Espaço Literário

O Melhor da Web

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
kuryos - Silvio Dutra
Silvio Dutra
Cadastrado desde: 29/08/2012

Texto mais recente: Depravação Humana



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
Não Conformidade
13/04/2019
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
Não Conformidade


Sermões 389 e 390
Por Henry Vincent
Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra
Abr/2019
2
S772
Spurgeon, Charles H.- 1834-1892
Persuasões poderosas / Charles H. Spurgeon
Tradução e adaptação Silvio Dutra Alves – Rio
de Janeiro, 2019.
54p.; 14,8 x21cm
1. Teologia. 2. Pregação. 3. Alves, Silvio Dutra.
I. Título.
CDD 252
3
Um palestra realizada na noite de 12 de Abril de 1861, por Henry Vincent no Tabernáculo Metropolitano.
O General JOHN BURGOYNE, ao introduzir o palestrante disse: Senhoras e senhores. É extremamente gratificante estar ciente de que todo encontro anterior, seja espiritual ou em forma de bazar ou palestra, que tenha sido realizado para a promoção deste grande empreendimento, tem, pelos esforços e energias, e gestão capaz do Sr. Spurgeon. e seus apoiadores, alcançado total sucesso. Espero sinceramente que isso, que eu entendo seja o último encontro, não seja uma exceção. Primeiro, agora é meu dever apresentar a você o Sr. Vincent, um cavalheiro cujo reconhecido talento e poder de empregá-lo certamente lhe dará uma palestra muito instrutiva e interessante. De minha parte, ao realizar essa tarefa, sinto que estou agindo como parte do sino da estação ferroviária, que está prestes a anunciar a partida de um trem. O trem, neste caso, será um trem de raciocínio que o conduzirá ao caminho do conhecimento. Como o Sr. Vicente terá que lidar com questões de importância social, política e espiritual, esperemos que nenhuma colisão de opiniões possa interromper nosso progresso no caminho
4
certo! O Sr. Vincent agora terá a honra de se dirigir a você.
Sr. VINCENT: Confesso que sou movido por uma emoção incomum quando estou na presença dessa vasta assembleia; porque a ocasião, desperta a nossa piedade e a nossa gratidão, pois contrastamos o presente com o passado e lembramo-nos através de que nuvem de mártires e confessores marchamos para o pleno gozo dessa liberdade espiritual, social e civil que temos, sob Deus, as principais pessoas da terra. Mas esta noite não temos tempo para desculpas ou elogios. Nós somos não conformistas. Nós pertencemos àquele grupo ilustre cuja história na tempestade e no sol é a história da piedade evangélica, de conflitos sérios e contínuos com o erro e a opressão. A nossa história é de muitos martírios, não de alguns reveses, mas de constantes triunfos e grandes e crescentes vitórias. E é apropriado que no padrão de nossos princípios não conformistas, e nos empenhemos pela graça e ajuda de Deus, elevar uns aos outros a um trabalho mais sério na obra de evangelizar o povo, e de treinar a população deste país em uma profunda e eterna fé naqueles grandes princípios da liberdade espiritual, do progresso social e da liberdade política, em defesa dos quais nossos antepassados sofreram, para que eles possam
5
ganhar para nós os privilégios gloriosos de que desfrutamos agora.
E primeiro deixe-me dizer que a Não Conformidade não precisa ser apresentada às igrejas em um aspecto sectário, ou em um espírito sectário; pois, se nos encontrarmos de volta às primeiras ilustrações de sua vida e de seu poder, não a encontraremos com mais ou menos distinção, afirmando o caráter espiritual do evangelho de Jesus Cristo? Não achamos que a Igreja de Cristo seja uma organização espiritual a ser sustentada pela graça e poder divinos? Não achamos que seus instrumentos sejam persuasão, pregação, fé, oração - aqueles grandes instrumentos designados por Deus para a obra da evangelização deste mundo? Assim, desde o início, declaro francamente que, embora eu pertença ao corpo não conformista, não venho aqui em nenhum espírito de antagonismo à vida e energia religiosas da Igreja da Inglaterra.
Todos os que amam o Senhor Jesus com sinceridade, todos os que creem na livre circulação das Escrituras, todos os que entendem o reino que não é deste mundo não deve ser acarinhado, patrocinado, ou apoiado pelo poder civil, todos os que sabem que a Igreja de Cristo deve ser uma instituição
6
evangelizadora, liberta dos trâmites de leis injustas, e santificando por sua presença, a grande causa da liberdade, são não conformistas - em qualquer seita que eles possam pertencer!
Agora, é claro, é difícil, em uma única palestra, mostrar a identificação da Não Conformidade com o crescimento e a segurança de nossos privilégios religiosos - sua identificação também com o progresso da liberdade, a segurança de nosso trono constitucional e as verdadeiras liberdades do governo e pessoas da Inglaterra. É muito difícil, na verdade, entrar em algo como uma descrição detalhada das causas que primeiro produziram essa peculiar manifestação de atividade religiosa e eclesiástica nessas nações.
Portanto, basta dizer que, embora se possa afirmar que muito antes da chegada do grande Agostinho e seu esplêndido grupo de monges, o cristianismo havia sido pregado neste país, e inúmeras igrejas haviam sido fundadas, igrejas que com mais ou menos fidelidade proclamaram as insondáveis riquezas de Cristo - ainda esta noite desejo dizer que, em parte pela influência do paganismo, em parte pela influência daquela estupenda comunidade eclesiástica que cresceu na cidade de Roma, as
7
igrejas inglesas gradualmente se tornaram corruptas. As igrejas inglesas gradualmente foram escravizadas por artimanhas sacerdotais ou por superstição! E embora, talvez, algum clérigo possa discutir comigo a primeira posição que eu tomo, eu desejo respeitosamente manter aqueles primeiros cristãos, após o estabelecimento da Igreja Católica Romana nestas ilhas, que contendeu contra as superstições de Roma, que contenderam contra o despotismo eclesiástico da Sé Romana, de homens como Grostete, bispo de Lincoln, até o imortal Wickliffe, que foi chamado, não inaptamente, de "estrela da manhã da Reforma" - esses homens eram todos não conformistas porque se recusavam a obedecer o poder arbitrário do homem e defendiam contra a tirania as eternas verdades de Deus.
É também óbvio que um paciente lendo os conflitos anteriores daqueles que são denominados protestantes, começando com John Wickliffe, e lembrando os ensinamentos daquele sacerdote espiritualmente iluminado - lembrando que ele ressurgiu numa época em que as Sagradas Escrituras não se encontravam em circulação geral, quando não haviam sido traduzidas para a língua vulgar comum - ele sustentava que as Escrituras eram a única perfeita regra de fé e conduta! Ele argumentou
8
que uma igreja consiste principalmente de homens fiéis; lembrando que protestou contra alguns dos sacramentos da Igreja Romana, que protestou contra as corrupções do clero romano - o orgulho, a pompa, a riqueza da hierarquia; lembrando que ele ajudou no envio daquele corpo de sacerdotes evangelizadores que, como os puritanos de uma época posterior, foram de cidade em cidade, e de cidade em cidade proclamaram que a religião é e sempre deve ser uma questão pessoal entre um homem e seu Criador - pregando a necessidade de uma regeneração divina na alma, e então, com uma independência e coragem dignas do mais alto louvor, traduziram o Novo Testamento do latim monástico original para a língua inglesa comum! Wickliffe assim, pela graça de Deus, estabeleceu o fundamento para o poder de ler, o poder de pensar e o poder de pregar - ele deve ser considerado não apenas como a estrela matutina da Reforma, mas como o pai da verdadeira Não conformidade na batalha pela liberdade civil e religiosa! A história nos ensina que o povo cristão, incendiado na vida e zelo pelos ensinamentos de Wickliffe e seus seguidores, se constituiu sob vários matizes de diferença como as porções evangelizadoras e religiosas da população deste país. A história nos diz que eles foram tratados, primeiro pelo sacerdócio, e depois pelo poder civil como
9
hereges, como pessoas sediciosas e traidoras, insatisfeitos com a igreja, insatisfeitos com o governo de seu país; e, no entanto, é claro que não se pode negar que alguns deles tinham opiniões fortes em favor do episcopado, que alguns deles ainda se apegavam a dogmas que os protestantes modernos acreditam ser heréticos e perigosos; embora muitos deles tivessem apenas visões imperfeitas do que o cristianismo realmente é, mas todos eles suportaram um desprezo comum, ou sofreram um martírio comum, não em defesa da supremacia episcopal, não em defesa da injustiça eclesiástica, mas em defesa daquele grande direito que você e eu desfrutamos esta noite - o direito de adorar a Deus livremente, de acordo com nossa própria consciência, um direito que esses homens e mulheres queridos e santos compraram para nós à custa de sua propriedade, sua liberdade e suas vidas. Chegamos, então, por um progresso constante e irresistível, ao tempo em que a Igreja papal neste país foi abalada em sua influência sobre a piedade e o aprendizado; chegamos a uma época em que os estadistas adotaram a política que hoje consideramos popular no continente europeu. Estadistas achavam que as alegações da cátedra papal, exercidas como essas reivindicações, atuavam de uma maneira muito intolerante sobre os príncipes fracos, os
10
magistrados fracos e os parlamentos fracos - os estadistas descobriram que a segurança do reino, a independência da coroa e a supremacia do governo. as leis civis eram incompatíveis com o exercício dessas ilhas de um governo eclesiástico estrangeiro; de modo que surgiu na Inglaterra um duplo poder - primeiro, um protesto espiritual contra as corrupções religiosas de Roma e, em segundo lugar, um protesto político, um protesto como o que você acha agora introduzido pelo Império da França; pois você pode acreditar na minha palavra, que a França, na presença das atuais corrupções na Itália, está precisamente na mesma condição em que a Inglaterra estava no reinado de Henrique VIII, e estamos próximos de um combate que vai derrubar para sempre o poder temporal do Papa na França e na Itália.
