Espaço Literário

O Melhor da Web

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
kuryos - Silvio Dutra
Silvio Dutra
Cadastrado desde: 29/08/2012

Texto mais recente: A Beleza da Oliveira



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
Jubilai
11/03/2019
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
Jubilai


Sermão nº 1867
Por Charles H. Spurgeon (1834-1892)
Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra
Mar/2019
2
S772
Spurgeon, Charles H.- 1834-1892
Jubilai / Charles H. Spurgeon
Tradução e adaptação Silvio Dutra Alves – Rio de
Janeiro, 2019.
37p.; 14,8 x21cm
1. Teologia. 2. Pregação. 3. Alves, Silvio Dutra.
I. Título.
CDD 252
3
“Então, entoou Moisés e os filhos de Israel este cântico ao SENHOR, e disseram: Cantarei ao SENHOR, porque triunfou gloriosamente; lançou no mar o cavalo e o seu cavaleiro. O SENHOR é a minha força e o meu cântico; ele me foi por salvação; este é o meu Deus; portanto, eu o louvarei; ele é o Deus de meu pai; por isso, o exaltarei.” (Êxodo 15: 1, 2) Este é o primeiro cântico ao Senhor que está registrado na Sagrada Escritura. Na bênção de Jacó de seus filhos há versos que podem ser considerados como cânticos, mas eles são meros fragmentos, e dificilmente se pode dizer que são cantados ao Senhor. Existem outros dísticos no Livro do Gênesis, mas esta é a primeira música conectada no registro. Eu devo pensar que Abraão frequentemente cantou ao Senhor, mas não temos registro disso. Dificilmente podemos duvidar, mas que Isaque teve seu salmo, como Enoque, e Noé e outros que invocaram o nome do Senhor, mas nenhum desses hinos é deixado para nós. Esta é a primeira dessas canções sagradas preservadas nas Escrituras e, em alguns aspectos, é a primeira em mérito, assim como no tempo. De qualquer forma, sua augusta ocasião eleva-a ao lugar mais alto entre os hinos patrióticos. O canto de Moisés parece ter sido cantado por
4
uma multidão extraordinariamente grande. Miriã, a profetisa, levou seu tamboril e liderou todas as filhas de Israel que saíram com ela com seus adufes e danças, e toda a multidão de pessoas participando do louvor. Nunca as margens do Mar Vermelho, ou de qualquer outro mar, ouviram tal canção. Havia pelo menos seiscentos mil homens, além de mulheres e crianças. Que assembleia! Milhões compuseram esse coro! Embora suas vozes estivessem pouco sintonizadas com a música, ainda assim, quando as erguiam, cada um jogando toda a sua força no louvor, deve ter soado como o ruído de muitas águas, especialmente quando repetiam o refrão: “Cantai ao Senhor, porque triunfou gloriosamente: o cavalo e o seu cavaleiro foram lançados ao mar”. Vimos agora mesmo, em nossa leitura do décimo quinto capítulo de Apocalipse, que o Cântico de Moisés, servo de Deus e do Cordeiro, será cantado no fim desta dispensação, quando aqueles que obtiveram a vitória sobre a besta e sua imagem estarão no mar de vidro, tendo as harpas de Deus. Antes que as sete últimas pragas sejam derramadas sobre a terra, e Deus derrube as hostes do Anticristo de uma vez por todas, então esta canção será ouvida, não cantada pela nação israelita, mas por aquele
5
Israel superior que escapou pela graça de Deus do poder do faraó espiritual, e lavou suas vestes e as fez brancas no sangue do Cordeiro. Quão gentilmente eles irão juntos cantar a música: “Cantai ao Senhor, pois Ele triunfou gloriosamente! Grandes e maravilhosas são as tuas obras, Senhor Deus Todo-Poderoso”. É óbvio, então, das abundantes alusões a esta canção na Sagrada Escritura, que ela está cheia de profundo significado espiritual. Ela nos ensina não apenas a louvar a Deus pela derrubada literal do Egito, mas a louvá-lo pela derrubada de todos os poderes do mal e da libertação final de todos os escolhidos. É a intenção de Deus que desde o dia de Moisés descendo, até a hora em que as chamas do fogo lamberem as obras dos homens, e os próprios céus se dissolverem com calor ardente, que este seja o cântico do povo escolhido em todo lugar “Cantai ao Senhor, porque ele triunfou gloriosamente”. O primeiro verso dessa canção foi citado por Davi. Eu acho que você vai encontrá-lo em quase as mesmas palavras três vezes nos Salmos, mas especialmente no Salmo 18 você tem as palavras exatas, "O Senhor é a minha força e minha canção, e se tornou a minha salvação." O Espírito Santo, quando Ele forneceu Isaías com o seu mais nobre trovão, não conseguiu superar a
6
primeira canção de Moisés, o próprio Isaías, no capítulo doze, tem as mesmas palavras: “Jeová é a minha força e o meu cântico; ele também se tornou a minha salvação”. É evidente que esta canção patriótica estava entrelaçada com a vida de Israel, e que quando homens bons e graciosos se expressavam em louvor no seu melhor, eles recorriam a este cântico de Moisés, e eles cantaram ao Senhor que havia triunfado gloriosamente. Tão cheio de significado como esta música é, há algo para aprendermos nesta manhã. Que Deus, o Espírito Santo, que agora ditou este hino a Moisés, escreva-o novamente nos corações de seu povo! Inspire-nos, Espírito Santo, para que também nos enchamos dos louvores de Jeová. Primeiro, quero que você perceba a hora de cantar esse cântico. O texto começa: “Então cantou Moisés aos filhos de Israel esta canção”. Em segundo lugar, eu quero que você observe o tom dessa canção; é digno de ser cantada no próprio céu. Alto e sublime de fato é. E em terceiro lugar, consideraremos as primeiras cláusulas da canção em si: “O SENHOR é a minha força e o meu cântico; ele me foi por salvação; este é o meu Deus; portanto, eu o louvarei; ele é o Deus de meu pai; por isso, o exaltarei.” I. Será instrutivo notar o TEMPO DO CANTO DA MÚSICA. Para tudo há uma estação e um tempo
