Espaço Literário

O Melhor da Web

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
kuryos - Silvio Dutra
Silvio Dutra
Cadastrado desde: 29/08/2012

Texto mais recente: Sabedoria e Poder na Criação



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
O Conhecimento de Deus – P2
05/12/2018
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
O Conhecimento de Deus – P2



1. Ele conhece todas as criaturas da mais alta à mais baixo, tanto o menor quanto o maior. Ele conhece os corvos e seus filhotes (Jó 38:41); as gotas de chuva e orvalho que ele gerou (Jó 38:29); cada pássaro no ar, assim como qualquer homem conhece o que ele tem em uma gaiola em casa. (Salmo 50:11): “Conheço todas as aves dos montes, e são meus todos os animais que pululam no campo.” As nuvens estão contadas em sua sabedoria (Jó 38:37); cada verme na terra, cada gota de chuva que cai sobre o chão, os flocos de neve, os nós de granizo, as areias da praia, os cabelos da cabeça; não é mais absurdo imagine que Deus os conhece, do que Deus os criou; eles são todos os efeitos de seu poder, assim como as estrelas que ele chama por seus nomes, bem como o anjo mais glorioso e espírito abençoado; ele os conhece, bem como se não houvesse ninguém, mas eles em particular para ele saber; o mínimo de coisas foi emoldurado por sua arte, bem como o maior; o mínimo de coisas participantes de sua bondade, bem como o maior; ele conhece suas próprias artes, e sua própria bondade, e aí todos os selos e impressões dele sobre todas as suas criaturas; ele conhece as causas imediatas do menor e, portanto, os efeitos dessas causas. Como seu conhecimento é infinito, ele deve se estender àquelas coisas que estão a maior distância dele, àquelas que se aproximam mais perto de não serem; desde que ele não lhe faltaria poder para criar, ele não pode ter falta de entendimento para conhecer tudo o que ele criou, as disposições, qualidades e virtudes da mais ínfima criatura. Nem a compreensão de Deus é embebida, e sofre uma diminuição pelo conhecimento do mais vil e mais imprevisíveis coisas. Não é uma imperfeição ser ignorante da natureza de qualquer coisa? E pode Deus ter tal defeito em sua mais perfeita compreensão? A compreensão do homem de uma liga é garantida pelo conhecimento da natureza dos venenos mais importantes? Entendendo um pequeno inseto? Ou considerando a deformidade de um sapo? Não é geralmente considerado uma nota de uma mente digna de ser capaz de discurso da natureza deles? Salomão, que conhecia todos do cedro ao hissopo, degradado por um presente tão rico de sabedoria do seu Criador? Algum espelho está contaminado ao apresentar uma imagem deformada? Existe algo mais vil do que as “imaginações, que são somente o mal, e continuamente?” A mente do homem não desce ao lodo da terra, interpreta o adúltero ou idólatra com objetos, sugam as coisas mais impuras? ainda assim, Deus sabe disso em todas as circunstâncias, em todas as aparências, dentro e fora.
Há alguma coisa mais vil que alguns pensamentos sobre homens? Do que algumas ações de homens? Com suas camas sujas e orgulho luciferiano? Todavia, estes não caem sob o olho de Deus em toda a sua nudez? A segunda pessoa está tomando a natureza humana, embora obscureceu, mas não depreciou a Deidade, nem trouxe qualquer desgraça para ela. O ouro é pior por ter se formado na imagem de uma mosca? Não retém ainda a nobreza do metal? Quando os homens são desprezados por descerem ao conhecimento das coisas más e vis, é porque eles negligenciam o conhecimento do maior, e o pecado em suas investigações de coisas menores, com uma negligência daquilo que concerne mais para a honra de Deus e a felicidade de si mesmos; para ser ambicioso de tal conhecimento, e ser descuidado é criminoso e desprezível. Mas Deus conhece o maior e o menor; significa que as coisas não são conhecidas por ele para excluir o conhecimento do maior; nem as coisas desprezíveis governadas por ele excluem a ordem do melhor. A deformidade de objetos conhecidos por Deus não o deforma, nem o contamina; ele não os vê fora de si mesmo, mas dentro de si mesmo, em que todas as coisas em suas ideias são bonitas: nosso conhecimento de uma coisa deformada não é uma deformação de nosso entendimento, mas é belo no conhecimento, embora não seja no objeto; nem há medo de que a compreensão de Deus se torne material por conhecer as coisas materiais, mais do que nossos entendimentos, perdem sua espiritualidade ao conhecer a natureza dos corpos; é para ser observado, portanto, somente aqueles sentidos dos homens, como ver, ouvir, cheirar, que têm aquelas qualidades para seus objetos que se aproximam mais da natureza das coisas espirituais, como luz, sons, cheiros fragrantes, é atribuída a Deus nas Escrituras; não tocar ou saborear, que são sentidos que não são exercidos sem um contato mais imediato com a matéria bruta; e a razão pode ser, porque não deveríamos ter pensamentos grosseiros de Deus, como se ele fosse um corpo e feito de matéria, como as coisas que ele conhece.
2. Como ele conhece todas as criaturas, também Deus conhece todas as ações das criaturas. Ele conta em particular todos os modos dos homens. “Ele não vê todos os meus caminhos e conta todos os meus passos” (Jó 31: 4)? Ele “conta” suas “andanças”, como se uma a uma (Salmos 56: 8). "Seus olhos estão sobre todos os caminhos do homem, e ele vê todos os seus passos.” (Jó 34:21); uma metáfora tirada dos homens, quando olham com tristeza, com os olhos fixos uma coisa, para vê-la em todas as circunstâncias, de onde vem, e observar cada pequeno movimento dela. O olho de Deus não é um olhar vagante, mas um olho fixo; e os caminhos do homem não estão apenas “diante de seus olhos”, mas ele os “reflete” (Provérbios 5:21); como não será ignorante do menor ácaro neles, mas os pesará e os examinará pelo padrão da lei dele; ele pode também conhecer as moções de nossos membros, como os cabelos de nossas cabeças; as menores ações antes delas, sejam elas civis, naturais ou religiosas, seu conhecimento; o que significa mais do que um homem carregando um jarro, mas nosso Salvador o anuncia (Lucas 22:10); Deus sabe não só o que os homens fazem, mas o que eles teriam feito, se ele não os tivesse restringido; o que Abimeleque teria feito a Sara, se Deus não colocasse uma barreira em seu caminho (Gên 20: 6); o que um homem que foi tirado em sua juventude teria feito, se tivesse vivido até uma idade mais madura; sim, ele conhece as palavras mais secretas, bem como as ações; as palavras ditas pelo rei de Israel em sua câmara, foram reveladas a Eliseu (2 Reis 6:12); e, de fato, como pode qualquer ação do homem ser ocultada de Deus? Podemos ver as várias ações de um monte de formigas, ou uma colmeia de abelhas em um copo, sem virar os olhos; e não deve Deus contemplar as ações de todos os homens no mundo, que são menos que abelhas ou formigas à sua vista, e mais visível para ele do que um formigueiro ou colmeia, pode ser ao mais agudo olho do homem?
