Espaço Literário

O Melhor da Web

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto


Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
A Natureza e a Qualidade da Morte de Cristo
08/02/2019
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
A Natureza e a Qualidade da Morte de Cristo


Por John Flavel (1627 - 1691)
Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra
Jan/2019
2
F588
Flavel, John -1627 - 1691
A natureza e a qualidade da morte de Cristo
/ John Flavel
Tradução e adaptação Silvio Dutra Alves – Rio
de Janeiro, 2019.
29p.; 14,8 x21cm
1. Teologia. 2. Pregação. 3. Alves, Silvio Dutra.
I. Título.
CDD 252
3
"Sendo este entregue pelo determinado desígnio e presciência de Deus, vós o matastes, crucificando-o por mãos de iníquos." (Atos 2:23)
Tendo considerado, em ordem, os atos preparativos para a morte de Cristo, tanto de sua parte quanto de seus inimigos, passamos a considerar a própria morte de Cristo, que era a parte principal de sua humilhação, e é o principal pilar do nosso consolo. Aqui vamos, a fim de considerar,
Primeiro, o tipo e a natureza da morte que ele morreu.
Em segundo lugar, a maneira pela qual ele a enfrentou, isto é, paciente, solitária e instrutivamente; deixando cair lições sagradas e instrutivas em tudo que estava sobre ele, nas sete últimas palavras dele na cruz.
Em terceiro lugar, as solenidades funerárias em seu sepultamento.
Em quarto lugar, e por último, os finais do peso e grandes projetos de sua morte.
Em todos os detalhes, à medida que procedermos a discuti-los e abri-los, você terá
4
uma explicação da profunda depreciação e humilhação do Filho de Deus.
Neste texto, temos um relato do tipo e da natureza da morte que Cristo morreu: como também das causas dela, tanto principais quanto instrumentais.
Primeiro, o tipo e a natureza da morte que Cristo morreu, que aqui é descrita mais genericamente como uma morte violenta, “vocês o mataram” e, mais particularmente, como a morte mais ignominiosa, amaldiçoada e desonrosa; “vocês o crucificaram.”
Em segundo lugar, as causas disso são aqui igualmente expressas: e tanto principais quanto instrumentais. A principal causa, permitindo, ordenando e descartando todas as coisas sobre isso, foi o determinado conselho e pré-conhecimento de Deus. Não houve uma ação ou circunstância, que não tivesse vindo sob este sábio e sagrado conselho e determinação de Deus.
Os instrumentos que o afetavam eram suas mãos perversas. Este conhecimento prévio e conselho de Deus, como de modo algum os requer ou impõe; então nem desculpa seu fato pelo menor agravamento de sua
5
pecaminosidade. Não forçou mais ou forçou suas mãos más a fazer o que eles fizeram, do que o marinheiro içando suas velas, tomando o vento para servir seu projeto, compelindo o navio. E não pode desculpar sua ação de uma circunstância de pecado; porque o fim e a maneira de agir de Deus eram uma coisa, o fim e a maneira de agir dos homens de outra. Sua, a mais pura e santa; a deles, mais maliciosa e ousadamente má.
Em respeito a Deus, a morte de Cristo foi justiça e misericórdia. Em relação ao homem, foi assassinato e crueldade. Em relação a si mesmo, era obediência e humildade. Daí nossa nota é,
DOUTRINA. Que nosso Senhor Jesus Cristo não foi apenas condenado à morte, mas à pior das mortes, a saber, a morte da cruz.
Para isso, o apóstolo dá um testemunho claro, em Filipenses 2: 8: "Ele tornou-se obediente até à morte, e morte de cruz"; onde sua humilhação é especificada; ele foi humilhado até a morte; e agravado por uma reduplicação mais enfática, pela morte da cruz. Então Atos 5:30. "Jesus a quem vocês mataram e penduraram em um madeiro"; porque não bastou a vocês colocá-lo em uma morte violenta, mas também na morte
6
mais vil e ignominiosa; "vocês o crucificaram em um madeiro."
Neste ponto, discutiremos esses três particulares, a natureza ou o tipo, a maneira e as razões da morte de Cristo no madeiro.
1. Eu devo abrir o tipo ou a natureza de sua morte, mostrando-lhe que foi uma morte violenta, dolorosa, vergonhosa, amaldiçoada, lenta e sem a graça.
