Espaço Literário

O Melhor da Web

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
kuryos - Silvio Dutra
Silvio Dutra
Cadastrado desde: 29/08/2012

Texto mais recente: Sobre a Paciência de Deus



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
A Glória Eterna
09/10/2019
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
A Glória Eterna


Por Wilhelmus à Brakel (1635-1711)

Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra

Após a conclusão do julgamento e a expulsão dos ímpios para o inferno, o Senhor Jesus conduzirá os eleitos à glória eterna (Sl 73:24), a casa do Pai na qual existem muitas mansões (João 14: 2), a casa não feita com mãos, eterna nos céus (2 Cor 5: 1), o terceiro céu, ou paraíso (2 Cor 12: 2,4), a cidade que tem fundações e cujo construtor e criador é Deus (Hebreus 11:10), a alegria do Senhor (Mateus 25:21) e o reino celestial (2 Tim 4:18). Ele lhes dará a vida eterna (João 10:28), colocará a coroa da justiça sobre a cabeça deles, (2 Tim 4: 8), concedendo-lhes a coroa da vida (Tiago 1:12) e fazendo-os participantes de “uma herança incorruptível, e imaculada, e que não se desvanece, reservada no céu” (1 Pedro 1: 4). Além disso, eles desfrutarão daquilo que o Senhor Jesus mereceu e pediu por eles: “Pai, a minha vontade é que onde eu estou, estejam também comigo os que me deste, para que vejam a minha glória que me conferiste, porque me amaste antes da fundação do mundo.” (João 17:24).
O próprio Deus, que sozinho é onipotente, sábio e misericordioso, construiu o terceiro céu, Hebreus 11:10, e preparou este reino desde a fundação do mundo para Seus abençoados (Mt 25:34). Ele os escolheu desde o princípio para a salvação (2 Ts 2:13), Ele enviou Seu Filho ao mundo para salvar Seu povo (Mateus 1:21), e é Seu prazer dar-lhes o reino (Lucas 12:32). “Porque dele, e por ele e para ele são todas as coisas: a quem seja a glória para sempre” (Romanos 11:36). O Filho, nosso Senhor Jesus Cristo, ganhou e mereceu a salvação para os eleitos. "O dom de Deus é a vida eterna através de Jesus Cristo, nosso Senhor” (Romanos 6:23); quem é “... o capitão de sua salvação”, Hb 2:10, que “também pode salvá-los perfeitamente”, Hb 7:25, e tem dito: "Dou a minha vida pelas ovelhas ... e dou-lhes a vida eterna", João 10: 15,28. Portanto, ele carrega o título Salvador, pois o homem nada contribui para a salvação; ele é levado a ele e posteriormente conduzido a ele. "Sabei que o SENHOR é Deus; foi ele quem nos fez, e dele somos; somos o seu povo e rebanho do seu pastoreio.” (Sl 100: 3). “Que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos.” (2 Tim 1: 9). Portanto, “Não a nós, SENHOR, não a nós, mas ao teu nome dá glória, por amor da tua misericórdia e da tua fidelidade.”(Sl 115: 1).
Os eleitos, que são preordenados, são aqueles que se tornarão participantes da salvação: “E aos que predestinou, a esses também chamou; e aos que chamou, a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou.” (Rm 8:30); eles são os abençoados do Pai: “então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo.” (Mt 25:34); são aqueles que foram dados a Cristo pelo Pai: “Pai, a minha vontade é que onde eu estou, estejam também comigo os que me deste, para que vejam a minha glória que me conferiste, porque me amaste antes da fundação do mundo.” (João 17:24); e eles são crentes: “Aquele que crer no Filho tem a vida eterna” (João 3:36). Eles sozinhos e todos eles são as pessoas que irão desfrutar da felicidade.
Os piedosos diferem em glória no céu
Pergunta: No céu, uma pessoa terá uma maior medida de glória do que outra?
Resposta: Alguns acham que não será esse o caso, enquanto outros acreditam que existem vários graus. Mantemos que todos os que são glorificados serão cheios de felicidade a transbordar; isto é, tanto quanto eles podem suportar. Portanto, não haverá falta de mais, nem isso será possível. Será impossível ser privado de qualquer coisa lá.
"Quanto a mim, contemplarei a tua face em retidão; ficarei satisfeito, quando acordar, com a tua semelhança" (Sl 17:15).
Como um navio pode, no entanto, conter mais do que outro navio, embora todos estejam cheios, acreditamos que também um irá se destacar do outro na glória. Isto não é, no entanto, devido ao mérito. Os papistas mantêm isso quando dizem que virgens, monges, ministros e mártires que se destacam no mérito aqui, também o serão lá. Antes, com base em Sua graça soberana, Deus elevará em glória aqueles que fizeram ou sofreram muito como testemunhas de Seu Nome. Isso é evidente nas seguintes passagens:
Primeiro: “Os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento; e os que a muitos conduzirem à justiça, como as estrelas, sempre e eternamente.” (Dn 12: 3). No versículo 2, o profeta relata em que todos os crentes serão participantes iguais: vida eterna.
Posteriormente, no versículo 3, é feita uma distinção entre ministros e aqueles que foram instrumentos na conversão de muitos. Eles brilharão especialmente como o brilho do firmamento e como as estrelas.
Em segundo lugar, “Uma é a glória do sol, outra, a glória da lua, e outra, a das estrelas; porque até entre estrela e estrela há diferenças de esplendor. Pois assim também é a ressurreição dos mortos. Semeia-se o corpo na corrupção, ressuscita na incorrupção. Semeia-se em desonra, ressuscita em glória.” (1 Cor 15: 41,42). O apóstolo não indica apenas que os mesmos corpos terão características diferentes, mas também que essas características diferirão em pessoas individuais - uma será mais gloriosa que a outra. Há uma diferença entre o brilho do sol, da lua e das estrelas, e também as estrelas entre si diferem em brilho.