3. Como Deus conhece todas as ações das criaturas, ele conhece todos os pensamentos das criaturas. Os pensamentos são os atos mais fechados do homem, escondido de homens e anjos, a menos que sejam revelados por algumas expressões externas; mas Deus desce nas profundezas e abismos da alma, discerne os inventos mais interiores; nada é impenetrável para ele; o sol nem tanto ilumina a terra, como Deus compreende o coração; todas as coisas são visíveis. Os homens frequentemente falam com Deus pelos movimentos de suas mentes e pensamentos secretos, o que eles não fariam, se não fosse naturalmente implantado neles, que Deus conhece todos os seus movimentos interiores; a Escritura é clara e positiva nisso: “sondas a mente e o coração, ó justo Deus.” (Salmo 7: 9), como os homens, pelo uso do fogo, discernem as partes escassas e mais puras dos metais. As intenções e objetivos secretos, as afeições mais espreitadoras sentadas na alma; ele sabe o que nenhum homem, nenhum anjo, é capaz de saber, o qual o homem não conhece, nem faz qualquer reflexão particular sobre; sim, “ele pesa o Espírito” (Provérbios 16: 2); ele exatamente numera todos os dispositivos e inclinações dos homens. "Ele discerne os pensamentos e intenções do coração" (Hb 4:12); tudo o que está na mente, tudo o que há nas afeições, todo estímulo e propósito; de modo que nenhum pensamento lhe pode ser negado (Jó 42: 2); sim,    “Inferno e destruição estão diante dele, muito mais que o coração dos filhos dos homens” (Provérbios 15:11); ele trabalha todas as coisas nas entranhas da terra, e tira todas as coisas desse tesouro, dizem alguns; mas, mais naturalmente, Deus conhece todo o estado dos mortos, todos os receptáculos e túmulos de seus corpos, todos os corpos de homens consumidos pela terra, ou devorados por criaturas vivas; coisas que parecem estar fora de tudo; ele conhece os pensamentos dos demônios e das malditas criaturas, a quem ele expulsa de seus cuidados para sempre nos braços de sua justiça, nunca mais para lançar um olhar deleitável em direção a eles; não é um segredo em nenhuma alma no inferno (que ele não tem necessidade de saber, porque ele não deve julgá-los por qualquer um dos pensamentos que eles têm agora, uma vez que eles foram condenados ao castigo) está escondido dele; muito mais ele está familiarizado com os pensamentos dos homens vivos, os conselhos de cujos corações ainda estão para ser manifestados, para o seu julgamento e censura; sim, ele os conhece antes que surjam em ser real (Salmo 139: 2): “Tu conheces meus pensamentos de longe”; meus pensamentos, isto é, todo pensamento; embora pensamentos inumeráveis    que passem por mim em um dia, e que na fonte, quando ainda está no ventre, antes de ser nosso pensamento; se ele os conhece antes de sua existência, antes que eles possam ser apropriadamente chamados de nossos, muito mais ele os conhece quando eles realmente surgem em nós: ele conhece a tendência deles; onde a ave acenderá quando estiver voando; ele os conhece exatamente, ele é chamado de “discernidor” ou crítico “do coração” (Hb 4:12), quando um crítico discerne cada letra, ponto e ponto; ele é mais íntimo conosco do que nossas almas com nossos corpos, e tem mais a possessão de nós do que nós mesmos; ele os conhece por uma inspeção no coração, não pela mediação de segundas causas, pela aparência ou gestos dos homens, como os homens podem discernir os pensamentos uns dos outros.
(1) Deus discerne todos os bons movimentos da mente e da vontade. Isso ele coloca nos homens e precisa que Deus conheça seu próprio ato; ele conhecia o filho de Jeroboão para ter alguma coisa boa nele para o Senhor Deus de Israel” (1 Reis 14:13); e a integridade de Davi e Ezequias; os movimentos mais livres da vontade e afeições para ele: "Senhor, tu sabes que eu te amo", diz Pedro (João 21:17). O amor não pode ser mais contido do que a vontade em si; um homem pode fazer outro sofrer e desejar, mas ninguém pode forçar outro a amar.
(2) Deus discerne todos os movimentos maus da mente e da vontade; “Toda imaginação do coração” (Gên 6: 5); a vaidade dos “pensamentos dos homens” (Salmos 94:11); sua escuridão interior, e disfarces enganosos. Não é de admirar que Deus, que moldou o coração, entenda os movimentos dele (Salmos 33:13, 15): “Ele olha do céu e contempla todos os filhos dos homens; ele forma os seus semelhantes e considera todas as suas obras ”.
Fazer um relógio, e ainda ser ignorante de seu movimento? Será que Deus atirou a chave para este gabinete secreto, quando ele o enquadrou, e adiou o poder de desbloqueá-lo quando ele quisesse? Ele certamente não o enquadrava numa postura tal que qualquer coisa nele deveria estar escondida de seus olhos; ele não o criou para ser privado de seu governo; que se seguiria se ele fosse ignorante do que foi cunhado. Ele não poderia ser um juiz para punir os homens, se as estruturas internas e os princípios das ações dos homens estivessem escondidos dele; uma ação exterior pode brilhar para um olho externo, ainda que a fonte secreta seja um desejo de aplauso, e não o medo e o amor de Deus. Se o interior das molduras do coração estivessem cobertas dele nos recessos secretos do coração; esses atos plausíveis, que em relação aos seus princípios, mereceriam uma punição, encontrariam uma recompensa; e Deus deveria conceder felicidade onde ele havia denunciado a miséria. Como sem o conhecimento do que é justo, ele não poderia ser um Legislador sábio, então sem o conhecimento do que é internamente comprometido, ele não poderia ser um justo Juiz: atos que são podres na fonte, podem ser julgados bons pela cor e aparência justa. Isto é a glória de Deus no último dia, “manifestar os segredos de todos os corações” (1 Cor 4: 5); e o profeta Jeremias liga o poder de julgar e a prerrogativa de tentar unir os corações (Jeremias 11:20): “ Mas, ó SENHOR dos Exércitos, justo Juiz, que provas o mais íntimo do coração, veja eu a tua vingança sobre eles; pois a ti revelei a minha causa.” (Jeremias 17:10): “Eu, o SENHOR, esquadrinho o coração, eu provo os pensamentos; e isto para dar a cada um segundo o seu proceder, segundo o fruto das suas ações.” E, de fato, sua vinculação de toda a lei com o comando de não cobiçar, evidencia que ele julgará os homens pelas afeições e condições internas de seus corações. Mais uma vez, Deus sustenta a mente do homem em cada ato de pensar; nele temos não apenas o princípio da vida, mas todo movimento, o movimento de nossas mentes, bem como de nossos membros: " Nele vivemos e nos movemos", etc. (Atos 17:28). Desde que ele suporta o vigor da faculdade em todo ato, ele pode ser ignorante desses atos que    brotam da faculdade, à qual ele naquele instante comunica poder e habilidade? Agora esse conhecimento dos pensamentos dos homens é,
1º. Propriedade incomunicável, pertencente apenas ao entendimento Divino. Criaturas, de fato, podem conhecer os pensamentos dos outros por revelação divina, mas não por si mesmos; nenhuma criatura tem uma chave imediatamente para abrir a mente dos homens e ver tudo o que ali existe; nenhuma criatura pode sondar o coração pela linha do conhecimento criado. Os demônios podem ter um conhecimento conjetural e podem adivinhar pelo conhecimento que têm com a disposição e constituição dos homens, e as imagens que contemplam em suas fantasias; e por algumas marcas que uma imaginação interior pode estampar no cérebro, sangue, espírito animal, rosto etc. Mas o conhecimento dos pensamentos meramente como pensamento, sem qualquer impressão por ele, é uma faculdade que Deus se apropria de si mesmo, como o principal segredo de seu governo, e uma perfeição declarativa de sua Deidade, tanto quanto qualquer outra coisa (Jer 17: 9,10): “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá? Eu, o SENHOR, esquadrinho o coração, eu provo os pensamentos; e isto para dar a cada um segundo o seu proceder, segundo o fruto das suas ações.". "O homem olha para a aparência exterior, mas o Senhor olha para o coração” (1 Sam. 16: 7); onde Deus é distinguido por esta perfeição de todos os homens, outros podem saber por revelação, como Eliseu fez o que estava no coração de Geazi    (2 Reis 5:26). Mas Deus conhece um homem mais do que qualquer homem conhece a si mesmo; que pessoa na terra compreende os enrolamentos e reviravoltas de seu próprio coração, que reservas terá, que invenções, que inclinações? Tudo o que Deus sabe exatamente.
2º. Deus não adquire novo conhecimento dos pensamentos e corações pela descoberta deles nas ações. Ele seria então igual à criatura nesta parte do conhecimento; nenhum homem ou anjo, pode assim chegar ao conhecimento deles; Deus seria então excluído de um domínio absoluto sobre o trabalho primordial de sua criação inferior; ele teria feito uma criatura superior a esse respeito a si mesmo, em cuja vontade pode descobrir, seu conhecimento de suas intenções internas deve depender; e, portanto, quando de Deus é dito procurar o coração, não devemos entendê-lo como se Deus fosse ignorante antes, e foi necessário fazer um escrutínio exato e inquérito, antes que ele alcançasse o que ele desejava conhecer; mas Deus condescende com a nossa capacidade na expressão de seu próprio conhecimento, significando que seu conhecimento é tão completo quanto o conhecimento de qualquer homem pode ser dos desígnios dos outros, depois de peneirá-los por um rigoroso e completo exame, e torceu uma descoberta de suas intenções, que ele os conhece perfeitamente como se ele os tivesse colocado na prateleira, e obrigou-os a fazer uma descoberta de seus planos secretos. Nem devemos entender que em Gên 22:12, onde Deus diz, depois Abraão estendeu a mão para sacrificar seu filho: "Agora sei que temes a Deus", como se Deus fosse ignorante da disposição graciosa de Abraão para com ele; Abraão tirou sua faca e forneceu a Deus um novo conhecimento? Não, Deus sabia das inclinações piedosas de Abraão antes (Gên 18:19): “Eu o conheço, para que ele comande seus filhos depois dele”, etc.
