaram a tal maturidade a ponto de serem capazes de uma instrução racional. Mas havia a necessidade de algum comando para o governo do homem; desde que Deus o fez uma criatura racional, não era agradável à sua sabedoria governá-lo como um bruto, mas como uma criatura racional, capaz de conhecer seus preceitos e andar voluntariamente neles; e sem uma lei, ele não tinha sido capaz de qualquer exercício de sua razão nos serviços respeitando a Deus. Ele, portanto, lhe dá uma lei, com uma aliança anexada a ela, pela qual o homem é obrigado a obediência, e garantido de uma recompensa. Isso foi imposto com penas severas, morte, com todos os horrores presentes, para impedi-lo da transgressão (Gên 2:17); em que é implícita uma promessa de continuidade da vida, e todas as suas felicidades, para aliciá-lo a uma atenção de sua obrigação. Tão perfeita é a cerca que a sabedoria Divina colocou sobre ele, para mantê-lo dentro dos limites daquela obediência, que era sua dívida e segurança, onde quer que ele olhasse, ele visse algo para convidá-lo, ou algo para levá-lo para o pagamento do seu dever e perseverança nele. Assim, a lei foi exatamente enquadrada na natureza do homem; o homem tinha torcido nele um desejo de felicidade; a promessa era adequada para acalentar esse desejo natural. Ele também tinha o senso do medo; o objeto correto disso era qualquer coisa destrutiva para o seu ser, natureza e felicidade. No todo, foi acomodado ao homem como racional; preceitos à lei em sua mente, promessa ao apetite natural, ameaça à afeição mais prevalente e aos desejos implantados de preservar tanto o seu ser como a felicidade nesse ser. Estes eram motivos racionais, ajustados à natureza de Adão, que estava acima da vida que Deus dera às plantas, e o sentido que ele deu aos animais. O comando dado ao homem em inocência foi adequado para sua força e poder. Deus não deu a ele nenhum comando além do que ele tinha capacidade de observar: e já que não teria poder para se abster de um fruto proibido em seu estado corrompido e impotente, ele não teria força em seu estado de integridade.
A sabedoria de Deus nada ordenou além do que era muito fácil de ser observado por ele e inferior à sua capacidade natural. Tinha sido tanto injusto quanto insensato ter-lhe comandado voar até o sol, quando ele não tinha asas; ou parar o curso do mar, quando ele não tinha força.
(2) É adequado para a felicidade e benefício do homem. As leis de Deus não são um ato de mera autoridade respeitando sua própria glória, mas de sabedoria e bondade respeitando o benefício do homem. Eles são perfeitos da natureza do homem, conferindo sabedoria a ele, “A lei do SENHOR é perfeita e restaura a alma; o testemunho do SENHOR é fiel e dá sabedoria aos símplices. Os preceitos do SENHOR são retos e alegram o coração; o mandamento do SENHOR é puro e ilumina os olhos.” (Salmo 19: 7, 8), proporcionando-lhe um conhecimento de Deus e de si mesmo. Estar sem lei, é para homens ser como bestas, sem justiça e sem religião: outras coisas são para o bem do corpo, mas as leis de Deus para o bem do corpo e da alma; quanto mais perfeita a lei, maior o benefício. As leis dadas aos judeus eram a honra e excelência daquela nação (Deut 1: 8); “Que nação há tão grande que tenha estatutos e juízos tão justos?” Eles foram feitos estadistas na lei judicial, eclesiásticos na cerimonial, homens honestos na segunda tábua da lei e santos na primeira. Todas as suas leis são adequadas para a verdadeira satisfação do homem e o bem da sociedade humana. Se Deus tivesse formulado uma lei apenas para uma nação, teria havido os caracteres de uma determinada sabedoria; mas agora uma sabedoria universal aparece, ao acomodar sua lei, não apenas para esta ou aquela sociedade ou corporação particular de homens, mas para o benefício de toda a humanidade, na variedade de climas e países em que vivem; tudo o que é perturbador para a sociedade humana é fornecida contra; nada é ordenado, senão o que é doce, racional e útil: nos ordena a não tentar nada contra a vida de nosso próximo, contra a honra de seu leito, contra a propriedade de seus bens e a clareza de sua reputação; e, se bem observado, alteraria a face do mundo e faria com que aparecesse outra tonalidade. O mundo seria alterado de um mundo brutal para um humano; isto mudaria leões e lobos, homens de aparência de leão e de lobo, em razão e doçura. E porque toda a lei é resumida no amor, nos obriga a esforçar-se pela preservação dos seres uns dos outros, o favorecimento dos interesses uns dos outros, e aumentar os bens, tanto quanto a justiça permitirá, e mantendo os créditos uns dos outros, porque o amor, que é a alma da lei, não é mostrado por uma cessação da ação, mas significa um ardor, em todas as ocasiões, em fazer o bem. Eu digo, se esta lei fosse bem observada, o mundo seria outra coisa do que é: se tornaria uma fraternidade religiosa; a voz da inimizade e o ruído dos gemidos e maldições, não seriam ouvidos em nossas ruas; a paz estaria em todas as fronteiras; muita caridade em meio a cidades e países; alegria e cânticos soariam em todos os hábitos.
