Espaço Literário

O Melhor da Web

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
kuryos - Silvio Dutra
Silvio Dutra
Cadastrado desde: 29/08/2012

Texto mais recente: Sabedoria e Poder na Criação



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
A Sabedoria de Deus - P2
01/12/2018
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
A Sabedoria de Deus - P2

1. A sabedoria de Deus é vista no limite do pecado; como se diz no Salmo 76:10: “Pois até a ira humana há de louvar-te; e do resíduo das iras te cinges.” Ele põe limites à corrupção fervente do coração, como faz com as ondas barulhentas do mar; “Até aqui irás, e não mais longe.” Como Deus é o reitor do mundo, ele assim reprova o pecado, temperando e direcionando-o, assim a sociedade humana é preservada, o que mais seria transbordado com um dilúvio de iniquidade, e a ruína seria trazida sobre todas as comunidades. O mundo seria uma desordem, uma casa de bordel, se Deus, por sua sabedoria e bondade, não colocasse barreiras naquela maldade que está no coração dos homens: toda a terra seria tão ruim quanto o inferno. Desde que o coração do homem é um inferno de corrupção, porque as almas de todos os homens ficariam empolgadas com a atuação das piores vilanias; já que “todo pensamento do coração do homem é apenas mal, e isso continuamente” (Gên 6: 5). Se a sabedoria de Deus não detivesse essas comportas do mal no coração dos homens, ele transbordaria no mundo, e frustraria todos os projetos graciosos que ele realiza entre os filhos dos homens. Se não fosse por essa sabedoria, toda casa seria cheia de violência, assim como toda natureza é com pecado. Que mal não faria bestas fortes e furiosas, que nem a habilidade do homem domaria? Quantas vezes a sabedoria divina restringiu a crueldade da natureza humana, e deixou que ela corresse, não até aquele ponto que eles projetaram, mas até o fim que ele propôs! A fúria de Labão, e a inimizade de Esaú contra Jacó, foram reprimidos dentro dos limites para Jacó ter segurança, e seus corações rejeitados de uma destruição intencional do homem bom, para uma amizade perfeita (Gên 31:29; 31,32).
2. A sabedoria de Deus é vista em trazer glória a si mesmo do pecado.
(1) A partir do pecado em si. Deus erige os troféus de honra sobre o que é um meio natural para impedi-lo e desfigurá-lo. Seus gloriosos atributos são extraídos de nossa visão, por ocasião do pecado, que de outra forma se esconderia em seu próprio Ser. O pecado é completamente negro e abominável; mas pela admirável sabedoria de Deus, ele tirou da terrível escuridão do pecado os raios salvadores de sua misericórdia, e mostrou sua graça na encarnação e paixão de seu Filho pela expiação do pecado. Assim ele permitiu a queda de Adão, e sabiamente ordenou, para uma descoberta mais completa de sua própria natureza, e uma elevação maior do bem do homem, que “como o pecado reinou para a morte, a graça reina pela justiça para a vida eterna, por Jesus Cristo” (Rom. 5:21). A bondade ilimitada de Deus não poderia ter aparecido sem isto. Sua bondade em recompensar a obediência inocente teria sido manifestada; mas não a sua misericórdia, em perdoar crimes rebeldes. Uma criatura inocente é o objeto das recompensas da graça, como os anjos em pé estão sob os raios da graça; mas não sob os raios de misericórdia, porque nunca foram pecaminosos e, consequentemente, nunca miseráveis. Sem pecado a criatura não teria sido infeliz: se o homem permanecesse inocente, ele não teria sido sujeitado à punição; e sem a miséria da criatura, a piedade de Deus em enviar seu filho para salvar seus inimigos, não poderia ter aparecido. A abundância do pecado é uma ocasião passiva para Deus se manifestar na abundância de sua graça. O poder de Deus em mudar o coração de uma criatura rebelde, não apareceria, se o pecado não infectasse nossa natureza. Não teríamos conhecido claramente a justiça vingativa de Deus, se nenhum crime tivesse sido cometido; para isso há o bom objeto da ira divina. A bondade de Deus nunca poderia ter permitido que a justiça se exercitasse sobre uma criatura inocente, que não fosse culpada nem pessoalmente nem por imputação (Salmos 11: 7), “O justo Deus ama a justiça, o seu semblante sustenta o direito.” A sabedoria é ilustrada por meio disto. Deus permitiu que o homem caísse em uma doença mortal, para mostrar a virtude de seus próprios restauradores para curar o pecado, que em si é incurável pela arte de qualquer criatura.
E de outro modo esta perfeição, pela qual Deus tira o bem do mal, teria sido totalmente inútil, e teria sido destituída de um objeto em que se revelar. Ainda, a sabedoria, em ordenar uma cabeça rebelde para o mundo para seus próprios fins, é maior do que a ordenação de um mundo inocente, exatamente observante de seus preceitos, e cumprindo com o fim da criação. Agora, sem a entrada do pecado, essa sabedoria não teria um palco para agir. Assim Deus levantou a honra desta sabedoria, enquanto o homem arruinou a integridade de sua natureza; e fez uso da violação da criatura de sua lei divina, para estabelecer a honra dele de uma maneira mais vista e estável, pela obediência ativa e passiva do Filho do seu seio. Nada serve a Deus tanto, como uma ocasião de glorificar a si mesmo, como a entrada do pecado no mundo; por esta ocasião, Deus comunica o conhecimento daquelas perfeições de sua natureza, que mais haviam sido escondidos de nós em uma noite eterna; sua justiça repousaria no escuro, como não tendo nada para punir; sua misericórdia teria sido obscura, como não tendo ninguém para perdoar; uma grande parte de sua sabedoria teria sido silenciada, como não tendo tal objeto para ordenar.
(2) Sua sabedoria aparece, fazendo uso de instrumentos pecaminosos. Ele usa a malícia e inimizade do diabo para trazer a sua própria e faz com que o inimigo jurado de sua honra contribua para ilustrá-lo contra sua vontade. Este grande artesão ele levou em sua própria rede, e derrotou o diabo pela malícia do diabo; transformando os estratagemas que ele havia chocado e realizado contra o homem, contra si mesmo. Ele o usou como tentador, para enfrentar nosso Salvador no deserto, para fazê-lo apto a nos socorrer; e como o deus deste mundo, para conspirar os judeus perversos para crucificá-lo, por meio do que para torná-lo realmente o Redentor do mundo, e assim torná-lo um instrumento daquela glória divina que ele planejou arruinar.
Em sua sabedoria em permitir a entrada do pecado no mundo, Deus pôde revelar a grandeza do Seu amor que cobre multidão de pecados. Ele próprio, na pessoa de Seu Filho, encarnou e morreu carregando nossos pecados na cruz, e não há maior amor do que este de alguém dar a vida por outros. E aqui, não foi por amigos que o amavam que Ele morreu, mas por inimigos.