Primeiro, foi uma morte violenta que Cristo morreu. Violenta em si mesmo, embora voluntária da parte dele. "Ele foi cortado da terra dos viventes", Isaías 53: 8. E ainda "entregou a vida de si mesmo; ninguém a tirou dele", João 10:17. Eu chamo sua morte de violenta, porque ele morreu não uma morte natural, ou seja, ele não viveu até que a natureza foi consumida com a idade, como é com muitos que vivem até a sua "umidade", como o óleo na lâmpada, ser bastante consumida e, em seguida, acabar como uma lâmpada que está expirando. Não foi assim com Cristo: pois ele estava apenas na flor e no auge do seu tempo quando morreu. E, de fato, ele deve morrer de forma violenta ou não morrer; em parte, porque não havia pecado nele, para abrir uma porta para a morte natural; como acontece em todos os outros.
7
Parcialmente, porque senão sua morte não seria um sacrifício aceitável e satisfatório para Deus por nós. Aquilo que morreu de si mesmo nunca foi oferecido a Deus; senão aquilo que foi morto, quando estava em plena força e saúde. O templo era um tipo do corpo de Cristo, João 2:19. Agora, quando o templo foi destruído, ele não caiu como uma estrutura antiga decaída pelo tempo, mas foi derrubado pela violência, quando estava em sua força total. Por isso é dito que ele sofreu a morte, e seria morto por nós na carne, 1 Pedro. 3:18. Essa é a primeira coisa. Foi uma morte violenta, embora voluntária. Porque violento não se opõe a voluntário, mas a natural.
Em segundo lugar, a morte da cruz foi a morte mais dolorosa. Na Escritura, nesta morte houve muitas mortes, planejadas em uma. A cruz era um suporte e também uma forca. As dores que Cristo sofreu na cruz, são pelo apóstolo enfaticamente "tas odinas tou tanatou", Atos 2:24. "As dores da morte", mas corretamente elas significam as dores do parto: sim, as dores do parto, as tristezas mais agudas de uma mulher que está de parto. Sua alma estava em trabalho de parto, Isaías 53, seu corpo em dores amargas; e sendo como Aquino fala, optime complectionatus, dos mais excelentes, exato e justo em temperamento; seus sentidos eram mais agudos e delicados do que ordenados; e
8
todo o tempo de seu sofrimento, então eles continuaram; não menos embotado, entorpecido ou abatido pelas dores que sofreu.
"A morte de Cristo, sem dúvida, continha as maiores e mais agudas dores imagináveis: porque essas dores de Cristo, pretendiam equalizar toda a miséria que o pecado dos homens merecia", toda aquela dor que os condenados terão, e os eleitos merecem sentir. Agora, ter dores se encontrando imediatamente sobre uma pessoa, equivalente a todas as dores dos condenados; julgue você em que situação Cristo estava.
Em terceiro lugar, a morte da cruz foi uma morte vergonhosa: não só porque os crucificados foram despidos completamente nus, e assim expostos como espetáculos de vergonha, mas principalmente, porque foi uma espécie de morte que foi apontada para os mais vis de todos. homens.
Os homens livres quando praticavam crimes capitais, não eram condenados à cruz. Não, porque era olhada apenas como um tipo de morte apontada para escravos. Tácito o chamou de suplício servil, a punição do escravo, e no mesmo sentido, Juvenal fala, de se colocar a cruz nas costas de um escravo. Como eles tinham
9
grande estima pelo homem livre, assim eles o manifestaram, mesmo quando eles tinham sacrificado suas vidas, por ser cortada deles por uma tipo mais honorável de morte. Esta, por ser pendurado no madeiro, sempre foi contada como a mais ignominiosa. Até este dia dizemos daquele que é pendurado, que ele morre a morte de um cão, e ainda isto é dito de nosso Senhor Jesus Cristo, em Hebreus 12.2 que ele não somente suportou a cruz, mas também desprezou a vergonha. Obediência à vontade de seu Pai, e zelo por nossa salvação, fê-lo suportar a vergonha disto, e a desprezar a ignominia que havia nisto.