A vantagem do homem foi projetada nas leis de Deus, e naturalmente resulta da observância delas. Deus ordenou-lhes, por sua sabedoria, que a obediência do homem extraísse sua bondade e evitasse aqueles que sofriam julgamentos que eram necessários para reduzir a criatura à ordem que não continuaria voluntariamente na ordem que Deus havia designado.
As leis dos homens são frequentemente injustas, opressivas, cruéis, às vezes contra a lei da natureza; mas uma sabedoria universal e justiça reluz na lei divina; não há nada nela, que não seja digno de Deus e útil para a criatura; para que possamos dizer com Jó: “Quem ensina como Deus?” (Jó 36:22) ou como alguns o descrevem: “Quem é legislador como Deus?” Quem pode dizer-lhe: Fizeste iniquidade ou loucura entre os homens? Seus preceitos foram enquadrados para a preservação do homem naquela retidão em que ele foi criado, naquela semelhança com Deus em que ele foi feito primeiro, para que possa haver uma correspondência entre a integridade da criatura e a bondade de seu Criador, pela obediência do homem; que o homem possa exercer suas faculdades em operação digna dele, e ser benéfico para o mundo. Assim, a sabedoria de Deus pode ser vista em sua lei escrita na Bíblia.
(3) A sabedoria de Deus é vista adequando suas leis às consciências, bem como aos interesses de toda a humanidade (Romanos 2:14); “Os gentios fazem por natureza, as coisas contidas na lei”; existe uma afinidade tão grande entre a lei sábia e a razão do homem. Existe uma beleza natural que emerge deles, e disparando sobre as razões e consciências dos homens, que lhes dita que esta lei é digna de ser observada em si mesmo. Os dois princípios principais da lei, o amor e a adoração a Deus, e fazer como deveria ser feito, ter uma impressão indelével nas consciências de todos os homens em relação ao princípio, embora eles não sejam adequadamente expressos na prática. Onde não há lei exteriormente ilustrada, todavia a consciência de todo homem dita a ele que Deus deve ser reconhecido, adorado, amado, tão naturalmente quanto sua razão o informaria de que havia tal ser como Deus.
(4) Sua sabedoria é vista nos incentivos que ele dá para estudar e observar sua vontade (Salmos 19:11); “Em guardar teus mandamentos há grande recompensa.” A variedade deles; não há nenhum gênio em particular no homem, que não possa encontrar algo adequado para ganhar sobre ele na vontade revelada de Deus.
Há uma tensão da razão para satisfazer o racional; de terror, para assustar o obstinado. Como um pescador hábil se armazena com iscas, de acordo com o apetite dos tipos de peixe que ele pretende capturar, a palavra de Deus tem variedades de iscas, de acordo com as variedades das inclinações dos homens; ameaças para infundir o temor; promessas para incentivar o amor; exemplos de homens santos para inspirar a imitação; e aqueles claramente; em que nem suas ameaças nem suas promessas são obscuras, como os oráculos pagãos; mas peremptórios, como se torna um legislador soberano; e claro, como era necessário para o entendimento de uma criatura. Como ele lida graciosamente com os homens ao exortá-los e encorajá-los, ele lida sabiamente com isso, tirando toda desculpa deles se arruinarem o interesse de suas almas, negando obediência ao seu Soberano. Mais uma vez, as recompensas que Deus propõe são acomodadas, não às partes brutas do homem, seu senso carnal e apetite carnal, mas à capacidade de uma alma espiritual, que admite apenas gratificações espirituais; e não pode, em sua própria natureza, sem uma sujeição sórdida aos humores do corpo, ser movido por propostas sensuais.
Deus apoia seus preceitos com aquilo que a natureza do homem ansiava, e com deleites espirituais, que só podem satisfazer um apetite racional; e, assim, gratificou também os mais nobres desejos do homem, obrigando-o ao mais nobre serviço e trabalho.