(3) A sabedoria de Deus é vista em trazer o bem para a criatura do pecado. Ele ordenou o pecado para tal fim como o homem nunca sonhou, o diabo nunca imaginou, e o pecado em sua própria natureza nunca poderia alcançar. O pecado em sua própria natureza não é bom, senão para a punição, por meio da qual a criatura é colocada em ordem. Não tem relação com as criaturas boas em si, mas com o dano da criatura: mas Deus, por um ato de sabedoria infinita, traz bem para a criatura, assim como glória ao seu nome, contrariando a natureza do crime, a intenção do criminoso e o desígnio do tentador. Deus quis o pecado, isto é, ele quis permitir, para que ele pudesse se comunicar a Si mesmo para a criatura da maneira mais excelente. Ele quis a permissão do pecado, como uma ocasião para trazer do pecado, o mistério da encarnação e paixão de nosso Salvador; como ele permitiu o pecado dos irmãos de José, para que ele pudesse usar seu mal para um bom fim. Ele nunca, por causa de sua santidade, terá o pecado como um fim; senão em relação à sua sabedoria, ele deseja permitir isso como um meio e uma ocasião; e assim, tirar bem daquelas coisas que são em sua própria natureza mais contrárias ao bem, é o mais alto grau de sabedoria.
[1] A redenção do homem de maneira tão excelente foi tirada da ocasião do pecado. A maior bênção com que o mundo foi abençoado, foi introduzida por causa da luxúria e afeição irregular do homem; a primeira promessa do Redentor pela queda de Adão (Gênesis 3:15), e a contusão no calcanhar daquela semente prometida, pela tragédia mais negra representada por rebeldes perversos, a traição de Judas e a ira dos judeus; o bem maior tem sido gerado pela maior iniquidade. Como Deus fora do caos de rude e matéria indigesta emoldurava a primeira criação; assim, dos pecados dos homens e malícia de Satanás, ele erigiu o plano eterno de honra em uma nova criação de todas as coisas por Jesus Cristo. O diabo inspirou o homem, para contentar sua própria fúria na morte de Cristo; e Deus ordenou que realizasse seu próprio projeto de redenção na paixão do Redentor; o diabo teve seus fins diabólicos e Deus domina suas ações para servir a seus próprios fins divinos.
Pela tentação e o pecado Deus pôde revelar a excessiva malignidade de Satanás, e exerceu o devido juízo sobre ele e todos os demônios, expondo-os à ignomínia, pela morte de Jesus na cruz. A redenção e o amor de Cristo pela humanidade caída pela tentação de Satanás, manifestou quão perverso é este anjo caído que tenta se passar junto aos homens como anjo de luz, oferecendo-lhes falsamente liberdade, riquezas e paz.
Enquanto todos eles pensavam em fazer suas próprias vontades, a sabedoria divina os ordena a fazer a vontade de Deus (Atos 2:23): “sendo este entregue pelo determinado desígnio e presciência de Deus, vós o matastes, crucificando-o por mãos de iníquos ”.    No que os crucificadores de Cristo pecaram, ao derramar o sangue mais rico, após seu arrependimento, encontraram a expiação de seus crimes, e a descoberta de uma misericórdia superabundante. Nada além do sangue foi apontado por eles: o melhor sangue foi derramado por eles; mas    a sabedoria infinita faz da cruz a cena de sua própria justiça e o útero da restauração do homem.
A violação do antigo pacto, ocasionalmente, introduziu uma melhor perda da primeira integridade introduzida em um mais estável justiça, uma justiça eterna (Dan 9:24). E a queda da primeira cabeça foi sucedida por alguém cuja posição não podia, senão ser eterna.
A queda do diabo foi ordenada pela infinita Sabedoria, para o bem daquele corpo do qual ele caiu. É suposto por alguns, que o diabo era o anjo principal no céu, a cabeça de todos os outros; e que ele caiu, os anjos foram deixados como um corpo sem cabeça; e depois de ter decapitado politicamente os anjos, ele tentou destruir o homem e expulsá-lo do paraíso; mas Deus toma a oportunidade de estabelecer seu Filho, como a cabeça de anjos e homens. E assim, enquanto o diabo se esforçava para estragar a corporação dos anjos, e fazer deles um corpo contrário a Deus, Deus faz anjos e homens um corpo debaixo de uma cabeça, para o seu serviço. Os anjos em perder uma cabeça defeituosa, alcançou uma Cabeça mais excelente e gloriosa em outra natureza, que eles não tinham antes; embora de natureza inferior em sua humanidade, ainda de uma natureza mais gloriosa em sua divindade: de onde muitos supõem derivar sua graça confirmando, na estabilidade de sua posição. “Todas as coisas no céu e na terra estão reunidas em Cristo” (Ef 1:10), todas unidas nele, e reduzidas em uma só cabeça: que, embora nosso Salvador não seja propriamente seu Redentor, pois a redenção supõe o cativeiro, em certo sentido, ele é seu chefe e mediador: de modo que agora os habitantes do céu e da terra são apenas uma família (Ef 3:15).
Inumeráveis companhias de anjos são partes daquela Jerusalém celestial e triunfante, e aquela assembleia geral, de que Jesus Cristo é mediador (Hebreus 12:22, 29).
[2] O bem de uma nação frequentemente, pela habilidade da Divina Sabedoria, é promovido pelos pecados de alguns homens. Os patriarcas estão vendendo José para os midianitas (Gên 37:28) eram, sem dúvida, um pecado e uma violação do afeto natural; contudo, pela sábia ordenação de Deus, provou a segurança de toda a igreja de Deus no mundo, bem como da nação egípcia (Gên 45: 5, 8; 50:20). A incredulidade dos judeus era um passo por meio do qual os gentios se levantaram para o conhecimento do evangelho; como o pôr do sol em um lugar é o surgimento em outro lugar (Mt. 22: 9.) Ele usa a corrupção dos homens instrumentalmente para propagar o seu evangelho: ele construiu a verdadeira igreja pela pregação de alguns por inveja (Fp 1:15), como ele abençoou Israel pela boca de um falso profeta (Nm 23). Quantas vezes as heresias dos homens foram a ocasião de esclarecer a verdade de Deus e fixar as impressões mais animadas dela nos corações dos crentes! Nem Judá nem Tamar, em sua luxúria, sonhavam com uma ação para o Redentor; contudo, Deus deu um filho daquela cama ilegal, da qual “Cristo veio segundo a carne ”(Gên 38:29, comparado com Mateus 1: 3).