Às vezes, o conhecimento é tomado para aprovação; então o sentido será, agora eu aprovo este fato como um testemunho do teu temor de mim, uma vez que teu afeto a teu Isque é extinguido pela mais poderosa chama de afeição à minha vontade e comando; Eu agora te aceito e te faço um assunto dos meus melhores benefícios: ou, agora eu sei, isto é, eu fiz conhecido e manifestei a fé de Abraão para si mesmo e para o mundo: assim Paulo usa a palavra conhecer (1 Coríntios 2: 2): “Eu determinei não conhecer nada”, isto é, declarar e nada ensinar, para tornar conhecido nada mais do que Cristo crucificado: ou então, agora eu sei, isto é, eu tenho uma evidência e experimento neste fato nobre que me temes. Deus muitas vezes condescende com a nossa capacidade de falar de si mesmo à maneira dos homens, como se ele tivesse (como os homens) conhecido as afeições interiores dos outros por suas ações externas.
4. Deus conhece todos os males e pecados das criaturas.
(1) Deus conhece todo pecado. Isso segue o outro. Se ele conhece todas as ações e pensamentos de criaturas, ele também conhece toda a pecaminosidade naqueles atos e pensamentos. Isto, Zofar infere dos homens puníveis de Deus (Jó 11:11); porque ele conhece o homem vaidoso, ele vê a sua maldade também; conhece todo homem e vê a iniquidade de todo homem; ele olha do céu, e vê não apenas as pessoas imundas, mas o que é imundo nelas (Salmo 14: 2, 3), todas as nações do mundo, e todo homem de toda nação; nenhuma de suas iniquidades está escondida de seus olhos; ele procura Jerusalém com velas (Jeremias 16:17). Deus segue pecadores, passo a passo, com os olhos, e não deixará de procurar até que os tome; uma metáfora tirada de alguém que procura todas as fendas com uma vela, para que nada possa ser escondido dele. Ele sabe distintamente em todas as partes dele, como um adúltero se ergue de sua cama para cometer impureza, que artimanhas ele tinha, que passos ele deu, todas as circunstâncias em todo o progresso; não só o mal em atacado, mas cada um dos pontos mais negros sobre ele, o que pode agravá-lo. Se ele não conhecesse o mal, como poderia permitir isso? Ordenar, punir ou perdoar? Ele permite que ele não saiba o que? Para seus fins sagrados, o que ele ignora? Punir ou perdoar o que ele não tem certeza se é um crime ou não? “Purifica-me”, diz Davi, “das minhas falhas secretas” (Salmos 19:12). O segredo em relação aos outros, segredo em relação a si mesmo; como poderia Deus purificá-lo daquilo de que ele era ignorante? Ele conhece pecados antes de serem cometidos, muito mais quando estão em ação; Ele conheceu    a idolatria e a apostasia dos judeus; que deuses eles serviriam, em que medida eles iriam provocá-lo. e violar sua aliança (Deuteronômio 31:20, 21); ele conhecia o pecado de Judas muito antes da existência atual de Judas, predizendo-a nos Salmos; e Cristo prediz isso antes que ele agisse. Ele vê pecados futuros em sua própria vontade permissiva; ele vê pecados presentes em seu próprio ato de apoio. Como ele sabe as coisas possíveis para si mesmo, porque ele conhece seu próprio poder, então ele conhece as coisas praticáveis pela criatura, porque conhece o poder e os princípios da criatura. Este sentimento de Deus é naturalmente escrito nos medos dos pecadores, em relâmpagos, trovões ou em alguma operação prodigiosa de Deus no mundo; o que é linguagem deles, mas que ele vê seus atos, ouve suas palavras, conhece a pecaminosidade interior de seus corações; que ele não somente os vê como um mero espectador, mas considera-os como um juiz justo.
Deus de fato não vê o mal com o olho de aprovação; ele não sabe com um conhecimento prático para ser o autor dele, mas com um conhecimento especulativo, de modo a compreender a pecaminosidade do mesmo; ou um conhecimento simplicis intelligentioe, de inteligência simples, como ele permite-os, não os deseja positivamente; ele não os conhece com o conhecimento de concordar com eles, mas discorda deles. O mal pertence a um ato dissidente da mente e um ato aversivo da vontade; e o que o mal anteriormente tomado, não tem concepção distinta, porque é uma privação; um defeito não tem ser, e todo conhecimento é pela apreensão de algum ser; não seria esta mentira tão fortemente contra o nosso próprio conhecimento do pecado? O pecado é uma privação da retidão devida a um ato; e quem duvida do conhecimento do homem sobre o pecado? Por seu conhecimento do ato, ele conhece a deficiência do ato; o assunto do mal tem um ser, e assim tem uma concepção na mente; aquilo que nenhum ser pode ter conhecido senão por si mesmo ou em si mesmo; mas será que isso não pode ser conhecido por seu contrário? Como sabemos que a escuridão é uma privação de luz, e a uma privação de sabedoria. Deus sabe bem tudo sozinho, porque ele é o bem soberano; que isso é estranho, então, que ele deve conhecer todo o mal, uma vez que todo mal está em algum bem natural.
(2) A maneira de Deus conhecer o mal não é tão fácil de ser conhecido. E, de fato, como não podemos compreender a essência de Deus, embora seja facilmente inteligível que haja tal Ser, assim podemos tão pouco compreender a maneira do conhecimento de Deus, embora não possamos deixar de concluir que ele é um Ser inteligente, uma pura compreensão, sabendo todas as coisas. Como Deus tem uma maneira mais elevada de ser do que suas criaturas, então ele tem outra maneira e mais elevada de conhecer; e nós podemos compreender tão pouco a maneira como ele sabe, como podemos a maneira de ser dele. Mas quanto à maneira, Deus não conhece sua própria lei? E ele não saberá o quanto qualquer ação fica aquém de seu governo? Ele não pode conhecer sua própria regra sem conhecer todos os desvios dela. Ele conhece sua própria santidade, e não verá como qualquer ação é contrária à santidade de sua própria natureza? Deus não sabe tudo o que é verdade? E não é verdade que isso ou aquilo é mal? E Deus será ignorante de alguma verdade? Como Deus sabe que ele não pode mentir, mas conhecendo sua própria veracidade? Como Deus sabe que ele não pode morrer? Conhecer sua própria imutabilidade? E conhecer o que é uma mentira, ele sabe o que é a morte; então se o pecado nunca tivesse existido, se nenhuma criatura alguma vez existisse, Deus teria sabido o que era o pecado, porque ele conhece a sua própria santidade; porque ele sabia que lei estava em forma de ser designada para suas criaturas, se ele as criasse, e que aquela lei poderia ser transgredida por elas. Deus sabe tudo de bom, toda bondade em si mesmo; ele tem, portanto, um fundamento em si mesmo para conhecer tudo o que vem abaixo daquela bondade, que é oposto àquela santidade: como se a luz fosse capaz de compreender, só conheceria as trevas conhecendo a si mesma; conhecendo-se, saberia o que é contrário a si mesmo e conhece toda a bondade criada que ele plantou na criatura; ele sabe então todos os defeitos desta bondade, de que perfeição é um privado; o que é oposto a essa bondade, é mal. Como Conhecemos a doença por saúde, discórdia por harmonia, cegueira por vista, porque é privação de visão, quem conhece um ao contrário conhece o outro; Deus conhece a injustiça pela ideia que ele tem de justiça, e vê um ato privado daquela retidão e bondade que deveria ser isso; ele conhece o mal porque conhece as causas de onde o mal procede. Um pintor conhece uma foto de sua própria produção e, se traços de qualquer forem colocados nela, ele também não deve saber disso? Deus, por sua mão, pintou todas as criaturas, imprimiu ao homem o selo justo e cor de sua própria imagem; o diabo o contamina; mas Deus que conhece o seu próprio trabalho, sabe como esta peça se tornou diferente do seu trabalho? Não é Deus, que conhece a bondade de suas criaturas, que ele mesmo era a fonte para conhecer a mudança dessa bondade? Sabia, antes, que o diabo semearia joio no lugar onde semeara trigo; e, portanto, essa controvérsia de alguns nas escolas, se Deus conheceu o mal por sua oposição à bondade criada ou incriada, é desnecessário. Podemos dizer que Deus conhece o pecado como é oposto à bondade criada, mas ele sabe disso radicalmente por sua própria bondade, porque ele conhece a bondade que ele comunicou para a criatura por sua própria bondade essencial em si mesmo.