De fato, a virtude e a santidade, sendo perfeitamente amáveis, devem principalmente afetar nossos entendimentos e, por meio deles, atrair nossas vontades para a estima e busca deles. Mas como o desejo de felicidade é inseparável da natureza do homem, e impossível de ser desmembrado como uma inclinação para descer a ser separada de corpos pesados, ou um instinto para ascender de substâncias leves e arejadas; Deus serve a si mesmo da inclinação de nossas naturezas à imprevisibilidade, para nos dar uma estima e afeição à santidade que ele requer. Ele propõe o gozo de um bem sobrenatural e glória eterna, como uma isca para aquele desejo insaciável que nossas naturezas têm pela felicidade, para receber a impressão de santidade em nossas almas. E, além disso, ele faz recompensas de acordo com os graus do trabalho e zelo por ele; e pesa uma recompensa, não só adequada para, mas acima do serviço. Aquele que melhora cinco talentos, é deve ser governante de cinco cidades; isto é, uma proporção maior de honra e glória do que outra (Lucas 19:17, 18); como um pai sábio excita o afeto de seus filhos a coisas dignas de louvor, por variedades de recompensas de acordo com suas diversas ações. E foi a sabedoria do mordomo, no julgamento de nosso Salvador, dar a cada um a “porção que lhe pertencia” (Lucas 12:42). Não há parte da palavra em que nos encontramos não com a vontade e sabedoria de Deus, variedades de deveres, e variedades de encorajamento, misturadas juntamente.
Todas estas promessas e ameaças da Palavra de Deus são interpostas em razão da natureza corrompida pelo pecado ser inclinada a fazer resistência à vontade de Deus. Então, devem haver promessas para gratificar a obediência, e ameaças para punir a resistência.
Por isso nosso Senhor nos ordena a negar-nos a nós mesmos para que possamos segui-lo, ou seja, se esta resistência natural da corrupção humana não for abandonada, negada, combatida, não é possível andar segundo a nova natureza que recebemos da parte de Deus.
(5) Os fundamentos do evangelho foram colocados na lei: as predições dos Profetas, e figuras da lei, foram tão sabiamente enquadrados, e estabelecidos em tais expressões claras, que são provas da autoridade do Novo Testamento e convicções de Jesus ser o Messias (Lucas 24:14). Coisas concernentes a Cristo foram escritas em Moisés, nos Profetas, e nos salmos; e fazem, até hoje, encarar os judeus de tal maneira que eles são capazes de inventar interpretações absurdas e sem sentido para desculparem sua incredulidade e continuarem em sua cegueira obstinada.
Como a sabedoria de Deus aparece em seu governo por suas leis, também aparece nas várias inclinações e condições dos homens. Assim como há uma distinção de várias criaturas, e várias qualidades nelas, para o bem comum do mundo, então entre os homens há várias inclinações e várias habilidades, como dons de Deus, para a vantagem comum da sociedade humana; como vários canais cortados do mesmo rio correm de várias maneiras, e refrescam vários solos, um homem está qualificado para um emprego, outro marcado por Deus para um trabalho diferente, contudo todos eles são frutíferos para trazer uma receita de glória a Deus, e uma colheita de lucro para o resto da humanidade. Quão inútil seria o corpo, se tivesse apenas "um membro" (1 Cor 12:19)! Quão desprovida seria uma casa, se não houvesse vasos de desonra, bem como de honra! A corporação da humanidade seria um caos.
Alguns são inspirados com um gênio particular para uma arte, alguns para outra; todo homem tem um talento distinto. Se todos fossem lavradores, onde estariam os instrumentos para arar e colher? E se todos fossem artífices, onde haveria trigo para se alimentar? Todos os homens são como vasos e partes do corpo, projetados para ofícios e funções distintas para o bem do todo, e retornar mutuamente uma vantagem para o outro.
Como a variedade de dons na igreja é um fruto da sabedoria de Deus, para a preservação e aumento da igreja, então a variedade de inclinações e empregos no mundo é um fruto da sabedoria de Deus, para a preservação e subsistência do mundo pelo comércio mútuo.
2º. A sabedoria de Deus aparece, no governo dos homens, como caído e pecaminoso; ou no governo do pecado. Depois que a lei de Deus foi quebrada, e o pecado invadiu e conq

Publicado no site: O Melhor da Web em 01/12/2018
Código do Texto: 138765
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.