[3] Muitos negam a existência de Deus por causa da grande maldade que é vista no mundo, sob o argumento de que se um Deus bom e justo fosse de fato o criador, o homem não seria o que ele é no tocante ao pecado. Mas, como já argumentamos antes, e por muitos outros argumentos, é justamente por causa de ter permitido a entrada do pecado, que podemos conhecer a bondade, o amor e a justiça de Deus, não pelo pecado em si, mas pela ocasião que ele dá à manifestação de todos os atributos divinos.
Não somente Deus manifesta seus atributos, como também os próprios crentes têm ocasião de se exercitar em várias graças e virtudes em razão de haver pecado no mundo. Por exemplo, sem que houvesse pecado não haveria também o exercício da paciência santa, então sem aflições, os frutos do pecado, não havia base para o exercício da paciência de um cristão, uma das partes mais nobres de valor.
A fé e confiança plena de que nossa vida depende da vida do nosso Senhor e Salvador, não seriam exercidas e jamais aprenderíamos esta verdade da nossa total dependência de Jesus, se não houvesse a ação real de sua graça em nos, vencendo o pecado.
1. Os pecados e corrupções que permanecem no coração do homem, Deus ordena para o bem; e há bons efeitos pela direção de sua sabedoria e graça, como a alma respeita a Deus.
(1) Deus muitas vezes traz à luz a necessidade da dependência dele. A mãe muitas vezes deixa a criança escorregar, para que possa conhecer melhor quem a suporta e não seja muito aventureira e confiante em sua própria força. Pedro confiaria na graça habitual e Deus    permite que ele caia, para que ele possa confiar mais na graça que socorre nas tribulações (Mateus 26:35).
Deus deixa às vezes as mais brilhantes almas em eclipse, para manifestar que sua santidade, e a preservação dela, dependem do lançamento seus raios de graça sobre elas. Como as quedas dos homens são os efeitos de sua frieza e remissão em atos de fé e arrependimento, assim o fruto dessas quedas é muitas vezes uma corrida para ele em busca de refúgio, e uma sensatez mais profunda onde está sua segurança.   
Quando os prazeres do pecado não respondem às expectativas de uma criatura revoltada, ele reflete sobre seu estado anterior, e fica mais perto de Deus, quando antes Deus tinha pouco de sua companhia. (Os 2: 7): “Irei e tornarei para o meu primeiro marido, porque melhor me ia então do que agora.”
Como Deus faz os pecados dos homens às vezes uma ocasião de sua conversão, então ele os torna uma ocasião para uma nova conversão.
Deus, por permitir os lapsos dos homens, muitas vezes os torna desesperados de suas próprias forças para subjugar seus inimigos, e confiar na força de Cristo, onde Deus colocou o poder para nós, e assim se torna mais forte naquela força que Deus determinou para eles. Nós somos muito aptos a confiar em nós mesmos e ter confiança em nosso próprio valor e força; e Deus permite que as corrupções nos humilhem para que seja Ele a nossa força. Essa foi a razão do “espinho na carne” do apóstolo Paulo (2 Coríntios 12: 7).
Aquele que está correndo o risco de afogar-se e as ondas passando sobre sua cabeça, com todo o poder que tem, se apegará a qualquer coisa perto dele, que seja capaz de salvá-lo. Deus deixa seu povo às vezes afundar em tal condição, para que eles possam estabelecer o mais rápido controle sobre aquele que está perto de todos que o invocam.
(2) Deus por este meio eleva estimas mais elevadas do valor e virtude do sangue de Cristo. Como a grande razão pela qual Deus permitiu que o pecado entrasse no mundo, era para honrar a si mesmo no Redentor, assim a continuação do pecado, e as conquistas que às vezes faz em homens renovados devem honrar o infinito valor e virtude do mérito do Redentor, que Deus, desde o princípio, pretendia magnificar, ao tirar tanta culpa sucessiva; e a virtude disso, em lavar tanto sujeira diária. A sabedoria de Deus por este meio mantém o crédito da justiça imputada, e manifesta o imenso tesouro do mérito do Redentor em pagar tais dívidas. Se fôssemos perfeitamente santificados, deveríamos estar em nosso próprio fundo e não imaginar a necessidade da contínua e repetida imputação da justiça de Cristo para nossa justificação: devemos confiar em justiça inerente, e pouco em imputada. Se Deus deve tirar todos os resquícios do pecado, bem como a culpa disso, somos aptos a esquecer que somos criaturas caídas, e que tivemos um Redentor; mas os resquícios do pecado em nós nos mostra a necessidade de alguma força maior fundada no benefício perpétuo do Redentor. Deus, por isto, mantém a dignidade e honra do sangue do nosso Salvador à altura, e portanto, às vezes nos permite ver, a nosso próprio custo, que sujeira ainda permanece em nós para o emprego desse sangue. Nossa gratidão é tão pequena para Deus, que as primeiras obrigações são logo esquecidas, perdemos nossa lembrança grata da primeira virtude do sangue de Cristo em nos lavando, se nossas fraquezas não nos conduzissem a novas aplicações. O ofício de defesa do nosso Salvador foi erguido especialmente para pecados cometidos após um estado justificado e renovado (1 João 2: 1). Nós devemos lembrar que temos um Advogado e escassamente fazemos uso dele sem alguma necessidade sensível; mas nossos resquícios do pecado descobrem nossa impotência e uma impossibilidade para nós ou para expiar nosso pecado, ou nos conformar à lei, o que nos levar a recorrer àquela pessoa a quem Deus designou para fechar as brechas entre Deus e nós. Então o apóstolo se coloca no pacto da graça e em seu interesse em Cristo, depois de sua luta com o pecado (Rom 7.25), “Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor.” “Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus.” (Rom. 8: 1): Cristo faz minha parte, busca minha aceitação e segura firmemente a faixa da salvação em suas mãos. O brilho da graça de Cristo é desencadeado pela escuridão do nosso pecado. Não deveríamos entender a soberania de seus remédios, se não houvesse resquícios de pecado para ele exercer sua habilidade.
Como a sabedoria de Deus trouxe nosso Salvador à tentação, para que ele pudesse ter compaixão de nós, assim nos permite sermos vencidos pela tentação, para que possamos ter as devidas avaliações dele.
Enfim, a grande lei do universo é que há um Sustentador de toda vida, e tudo o que vive eternamente só pode ter tal vida pela virtude e ação de Jesus Cristo. E o meio designado para os pecadores serem salvos da condenação e alcançarem a vida eterna é somente por confiar nAquele que é a fonte e a garantia da sua salvação.