Agora chegamos, então, ao reinado de Henrique VIII, quando, após muitos martírios graves, surgiu uma repugnância mais forte ao sacerdócio, e uma maior inquietação sob restrição eclesiástica, apesar do poder da corte e do poder, além disso, do próprio sacerdócio. Essa inquietação tornou uma grande mudança em nossas instituições eclesiásticas uma necessidade absoluta. Não vou esboçar a vida do rei Henrique VIII, exceto para dizer que é muito notável que seja precisamente naquele período
11
em que Martinho Lutero - honra eterna ao monge glorioso! - tinha tocado a trombeta de sua grande revolta nos estados alemães. É muito notável que Henrique VIII, de todos os príncipes, tenha entrado na arena intelectual para envolver Lutero, para disputar com ele os dogmas do papado, para escrever aquele famoso tratado, A Defesa dos Sete Sacramentos, no qual ele tentou provar que Martinho Lutero estava errado e que o papado estava absolutamente certo! É muito notável, eu digo, que esse príncipe, em parte por meio de intrigas pessoais, em parte pelas complicações políticas da época, em parte pela criminalidade de suas próprias paixões, deveria ter sido um agente na destruição do poder externo daquela política papal. Embora eu esteja longe de ser um admirador desse blefe e corpulento rei, não obstante, considero o pesado golpe que à época agiu no curto e agudo Ato do Parlamento que declarou que, doravante, o Papa de Roma não deveria exercer jurisdição legal dentro deste reino da Inglaterra - considero o golpe glorioso na supremacia papal como o grande passo importante em direção à liberdade civil e religiosa - pois toda a história declara que o papado matará a liberdade, se a liberdade não destruir o papado! Mas agora notamos um desses fatos dolorosos que ocorrem constantemente na história da Igreja de Cristo.
12
A revolução foi realizada, mas a revolução externa afetou apenas o governo externo da igreja e as leis externas do reino. A porção espiritual do povo olhava com alegria ao ver o poder papal recuar, mas logo descobriram que, sob a nova instituição, ainda existia o velho fermento - pois uma coisa é mudar as leis de um país e outra coisa mudar o caráter das pessoas! E a grande obra sempre é mudar primeiro as pessoas, se puder, pois não pode haver mudança permanente na legislação, a menos que surja do crescimento moral e intelectual das próprias pessoas. Tentativas foram feitas, portanto, para impor na nova instituição a conformidade com protestantes moderados e opiniões católicas moderadas. Você tinha, por assim dizer, um compromisso - e não vou condenar os estadistas que fizeram este compromisso - não tenho dúvidas de que eles agiram com a maior discrição possível, pois os tempos eram críticos, o povo era ignorante e supersticioso e a mudança dependia mais do tribunal, dos estadistas e do parlamento do que do grande corpo da população inglesa! Ainda assim, o fato é, no entanto, um fato, que a grande igreja que surgiu contendo muita piedade, muito valor, muito aprendizado - contida dentro de seus próprios elementos discordantes, em parte papal, parcialmente protestante - e foi exposta a ataques de dois extremos! Os católicos
13
atacaram-na de um lado, os ultraprotestantes murmuraram do outro, e a grande instituição oscilou de acordo com a predominância de certos sentimentos na corte, e a legislatura ora se dirigiu para o papado, e ora para o protestantismo, mas sempre e para não recorrer a atos injustos, opressivos e perseguidores - às vezes contra os católicos, e às vezes contra aqueles que foram depois denominados puritanos, até que amanheceu nas mentes de alguns cristãos essa opressão, seja sob o nome de protestantismo, ou sob o nome do papado, deve ser combatido por homens cristãos sinceros, se eles encontrassem igrejas como deveriam ser fundadas - libertas da dominação opressiva dos Estados e purgadas da corrupção da pompa e da riqueza. Para mim, é evidente que os homens e as mulheres que sofreram no lado protestante, embora fossem apegados ao episcopado quando morreram na fogueira, pensaram menos em episcopado do que no evangelho! Eles não morreram por Prelação – A prelação nunca teve um mártir ainda - nunca! Eles nunca morreram por causa do prelado, e é falso dizer que eles morreram por prelação - eles morreram pelo evangelho de Jesus, e quando amarrados à estaca, e tentados pelos demônios que os amarraram com a oferta de vida, e honra e glória se eles se retratassem - eles beijaram a estaca com fervor e exclamaram
14
na presença de multidões excitadas: “Ninguém além de Cristo; ninguém, ninguém, senão Cristo!” E é óbvio que, embora alguns possam ter preferido o episcopado ao presbiterianismo, ou à independência, eles constituem uma porção desse exército de homens e mulheres nobres, dedicados e piedosos que lançaram as bases para nossa não conformidade. em toda a sua piedade e poder!
Agora, a Reforma, obstruída por um tempo, começa com um brilho renovado no breve reinado de Eduardo VI. Você descobre então o que o protestantismo estava fazendo. Os homens se queixam ocasionalmente quando as missões da cidade estão em operação, ou quando as missões estrangeiras estão funcionando, que nenhum fruto de seu trabalho aparece imediatamente. Deus trabalha à sua maneira. O homem semeia a semente e se esforça sob a orientação divina ao máximo de sua força e poder; e no tempo de Deus, os frutos desta semente santa aparecem. A destruição da influência papal, o colapso das instituições monásticas, os grandes ninhos de vício e ociosidade, a entrada no mercado das terras das antigas casas religiosas, o reabastecimento das fortunas de muitos da aristocracia - aquelas fortunas que tinham sido dissipadas pelas guerras das rosas; a mudança nas noções de
15
homens que não eram absolutamente cristãos - pois você nunca pode medir tudo o que a Igreja de Cristo faz, se você limitar sua visão à ação direta das religiões das igrejas. Há uma influência de tipo moral, há uma influência de tipo social, há uma influência de um tipo político que se estende além da área das igrejas como elas existem; e, nos reinados de Eduardo o sexto, que pode ser denominado o reino da inteligência, apesar de breve o reinado, você não apenas viu o partido protestante mais poderoso, como se desfigurou por um dos dois atos cruéis e opressivos, mas você viu a Inglaterra explodir em um amor de aprendizagem; homens e mulheres começaram a deixar a propriedade para fundar escolas - escolas nas quais os filhos da classe média podiam receber uma educação que os colocaria em pé de igualdade com os filhos da nobreza! Esta era a era das escolas de gramática gratuitas. Sua própria Escola Metropolitana, a Escola Bluecoat, cresceu nesse breve reinado, e os meninos carregam hoje em seus longos casacos azuis os brilhantes botões de Edward VI. A bolsa de estudos estava prestes a entrar em conflito com o sacerdócio - sei que nada pode destruir o pecado e que nada pode destruir o sacerdócio, senão o triunfo da graça divina na alma de um homem; mas ainda assim, acredito no poder da lógica humana. Eu acredito no poder do
16
argumento para rasgar as fraudes e a falsidade em farrapos; acredito na instrução universal da juventude de um país, um jovem que se orgulha da glória de viver sob uma constituição livre, de um jovem atropelado pelo poder do espírito divino, de erro religioso sob seus pés e de caminhar com suas cabeças em meio às estrelas - glorificando no poder da ciência e enobrecendo em suas vidas o valor da cultura mental!