Para concluir esta cabeça: O conhecimento do pecado não cobre a santidade da natureza de Deus; pois o conhecimento de um crime não infecta a mente do homem com a sujeira e a poluição desse crime, pois todo homem que conhece um ato de assassinato cometido por outro, seria, por esse conhecimento, manchado com seu pecado; sim e um juiz que condena um malfeitor, pode também condenar a si mesmo se assim fosse: o conhecimento dos pecados não infecta os entendimentos que os conhecem, mas apenas a vontade que os aprova. Não é um descrédito para nós conhecer o mal, a fim de passar um julgamento correto sobre ele; então nem pode ser para Deus.
Em quarto lugar, Deus conhece todas as coisas futuras, todas as coisas que estão por vir. As diferenças de tempo não podem impedir o conhecimento de todas as coisas por ele, que é antes do tempo, acima do tempo, que não é medido por horas, ou dias, ou anos; se Deus não os conhecesse, o obstáculo deve estar nele mesmo, ou nas próprias coisas, porque são coisas que estão por vir: não em si mesmo; se o fizesse, deveria surgir de alguma impotência em sua própria natureza, e assim nós o tornamos fraco; ou de uma falta de vontade de saber, e assim nós o tornamos preguiçoso e um inimigo para a sua própria perfeição; pois, simplesmente considerado, o conhecimento de mais coisas é uma perfeição maior do que o conhecimento de algumas; e se o conhecimento de uma coisa inclui algo de perfeição, a ignorância de uma coisa inclui algo de imperfeição. O conhecimento das coisas futuras é uma perfeição maior do que não conhecê-las, e é considerado entre os homens uma grande parte da sabedoria, que eles chamam previsão; é então certamente uma maior perfeição em Deus conhecer as coisas futuras, do que ignorá-las. E Deus preferiria ter algo de imperfeição do que ser possuidor de toda perfeição? Nem o obstáculo reside nas próprias coisas, porque a sua futuridade depende de sua vontade; pois como nada pode ser sem a sua vontade, dando-lhe existência, então nada pode ser futuro sem sua vontade, projetando o futuro disso. Certamente, se Deus sabe todas as coisas possíveis, o que ele não fará, ele deve saber todas as coisas futuras, que ele não só é capaz, mas resolveu fazer, ou resolveu permitir. O perfeito conhecimento de Deus de si mesmo, isto é, do seu próprio infinito poder e conclusão incluirão, necessariamente, um pré-conhecimento do que ele é capaz de fazer e do que ele fará. Mais uma vez, se Deus não conhecer as coisas do futuro, houve um tempo em que Deus era ignorante da maioria das coisas no mundo; pois antes do dilúvio ele era mais ignorante depois dele; quanto mais coisas fossem feitas no mundo, mais conhecimento se acumulava para Deus e, assim, mais perfeição; então da compreensão de Deus não foi perfeita desde a eternidade, mas no tempo; não, ainda não é perfeito, se ele é ignorante daquelas coisas que ainda são para acontecer; ele deve permanecer por uma perfeição que ele não teria, até que essas coisas venham a estar em ação, até as coisas que estão por vir, deixará de ser futuro e começará a ser presente. Ou Deus os conhece ou deseja conhecê-los; se ele deseja conhecê-los e não o faz, há algo faltando a ele; todo desejo fala uma de ausência do objeto desejado, e um sentimento de carência na pessoa desejosa: se ele não deseja conhecê-los, ou melhor, se ele realmente não os conhece, destrói toda a providência, todo o seu governo de coisas; para sua providência tem uma concatenação de meios com a perspectiva de algo que é futuro: como no caso de José, que foi colocado no poço, e vendido para os egípcios, a fim de seu futuro progresso, e a preservação de seu pai e seus irmãos invejosos. E se Deus não sabia todas as inclinações e ações futuras dos homens, algo poderia ter sido feito pela vontade de Potifar, ou pelo livre-arbítrio do faraó, pelo qual José poderia ter sido cortado de seu avanço, e assim Deus seria interrompido na pista e método de suas providências projetadas. Aquele que decretou governar o homem para esse fim, ele o projetou, conhece todos os meios antes, pelo qual ele irá governá-lo e, portanto, tem um conhecimento distinto e certo de todas as coisas; porque um conhecimento confuso é uma imperfeição no governo; e é nisso que a infinitude de seu entendimento é mais vista do que em conhecer as coisas passadas ou presentes; os olhos dele são uma chama de fogo (Apo 1:14), em relação à penetrante virtude deles em coisas impenetráveis por qualquer outra coisa. Para torná-lo ainda mais parece que Deus sabe todas as coisas futuras, considere,
1. Tudo o que é o objeto do conhecimento de Deus sem ele mesmo foi uma vez só futuro. Houve um momento em que nada estava em ser apenas ele mesmo: ele não sabia nada realmente passado, porque nada foi passado; nada realmente presente, porque nada de qualquer existência além de si mesmo; portanto, apenas o que era futuro. E por que não tudo o que é futuro agora, bem como apenas o que era futuro e para vir a acontecer apenas no início da criação? Deus de fato conhece tudo como presente, mas as próprias coisas conhecidas por ele não estavam presentes, mas no futuro; toda a criação foi uma vez futura, ou então foi da eternidade; se começou a tempo, foi uma vez o futuro em si, senão nunca poderia ter começado a ser. Deus não sabia o que seria criado por ele, antes de ser criado por ele? Ele criou ele não sabia o que, e não sabia antes, o que ele deveria criar? Ele era ignorante antes de agir, e em sua ação, a que sua operação tenderia? Ou ele não conhecia a natureza das coisas, e os fins delas, até que ele as produzisse? E as viu sendo? As criaturas, então, não surgiriam de seu conhecimento, mas de seu conhecimento delas; ele não quis que suas criaturas deveriam ser, pois ele desejara o que não sabia e não sabia o que desejava; eles, portanto, devem ser conhecidos antes que eles fossem feitos, e não conhecidos porque foram feitos; ele os conhecia para fazê-los; pela mesma razão pela qual ele sabia o que as criaturas deveriam ser antes delas, ele ainda sabe quais criaturas devem ser antes de serem; porque todas coisas que são, estavam em Deus, não realmente em sua própria natureza, mas nele como uma causa; então a terra e os céus estavam nele, como um modelo é na mente de um operário, que está em sua mente e alma, antes de ser trazido para o exterior.