(3) Os maiores perseguidores, quando se converteram foram os maiores defensores da causa que tanto odiavam e oprimiam. O apóstolo Paulo é um exemplo disso, que não precisa de alargamento. Por quanto eles falharam em responder à finalidade de sua criação glorificando a Deus, por muito mais eles convocam toda a sua força para tal fim, após a conversão deles; para restaurar o quanto puderem daquela glória a Deus, que eles, pelo seu pecado, haviam roubado dele. Seus pecados, pela ordem da sabedoria divina, provam-se pedras afiadas para afiar as arestas de seus espíritos para Deus.   
Nosso Salvador, depois de sua ressurreição, colocou Pedro sobre o exercício desse amor para ele, que ultimamente encolheu a cabeça do sofrimento (João 21: 15-17); e sem dúvida, senão a consideração de sua negação vil, juntamente com uma reflexão sobre um perdão gracioso, envolveu sua alma ingênua numa mais forte e feroz chama de afeto.
A coragem de um crente para com Deus é mais aguçada, muitas vezes, pela vergonha de sua queda: os esforços para consertar a queda e falhas de sua ingratidão e sua falta de sensibilidade por passos maiores e mais fortes de obediência; como um homem em uma briga, tendo sido frustrado por seu inimigo, recupera nova coragem por sua queda, e é muitas vezes obrigado a seu papel, tanto por seu espírito e sua vitória.
Este é outro bem que a sabedoria de Deus traz do pecado.
(4.) Ainda, a humildade para com Deus é outra boa sabedoria divina que provém da ocasião do pecado. Por este Deus bate toda boa opinião de nós mesmos. Ezequias foi mais humilhado por sua queda no orgulho, do que por toda a aflição em que ele tinha estado por causa do exército de Senaqueribe (2 Crônicas 32:26). A confiança de Pedro antes de sua queda deu lugar a uma humilde modéstia depois dela; você vê a confiança dele (Marcos 14:24). “Ainda que todos se escandalizem em ti, ainda assim não o farei”, e você tem a marca da sua modéstia (João 21:17). Não é então, Senhor, eu te amarei até a morte, mas, "Senhor, tu sabes que te amo:" Eu não posso me assegurar de qualquer coisa depois deste aborto; mas, Senhor, tu sabes que há um princípio de amor em mim para o teu nome. Ele estava com vergonha, que ele mesmo que apareceu como um pilar, deveria se inclinar tão mal quanto um arbusto a uma tentação. A reflexão sobre o pecado coloca um homem tão baixo quanto o inferno em sua humilhação, como a comissão do pecado fez no mérito. Quando Davi vem para exercer o arrependimento por seu pecado, ele começa a partir da cabeça do pecado (Salmo 51: 5), sua corrupção original, e atrai as correntes para a última comissão; talvez ele não o fizesse a sério, humilhar-se pelo pecado de sua natureza todos os seus dias, tanto quanto naquele tempo; pelo menos, não temos tais evidências disso. E Ezequias se humilhou pela soberba do seu coração; não só pelo orgulho do seu ato (2 Cr 32:26), mas pelo orgulho do coração, que foi a fonte desse orgulho em agir, em mostrar seus tesouros aos embaixadores babilônicos. Deus permite que o pecado continue nos corações dos melhores neste mundo, e às vezes dá as rédeas a Satanás..
2. Em relação a nós mesmos. Aqui está a maravilha da sabedoria divina, que Deus muitas vezes faz um pecado, que meritoriamente nos serve para o inferno, uma ocasião providencial para nos ajustar ao céu; quando é uma ocasião de fé mais humilde e de humildade crente, e uma ocasião de uma completa santificação e crescimento na graça, que nos prepara para um estado de glória.
(1) Ele faz uso de um pecado para descobrir mais; e assim nos leva a uma autoaberração e indignação contra o pecado, o primeiro passo para o céu. Talvez Davi, antes de sua queda bruta, achasse que não tinha hipocrisia nele. Nós frequentemente o achamos atraente para Deus por sua integridade, e desejando que Deus o julgasse, se alguma astúcia pudesse ser encontrada em seu coração, como se ele não pudesse encontrar a si mesmo; senão o lapso dele naquela grande maldade o faz discernir muita falsidade em sua alma, quando ele deseja que Deus renove um espírito correto dentro dele, e fala da verdade nas partes interiores (Salmo 51: 6, 10).
A agitação da corrupção faz com que toda a lama no fundo apareça, o que antes uma alma não suspeitasse. Nenhum homem pensaria que havia uma nuvem de fumaça tão grande contida em um pequeno pedaço de madeira, se não fosse para o poderoso funcionamento do fogo, que tanto descobre como separa. Jó amaldiçoou o dia do seu nascimento e proferiu muitas expressões impacientes contra Deus por causa de sua própria integridade; em sua recuperação de sua aflição, e perto de Deus na aplicação de si mesmo, foi forjado a uma maior abominação de si mesmo do que nunca lemos que ele foi exercido antes (Jó 42: 6).
Os atos hostis de pecado aumentam o ódio da alma por ele; e quanto mais profundas são nossas humilhações, mais fortes são as impressões de aberração feitas sobre nós.
(2) Deus frequentemente ordena isto, para tornar a consciência mais tenra, e a alma mais vigilante. Aquele que encontra por sua calamidade seu inimigo tendo mais força contra ele do que ele suspeitava, dobrará sua vigilância e    vivificará sua diligência contra ele.
Um ser vencido por algum pecado, é, pela sabedoria de Deus, disposto a nos fazer mais temerosos de acalentar qualquer ocasião para inflamar isto, e ser vigilante contra cada movimento e começo disso. Por uma queda, a alma tem mais experiência do engano do coração; e observando seus métodos, é tornada mais capaz de vigiar contra ele. É a nossa ignorância dos dispositivos de Satanás e dos nossos próprios corações que nos torna suscetíveis às suas surpresas.
(3) Deus faz disso uma ocasião da mortificação daquele pecado que era a questão da queda.
Pedro, após sua negação grosseira, nunca mais negou seu Mestre. O pecado que não foi descoberto, é, por uma queda, tornado visível, e fica mais óbvio para um golpe mortificante. A alma coloca-se o mais rápido em segurar a Cristo e a promessa, e sai contra aquele inimigo, em nome daquele Senhor dos Exércitos, do qual ele era muito negligente antes; e, portanto, como ele se mostra mais forte, mais bem sucedido: ele tem mais força, porque ele tem menos confiança em si mesmo, e mais em Deus, a principal força de sua alma. Como foi com Cristo, assim é conosco; enquanto o diabo estava ferindo o calcanhar, ele estava machucando a cabeça; e enquanto o diabo está ferindo nosso calcanhar, o Deus de paz e sabedoria está, às vezes, ferindo a cabeça, tanto em nós como para nós, de modo que as lutas do pecado são frequentemente como os gemidos fracos ou mordidas de uma fera que está pronta para expirar.