O período, então, do reinado de Eduardo VI é outro golpe; é, por assim dizer, um salto na direção de uma mente mais ampla, bem como uma base mais forte sobre a qual construir nossas liberdades civis e religiosas. E agradou a Deus que esse crescimento não fosse um crescimento efêmero. Quão estranho é que o crescimento do indivíduo geralmente é através de muito sofrimento e muitas lágrimas! Eu acredito no batismo de tristeza assim como no batismo de alegria; ru acredito no poder da dor, nas influências santificadoras das lágrimas; e alguns dos cristãos mais devotos lutaram através de uma nuvem de escuridão, foram dilacerados por paixões contendas e foram trazidos de muitas tribulações - marcas arrancadas dos monumentos ardentes e duradouros da graça e do poder todo-poderosos de Deus!
17
A Inglaterra, em sua vida nacional, passou precisamente pelas mesmas fases. Nós avançamos sobre o reinado sombrio da rainha Maria. Nós não precisamos tentar reavivar as paixões que outrora varreram o país como uma tempestade, como a memória daqueles dias tristes assombrou a imaginação do público; e, no entanto, não é menos verdade que a tremenda reação que então se instalou poderia ter sido bem-sucedida se não houvesse outras pessoas no país além dos que serviam ao tempo e estivessem prontos para conferir o que quer que estivesse estabelecido. Pois, lembrem-se da mudança ocorrida, grandes números do clero indiferente se conformaram de uma só vez; grandes números do clero indiferente e oh, aquelas pessoas indiferentes! Você pode fazer qualquer coisa com um homem se ele se opuser a você, mas um homem que lhe diz: “Bem, senhor, eu não me importo muito com isso, senhor, meu lema é: “Tudo para uma vida tranquila”. Desse tipo se conformando uma vez - eles teriam se conformado com qualquer coisa! Se você colocasse o maometismo amanhã, muitas pessoas respeitáveis diriam: “Bem, é a religião estabelecida, e você se opõe às leis do seu próprio país?” Pois elas me parecem estar constantemente cegas na questão de dever, como se tudo o que foi criado, se era um bezerro de ouro ou não, a humanidade é
18
obrigada a curvar-se! Mas, bendito seja Deus, esta pode ser a linguagem dos servidores do tempo - mas não é a linguagem do evangelho de Jesus Cristo, e a igreja produziu homens e mulheres que confrontaram os poderes das trevas e da opressão na vindicação do evangelho! E você vai me dizer que aquela nuvem de mulheres e homens que foram para a fogueira no condado de Kent, no condado de Essex, nessa grande metrópole - aquele grupo santo de homens e mulheres que foram à estaca em Gloucester, Oxford, em Coventry, em Derby - de um extremo a outro da Inglaterra, com mais de 400 pessoas, muitas delas beneficiadas pelo clero - e você nos dirá que morreram pelo episcopado? Não! Eles morreram pelo evangelho e eram não conformistas! Quando eles morreram, eles se recusaram a se conformar com a ordem estabelecida das coisas; e lembre-se, eu não quero bajular a dissidência. Tem havido tantos não conformistas bons na igreja, quanto fora dela, e você descobriu que aqueles não conformistas na igreja, e depois os não conformistas que estão fora da igreja salvaram a religião e a liberdade, e têm sido a glória do país em que temos a felicidade de habitar! O reinado de Maria é o reinado do martírio, mas é um reinado que torna os princípios dos homens de algum valor. É a coisa mais fácil do mundo nadar com o
19
riacho, mas o dever chamou os Não conformistas para remar contra ele; e me regozijo em saber que a igreja e a congregação que adoram neste magnífico templo têm para um ministro um homem que não é apenas um cristão devoto, mas um não conformista fervoroso - um crente nas grandes tradições que desceram daquela era de sangue - aquelas grandes tradições que nos fizeram o que somos e para o que desejo, no meu humilde discurso, dirigir sua atenção esta noite.
Chegamos então ao reinado de Elizabeth - “Boa Rainha Bess”. Mulher robusta! Se eu devo ser desorientado, deixe-me ser governado por uma mulher! Eu me submeteria com muito mais graça e muito mais facilidade. Não desejo desvirtuar o caráter daquela esplêndida mulher - forte, com enorme senso -, gostaria apenas de dizer que não deveria ter gostado de uma tal dama para minha esposa! Mas ela era uma mulher de grande força, de nobre propósito, amava seu país, orgulhava-se de seu caráter, governaria não só o Estado, mas a igreja, e em uma ocasião memorável, embora haja uma lei sobre as mulheres governando na igreja - ela governou embora - declarou ela com firmeza quando um bispo ficou bastante inquieto em certa ocasião: - Meu senhor - disse ela, falando com grande ênfase, pois era uma dama de
20
linguagem marcante - Meu senhor - disse ela -, eu gostaria que você soubesse que eu lhe fiz o que você é, e se você não me obedecer, eu vou desligá-lo”. Então, o digno bispo, eu não tenho dúvidas, foi obediente o suficiente, e curvou-se diante dela! Um grande reinado, mas um reinado em que, protestante embora a igreja fosse, esta questão estranha de supremacia surgiu; pois nos dias da rainha Maria, pessoas devotas fugiram do país para cidades estrangeiras - grupos dispersos de cristãos - e se estabeleceram em Frankfort-on-the-Main, Estrasburgo e outras cidades continentais; e, embora fossem episcopais quando partiram, não puderam levar consigo seus bispos - foi uma grande desgraça - e, tendo-os abandonado, aprenderam a viver sem eles - o que foi outro grande infortúnio! Eles ficaram, no entanto, bastante surpresos depois de viverem em Strasburg, Frankfort e em outras cidades por um curto período de tempo, ficaram bastante surpresos que desfrutaram dos meios da graça, que suas reuniões de oração eram vigorosas e que Deus estava graciosamente presente em suas reuniões, ainda que sendo reuniões simples. Essas verdades haviam surgido em alguns - agora eles se aproximaram mais. Eles não podiam ser todos de uma só mente. Algumas pessoas querem que todos nós tenhamos uma só mente. Há apenas uma mente
21
na religião, a mente do Espírito Santo dentro de nós. Mas em coisas não essenciais, há muito espaço para diversidade de julgamento. Na complicada questão do governo da igreja, algumas pessoas gostam de Prelado, alguma Independência, alguma forma, alguma outra, alguma forma presbiteriana. Que todo o povo desfrute da forma de governo da igreja que eles acreditam estar certo, apenas deixe-os pagar por eles mesmos. Ah, se um amigo meu estivesse aqui, sei o que ele diria. “Sim”, ele diria, “você ouve essas pessoas aplaudindo. É muito bom que essas pessoas aplaudam, pois sabem dar dinheiro e sabem como construir templos como esses”. Mas ele me lembrou de uma ocasião em que um bispo pregou um sermão de caridade e meu amigo diria para mim: “Você sabe, Sr. Vincent, seu princípio voluntário é muito bom, mas não serve para todos. Eu segurei o prato na porta e, embora o bispo tivesse pregado, o homem mais rico da paróquia só colocou um xelim.” Bem, só posso dizer que pode ser acompanhado por alguns dissidentes, que, se tiverem que dar, sempre se atrapalham em seus bolsos até encontrarem um pedaço de trinta; e eu ouvi que ministros provincianos choram sobre os trinta e um pedaços! E nas pequenas cidades provinciais, há uma festa conhecida pelo nome de “festa de três peças.” De modo que é totalmente impossível
22
encontrar falhas em qualquer seita em particular! E só podemos dizer isto, que há espaço para diversidade de julgamento, há bem e mal em todo lugar, e tudo o que dizemos é que o elemento que se levantou nos dias de Elizabeth foi o mesmo elemento que se levantou nos dias de Maria.