7
para todo propósito debaixo do céu; há um tempo do canto dos pássaros e há um tempo para o canto dos santos. “Então cantou Moisés.” Foi em primeiro lugar no momento da salvação realizada. “O Senhor salvou Israel naquele dia das mãos dos egípcios; e Israel viu os egípcios mortos na praia do mar; e Israel viu aquela grande obra que o Senhor fez sobre os egípcios; e o povo temeu ao Senhor, e creu no Senhor e em seu servo Moisés: Então cantou a Moisés e aos filhos de Israel este cântico ao Senhor.” Não houve canto no Egito, pois o suspirar e chorar, gemer e lamentar abundou ali, até que o Senhor disse: “Eu certamente ouvi o clamor do meu povo.” Não havia canto que eu saiba até mesmo na celebração da ceia pascal, naquela noite terrível quando comeram o cordeiro apressadamente com os lombos cingidos e os cajados nas mãos. Sua primeira observância foi em uma noite quase solene demais para a canção. Eu não leio que eles cantaram quando chegaram a Sucote, ou chegaram ao primeiro acampamento deles, não duvido que eles cantassem trechos de canções quando se encontravam livres de suas tarefas diárias e da vara egípcia. Sem dúvida, havia músicas individuais, mas as massas não se uniram em música combinada, eram muito apressadas e estavam com muito medo de perseguição. Nenhum poeta, até agora, surgira para escrever
8
uma letra na qual todos se juntariam. A hora de sua libertação completa ainda não havia chegado completamente. Continuaram marchando, mas dificilmente alcançariam o tempo para o livramento. Quando eles cruzaram o mar e suas águas rolaram entre eles e a casa de sua escravidão, “Então cantaram Moisés e os filhos de Israel este cântico ao Senhor”. Suas vidas anteriores foram um longo suspiro, ou uma discórdia de angústia e medo e desgraça, mas quando a escravidão era coisa do passado, então cantou Moisés. As profundezas cobriram o exército egípcio, não sobrou nenhum deles: “Então, cantou Moisés e os filhos de Israel este cântico ao Senhor”. Você deve ter notado, talvez, ao ler o capítulo anterior, que Moisés dissera o povo (14.14), “O Senhor lutará por vós e vós vos calareis”. Mas agora que Deus lutou por eles, eles não foram ordenados a manter a paz por mais tempo. A batalha é travada e a vitória é ganha, e “Então cantou Moisés e os filhos de Israel este cântico ao Senhor”. Como eles poderiam ajudá-lo? Certamente, “se estes se calarem, as pedras clamarão imediatamente”. O que isso nos ensina, irmãos e irmãs, senão que não podemos cantar na terra da escravidão enquanto estamos sob o domínio do pecado e de Satanás? Como devemos cantar o canto do Senhor naquela terra estranha? Nós nem sequer cantamos nos primeiros momentos de
9
nossa vida espiritual, quando nossa questão é como escapar da destruição através da aspersão do sangue. Nem nós, talvez, cantamos naqueles primeiros passos apressados quando voamos do poder do pecado e de Satanás, tentando fugir da escravidão. Mas, oh, quando vemos que Cristo nos salvou, quando entendemos que aquele que acredita nEle tem a vida eterna, então nós cantamos! Quando aprendemos que “Aquele que crê é justificado de todas as coisas de que não podia ser justificado pela lei de Moisés”, e ouve a Palavra do Senhor declarando: “A quantos receberam, a eles deu poder de se tornam filhos de Deus, a saber, aqueles que creem em seu nome”, então cantamos ao Senhor. Quem poderia nos parar? Não seria natural que ficássemos calados depois que o pecado fosse posto de lado. Quando nos reconciliamos com Deus pela morte de Seu Filho, o demônio mudo é expulso de nós. “Então cantou a Moisés e aos filhos de Israel este cântico ao Senhor.” Nossos primeiros dias, quando vimos pela primeira vez quão completa era a redenção de Cristo, eram dias de constante louvor, e penso que hoje, se virmos de novo quão perfeita é a justiça de Cristo, quão plenamente aceita é a grande expiação, quão segura é nossa posição em virtude de nossa união com o Filho de Deus, voltaremos à nossa música e faremos esta casa ressoar com salmos gratos. Quando
10
duvidamos de nossa salvação, suspendemos nosso canto, mas quando percebemos isso, quando nos apegamos a isso, quando vemos claramente a grande obra que Deus fez por nós, então cantamos ao Senhor que por nós também triunfou. gloriosamente. Eu digo novamente, como podemos ajudar a cantar? Como nossa alegria de coração pode ser ainda reprimida? Deve derramar-se em inundações de harmonia, em melodias de salvação realizada. Assim é também em tempos de consagração distinta. Você pode não ver isso a princípio, mas eu gostaria de lembrar que o apóstolo nos assegura que todo o Israel foi “batizado em Moisés na nuvem e no mar”. Quando Faraó e seus exércitos foram destruídos, Israel se levantou pela primeira vez como uma nação separada do Egito. O Mar Vermelho era a divisão mais eficaz, Israel se tornou um povo distinto, uma raça resgatada dentre os homens, eles nunca mais sentiriam o jugo de Mizraim, não retornariam ao Egito, nem o faraó novamente os perseguiria. Eles eram agora um povo distinto consagrado a Jeová, a eles Deus se revelaria, e entre eles Ele habitaria. Aquela passagem pelo Mar Vermelho foi o tipo de sua morte, seu sepultamento e sua ressurreição para uma nova vida, foi o batismo nacional deles para Deus e, portanto, eles cantaram, por assim dizer, uma nova canção.