(4) Às vezes, a sabedoria divina torna uma ocasião para promover a santificação em todas as partes da alma.
A queda de Davi pode ter sido ordenada como uma resposta à sua petição anterior (Salmo 19:12): “Purifica-me dos meus pecados secretos”; e como ele ora sinceramente após a sua queda, por isso, sem dúvida, mas ele se esforçou por uma completa santificação (Salmos 51: 7); “Purifica-me, me lave” e pelo que ele quis se referir não somente a uma santificação daquele único pecado, mas de todos, raiz e ramo, é evidente por aquela queixa da falha em sua natureza (ver. 5): a escória e o joio que se encontra no coração são descobertos, e uma oportunidade administrada de jogá-los fora, e procurando em todos os cantos do coração para descobrir onde estava.
Uma grande queda às vezes tem sido a ocasião da conversão de um homem. A queda da humanidade ocasionou uma restauração mais abençoada; e as quedas particulares dos crentes muitas vezes ocasionam uma santificação mais extensa.
(5.) Por meio disto, o crescimento na graça é aumentado. É uma maravilha da sabedoria Divina, subtrair às vezes a graça de uma pessoa, e deixá-la cair no pecado, e assim ocasionar o aumento da graça habitual nele, e aumentá-lo por aqueles caminhos que pareciam deprimi-lo. Por fazer dos pecados uma ocasião de uma atuação mais vigorosa, a graça contrária, a sabedoria de Deus, faz nossas corrupções, em sua própria natureza destrutiva, para se tornar rentável para nós. A graça muitas vezes irrompe mais fortemente depois, como o sol faz com seu calor, depois disso tem sido mascarado e interrompido com uma névoa: eles frequentemente, através da poderosa obra do Espírito, nos tornam mais humildes, e “a humildade nos serve para receber mais graça de Deus” (Tiago 4: 6). Como a fé, que afundou sob as ondas, levantou sua cabeça novamente e
carregou a alma com uma maior vivacidade!
A luxuria dos ramos da corrupção são uma ocasião de purificação, e a purificação é com um desígnio para tornar a graça mais proveitosa (João 15: 2); "Ele o limpa para que dê mais fruto”.
Se o mal não estivesse no mundo, os homens não saberiam o que é bom; eles não contemplariam o brilho da sabedoria divina, como sem noite não conseguimos entender a beleza do dia. Embora Deus não seja o autor do pecado, por causa de sua santidade, ele é o administrador do pecado por sua sabedoria, e realiza seus próprios propósitos, pelas iniquidades de seus inimigos, e os lapsos e enfermidades de seus amigos.
3º A sabedoria de Deus aparece no governo do homem em sua conversão e retorna a ele. A sabedoria de Deus é vista com mais admirações, e em mais variedades, pelos anjos, na igreja do que na criação (Ef 3:10); isto é, ao formar uma igreja a partir do lixo do mundo, e de contrariedades e contradições para ele, que é maior do que o enquadramento de um mundo celeste e elementar de um rude caos. Os corpos mais gloriosos da palavra, mesmo os do sol, da lua e das estrelas, não têm tais selos de habilidade divina sobre eles.
Efésios 1:11, 12; “Nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade, a fim de sermos para louvor da sua glória, nós, os que de antemão esperamos em Cristo.”
Se todas as coisas, então, isto, que é nenhuma das menores das suas obras; para o louvor da glória da sua bondade em seu trabalho, e para o louvor do governo de seu trabalho, seu conselho, tanto no ato de sua vontade quanto no ato de sua sabedoria, a restauração da beleza da alma e sua adequação para o seu verdadeiro fim não fala menos de sabedoria do que o primeiro rascunho dela na criação; a aplicação da redenção e a produção dos frutos dela é também um ato de sua prudência, assim como o artifício era de seu conselho.
A sabedoria divina aparece
1. Nos assuntos de conversão. Sua bondade reina no próprio pó, e ele ergue as paredes e os ornamentos de seu templo a partir do barro e lama do mundo. Ele passa sobre os sábios, nobres e poderosos, que podem reter alguns fundamentos de ostentação em suas próprias naturezas ou adquirir dotações; e lança sobre os materiais mais desprezíveis, com o qual constrói um tabernáculo espiritual para si mesmo (1 Cor 1:26, 27), “as coisas tolas e fracas do mundo”; aquelas que são naturalmente as mais impróprias para isso, e mais refratárias a isto. Aqui reside a habilidade de um arquiteto, em tornar as peças mais tortas e fracas, por sua arte, subservientes ao seu principal propósito e desígnio.
Assim, Deus ordenou, desde o começo do mundo, temperamentos contrários, vários humores, diversas nações, como pedras de várias naturezas. para ser um edifício para si mesmo, devidamente enquadrado, e para ser sua própria família (1 Cor 3: 9). Quem vai questionar a habilidade que altera um carvão negro em um cristal claro, um verme luminoso em uma estrela, um leão em um cordeiro e um porco em uma pomba?
Quão mais intrincado e complicado qualquer negócio, mais eminente é a habilidade e prudência de qualquer homem, em desfazer os nós e trazê-lo para um bom problema. Quanto mais desesperada a doença, mais admirável é a habilidade do médico na cura.
2. Nos meios de conversão. A prudência do homem consiste no tempo das execuções de seus conselhos; e não menos a sabedoria de Deus consiste nisso. Como ele é um Deus de julgamento ou sabedoria, ele espera introduzir sua graça na alma na época mais adequada.
Nesse atributo, Paulo, na história de sua própria conversão, coloca uma observação em particular, (1 Tim. 1:17), “Assim, ao Rei eterno, imortal, invisível, Deus único, honra e glória pelos séculos dos séculos. Amém!” Uma doxologia muito solene, em que a sabedoria está no trono acima de todos os outros, com um Amém especial para a glória dele, que se refere ao tempo de sua misericórdia para Paulo, como fez mais para a glória de sua graça, e o encorajamento de outros dele como o padrão. Deus o levou em um momento em que ele estava à beira do inferno; quando ele estava pronto para devorar a recém-nascida igreja infantil em Damasco; quando ele estava armado com toda a autoridade de fora, e disparou com todo o zelo de dentro, para a acusação de seu desígnio: então Deus se apossa dele e o conduz em um canal para sua própria honra e felicidade de suas criaturas.