2. As previsões de coisas futuras evidenciam isso. Não há uma profecia de qualquer coisa por vir, mas é uma centelha de sua presciência, e testemunha a verdade desta afirmação, na realização pontual dela; isso é uma coisa desafiada por Deus como sua própria peculiar, em que ele supera todos os ídolos que as invenções do homem têm feito no mundo (Isaías 41:21, 22): Deixe-os trazê-los (falando dos ídolos) e nos mostre o que deve acontecer, ou nos declare as coisas para vir: mostre as coisas que virão no futuro, para que possamos saber que vocês são deuses. Tal conhecimento prévio das coisas por vir, é aqui atribuído a Deus pelo próprio Deus, como uma distinção dele de todos os falsos deuses; tal conhecimento, que se alguém poderia provar que eles eram possuidores dele, ele reconheceria os deuses e também a si mesmo: "para que saibamos que vocês são deuses". Ele coloca sua Deidade para ficar de pé ou cair nessa conta, e isso deveria ser o ponto que deveria decidir a controvérsia, se ele ou os ídolos pagãos eram o verdadeiro Deus; a disputa é gerenciada por este método, aquele que conhece as coisas por vir, é Deus; eu sei que as coisas estão por vir, então, eu sou Deus; os ídolos não sabem o que está por vir portanto eles não são deuses; Deus submete o ser de sua Deidade a este julgamento. Se Deus sabe que as coisas não virão mais do que os ídolos pagãos, que eram demônios ou homens, ele seria, em sua própria conta, não mais um Deus do que demônios ou homens, não mais um Deus do que os ídolos pagãos, e ele zomba desse defeito. Se os ídolos pagãos fossem despojados de sua divindade por falta desta presciência das coisas que viriam, não deveria o verdadeiro Deus também cair da mesma excelência se ele fosse. defeituoso no conhecimento? Ele iria, em seu próprio julgamento, não mais merecer o título e caráter de um Deus. Como ele poderia censurá-los por isso, se fosse necessário nele mesmo? Não pode ser entendido de coisas futuras em suas causas, quando os efeitos necessariamente surgem de tais causas, como a luz do sol e calor do fogo que muitos desses homens conhecem; mais deles anjos e demônios sabem se Deus, portanto, não tinha um superior conhecimento do que isso, ele não seria provado ser Deus mais do que anjos e demônios, que conhecem os efeitos necessários em suas causas. Os demônios, de fato, previram algumas coisas nos oráculos pagãos; mas Deus é diferenciado deles aqui pela infinidade de seu conhecimento, em ser capaz de prever as coisas por vir que eles não sabiam, ou as coisas em suas particularidades, que dependiam da liberdade da vontade do homem, que os demônios não podiam reivindicar um certo conhecimento.
Em Isaías 44: 7, é dito: “Quem há, como eu, feito predições desde que estabeleci o mais antigo povo? Que o declare e o exponha perante mim! Que esse anuncie as coisas futuras, as coisas que hão de vir!” Nada é criado ou ordenado no mundo, senão o que Deus decretou ser criado. Deus conhece seu próprio decreto e, portanto, todas as coisas que ele decretou existir no tempo; não a parte mais minuciosa do mundo poderia ter existido sem a sua vontade, nem uma ação pode ser feita sem a sua vontade; como a vida, o princípio, o movimento, o fruto dessa vida é de e por Deus; como ele decretou a vida para esta ou aquela coisa, então ele decretou o movimento como o efeito da vida, e decretou exercer seu poder em concordar com eles, para produzir efeitos naturais de tais causas; pois sem tal concurso eles não poderiam ter agido qualquer coisa ou produzido qualquer coisa; e, portanto, quanto às coisas naturais, que nós chamamos de causas necessárias, Deus prevendo todas elas particularmente em seu próprio decreto, previu também todos os efeitos que devem necessariamente fluir delas, porque tais causas não podem ser quando elas estão equipadas com todas as coisas necessárias para a ação: ele conhece seus próprios decretos e, portanto, necessariamente sabe o que ele tem decretado, ou então devemos dizer que as coisas acontecem se Deus vai ou não, ou que ele quer, ele não sabe o quê; mas isso não pode ser, porque “diz o Senhor, que faz estas coisas conhecidas desde séculos.” (Atos 15:18). Agora isso necessariamente, flui desse princípio primeiro estabelecido que Deus conhece a si mesmo, já que nada é futuro sem a vontade de Deus; se Deus não conhecesse coisas futuras, ele não saberia sua própria vontade; pois, como as coisas possíveis, não poderiam ser conhecidas por ele, a menos que ele conhecesse a plenitude de seu próprio poder, assim as coisas futuras poderiam não ser conhecidas por seu entendimento, a menos que ele soubesse as resoluções de sua própria vontade. Assim, o conhecimento de Deus difere do conhecimento dos homens; o conhecimento de Deus de suas obras precede suas obras; conhecimento do homem sobre as obras de Deus segue suas obras, assim como o conhecimento do artífice de um relógio, instrumento ou motor, o que ele faria, é antes de criá-los; ele sabe o movimento disso, e a razão dessas moções antes disso é feita, porque ele sabe o que determinou para trabalhar; ele não conhece esses movimentos da consideração deles depois que eles foram feitos, como o espectador faz, que, vendo o instrumento depois que ele é feito, ganha um conhecimento da visão e da consideração dele, até que ele entenda a razão do todo; por isso sabemos coisas da consideração delas depois de vê-las em ser, e, portanto, não sabemos coisas futuras: mas o conhecimento de Deus não surge de coisas porque são, mas porque ele quer que sejam; e, portanto, ele sabe tudo o que deve ser, porque não podem ser sem a sua vontade, como o Criador e mantenedor de todas as coisas; conhecendo sua própria substância, ele conhece todas as suas obras.
Se Deus não conhecesse todas as coisas futuras, ele seria mutável em seu conhecimento. Se ele não soubesse todas as coisas que já foram ou são para ser, haveria na aparência de cada novo objeto, uma adição de luz ao seu entendimento e, portanto, tal mudança nele, como todo novo conhecimento provoca na mente de um homem, ou como o sol opera no mundo ao levantar-se a cada manhã, espalhando a escuridão que estava sobre a face da terra; se ele não os conhecesse antes que eles viessem, ele ganharia um conhecimento quando eles vieram passar, o que ele não tinha antes de serem efetuados; seu conhecimento seria novo de acordo com a novidade dos objetos, e multiplicados de acordo com a multidão dos objetos. Se Deus sofresse alguma mudança, e adquirisse alguma perfeição em seu conhecimento, quando essas coisas futuras deixariam de ser futuras e se tornariam presentes; pois ele saberia mais perfeitamente quando estivessem presentes, do que quando era futuro, e assim haveria uma mudança da imperfeição para a perfeição; mas Deus é totalmente imutável. Além disso, essa perfeição não surgiria da natureza de Deus, mas da existência e presença da a coisa. Ele não teria então esse conhecimento e, consequentemente, a perfeição desde a eternidade, como ele tinha quando criou o mundo, e não teria uma completa perfeição do conhecimento de sua criatura até o fim do mundo, nem de almas imortais.
E se Deus for sempre mudando para a eternidade, da ignorância para o conhecimento, como esses atos passam a ser exercidos por suas criaturas, ele não será perfeito em conhecimento, não, não para a eternidade, mas estará sempre mudando de um grau de conhecimento para outro; um conceito muito indigno de atribuir ao bendito, perfeito e infinito Deus! Portanto, segue-se que:
(1.) Deus conhece todas as suas criaturas. Todos os tipos que ele determinou fazer; todos os detalhes que devem surgir de todas as espécies; a tempo quando deveriam sair do ventre; a maneira como; “No teu livro todos os meus membros foram escritos” (Salmo 139: 16).
Os membros não estão no hebraico. de onde alguns referem tudo, a todas as criaturas vivas, e a todas as partes que Deus previu; ele conhecia o número de criaturas com todas as suas partes; eles foram escritos no livro de sua presciência; a duração deles, como por muito tempo eles permanecerão no ser e agirão no palco; ele conhece sua força, os elos de uma causa com outra e o que será seguido em todas as suas circunstâncias, e as séries e combinações de efeitos com suas causas. A duração de tudo é conhecido de antemão, porque é determinado (Jó 14: 5); “Vendo os seus dias determinados, o número dos seus meses é contigo; tu tens apontou seus limites, que ele não pode passar”; limites são fixos, além do qual nenhum deve alcançar; ele fala de dias e meses, não de anos, para nos dar a conhecer a presciência particular de Deus de tudo, de cada dia, mês, ano, hora da vida de um homem.
(2) Todos os atos de suas criaturas são conhecidos por ele. Todos os atos naturais, porque ele conhece suas causas.