11
Você quer saber por que eles fizeram isso? É a coisa mais feliz que pode acontecer a um homem mortal, ser dedicado a Deus. É a postura mais grandiosa em que uma criatura pode permanecer, para ser totalmente consagrada ao seu Criador. É a condição mais doce e feliz em que um coração pode estar, quando sente que é resgatado do Senhor, e daí em diante não é seu, mas comprado com um preço. Nenhuma canção entre as doces pastorais pode exceder em doçura o cântico celestial: "Eu sou do meu amado e meu amado é meu". Não há maior alegria do que saber que o Senhor nos escolheu para ser Sua herança peculiar. Conscientes da redenção por sangue e separação para Jeová, seu Deus: “Então, cantaram a Moisés e aos filhos de Israel este cântico ao Senhor.” Oh, vocês, que esperamos que sejam cristãos, mas nunca deram o passo distinto para se certificarem. sejam totalmente do Senhor. Oh, você que nunca se afastou do Egito, e fez as águas rolarem entre você e um mundo culpado - você atrasou uma alegria que eu acredito que você não pode mais perder, para que aquele texto terrível não seja cumprido em sua vida, “todo aquele que se envergonhar de mim e das minhas palavras nesta geração adúltera e pecadora; também dele se envergonhará o Filho do homem, quando vier na glória de seu Pai com os santos anjos”. “Então”, no dia da salvação realizada, “então”,
12
no dia da sagrada consagração, eles cantaram. esta canção para o Senhor. Irmãos, também foi um dia da demonstração manifesta do poder de Deus. Nossos corações são pesados, pelo menos, o meu é assim, quando Deus parece colocar a mão direita em seu peito e não para reivindicar sua própria causa. Estou muito triste porque vejo o erro prevalecendo em todos os lugares, a mentira reina, e Janes e Jambres resistem a Moisés, e o príncipe deste mundo exige com desdém: “Quem é Jeová?” Muitas pragas estão sobre nós, a terra repleta de erros como se pó se transformasse em piolhos por toda a terra. Heresias como sapos estão coaxando em toda parte; eles subiram nos aposentos do rei. O Senhor enviou uma espessa escuridão sobre toda a terra, até a escuridão que pudesse ser sentida. As pessoas detestam beber das águas de nossos santuários, pois uma maldição está sobre elas em muitos lugares. O nosso coração sente-se abatido, e lamentamos, e dizemos: “Por que nos fizeste beber vinho de espanto?” Mas quando ouvimos falar de conversões, quando vemos Deus abençoando a obra da escola dominical, quando ouvimos que os pecadores se voltam para Cristo e buscam misericórdia, quando notamos os filhos de Deus diligentes no serviço, quando vemos a obra do Senhor sendo feita com vigor, nosso coração
13
fica extremamente contente, e então, como Moisés e os filhos de Israel, nós cantamos ao Senhor. Como podemos ficar em silêncio quando o braço de Deus é revelado? Um avivamento é nosso feriado alegre. Se tivéssemos a nossa escolha de todas as bênçãos que Deus pode nos dar na terra, seria a de ver a igreja reviver, Sua verdade prevalecer, e Seu reino vir. Não é com alguns de nós uma questão de indiferença se a verdade é pregada ou se o erro é proclamado, não, é a nossa vida ver o evangelho vencer. Agora nós vivemos se você permanecer firme na fé, mas nosso espírito distintamente adoece na proporção em que a igreja de Deus decai, e quando a igreja é forte, e Deus está com ela, então nosso coração é revivido, e nossa canção irrompe, “O Senhor é a minha força e o meu cântico, Ele se tornou a minha salvação.” Mas esse cântico pode ser cantado em todos os momentos durante a vida de fé. Quero colocar aqui para o povo de Deus se é bom usar nossas canções para ocasiões especiais de grande alegria, ou para momentos em que temos algo visível para cantar. Não deveria o crente cantar pela fé e viver pela fé? Você não acha que o cântico de Moisés e dos filhos de Israel no Mar Vermelho foi, afinal de contas, um assunto
14
pobre no que se refere à fé? O grosso dos israelitas tinha muito pouca fé, e alto como era o cântico, havia mais barulho do que fé nele, pois dentro de um ou dois dias eles começaram a murmurar contra Deus. Cantar com bom tempo! Qualquer ave pode fazer isso. Louvar a Deus, quando tudo vai bem, é um trabalho comum. Todo mundo marca o rouxinol acima de todos os outros pássaros, porque ela canta quando os outros menestréis da floresta estão em silêncio e dormindo, e assim a fé louva a Deus sob a nuvem. As músicas do dia são do homem, mas o próprio Deus dá canções durante a noite. Ó venham, vamos cantar ao Senhor sob as nuvens, vamos derramar Seus louvores no fogo! Vamos louvá-lo sob as depressões, vamos magnificá-lo quando nosso coração estiver pesado. A fé acredita em Deus quando não há nada para apoiá-la, senão a promessa nua. Foi altamente recomendado aquele homem que não se desesperou com a República Romana, e nunca nos desesperemos com o reino do Redentor. Esse é o verdadeiro cristão, a saber, aquele que pode dizer, quando tudo o entristece: “Todavia, com alegria tirarei água dos poços da salvação; porque eu cantarei ao Senhor enquanto eu viver.” “Portanto, não temeremos, embora a terra seja removida, e ainda que as montanhas sejam levadas para o meio dos mares.”