Quarto, a morte da cruz era uma morte sob maldição. Nesta conta é dito dEle ter sido feito uma maldição por nós, porque está escrito, “Maldito é todo aquele que for pendurado no madeiro.” – Gálatas 3.13. Seu corpo não permaneceria toda a noite sobre o madeiro, mas aquele que é pendurado é maldito de Deus. Um símbolo de ser colocado entre o céu e a terra, carregando muita vergonha nisto. Porque a pessoa assim pendurada seria tão execrável e vil que não merecia estar sobre a terra ou tocar na superfície do solo nunca mais. E o mandamento de ser removido da cruz no mesmo dia, não era para mitigar, mas tornar ainda mais agravada a maldição, já que a pessoa sendo considerada tão
10
abominável, que foi elevada no ar, e colocada entre o céu e a terra, sendo indigna de nunca mais colocar seus pés na terra, assim, quando morria, deveria ser rapidamente abaixado aquele que era assim considerado tão abominável, de modo a não permanecer mais tempo sob a vista dos outros, e para que não houvesse a corrupção da sua carne sobre a face da terra, pelo que deveria ser imediatamente sepultado.
Embora, como o letrado Junius tem judiciosamente observado, esta maldição é somente uma maldição cerimonial; porque então isto nada é em si mesma, nem pela lei da natureza, ou pela lei civil, mais execrável do que qualquer outra forma de morte. E a principal razão porque a lei cerimonial atrela a maldição a isto, é mais do que qualquer outra morte que Cristo poderia ter. E portanto, leitor, veja e admire a providência de Deus, que Cristo deveria morrer sob uma lei Romana, e não Judaica. Porque a crucificação, ou elevação no madeiro era uma punição romana, e não se encontrava em uso entre os judeus. Mas as Escrituras não podem ser quebradas.
Quinto, a morte da cruz era muito lenta e prolongada. Eles morriam lentamente. O que aumentava e agravava a miséria dos
11
crucificados. Se um homem dever morrer uma morte violenta, isto é um favor a ser dispensado, desde que fosse pressionado a morrer, rogando por maior peso. E isto é um favor para aqueles que são pendurados, serem removidos pelos seus amados, ou por seus amigos. Ao contrário, ser pendurado em meio a torturas, para ter a morte vindo a nós a passos lentos, para que possamos sentir cada passo disto, faz com que isso se transforme em uma verdadeira miséria.
O tirano que teve um pobre mártir que morreu em seus primeiros tormentos, disse que estava desapontado: “ele tem escapado de mim”. Porque ele intentava trazê-lo por muito tempo sob tormentos.
E isto foi o cruel conselho de outro destes executores: “Deixe-o morrer na medida em que ele sinta que está morrendo.” E certamente, neste respeito, isto foi pior para Cristo, do que qualquer outro que nunca foi pregado no madeiro. Porque por todo o tempo em que ele permaneceu pendurado lá, ele continuou cheio de vida e senso acurado. Sua não partiu gradualmente, mas estava nele totalmente até o fim. Outros homens morrem gradualmente, e, até o seu fim, seu sendo de dor é muito reduzido. Eles enfraquecem e expiram por graus, mas Cristo permaneceu sob as dores da morte em
12
sua plena força. Sua vida estava toda nele. Isto foi evidenciado pelo poderoso clamor que ele fez quando ele tinha entregado o espírito, que fez o centurião quando ele o ouvir, concluir, “certamente este era o Filho de Deus.” (Marcos 15.37-39).
Em sexto lugar, foi uma morte sem salvação e impotente para Cristo. Às vezes eles davam a malfeitores em meio a seus tormentos, vinagre e mirra, para entorpecer seus sentidos. E se eles ficassem na cruz por muito tempo, quebrariam seus ossos para despachá-los de suas dores. Cristo não teve esse favor. Em vez de vinagre e mirra, deram-lhe vinagre e fel para beber, para agravar seus tormentos. E para a quebra de seus ossos ele os impediu, morrendo antes que eles viessem quebrar suas pernas. Porque as Escrituras devem ser cumpridas, as quais dizem que nenhum osso dele seria quebrado.
Este agora era o tipo e a natureza daquela morte que ele morreu, a saber, a morte violenta, dolorosa, vergonhosa, amaldiçoada, lenta e sem a graça, na cruz. Uma antiga punição entre os romanos e cartagineses. Mas em homenagem a Cristo, que morreu nesta morte, Constantino, o Grande, revogou-a por lei, ordenando que ninguém mais fosse crucificado, porque Cristo morreu essa morte.