(3) Esse conhecimento prévio era certo. Pois é uma noção indigna de Deus atribuir-lhe um conhecimento conjectural; se houvesse apenas um conhecimento conjectural, ele poderia, senão conjecturalmente, prever qualquer coisa; e então é possível que os eventos das coisas possam ser contrários às suas previsões. Parece então que Deus foi enganado, e então não pode haver regra de tentar coisas, seja de Deus ou não; porque a regra que Deus estabelece para discernir suas palavras das palavras dos falsos profetas é o evento e certas realizações do que é previsto (Deuteronômio 18:21) para essa pergunta: "Como saberemos se Deus falou ou não?" Responde que “se a coisa não acontecer, o Senhor não falou”. Se o seu conhecimento das coisas futuras não fosse certo, não haveria estabilidade nessa regra, ela cairia ao chão: nós nunca achamos Deus enganado em qualquer predição, mas o evento respondeu à sua pergunta pela revelação; Sua presciência, portanto, é certa e infalível. Nós não podemos fazer Deus incerto em seu conhecimento, mas devemos concebê-lo flutuando e vacilando em sua vontade; mas se a sua vontade não for sim e não, mas sim, o seu conhecimento é certo, porque ele certamente vai resolver.
(4) Esta presciência foi da eternidade. Vendo que ele conhece as coisas possíveis em seu poder e as coisas futuras em sua vontade; se o seu poder e as resoluções foram desde a eternidade, seu conhecimento deve ser assim também, ou então devemos torná-lo ignorante de seu próprio poder, e ignorante de sua vontade própria desde a eternidade; e consequentemente não da eternidade abençoada e perfeita. Seu conhecimento das coisas possíveis deve ser paralelo com seu poder, e seu conhecimento de coisas futuras corre paralelamente à sua vontade. Se ele quisesse desde a eternidade, ele sabia desde a eternidade que ele desejou; mas que ele fez desde a eternidade, devemos conceder, a menos que o tornemos mutável, e o concebamos feito em tempo de não querer dispor. O conhecimento que Deus tem no tempo, sempre foi um e o mesmo, porque a sua compreensão é a sua própria essência, e de natureza imutável. E, de fato, a existência real de uma coisa não é simplesmente necessária para que ela seja perfeitamente conhecida; podemos ver algo que já passou, quando na verdade existe; e um carpinteiro pode conhecer a casa que ele deve construir, antes que ser construído, pelo modelo disso em sua própria mente; muito mais podemos conceber o mesmo de Deus cujos decretos foram antes da fundação do mundo; e para ser antes do tempo e para ser da eternidade, não há diferença. Como Deus em seu ser excede todo começo de tempo, assim também o seu conhecimento todos os movimentos do tempo.
(5) Deus antecipa todas as coisas como presentes com ele desde a eternidade. Como ele sabe coisas mutáveis com um conhecimento imutável e firme, então ele conhece as coisas futuras com um conhecimento atual; não que as coisas que são produzidas no tempo estivessem realmente presentes com ele em seus próprios seres desde a eternidade; pois então eles não poderiam ser produzidos a tempo; eles tinham uma existência real, então eles não seja criaturas, mas Deus; e se eles fossem reais, então eles não poderiam ser futuros, pois o futuro fala uma coisa que ainda não chegou.
Se as coisas estivessem realmente presentes com ele, e ainda no futuro, elas foram feitas antes de serem feitas, e tinham um ser antes delas terem um ser; mas todos eles estavam presentes ao seu conhecimento como se estivessem no ser real, porque a razão de todas as coisas que deveriam ser feitas, estava presente com ele. A razão da vontade de Deus que elas devem ser, era igualmente eterna com ele, em que ele viu o que, e quando e como ele criaria as coisas, como as governaria, para que fim as dirigiria. Assim todas as coisas são presentes ao conhecimento de Deus, embora em sua própria natureza possam ser passado ou futuro, não em esse reali, mas em esse inteligibili, objetivamente, na verdade, não presente como a imutabilidade e infinitude do conhecimento de Deus sobre as coisas mutáveis e finitas, mas todas as coisas estão presentes para o seu entendimento, porque ele tem uma visão de todas as sucessões dos tempos; e o conhecimento dele das coisas futuras é tão perfeito quanto as coisas presentes, ou o que é passado; não é um certo conhecimento das coisas presentes, e um conhecimento incerto do futuro, mas seu conhecimento de um é tão certo e infalível quanto seu conhecimento do outro; como um homem que contempla um círculo com várias linhas do centro, contempla as linhas à medida que elas são unidas no centro, contempla-as também como são distantes e separadas umas das outras, vê-las em sua extensão e em seu ponto de uma só vez, embora possam ter uma grande distância um do outro. Ele viu desde o início dos tempos até o último minuto, todas as coisas saindo de suas causas, marchando em sua ordem de acordo com sua própria nomeação; como um homem pode ver uma multidão de formigas, algumas rastejando de um jeito ou de outro, empregadas em diversas atividades para sua provisão de inverno. O olho de Deus corre imediatamente por todo o círculo do tempo; como o olho de um    homem em uma torre e vê todos os passageiros de uma só vez, embora alguns passem, alguns sob a torre, alguns chegando a uma distância maior.
“Deus ” , diz Jó, “olha para os confins da terra e vê debaixo de todo o céu” (Jó 28:24); o conhecimento de Deus é expresso por visão nas Escrituras, e o futuro para Deus é a mesma coisa que a distância para nós; podemos com um binóculo fazer coisas que estão longe aparecerem como se estivessem perto; por que, então, as coisas futuras deveriam estar tão longe do conhecimento de Deus, quando as coisas tão distantes de nós podem ser feitas para nos aproximarmos estando tão perto de nós? Deus considera todas as coisas em seu próprio conhecimento simples, como se estivessem agindo agora; e, portanto, alguns optaram por chamar o conhecimento das coisas por vir, não presciência, mas conhecimento; porque Deus vê todas as coisas em um instante, scientià nunquam deficientis instantiæ. Por este motivo, as coisas que estão por vir, são estabelecidas nas Escrituras como presentes, e às vezes como passadas (Isaías 9: 6): “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz;”,    embora ainda não tenha nascido; assim dos sofrimentos de Cristo (Isaías 53: 4, etc.): “Certamente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido.”, etc., não será; e (Salmo 22:18): “Repartem entre si as minhas vestes e sobre a minha túnica deitam sortes.”, como se estivesse presente; tudo para expressar a certeza da presciência de Deus, como se as coisas estivessem realmente presentes antes dele.
(6) Isto é próprio de Deus e incomunicável para qualquer criatura. Nada além do que é eterno pode conhecer todas as coisas que estão por vir.
Suponha que uma criatura possa saber as coisas que estão por vir, depois que ele está sendo, ele não pode conhecer as coisas simplesmente como futuras, porque eram coisas futuras antes de estarem em ser. Os demônios não conhecem o coração dos homens; portanto, não podem prever suas ações com alguma certeza; eles podem, de fato, ter conhecimento de algumas coisas que estão por vir, mas são apenas conjeturais e muitas vezes equivocados; como o diabo estava em sua predições entre os pagãos, e em seu presságio de “Jó amaldiçoando a Deus a sua face” sobre suas calamidades urgentes (Jó 1:11).
Às vezes, de fato, eles têm um certo conhecimento de algo futuro pela revelação de Deus, quando ele os usa como instrumentos de sua vingança, ou pelo julgamento de seu povo, como no caso de Jó, quando ele lhe deu uma comissão para despojá-lo de seus bens; ou, como os anjos têm, quando ele os usa como instrumentos da libertação de seu povo.
(7.) Embora isto seja certo, que Deus pré-conhece todas as coisas e ações, contudo a maneira de ele conhecer todas as coisas antes de virem, não é tão facilmente resolvido. Não devemos, entretanto, negar essa perfeição em Deus, porque não entendemos a maneira como ele tem o conhecimento prévio de todas as coisas. Seria indigno para nós não possuir mais de Deus do que podemos perfeitamente concebê-lo; nós não deveríamos então possuir    mais dele do que nele existe. “Pode tu”, diz Jó, “procurando, descobrir a Deus? Você pode descobrir o Todo Poderoso até perfeição?” (Jó 11: 7).
