Espaço Literário

O Melhor da Web

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
kuryos - Silvio Dutra
Silvio Dutra
Cadastrado desde: 29/08/2012

Texto mais recente: Sabedoria e Poder na Criação



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
O Conhecimento de Deus – P1
05/12/2018
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
O Conhecimento de Deus – P1



Saber como é que Deus conhece todas as coisas faz parte do nosso conhecimento do próprio Deus, porque está intimamente ligado à sua essência divina tanto o conhecimento quanto a sabedoria que ele possui.
Se é assim, como de fato é, então é totalmente vital para o nosso próprio benefício e interesse quanto ao bem-estar eterno de nossas almas, que busquemos este conhecimento, porque conforme declarado nas Escrituras, a nossa justificação que nos dá acesso à vida eterna é por meio do nosso conhecimento de Deus Pai e de Jesus Cristo.
“Ele verá o fruto do penoso trabalho de sua alma e ficará satisfeito; o meu Servo, o Justo, com o seu conhecimento, justificará a muitos, porque as iniquidades deles levará sobre si.” (Isaías 53.11).
“1 Tendo Jesus falado estas coisas, levantou os olhos ao céu e disse: Pai, é chegada a hora; glorifica a teu Filho, para que o Filho te glorifique a ti,
2 assim como lhe conferiste autoridade sobre toda a carne, a fim de que ele conceda a vida eterna a todos os que lhe deste.
3 E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” (João 17.1-3).
O conhecimento aqui referido em ambas passagens da Bíblia é o conhecimento pessoal, real, espiritual de Jesus Cristo, por uma relação íntima com ele, pela revelação que é feita pelo Espírito Santo e que nos conduz à justificação e conversão.
Não se trata, portanto, de conhecimento nocional, de algo que seja adquirido por mera leitura ou por se ouvir falar de, ainda que a pesquisa e audição da Palavra seja muito importante para nos conduzir ao conhecimento do Deus verdadeiro.
O apóstolo João apresenta uma forma simples para reconhecermos se conhecemos de fato o Senhor:
“3 Ora, sabemos que o temos conhecido por isto: se guardamos os seus mandamentos.
4 Aquele que diz: Eu o conheço e não guarda os seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade.”    (I João 2.3,4).
O conhecimento que produz o novo nascimento do crente leva-o a amar a Jesus, e este amor é evidenciado pelo seu desejo de santificar-se agradando-o em tudo, e isto se faz por guardar os Seus mandamentos. Onde falta isto, o apóstolo afirma que há autoengano quanto ao conhecimento real de Deus.
Mas como Deus é infinito, não podemos almejar ter aqui neste mundo um conhecimento infinito e perfeito da Sua pessoa divina. Isto é impossível. Mas, por ser infinito somos chamados a ter um conhecimento pleno, ou seja, cheio, e não superficial, de quem Ele seja de fato, e de como opera por seus atributos, de modo que ajustemos o nosso pensamento e comportamento a isto. (Romanos 3.20, Efésios 1.17,18; 4.13; Filipenses 1.9,10; Colossenses 1.9,10; I Timóteo 2.3,4; Tito 1.1; Hebreus 10.26; II Pedro 1.1-8).
Nosso Senhor Jesus Cristo também deixou muito claro para nós, em seu ensino, que ninguém que permaneça num comportamento mundano e amando o mundo, não pode receber a habitação do Espírito Santo, e nem tampouco a manifestação do Pai e do Filho em sua vida.
A razão disto é que os que chegam ao conhecimento de Deus por crerem em Cristo não são mais do mundo, apesar de ainda permanecerem no mundo. A mente deles é renovada para conhecerem a vontade de Deus, e eles não tomam mais a forma do mundo para ser o padrão do seu procedimento. Estas verdades podem ser vistas em muitos textos bíblicos, mas especialmente nos seguintes:
“16 E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco,
17 o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece; vós o conheceis, porque ele habita convosco e estará em vós.
18 Não vos deixarei órfãos, voltarei para vós outros.
19 Ainda por um pouco, e o mundo não me verá mais; vós, porém, me vereis; porque eu vivo, vós também vivereis.
20 Naquele dia, vós conhecereis que eu estou em meu Pai, e vós, em mim, e eu, em vós.
21 Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele.
22 Disse-lhe Judas, não o Iscariotes: Donde procede, Senhor, que estás para manifestar-te a nós e não ao mundo?
23 Respondeu Jesus: Se alguém me ama, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada.
24 Quem não me ama não guarda as minhas palavras; e a palavra que estais ouvindo não é minha, mas do Pai, que me enviou.” (João 14.16-24).
“18 Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, me odiou a mim.
19 Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; como, todavia, não sois do mundo, pelo contrário, dele vos escolhi, por isso, o mundo vos odeia.
20 Lembrai-vos da palavra que eu vos disse: não é o servo maior do que seu Senhor. Se me perseguiram a mim, também perseguirão a vós outros; se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa.
21 Tudo isto, porém, vos farão por causa do meu nome, porquanto não conhecem aquele que me enviou.” (João 18.15-21).
“1 Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.
2 E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.” (Romanos 12.1,2).
Qual a razão de tudo isto, senão que sendo Deus puro espírito, somente pode ser conhecido espiritualmente, e isto não será possível se temos apenas uma mente natural, carnal, mundana, ligada às coisas visíveis do mundo e não àquelas que são espirituais, celestiais e divinas, que nos são comunicadas pela habitação do Espírito Santo, e conforme as palavras de Jesus, até mesmo do Pai e do Filho (João 14.23).
E não se pense que haja qualquer dificuldade que o crente tenha também a morada do Pai e do Filho em si, porque isto é possível pelo fato de tanto o Pai e o Filho, assim como o Espírito Santo, terem o atributo da onipresença. Jesus, apesar de ter um corpo glorificado no céu, pode estar em espírito onde quer que lhe agrade, sem deixar de estar também em espírito em seu corpo glorificado no céu. Ele apareceu a Paulo não somente na visão em que ele caiu do cavalo em cegueira, como também quando lhe ensinou pessoalmente o evangelho. Ele não estará em corpo na terra até a Sua segunda vinda, mas nada impede que esteja em espírito.
Assim, podemos adquirir o conhecimento verdadeiro de Deus, ajustando-nos ao modo como ele próprio conhece todas as coisas.
Vejamos então a seguir, verdades relativas ao conhecimento que há no próprio Deus, destacando também para este propósito citações de Stephen Charnock que traduzimos sobre este assunto e que traduzimos pioneiramente para    língua portuguesa.
“Grande é o Senhor nosso e mui poderoso; o seu entendimento não se pode medir.”    (Salmo 147.5)
É incerto quem foi o autor deste salmo, e quando foi escrito; alguns pensam que foi depois do retorno do cativeiro babilônico.
É um salmo de louvor e é feito de louvor desde o princípio até o fim: os benefícios de Deus para a igreja, sua providência sobre suas criaturas e a excelência essencial de sua natureza.
O salmista duplica sua exortação para louvar a Deus (ver. 1): "Louvai o Senhor louve ao nosso Deus" para louvá-lo por seu domínio como "Senhor", da sua graça e como "nosso Deus", da excelência do próprio dever, "é bom, é gracioso:" alguns interpretam, que é agradável, adorável ou desejável, das várias derivações da palavra. Nada encanta tanto uma alma graciosa como uma oportunidade de celebrar as perfeições e a bondade do Criador. Os deveres mais elevados que uma criatura pode render ao Criador são agradáveis e deleitáveis em si mesmos.
O louvor é um dever que afeta toda a alma. O louvor a Deus é uma coisa decente; a excelência da natureza de Deus merece isso, e os benefícios da graça de Deus exigem isso. É agradável quando feito como deveria ser, com o coração, bem como com a voz; um pecador canta mal, embora sua voz seja boa; a alma nele deve ser elevada acima das coisas terrenas.