13
Em segundo lugar, quanto à maneira da execução. Aqueles que foram condenados à morte da cruz (diz um antiquário culto) mostraram sua cruz sobre seus próprios ombros, para o lugar da execução. Eles foram despojados de todas as suas roupas, pois eles sofreram nus. E então foram presos à cruz com os cravos.
A maneira como isso foi feito, alguém nos dá esse relato: “Eles o estenderam (significando Cristo) como outro Isaque sobre seu próprio fardo, a cruz; para que eles possam medir o buraco em que a colocariam. E embora a impressão de seu sangue sobre ela, lhes desse a verdadeira extensão de seu corpo; mas quão estritamente eles levariam mais tempo na operação, assim, ao mesmo tempo, pregam e crucificam-no. Então, sendo pregado, como Moisés levantou a serpente, assim foi o Filho do homem levantado. E quando a cruz, com o Senhor fixada nela, caiu em sua base, sacudiu o todo e todas as partes de seu corpo sagrado. E todo o peso pendurado em suas mãos pregadas, as feridas gradualmente aumentaram e se alargaram; até que finalmente ele expirou no meio daquelas torturas.
E para que a equidade de seus procedimentos melhor aparecesse para as pessoas, a causa da
14
punição foi escrita em letras maiúsculas e fixada na cruz sobre a cabeça do malfeitor. Desse apego a esse tipo de morte, falarei distintamente no próximo sermão, antes de vir a lidar com a maneira de sua morte: havia muita providência nessa circunstância, como nos convida a gastar mais do que alguns pensamentos transitórios. sobre ela. Enquanto isso, no próximo lugar,
Em terceiro lugar, vamos investigar brevemente as razões pelas quais Cristo morreu isso, ao invés de qualquer outro tipo de morte. E entre outras, essas três são óbvias.
Primeiro, porque Cristo deve suportar a maldição em sua morte, e uma maldição pela lei não foi afixada a nenhum outro tipo de morte, como foi para esta.
O erudito Masius comentando sobre Josué 2:29, quanto à morte do rei de Ai, que foi enforcado no madeiro, até a noite, nos diz: "Que a principal razão da maldição e execrabilidade de sua morte foi, porque a morte de Cristo foi prefigurada nesse mistério." Cristo veio para tirar a maldição de nós por esta morte; e assim deve ser feito uma maldição. Sobre ele devem estar todas as maldições da lei moral, que foram devidas a nós. E que nada pode estar faltando fazer para uma maldição completa, a própria morte que ele
15
morreu, também deve ter uma maldição cerimonial sobre ele.
Em segundo lugar, Cristo morreu isto, ao invés de qualquer outro tipo de morte; para cumprir os tipos, e prefiguração que foram feitos com respeito a isto no passado. Todos os sacrifícios foram levantados da terra, sobre o altar. Mas especialmente a serpente de bronze prefigurou esta morte, Números 19: 9. Moisés fez uma serpente de bronze e a colocou em um poste. E, diz Cristo, em João 3:14. "Assim como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem seja levantado", para que ele corresponda àquele tipo vivo, feito dele no deserto. Em terceiro lugar, Cristo morreu mais do que qualquer outra morte, porque foi predito por ele, e nele todas as predições, assim como os tipos, devem ser plenamente cumpridos. O salmista falou na pessoa de Cristo, desta morte, como claramente como se ele tivesse escrito a história do que foi feito, do que uma profecia do que deveria ser feito, muitos anos depois, Salmo. 22:16, 17. "Cães me cercam; uma súcia de malfeitores me rodeia; traspassaram-me as mãos e os pés. Posso contar todos os meus ossos; eles me estão olhando e encarando em mim.". Que tem uma referência manifesta à distensão
16
de todos os seus membros sobre a cruz, o que foi uma armadilha para ele. Então Zacarias 12:10 "Eles olharão para mim, a quem eles trespassaram." Sim, o próprio Cristo havia predito a morte que ele deveria morrer, em João 3:14. dizendo: "Ele deve ser levantado", que está pendurado entre o céu e a terra. E as Escrituras devem ser cumpridas.