É observável como Deus colocou seus olhos em Paulo o tempo todo em seu curso furioso, e permite que ele tenha as rédeas, sem mão para o freio; no entanto, nenhum movimento que ele pudesse tomar, senão o olho de Deus corre junto com ele: ele permitiu que ele chutasse os milagres e o convincente discurso de Estêvão em seu martírio. Houve muitos que votaram pela morte de Estêvão, como as testemunhas que arremessou as pedras primeiro para ele; mas eles não são nomeados, apenas Saulo, que testemunhou sua aprovação, bem como o resto, e que por observar as roupas das testemunhas enquanto eles estavam naquele trabalho sangrento (Atos 7:58); "E, lançando-o fora da cidade, o apedrejaram. As testemunhas deixaram suas vestes aos pés de um jovem chamado Saulo.” Ainda, embora multidões estivessem consentindo em sua morte, ainda assim (Atos 8: 1), apenas Saulo é mencionado. Os olhos de Deus estão sobre ele, no entanto, ele não iria parar sua fúria naquele momento. Ele continua, e faz “estragos na igreja” (Atos 8: 3).
E em At 9: 1, o Espírito de Deus acrescenta ainda: "Saulo ainda está respirando ameaças." Ainda não era o tempo de Deus, mas seria em breve. Mas quando Saulo estava colocando em execução, seu desígnio contra a igreja de Damasco, quando o diabo estava no topo de suas esperanças, e Saulo no auge de sua fúria, e os cristãos mergulharam na profundidade de seus medos, a sabedoria de Deus aproveita a oportunidade, e pela conversão de Paulo neste momento, derrota o diabo, desaponta os sumos sacerdotes, protege seu povo, descarrega seus medos, puxando Saulo das mãos do diabo, e formando os instrumentos de Satanás para uma atividade santa contra ele.
3. A sabedoria de Deus aparece na maneira de conversão. Tão grande mudança que Deus faz, não por uma destruição, mas com uma preservação e adequação à natureza. Como o diabo nos tenta, não oferecendo violência às nossas naturezas, mas propondo coisas convenientes para as nossas naturezas corruptas, Deus também nos solicita um retorno por propostas adequadas às nossas faculdades. Como ele na natureza transmite nutrição para os homens, por meio dos frutos da terra, e produz os frutos da terra pelas influências do céu; as influências do céu não forçam a terra, mas excitam a virtude e força naturais que nela existem. Então Deus produz graça na alma por meio da palavra, ajustada à capacidade do homem, como homem, e proporcional às suas faculdades racionais, como racional.
Seria contrário à sabedoria de Deus mover o homem como uma pedra, inverter a ordem e o privilégio daquela natureza que ele estabeleceu na criação; pois então Deus em vão teria dado entendimento e vontade ao homem: porque, sem mover o homem de acordo com aquelas faculdades, eles permaneceriam inúteis no homem. Deus não nos reduz a si mesmo, como troncos, por uma mera força, ou como escravos forçados por um chicote, a ir para aquele lugar, e fazer aquele trabalho que eles não têm estômago para fazer: mas ele acomoda a si mesmo àqueles fundamentos que ele colocou em nossa natureza, e nos guia de um modo agradável a isso, por uma ação tão doce quanto poderosa; limpando nossos entendimentos de princípios obscuros, pelos quais podemos ver sua verdade, nossa própria miséria e a sede de nossa felicidade; e inclinando nossas vontades de acordo com essa luz, para desejar e nos mover convenientemente para esse fim de nosso chamado; eficazmente, ainda agradavelmente; poderosamente, mas sem impor nossas faculdades naturais; docemente, sem violência, em ordenar os meios; mas efetivamente, sem falhar, em realizar o fim.
O princípio que move a vontade é sobrenatural; mas a vontade, como uma faculdade natural, concorre no ato ou movimento. Deus não age de maneira absoluta, sem uma sabedoria infinita, adequando-se à natureza do mundo.
Ele deixa a natureza da faculdade permanecer, mas muda o princípio nela: a compreensão continua a ser compreensiva e a vontade permanece. Mas onde havia antes loucura no entendimento, ele coloca em um espírito de sabedoria. Ele não muda a alma por uma alteração das faculdades, mas por uma alteração de algo nelas: não por uma incursão sobre elas, ou por mero poder, ou um instinto cego, mas por propor ao entendimento algo a ser conhecido, e informando-o da razoabilidade de seus preceitos, e da inata bondade e excelência de suas ofertas, e inclinando a vontade a amar e abraçar o que é proposto. E as coisas são propostas sob essas noções, que geralmente movem nossas vontades e afeições. Somos movidos pelas coisas, pois são boas, agradáveis e lucrativas; nós entretemos as coisas como elas fazem por nós e detestamos as coisas, quando elas são contrárias a nós. Nada nos afeta, senão sob tais qualidades, e Deus ajusta seus encorajamentos a essas afeições naturais que estão em nós: seu poder e sabedoria andam juntos; seu poder de agir de acordo com suas ordens de sabedoria e sua sabedoria para conduzir o que seu poder executa. Ele traz homens para ele de maneiras adequadas às suas disposições naturais. O teimoso ele pega como um leão, o gentil ele pega como uma tartaruga, por doçura; ele tem um martelo para quebrar o endurecido, e um cordão de amor para atrair os temperamentos mais flexíveis.
4. A sabedoria de Deus é aparente em sua disciplina e nos males penais. A sabedoria dos governos humanos é vista em matéria de suas leis, e nas penas de suas leis, e na proporção da punição para a ofensa, e no bem que redunda da punição ao infrator ou à comunidade. A sabedoria de Deus é vista na penalidade da morte sobre a transgressão de sua lei; que é o maior mal que o homem pode temer, e assim foi um meio conveniente para mantê-lo em seu devido limite, e também na proporção dele para a transgressão. Nada menos poderia estar em uma sábia justiça infligida ao ofensor por um crime contra o mais elevado Ser e a Suprema Excelência.
(1) Sua sabedoria aparece em juízos, adequando-os às qualidades das pessoas e à natureza dos pecados. Ele cria o mal (Jer 18:11); seus julgamentos são frutos de conselho. "Ele também é sábio, e trará o mal" (Isaías 31: 2), - o mal adequado para a pessoa que ofende, e o mal apropriado para a ofensa cometida: como o lavrador faz os seus instrumentos de debulhar o grão; ele tem uma vara para a cominação, e um mangual para o mais duro; assim Deus tem mais juízos para o pecador obstinado, e mais leve para aqueles que têm algo de ternura em sua maldade (Isaías 28:27, 29): "Com o perverso, ele vai mostrar-se inflexível."
(2) Nas épocas de punições e aflições. Ele aguarda até que o pecado esteja maduro, para que sua justiça possa parecer mais justa, e a ofensa mais indesculpável (Dan 9:14).