Um motivo para o louvor é o fato de Deus erigir e preservar sua igreja (ver. 2): “O SENHOR edifica Jerusalém e congrega os dispersos de Israel.” Os muros da Jerusalém demolida são agora reedificados; Deus trouxe de volta a Judá do cativeiro, e libertou seu povo do seu exílio babilônico e os que foram dispersos em regiões estrangeiras, ele restaurou ao seu território.
Ou então, pode ser profético do chamado dos gentios e da reunião dos excluídos do Israel espiritual, que estavam antes sem Deus no mundo e estranhos ao pacto da promessa. Que Deus seja louvado, mas especialmente por edificar a sua igreja, e reunir os gentios, antes contados como dispersos (Is 11:12); ele os reúne neste mundo para a fé e depois para a glória.
Obs. 1. Dos dois primeiros versos, observe: 1. Todas as pessoas estão sob o cuidado de Deus; mas ele tem uma consideração particular à sua igreja. Isto é um sinete na mão, como uma pulseira no braço; este é o seu jardim que ele se deleita em visitar; se ele o podar, é para purificá-lo; se ele arar a sua videira, e limpar os ramos, é para torná-la bonita com novos cachos e restaurá-la a um vigor frutífero.
2. Todas as grandes libertações devem ser atribuídas a Deus, como o principal Autor, quem quer que sejam os instrumentos.
O Senhor constrói Jerusalém, ele reúne os excluídos de Israel. Esta grande libertação da Babilônia não deve ser atribuída a Ciro ou Dario, ou ao resto de nossos favorecedores; é o Senhor quem faz isso; nós tínhamos a promessa dele, agora temos a realização dela. Não vamos atribuir o que é o efeito de sua verdade, somente para a boa vontade dos homens; é o ato de Deus, não por força, nem por poder, nem por armas de guerra, ou força de cavalos, mas pelo Espírito do Senhor. Ele enviou profetas para nos confortar enquanto éramos exilados; e agora ele estendeu o próprio braço para trabalhar libertação de acordo com sua palavra. O cego olha tanto para instrumentos, que ele dificilmente toma conhecimento de Deus, seja em aflições ou misericórdias, e esta é a causa que rouba a Deus tantas orações e louvores no mundo. (ver. 3). "Ele cura os quebrantados de coração, e liga as suas feridas.” Ele agora restaurou aqueles que não tinham esperança senão em sua palavra; ele lidou com eles como um terno e hábil    cirurgião; ele aplicou seus curativos e seus bálsamos soberanos; ele agora forneceu nossos corações desmaiados com refrescantes consolos, e confortou nossas feridas com o fortalecimento de ligaduras. Quão gracioso é Deus, que restaura a liberdade aos cativos, e faz justiça ao penitente! A miséria do homem é a oportunidade mais adequada para Deus tornar sua misericórdia ilustre em si mesma.
Ele prossegue (ver. 4), não admira que Deus chame os excluídos, e os destaque de todos os cantos por um retorno; por que ele não pode fazer isso, assim como dizer o número das estrelas e chamá-las todas pelos seus nomes? Não há nenhum de seu povo tão desprezível aos olhos do homem, mas tão conhecido e considerado por Deus; apesar de serem nebulosos no mundo, ainda assim são as estrelas do mundo; e Deus numerará as estrelas inanimadas nos céus, e não dará conta de suas estrelas vivas na terra?
Não, onde quer que estejam dispersos, ele não os esquecerá; por mais que estejam aflitos, ele não os desprezará; as estrelas são tão numerosas, que são incontáveis pelo homem; algumas são visíveis e conhecidas pelos homens; outras estão mais escondidas e não descobertas; o homem não pode vê-las distintamente.
Deus conhece todo o seu povo. Como ele pode fazer o que é acima do poder do homem de realizar, então ele entende o que está acima da habilidade do homem de descobrir; e o homem deve medir Deus por sua escassez? O homem orgulhoso não deve se igualar a Deus, nem tentar medir Deus tão curtamente com sua própria régua.
Deus conta todas as estrelas e as chama pelos seus nomes. Ele tem todos elas em sua lista, como generais os nomes de seus soldados em sua lista, pois elas são seus exércitos, que ele organiza nos céus, como em Isaías 40:26, onde você tem a expressão semelhante; ele os conhece mais distintamente que o homem pode conhecer qualquer coisa, e tão distintamente, como chamar “todos eles pelos seus nomes”. Ele sabe seus nomes, isto é, seus ofícios naturais, influencia nos diferentes graus de calor e luz, sua ordem e movimento; e todos eles, a estrela menos cintilante, assim como o planeta mais gritante: isso, o homem não pode fazer; “Olha para os céus e conta as estrelas, se é que o podes. E lhe disse: Será assim a tua posteridade.” (Gênesis 15: 5), diz Deus a Abraão, a quem Josefo representa como um grande astrônomo: "E não podem ser contados" (Jeremias 33:22)
Agora Aquele que numera e nomeia as estrelas pode com precisão conhecer o seu povo, e conhece aqueles que são aptos para serem instrumentos de sua libertação.
"Grande é o Senhor nosso e mui poderoso; o seu entendimento não se pode medir.” (ver. 5). Ele não tem falta de conhecimento para conhecer os objetos, nem de poder para afetar sua vontade concernente a eles. De grande poder, יבכוח . Muito poder, abundante em poder; então a palavra רב , é processada (ver. 5), יבחרד, a multidão de poder, bem como uma multidão de misericórdia; um poder que excede todo o poder e entendimento criados. Sua compreensão é infinita. Você pode não imaginar, como ele pode chamar todas as estrelas pelo nome, a multidão do ser visível tão grande, e a multidão do invisível sendo maior; mas você deve saber que, como Deus é Todo-Poderoso, ele é onisciente; e como não há fim de seu poder, então não se pode dar conta exatamente de sua compreensão; sua compreensão é infinita. איוממפד. Sua essência é infinita, e assim é o seu poder e compreensão; e tão vasto é o seu conhecimento, que não podemos compreender, mais do que podemos medir espaços sem limites, ou contar os minutos ou horas da eternidade. Quem, então, pode imaginar que não existe um número, mas que excede a todos, de modo que não há busca dele? Ele conhece as coisas universais, conhece as particulares: não devemos conceber compreensão aqui, como sendo apenas uma faculdade, mas o uso do entendimento no conhecimento das coisas, e o julgamento, תגינח , na consideração delas, e assim é frequentemente usado.
Deus, apesar de ser invisível, manifesta a Sua realidade e o Seu grande poder, em continuar salvando os que sãos Seus, especialmente nestes dias em que vivemos no século XXI, cheios de entretenimentos e todo o tipo de atividades para fazer com que os homens se ocupem somente das coisas que são do tempo e visíveis e que se tornem distraídos ou desinteressados nos assuntos espirituais relativos ao destino eterno de suas almas.
Torcedores fanáticos de futebol e de outros tipos de esporte são encontrados por todas as partes da Terra; jogos virtuais, TV, Internet, shows musicais, shoppings, turismo e muitas outras atividades ocupam as mentes dos homens, e pouco ou nenhum espaço é deixado para assuntos espirituais.
E ainda assim, Deus continua salvando pelo evangelho pessoas em todas as partes do mundo, até mesmo em países em que a pregação e ensino do evangelho são proibidos.
Nada impedirá que o número de eleitos salvos seja completado até o dia da volta de Jesus, assim como a forte oposição que foi feita ao apóstolo Paulo não impediu a conversão dos gentios.
“5 Quando Silas e Timóteo desceram da Macedônia, Paulo se entregou totalmente à palavra, testemunhando aos judeus que o Cristo é Jesus.