De volta vieram os exilados de Genebra e vestidos com todos os tipos de vestidos. Agora, nunca me incomoda como um ministro se veste. Se ele tem algum amor peculiar por uma vestimenta, deixe-o entrar nela. Se ele não tem amor por uma veste, deixe-o sair dela. Não me preocupa se ele está bem vestido ou mal vestido; Penso muito mais em sua doutrina do que em sua roupa e muito mais em sua vida do que em sua aparência!
Bem, senhores, os exilados voltaram religiosamente regozijando-se sob o governo da boa rainha Bess! Alguns deles, quando restaurados em seus púlpitos, entraram em seus lenços acadêmicos de Genebra e pareciam muito estranhos. Alguns deles entraram com a velha sobrepeliz; alguns deles entraram com um casaco velho - um casaco muito velho - os exilados não tinham muita probabilidade de enriquecer. Conformistas eram mais propensos a ter bons casacos. Você tem, então, uma
23
tentativa de impor a união no vestuário! Estranho dizer que, a princípio, a uniformidade não foi tentada na doutrina - mas no vestuário! Lá saiu o Ato de Uniformidade, um ato que ofendeu os escrúpulos conscienciosos, e que reviveu a velha divisão! A igreja se separou novamente, não abertamente; mas ainda assim a divisão era perceptível para todas as mentes inteligentes. Havia homens como Whittingham, Dean de Durham. Havia homens de grande distinção, um ou dois prelados, clérigos de alta erudição e piedade inconfundível que protestavam contra o Ato de Uniformidade. E na medida em que eles continuaram a protestar, quando realizaram a liberdade que tinham adquirido nos estados estrangeiros, saíram as ordens de Sua Majestade, prescrevendo como o clero deveria se vestir, e assim a descrição era singular o suficiente. Descreveu seus evangelistas, seus capuzes e suas capas, e os longos vestidos e vestidos curtos, e seus capotes de tecido de seda; e o país dividiu-se em uma forte controvérsia que foi chamada naqueles dias, a questão do vestido e da sobrepeliz. Um dos clérigos, o decano de Durham, foi citado por se recusar a usar o que ele chamava rudemente de “trapos do padre”. Mas você deve perdoar esses homens; viviam perto do fogo de Smithfield, e o cheiro ainda estava em seus narizes e, portanto,
24
não gostavam de nada que simbolizasse o passado! Tornaram-se novos homens, não defendendo a liberdade absoluta, mas defendiam a tolerância em oposição à compulsão; mas a sua parte obrigatória nunca está satisfeita. Quando tem o poder, o exercita, e quando não tem o poder, não o faz, e espera que você seja muito grato pela concessão que faz! O digno bispo de Londres na época citou os curados da metrópole diante dele no Palácio de Lambeth. Houve uma grande reunião entre eles. Fox, o martirólogo - ele estava entre eles. Se você precisa dobrar as pessoas pequenas, você deve sempre começar com o forte; porque quando você quebra o pescoço dos fortes, os fracos são facilmente controlados. Houve um exame dos curados se eles obedeceriam às ordens da rainha e assinariam a declaração da rainha sobre o vestuário. Fox foi o primeiro dirigido pelo oficial do bispo. O venerável pregador se adiantou. Ele tirou um testamento grego do bolso, segurou-o e disse: "A isto eu vou me conformar, e nada mais". E quando eles o lembraram que ele perderia toda a chance de preferência - essa é uma questão delicada - ele disse Bem, eu tenho apenas um pouco em Salisbury; e se você tirar isso de mim, muito bem pode fazer a você.” No meio da excitação uma porta se abriu, havia um pedestal no chão do palácio, e lá entrou da porta, o Rev. Sr. Cole.
25
Nem sempre os nomes desses cavalheiros são preservados - o Rev. Sr. Cole estava vestido de canônicos completos, da maneira completamente ortodoxa! Ele foi ordenado a se levantar neste pedestal, e ele se levantou. Os curados aterrorizados - 67 deles - olhando para ele com espanto. Ele me lembra um daqueles bonecos na frente de uma alfaiataria: “Neste estilo, por 10s. 6d.” Enquanto ele estava assim em pé, o chanceler do bispo adiantou-se e disse: “Vocês, piedosos ministros de Londres! O prazer do conselho da Rainha é que você mantenha estritamente a unidade de roupas como esse cavalheiro piedoso que está aqui. Você que vai se inscrever, escreva "Volo". Você que não vai se inscrever, escreva "Nolo". Vem vem, vem; seja rápido, seja rápido; nenhuma palavra; trinta ou quarenta dos curados, para sua eterna honra, abotoaram os casacos e saíram, embora soubessem a que custo o fizeram. Quem foram os homens que saíram? Não conformistas! E nós temos a autoridade dos bispos para dizer que entre eles estavam alguns dos ministros mais piedosos, santos e eruditos da Igreja da Inglaterra, e para o crédito da assembleia, uma minoria muito pequena assinou a declaração que lhes foi pedida. Se você ler com cuidado, você observará que no reinado da rainha Elizabeth há a existência distinta de um partido puritano na igreja, mais ou menos
26
não conformista, e há o começo do separatismo, embora em um grau muito pequeno, em certos distritos da Inglaterra. É o Não conformismo novamente contendendo pela pureza do evangelho - pela liberdade no não-essencial - pela mesma liberdade que deveria ser combatida com maior zelo no reinado que estava por vir. Elizabeth faleceu. Seu reinado foi gloriosamente intelectual. Sua corte era cheia de juízo, oradores e estadistas, enquanto a grande explosão da vida e da beleza literárias atesta que o país surgira da letargia de sua antiga vida na luz e beleza de um cultivo superior, um gosto mais refinado, e uma bolsa de estudos mais nobre - enquanto estava dentro e fora da igreja, o elemento não conformista estava crescendo consciente ou inconscientemente na direção de uma liberdade mais ampla e mais sólida.