Deus não permitiu que a igreja fosse invadida por perseguições violentas, até que ela foi estabelecida na fé: ele não a expõe a tão grandes combates, enquanto ela era fraca, mas deu-lhe tempo para fortalece-la, para se tornar mais capaz de suportar sob elas. Ele sufocou todos os movimentos de paixão que os idólatras poderiam ter por sua superstição, até que a religião estivesse em tal condição, a ponto de ser aumentada e purificada, do que extinguida pela oposição. Paulo foi protegido das correntes de Nero, e das redes de seus inimigos, até que ele rompeu a corrente do diabo de muitas cidades dos gentios, e os apanhou pela rede do evangelho do mar do mundo. Assim, a sabedoria de Deus é vista nas estações dos juízos e aflições.
(3) É aparente na questão graciosa das aflições e dos males penais. É uma parte da sabedoria trazer o bem do mal da punição, bem como trazer o bem do pecado. A igreja nunca foi tão semelhante ao céu, como quando foi mais perseguida pelo inferno: as tempestades muitas vezes limpam-na e a lançam muitas vezes numa condição mais saudável. A integridade de Jó não tinha sido tão clara, nem sua paciência tão ilustre, enquanto ao diabo não foi permitido afligi-lo. Deus, por sua sabedoria, engana a Satanás; quando ele, por suas tentações, pretende nos poluir; Deus ordena que nos purifique; Ele muitas vezes traz a luz mais clara da escuridão mais espessa, faz venenos se tornarem remédios.
Da morte que é a maior punição nesta vida, e a entrada no inferno em sua própria natureza, ele fez dela por seu sábio artifício que seja a porta do céu e a passagem para a imortalidade.
(4) Esta sabedoria é evidente nos vários fins que Deus    visa pelas aflições. Ele corrige algumas vezes algum afeto vil, excita alguma graça sonolenta, expulsa alguma corrupção oculta, refina a alma e destrói a luxúria; descobre a grandeza de um pecado, a vaidade da criatura e a suficiência em si mesmo.
Os judeus prenderam Paulo, e pelo juiz ele é enviado para Roma; enquanto sua boca está fechada para a Judéia, é aberta para uma das maiores cidades do mundo, e seus inimigos involuntariamente contribuem para o aumento do conhecimento de Cristo por essas cadeias, naquela cidade (At 28:31). E seus laços aflitivos acrescentaram coragem e resolução para os outros (Filipenses 1:14); o que não poderia fazer em sua própria natureza produzir tal efeito, senão pela ordem e artifício da sabedoria divina.
Os sofrimentos de Paulo em Roma confirmaram os Filipenses, um povo distante dali, na doutrina que já haviam recebido de suas mãos.
Assim Deus faz sofrimentos às vezes, que parecem juízos, ser como a víbora nas mãos de Paulo (Atos 28: 6), um meio de esclarecer a inocência e obter favor à doutrina entre os bárbaros.
Quantas vezes ele multiplicou a igreja pela morte e massacres, e aumentou-a pelos meios usados para aniquilá-la!
(5) A sabedoria Divina é aparente nas libertações que ele oferece a outras partes do mundo, bem como à sua igreja. Tem delicadas composições, curiosos fios em suas teias, e ele os trabalha como um artífice: uma bondade forjada para eles, curiosamente forjado (Salmo 31:19),
[1.] Em fazer as criaturas subservientes em sua ordem natural para seus fins e propósitos graciosos. Ele ordena coisas de tal maneira, a não ser necessário colocar um poder extraordinário nas coisas, que alguma parte da criação pode realizar. Produções milagrosas falariam seu poder; mas o ordenamento do curso natural das coisas, para ocasionar tais efeitos para os quais nunca foram destinados, é uma parte da glória de sua sabedoria. E que a sua sabedoria pode ser vista no curso da natureza, ele conduz os movimentos das criaturas e as age em sua própria força; e faz isto por vários processos neles, os quais ele poderia fazer em um instante pelo seu poder, de uma forma sobrenatural. De fato, às vezes ele fez invasões na natureza, e suspende a ordem de suas leis naturais por um período, para mostrar-se o Senhor absoluto e Governador da natureza: ainda assim, se frequentes alterações dessa ordem da natureza fossem feitas, elas impediriam o conhecimento da natureza das coisas e seriam um obstáculo para a descoberta e glória de sua sabedoria, que é melhor vista movendo as rodas das criaturas inferiores em uma regularidade exata para seus próprios fins. Ele pode, quando sua igrejinha na família de Jacó fosse passar fome em Canaã, para sua preservação, transformar as pedras do país em pães; mas ele os envia ao Egito para obter o trigo, para que um caminho possa ser aberto para sua remoção naquele país; a verdade de sua predição em cativeiro cumprida, e um caminho feito depois da declaração de seu grande nome, Jeová, tanto na fidelidade da sua palavra e na grandeza de seu poder, em sua libertação daquela fornalha de aflição. Ele poderia ter golpeado Golias, o capitão do exército dos filisteus, com um raio do céu, quando ele blasfemou seu nome e assustou seu povo; mas ele usa a força natural de uma pedra, e o movimento artificial de uma funda, pelo braço de Davi, para confrontar o gigante e, assim, libertar a Judéia da devastação de um inimigo poderoso. Ele poderia ter libertado os judeus da Babilônia por milagres tão extraordinários quanto ele usou em sua libertação do Egito: ele poderia ter atormentado seus inimigos, reuniu seu povo em um corpo, e os protegeu pelo baluarte de uma nuvem e uma coluna de fogo, contra os ataques de seus inimigos. Mas ele usa as diferenças entre os persas e os de Babilônia, para realizar seus fins.
[2.] Na temporada de libertação. O tempo dos assuntos é uma parte da sabedoria do homem e uma parte eminente da sabedoria de Deus. É na época certa que ele envia a primeira e a chuva serôdia, quando a terra está na maior indigência, e quando suas influências mais contribuem para trazer o amadurecimento do fruto.
A natureza do leão é alterada na época devida, para a preservação dos cordeiros.
[3.] Em adequar instrumentos para o seu propósito. Ele ou os acha em forma, ou os faz em um ajuste súbito para os fins graciosos dele. Se ele tem um tabernáculo para construir, ele vai encher um Bezalel e um Aoliabe com o espírito de sabedoria e compreensão em todo obra de arte (Êxodo 31: 3, 6).
Ele às vezes escolhe os homens de acordo com seus temperamentos naturais e os emprega em seu trabalho. Jeú, um homem de temperamento furioso e espírito ambicioso é chamado para a destruição da casa de Acabe.
Lutero, um homem do mesmo temperamento de Elias, é atraído pela mesma sabedoria para encontrar as corrupções na igreja, contra tal oposição, que um temperamento mais moderado teria afundado.
III A sabedoria de Deus aparece maravilhosamente na redenção.