Terceiro: “E isto afirmo: aquele que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia com fartura com abundância também ceifará.” (2 Cor 9: 6). Essa promessa não pertence a esta vida, pois isso nem sempre ocorre. Pelo contrário, pertence à vida eterna, que é confirmada em Gl 6: 8, onde o apóstolo declara: “Porque o que semeia para a sua própria carne da carne colherá corrupção; mas o que semeia para o Espírito do Espírito colherá vida eterna.” A palavra “moderadamente” é contrastada com “abundantemente”. Não é indicativa de falta, mas de uma diferença de grau.
Quarto, considere (Lucas 19: 12-19). “E chamou seus dez servos, e lhes entregou dez libras, e disse a eles, se ocupem até que eu venha” vs. 13; “Tens autoridade sobre dez cidades” vs. 17; “e tu sobre cinco cidades” vs. 19.
Não é apenas relatada a recompensa dos servos fiéis, e o fato de haver uma recompensa em sentido geral (como é o caso de Mateus 25: 21,23), mas também a medida da recompensa dada de acordo com o lucro de cada pessoa. Isto é figurado expressamente por ter autoridade sobre dez ou cinco cidades.
Quinto, “Todo homem receberá sua própria recompensa, de acordo com seu próprio trabalho” (1 Cor 3: 8). Nós também não temos um contraste aqui entre os fiéis e os infiéis, e entre o bem e o mal, nem é dito deles que o o bem deve ser recompensado e o mal punido. Antes, o apóstolo fala apenas de servos fiéis - de Paulo e Apolo - e relaciona a tarefa de cada pessoa. Um é aquele que planta e o outro o que rega - mesmo que o plantar uma igreja em uma dada localidade requer mais trabalho do que administrar aquilo que é subserviente a ela em crescimento. Ele declara que ambos são realmente incapazes de facilitar seu crescimento, mas, no entanto, cada um seria recompensado de acordo com seu trabalho, se fosse de maior ou menor importância.
Sexto: “Muitos ... devem se sentar com Abraão, Isaque e Jacó no reino dos céus” (Mt 8:11); "Aconteceu morrer o mendigo e ser levado pelos anjos para o seio de Abraão; morreu também o rico e foi sepultado.” (Lucas 16:22); “Jesus lhes respondeu: Em verdade vos digo que vós, os que me seguistes, quando, na regeneração, o Filho do Homem se assentar no trono da sua glória, também vos assentareis em doze tronos para julgar as doze tribos de Israel.” (Mt 19:28). A referência aqui é ao céu, pois Abraão, Isaque e Jacó não pertencem à igreja aqui na terra.
Lázaro gostava de sentar-se com Abraão depois que ele morrera e os apóstolos sentaram-se nos doze tronos quando Cristo se sentou no trono de Sua glória. Após esse estado de tempo, haveria uma diferença entre Abraão, Isaque e Jacó e os muitos que se sentariam com eles; entre Abraão e Lázaro; e entre os apóstolos e outros crentes - ou seja, que os apóstolos se sentariam nos doze tronos, o que não é dito sobre outros neste texto. A partir disso, é evidente que haverá uma diferença de grau na medida da glória.
Objeção 1: “Ao cair da tarde, disse o Senhor da vinha ao seu administrador: Chama os trabalhadores e paga-lhes o salário, começando pelos últimos, indo até aos primeiros. Vindo os da hora undécima, recebeu cada um deles um denário. Ao chegarem os primeiros, pensaram que receberiam mais; porém também estes receberam um denário cada um.” (Mt 20: 8-10). Salários iguais foram dados àqueles que trabalharam muito ou pouco e, portanto, não há graus no céu.
Resposta: (1) O objetivo aqui é mostrar que a recompensa não é meritória, mas é dada por graça gratuita.
(2) O centavo não deve ser entendido como uma referência à vida eterna, pois não haverá ninguém que tenha um mau-olhado e e quem murmure.
Objeção 2: Todos os crentes são participantes iguais da mesma eleição, satisfação de Cristo, justificação, adoção de filhos e a designação de herdeiros. Assim, eles também são participantes iguais da glorificação. Isso prova que não há graus em glorificação.
Resposta: Esse argumento é inútil, pois, pelo mesmo argumento, podemos concluir que os crentes são todos igualmente participantes na santificação. A experiência e as Escrituras ensinam que não é assim, mas que nesta vida há pais em Cristo, rapazes e crianças. Assim como existem graus nesta vida em relação à graça e ao seu resultado, também da mesma forma na recompensa. O menor deles, no entanto, será preenchido para transbordar e eternamente gozará de tanta glória e felicidade quanto ele seja capaz de conter. No entanto, isso deve nos motivar a fazer e sofrer muito por Cristo.
Os santos se reconhecerão no céu
Pergunta: Haverá reconhecimento mútuo no céu?
Resposta : Mesmo que esse conhecimento não seja o que é aqui (associado a um relacionamento físico e afetos), acreditamos, no entanto, que os ministros conhecerão seus membros, membros ao seu ministro, marido à esposa, esposa ao marido, pais aos filhos e filhos a seus pais. Parentes e conhecidos se conhecerão. Além disso, todos os homens de renome na Bíblia, e todos os que se destacam na glória serão conhecidos por todos. Todos os que estão no céu se conhecerão mutuamente por revelação divina e pela comunhão eterna eles estarão um com o outro. Ninguém será um estranho para o outro ou será considerado como tal por qualquer pessoa, pois não haverá perda de memória. A ignorância é uma fraqueza, e não haverá imperfeição. A comunhão mútua será perfeita lá; não se envolverá ignorantemente, mas com conhecimento de causa. Eu creio que eles devem contar um ao outro os caminhos pelos quais o Senhor os havia guiado. Eles devem louvar e magnificar as perfeições de Deus que se manifestavam a cada passo do caminho. Portanto, eles não serão ocupados somente com a contemplação imediata de Deus, sem pensar um no outro. Antes, como homens glorificados, eles devem ter comunhão juntos, glorificando a Deus em conjunto. Os discípulos reconheceram Moisés e Elias quando estavam no monte santo (Mt 17: 3). Os pobres conhecerão seus benfeitores quando "eles puderem recebê-lo em habitações eternas" (Lucas 16: 9). A ausência de parentes não trará tristeza, pois todos os relacionamentos e afetos físicos cessam lá. A justiça de Deus dará tanta razão para alegria e render glória a Deus quanto Sua bondade.