Assim você tem um breve relato tanto do tipo, maneira e razões desta morte de Cristo. A aplicação disto, você tem nas deduções seguintes das verdades, dedutíveis disto.
INFERÊNCIA 1. Cristo está morto? e ele morreu a morte violenta, dolorosa, vergonhosa, amaldiçoada, lenta e sem a graça, da cruz? Então certamente há perdão com Deus, uma redenção abundante para o maior dos pecadores, que pela fé aplique o sangue da cruz às suas pobres almas culpadas. Então fala o apóstolo, em Colossenses 1:14. "Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a saber, o perdão dos pecados." E em 1 João 1: 7. "O sangue de Cristo nos purifica de todo pecado." Duas coisas tornarão isso demonstrável.
Primeiro, que há uma eficácia suficiente neste sangue da cruz, para expiar os maiores pecados.
17
Em segundo lugar, que a eficácia do mesmo é planejada por Deus para ser crida pelos pecadores. Quão claramente essas duas proposições estão na Palavra? Primeiro, que há eficácia suficiente no sangue da cruz, para expiar e lavar os maiores pecados. Isto é manifesto, pois é sangue precioso, como é chamado, em 1 Pedro 1:18 "sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram." Esta preciosidade do sangue de Cristo nasce da união que tem com aquela pessoa, que é sobre tudo, Deus bendito para sempre. E por causa disso é o sangue de Deus, Atos 20:28: e assim se torna sangue real e principesco: Sim, tal pela dignidade e eficácia dele, como nunca foi criado, ou jamais correrá em quaisquer outras veias senão dele. O sangue de todas as criaturas do mundo, mesmo um mar de sangue humano, não tem mais proporção com o precioso e excelente sangue de Cristo, do que um prato de água comum, para um rio de ouro líquido. Por causa de sua preciosidade inestimável, torna-se gratificante e reconciliando o sangue com Deus. Então o apóstolo fala, em Colossenses 1:20, "e que, havendo feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele, reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, quer sobre a terra, quer nos
18
céus." O mesmo sangue que é redenção para os que habitam na Terra, é confirmação para aqueles que habitam no céu. Diante da eficácia desse sangue, a culpa desaparece e se afasta como a sombra diante do sol glorioso. Cada gota dele tem uma voz e fala à alma que fica tremendo sob sua culpa coisas melhores do que o sangue de Abel, Hebreus 10:24. Ela nos borrifa de todo o mal, que é uma consciência inquieta e acusadora, Hebreus 10:22. Por ter o suficiente para satisfazer a Deus, precisa ter o suficiente para satisfazer a consciência.
A consciência não pode exigir mais para sua satisfação, nem exigirá menos do que Deus exige para sua satisfação. E este sangue é suficiente para dar a satisfação.
Em segundo lugar, como há eficácia suficiente neste sangue para expiar a maior culpa; por isso, é tão manifesto que a virtude e eficácia do mesmo são planejadas e projetadas por Deus para o uso de pecadores crentes. Tal sangue como este lavou, sem dúvida, para algum fim de peso, que alguns poderiam ser os melhores para isso. Quem eles são para quem se destina, é bastante claro em Atos 13:39. "E por ele todos os que creem, são justificados de todas as coisas, das quais não poderiam ser justificados pela lei de Moisés."
19
Que a remissão dos pecados dos crentes foi a grande coisa designada no derramar deste precioso sangue de Cristo, aparece de todos os sacrifícios que o figuravam no Velo Testamento.
O derramar de um sangue típico, fala de um perdão designado. E a colocação de suas mãos sobre a cabeça do sacrifício, fala do modo e método de crer, pelo qual aquele sangue foi aplicado a eles naquela forma, e é ainda aplicado a nós de um modo mais excelente. Não haveria perdão sendo intentado, se não houvesse sacrifícios apontados. Também, que isto seja considerado, este sangue da cruz é o sangue de uma garantia, que vem sob a mesma obrigação conosco, e em nosso nome, para livremente libertar o principal ofensor, ou devedor, Hebreus 7.22. Pode Deus ter perfeita satisfação a partir do sangue e morte de seu próprio Filho, a garantia dos crentes, e ainda permanecer demandando isto dos crentes? Isto não pode ser. “Quem (diz o apóstolo) intentará acusação contra os eleitos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus e também intercede por nós.