15
Eu peço hoje a todo coração pesado e todo espírito abatido, a todo homem que combate fervorosamente pela fé uma vez entregue aos santos, e treme pela arca do Senhor, que no meio de seu tremor e tristeza, ele deveria explodir em cânticos. Não furte a Deus da sua glória, mas diga-se hoje: “Então, entoou Moisés e os filhos de Israel este cântico ao SENHOR, e disseram: Cantarei ao SENHOR, porque triunfou gloriosamente; lançou no mar o cavalo e o seu cavaleiro.” Assim, falamos sobre a hora de cantar. Esse tempo é agora, eu acho. Deixem seus corações começarem a tocar todos os seus sinos, e não deixem seus sinos doces cessarem para sempre. II. Observe, em segundo lugar, o tom desta música. “Então, entoou Moisés e os filhos de Israel este cântico ao Senhor”. Note, primeiro, que o tom é entusiasmado. Não há uma linha maçante, não há uma sentença triste, em toda parte, ele é cheio de força, vida, poder, é o centésimo salmo de Lutero e mais, eleva-se a uma altura de intenso entusiasmo que não pode ser superado. As palavras são: "Cantarei ao Senhor, porque ele triunfou gloriosamente", e os cantores se esforçam para cantar gloriosamente também. O tom também é congregacional, sendo destinado a todo israelita se juntar a ele. Embora Moisés começou
16
dizendo: "Eu cantarei ao Senhor", mas Miriam concluiu com: "Cantai ao Senhor, porque ele triunfou gloriosamente". Este é um hino para todo filho de Deus, para todos os que saíram do Egito. Não deveria haver louvores de cada um de vocês? Você nos assentos de trás, você que carrega a marca da chicotada do Egito, e cheio de feridas ainda não curadas, você que lembra bem o capataz, e a fornalha de ferro, ainda cante ao Senhor. Do Egito, ultimamente, venha cantar para o Senhor! Deveria ser enviado a Deus pela Sua igreja uma harmonia de louvor perfeitamente unânime. “Oh, que os homens louvem o Senhor por Sua bondade!” Que todos os redimidos do Senhor digam assim. "Oh, vamos cantar ao Senhor: façamos um júbilo para a rocha da nossa salvação". Deixe a música ser entusiástica e unânime. No entanto, por favor, observe quão distintamente é pessoal. É notavelmente assim. “Cantarei ao SENHOR, porque triunfou gloriosamente; lançou no mar o cavalo e o seu cavaleiro. O SENHOR é a minha força e o meu cântico; ele me foi por salvação; este é o meu Deus; portanto, eu o louvarei; ele é o Deus de meu pai; por isso, o exaltarei." Não se perca na multidão. Não é egoísmo resolver que, se ninguém mais cantar, você dirá com Davi: “Cantarei para o Senhor enquanto eu viver”. O fato é que a unanimidade não pode se tornar um fato se cada mente não estiver ativa no louvor.
17
Não podemos ter um acordo perfeito, a menos que cada filho de Deus sinta que ele deve fazer sua própria música distinta melodiosa nos ouvidos do Altíssimo. Eu lhes digo, irmãos, se vocês não louvarem o Senhor hoje, eu louvarei. Você não diz o mesmo? Não cada irmão e irmã aqui diz: "Se nenhum outro se sentir obrigado à gratidão, ainda assim tenho razão para ação de graças que eu louvarei o Senhor enquanto tiver algum ser"? No meu caso, o Senhor “triunfou gloriosamente”, e se os outros não O tomarem para ser seu Deus, ainda que este Deus seja meu Deus para todo o sempre, Ele será meu guia até a morte. Eu gosto do caráter dessa canção e exorto você a segui-la. Alguns de vocês não podem cantar para Deus porque vocês não gozam da graça pessoal dele e não conhecem a Deus por si mesmos. Oh, se este é o seu caso, não deixe o sol se pôr até que você conheça este Deus, e assim possa oferecer sua própria canção peculiar a ele. Note, ainda, que o tom desta música é extremamente confiante. Não há sombra de dúvida nisso; é todo o caminho mais positivo em suas atribuições de louvor. O lábio não treme, a mente não vacila. Começa: "Eu cantarei ao Senhor, pois Ele triunfou gloriosamente". Ele declara um fato, sobre o qual não pode haver dúvida: "O cavalo e seu cavaleiro Ele jogou no
18
mar", e segue adiante. Faz declarações que não são qualificadas com esperanças e desejos, e “se” e “mas”, mas são afirmações ousadas que não podem ser contestadas. “O Senhor é a minha força e o meu cântico, e ele se tornou a minha salvação”. Esse é o tipo de cântico. Não me importo de cantar ocasionalmente com Cowper, quando ele está deprimido, pois alguns de seus hinos tristes expressam admiravelmente a experiência dos membros mais fracos da família, mas eu nem sempre mantenho a clave menor. Ah não! Vamos cantar canções de alegria e vitória. Dúvidas e medos fazem cair os filhos de Deus. A plena garantia de compreensão é nosso privilégio e nosso dever, e por que não devemos tê-lo? Quando nos apresentamos diante de Deus, por que devemos levá-lo a esse culto de pernas quebradas? Não, façamos-Lhe louvores perfeitos, os primogênitos de nossos novilhos, assim como Davi diz: “Então eles oferecerão novilhos sobre o teu altar.” Deus deve ser adorado com o melhor que temos, Sua misericórdia é tão certa, tão verdadeira, que Ele deveria ter nossa plena fé. Onde há espaço para dúvidas? Cantemos com confiança ao Senhor. E essa música é extremamente abrangente. Canta o que Deus fez e, então, o que Deus fará ao trazer Seu povo para a Terra Prometida; nem termina até que chegue à mais alta de todas as coisas: "O Senhor
19