Que eles tenham a capacidade de falar é evidente pelo fato de que a incapacidade de falar é uma imperfeição. Como mais eles poderiam cantar louvores? Moisés e Elias conversaram com Cristo, com o objetivo de render glória a Deus.
Acreditamos, no entanto, que a diferença entre as línguas cessará, sendo esta uma conseqüência do pecado. Contudo, qual idioma será falado não é conhecido. Pode ser a língua que Adão falou, que até o momento em que as línguas foram confusas (um período de quase dois mil anos) era a única língua –provavelmente a língua hebraica. Talvez seja uma linguagem que permita aos santos expressar melhor a essência dos assuntos celestes do que qualquer linguagem terrena, geralmente derivada de assuntos temporais. Qualquer que seja o idioma, no entanto, será para a glorificação de Deus.
Os elementos essenciais da glória dos filhos de Deus
Vamos agora considerar o assunto em si; isto é, aquilo que constitui a glória dos filhos de Deus. Essa glória é muito grande, como é confirmado em primeiro lugar por sua natureza inexprimível. Qualquer um que receba apenas um vislumbre e desfrute, senão um pouco disso ficará estupefato e sua caneta irá parar, pois ele não será capaz de encontrar palavras para expressá-lo. Ele terá vergonha das expressões que usa a respeito, pois elas não correspondem ao próprio assunto. Quando Davi deseja expressar isso, tudo o que ele pode dizer é: “Como é grande a tua bondade, que reservaste aos que te temem, da qual usas, perante os filhos dos homens, para com os que em ti se refugiam!” (Sl 31:19). Se alguém puder nos dizer algo sobre isso, deve ser Paulo, porque ele foi arrebatado ao terceiro céu. Tudo o que ele pôde dizer sobre isso, porém, foi que ele “ouviu palavras indizíveis, que não é lícito ao homem pronunciar”, 2 Cor 12: 4 - portanto, assuntos indizíveis. E mesmo se alguém fosse capaz de expressar de certa forma, mais particularmente, ninguém seria capaz de entendê-lo, a menos que fosse de uma natureza mais celestial.
A natureza inexprimível e incompreensível dessa glória não deve nos fazer pensar menos em salvação, mas deve nos instigar a pensar em maior glória. Contudo, o Senhor revelou grande parte do céu em Sua Palavra, e tornou conhecido às almas de Seus filhos, para que eles possam conhecer o suficiente do céu para capacitá-los a suportar todas as tribulações e ter o desejo de ser um participante dessa salvação.
Em segundo lugar, aquilo que o único Deus sábio e onipotente concebeu e pensou dentro de si (deixe-me falar como homem), a saber, para exaltar o homem ao mais alto nível de felicidade, enchê-lo de glória incompreensível e deleitar-se e glorificar-se em Seus santos e seja admirado em todos os que creem em 2 Ts 1:10, deve ser glorioso para o mais elevado grau. Portanto, Deus, que é o Criador do céu e da terra, é chamado de Construtor e Criador do céu.
“Pois ele procurou uma cidade que tem fundamentos, cujo construtor e criador é Deus” (Hb 11:10).
Terceiro, isso deve ser deduzido do fato de que aqueles a quem Deus leva à salvação são Seus filhos. Ele reserva o seu melhor para seus filhos. Homens de renome fornecem grandes heranças para seus filhos. Será que o que o grande Deus preparou para Seus filhos amados não é o mais eminente? “Ora, se somos filhos, somos também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo; se com ele sofremos, também com ele seremos glorificados.” (Rm 8:17).
Quarto, isso é evidente quando se considera que os meios pelos quais essa salvação foi adquirida por eles é de valor inestimável; é o precioso sangue de Cristo, o Filho de Deus. O Filho de Deus não teria sofrido isso muito para fornecer ao homem apenas uma pequena medida de felicidade. Portanto, quão grande é a salvação que tem sido comprada a um preço tão alto! “Porque convinha que aquele, por cuja causa e por quem todas as coisas existem, conduzindo muitos filhos à glória, aperfeiçoasse, por meio de sofrimentos, o Autor da salvação deles.” (Hebreus 2:10).
Em quinto lugar, deve-se considerar, além disso, que quando Deus deseja prometer a Seus filhos a maior benção, Ele lhes promete a vida eterna. “Ao que vencer, darei que coma da árvore da vida, que está no meio do paraíso de Deus. ...Ele ...não será ferido pela segunda morte. A quem vencer, darei a comer do maná escondido, e lhe darei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, que ninguém conhece exceto quem a recebe” (Apo 2: 7,11,17); “O vencedor será assim vestido de vestiduras brancas, e de modo nenhum apagarei o seu nome do Livro da Vida; pelo contrário, confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos., ... Ao vencedor, fá-lo-ei coluna no santuário do meu Deus... Ao vencedor, dar-lhe-ei sentar-se comigo no meu trono”(Apo 3: 5,12,21); "O que vencer herdará todas as coisas” (Apo 21: 7).