6 Opondo-se eles e blasfemando, sacudiu Paulo as vestes e disse-lhes: Sobre a vossa cabeça, o vosso sangue! Eu dele estou limpo e, desde agora, vou para os gentios.
7 Saindo dali, entrou na casa de um homem chamado Tício Justo, que era temente a Deus; a casa era contígua à sinagoga.
8 Mas Crispo, o principal da sinagoga, creu no Senhor, com toda a sua casa; também muitos dos coríntios, ouvindo, criam e eram batizados.
9 Teve Paulo durante a noite uma visão em que o Senhor lhe disse: Não temas; pelo contrário, fala e não te cales;
10 porquanto eu estou contigo, e ninguém ousará fazer-te mal, pois tenho muito povo nesta cidade.” (Atos 18.5-10).
Como foi no passado, continua sendo no presente, Deus não necessita de circunstâncias favoráveis para se tornar conhecido daqueles que estão destinados para a salvação, e assim, ainda que em meio a todas as coisas que se levantam para afastar as mentes das pessoas do evangelho, Ele sempre encontrará um meio, pelo seu próprio poder, para alcançá-las, sem necessidade de fazer ajustes estratégicos para isto, pois desde toda a eternidade já contemplou as condições de cada geração, e já dispôs todos os meios necessários para que o Seu propósito não seja frustrado quanto à salvação dos que tem dado a Cristo para serem salvos.
No Salmo 147.5 há uma descrição de Deus.
1. Em sua essência, “grande é nosso Senhor”.
2. Em seu poder de “grande poder”.
3. Em seu conhecimento, “seu entendimento é infinito”: sua compreensão é seu olho, e seu poder é seu braço.
Deus tem um conhecimento e entendimento infinitos. Todo conhecimento por Onipresença, que antes de falarmos, respeita à sua essência; a onisciência respeita à sua compreensão, de acordo com nossa maneira de conceber. Isso está claro nas Escrituras; daí Deus ser chamado um Deus do conhecimento (1 Sam 2: 3), "o Senhor é um Deus de conhecimento",    conhecimentos, no plural, de todos os tipos de conhecimentos; é falado ali para suprimir o orgulho do homem em sua própria razão e partes; o que é o conhecimento do homem, senão uma faísca para o todo elemento de fogo, um grão de poeira, e pior do que nada, em comparação com o conhecimento de Deus, como sua essência é em comparação com a essência de Deus?
Deus tem todo tipo de conhecimento. Ele sabe o que os anjos sabem, o que o homem sabe e infinitamente mais; ele conhece a si mesmo, suas próprias operações, todas as suas criaturas, as noções e pensamentos deles; ele entende acima do entendimento.
Os nomes de Deus significam uma natureza, que vê e penetra todas as coisas; e a atribuição de nossos sentidos a Deus nas Escrituras, como ouvir e ver, que são os sentidos pelos quais o conhecimento entra em nós, significam o conhecimento de Deus.
A noção do conhecimento de Deus sobre todas as coisas está acima das ruínas da natureza; não foi obliterado pela queda do homem. Ao ofensor era necessário saber que ele tinha um Criador que ele havia ofendido, que ele tinha um juiz para puni-lo; desde que Deus achava adequado manter o mundo, não teria sido mantido em nenhum propósito, se essa noção não tivesse continuado viva nas mentes dos homens; não teria havido nenhuma prática de suas leis, nenhuma barreira para o pior dos crimes. Se os homens tivessem pensado que tinham que lidar com uma Deidade ignorante, não poderia haver prática de religião.
Para melhor compreensão disto, nós iremos perguntar:
I. Que tipo de conhecimento ou entendimento existe em Deus.
II. O que Deus sabe.
III Como Deus conhece as coisas.
IV. A prova de que Deus conhece todas as coisas.
I. Que tipo de entendimento ou conhecimento existe em Deus. O conhecimento de Deus nas Escrituras tem vários nomes, de acordo com as várias relações ou objetos dela: em relação às coisas presentes, é chamado conhecimento ou visão; em relação às coisas passadas, lembrança; no que diz respeito às coisas futuras, chama-se presciência (1 Pe 1: 2); em relação à universalidade dos objetos, é chamado onisciência; no que diz respeito à simples compreensão das coisas, chama-se conhecimento; em relação à atuação e os modos de agir, chama-se sabedoria e prudência (Ef 1: 8). Ele deve ter conhecimento, caso contrário ele não poderia ser sábio; a sabedoria é a flor do conhecimento e o conhecimento é a raiz da sabedoria. Quanto ao que é esse conhecimento, se sabemos o que é conhecimento no homem, podemos apreender o que é em Deus, removendo toda imperfeição, e atribuindo-lhe a mais eminente forma de compreensão; porque não podemos compreender a Deus, senão como ele se agrada de condescender a nós em seus próprios caminhos de descoberta, isto é, e de algum modo de semelhança com suas criaturas mais perfeitas, portanto temos uma noção de Deus por sua compreensão e vontade; compreensão, em que ele concebe e apreende coisas; e vontade, em que ele se estende em agir de acordo com sua sabedoria, e pela qual ele aprova ou desaprova; no entanto, não devemos medir sua compreensão por nossa própria opinião ou pensar que ela seja de um temperamento tão grosseiro como uma mente criada; que ele tem olhos de carne, ou vê ou sabe como o homem vê (Jó 10: 4).
Nós não podemos medir seu conhecimento mais do que podemos medir sua essência por nossa essência. Como ele tem uma essência incompreensível, qual é a nossa, senão como uma gota de um balde, então ele tem um conhecimento incompreensível, ao qual o nosso é apenas como um grão de poeira, ou mera escuridão: seus pensamentos estão acima dos nossos pensamentos, como os céus estão acima da terra. O conhecimento de Deus é dividido entre as escolas e reconhecido por todos os teólogos.
1. Um conhecimento visionis et simplicis intelligentiæ; aquele que podemos chamar de visão, o outro, entendimento; o primeiro se refere ao sentido, o outro à mente.
(1.) Conhecimento da visão. Assim, Deus conhece a si mesmo e todas as coisas que realmente foram, são ou estarão no tempo; todas aquelas coisas que ele decretou serem, embora elas ainda não tenham realmente surgido no mundo, mas repousam em suas causas.
(2) Um conhecimento de inteligência ou simples compreensão. O objetivo disso não são as coisas que estão sendo, ou que devem ser por qualquer decreto de Deus jamais existirá no mundo, mas coisas que podem ser feitas pelo poder de Deus, embora nunca sejam em ser, mas permanecem para sempre na escuridão e nada. Este também é um conhecimento necessário a ser permitido porque o objeto desse conhecimento é necessário. A possibilidade de mais criaturas do que nunca foram ou serão, é uma conclusão que tem uma verdade necessária nela; como é necessário que o poder de Deus possa produzir mais criaturas, embora não seja necessário que deveria produzir mais criaturas, então é necessário que tudo o que o poder de Deus possa operar seja possível. E como Deus sabe essa possibilidade, então ele conhece todos os objetos que são possíveis; e aqui consiste muito a infinidade de seu conhecimento, como deve ser mostrado no momento.
Esses dois tipos de conhecimento diferem; o da visão, é das coisas que Deus decretou ser, embora elas ainda não são; o da inteligência é de coisas que nunca serão; ainda assim eles podem ser, ou podem ser, se Deus quiser e ordenar seu ser; um respeita às coisas que devem ser, o outro, às coisas que podem ser, e não são repugnantes à natureza de Deus de ser. O    conhecimento da visão segue o ato da vontade de Deus, e supõe um ato da vontade de Deus antes, decretando que as coisas sejam.