Deus conhece todas as contingências futuras, isto é, Deus sabe todas as coisas que acidentalmente acontecerão ou, como dizemos, por acaso; e ele conhece todos os movimentos livres das vontades dos homens que serão para o fim do mundo. Se todas as coisas estiverem abertas para ele (Hb 4:13), então todas as contingências são, pois estão no número de coisas; e como, de acordo com o discurso de Cristo, aquelas coisas que são impossíveis ao homem, são possíveis a Deus, então as coisas que são desconhecidas ao homem, são conhecidas por Deus; por causa da infinita plenitude e perfeição do entendimento divino. Vamos ver o que é uma contingência. É contingente o que comumente chamamos de acidental, como quando uma telha cai de repente sobre a cabeça de um homem enquanto ele anda na rua; ou quando um soldado atira aleatoriamente e acerta alguém sem pretender alvejá-lo; tal foi aquela flecha pela qual Acabe foi morto (1 Reis 22:39); isso alguns chamam de contingência mista, composta em parte por necessidade e em parte por acidente; é necessário que a bala, quando enviada para fora da arma, ou a flecha para fora do arco, deve voar e atingir algum lugar; mas é um acidente que atinge este ou aquele homem, que nunca foi intencionado pelo arqueiro. De outras coisas, como ações voluntárias, são puramente contingentes e não têm nada de necessidade nelas; todas as ações livres que dependem da vontade do homem, de fazer ou não fazer, são desta natureza, porque elas não dependem de uma causa necessária, como a queimadura sobre o fogo, umedecendo em água, ou como descida ou caída é necessário para um corpo pesado; pois aqueles que não podem, em sua própria natureza, fazem o contrário; mas as outras ações dependem de um agente livre, capaz de se voltar para este ou aquele ponto e se determinar como quiser.
Agora, devemos saber que o que é acidental em relação à criatura, não é assim em relação a Deus; a maneira da morte de Acabe foi acidental, em relação à mão pela qual ele foi morto, mas não em relação a Deus que predisse sua morte, e conheceu o disparo, e dirigiu a flecha; Deus não estava incerto antes da maneira de sua queda, nem pairou sobre a batalha para assistir a uma oportunidade de realizar sua própria previsão; o que pode ou não ser, em relação a nós, é certo em relação a Deus; imaginar que o que é acidental para nós, é assim medir Deus pela nossa linha curta. Quantos eventos seguem os resultados dos príncipes em seus conselhos, parecem pessoas, ignorantes desses conselhos, ser um acaso, mas não eram contingências para o príncipe e seus assistentes, mas previsto por ele como certamente para emitir assim como eles fazem, o que eles sabiam antes seria o fruto de tais causas e instrumentos que eles tricotariam juntos!
Isso pode ser necessário em relação à presciência de Deus, que é meramente acidental em relação à disposição natural de causas imediatas que realmente o produzem; contingente em sua própria natureza e em relação a nós, mas fixado no conhecimento de Deus.
Algo ilustra isso por essa similitude; um mestre envia dois servos para um e o mesmo lugar, dois de vários modos, desconhecidos para um e outro; eles se encontram no lugar que o seu patrão os designara; sua reunião é acidental para eles, não se sabe do outro, mas foi previsto pelo mestre que eles deveriam se encontrar; e que em relação a eles parece um mero acidente, até que ele veio para explicar o negócio para o outro; tanto a necessidade de sua reunião, em relação à ordem de seu mestre, como a acidentalidade em relação a si mesmos, eram em ambas as circunstâncias anteriormente conhecidas pelo mestre que os empregava. Para clarear isto, leve isto neste método.
1. É um conceito indigno de Deus em qualquer um excluí-lo do conhecimento dessas coisas.
(1.) Será uma contratação estranha dele não permitir-lhe um conhecimento maior do que nós mesmos. Contingências são conhecidas por nós quando elas entram em ação e passam do futurismo para a realidade; e quando elas estão presentes para nós, podemos ordenar nossos ares de acordo; devemos permitir a Deus não mais uma medida de conhecimento do que nós, e torná-lo cego como nós mesmos, para não ver as coisas dessa natureza antes que elas ocorram? Deus não as conhecerá mais? Imaginamos que Deus não conhece outra coisa senão o que sabemos? E que ele como nós, está observando com admiração os eventos? O homem pode conjecturar muitas coisas; é adequado atribuir a mesma incerteza a Deus, como se ele, assim como nós, não pudesse ter certeza até que a questão aparecesse à vista de todos? Se Deus certamente não sabe de antemão, ele os conjectura; mas um conhecimento conjectural não é de modo algum fixado em Deus; pois isso não é conhecimento, senão adivinhação, e destrói uma divindade, fazendo-o sujeito a erro; porque aquele que apenas adivinha pode adivinhar errado; para que isso seja feito Deus como nós, e tira-lhe uma perfeição universalmente reconhecida de onisciência. Um conhecimento conjectural, diz alguém, é como indigno de Deus como a criatura é indigna de onisciência. É certo que o homem tem a liberdade de agir muitas coisas desta ou daquela maneira que lhe agrada; caminhar para este ou aquele bairro, falar ou não falar; fazer isto ou aquilo, ou não fazê-lo; que maneira um homem certamente se determina, é desconhecido antes para qualquer criatura, sim, muitas vezes no presente para si mesmo, pois ele pode estar em suspenso; mas devemos imaginar que essa determinação futura de si mesmo é ocultada de Deus?
Aqueles que negam a presciência de Deus em tais casos, devem ou dizer que Deus tem uma opinião que um homem irá resolver desta maneira do que aquela; mas então, se um homem pela sua liberdade se determinar contrário à opinião de Deus, então Deus não está enganado? E o que uma criatura racional pode tomar por um Deus que pode ser enganado em alguma coisa? Ou então eles devem dizer que Deus está na incerteza, e sustenta sua opinião sem determiná-la de qualquer maneira; então ele não pode agora liberar atos até que eles sejam feitos; ele então dependeria da criatura para sua informação; seu conhecimento aumentaria a cada instante, assim como as coisas, ele não sabia antes, entravam em ação; e desde que há cada minuto uma multidão inumerável de várias imaginações nas mentes dos homens, haveria cada minuto uma adesão de novos conhecimentos a Deus que ele não tinha antes; além disso, esse conhecimento seria mutável de acordo com a oscilação e as resoluções dos homens, um em pé até este ponto, outro enquanto isso, se ele dependesse da determinação da criatura para seu conhecimento.
(2) Se os atos livres dos homens eram desconhecidos antes de Deus, ninguém pode ver como pode haver qualquer governo do mundo por ele.
Tais contingências podem acontecer, e tais resoluções de livre-arbítrio dos homens, desconhecidas por Deus, podem confundir seus negócios, e colocá-lo sobre novos conselhos e métodos para alcançar esses fins que ele estabeleceu na primeira criação das coisas; se as coisas acontecem que Deus sabe não de antemão, esta deve ser a consequência; onde não há previsão, não há providência; as coisas podem acontecer tão repentinamente, se Deus as desconhecendo, que elas possam dar um cheque às suas intenções e esquema de governo, e colocá-lo para mudar todo o modelo dele. Quantas vezes uma pequena circunstância interveniente, imprevista pelo homem, corta em pedaços um tempo meditado e bem formado plano! Governar causas necessárias, como sol e estrelas, cujos efeitos são naturais e constantes em si, é fácil de ser imaginado; mas como governar o mundo que consiste em tantos homens de livre-arbítrio, capazes de se determinar a isto ou aquilo, e que não têm a constância em si, como o sol e as estrelas, não pode ser imaginado; a menos que permitamos em Deus uma grande certeza de presciência dos desígnios e ações dos homens, como há inconstância em suas resoluções. Deus deve estar alterando os métodos de seu governo todos os dias, todas as horas, todos os minutos, de acordo com as determinações dos homens, que são tão variadas e mutáveis em todas as partes do mundo no espaço de um minuto; ele deve esperar para ver o que os conselhos dos homens serão, antes que ele pudesse resolver seus próprios métodos de governo; e assim deve governar o mundo de acordo com sua mutabilidade, e não de acordo com qualquer certeza nele ele mesmo. Mas seu conselho é estável no meio de multidões de dispositivos livres no coração do homem (Provérbios 19:21), e por conhecê-los todos antes, ordena que eles sejam subservientes ao seu próprio advogado estável. Se ele não pode saber o que amanhã vai trazer na mente de um homem, como ele pode certamente resolver sua própria determinação de governá-lo?
Seus decretos e resoluções devem ser temporais, e surgem do nada, e ele deve sempre estar em conselho o que ele deve fazer em cada mudança das mentes dos homens. Este é um conceito indigno da majestade infinita do céu, para fazer o seu governo depender das resoluções dos homens, ao invés de suas resoluções sobre o projeto de Deus.