Sexto, a salvação constitui toda a esperança e conforto dos crentes. Isso lhes permitiu suportar todos os tipos de tormento e mortes cruéis. Por esta salvação, eles ansiaram com grande desejo. “Porquanto considerou o opróbrio de Cristo por maiores riquezas do que os tesouros do Egito, porque contemplava o galardão.” (Hb 11:26); “... desejando partir e estar com Cristo; o que é muito melhor” (Fp 1:23).
Por tudo isso, pode-se concluir prontamente que a felicidade futura será inexprimivelmente grande. Você não se atreveria a colocar toda a sua confiança nisso, crente? Você não abandonaria alegremente tudo o que é do mundo, suportaria todo sofrimento e corajosamente se envolveria em todas as batalhas em troca disso - mesmo que tudo o que você pudesse perceber não seja mais do que aquilo que você pode deduzir a título de conclusão? Certamente, se a fé fosse animada, você teria motivos suficientes para desejar isso.
A experiência da Felicidade
Eu posso entender que o leitor piedoso deseja ouvir um pouco mais sobre o estado de felicidade, esperando mais detalhes sobre esse assunto a seguir. Devo dizer-lhe, no entanto, que não poderei satisfazer seu desejo e expectativa. Você não está interessado em palavras, mas no assunto em si, e isso eu não posso lhe dar. Palavras humanas não são capazes de expressar o inexprimível. No entanto, desejo mencionar algumas coisas. Que isso agrade ao Senhor para torná-lo uma ocasião para alguém ter o assunto em vista e começar a prová-lo. Primeiro vamos dizer o que não estará lá, e então o que será experimentado lá, de acordo com o corpo e a alma.
Não haverá nada daquilo que cause ao corpo ou à alma qualquer desconforto ou inquietação nesta vida. Nenhuma escuridão irá entorpecer a mente e nenhum pecado poluirá a alma. A alma não será mais deserto e não haverá mais batalha contra a carne, o mundo e o diabo. Toda tristeza, dor, mágoa, ansiedade e medo terão sido eliminados. Não haverá pobreza, oposição, opressão, fome ou qualquer outra coisa que afligisse a alma e o corpo. “E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram.” (Apo 21: 4); “Jamais terão fome, nunca mais terão sede, não cairá sobre eles o sol, nem ardor algum.” (Apo 7:16).
Em vez de miséria, haverá tudo o que pode satisfazer a alma e o corpo. O corpo será vestido com glória e “o qual transformará o nosso corpo de humilhação, para ser igual ao corpo da sua glória” (Fp 3:21). Além disso, uma vez que o corpo terá uma visão e audição perfeitas, nada vai faltar para tornar um homem feliz. Tudo estará presente lá e será subserviente à glória de Deus. No entanto, o que os olhos e ouvidos verão e ouvirão está escondido de nós. Em geral, podemos dizer que o que quer que seja visto e ouvido, será maravilhoso, alegre e arrebatador.
O céu, como localidade, é inexprimivelmente grande e cheio de glória divina. É descrito para nós em sentido figurado em Apo 21, e existe comparando-se com as circunstâncias mais eminentes que podem ser interpretadas na Terra.
"16 A cidade é quadrangular, de comprimento e largura iguais. E mediu a cidade com a vara até doze mil estádios. O seu comprimento, largura e altura são iguais.
17 Mediu também a sua muralha, cento e quarenta e quatro côvados, medida de homem, isto é, de anjo.
18 A estrutura da muralha é de jaspe; também a cidade é de ouro puro, semelhante a vidro límpido.
19 Os fundamentos da muralha da cidade estão adornados de toda espécie de pedras preciosas. O primeiro fundamento é de jaspe; o segundo, de safira; o terceiro, de calcedônia; o quarto, de esmeralda;
20 o quinto, de sardônio; o sexto, de sárdio; o sétimo, de crisólito; o oitavo, de berilo; o nono, de topázio; o décimo, de crisópraso; o undécimo, de jacinto; e o duodécimo, de ametista.
21 As doze portas são doze pérolas, e cada uma dessas portas, de uma só pérola. A praça da cidade é de ouro puro, como vidro transparente.
22 Nela, não vi santuário, porque o seu santuário é o Senhor, o Deus Todo-Poderoso, e o Cordeiro.
23 A cidade não precisa nem do sol, nem da lua, para lhe darem claridade, pois a glória de Deus a iluminou, e o Cordeiro é a sua lâmpada.” (Apo 21: 16-23).
A irmandade será muito propícia para a promoção da alegria. “Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Se andares nos meus caminhos e observares os meus preceitos, também tu julgarás a minha casa e guardarás os meus átrios, e te darei livre acesso entre estes que aqui se encontram.” (Zc 3: 7). Todos os santos (cada um em sua própria glória, deleite e beleza); todos os piedosos de Adão até o dia de Cristo; todos os patriarcas, profetas e apóstolos; e todos os mártires e aqueles que heroicamente lutaram pela verdade, terão comunhão uns com os outros, falarão juntos e louvarão o nome do Senhor. “E clamavam em grande voz, dizendo: Ao nosso Deus, que se assenta no trono, e ao Cordeiro, pertence a salvação. Todos os anjos estavam de pé rodeando o trono, os anciãos e os quatro seres viventes, e ante o trono se prostraram sobre o seu rosto, e adoraram a Deus, dizendo: Amém! O louvor, e a glória, e a sabedoria, e as ações de graças, e a honra, e o poder, e a força sejam ao nosso Deus, pelos séculos dos séculos. Amém!” (Apo 7: 10-12).
A Quintessência da Felicidade: Estar na Presença de Deus e desfrutar de Sua Irmandade
O que precede não pode, no entanto, satisfazer a alma que tem um desejo infinito e que não consegue encontrar realização em qualquer outra coisa que não seja o gozo do infinito. Portanto, é necessário levar a alma a um plano superior.
Primeiro, os crentes estarão para sempre com o Senhor. É o sofrimento deles nesta vida que eles vivem tão longe do Senhor.