Mas o conhecimento da inteligência permanece sem qualquer ato de sua vontade, para o ser daquelas coisas que ele conhece; ele conhece as coisas possíveis apenas em seu poder; ele conhece outras coisas tanto em seu poder quanto capazes de realizá-las, e em sua vontade, como determinando o ser delas; tal conhecimento devemos conceder para estar em Deus, pois existe tal tipo de conhecimento no homem; porque o homem não costuma conhecer e ver o que está diante de seus olhos neste mundo, mas ele pode ter uma concepção de muito mais mundos, e muitos mais criaturas, que ele sabe que são possíveis para o poder de Deus.
2. Existe um conhecimento especulativo e prático em Deus.
(1.) Um conhecimento especulativo é, quando a verdade de uma coisa é conhecida sem respeito a qualquer trabalho ou operação prática. O conhecimento das coisas possíveis é em Deus apenas especulativo, e alguns dizem que o conhecimento de Deus sobre si mesmo é apenas especulativo, porque não há nada para Deus trabalhar em si mesmo: e embora ele mesmo conheça a si mesmo, esse conhecimento de si mesmo não termina aí, mas floresce em amor a si mesmo e deleita-se consigo mesmo; ainda este amor de si mesmo, e deleite em si mesmo, não é suficiente para torná-lo um conhecimento prático, porque é natural, e naturalmente e necessariamente flui do conhecimento de si mesmo e de sua própria bondade: ele não pode deixar de amar a si mesmo e deleitar-se em si mesmo, no conhecimento de si mesmo.
Mas o que é propriamente a prática, é onde há um domínio sobre a ação, e é feito não naturalmente e necessariamente, mas em um caminho de liberdade e conselho. Como quando vemos uma linda flor ou outra coisa, surge um prazer na mente; isso nenhum homem vai chamar de prática, porque é uma afeição natural da vontade, decorrente da virtude do objeto, sem qualquer consideração de compreender de uma maneira prática, aconselhando, comandando, etc.
(2). Um conhecimento prático: que tende a funcionar na prática, e é o princípio de trabalhar sobre coisas que são conhecidas; como o conhecimento que um artífice tem em uma arte ou mistério. Este conhecimento está em Deus: o conhecimento que ele tem das coisas que ele decretou é um tipo de conhecimento; pois termina no ato de criação, que não é um ato natural e necessário, como o amor a si mesmo, e deleitar-se em si mesmo, mas totalmente livre: pois estava à sua liberdade se ele iria criá-los ou não; isso é chamado de discrição (Jeremias 10:12): “Ele estendeu os céus por sua discrição”.
Tal é também o seu conhecimento das coisas que ele criou e que estão em ser, pois termina no governo delas para os seus próprios fins gloriosos. É por este conhecimento que “Pelo seu conhecimento os abismos se rompem, e as nuvens destilam orvalho.” (Provérbios 3:20). Isto é um conhecimento pelo qual ele conhece a essência, qualidades e propriedades daquilo que ele cria e governa para a sua própria glória, e o bem comum do mundo sobre o qual ele preside; de modo que o conhecimento especulativo é o conhecimento de Deus sobre si mesmo e sobre as coisas possíveis.
O conhecimento prático é o conhecimento de suas criaturas e coisas governáveis; ainda que de alguma forma este conhecimento prático não seja apenas de coisas que são feitas, mas de coisas que são possíveis, que Deus pode fazer, embora ele não o faça, pois como ele sabe que elas podem ser criadas, então ele sabe como elas devem ser criadas, e como ser governadas, embora ele nunca as crie. Esta é um conhecimento prático para aquilo que não é requisito para constituir um conhecimento prático, realmente para agir, senão que o conhecimento em si exista.
3. Há um conhecimento de aprovação, bem como apreensão. Isto a Escritura frequentemente menciona. Palavras de entendimento são usadas para significar os atos de afeição. Esse conhecimento contribui para o simples ato de entender, a complacência e o prazer da vontade, e é impropriamente conhecimento, porque pertence à vontade, e não ao entendimento; só que é radicalmente na compreensão, porque afeição implica conhecimento: os homens não podem aprovar aquilo que ignoram. Assim, o conhecimento é tomado (Amós 3: 2): “De todas as famílias da terra, somente a vós outros vos escolhi”; e (2 Timóteo 2:19), "O Senhor sabe quem são os seus", isto é, ele os ama; ele não apenas os conhece, mas os reconhece por conta própria. Ele observa, não apenas um entendimento exato, mas há um cuidar deles; e assim é para ser entendido (Gên 1.), "Deus viu tudo o que ele tinha feito, e eis que era muito bom", isto é, ele viu isso com um olho de aprovação, bem como apreensão. Isto é fundamentado no conhecimento da visão de Deus, a visão das suas criaturas; porque Deus não ama nem se deleita em nada a não ser o que realmente está sendo, ou o que ele decretou trazer à existência. Em    contrário, também, quando Deus não aprova, é dito que ele não conhece (Mt 25:12), “eu não o conheço”, e (Mt 7:23), “eu nunca vos conheci.”, ou seja, ele não aprova suas obras. Não é uma ignorância de compreensão, mas uma ignorância da vontade; porquanto ele diz que    nunca os conhecia, ele testifica que os conheceu, ao apresentar a razão de sua desaprovação, porque conhece todas as suas obras: assim os conhece e não os conhece de maneira diferente: conhece-os para entendê-los, mas não o faz conhecê-los, de modo a amá-los. Devemos, então, atribuir um conhecimento universal a Deus. Se negamos a ele um conhecimento especulativo, ou conhecimento de inteligência, nós destruímos a Deidade dele, nós o fazemos ignorante do próprio poder dele: se nós lhe negamos conhecimento prático, nós negamos ser suas criaturas; pois, como suas criaturas, somos os frutos disso, sua discrição, descoberta na criação: se negarmos seu conhecimento da visão, nós negamos o seu domínio governante. Como pode exercer um domínio soberano e incontrolável, aquele que é ignorante da natureza e qualidades das coisas que ele deve governar? Se ele não tivesse conhecimento, não poderia fazer nenhuma revelação; aquele que não conhece não pode ditar; poderíamos então não ter as Escrituras. Negar o conhecimento de Deus é eliminar a Escritura e demolir a Deidade.
Deus é descrito em Zacarias 3: 9, “com sete olhos”, para mostrar seu perfeito conhecimento de todas as coisas, todas as ocorrências no mundo; e os querubins, ou seja o que for que se queira dizer pelas asas, são descritos como cheios de olhos, tanto “diante quanto atrás” (Ezequiel 1:18), ao redor deles; muito mais é Deus todo olho, todo ouvido, todo entendimento. O sol é uma imagem natural de Deus; se o sol tivesse um olho, veria; se isso tivesse entendimento, conheceria todas as coisas visíveis; veria o que brilha, e entenderia o que influencia, nas entranhas mais obscuras da terra. Deus supera sua criatura, o sol, em excelência e beleza, e não em luz e entendimento? Certamente mais do que o sol supera um átomo ou grão de poeira. Podemos ainda fazer alguma representação desse conhecimento de Deus por uma coisa inferior, uma imagem, que parece olhar para cada um, embora nunca haja uma multidão tão grande na sala onde ele está pendurado; ninguém pode olhar para ele, mas parece vê-lo em particular, e exatamente, como se não houvesse ninguém a não ser ele se os olhos estivessem fixos; e todo homem encontrasse o mesmo elenco: armação de arte uma coisa dessa natureza, e não o Deus da arte e todo conhecimento, muito mais na realidade do que na imaginação? Deus não terá uma capacidade muito maior de contemplar tudo no mundo, que é infinitamente menor para ele do que uma sala ampla para uma foto?