Nós viemos agora até o reinado de James I - "Scotch Jamie". James I era presbiteriano na Escócia e, enquanto subia no trono inglês, a opinião pública oscilava. Os católicos disseram: “Ele nunca perdoará os homens que mataram a própria mãe ”. Os presbiterianos disseram: “Ele foi tão bem ensinado na Escócia, que certamente se inclinará para nós”. A Inglaterra crescera naquele tempo. Os separatistas além das paredes da igreja estavam se formando em
27
congregações presbiterianas. O grande líder do presbiterianismo nos dias de Elizabeth era Cartwright, que se formara na Universidade de Cambridge. Ele foi agora precedido pelo Dr. Reynolds, um homem eminente por sua piedade e aprendizado. Havia também, creio eu, algumas congregações dispersas de batistas e independentes, sem importância nos números, mas sinceros nos princípios. O rei não estava no trono antes de se aliar com o partido Prelático, porque o eleito não conformista, fortalecido pelo poder escocês, estava agora enfrentando os vários despotismos que ainda continuavam a desonrar nossa fé protestante. O rei convocou uma conferência em Hampton Court. Não preciso descrevê-lo; é um elo na cadeia, porém, dessa história não conformista. Vários dos prelados estavam lá - o dr. Reynolds e alguns puritanos estavam lá. O rei franziu os olhos aos puritanos - insultou-os - disse-lhes que aquele que procurava introduzir um presbitério escocês na Inglaterra era um homem que não seria tolerado! Voltou-se para os puritanos e disse: "Vou arrastá-lo para fora da terra, ou farei o pior". O reino de James (Tiago) foi inaugurado com uma política forte e opressiva, e a partir desse momento, assaltos foram feitos com vigor impiedoso ao presbiterianismo e àqueles que começaram a propor sentimentos independentes e batistas. Foi então que a bolsa
28
de estudos do país começou a debater a questão da Constituição, para o inglês. A Constituição goza desta vantagem, que todas as suas tradições antigas - aquelas sustentadas pela lei comum - são todas a favor do direito comum. E o partido puritano, deixando a Conferência de Hampton Court, começou a dizer: “Como é que estamos constantemente sujeitos a multas, prisão, banimento ou morte?” E a resposta veio a eles: “Se tornaram não fiéis como cidadãos; porque você não entende que você não deve misturar o seu governo da igreja com a política da coroa, ou a política do parlamento; é seu dever como cidadãos ver que as leis não transgridem os limites dentro dos quais eles têm o direito de agir - que as leis da Inglaterra têm a intenção de proteger todos os homens no honesto exercício de suas opiniões religiosas”. Baseou-se apenas na erudição, atraiu a atenção dos cristãos mais sinceros, e esses cristãos sinceros disseram: “Esses eruditos falam com sabedoria, pois as Escrituras da verdade nos dão o direito de adorar a Deus de acordo com os ditames. de nossa própria consciência.” Assim, sob a corrente de lá - em parte das Universidades, em parte dos Lordes e dos Comuns, em parte das Casas de Encontro Presbiterianas e Dissidentes, em parte do corpo não conformista na igreja - surgiram essas grandes ideias. que o Parlamento da Inglaterra,
29
consistindo de Coroa, Senhores e Comuns, não deveria ser um corpo opressor, e que todo homem que fosse leal à coroa e obedecesse às leis, deveria gozar de perfeita liberdade com todos os outros homens no reino! Foi então que o partido do Tribunal e o partido Prelático sentiram o perigo, e eles deram as mãos. O Prelático disse à Coroa: "Acredite no direito divino dos bispos"; e a Coroa disse: "eu creio"; e a Coroa disse aos Prelados: "Acredite no direito divino dos reis"; e os Prelados disseram: "Nós cremos." A unidade foi atingida entre eles, e agora, nas bancadas dos cortesãos, nos colégios de Oxford e Cambridge, e nos livros impressos do partido Prelático, as mais fortes perversões da Escritura aconteceram. “Você não tem medo do poder do rei? Como por lei divina, tudo o que o rei quiser, deve ser obedecido”. A bolsa de estudos dizia: “A lei comum não conhece nada de direito divino. Eduardo, o Confessor, cujas antigas leis são constantemente citadas, não reinou por direito divino, mas em virtude das leis e costumes comuns de seu reino.” E então os líderes puritanos, um por um - eles nem todos viram a luz de uma vez - levantaram o Novo Testamento e começaram a confrontar, com bases cristãs, as máximas do despotismo! E atrevo-me a dizer, meus amigos cristãos, que quando os cristãos assumem este poder, eles mataram o poder do despotismo e lançaram as
30
bases para as liberdades que agora desfrutamos! Eles alegaram que o direito divino estava em liberdade; eles argumentaram que o rei não poderia oprimir as igrejas; eles contenderam contra as máximas do despotismo; eles contaram valentemente embora aquela perseguição tenha levado centenas deles para a floresta da Virgínia - naquele robusto vínculo de Pais Peregrinos que lançaram as bases para a melhor parte da República Americana! Contendiam com a política corrupta da corte - quando a corte era um cozido, quando o rei agia como palhaço, quando estadistas cuidavam dos mais atrozes vícios - eles ainda lutavam contra o despotismo! Eles desafiaram a loucura do Livro dos Esportes. Eles não acreditaram em bruxaria na qual o rei acreditava; eles não o seguiriam em seu crime, sua loucura nem sua injustiça; e quando James morreu, os não conformistas da Inglaterra, apesar da perseguição e da tristeza, eram um forte poder entrando em uma companhia mais íntima com os princípios constitucionais, e com a erudição, preparando-se para assumir a posição de honra que assumiram no reinado de Carlos I - uma posição que proclamava que o despotismo neste país não é imortal e que aqueles que depositam sua confiança em Deus nunca serão confundidos!
31
O reinado de Carlos I consumiu o primeiro grande conflito político dessa história não conformista. Não tenho tempo para entrar nos detalhes dessa guerra; basta dizer que a política tola de James foi continuada. Ainda era o direito divino dos reis, ainda era a audácia do Prelado, e aí surgiram para confrontar eruditos como Selden, como Coke, o velho Coke sobre Lyttleton, um dos mais argutos advogados de sua época! Surgiu para enfrentá-lo, John Pym, John Hampden; levantou-se para enfrentá-lo Sir Harry Vane; surgiu para confrontar os líderes Presbiterianos, Batistas e Independentes, pois a essa altura as igrejas Batista e Independente haviam se multiplicado em números; e depois de uma longa e dolorosa luta, na qual a nação testemunhou às vezes a prisão de cristãos, o fechamento de suas igrejas, a cobrança de impostos contrários à lei, a dissolução forçada do parlamento - a nação finalmente viu, no início de 1629, a dissolução das Casas dos Lordes e dos Comuns! E de 1629 até 1639 as prisões estavam cheias dos mais nobres, mais piedosos e eruditos da população; igrejas foram fechadas pela violência - entre elas, a grande e antiga igreja de Bristol, a igreja de Broadmede, associada à história batista. Londres sofreu intensamente naquela época - homens nobres ficaram no pelourinho - Bastwick, Leyton, Burton, Prynne e outros, tiveram suas orelhas
32
cortadas, seus narizes cortados, suas bochechas marcadas com letras em brasa! Centenas fugiram para a América. Era uma era de perseguição e despotismo até que em 1629, o parlamento foi revivido, mas dissolvido em três semanas. Em 1640, ele se reuniu novamente como "Long Parliament", descrito por Macauley como "o Parlamento contendo os maiores gênios para o governo que o mundo já viu". A maioria dos membros eram episcopais, mas eles eram episcopais não conformistas; acreditavam no episcopado, mas acreditavam que o episcopado significava os direitos do clero e os direitos dos leigos também como os direitos dos prelados. Alguns presbiterianos estavam lá e alguns independentes e batistas. Entre os independentes estava aquele homem difamado por 200 anos, mas que ainda assim se destaca como o produto mais nobre de sua época - Oliver Cromwell - sentado agora na cidade universitária de Cambridge, tendo anteriormente representado sua cidade natal de Huntington. Você conhece o problema. O Prelado tinha enlouquecido, mas o Prelado estava agora para ser banido pelos episcopais! O parlamento restaurou a ação devida da lei, varreu dos livros de direito, a decisão infeliz do Banco do Rei contra John Hampden, no caso do ship-money - libertou Pym, Burton e Bastwick, de sua longa prisão, e multou seus juízes! E
33
