Espaço Literário

O Melhor da Web

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto


Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de MANUELA , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6281

 
Textos & Poesias || Poema
Imprimir - Impressora!
Imprimir
Vida interior (João Luís Barreto Guimarães) (+tradução italiana)
06/09/2019
Autor(a): MANUELA
VOTE!
TEXTO ELEITO
2
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
Vida interior (João Luís Barreto Guimarães) (+tradução italiana)

               num canal de Amesterdão

Há sempre uma história maior por trás
da que conhecemos –
ficava a vê-la sozinha no quarto aceso da
frente (ela e
a epiderme do prédio já pediam
um restauro). A vida
(vista de fora)
convida a imaginar a arqueologia das perdas
(silêncios que se gritaram
gestos que se contiveram) tudo
o que de imaterial o
tempo
não conservou. Ficava a vê-la sozinha naquele
teatro mudo
guardando um casaco de homem aos ombros
de uma cruzeta (como
quem sonha que esconde um amante
no armário).

In Nómada (2018)
_______________________________________


Tradução italiana de Manuela Colombo


Vita interiore
               su un canale di Amsterdam

Sempre si cela una storia più grande dietro
la storia che conosciamo –
stavo a guardarla mentre sola nella camera accesa
lì davanti (sia lei,
sia la pelle dell’edificio ormai richiedevano
un restauro). La vita
(a guardarla da fuori)
invita a immaginarsi l’archeologia delle sconfitte
(silenzi che reclamarono
gesti che furono repressi) tutto
ciò che d’immateriale il
tempo
non ha protetto. Stavo a guardarla mentre sola
in quella recita muta
conservava un giubbotto da uomo sulle spalle
di una gruccia (come
chi sogna di nascondere un amante
nell’armadio).



Publicado no site: O Melhor da Web em 06/09/2019
Código do Texto: 140442
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):