20
E porque são a fé o arrependimento prescritos como meios de perdão? Por que em todas as partes de sua Palavra, Deus chama os pecadores ao arrependimento, e a crerem neste sangue? Encorajando-os a fazê-lo, por meio de tantas preciosas promessas de remissão, e declarando a inevitável e eterna ruína, de todos os impenitentes, e descrentes, que desprezam e rejeitam este sangue? O que, eu digo, tudo isto fala, senão da possibilidade de perdão do maior dos pecadores, e a certeza de um livre, cheio e final perdão para todos os pecadores crentes? Oh que alegre som é isto! Que belas vozes de paz, perdão, graça e aceitação, chegam aos nossos ouvidos a partir do sangue da cruz? A maior culpa que jamais foi contraída por um consciência trêmula, pode se levantar diante da eficácia do sangue de Jesus não mais, do que um pecador de si mesmo pode se levantar diante da justiça do Senhor, com toda a culpa sobre ele. Leitor, a Palavra lhe assegura, seja o que for que você seja, ou sejam os pecados de uma tintura tão profunda quanto a sua, foram lavados neste sangue. "Eu era um blasfemo, um perseguidor, injurioso; mas eu obtive misericórdia", diz Paulo, 1 Timóteo. 1:13 Mas pode ser que você se oponha; este foi um caso raro e singular, pois é uma grande questão se algum outro pecador
21
encontrará a mesma graça que ele encontrou. Nenhuma dúvida sobre isso, se você acredita em Cristo como ele fez; porque ele nos diz, no verso 16. "Mas, por esta mesma razão, me foi concedida misericórdia, para que, em mim, o principal, evidenciasse Jesus Cristo a sua completa longanimidade, e servisse eu de modelo a quantos hão de crer nele para a vida eterna." De modo que, pelos mesmos fundamentos, que ele obteve misericórdia, você pode obtê-lo também.
Aqueles mesmos homens que tiveram uma mão no derramamento do sangue de Cristo, tiveram o benefício daquele sangue depois perdoando-os, Atos 2:36. Não há nada além de incredulidade e impenitência de coração que possa barrar sua alma das bênçãos deste sangue.
INFERÊNCIA. 2. Cristo morreu a morte amaldiçoada da cruz para os crentes, então, embora haja muita dor, não há nada de maldição na morte dos santos. Ainda usa seu dardo, pelo qual ataca; mas perdeu seu ferrão, pelo qual dói e destrói. Uma serpente que não tem veneno, pode assobiar e se agitar, mas podemos levá-la em nossas mãos, sem perigo. A morte derramou todo o seu veneno e perdeu seu ferrão ao lado de Cristo, quando ele se tornou uma maldição para nós.
22
Mas o que eu falo da inocência e inofensividade da morte para os crentes? É certamente seu amigo e grande benfeitor. Como não há maldição, há muitas bênçãos nela. "A morte é sua", 1 Coríntios. 3:22. Sua como um privilégio e favor especial. Cristo não apenas a conquistou, mas é mais do que um conquistador; porque ele tornou isso benéfico e muito útil aos santos. Quando Cristo foi pregado na cruz, então ele disse como se fosse à morte, que veio para lutar com ele lá, "Morte, eu serei a tua praga; ó sepultura, eu serei a tua destruição", e assim ele foi; pois ele engoliu a morte na vitória, estragou-a em seu poder. De modo que, embora possa agora apavorar alguns crentes fracos, ainda assim não pode prejudicá-los.
INFERÊNCIA. 3. Se Cristo morreu a morte da cruz amaldiçoada por nós, quão alegremente devemos nos submeter, e levar qualquer cruz por Jesus Cristo? Ele teve sua cruz e nós temos a nossa; mas que penas são as nossas em comparação com as dele? Sua cruz era realmente uma cruz pesada, mas quão pacientemente e humildemente ele a carregou! "ele suportou sua cruz", não podemos suportar ou suportar as nossas, embora não sejam nomeadas como a dele?
23
Três coisas nos fortaleceriam maravilhosamente para levar a cruz de Cristo e apresentar um bom testemunho sobre ela no mundo.
Primeiro, que vamos levá-la apenas por um pouco.