II. A segunda coisa, o que Deus sabe; e até onde chega o seu entendimento.
1. Deus conhece a si mesmo e só conhece a si mesmo. Este é o primeiro e original conhecimento, em que ele supera todas as criaturas. Nenhum homem conhece    exatamente a si mesmo; muito menos ele compreende a natureza plena de um espírito; muito menos ainda a natureza e perfeições de Deus; porque que proporção pode haver entre uma faculdade finita e um objeto infinito? Aqui consiste a infinitude do conhecimento de Deus, que ele conhece sua própria essência, que ele sabe o que é incognoscível para qualquer outra coisa. Não consiste tanto em conhecer as criaturas que ele fez, como em conhecer a si mesmo, que nunca foi feito. Não é tanto infinito, porque ele conhece todas as coisas que estão no mundo, ou o que será; ou coisas que ele pode fazer, porque o número delas é finito; mas porque ele tem um conhecimento perfeito e abrangente de suas próprias perfeições infinitas. Embora se diga que os anjos “veem a sua face” (Mateus 18:10), notas de visão, em vez de sua presença imediata, do que seu conhecimento exato; eles veem alguns sinais de sua presença e majestade, mais ilustrativamente e expresso do que nunca apareceu ao homem nesta vida; mas a essência de Deus é invisível para eles, escondida deles no lugar    secreto da eternidade; Ninguém conhece a Deus senão Ele próprio (1 Coríntios 2:11): “Porque qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o seu próprio espírito, que nele está? Assim, também as coisas de Deus, ninguém as conhece, senão o Espírito de Deus.”, isto é, conhece exatamente, compreende perfeitamente, como aqueles que têm os olhos em cada fenda, para ver o que está escondido ali; a busca da palavra nota não uma investigação, mas um conhecimento exato, como os homens têm de coisas em um escrutínio diligente como quando de Deus é dito procurar o coração, isso não significa uma ignorância precedente, mas um conhecimento exato dos cantos mais íntimos dos corações dos homens. Como as concepções dos homens são desconhecidas de qualquer um, exceto de si mesmos, também as profundezas da essência, perfeições e decretos divinos são desconhecido para qualquer um, senão para o próprio Deus; ele somente sabe o que é e o que sabe, o que pode fazer e o que decretou fazer.
Primeiro, se Deus não conhecesse a si mesmo, ele não seria perfeito. É a perfeição de uma criatura conhecer-se, muito mais uma perfeição pertencente a Deus. Se Deus não compreendesse a si mesmo, ele teria falta de uma perfeição infinita, e assim deixaria de ser Deus, por ser defeituoso naquilo que as criaturas intelectuais possuem em alguma medida. Como Deus é o ser mais perfeito, então ele deve ter mais perfeito entendimento: se ele não se entendesse, estaria sob a maior ignorância, porque ignoraria o objeto mais excelente. Ignorância é a imperfeição do entendimento; e a ignorância de si mesmo é uma imperfeição maior do que a ignorância das coisas exteriores. Se Deus conhecesse todas as coisas fora de si mesmo, e não conhecesse a si mesmo, ele não teria mais conhecimento perfeito, porque ele não teria o conhecimento do melhor dos objetos. Em segundo lugar, sem o conhecimento de si mesmo, ele não poderia ser abençoado. Nada pode ter qualquer complacência em si, sem conhecimento de si mesmo. Nada pode de maneira racional desfrutar de si, sem se compreender.
A bem-aventurança de Deus não consiste no conhecimento de qualquer coisa fora dele, mas no conhecimento de si mesmo e da sua própria excelência, como princípio de todas as coisas; se, portanto, ele não conhecesse perfeitamente a si mesmo e sua própria felicidade, ele não poderia desfrutar de uma felicidade; porque ser, e não saber ser, é como se algo não fosse. “Ele é Deus, abençoado para sempre” (Rom 9: 5) e, portanto, para sempre teria um conhecimento de si mesmo. Em terceiro lugar, sem o conhecimento de si mesmo, ele não poderia criar nada. Pois ele seria ignorante de seu próprio poder e sua própria capacidade; e aquele que não sabe até que ponto seu poder se estende, não poderia agir: se ele não se conhecesse, poderia não saber nada; e aquele que nada sabe, nada pode fazer; ele não poderia saber que um efeito era possível para ele, a menos que ele conhecesse o próprio poder como causa. Em quarto lugar, sem o conhecimento de si mesmo, ele não poderia governar nada. Ele não poderia, sem o conhecimento de sua própria santidade e justiça, prescrever leis aos homens, nem sem o conhecimento de sua própria natureza ordenar uma maneira de adoração adequada a ele. Toda a adoração deve ser congruente com a dignidade e a natureza do objeto adorado: ele deve, portanto, conhecer sua autoridade própria, segundo a qual a adoração deveria ser promulgada; sua própria excelência, para a qual o culto seria adequado; sua própria glória, para a qual a adoração deveria ser dirigida. Se ele não se conhecesse, não saberia o que punir, porque não saberia o que era contrário a si mesmo: não conhecendo a si mesmo, ele não saberia o que era um desprezo dele, e que adoração a ele; o que era digno de Deus, e o que era indigno dele. Em suma, ele não poderia conhecer outras coisas, a menos que ele conhecesse a si mesmo; a menos que ele conhecesse o próprio poder, ele não poderia saber como ele criou as coisas; a menos que ele conhecesse sua própria sabedoria, ele não poderia conhecer a beleza de suas obras; a menos que ele conhecesse sua própria glória, ele não poderia saber o fim de suas obras; a menos que ele conhecesse sua própria santidade, ele não poderia saber o que era o mal; e a menos que ele conhecesse sua própria justiça, ele não poderia saber como punir os crimes de suas criaturas ofensivas. E, portanto,
(1) Deus conhece a si mesmo, porque seu conhecimento, com sua vontade, é a causa de todas as outras coisas que podem cair sob o conhecimento dele.
Ele conhece a si mesmo primeiro, antes que ele possa conhecer qualquer outra coisa; isto é, primeiro de acordo com nossas concepções; pois, de fato, Deus conhece a si mesmo e todas as outras coisas ao mesmo tempo; ele é a primeira verdade e, portanto, é o primeiro objeto de seu próprio entendimento. Não há nada mais excelente que ele próprio e, portanto, nada mais conhecido do que ele próprio. Como ele é todo conhecimento, então ele tem em si o mais excelente objeto de conhecimento. Compreender é saber conhecer a si mesmo. Nenhum objeto é tão inteligível para Deus como Deus é para si mesmo, nem tão intimamente e imediatamente se uniu ao seu entendimento como ele mesmo; porque a sua compreensão é a sua essência.
(2) Ele conhece a si mesmo por sua própria essência. Ele não conhece a si mesmo e seu próprio poder pelo efeito, porque ele conhece a si mesmo na eternidade, antes que houvesse um mundo, ou algum, efeito de seu poder existente. Não é um conhecimento pela causa, porque Deus não tem causa; nem um conhecimento de si mesmo por qualquer espécie, ou qualquer coisa de fora: se fosse por algo de fora de si mesmo, deveria ser criado; se incriado, seria Deus; e assim deveríamos ou possuir muitos deuses, ou possuir, para ser sua essência, e portanto não distintos dele mesmo: se criado, então seu conhecimento de si mesmo dependeria de uma criatura: ele não poderia, então, se conhecer desde a eternidade, mas no tempo, porque nada pode ser criado desde a eternidade, senão no tempo. Deus não conhece a si mesmo por nenhuma faculdade, pois não há composição em Deus; ele não é feito de partes, mas é um ser simples: Deus tem todo o conhecimento de si mesmo e seu conhecimento de outras coisas.
