Espaço Literário

O Melhor da Web

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto


Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de MANUELA , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6281

 
Textos & Poesias || Poema
Imprimir - Impressora!
Imprimir
Desintegração (Abgar Renault) (+tradução italiana)
06/01/2019
Autor(a): MANUELA
VOTE!
TEXTO ELEITO
10
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
Desintegração (Abgar Renault) (+tradução italiana)

Eu tenho o coração cheio de coisas para dizer...
E a minha voz, se eu acaso falasse,
teria a força de uma revelação!  

Meu espírito palpita ao ritmo desordenado e aflito
de asas prisioneiras que se dilaceraram
na arrancada impossível da libertação e da altura.  

Minhas mãos tremem ainda ao contato
imaterial, sobre-humano e fugitivo
de qualquer coisa além e acima deste mundo...  

Adormeceu para sempre no fundo dos meus olhos
a saudade de paisagens estranhas e longínquas,
que nunca, nunca mais voltarão neste tempo e neste espaço.
 
Doem meus olhos. Tremem, ansiosas, as minhas mãos.
Meu espírito palpita. Tenho o coração cheio de coisas para dizer...
Eu estou vivo, Senhor! mas, em verdade, é como se estivesse morto...
_______________________________________


Tradução italiana de Manuela Colombo


Disintegrazione
 
Ho il cuore colmo di cose da dire...
E la mia voce, se riuscissi a parlare,
avrebbe la forza d’una rivelazione!  

Il mio spirito palpita al ritmo disordinato e afflitto
di ali prigioniere che si squarciano
nell’impossibile anelito verso la libertà e l’altezza.  

Le mie mani ancora tremano al contatto
immateriale, sovrumano e fuggevole
di qualcosa che sia al di là e al di sopra di questo mondo...  

S’è addormentata per sempre nel fondo dei miei occhi
la nostalgia di paesaggi insoliti e lontani,
che mai, mai più ritorneranno a questo tempo e a questo spazio.
 
Gli occhi mi dolgono. Tremano, ansiose, le mie mani.
Il mio spirito palpita. Ho il cuore colmo di cose da dire...
Sono vivo, Signore! ma, in verità, è come se fossi morto...



Publicado no site: O Melhor da Web em 06/01/2019
Código do Texto: 138984
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):