2. Portanto, é certo que Deus conhece os atos livres e voluntários do homem. Como ele poderia encomendar seu povo para perguntar pelas coisas que estavam por vir, para a sua libertação, coisas que dependiam da vontade do homem, se antes não conhecesse os movimentos de sua vontade (Is 45:11)?
(1.) Ações boas ou indiferentes dependendo da liberdade da vontade do homem tanto quanto qualquer outra. Várias dessas ele previu; não apenas uma pessoa para construir Jerusalém foi predita por ele, mas o nome dessa pessoa, Ciro (Is 44:28). O que é mais contingente, ou é mais o efeito da liberdade da vontade do homem, que os nomes de seus filhos? Não foi na destruição do império babilônico predito que Ciro empreendeu, não por qualquer compulsão, mas por uma livre inclinação e determinação de sua própria vontade?
E não foi o retorno dos judeus ao seu próprio país um ato voluntário daquele conquistador? Se você considerar a liberdade do homem não será possível que Ciro tenha continuado seu jugo, assim como as suas correntes, e mantido cativo, assim como rejeitado eles? Se não fosse pelo seu próprio interesse, ao invés de ter fortalecido os grilhões de um povo tão turbulento, que era tenaz de sua religião e leis diferentes daquelas professadas pelo mundo inteiro, eram como fazer mais perturbações quando estavam ligados em um corpo em seu próprio país, do que quando eles foram transplantados e espalhados pelas várias partes de seu império? Estava no poder de Ciro (tomá-lo como homem) para escolher um ou outro; seu interesse o convidou a continuar seu cativeiro, ao invés de conceder sua libertação; ainda assim, Deus sabia que ele faria de bom grado isso e não o outro; ele sabia disso que dependia da vontade de Ciro; e por que um Deus infinito não pode conhecer os atos livres de todos os homens, como também de um? Se a liberdade da vontade de Ciro não fosse impedimento para a presciência certa e infalível de Deus, como a contingência de qualquer outra coisa pode ser um obstáculo para ele? Porque existe a mesma razão de um e de todos; e seu governo se estende a todas as aldeias, todas as famílias, todas as pessoas, assim como reinos e nações. Então Deus predisse, por seu profeta, não apenas a destruição do altar de Jeroboão, mas o nome da pessoa que deve ser o instrumento dele (1 Reis 13: 2), e isso cerca de 300 anos antes do nascimento de Josias. É uma maravilha que nenhum dos reis piedosos de Judá, em detestação de idolatria, e espera recuperar novamente o reino de Israel, teve em todo esse espaço um dos seus filhos esse nome de Josias, na esperança de que essa profecia fosse cumprida por ele; que Manassés só deveria fazer isso, quem era o maior imitador da idolatria de Jeroboão entre todos os reis judeus, e de fato foi além deles; e não tinha mente para destruir em outro reino que ele propagou em seu próprio país. O que é mais livre que a escolha de um nome? Todavia, isto ele conheceu, e este Josias era filho de Manassés (2 Reis 21:26).
Havia algo mais voluntário do que o Faraó honrar o mordomo, restaurando-o ao seu lugar, e punir o padeiro, pendurando-o em uma forca? Contudo isto foi predito (Gên 40: 8). E não foram todos os atos voluntários de homens, que eram o meio do avanço de José, pré-conhecidos por Deus, bem como a sua exaltação, que era o fim que ele visava por esses meios? Muitos destes podem ser considerados. Todos os atos livres do homem podem superar a capacidade infinita da Divina compreensão? Se Deus escolhe uma ação voluntária no homem tão contingente quanto qualquer outra, e situada entre um vasto número de outros projetos e resoluções, tanto antecedentes como subsequentes, por que ele não deveria conhecer toda a massa de pensamentos e ações dos homens, e penetrar em tudo o que a liberdade da vontade do homem pode efetuar? Por que ele não deveria conhecer cada grão, assim como aquele que está no meio de muitos do mesmo tipo? E desde que as Escrituras dão um relato tão grande de contingências, preditas por Deus, nenhum homem pode certamente provar que qualquer coisa é desconhecida para ele. É tão razoável pensar que ele conhece todas as contingências, que ele conhece algumas que ele tanto escondeu do olho de qualquer criatura, desde que não há mais dificuldade para uma compreensão infinita de conhecer tudo, do que conhecer algumas. De fato, se nós negamos a presciência de Deus das ações voluntárias dos homens, devemos nos afastar da crença das previsões das Escrituras de que ainda permanecem inacabadas, e serão trazidas pelos compromissos voluntários dos homens, como a ruína do anticristo, etc. Se Deus não conhece os movimentos secretos da vontade do homem, como ele pode predizê-los? Se nós o tirarmos dessa perfeição da presciência, por que acreditamos em uma palavra das previsões das Escrituras? Todo o crédito da Palavra de Deus é rasgado pelas raízes. Se Deus fosse incerto de tal eventos, como podemos reconciliar a declaração de Deus deles para a sua verdade; e ele exigindo nossa crença deles para sua bondade? Teria sido bom e justo em Deus para nos levar à crença de que ele estava incerto de si mesmo, como ele poderia ser verdadeiro em predizer coisas que ele não tinha certeza? Ou bom, ao exigir que o crédito seja dado àquilo que pode ser falso? Isso seguiria necessariamente, se Deus não pré-conheceu os movimentos da vontade dos homens, por meio dos quais muitas de suas predições foram cumpridas, e algumas ainda estão por serem cumpridas.
(2) Deus antecipa os movimentos voluntários e pecaminosos das vontades dos homens. Primeiro, Deus havia predito vários deles. Não foram todos os minutos pecaminosos circunstâncias sobre a morte do nosso abençoado Redentor, como o perfurante, dando-lhe fel para beber, predito, assim como o não quebrar de seus ossos e as sortes lançadas sobre sua veste? Quais eram essas, senão as ações livres dos homens, o que eles fizeram de bom grado sem qualquer restrição? E aqueles preditos por Davi, Isaías e outros profetas; alguns acima de mil, uns oitocentos e outros mais alguns anos antes que eles acontecessem; e os eventos pontualmente responderam às profecias. Muitos atos pecaminosos dos homens, que dependiam de seu livre arbítrio, foram preditos. A opressão voluntária dos egípcios a Israel (Gên 15:13); Faraó está endurecendo seu coração contra a voz de Moisés (Êxodo 3:19); que a mensagem de Isaías seria em vão para o povo (Is 6: 9); que os israelitas seriam rebeldes após a morte de Moisés e tornar-se-iam idólatras (Deuteronômio 31:16); Judas seria traidor de nosso Salvador, numa ação voluntária (João 6. 71); ele não foi forçado para fazer o que ele fez, pois ele tinha algum tipo de arrependimento por isso; mas a voluntariedade cai sob o remorso.
Em segundo lugar, sua verdade dependia dessa previsão. Vamos considerar que em Gênesis 15:16, “Mas na quarta geração eles voltarão para cá”, isto é, a posteridade de Abraão entrará em Canaã, pois a iniquidade dos amorreus ainda não estava completa. Deus faz uma promessa a Abraão, de dar à sua posteridade a terra de Canaã, não no presente, mas na quarta geração; se a verdade de Deus infalível no desempenho de sua promessa, seu entendimento é tão infalível na previsão do pecado dos amorreus; a plenitude da sua iniquidade precederia a posse dos israelitas. A verdade de Deus dependia de uma incerteza? Ele fez a mão da promessa sobre a cabeça (como dizemos)? Como poderia ele, com qualquer sabedoria e verdade, assegurar Israel da posse da terra na quarta geração, se ele não tivesse certeza de que os amorreus iriam preencher a medida de suas iniquidades naquele tempo? Se Abraão tivesse sido um sociniano, negaria o conhecimento de Deus dos atos livres dos homens, se ele não fosse uma boa desculpa para a incredulidade? Qual teria sido sua resposta para Deus? Ai, Senhor, esta não é uma promessa a ser confiada, a iniquidade dos amorreus depende dos atos de seu livre arbítrio, e você pode ter nenhum conhecimento disso; tu não podes ver mais do que a probabilidade de

Publicado no site: O Melhor da Web em 05/12/2018
Código do Texto: 138788
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.