(3) Deus, portanto, conhece a si mesmo perfeitamente, de forma abrangente. Nada em sua própria natureza está escondido dele; ele reflete tudo o que ele é. Existe uma compreensão positiva, então Deus não compreende a si mesmo; pois o que é compreendido tem limites, e o que é compreendido por si mesmo é finito para si mesmo; e há uma compreensão negativa - Deus compreende a si mesmo; nada em sua própria natureza é obscuro para ele, desconhecido por ele; pois há uma perfeição tão grande na compreensão de Deus para saber como existe na natureza divina para ser conhecida. A compreensão de Deus e a natureza de Deus são infinitas e tão iguais uma à outra: sua compreensão é igual a ele mesmo; ele se conhece tão bem, que nada pode ser conhecido por ele mais perfeitamente do que ele mesmo é conhecido por si mesmo. Ele conhece a si mesmo da maneira mais elevada, porque nada é tão proporcional à compreensão de Deus como ele mesmo. Ele conhece sua própria essência, bondade, poder; todas as suas perfeições, decretos, intenções, atos, a capacidade infinita de sua própria compreensão, de modo que nada de si mesmo está no escuro para si mesmo: e, a este respeito, alguns usam essa expressão, que a infinitude de Deus é de um modo finito para si mesmo, porque é compreendido por ele mesmo. Assim, Deus transcende todas as criaturas; assim sua o entendimento é verdadeiramente infinito, porque nada além dele mesmo é um objeto infinito para ele: o que os anjos podem entender de si mesmos perfeitamente eu não sei, mas nenhuma criatura no mundo se compreende. O homem não compreende totalmente a excelência e partes de sua própria natureza; sobre o conhecimento de Deus sobre si mesmo depende do conforto do seu povo e do terror dos ímpios: este é também um argumento claro porque, seu conhecimento de todas as outras coisas sem ele mesmo; aquele que conhece a si mesmo precisa conhecer todas as outras coisas menos que a si mesmo e que foram feitos por ele mesmo; quando o conhecimento de sua própria imensidão e infinitude não é um objeto muito difícil para ele, o conhecimento de uma criatura finita e limitada, em todas as suas ações, pensamentos, circunstâncias, não pode ser muito difícil para ele: já que ele conhece a si mesmo, que é infinito, ele não pode deixar de saber tudo o que é finito. Este é o fundamento de todos os seus outros conhecimentos; o conhecimento de tudo presente, passado e futuro é muito menos do que o conhecimento de si mesmo. Ele é mais incompreensível em sua própria natureza do que todas as coisas criadas, ou que podem ser criadas, juntas podem ser. Se ele, então, tiver um conhecimento abrangente e completo de sua própria natureza, qualquer conhecimento de todas as outras coisas é menor que o conhecimento de si mesmo; isso deve ser bem considerado por nós, como a fonte de onde todo o seu outro conhecimento flui.
2. Portanto, Deus conhece todas as outras coisas, sejam elas possíveis, passadas, presentes ou futuras; se são coisas que ele pode fazer, mas nunca fará, ou se são coisas que ele fez, mas não são agora; coisas que estão agora em ser, ou coisas que não são agora existentes, que estão no ventre de suas causas apropriadas e imediatas. Se a sua compreensão é infinita, ele então conhece todas as coisas, senão a sua compreensão teria limites, e o que tem limites não é infinito, mas finito. Se ele for ignorante de qualquer coisa que é cognoscível, que está ligado a ele, vem com uma exceção, mas, Deus sabe todas as coisas menos isto; uma base é então definida para o seu conhecimento. Se houvesse alguma coisa, qualquer circunstância particular em toda a criação ou não criação, e possível de ser conhecido por ele, e ainda fosse desconhecido para ele, dele não poderia ser dito ser onisciente; como ele não seria todo-poderoso se alguma coisa, que não implicasse repugnância à sua natureza, transcendesse seu poder.
Primeiro, todas as coisas possíveis. Não há dúvida de que Deus sabe o que ele poderia criar, bem como o que ele criou; o que ele não criaria, bem como o que ele resolveu criar; ele sabia o que não faria antes de querer fazê-lo; esta é a próxima coisa que declara a infinidade de sua compreensão; pois, como seu poder é infinito, e pode criar inumeráveis mundos e criaturas, assim é seu conhecimento infinito, em conhecer inúmeras coisas possíveis ao seu poder. Possíveis são infinitos; isto é, não há fim do que Deus pode fazer, e portanto, não há fim daquilo que Deus conhece; caso contrário, seu poder seria mais infinito do que seu conhecimento: se ele soubesse apenas o que é criado, haveria um fim de seu entendimento, porque todas as criaturas podem ser numeradas, mas as coisas possíveis não podem ser contadas por qualquer criatura. Há a mesma razão disso na eternidade; quando nunca tantos anos se esgotam, ainda há mais para vir, ainda quer um fim; e quando milhões de mundos são criados, não há mais um fim do poder de Deus do que da eternidade.
Assim, não há fim de seu entendimento; isto é, seu conhecimento não é terminado por nada. Disto a Escritura nos dá algumas contas: Deus sabe coisas que não são, "porque ele chama coisas que não são como se fossem" (Rom 4:17); ele chama coisas que não são, como se estivessem sendo; o que ele chama não é desconhecido para ele: se ele sabe coisas que não são, ele sabe coisas que nunca podem ser; como ele sabe as coisas que devem ser, porque ele as deseja, então ele sabe as coisas que podem ser, porque ele é capaz de realizá-las: ele sabia que os habitantes de Queila trairiam Davi a Saul se ele permanecesse naquele lugar (1 Samuel 23:11); ele sabia o que fariam nessa ocasião, embora nunca tenha sido feito; como ele sabia o que estava em seu poder e em suas vontades, então ele deve saber o que é dentro da bússola de seu próprio poder; como ele pode permitir mais do que ele permite, então ele sabe o que pode permitir, e o que, essa permissão seria feita por suas criaturas; então Deus sabia da possibilidade do arrependimento dos tírios, se eles tivessem ouvido as mesmas verdades, e visto os mesmos milagres que foram oferecidos aos ouvidos, e apresentados aos olhos dos judeus (Mat 11:21). Isso deve ser assim, porque:
1. O homem conhece as coisas que lhe são possíveis, embora nunca as realize. Um carpinteiro conhece uma casa no modelo que ele tem em sua cabeça, embora ele nunca construa uma casa de acordo com esse modelo. Um relojoeiro tem a moldura de um relógio em sua mente, que ele nunca irá trabalhar com seus instrumentos; o homem sabe o que pode fazer, embora nunca pretenda fazê-lo. Como a compreensão do homem tem uma virtude que, quando vê um homem, pode imaginar milhares de homens da mesma forma, estatura, forma, partes; sim, mais alto, mais vigoroso, alegre, inteligente, que o homem que ele vê; porque é possível que tal número possa ser. Não deve a compreensão de Deus muito mais saber o que ele é capaz de realizar, uma vez que a compreensão do homem pode saber o que ele nunca é capaz de produzir, mas pode ser produzido por Deus, que aquele que produziu esse homem que eu vejo, pode produzir mil exatamente como ele? Se o Divino entendimento não sabia coisas infinitas, mas estava confinado a um certo número, pode ser exigido se Deus pode entender qualquer coisa além desse número, ou se ele não pode? Se ele pode, então ele realmente entende todas as coisas que ele tem um poder de entender; caso contrário, haveria um aumento do conhecimento de Deus, se fosse realmente agora, e não antes, e assim ele seria mais perfeito do que era antes; se ele não pode entendê-los, então ele não pode entender o que uma mente humana pode compreender; pois nossos entendimentos podem multiplicar números em infinito; e não há um número tão grande, mas um homem ainda pode adicionar isto: devemos supor que o entendimento divino é mais excelente em conhecimento. Deus sabe tudo o que um homem pode imaginar, embora nunca criado, nem nunca serão; ele precisa saber o que quer que esteja no poder do homem para imaginar ou pensar, porque Deus concorda com o apoio da faculdade nessa imaginação; e embora possa ser respondido, um ateu pode imaginar que não há Deus, um homem pode imaginar que Deus possa mentir, ou que ele possa ser destruído; Deus sabe, portanto, que ele não é? Ou que ele pode mentir ou deixar de ser? Não, ele sabe que não pode; seu conhecimento se estende às coisas possíveis, não às coisas impossíveis para ele mesmo; ele sabe como imaginável pelo homem, não é possível em si mesmo; porque é absolutamente impossível, e repugnante à natureza de Deus, visto que ele contém em si tudo em si mesmo as coisas possíveis, passado, presente e por vir; ele não pode se conhecer sem conhecê-los.