finalmente quando os bispos se tornaram mais impopulares, e houve um grito contra eles - os bispos, achando que não poderiam ficar pacificamente em seus lugares na Câmara dos Lordes - pediram ao rei que cuidasse deles; o rei disse que tinha o suficiente para cuidar de si mesmo e que se eles tivessem alguma queixa para reclamar, era melhor que fizessem uma petição à Câmara dos Comuns. “Pois”, ele disse, pesaroso, “esse é o lugar onde eles corrigem as queixas hoje em dia”. Os bispos fizeram uma petição à Câmara dos Comuns; os Comuns estavam de bom humor; eu questiono se alguma vez já esteve sentado na capela de St. Stephen, um parlamento mais polido do que o parlamento então reunido. O Parlamento votou de uma vez que os bispos tinham uma queixa, e que nunca deveria ser dito que os bispos apelaram ao parlamento da Inglaterra em vão, e votaram ainda que, com o objetivo de dar aos bispos mais tempo para cumprir seus deveres espirituais, eles devem, a partir de então, ser aliviados do trabalho de frequentar seus lugares na Câmara dos Lordes! Esta resolução foi transmitida em uma linguagem tão tocante que eu tenho certeza que os prelados devem ter ficado encantados com a percepção espiritual de uma Câmara dos Comuns do mundo; porque a Câmara dos Comuns disse que foi induzida a chegar a essa resolução por causa do interesse
34
pelos interesses das almas. Os bispos seguiram o seu caminho; é relatado que alguns deles foram surpreendidos por uma pitada do velho Adão quando eles saíram, e eles se viraram e lançaram um olhar demorado sobre as panelas de carne do Egito. Ainda assim, eles saíram e agora você vê a loucura de forçar um ponto longe demais. Nunca force demais um ponto. Os prelados tinham se esforçado muito - eles gritaram: “Tudo ou nada”. Isso é sempre uma coisa perigosa para o despotismo fazer. É o único grito para homens livres porque não pode haver concessões na questão da liberdade; mas se o déspota for sábio, ele concederá de tempos em tempos; e se o papa de Roma tivesse sido sábio, ele poderia ter vivido 10 anos a mais, mas o fato de recusar todas as concessões o coloca em uma posição desconfortável. Você sabe o resultado - como o rei de Nápoles, que jogou uma constituição pela janela quando estava prestes a fugir - o papa agora é tarde demais! Neste país nas costas deste evento, o rei fez a miserável tentativa de tomar os cinco membros da Câmara Baixa, e foi então que a nação se despertou para avançar nas guerras civis. Não tenho tempo para esboçá-las, exceto para dizer que as guerras civis foram sustentadas com grande coragem de ambos os lados, e a história atesta - Macaulay diz a você, e a todos os escritores modernos, que o partido que salvou a causa do parlamento foi a
35
parte piedosa, a parte não conformista. Chefiado por meu senhor de Essex, os exércitos parlamentares em Cornwall, Somerset e Devon foram espancados. Mas o que bateu o rei? Os regimentos do Iron-side e os regimentos das adoráveis companhias sob o comando de Cromwell - os irmãos Batistas, Independentes, Presbiterianos e da Igreja Baixa. Os homens de energia piedosa foram despertados para a ação por este magnífico soldado e, por fim, diante dos babados e flores, e da colisão e bravura dos monarquistas, o orgulhoso exército dos cavaleiros é destruído em meio ao trovão da artilharia. e o barulho de mosquetes e o arroio de aço nos campos imortais de Naseby e Marston Moor. A Revolução não foi obra de dissidentes, mas obra do despotismo; o partido liberal nunca faz revoluções; o despotismo faz revoluções por sua apaixonada resistência ao que é certo! O elemento não conformista conservador sobrevive à morte do rei, entra em conflito para apoiar o governo irregular e, sob o breve mas brilhante reinado de Cromwell, o evangelho foi pregado com fervor de uma ponta à outra da Inglaterra! E, embora Cromwell não compreendesse completamente a liberdade religiosa, isto é, não tinha chegado a compreender que não deveria haver interferência da parte do Estado com a religião, mas no geral ele nunca interferiu, exceto para
36
acabar com a conspiração. Era a época em que Chillingworth promulgava seu aforismo episcopal - “A Bíblia e a Bíblia sozinha é a religião de Protestantes.” Era a era de John Owen, Howe e Richard Baxter, o imortal autor do Descanso Eterno dos Santos. Era a idade de John Bunyan, o maior dos nossos alegoristas; uma era em que a aprendizagem e a piedade do povo irromperam com força. Mas, infelizmente, havia divisões no campo não conformista. Houve uma parte que queria montar o Presbitério, e essa parte era uma parte poderosa. Foi confrontada pelos Batistas e Independentes e, é claro, pelos episcopais, e por aquele grande expoente intelectual da Não Conformidade, aquele ilustre erudito, cuja vida é ao mesmo tempo a glória de nosso próprio país e o espanto do mundo - John Milton - o mais nobre defensor da impressão sem licença e da pregação sem licença, e o mais nobre defensor da absoluta liberdade civil e religiosa que já pisou no solo da Inglaterra. A comunidade caiu porque descansou demais nas proezas de Cromwell; caiu através da ignorância e das divisões e corrupções do povo; Caiu através das intrigas insatisfeitas dos republicanos e presbiterianos. A nação voltou à sua antiga constituição, pois a Inglaterra não é um país revolucionário. Suas tendências, embora progressistas e liberais, são sempre conservadoras no melhor sentido. A nação,
37
dilacerada por facções e fatigada pelas tempestades, lembrou do filho do falecido rei. Entramos em sua declaração de Breda, uma declaração em que ele prometeu que ninguém deveria sofrer por causa da consciência, e que ninguém deveria ser perturbado por sua conduta em relação a seu falecido pai; era uma anistia completa e ampla, com exceção das pessoas dos regicidas. Agora, a parte presbiteriana achava que, por meio de um pouco de conformidade, as coisas poderiam ser gerenciadas. Até o nobre senhor Owen,e um ou dois outros, pensavam que uma conformidade parcial seria a melhor coisa. Mas tão logo Charles II estava no trono, do que em face da declaração de Breda, na colina da Torre, e em Charing-cross, um grupo santo de homens - embora marcado com o nome de regicida - homens devotos, foi para o quarteirão, um após o outro. Havia aquele coronel Harrison, de cuja execução há um registro mantido em Bristol, escrito por um Sr. James, que é depositado na biblioteca do Colégio Batista. É datado, “Londres - Aquele dia triste, sangrento e que nunca será esquecido - 13º do 8º mês, 1660. Neste dia triste o inimigo prevaleceu para derramar o sangue dos inocentes de acordo com a sentença amaldiçoada desta geração amaldiçoada para o querido Harrison, foram cerca de oito horas desta manhã trazidos de Newgate, puxados por
38
um trenó para Charing-cross, onde por volta das dez os haviam enforcado e esquartejado. Ele saiu com um semblante tão alegre quanto eu o vi e resistiu até o fim. Seu discurso foi muito curto, mas muito celestial, encorajando todos a reconhecer a causa de Cristo, a qual, ele disse, Cristo ressuscitaria. Ele disse que eles não sabiam o que faziam, que ele estava plenamente seguro do amor do Senhor, e que o Senhor o reconheceria e justificaria no devido tempo pelo qual ele foi condenado. ”Carew, ancestral do atual Carew, da Cornualha, pereceu da mesma forma, enquanto o carrasco cortava o corpo de Carew, alguém pressionou Hugh Peters, o famoso capelão do exército parlamentar, e o carrasco esfregou as mãos ensanguentadas no rosto de Hugh Peter e disse: - Como você gosta disso? Então, Sr. Peters?”, sua vez de execução veio em seguida. Peters olhou para ele e disse: “Eu bendigo o Senhor, não estou desanimado; você pode fazer o seu pior.” Ele se ajoelhou e orou, e esperou que aqueles que estavam presentes não desprezassem as verdades do reino porque ele foi chamado para sofrer por eles. “O que fizemos”, disse ele, “estava sob um governo de fato; nós fizemos isso no interesse da igreja e pelas liberdades do povo. E se as circunstâncias semelhantes ocorressem, e nós fossemos poupados, faríamos de novo.” E depois exclamando com fervor: “Senhor Jesus, ajuda-
39
me! Senhor Jesus, receba o meu espírito”, ele deitou a cabeça no tronco. “E assim”, disse um querido amigo que o acompanhou até a escada, “a alma do nosso santo irmão foi levada para o céu.”
Sir Harry Vane foi decapitado em Tower Hill no mesmo ano, apesar de ter protestado contra a execução do rei Charles I. Antes de colocar a cabeça no tronco, ele disse: “Um momento e eu concluo”, e quando ele orou fervorosamente, ele disse: “Homens e irmãos, este caso terá uma ressurreição, nunca poderá morrer”. Depois, abaixando a cabeça, tornou-se um dos mártires da nossa fé não conformista e das liberdades do povo!
John Milton entrou na vida privada, apoiando-se no braço de Elwood, o Quaker. Depois de ter cumprido seus deveres como secretário latino do parlamento de Cromwell com brilho incomparável, para citar a linguagem de Macaulay, “Ele retirou-se da obscenidade daquela época obscena para deleitar-se em uma cena tão adorável, em uma linguagem tão sublime, que poderia não ter se enganado com aquelas virtudes etéreas que ele viu com aquele olho interior, que nenhuma calamidade poderia obscurecer, jogando suas coroas sobre a calçada de jaspe e de ouro.” Ele retirou-se para uma
40
quietude comparativa para deleitar-se com as lindas criações de Paraíso perdido e recuperado.