reinará para todo o sempre". Acho que os ouço repetindo esse versículo de novo e de novo: "O Senhor reinará para todo o sempre. Aleluia”. Cante ao Senhor, não apenas do passado, mas do presente e do futuro. Cante da Segunda Vinda, cante a glória a ser revelada, cante o alto céu e a cidade que não precisa de vela, nem de luz do sol, cante as vitórias de Cristo quando os exércitos do céu cavalgarem sobre seus cavalos brancos e Ele os guiará, aquele cujo nome está escrito em Suas vestes e em Sua coxa - Rei dos reis e Senhor dos senhores. Há matéria suficiente para a música eterna, se nossos corações estiverem certos com Deus. Note, também, que toda essa música é imensamente alegre. Os israelitas eram escravos desfrutando de nova liberdade, e as crianças podiam brincar. Como elas se divertiram alegremente? Elas não sabiam como ficar contentes o suficiente. Vamos dar a Deus nossa alegria ilimitada. Davi disse: “Deus é a minha maior alegria”. Eu não conheço nenhuma palavra maior do que aquela palavra “excedente”, porque, por mais longe que você vá, se sua alegria é “excedente”, ela está acima da mais alta e corajosa descrição, se a sua alegria é "superior", supera toda a linguagem. Os crentes deveriam ser indescritivelmente felizes. Homens redimidos com o precioso sangue de
20
Cristo devem sempre ser quase felizes demais para viver, homens que são filhos de Deus e herdeiros do pacto, e que logo estarão onde Jesus está no esplendor inefável da luz de Jeová, devem sentir sua alma transbordando de prazer. O pulso do crente deve bater aleluias; cada palpitar dos pulmões deve levantar um Te Deum. Oh, se nossas mentes só pudessem subir aos lugares celestiais, onde deveríamos estar, não deveríamos apenas ser felizes como os dias são longos, mas devemos aproveitar os dias do céu sobre a terra! No entanto, devo dizer, por mais entusiasta que fosse essa canção, e por mais cheia de alegria que fosse, seria apenas uma canção como a que deveria ser dada ao Senhor. Se aquelas pessoas naquele dia tivessem cantado ao Senhor alguma melodia abafada e pesada, acho que se estivesse lá, eu teria dito: “Mudem essa nota. Despertem-se ao ardor! Acordado; acordado, fortalecido”. As novas melodias da época atual são construídas com base no princípio de “vamos cantar e sacudir as palavras o mais forte que pudermos”. Eu gosto de música mais pesada, movendo-me rapidamente, mas ainda grandiosamente. Tal era o cântico de Moisés, cheio de solenidade, mas cheio de coração, uma melodia na qual todos podiam lançar o volume total de sua voz sem medo de estragar a delicadeza do tom. Mas, irmãos, as tribos de Israel nem mesmo
21
louvavam ao Senhor como Ele deveria ser louvado. Se todos os anjos no céu tivessem deixado seus assentos e descessem para a costa do Mar Vermelho, e se querubins e serafins tivessem se juntado à elevada canção, não teria sido mais do que apropriado para a ocasião. Então, hoje, se pudéssemos despertar na Terra e em todos os céus, assim como em tudo o que há em nós, para abençoar e magnificar o Senhor, a canção não seria igual à majestade da bondade divina, seria apenas uma fraca expressão do que Deus merece de cada um de nós. Portanto, vamos cantar para o Senhor, pois Ele triunfou gloriosamente - “Soem o tamboril bem alto no mar escuro do Egito! Jeová triunfou, Seu povo é livre. Cante - pois o orgulho do tirano está quebrado, Seus carros, seus cavaleiros, todos esplêndidos e corajosos, Quão vaidosos estavam se gabando! O Senhor somente falou, e carros e cavaleiros afundaram-se na onda.” III. Devemos nos alongar por alguns minutos nas PRIMEIRAS CLÁUSULAS DESTA CANÇÃO. “O Senhor é a minha força e o meu cântico e ele se tornou a minha salvação. Ele é o meu Deus e eu prepararei uma habitação para ele; Deus do meu pai, e eu vou exaltá-lo.” Observe que a música é toda de Deus. Não há uma palavra sobre Moisés. Leia esta canção, e nem Moisés, nem Aarão, nem Miriã estão nela, Deus é tudo
22
em todos; “Cantarei a Jeová.” Esse é o louvor abençoado quando o ego se deita com os egípcios no fundo do mar, e quando tudo que há em nós que é louvável é traçado à graça de Deus, e o Senhor é engrandecido por isso. Oh, para a glorificação de Jesus, e ninguém além de Jesus! Irmãos, estragamos nossa música desviando nossos pensamentos para o homem. Vamos esquecer os homens, esquecer a terra, esquecer o tempo, esquecer-se, esquecer essa vida mortal e pensar apenas em nosso Deus. O cântico será todo para Ti, ó Senhor, pois Tu és tudo em todos, e se tivermos uma nota determinada a se extraviar, vamos hoje atá-la com cordas, com cordas às pontas do teu altar, ó Jeová. Observe que a canção fala sobre o que Deus fez: “O cavalo e seu cavaleiro Ele atirou no mar”. Não há nada a respeito dos feitos de Moisés e Arão, ou do orgulho do Faraó, ou do ofício de Janes e Jambres. Não, o todo é consagrado aos feitos do Senhor. Vamos traçar todas as misericórdias que recebemos para o nosso Deus, pois Ele tem trabalhado todas as nossas obras em nós, Ele nos escolheu, Ele nos redimiu, Ele nos chamou, Ele nos vivificou, Ele nos preservou, Ele santificou nós, e nos aperfeiçoará em Cristo Jesus. A glória é toda do Senhor. Vamos cantar o que o Senhor fez. Quando você ler a história humana, leia-a para ver o dedo de Deus nela, traçar todo o
23