2. Deus, conhecendo seu próprio poder, sabe tudo o que está em seu poder para efetuar. Se ele não conhece todas as coisas possíveis, ele não poderia saber a extensão de seu próprio poder, e assim não se conheceria, como uma causa suficiente para mais coisas do que ele criou. Como pode compreender a si mesmo, aquele que não compreende todos os efluxos das coisas possíveis que podem vir dele e ser feito por ele? Como ele pode se conhecer como uma causa, se ele não conhece os objetos e obras que ele é capaz de produzir? Desde que o poder de Deus se estende a inúmeras coisas, seu conhecimento também se estende a inúmeros objetos; como se uma unidade fosse, pudesse ver os números que ela poderia produzir.
Deus, conhecendo a fecundidade de sua própria virtude, conhece uma infinidade de coisas que ele pode fazer, mais do que foi feito, ou será feito por ele; ele conhece, portanto, inumeráveis mundos, inumeráveis anjos, com maiores perfeições, do que qualquer um daqueles que ele criou: de modo que, se o mundo durar muitos milhões de anos, Deus sabe que pode criar um dia a cada dia um mundo mais amplo que isso; e tendo criado um número inconcebível, ele sabe que ainda pode criar mais: para que ele veja mundos infinitos, infinitos números de homens e outras criaturas em si, infinitos tipos de coisas, infinitas espécies, e indivíduos sob esses tipos, até quantos ele puder criar, se a sua vontade ordenar e determinar; por não ser ignorante de seu próprio poder, ele não pode ser ignorante dos efeitos em que ele pode exibir e descobrir-se. Um conhecimento abrangente de seu próprio poder é necessariamente includente dos objetos desse poder; então ele sabe o que ele poderia fazer, e tudo o que ele pudesse permitir, se quisesse. E se Deus não poderia entender mais do que ele criou, ele não poderia criar mais do que ele criou: pois não pode ser concebido como ele pode criar qualquer coisa de que ele seja ignorante; o que ele não sabe, ele não pode fazer: ele deve saber também a extensão da sua própria bondade, e até que ponto qualquer coisa é capaz de participar dela: tantos quantos, portanto, quando diminuem o conhecimento de Deus, eles diminuem do seu poder.
Somente por estas reflexões introdutórias vemos quão falho é o ponto de partida dos naturalistas, especialmente de Charles Darwin, com sua teoria da evolução, em seu livro A Origem das Espécies. Desconhecendo este aspecto fundamental do atributo do conhecimento infinito de Deus, que traz nele próprio muitos outros mundos e coisas que Ele pode determinar criar ou não criar, além dos já existentes, então é restringir totalmente a divindade em Seu poder, quando se tenta por uma teoria explicar a origem das diferentes espécies que há na Terra, como tudo o que pudesse existir de formas de vida fosse apenas uma evolução a partir de um ancestral comum. Como que se tantas e variadas formas de vida fosse um mero desenvolvimento a partir de um protozoário.
Sabemos pelas Escrituras que virá um tempo em que este corpo de carne e sangue deixará de existir depois do Milênio. Deus transformará tanto os corpos dos crentes quanto dos ímpios em um novo corpo, diferente deste que possuímos. E onde isto se encaixa dentro da teoria da evolução de Darwin, que trata de coisas naturais?
Deus determinou que primeiro deve ser o natural, mas este natural será substituído pelo espiritual. E ainda que saibamos disto, e que seja verdadeiro, todavia, nosso conhecimento ainda permanece sendo parcial, pois não podemos afirmar o que virá depois disto. Somente Deus conhece dentro de Si mesmo todas as coisas que Ele ainda criará pela eternidade afora.
O sábio deste mundo, quando entra então neste território para explicar o por quê das coisas, como elas foram criadas e qual será o objetivo final da criação, ele simplesmente cai em ridículo, como têm caído todos aqueles que não creem em Deus da forma como convém ser crido e conhecido.
Se Darwin estivesse entre os anjos antes da criação dos céus e da terra, o que ele teria falado acerca da teoria da evolução? Nem os próprios anjos sabiam então o que era o sol, as estrelas, o universo, e todos os seres que Deus criou na Terra.
Pobre e miserável aquele que tenta explicar a criação no lugar de Deus, quando somente Ele conhece na eternidade, em si mesmo, tudo o que ainda trará à existência, ou transformará em relação à presente criação.
Somente o tolo e falto de entendimento quanto à natureza e excelência de Deus faz as perguntas: “Por que Deus criou? E como Ele criou? Para que propósito criou?”. Todas estas perguntas e outras de semelhante teor deixa de levar em consideração que Deus não é como o homem que passa a desejar criar ou obter algo a partir de dado momento. O que deveria ou que ainda será criado por Deus já se encontra em seu desejo e conhecimento desde toda a eternidade. Ele é perfeito em conhecimento e poder justamente por este fato de que tudo o que trará à existência já se encontra previsto nEle em Seu conselho eterno. Ele não chama as coisas à existência por um despertamento de vontade no tempo. Ele é Deus, e portanto, o que cria tanto nos tempos determinados, em suas diferentes essências e para diferentes propósitos, sempre segue a deliberação da Sua própria vontade, quanto a tudo que já se encontra determinado em Si mesmo. Por isso se diz que Ele conhece as coisas que serão como se elas já existissem. E isto se estende aos seus atos de governo, e tudo o mais que ele faz além da criação dos próprios seres vivos ou inanimados. Este conhecimento prévio, pode ser visto especialmente nas visões e revelações que fez aos profetas.
3. É ainda mais evidente que Deus conhece todas as coisas possíveis, porque ele conhecia aquelas coisas que ele criou, antes de serem criadas, quando elas ainda estavam em uma possibilidade. Se Deus conheceu as coisas antes de serem criadas, ele as conhecia quando estavam em uma possibilidade, e não na realidade real. É um absurdo imaginar que o seu entendimento teve falta de lealdade às criaturas em tirar conhecimento delas depois que elas foram criados. É absurdo pensar que Deus criou, antes que ele soubesse o que poderia ou iria criar. Se ele sabia que as coisas que ele criou quando eram possíveis, ele deve saber todas as coisas que ele pode criar e, portanto, todas as coisas lhe são possíveis.
Para concluir isso, devemos considerar que esse conhecimento é de outro tipo que o conhecimento de coisas que são. Ele vê coisas possíveis, não como coisas que são ou serão. Se ele os viu como existentes ou futuros, e eles nunca forem criados, este conhecimento seria falso, haveria um engano nele, o que não pode ser. Ele sabe essas coisas não em si, porque elas não são, nem em suas causas, porque nunca serão: ele as conhece em seu próprio poder, não em sua vontade: ele as entende como capaz de produzi-las, não tão disposto a realizá-las. As coisas possíveis, ele sabe apenas em seu poder; coisas futuras ele sabe tanto em seu poder e sua vontade, como ele é capaz e determinar em seu próprio prazer de dar ser a eles. Aqueles que nunca chegarão a existir, ele só sabe em si mesmo como causa suficiente; aquelas coisas que devem vir a existir, ele sabe em si mesmo como a causa eficiente, e também nas suas segundas causas imediatas. Isso deve nos ensinar a gastar nossos pensamentos na admiração da excelência de Deus, e no conhecimento divino; sua compreensão é infinita.