O ano de 1662 chegou. O rei e a corte tornaram-se recriados às suas promessas, e logo provaram aos presbiterianos sua loucura em confiar neste rei perverso e fraco! Um parlamento mais monárquico do que o tribunal eleito sob a influência enlouquecedora da reação aprovou o famoso Ato de Uniformidade, aquele Ato de Uniformidade que era o de vencer a igreja e testar seu espírito - que era levantar-se mais uma vez nos anais da Igreja da Inglaterra, uma nuvem de testemunhas - ainda não conformistas! Muitas das igrejas Batista e Independente foram fechadas; a insurreição da Quinta Monarquia homens em Londres levaram a um ataque geral às casas de reunião dos independentes e batistas, que estavam fechadas em todas as direções. Então o ato de uniformidade exigiu conformidade implícita e, naquele grande dia, o aniversário do terrível massacre de São Bartolomeu, naquele dia chamado pelos ingleses, “o dia do Bartolomeu negro” - naquele grande dia em que o Ato de Uniformidade era Executado, 2.000 ministros saíram da Igreja da Inglaterra e abandonaram todos os seus privilégios, desfraldando a velha bandeira da não conformidade inglesa! Mais uma vez você vê que é o elemento Não
41
Conformista. Mas há algo mais. O exército de Cromwell de 50.000 homens foi dissolvido por Charles, mas ao dissolver o exército, eles enviaram o que chamaram de insurgentes por todo o país, ligados às caudas das raposas - incendiários que incendiaram a nação! Esses homens foram para as aldeias e se estabeleceram. Os aldeões afetaram o medo deles a princípio. Havia muito poucos convites para o café da manhã, muito poucos convites para o chá, mas de vez em quando, de alguma forma ou de outra, esses velhos soldados prosperavam em assuntos mundanos; cuidavam de seus negócios, faziam as orações da família em casa, oravam sozinhos se não pudessem orar abertamente, e nunca seriam abatidos. Por fim, os aldeões e os habitantes da cidade costumavam cutucar uns aos outros se viam um mais santo do que o outro: “Não é aquele dos velhos soldados de Nol?” Não havia uma conspiração contra a tirania de Carlos de que esses companheiros não puxassem as cordas; se eles vissem uma faísca, eles explodiriam, e se não conseguissem acender a chama, não era por falta de vontade, mas por falta de vento! Eles fizeram o melhor que podiam e lutaram duramente em todos os conflitos do reinado de Charles - e um reinado de sofrimento intolerável! Há muitas declarações sobre não conformistas; você
42
encontrará uma petição de George Fox em que ele diz que em uma ocasião 3.068 Quakers foram presos. Outra declaração coloca o número em 4.200. Quinhentos foram colocados na prisão e em volta de Londres; em Cheshire 68 foram confinados em um quarto, e muitos morreram na prisão; John Bunyan foi preso, ministros dissidentes em todas as direções foram para a cadeia. Então veio em 1664, o Teste e os Atos de Corporação, excluindo como eles fizeram todos os Dissidentes de todos os lugares de ofício, e preferencial. Estes foram seguidos pela Lei das Cinco Milhas, que cobrava multas e prisão para qualquer um que chegasse a oito quilômetros da cidade onde antes viviam e pregassem o evangelho! Dissidentes foram colocados em cadeias; mais de dez ou doze milhões em dinheiro cobrado em multas desde o início do reinado de Charles II até o final do reinado de Jaime II; sofrimento e prisão; 60.000 dissidentes que passam pelas cadeias; muitos morrendo na prisão; conspirações repetidas - execuções de homens grandes e honrados - mas, ainda assim, o elemento da Não Conformidade continua firme! Você chega à morte de Charles II e ao breve reinado de Jaime II. É a velha história novamente. A tentativa dos não conformistas de ajudar Monmouth; esforços constantes para lutar por uma liberdade superior, civil e religiosa, até que o rei,
43
tornando-se papista, se esforçou para mexer com os dissidentes, sob o fundamento de que ele iria conceder liberdade de consciência. Várias tentativas foram feitas para seduzir os dissidentes, mas os dissidentes entenderam o que isso significava, e embora tivessem sido martirizados, haviam sido aprisionados e levados à loucura pela opressão, em 1688, quando a Igreja da Inglaterra recuperou seus sentidos, e descobriram que poder sem fé o poder dos Stuart era, o não conformismo apertou a mão do episcopado, e o grande poder enfrentou o despotismo mais uma vez! O trono de James II foi abalado e Guilherme, Príncipe de Orange, em meio aos aplausos dos não conformistas, foi coroado rei da Inglaterra; e esta "revolução gloriosa" é outra glória que coroa a causa não conformista! Mal, no entanto, é James II afastado, que o velho partido conformista e opressivo reviveu suas táticas antigas. o clero indeciso, o povo corrupto da alta igreja, começou a conspirar contra o trono do rei. Eles mantinham relações secretas com a família exilada. O partido que apoiou o rei era o grupo da igreja inferior, os presbiterianos e os dissidentes, e surgiu um grande escritor, que pode ser chamado de William Cobbett de seu tempo - quero dizer Daniel Defoe, de notoriedade não conformista - cuja caneta vigorosa defendeu com eloquência o trono do
44
rei Guilherme! A não conformidade foi o braço direito dessa revolução. Não havia energia no país tão preparada para essa grande mudança quanto o poder não conformista. William morre; Rainha Ana veio. Ela tinha uma pitada do sangue Stuart nela, e então você tem a velha perseguição. Sempre começa como a varíola, sempre que você entra na presença de um Stuart! Houve as antigas tentativas de multar os dissidentes, e quando isso não aconteceu para suborná-los pelo regium donum, introduzido por um estadista conhecido que disse: "Se você não pode derrubá-los à força, coloque-os para baixo por cubos de açúcar", e estou inclinado a acreditar que a segunda política é mais fatal do que a primeira. As igrejas agora declinaram na vida religiosa, e uma nuvem de irreligião e sensualismo escureceu a terra, quando novamente o elemento não conformista irrompeu novamente na igreja; porque a Igreja da Inglaterra nunca esteve sem um povo reconhecendo Deus, um povo entendendo que o Episcopado é um assunto secundário, seus testes podem ser episcopais, mas seus princípios são cristãos! Eles defendem o episcopado se não interferir com eles, mas permitam-me dizer que, se o episcopado tivesse sido tão sábio e liberal em meados do século passado quanto é agora, haveria menos não conformistas do que temos agora no país. Surgiu
45
na Igreja da Inglaterra um corpo de homens sinceros. Um deles era John Wesley, cujo nome nunca podemos esquecer; outro, George Whitefield - expositores sagrados e fervorosos dos sentimentos evangélicos. A princípio, eles trabalharam na igreja, até que a perseguição os levou a pregar nos campos e nas salas públicas. Foi reclamado por alguns dos clérigos preguiçosos, que Wesley fez muita besteira, pois seus sermões eram tão longos que as pessoas tinham que gostar de longos sermões - e aqueles que tinham comprado uma preferência com a condição de que os sermões fossem breves, reclamavam que tinham sido enganados fora de sua propriedade, e que um homem que deu um exemplo tão ruim deveria ser interferido! Graças a Deus eles tiveram a coragem de crescer e cresceram em graça e sabedoria! Wesley e Whitefield tocaram as notas da trombeta de uma nova reforma. Em 1717, quando o pretendente estava marchando para recuperar o trono, os não conformistas se opuseram a ele; e em 1745, quando o pretendente era mais provável de ser bem sucedido, Wesley e Whitefield tinham despertado o país, e entre as primeiras pessoas a e ocupar braços contra o pretendente eram as pessoas não conformistas! Bem, senhores, a partir deste momento, o que você vê? Um crescimento em Não Conformidade; a
46
dissensão crescendo na vida e no poder evangélicos; o crescimento da dissensão e o crescimento da liberdade! Você viu a nação pular, até que em 1825 ou 1826 a Lei de Testes e Corporações, e as outras leis abomináveis que excluíam os Dissidentes do poder foram repelidas em parte pela influência de Lord John Russell. Abaixo eles foram! A Emancipação Católica veio e outras grandes mudanças perturbaram o antigo equilíbrio de poder; então senhores, veio um espírito maior de evangelização. Sociedades Bíblicas foram formadas em que os Dissidentes desempenharam um papel de liderança, incomparável em sua benevolência e atividade! Você viu as Sociedades Missionárias formadas para agarrar as nações distantes da terra, em que cada uma das corporações não conformistas desempenhou uma parte honrada e piedosa. Você viu escolas populares fundadas para a educação dos pobres, e quando Bell e Lancaster propôs primeiro seu esquema de ensino popular, eles teriam sido derrubados se não tivessem sido sustentados pelos não conformistas da Inglaterra! Você viu os Não conformistas defendendo uma propaganda espiritual, defendendo a liberdade, opondo-se ao direito divino dos reis e assumindo a liderança na defesa da liberdade constitucional. Os não conformistas estenderam, por sua livre
47
agência voluntária, o poder de evangelizar o povo deste país. Eles construíram centenas de casas de reunião sem pedir ao Estado que lhes concedesse um centavo de dinheiro, e as criaram por meio de suas próprias contribuições voluntárias! E não tenho dúvidas de que, quando o senhor Samuel Morton, ou algum outro membro, chamar a atenção para este magnífico templo quando o debate sobre os impostos da igreja for renovado, não faltarão aqueles que estarão inclinados a dizer que deram um mau exemplo - pois só refletem sobre a preguiça de outras pessoas - e é uma coisa imprópria fazer isso! Não é justo que você deve mostrar que você pode construir templos e mantê-los! É um corte indelicado em outras pessoas que pessoas benevolentes nunca teriam feito. Ali está o fato. Vocês popularizaram as escolas e eu não hesito em dizer que a conformidade resistiu a todas as reformas até que foi obtida pela Não Conformidade - e só então seguiu o caminho! Toda reforma a que se opôs. Profetizou o mal da educação. Dizia primeiro que levaria à sedição, ateísmo e deísmo; e então, quando viu “que os não conformistas estavam educando as crianças”, montou as próprias escolas e seguiu na mesma direção! Declarou que o princípio voluntário estava errado, e ainda durante os últimos 50 anos, ele construiu, eu me regozijo em dizer,
48
2,000 igrejas episcopais pelo princípio voluntário! Ele expulsou Wesley e Whitefield da igreja porque eles pregavam em lugares não consagrados, e agora, em parte graças aos esforços do meu digno amigo, sr. Spurgeon, eles não apenas se abriram - e eu lhe dou o crédito de escancarar as portas - eles não apenas abriram a catedral de St. Paul e a abadia de Westminster, mas também vemos clérigos pregando em salas públicas, e teatros, em imitação de não conformistas! A Igreja da Inglaterra não pode viver sem não conformismo! A não conformidade conquistou-a e ela deve imitar a Não Conformidade!