Em segundo lugar, Cristo carrega o fim mais pesado disto.
Em terceiro lugar, inumeráveis bênçãos e misericórdias crescem na cruz de Cristo.
Primeiro, vamos suportar por um pouco. Deve ser o suficiente para mim (diz um santo) que Cristo terá alegria e tristeza pela metade da vida dos santos. E que cada um deles deve ter uma parte dos nossos dias, pois a noite e o dia são gentilmente parceiros do tempo, e levá-lo entre eles. Mas se a tristeza é o halo mais ganancioso de nossos dias aqui, sei que o dia da alegria deve nascer e fazer mais do que recompensar todas as nossas tristes horas.
Deixe meu Senhor Jesus, (desde que ele o faça) tecer minha duração de tempo com branco e preto; bem e dor - Deixe a rosa ser vizinha do espinho. Quando estamos sobre a água, Cristo deve chorar, descer cruzes e subir o céu para
24
sempre; no inferno, e na morte, e no pecado, e na tristeza; e na glória, na vida, na alegria para sempre é verdade, Cristo e sua cruz não são separáveis nesta vida, mas Cristo e sua cruz se separam na porta do céu: porque não há casa para as cruzes no Céu. Uma lágrima, um suspiro, um coração triste, um medo, uma perda , um pensamento de problemas não pode encontrar hospedagem lá. Tristeza e os santos não são casados juntos! Ou suponha que assim fosse, o céu deve se divorciar. A vida é curta, e portanto as cruzes não podem ser longas. Nossos sofrimentos são apenas por um tempo, 1 Pedro. 5:10.Eles são apenas os sofrimentos do tempo presente, Romanos 8:18. Em segundo lugar, como carregaremos a cruz de Cristo, senão por um pouco, assim também o próprio Cristo terá o fim mais pesado. E como se expressa alegremente, ele fala de suas cruzes, metade das minhas. Ele divide os sofrimentos com eles e assume a maior parte de si mesmo. "Oh, quão doce é uma visão (diz alguém) é ver uma cruz entre Cristo e nós. Ouvir nosso Redentor dizer, a cada suspiro, a cada golpe, e a perda de um crente, metade da minha. Porque eles são chamados os sofrimentos de Cristo e o vitupério de Cristo, Colossenses 2:24, Hebreus 11:26. Como quando dois são sócios ou donos de um navio, metade do ganho e metade da perda
25
pertencem a qualquer um dos dois. Assim, Cristo, em nossos sofrimentos, é meio vencedor, e meio perdedor, conosco: sim, a extremidade mais pesada da cruz negra repousa sobre o seu Senhor. Ela cai primeiro sobre ele, e se rebate dele sobre você: “As injúrias dos que te ultrajam caem sobre mim.", Salmo 69: 9. Não, assim como a coisa é, Cristo não só suporta metade, ou a melhor parte, mas toda a nossa cruz e carga. Sim, ele suporta tudo, e mais do que tudo, pois ele nos carrega e também nos sobrecarrega, ou então afundaríamos rapidamente e desmaiaríamos sob ela.
Em terceiro lugar, como não temos muito para carregar, e Cristo carrega a parte mais pesada; sim, todo o fardo para nós; sim, nós e nosso fardo também; então, em último lugar, é vivificante pensar que uma multidão inumerável de bênçãos e misericórdias é o fruto e a descendência de uma cruz santificada. Desde que a árvore foi tão ricamente regada com o sangue de Cristo; que loja de frutas ricas tem para os crentes?
Nossos sofrimentos (diz alguém) são lavados no sangue de Cristo, assim como nossas almas. "Porque os méritos de Cristo compraram uma bênção para as cruzes dos filhos de Deus. Nossos problemas nos devem uma passagem livre
26
através dele. Demônios, homens e cruzes, são nossos devedores; e a morte, e todas as tempestades são nossos devedores, para soprar nossos problemas, lançam lenha sobre a água livre: e para colocar os viajantes em seu próprio terreno conhecido. Portanto, nós devemos morrer, e ainda viver - Eu sei que nenhum homem tem uma cruz de veludo, mas a cruz é feita do que Deus terá mas, em verdade, não obstante, não é um mercado prudente comprar uma cruz; todavia, não me atrevo a dizer: Oh, que tive liberdade para vender a cruz de Cristo, para não também vender alegria, conforto, senso de amor, paciência e as amáveis visitas de um noivo, mas tenho pouca experiência de sofrimentos por Cristo, mas seja meu juiz e testemunha no céu, coloque minha alma na balança da justiça; se eu não encontrar um céu jovem, e um pequeno paraíso de confortos gloriosos, e beijos de amor que aliam a alma de Cristo em sofrimento por ele e sua verdade. Minha prisão é meu palácio, minha tristeza é com alegria; minhas perdas são perdas ricas, minha dor é dor fácil, meus dias pesados são dias santos e dias felizes.