tempo através da história humana a linha prateada da aliança trabalhando, observe como o Senhor lança o cavalo e seu cavaleiro no mar quando eles se manifestam contra Ele ou Seu povo. A canção também declara o que o Senhor ainda fará. Não é sobre o que os homens maus estão fazendo, ou o que temos medo que vai acontecer através de sua malícia, mas do que o Senhor sozinho fará. Ele diz: “Você certamente os trará para dentro”. Ele imagina todo o caso terminado, e Israel se estabeleceu na Terra Prometida, e esta é a Sua canção. Venha, irmãos, vamos cantar a música do futuro, a música do que Deus fará. Você acredita que o Senhor será derrotado a longo prazo? Você teme que, no final, o propósito eterno de Jeová fracassará - que Cristo terá morrido em vão? Você acha que a verdade eterna promulgada neste livro será expulsa da terra pelo pensamento moderno? Ou que nosso antigo cristianismo, pelo qual nossos pais sangraram, será extinto? De jeito nenhum. Conquistaremos ainda o grande nome de Jeová. Portanto, tomemos o coração de esperança para nós mesmos e cantemos o que o Senhor tem feito tantas vezes, repetidas vezes: “O cavalo e seu cavaleiro Ele atirou ao mar.” Tome a primeira nota: “O Senhor é minha força.” Que enunciação nobre! O pobre Israel não tinha força! Ele clamara por causa de sua escravidão dolorida, fazendo tijolos sem palha. Pobre Israel
24
era a própria fraqueza! Mas Jeová se aproximou em poder. O Senhor é a minha força quando não tenho força própria. Pela força do Senhor, Israel saiu com mão alta e braço estendido; o Egito alegrou-se quando partiram, e os egípcios deram-lhes joias de prata e de ouro para que pudessem desejar-lhes uma boa partida; porque Deus lhes havia dado honra aos olhos do povo. Assim, o Senhor é nossa força quando estamos no limite da fraqueza. O Senhor também era a força de Israel contra o poder. O faraó era extremamente poderoso. Os reis da terra tremeram diante do relincho de seus cavalos de batalha, o barulho de seus carros fez os próprios céus ressoarem, mas Deus era mais do que compatível com ele. Quando o poder sai contra o povo de Deus, Deus o encontra com Sua onipotência. Qual é a força do faraó quando comparado ao poder de Jeová? Uma bolinha de papel jogada contra uma parede de bronze. O inimigo disse: “Eu vou perseguir; eu vou ultrapassar; dividirei o despojo ”, e assim por diante, mas Jeová teve apenas que soprar com o Seu vento, e o mar os cobriu. Assim o Senhor será a nossa força quando os poderosos estiverem contra nós. É bom dizer: "O Senhor é a minha força" quando somos fracos e o inimigo é forte, mas devemos nos importar em dizer o
25
mesmo quando somos fortes e nossos inimigos são derrotados. Suponha que Israel estivesse na praia e gritasse: “O poder egípcio é quebrado pelos filhos de Jacó. Israel cortou o monstro do mar e feriu o dragão.” Suponha que a nação se gabou, e teria sido culpado de uma tentativa de traição à glória de Deus. Não! Israel é forte o suficiente para fazer tremer os duques de Edom, e os poderosos de Moabe terem medo, mas ela não deve cantar para sua própria honra. “Dai ao Senhor, ó poderoso, dai ao Senhor glória e força. Dai ao Senhor a glória devida ao seu nome”. Que este seja, pois, o nosso cântico quando somos fracos e o nosso cântico, quando somos fortes: “O Senhor é a minha força.” Note que a palavra não é: “O Senhor me fortalece”, mas “o Senhor é a minha força”! Quão forte é um crente? Eu digo isso com reverência, ele é tão forte quanto Deus - "O Senhor é a minha força." Deus, o infinito Jeová, na infinidade da Sua natureza, é a nossa força. O próximo é: “O Senhor é meu cântico”, isto é, o Senhor é o doador de nossas canções, Ele sopra a música nos corações de Seu povo, Ele é o Criador de sua alegria. O Senhor é também o tema de suas canções, eles cantam dele e de
26
tudo o que ele faz em seu nome. O Senhor é, além disso, o objeto de sua canção, eles cantam ao Senhor. Seu louvor é destinado somente a ele. Eles não fazem melodia para ouvidos humanos, mas para o Senhor. “O Senhor é o meu cântico.” Então eu sempre devo cantar, e se eu cantar mais alto, nunca poderei alcançar o auge desse grande argumento, nem chegar ao fim disso. Essa música nunca muda. Se eu vivo pela fé, minha canção é sempre a mesma, pois “o Senhor é meu cântico”. Nossa canção para Deus é o próprio Deus. Só ele pode expressar nossa alegria mais intensa. Ó Deus, Tu és minha alegria suprema. Pai, Filho e Espírito Santo, Tu és o meu hino de prazer eterno.“ O Senhor é a minha força e cântico, e Ele se tornou a minha salvação.” O Pai, em Seu eterno propósito, é a minha salvação; o Filho em Sua completa redenção é a minha salvação; não, não somente em Sua redenção, mas em Sua vida, Sua morte, Sua ressurreição, Sua intercessão, Sua Segunda Vinda, Ele se tornou minha salvação. E o Espírito Santo habita em mim, estimulando-me, instruindo-me, iluminando-me, aperfeiçoando-me, mantendo-me - Ele se tornou minha salvação. Deus trino, não é só que você me salve, mas você é minha salvação. Eu não procuro nada além do que está em ti, e se tu te entregaste a mim, tu me deste uma salvação perfeita, salvação da escravidão, salvação do
27
mundanismo, salvação da morte e do inferno, salvação em luz e liberdade, e amor e alegria, salvação que culminará em glória eterna. Uma salvação completa é Deus para o Seu povo. Em seguida, “Ele é meu Deus”. Talvez essa seja a nota mais alegre de todas. “Ele se tornou a minha salvação” - isso é muito doce, “Ele é o meu Deus” - isso é o mais doce de todos. “Ele é meu Deus”, eu escolho que Ele seja meu Deus, mas eu escolho a necessidade, não posso fazer outra coisa. Quem mais pode ser meu Deus? Na Versão Revisada, é “Este é o meu Deus” e uma tradução muito apropriada também; como se Israel visse o que Deus fez no Mar Vermelho, e então exclamou: “Este é o meu Deus”. Esse Deus de justiça, esse Deus de vingança e poder, é meu Deus. Amado, escolha Jeová para ser o seu Deus; quem mais você pode escolher? Deixem seus corações se apegarem a ele. Mas então vem a palavra acrescentada: "Ele é o Deus de meu Pai", isto é, o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó, um Deus por aliança, o Deus que se deu a nós por Seu próprio propósito e promessa, e, portanto, é o nosso Deus, não por qualquer direito ou mérito em nosso nome, mas apenas pelo dom de Sua graça, livre e pacto rico. Louvemos o Deus trino da graça livre, pois Ele pertence a cada um de nós. Não há nada em