Amigos, eu digo isso rudemente? Não, digo com gratidão, na presença do meu Criador, que nos foi provado que estamos certos pela experiência. Cada passo dado pelos nossos oponentes está em nossa direção, e nunca contra nós, nunca! Desde a tentativa de comprometer os impostos da igreja, você vê este compromisso ilustrado! Pensar em um corpo supremo comprometedor de tudo! Este é o dia do compromisso! O que você vai fazer? Senhores, vocês são vitoriosos, o que você vai fazer? Nada além da liberdade! Liberdade absoluta. O que? Renda agora? - Agora que a bondade do Todo Poderoso nos trouxe para sermos exemplos do poder espiritual da igreja?
49
O que? Ceder agora? - Quando pisamos nos pés de santos e mártires - em seus passos sanguinolentos - carregando sobre suas sepulturas a bandeira da boa e velha causa? Não! Iremos levantar mais alto nossas orações, mais ruidosamente nossos sermões - falaremos do grande fato de que não haverá poder supremo neste país, mas LIBERDADE - liberdade para todas as seitas e para todas as denominações! Oh, meus senhores e meus senhores, vocês excitam os sorrisos das crianças quando falam como se tivessem o poder de confirmar os impostos da igreja, e despertam a compaixão dos homens quando lamentam o fato de que os Não conformistas reivindicam igualdade com a Igreja da Inglaterra, não em emolumentos e títulos, mas em uma liberdade comum! Vocês devem ceder, meus senhores e senhoras, como vocês já cederam antes! Deus tirou todos os outros poderes de suas mãos; você só pode decidir se vai se render graciosamente, generosamente e com justiça - ou se vai afundar sob a maré alta! Lembre-se, nossa é a época em que o poder temporal do papado é levado de suas amarras; a Europa se eleva além de seu domínio sacerdotal e absoluto; o jovem reino da Itália está sacudindo o poder do papado, marchando sob a liderança de Garibaldi; a Inglaterra é coberta de capelas e escolas! Metade da Igreja da Inglaterra é consciente ou
50
inconscientemente não conformada! Lembrem-se, meus senhores e senhoras, que somos seus concidadãos; em lealdade ao trono, em obediência a todas as leis que os governos têm autoridade para impor - pois traçamos a linha - sabemos que somos ordenados por nosso divino Mestre a “render a César, as coisas que são de César e a Deus, as coisas que são de Deus.” Sim, meus senhores e senhoras, somos seus concidadãos! Nas contribuições ao Estado, os Não conformistas não são superados por ninguém! Em atividades voluntárias, presentes a hospitais, Sociedades Missionárias, Sociedades Bíblicas, instituições reformatórias, escolas para maltrapilhos, escolas diurnas, escolas dominicais, com gratidão desafiam você à investigação e comparação! Seus homens e mulheres devem ser encontrados liderando ou auxiliando todo empreendimento útil; eles popularizaram a pregação em locais não consagrados; eles criaram altares de fé e oração em campos, ruas, casas de campo, celeiros, salões e teatros! E vocês, meus senhores e cavalheiros, não estarão dispostos a negar que sua devoção incansável aboliu a escravidão - tornou o código penal mais humano - melhorou a disciplina da prisão - estimulou a temperança e a educação - auxiliou na aprovação da Lei de Reforma e foi a principal liderança, e maiores assinantes no grande movimento pela
51
Revogação das Leis do Trigo. Vocês temem, meus senhores e minhas senhoras, que a Inglaterra deixaria de ser uma seita que deixou de ser legalmente patrocinada! Oh, você teme isso à luz da história não conformista? Afaste, eu peço a você, esse medo desonroso para longe! Em nome daquele reino que não é feito com as mãos, jogue fora esse medo não cristão! Ajude, antes, a libertar a igreja da injustiça e os cidadãos do mal! Ajudar a proclamar a era da igualdade e liberdade religiosa, e a igreja deve colocar uma nova vida e entrar em rivalidade evangélica com todas as outras seitas. Se ela perder em riqueza, ela ganhará poder; se ela declinar no esplendor terreno, crescerá em beleza celestial e no vigor de suas manifestações espirituais! Um grande escritor e historiador brilhante, cuja memória todos reverenciamos, e cuja mente educada e culta conquistou a admiração do mundo, expressou-se eloquentemente: “A arca de Deus nunca foi tomada até ser cercada pelos braços dos defensores da terra; em cativeiro sua santidade era suficiente para preservá-la de insulto, e colocar o demônio hostil prostrado no limiar de seu próprio templo! A verdadeira segurança do cristianismo deve ser encontrada em sua moralidade benevolente, em sua adaptação exata ao coração humano, na facilidade com que se acomoda a toda capacidade da inteligência
52
humana, no consolo que leva à casa do luto, na luz com a qual ilumina o mistério da sepultura. Para tal sistema, não pode trazer nenhum acréscimo de dignidade ou poder que seja parte e parcela do direito comum. Não se deixa agora pela primeira vez de confiar na força de sua própria evidência e nas atrações de sua própria beleza. Sua teologia sublime derrotou as escolas gregas no belo conflito da razão com a razão. Os mais sábios e corajosos dos Césares encontraram seus braços inúteis quando se opunham às armas que não eram carnais, e ao reino que não era deste mundo. A vitória que Porfírio e Diocleciano não conseguiram obter não está reservada a toda a aparência de alguém nesta era que dirige seus ataques contra a última restrição dos poderosos e a última esperança dos desgraçados. Toda a história do cristianismo mostra que aqueles a quem investimos o poder temporal o tratam como haviam tratado Seu autor. Eles se dobram e cospem sobre ele. Eles clamam “Ave!” e o ferem na face. Eles colocam um espectro em sua mão, mas é um junco frágil. Eles o coroam, mas é com espinhos. Cobrem de púrpura as feridas que suas próprias mãos infligiram e inscrevem magníficos títulos sobre a cruz em que o colocaram para perecer em ignomínia e correntes.” Tal era a linguagem do nobre lorde Macaulay e tal, meus senhores e cavalheiros, é
53
a fé dos nã

Publicado no site: O Melhor da Web em 13/04/2019
Código do Texto: 139722
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):