Em segundo lugar, Deus conhece todas as coisas do passado. Este é um argumento usado pelo próprio Deus para elevar sua excelência acima de todos os ídolos adorados (Isaías 41:22): "Deixe-os mostrar as primeiras coisas, o que elas são, para que possamos considerá-las, e conhecer o último fim deles.”
Ele os conhece como se estivessem agora presentes, e não passado, pois de fato em sua eternidade não há nada além ou futuro em seu conhecimento. Isso é chamado de lembrança, nas Escrituras, como quando Deus se lembrou da oração de Raquel por um filho (Gên 30:22), e ele é disse para colocar lágrimas em sua garrafa, e escrevê-las em seu livro de acomodações, o que significa o conhecimento exato e infalível em Deus das minúsculas circunstâncias passadas no mundo; e esse conhecimento é chamado de um livro de recordações (Malaquias 3:16), significando a perpétua presença de coisas passadas, diante dele.
Há duas expressões elegantes, significando a certeza e perpetuidade do conhecimento de Deus sobre os pecados passados (Jó 14:17), “A minha transgressão estaria selada num saco, e terias encoberto as minhas iniquidades.”, uma metáfora tirada de homens que colocam numa sacola o dinheiro que eles guardavam, amarravam a sacola, costuravam os buracos e amarravam com força, para que nada caísse; ou um vaso, onde eles reservam licores, e selam-no com breu para que nada possa vazar, mas seja guardado com segurança até o momento do uso; ou então, como alguns pensam, dos sacos que os advogados carregam com eles, cheios de escritos, quando devem administrar uma causa contra uma pessoa. Assim encontramos Deus muitas vezes nas Escrituras chamando as mentes dos homens de suas ações passadas, censurando-os com sua ingratidão, em que ele testifica sua lembrança de seus próprios benefícios passados e seus crimes. Seu conhecimento a esse respeito tem algo de infinito nele, os pecados de todos os homens que estiveram no mundo são finitos em relação ao número, ainda quando os pecados de um homem em pensamentos, palavras e ações, são inumeráveis em sua conta, e talvez na contagem de qualquer criatura, os pecados de todo o vasto número de homens que têm vivido, ou viverão, são muito mais numerosos, não pode ser inferior ao conhecimento infinito que pode fazer uma coleção deles, e tomar um levantamento de todos de uma vez.
Se as coisas do passado não tivessem sido conhecidas por Deus, como poderia Moisés ter sido familiarizado com a origem de coisas? Como ele poderia ter declarado as transações anteriores, em que todas as histórias estão em silêncio, senão as Escrituras? Como ele poderia saber a causa da miséria presente do homem tantas idades depois, com a qual toda a filosofia não estava familiarizada? Como ele poderia ter escrito a ordem da criação, as particularidades do pecado de Adão, as circunstâncias do assassinato de Caim, o discurso privado de Lameque às suas esposas, se Deus não os tivesse revelado? E como uma revelação poderia ser feita se as coisas do passado fossem esquecidas por ele? Não nos lembramos de muitas coisas feitas entre os homens, assim como por nós mesmos, e reservamos as formas de diversas coisas em nossas mentes, que surgem à medida que as descrevemos adiante? E não será muito mais Deus, que não tem nuvem de trevas sobre o seu entendimento? Um homem que faz um quadro curioso, tem a forma dele em sua mente antes de ele fazer isto; e se o fogo queimá-lo, a forma dele em sua mente não é destruída pelo fogo, mas é retida nela. A memória de Deus não é menos perfeita que a sua compreensão. Se ele não soubesse coisas passadas, ele não poderia ser um governador justo, ou exercer qualquer ato judicial de maneira justa; ele não poderia dispensar recompensas e punições, de acordo com suas promessas e ameaças, se as coisas passadas pudessem ser esquecidas por ele; ele não poderia exigir aquilo que é passado (Ecles 3:15), se ele não se lembrasse daquilo que é passado. E apesar de Deus ser dito esquecer nas Escrituras, e não conhecer o seu povo, e suas    pessoas rezam para que ele se lembre delas, como se ele as tivesse esquecido (Salmo 119: 49), isso é indevidamente atribuído a Deus. Como de Deus é dito se arrepender, quando ele muda as coisas de acordo com seu conselho além da expectativa dos homens, então dele é dito esquecer, quando ele adia o cumprimento da sua promessa ao piedoso, ou suas ameaças aos ímpios; isto não é um defeito de memória que pertence à sua mente, mas um ato de sua vontade.
Quando se diz que ele se lembra de sua aliança, é para a graça de acordo com sua aliança; quando dele é dito esquecer seu pacto, é interceptar as influências do mesmo, através do qual punirá o pecado do seu povo; e quando dele é dito não conhecer o seu povo, não é um esquecimento absoluto deles, mas retirar deles os testemunhos de sua bondade, e nublar os sinais de seu favor; assim, diz-se que Deus, no perdão, esquece o pecado, não que ele cesse de conhecê-lo, mas cessa de puni-lo. Não se trata de um simples esquecimento, ou um lapso de sua memória, mas de um esquecimento judicial; então quando o seu povo nas Escrituras orar, Senhor, lembre-se da tua palavra ao teu servo nunca mais se entenderá, mas, ó Senhor, cumpre a tua palavra e promete ao teu servo.
Em terceiro lugar, Ele conhece as coisas presentes (Hb 4:13): “Todas as coisas estão nuas e abertas aos olhos daquele com quem temos de lidar”; baseia-se no conhecimento de si mesmo; não é tão difícil conhecer todas as criaturas exatamente, como conhecer a si mesmo, porque elas são finitas, mas ele mesmo é infinito; ele conhece seu próprio poder e, portanto, tudo pelo qual sua onipotência é difundida, todos os atos e objetos dele; não é a menor coisa que é o nascimento de seu poder, pode ser ocultado dele; ele conhece sua própria bondade e portanto, todo objeto sobre o qual os raios quentes de sua bondade atingem; ele, portanto, conhece distintamente as propriedades de cada criatura, porque cada propriedade neles é um raio de sua bondade; ele não é apenas a causa eficiente, mas a exemplar; portanto, como ele sabe tudo o que seu poder tem feito, como ele é a causa eficiente, então ele os conhece em si mesmo como o padrão; como um carpinteiro pode dar uma conta de cada parte e passagem em uma casa que ele construiu, consultando o modelo em sua própria mente, através do qual ele construiu. "Viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom.” (Gênesis 1: 31), cheias de uma bondade natural que ele as dotou: ele não os pronunciou ignorantemente e os chamou de bons, quer os conhecesse ou não; e, portanto, ele os conhece em particular, como ele conhecia todos eles em sua primeira presença. Existe alguma razão, ele deve ser ignorante de tudo agora presente no mundo, ou que qualquer coisa que deriva uma existência dele como uma causa livre, deve ser escondida dele? Se ele não sabia as coisas presentes em suas particularidades, muitas coisas seriam conhecidas pelo homem, sim, as bestas, das quais o Deus infinito era ignorante; e se ele não sabia todas as coisas presentes, mas apenas algumas, é possível que o Deus mais abençoado seja enganado e seja miserável? A ignorância é uma calamidade para o entendimento: ele não podia prescrever leis para suas criaturas, a menos que ele conhecesse suas naturezas às quais essas leis deveriam ser adequadas: não, não ordenanças naturais ao sol, lua e corpos celestes, e criaturas inanimadas, a menos que ele soubesse o vigor e virtude neles, para executar essas ordenanças; porque prescrever leis acima da natureza das coisas, é inconsistente com a sabedoria de governo; ele deve saber até onde eles conseguiriam obedecer; se as leis eram adequadas à sua capacidade: e por suas criaturas racionais, se as punições anexadas à lei eram adequadas para a transgressão da criatura.


Publicado no site: O Melhor da Web em 05/12/2018
Código do Texto: 138789
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.