28
Deus que não seja meu; não há atributo alto e elevado que não seja meu; não há fundo por qualquer direito ou mérito em nosso nome, mas unicamente pelo dom de Sua graça rica e pacífica. Ele se entregou a nós para ser nosso Deus para todo o sempre. Venha; exultemos em Seu nome. Você perdeu seus bens? Você não perdeu seu Deus. Você não tem nada na terra? Contudo, você pode dizer: “Quem tenho eu no céu senão a ti? E não há ninguém na terra que eu deseje senão a ti.” Esta é uma porção sagrada, uma porção feliz, uma porção celestial, uma porção segura, uma porção infinita, uma porção que nos faz sentir ricos para todas as intenções de bem-aventurança. Este Deus é nosso Deus para todo o sempre. Vamos louvar e bendizer o Seu nome. Note, ainda, que como Moisés disse: “Ele é a minha força, meu cântico, minha salvação, meu Deus”, agora Ele acrescenta: “Ele é meu louvor”. O texto na Versão Antiga é: “Vou preparar-lhe uma habitação.” Isso fere um pouco no meu ouvido; em vez disso, afunda a majestade do infinito para Israel pensar tão cedo em Jeová como Aquele para quem ele poderia preparar uma habitação. Construir uma habitação foi
29
antes a ideia de Davi em sua hora de declínio, do que a de Israel no dia de seu espanto e vitória. A Versão Revisada do Antigo Testamento, que é infinitamente superior à Versão Revisada do Novo Testamento, traduz: “Este é o meu Deus: Eu O louvarei”. O fato é que existem duas palavras tão parecidas que é difícil dizer o que é correto - "habitação" ou "louvor". Algumas das versões mais antigas de todas dizem: "Ele é o meu louvor". Eu nunca uso a versão antiga, no entanto, vamos considerá-la e ter certeza de que não perderemos o significado. Não habita o Senhor nos louvores de Israel? Vamos prepará-lo para uma morada de louvor. Assim que Israel se afastou do Mar Vermelho, saiu do Egito, livre do Faraó, pelo poder de Jeová, então ele disse: “Eu O louvarei.” Ó Deus, será o negócio do Teu povo a partir de agora, o de te louvar! Não temos tijolos para fazer, mas nós te louvaremos; nós não temos chicotes para temer, mas nós o louvaremos livremente; nós não somos escravos agora, mas estamos ligados a ti para sempre, e nós o louvaremos. Então o povo parece dizer: “Louvaremos ao Senhor pelo culto regular e duradouro”, porque como para adorar, é necessário um lugar, surge o pensamento: "Prepararemos uma habitação para Ele". Normalmente, louvamos a Deus por essa grande libertação. Vamos construir ao nosso Deus uma casa de louvores; vamos colocar os
30
fundamentos profundos no amor, colocar os pilares com gratidão e cobrir o teto com alegres aleluias. O pensamento de cuidado vem antes de mim na Versão Autorizada: "Vou prepará-lo para uma habitação", como se Israel dissesse: "Vou me esforçar para louvar a Deus, vou fazê-lo inteligentemente e com meus melhores poderes; ele terá o melhor que posso dar a ele. O meu melhor é pobre comparado com os seus desertos, mas a preparação do meu coração será dele; estabelecerei que tudo será feito decentemente e para o louvor deste Deus Altíssimo; eu prepararei para Ele uma morada de louvor. Não parece que Israel disse: “O Senhor veio até este Mar Vermelho para lutar contra meus inimigos e eu oro para que Ele possa ficar comigo. Eu prepararei uma habitação para que Ele permaneça. Senhor, não seja como um viajante que se demora, mas por uma noite; esteja sempre comigo a tua presença e eu te louvarei sempre.” Ter comunhão permanente com Deus é o desejo natural de toda alma redimida. Ó irmãos, vamos importar nossos próprios desejos nas palavras de Israel. Vamos dizer: “Vem, meu querido Senhor, desça e habite pela fé e amor em todos os corações; então saberemos, provaremos e sentiremos as alegrias que não podem ser expressadas.
31
”Nunca nos deixe, nem mesmo esconda seu rosto de nós, ó Senhor, nosso Deus. Habite em nós, para que possamos habitar em Ti. Resida nestes corpos e torna-os teus templos. Fique conosco. Manifeste-se a nós como não fazes ao mundo.” O verso termina com: "Ele é o Deus de meu e eu vou exaltá-lo." Como podemos exaltar Aquele que já está acima de todo pensamento? Não podemos tornar Deus realmente maior, mas podemos torná-lo maior na avaliação de nossos semelhantes. Que seja o negócio de nossas vidas magnificá-lo. Digamos a nossos amigos o que fará o Senhor parecer mais glorioso em sua avaliação. Deixar-nos sair, pela pena, pela língua e pela vida, para tornar nosso Senhor Jesus Cristo mais honroso entre os que nos cercam. Diga: “Eu devo e vou exaltá-lo. Talvez eu tenha gemido muito com minhas provações, talvez tenha estado deprimido e pesado demais, mas a partir de hoje exaltarei meu Senhor e entoarei seus louvores. Se Ele me permitir, farei da glória do Senhor o único objetivo de meu ser”. Venham, vocês, rapazes e donzelas, vocês homens e pais idosos, vamos louvar ao Senhor nos címbalos de alta sonoridade e gastar o resto de nossos dias em dizer: “Cantai ao Senhor, porque ele triunfou gloriosamente”. Amém.