Eu posso contar uma nova história de Cristo para meus amigos. Oh, o que devo ao martelo e ao forno do meu Senhor Jesus! Que agora me deixa ver quão bom é o trigo de Cristo, que passa
27
por seu moinho e seu forno, para ser feito pão para sua própria mesa. A graça tentada é melhor que a graça e mais que a graça. É a glória em sua infância, e os beijos amorosos de Cristo, que deleitam a alma, sofrem por ele e por sua verdade.
"Quem conhece a verdade da graça sem provação? Oh, quão pouco recebe Cristo de nós, senão o que ele ganha (para falar assim) com muito esforço e dores? E quão logo a fé congelaria sem uma cruz? Carregue sua cruz com alegria."
INFERÊNCIA. 4. Cristo morreu a morte, sim, a pior das mortes por nós? Então segue-se que nossas misericórdias são geradas com grande dificuldade; e aquilo que é doce para nós na fruição, era caro e difícil para Cristo na aquisição. Certamente, em toda misericórdia, temos este lema escrito: O preço do sangue, Colossenses 1:14. "Em quem temos a redenção pelo seu sangue", sobre o qual um escritor se entrega assim. "O caminho da graça é aqui considerável; a vida vem pela morte; Deus vem em Cristo; e Cristo vem em sangue: as misericórdias mais favorecidas vêm através das maiores misérias; os principais favores vêm nadando em sangue para nós. Através de um mar vermelho Israel veio para Canaã: muitos
28
homens perderam a vida e muito sangue foi derramado, e a própria terra que mana leite e mel foi primeiramente levada a fluir com sangue, antes que Israel pudesse herdar a promessa. Sete nações foram destruídas, antes que a terra de Canaã fosse dividida entre os israelitas, Atos 13:19. "O pecado torna a misericórdia tão mortalmente dura para trazer adiante. Para batizar toda criança preciosa, todo Benjamim Benoni, todo filho da mão direita de Deus, um filho de tristeza e morte para aquela que o traz à luz. Os doces de Adão não amargaram até que ele transgrediu a vontade de Deus: uma misericórdia não morreu para produzir outra, até que ele morreu. Mas oh! Como isso deve elevar o valor de nossas misericórdias? O que, o preço do sangue, o preço do sangue precioso, o sangue da cruz! Oh que grande estima deveria levantar! "
"As coisas (como o mesmo engenhoso autor acrescenta) são valorizadas mais do que como são. Extremamente procuradas e queridas compradas fazem todo o preço, e dão todo o valor a nós criaturas fracas. Fala da nossa grande fortuna, conta o grande preço que custa, olhando para a nossa fraqueza, que olha mais para o que as coisas custam, do que para o que elas são, e como saber se alguma coisa nos levará, isso será para aquele que nos amou e nos
29
lavou dos pecados em seu próprio sangue", Apocalipse 1: 5.
"O homem é uma criatura legalista, e olha muito para o que é dado por uma coisa. O que isso custou? Por que, custou o próprio sangue de Cristo. A cor é mais do que o pano com a gente, e a cor escarlate é um tom geral." E, portanto, é a veste de Cristo mergulhada em sangue, e ele admirava neste hábito. Quem é este que vem de Edom, com vestes tingidas de vermelho de Bozra?"
Cuidado, então você não usa nenhuma das misericórdias que Cristo trouxe com tantas dores e agonias amargas. E que tudo isso apele a Cristo mais do que nunca para você, e faça com que você tenha um profundo senso de sua graça e amor, para dizer: Graças a Deus por Jesus Cristo!

Publicado no site: O Melhor da Web em 08/02/2019
Código do Texto: 139200
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):