Isso lhes custa muitas lágrimas. Todo o desejo, anseio e prazer deles está centrado na comunhão com Deus.
“No entanto, estou continuamente contigo. ... Mas é bom eu me aproximar de Deus” Sl 73: 23,28. Contudo, haverá comunhão ao mesmo tempo imediato e eterno. Isso lhes confere conforto nesta vida: “Assim estaremos sempre com o Senhor. Portanto consolem-se mutuamente com estas palavras” (1 Ts 4: 17-18). Este era o desejo de Paulo: “Ora, de um e outro lado, estou constrangido, tendo o desejo de partir e estar com Cristo, o que é incomparavelmente melhor.” (Fp 1:23). Isto é a promessa feita por nosso fiel Jesus: “... e onde eu estiver, também estará meu servo” (João 12:26). Esta foi a Sua petição: “Pai, desejo que também eles, a quem me deste, estejam comigo onde estou” (João 17:24). Nós estamos tendo em vista o seguinte: “Portanto eles estão diante do trono de Deus e O servem dia e noite em Seu templo; e Aquele que está sentado no trono habitará no meio deles” (Apo 7:15). Oh, como será doce sentar-se eternamente sob a sombra do Deus Todo-Poderoso, bom, amoroso, todo-suficiente e benevolente!
Em segundo lugar, a felicidade consiste em ver Deus. Deus não pode ser visto com olhos físicos, pois Ele é o invisível (1 Tim 6:16; Hb 11:27). O Senhor Jesus, de acordo com o corpo, será, no entanto, visto com olhos físicos com alegria avassaladora e amor por todos os cidadãos do céu. Visto que a plenitude da Divindade habitará corporal e visivelmente nele, a natureza disso será tal que o reflexo da glória divina será visto nele. Os crentes verão Jesus em Sua glória, e eles falarão com Ele e Ele falará com eles face a face. Deus, no entanto, será visto com os olhos iluminados do entendimento. Atualmente, o crente vê Deus somente de longe e vê apenas um raio pequeno, vendo-o por um momento fugaz. Isso produz uma alegria maravilhosa para a alma; no entanto, é apenas um momento raro de breve duração.
Facilmente desaparece e deixa para trás um forte desejo misturado com tristeza naqueles que têm visto e provado algo disso. Vez após vez, eles devem dizer:
“Por que, SENHOR, te conservas longe? E te escondes nas horas de tribulação?” (Sl 10: 1); “Até quando, SENHOR? Esquecer-te-ás de mim para sempre? Até quando ocultarás de mim o rosto?” (Sl 13: 1); “Quando virás a mim?” (Sl 101: 2); "Mostra-me a tua glória" (Êxodo 33:18). Então será como o sol em sua luz mais clara ao amanhecer. “Porque, agora, vemos como em espelho, obscuramente; então, veremos face a face. Agora, conheço em parte; então, conhecerei como também sou conhecido.” (1 Cor 13:12); “Eu, porém, na justiça contemplarei a tua face; quando acordar, eu me satisfarei com a tua semelhança.” (Sl 17:15). Davi disse sobre isso: “Na tua presença há plenitude de alegria; à tua direita há prazeres para sempre” (Sl 16:11). Quando Deus de forma imediata e maneira imanente - de uma maneira que Deus atualmente não nos deu conhecimento - revelará Suas perfeições gloriosas para Seus filhos, fará com que a alma experimente que Ele é sua porção, e faça com que ela prove a eficácia gratificante disso, somente então eles saberão o que significa ver Deus glorioso, amoroso, santo, alegre e com semblante satisfeito.
Em terceiro lugar, tal vida por contemplação não consistirá nem terminará em mera reflexão, mas será acompanhada pelo gozo do amor mútuo e perfeito . "Deus é amor" (1 João 4: 8). Esse amor infinito abrangerá e preencherá a alma, e como a alma experimenta o calor e a doçura deste amor divino, ela responderá a Deus de maneira recíproca. No gozo desse amor mútuo, desfrutará de uma doçura e alegria incompreensíveis que a satisfarão para sempre. "O amor nunca falha" (1 Cor 13: 8).
Quarto, o amor perfeito é a santidade perfeita . Visto que a mente contempla Deus em perfeição, e a vontade desfruta de Deus em amor perfeito e união imediata, não pode haver espaço para a imperfeição. "Mas quando chegar o que é perfeito, então o que é em parte será aniquilado” (1 Cor 13:10). Lá a imagem de Deus será perfeita em todos. "Quando eu acordar, ficarei satisfeito com a tua semelhança” (Sl 17:15). Lá eles serão participantes da natureza divina perfeitamente (2 Pedro 1: 4). Todos brilharão em santo brilho como o sol, a lua    e as estrelas. Essa perfeição se manifestará em toda a comunhão com os santos glorificados, que se unirão em perfeito amor.
Quinto, haverá apenas alegria e bem-aventurança . "Entre na alegria de teu Senhor" (Mt 25:21). Quando a alma pode contemplar Deus perfeitamente e ser cercada pela glória do Senhor, andando para sempre na luz de Seu semblante; quando Deus encherá a alma com toda a sua suficiência, a envolverá com o seu amor e a obscurecerá com todas as suas perfeições - como pode ser diferente, a não ser que a alma se deleite em uma “paz que ultrapassa toda a compreensão”, em adoração que trará a alma ao êxtase, e alegria de maneira inexprimível e, assim, perder-se-á inteiramente em Deus. Oh, quão maravilhoso será quando, junto com todos os anjos e os eleitos, pudermos reverenciar o Senhor e jubilar para sempre com eles o eterno aleluia!