32
PORÇÕES DAS ESCRITURAS LIDAS ANTES DO SERMÃO - ÊXODO 15: 1-21; APOCALIPSE 15. Êxodo – 15 1 Então, entoou Moisés e os filhos de Israel este cântico ao SENHOR, e disseram: Cantarei ao SENHOR, porque triunfou gloriosamente; lançou no mar o cavalo e o seu cavaleiro. 2 O SENHOR é a minha força e o meu cântico; ele me foi por salvação; este é o meu Deus; portanto, eu o louvarei; ele é o Deus de meu pai; por isso, o exaltarei. 3 O SENHOR é homem de guerra; SENHOR é o seu nome. 4 Lançou no mar os carros de Faraó e o seu exército; e os seus capitães afogaram-se no mar Vermelho. 5 Os vagalhões os cobriram; desceram às profundezas como pedra. 6 A tua destra, ó SENHOR, é gloriosa em poder; a tua destra, ó SENHOR, despedaça o inimigo. 7 Na grandeza da tua excelência, derribas os que se levantam contra ti; envias o teu furor, que os consome como restolho.
33
8 Com o resfolgar das tuas narinas, amontoaram-se as águas, as correntes pararam em montão; os vagalhões coalharam-se no coração do mar. 9 O inimigo dizia: Perseguirei, alcançarei, repartirei os despojos; a minha alma se fartará deles, arrancarei a minha espada, e a minha mão os destruirá. 10 Sopraste com o teu vento, e o mar os cobriu; afundaram-se como chumbo em águas impetuosas. 11 Ó SENHOR, quem é como tu entre os deuses? Quem é como tu, glorificado em santidade, terrível em feitos gloriosos, que operas maravilhas? 12 Estendeste a destra; e a terra os tragou. 13 Com a tua beneficência guiaste o povo que salvaste; com a tua força o levaste à habitação da tua santidade. 14 Os povos o ouviram, eles estremeceram; agonias apoderaram-se dos habitantes da Filístia.
34
15 Ora, os príncipes de Edom se perturbam, dos poderosos de Moabe se apodera temor, esmorecem todos os habitantes de Canaã. 16 Sobre eles cai espanto e pavor; pela grandeza do teu braço, emudecem como pedra; até que passe o teu povo, ó SENHOR, até que passe o povo que adquiriste. 17 Tu o introduzirás e o plantarás no monte da tua herança, no lugar que aparelhaste, ó SENHOR, para a tua habitação, no santuário, ó Senhor, que as tuas mãos estabeleceram. 18 O SENHOR reinará por todo o sempre. 19 Porque os cavalos de Faraó, com os seus carros e com os seus cavalarianos, entraram no mar, e o SENHOR fez tornar sobre eles as águas do mar; mas os filhos de Israel passaram a pé enxuto pelo meio do mar. 20 A profetisa Miriã, irmã de Arão, tomou um tamborim, e todas as mulheres saíram atrás dela com tamborins e com danças. 21 E Miriã lhes respondia: Cantai ao SENHOR, porque gloriosamente triunfou e precipitou no mar o cavalo e o seu cavaleiro.
35
22 Fez Moisés partir a Israel do mar Vermelho, e saíram para o deserto de Sur; caminharam três dias no deserto e não acharam água. 23 Afinal, chegaram a Mara; todavia, não puderam beber as águas de Mara, porque eram amargas; por isso, chamou-se-lhe Mara. 24 E o povo murmurou contra Moisés, dizendo: Que havemos de beber? 25 Então, Moisés clamou ao SENHOR, e o SENHOR lhe mostrou uma árvore; lançou-a Moisés nas águas, e as águas se tornaram doces. Deu-lhes ali estatutos e uma ordenação, e ali os provou, 26 e disse: Se ouvires atento a voz do SENHOR, teu Deus, e fizeres o que é reto diante dos seus olhos, e deres ouvido aos seus mandamentos, e guardares todos os seus estatutos, nenhuma enfermidade virá sobre ti, das que enviei sobre os egípcios; pois eu sou o SENHOR, que te sara. 27 Então, chegaram a Elim, onde havia doze fontes de água e setenta palmeiras; e se acamparam junto das águas.
36
Apocalipse – 15 1 Vi no céu outro sinal grande e admirável: sete anjos tendo os sete últimos flagelos, pois com estes se consumou a cólera de Deus. 2 Vi como que um mar de vidro, mesclado de fogo, e os vencedores da besta, da sua imagem e do número do seu nome, que se achavam em pé no mar de vidro, tendo harpas de Deus; 3 e entoavam o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro, dizendo: Grandes e admiráveis são as tuas obras, Senhor Deus, Todo-Poderoso! Justos e verdadeiros são os teus caminhos, ó Rei das nações! 4 Quem não temerá e não glorificará o teu nome, ó Senhor? Pois só tu és santo; por isso, todas as nações virão e adorarão diante de ti, porque os teus atos de justiça se fizeram manifestos. 5 Depois destas coisas, olhei, e abriu-se no céu o santuário do tabernáculo do Testemunho, 6 e os sete anjos que tinham os sete flagelos saíram do santuário, vestidos de linho puro e resplandecente e cingidos ao peito com cintas de ouro.
37
7 Então, um dos quatro seres viventes deu aos sete anjos sete taças de ouro, cheias da cólera de Deus, que vive pelos séculos dos séculos. 8 O santuário se encheu de fumaça procedente da glória de Deus e do seu poder, e ninguém podia penetrar no santuário, enquanto não se cumprissem os sete flagelos dos sete anjos.

Publicado no site: O Melhor da Web em 11/03/2019
Código do Texto: 139403
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):