Um homem é mais conhecido pelas características de seu rosto do que pelas impressões de seus pés. Nós, com "cara aberta", ou um rosto revelado, "vendo a glória do Senhor” (2 Coríntios 3:18). Face, ali, refere-se a Deus, não a nós; a glória da sabedoria de Deus está agora aberta e não mais coberta e velada pelas sombras da lei. Quando contemplamos a luz gloriosa espalhada no ar antes do aparecimento do sol, mas mais gloriosamente em face do sol quando começa sua corrida em nosso horizonte.   
Em Cristo, na dispensação por ele inaugurada, assim como em sua pessoa, foram "escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento" (Col 2: 3). Alguns pactos de sabedoria foram dados na criação, mas os tesouros dele se abriram na redenção, nos mais altos graus disto que sempre Deus exerceu no mundo. Cristo é, portanto, chamado de "Sabedoria de Deus", bem como o "poder de Deus" (1 Coríntios 1:24); e o evangelho é chamado de "sabedoria de Deus". Cristo é a sabedoria de Deus principalmente, e o evangelho instrumentalmente, como é o poder de Deus    que subjuga o coração a Si mesmo. Isso é abrangido na nomeação de Cristo como Redentor, e aberto a nós na revelação do evangelho.
1. É uma sabedoria oculta. A este respeito Deus é dito, no texto, ser o único sábio: e é dito que é uma “sabedoria oculta” (1 Timóteo 1:17), e “sabedoria em um mistério” (1 Coríntios 2: 7), incompreensível à capacidade ordinária de um anjo, mais do que as qualidades obstrutivas das criaturas são para o entendimento do homem. Nenhuma sabedoria de homens ou anjos é capaz de vasculhar os veios desta mina, contar todos os fios desta teia, ou de entender todo o brilho dela; eles estão tão distantes de uma capacidade de compreendê-lo plenamente, como, a princípio. Somente aquela sabedoria que o inventou pode compreender isso. Somete no entendimento incriado existe uma clareza de luz sem qualquer sombra da escuridão. Chegamos tão escassamente apreensivos quanto a isso, quando uma criança faz parte do conselho do mais sábio príncipe. Está tão escondido de nós, que, sem revelação, não poderíamos ter a menor imaginação disso; e apesar de ser revelado para nós, ainda, sem a ajuda de uma infinitude de entendimento, não podemos compreendê-lo completamente: é um tratado de sabedoria divina, que os anjos nunca antes tinham visto, até que foi publicada no mundo (Ef 3:10): “para que, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus se torne conhecida, agora, dos principados e potestades nos lugares celestiais.” Agora, tornou-se conhecido para eles, não antes; e agora feito conhecido para eles “nos lugares celestiais”. Eles não tinham o conhecimento de todos os mistérios celestes, embora eles tivessem a posse da glória celestial. Eles conheciam as profecias dele na palavra, mas não alcançaram uma interpretação clara daquelas profecias até as coisas que eram profetizadas virem sobre o palco.
2. Sabedoria múltipla: assim é chamado. Tão múltiplo quanto misterioso: variedade no mistério e mistério em toda parte da variedade. Isto não foi um único ato, mas uma variedade de conselhos reunidos nele; uma conjunção de excelentes fins e excelentes meios. A glória de Deus, a salvação do homem, a derrota dos anjos apóstatas, a descoberta da Santíssima Trindade em sua natureza, operações, seus atos distintos e expressões de bondade. Os meios são a conjunção de duas naturezas, infinitamente distintas uma da outra; a união da eternidade e do tempo, da mortalidade e da imortalidade: a morte é o caminho da vida e envergonha o caminho da glória. A fraqueza da cruz é a reparação do homem, e a criatura é tornada sábia pela “loucura da pregação”; o homem decaído fica rico pela pobreza do Redentor, e o homem é preenchido pelo Espírito de Deus; o herdeiro do inferno é feito um filho de Deus, por Deus tomar sobre ele a    “forma de servo”; o filho do homem avançou ao mais alto grau de honra, pelo Filho de Deus tornando-se “sem reputação”. Chamado (Ef. 1: 8) “abundância de sabedoria e prudência”. Sabedoria, no eterno conselho, planejando um caminho; prudência, na revelação temporária, ordenando todos os assuntos e ocorrências no mundo para alcançar o fim de seu conselho. Sabedoria refere-se ao mistério; prudência, para a manifestação do mesmo em formas adequadas e estações convenientes. Sabedoria, no artifício e ordem; prudência, na execução e realização. Em todas as coisas Deus agiu como se tornou ele, como um sábio e justo governador do mundo (Heb 2:10).
Se a sabedoria de Deus não pudesse ter descoberto outro caminho, ou se ele fosse, em relação à necessidade e naturalidade de sua justiça, limitado a isso, não é a questão; mas que é o melhor e mais sábio caminho para a manifestação de sua glória, é fora de questão.
Esta sabedoria aparecerá nos diferentes interesses reconciliados por ela: no sujeito, a segunda pessoa na Trindade, onde eles estavam
reconciliados: nas duas naturezas, em que ele realizou isto; pelo qual Deus é dado a conhecer ao homem em sua glória, o pecado eternamente condenado, e o pecador arrependido e crente eternamente resgatado pela honra e justiça da lei vindicada tanto no preceito e penalidade: o império do diabo é derrubado pela mesma natureza que ele derrubou, e astúcia do inferno é derrotada por essa natureza que ele havia estragado: a criatura empenhada no ato mesmo para a mais alta obediência e humildade, que, como Deus aparece como um Deus sobre seu trono, a criatura pode aparecer na postura mais baixa de uma criatura, nas profundezas da resignação e da dependência: a publicação isso feito no evangelho, por formas congruentes com a sabedoria que apareceu na execução de seu conselho, e as condições de desfrutar o fruto disso, mais sábio e razoável.
1. Os maiores interesses diferentes são reconciliados, a justiça no castigo e a misericórdia no perdão. Pois o homem violou a lei e mergulhou em um abismo de miséria: a espada da vingança foi desembainhada pela justiça, para a punição do criminoso; as entranhas de compaixão foram agitadas pela misericórdia, para o resgate dos miseráveis. A justiça vê severamente o pecado e a misericórdia compassivamente reflete sobre a miséria. Duas reivindicações diferentes são inseridas pelos atributos em questão: votos da justiça para destruição, e votos da misericórdia para a salvação. A justiça tiraria a espada e a banharia no sangue do ofensor; a misericórdia iria parar a espada, e tirá-la do peito do pecador. A justiça o aborreceria, e a misericórdia poderia embotá-lo. Os argumentos são fortes em ambos os lados.


Publicado no site: O Melhor da Web em 01/12/2018
Código do Texto: 138766
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.