Em sexto lugar, lembre-se de tudo o que você já viu de Deus: toda a alegria e paz que você já experimentou, todas a união e comunhão com Deus que você já desfrutou, e todo o ser elevado para o céu que você já teve com experiência. Em seguida, adicione a ele todos os sermões arrebatadores que você já ouviu, tudo o que os outros compartilharam com você suas experiências e todo o amor que você já sentiu em uma reunião de santos. Considere tudo isso coletivamente e então compare esses minúsculos raios de luz com a alegria e bem-aventurança que serão desfrutadas no estado de perfeição. "Mas, como está escrito: Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam.” (1 Cor 2: 9). O que aumentará ainda mais toda essa benção é que não haverá medo de perdê-la nem de seu término - pois ninguém a perturbará, assaltará ou removerá. Em vez disso, perdurará por toda a eternidade.
Esta vida é “vida eterna”, João 10:28, uma “herança eterna”, Hb 9:15, “glória eterna”, 1 Pedro 5:10, “reino eterno”, 2 Ped 1:11, e é “eterno nos céus” (2 Cor 5: 1).
O não convertido exortado a se esforçar para se tornar participante dessa glória
Tal glória e bem-aventurança são entregues aos crentes. Portanto, vocês que não são convertidos, lutem por essa fé em Cristo para que você também se torne um participante dessa salvação e possa fugir da perdição eterna que de outra forma espera por você. Atualmente, ele é oferecido a você e, portanto, tome posse dele antes que seja tarde demais. Se você não estiver disposto, então não se surpreenda mais com as contendas e tribulações que os piedosos devem suportar, assim como tudo o mais. Não pense mais que isso é apenas ilusão, obstinação e teimosia. Considere antes que eles sejam familiarizados com esta glória, deleitam-se com ela e se esforçam para receber essa coroa.
Os crentes são exortados a se comportarem em antecipação a essa herança
E vocês crentes, que podem antecipar uma salvação tão grande, se comportem como herdeiros da mesma.
Primeiro, considere todas as coisas deste mundo como muito insignificantes e transitórias para que você se preocupasse com ele.
Não coloque seu coração em prosperidade, riqueza, honra e entretenimento. Eles não são dignos de menção em comparação com essa herança. Afaste-se deles e não permita que eles o atrapalhem enquanto você perseguir esta coroa. Se você encontrar adversidade, opressão, perseguição, morte pelo nome de Cristo, pobreza ou seja lá o que for, não se preocupe com isso, pois, em comparação com essa herança, nada significa. "Porque para mim tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória a ser revelada em nós.” (Rom 8:18). Sim, o sofrimento nos prepara para um maior grau de glória - isto é, se alguém o suporta bem. "Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação,” (2 Cor 4:17).
Em vez disso, regozija-se na tribulação em vez de sucumbir a ela no desânimo. “Bem-aventurado o homem que suporta, com perseverança, a provação; porque, depois de ter sido aprovado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor prometeu aos que o amam.” (Tiago 1:12). No lugar da cruz, o Senhor lhe concederá conforto abundante e eterno. Observe isso em Apo 7: 13-17. Como este foi o último texto que meu falecido pai pregou, cito-o na íntegra:
“13 Um dos anciãos tomou a palavra, dizendo: Estes, que se vestem de vestiduras brancas, quem são e donde vieram?
14 Respondi-lhe: meu Senhor, tu o sabes. Ele, então, me disse: São estes os que vêm da grande tribulação, lavaram suas vestiduras e as alvejaram no sangue do Cordeiro,
15 razão por que se acham diante do trono de Deus e o servem de dia e de noite no seu santuário; e aquele que se assenta no trono estenderá sobre eles o seu tabernáculo.
16 Jamais terão fome, nunca mais terão sede, não cairá sobre eles o sol, nem ardor algum,
17 pois o Cordeiro que se encontra no meio do trono os apascentará e os guiará para as fontes da água da vida. E Deus lhes enxugará dos olhos toda lágrima."
Em segundo lugar, se você pode antecipar uma salvação tão grande, regozije-se com essa herança futura. “Regozijando-se na esperança” (Rom 12:12). Muitos crentes têm a deficiência de se concentrar demais no presente. Eles gostariam de prosperar um pouco melhor neste mundo, pois isso traria uma vida um pouco mais tranquila para eles. Em outro momento, eles são apenas preocupados com o estado de suas almas, considerando se estão em estado de graça. Uma e outra vez eles insistem ao se examinarem e repetidamente devem ser capazes de concluir que estão em um estado de graça. Então eles insistem que eles deveriam ter mais graça sensível e mais poder para resistir ao pecado. Enquanto isso, o tempo passa, e eles não elevam o coração o suficiente para antecipar a grande glória pela qual podem esperar. Eles têm apenas alguns pensamentos fugazes sobre isso. Em vez disso, deve-se ocupar-se em refletir sobre a eternidade, e sobre a certeza e realidade de que essa é sua herança. Deve-se focar continuamente na glória dessa herança, e pela fé atravessar o céu, vendo quão gloriosamente o Senhor Jesus se manifesta; como os anjos se curvam diante dele; em que maneira íntima lida com os santos glorificados; que luz e comunhão imediata com Deus eles desfrutam; como eles são    movidos e cheios de uma magnífica felicidade em relação a Deus, Cristo, os anjos e um ao outro; quão docemente eles podem cantar os louvores do Senhor; e como eles podem adorar e se perder nas perfeições de Deus e na perfeição do seu estado! Esqueceríamos então a nós mesmos e, por assim dizer, nos encontraríamos entre a multidão glorificada. Com eles nos inclinaríamos diante do Senhor e O glorificaríamos. Ao voltar para nós mesmos na terra, gostaríamos de então nos deleitamos em trazer essa glória à mente e seguiríamos nosso caminho com alegria, sem tropeçar em cada dificuldade espiritual. Seríamos então alguém que parte para tomar posse de uma herança muito grande, e que, atualmente sendo pobre e indigente, passará por um dia difícil de viagem. Portanto, digo novamente: “Alegrai-vos na esperança da glória.” “E o Deus da esperança vos encha de todo o gozo e paz no vosso crer, para que sejais ricos de esperança no poder do Espírito Santo.” (Romanos 15:13).
Terceiro, faça com que essa glória seja o único objetivo que você busca. O objetivo motiva o trabalhador e, com mais veemência ele se deleita com isso, mais seriamente se dedicará ao seu trabalho. Portanto, não busque metas mundanas e não procure aqui nada em que possa descansar. Não leve tão a sério se você deve ser privado do que você gostaria de ter, ou se sua alma não prosperar de acordo com seus desejos. Esta não é a estação para ser atraído para o terceiro céu com Paulo. Agora é a estação da guerra e da tribulação. Portanto, olhe para frente e só tenha essa glória em vista. Não saia nem para o lado direito nem para o esquerdo e não fique inativo. Em vez disso, essa glória é seu objetivo, e persiga-o para que você possa entrar no céu enquanto corre em disparada. Paulo assim se mantém como exemplo: “Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.” (Filipenses 3: 13,14).
Você deve fazer o que nosso Senhor Jesus fez. Dele, o apóstolo escreve: “Olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus.” (Hb 12: 2). Moisés fez o mesmo quando “ele olhava para a recompensa” (Hebreus 11:26). Portanto, mantenha o céu à vista e “Combate o bom combate da fé. Toma posse da vida eterna, para a qual também foste chamado e de que fizeste a boa confissão perante muitas testemunhas.” (1 Tim 6:12); “Esforce-se para entrar pelo portão estreito” (Lucas 13:24).
Em quarto lugar, antecipando essa glória, estimule-se a viver uma vida santa e orientada para o céu. Neste mundo se comporte como um estranho que está viajando para sua terra natal, Hebreus 11: 9-10,13-16, e se levante continuamente acima das coisas desta terra, para que você possa atualmente viver pelo invisível, ter sua conversa no céu, purificar a si mesmo e levar uma vida orientada para o céu. “Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação, não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas.” (2 Cor 4: 17,18); "Porque a nossa pátria está no céu" (Fp 3:20). Aquele que pode ter uma expectativa tão animada de glória, mantendo isto diante dele, será motivado por essa esperança de se preparar para isso. “Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo como ele é. E a si mesmo se purifica todo o que nele tem esta esperança, assim como ele é puro.” (1 João 3: 2,3).
Crente, portanto, você pode antecipar que essa glória em breve será sua parte. Assim, apresse-se para completar sua tarefa e seja um exemplo de piedade, fé e coragem; e esperança sobre a glória. Faça esta glória e o caminho que leva a isso, conhecido por outros e leve-os até a felicidade, para que você possa se juntar ao Senhor Jesus dizendo: “Eu te glorifiquei na terra, consumando a obra que me confiaste para fazer; e, agora, glorifica-me, ó Pai, contigo mesmo, com a glória que eu tive junto de ti, antes que houvesse mundo. Manifestei o teu nome aos homens que me deste do mundo. Eram teus, tu mos confiaste, e eles têm guardado a tua palavra.” (João 17: 4-6).    ALELUIA!
Nota do Tradutor:
O Evangelho que nos Leva a Obter a Salvação
Há somente um evangelho pelo qual podemos ser verdadeiramente salvos. Ele se encontra revelado na Bíblia, e especialmente nas páginas do Novo Testamento. Mas, por interpretações incorretas é possível até mesmo transformá-lo em um meio de perdição e não de salvação, conforme tem ocorrido especialmente em nossos dias, em que as verdades fundamentais do evangelho de Jesus Cristo têm sido adulteradas ou omitidas.
Isto nos levou a tomar a iniciativa de apresentar a seguir, de forma resumida, em que consiste de fato o evangelho da nossa salvação.
Em primeiro lugar, antes de tudo, é preciso entender que somos salvos exclusivamente com base na aliança de graça que foi feita entre Deus Pai e Deus Filho, antes mesmo da criação do mundo, para que nas diversas gerações de pessoas que seriam trazidas por eles à existência sobre a Terra, houvesse um chamado invisível, sobrenatural, espiritual, para serem perdoadas de seus pecados, justificadas, regeneradas (novo nascimento espiritual), santificadas e glorificadas. E o autor destas operações transformadoras seria o Espírito Santo, a terceira pessoa da trindade divina.
Estes que seriam chamados à conversão, o seriam pelo meio de atração que seria feita por Deus Pai, trazendo-os a Deus Filho, de modo que pela simples fé em Jesus Cristo, pudessem receber a graça necessária que os redimiria e os transportaria das trevas para a luz, do poder de Satanás para o de Deus, e que lhes transformaria em filhos amados e aceitos por Deus.
Como estes que foram redimidos se encontravam debaixo de uma sentença de maldição e condenação eternas, em razão de terem transgredido a lei de Deus, com os seus pecados, para que fossem redimidos seria necessário que houvesse uma quitação da dívida deles para com a justiça divina, cuja sentença sobre eles era a de morte física e espiritual eternas.   
Havia a necessidade de um sacrifício, de alguém idôneo que pudesse se colocar no lugar do homem, trazendo sobre si os seus pecados e culpa, e morrendo com o derramamento do seu sangue, porque a lei determina que não pode haver expiação sem que haja um sacrifício sangrento substitutivo.
Importava também que este Substituto de pecadores, assumisse a responsabilidade de cobrir tudo o que fosse necessário em relação à dívida de pecados deles, não apenas a anterior à sua conversão, como a que seria contraída também no presente e no futuro, durante a sua jornada terrena.
Este Substituto deveria ser perfeito, sem pecado, eterno, infinito, porque a ofensa do pecador é eterna e infinita. Então deveria ser alguém divino para realizar tal obra.
Jesus, sendo Deus, se apresentou na aliança da graça feita com o Pai, para ser este Salvador, Fiador, Garantia, Sacrifício, Sacerdote, para realizar a obra de redenção.
O homem é fraco, dado a se desviar, mas a sua chamada é para uma santificação e perfeição eternas. Como poderia responder por si mesmo para garantir a eternidade da segurança da salvação?
Havia necessidade que Jesus assumisse ao lado da natureza divina que sempre possuiu, a natureza humana, e para tanto ele foi gerado pelo Espírito Santo no ventre de Maria.
Ele deveria ter um corpo para ser oferecido em sacrifício. O sangue da nossa redenção deveria ser o de alguém que fosse humano, mas também divino, de modo que se pode até mesmo dizer que fomos redimidos pelo sangue do próprio Deus.
Este é o fundamento da nossa salvação. A morte de Jesus em nosso lugar, de modo a nos abrir o caminho para a vida eterna e o céu.
Para que nunca nos esquecêssemos desta grande e importante verdade do evangelho de que Jesus se tornou da parte de Deus para nós, o nosso tudo, e que sem Ele nada somos ou podemos fazer para agradar a Deus, Jesus fixou a Ceia que deve ser regularmente observada pelos crentes, para que se lembrem de que o Seu corpo foi rasgado, assim como o pão que partimos na Ceia, e o Seu sangue foi derramado em profusão, conforme representado pelo vinho, para que tenhamos vida eterna por meio de nos alimentarmos dEle. Por isso somos ordenados a comer o pão, que representa o corpo de Jesus, que é verdadeiro alimento para o nosso espírito, e a beber o sangue de Jesus, que é verdadeira bebida para nos refrigerar e manter a Sua vida em nós.
Quando Ele disse que é o caminho e a verdade e a vida. Que a porta que conduz à vida eterna é estreita, e que o caminho é apertado. Tudo isto se aplica ao fato de que não há outra verdade, outro caminho, outra vida, senão a que existe somente por meio da fé nEle. A porta é estreita porque não admite uma entrada para vários caminhos e atalhos, que sendo diferentes dEle, conduzem à perdição. É estreito e apertado para que nunca nos desviemos dEle, o autor e consumador da nossa salvação.
Então o plano de salvação, na aliança de graça que foi feita, nada exige do homem, além da fé, pois tudo o que tiver que ser feito nele para ser transformado e firmado na graça, será realizado pelo autor da sua salvação, a saber, Jesus Cristo.
Tanto é assim, que para que tenhamos a plena convicção desta verdade, mesmo depois de sermos justificados, regenerados e santificados, percebemos, enquanto neste mundo, que há em nós resquícios do pecado, que são o resultado do que se chama de pecado residente, que ainda subsiste no velho homem, que apesar de ter sido crucificado juntamente com Cristo, ainda permanece em condições de operar em nós, ao lado da nova natureza espiritual e santa que recebemos na conversão.
Qual é a razão disso, senão a de que o Senhor pretende nos ensinar a enxergar que a nossa salvação é inteiramente por graça e mediante a fé? Que é Ele somente que nos garante a vida eterna e o céu. Se não fosse assim, não poderíamos ser salvos e recebidos por Deus porque sabemos que ainda que salvos, o pecado ainda opera em nossas vidas de diversas formas.
Isto pode ser visto claramente em várias passagens bíblicas e especialmente no texto de Romanos 7.
À luz desta verdade, percebemos que mesmo as enfermidades que atuam em nossos corpos físicos, e outras em nossa alma, são o resultado da imperfeição em que ainda nos encontramos aqui embaixo, pois Deus poderia dar saúde perfeita a todos os crentes, sem qualquer doença, até o dia da morte deles, mas Ele não o faz para que aprendamos que a nossa salvação está inteiramente colocada sobre a responsabilidade de Jesus, que é aquele que responde por nós perante Ele, para nos manter seguros na plena garantia da salvação que obtivemos mediante a fé, conforme o próprio Deus havia determinado justificar-nos somente por fé, do mesmo modo como fizera com Abraão e com muitos outros mesmo nos dias do Velho Testamento.
Nenhum crente deve portanto julgar-se sem fé porque não consegue vencer determinadas fraquezas ou pecados, porque enquanto se esforça para ser curado deles, e ainda que não o consiga neste mundo, não perderá a sua condição de filho amado de Deus, que pode usar tudo isto em forma de repreensão e disciplina, mas que jamais deixará ou abandonará a qualquer que tenha recebido por filho, por causa da aliança que fez com Jesus e na qual se interpôs com um juramento que jamais a anularia por causa de nossas imperfeições e transgressões.
Um crente verdadeiro odeia o pecado e ama a Jesus, mas sempre lamentará que não o ame tanto quanto deveria, e por não ter o mesmo caráter e virtudes que há em Cristo. Mas de uma coisa ele pode ter certeza: não foi por mérito, virtude ou boas obras que lhes foram exigidos a apresentar a Deus que ele foi salvo, mas simplesmente por meio do arrependimento e da fé nAquele que tudo fez e tem feito que é necessário para a segurança eterna da sua salvação.
É possível que alguém leia tudo o que foi dito nestes sete últimos parágrafos e não tenha percebido a grande verdade central relativa ao evangelho, que está sendo comentada neles, e que foi citada de forma resumida no primeiro deles, a saber:
“Então o plano de salvação, na aliança de graça que foi feita, nada exige do homem, além da fé, pois tudo o que tiver que ser feito nele para ser transformado e firmado na graça, será realizado pelo autor da sua salvação, a saber, Jesus Cristo.”
Nós temos na Palavra de Deus a confirmação desta verdade, que tudo é de fato devido à graça de Jesus, na nossa salvação, e que esta graça é suficiente para nos garantir uma salvação eterna, em razão do pacto feito entre Deus Pai e Deus Filho, que nos escolheram para esta salvação segura e eterna, antes mesmo da fundação do mundo, no qual Jesus e Sua obra são a causa dessa segurança eterna, pois é nEle que somos aceitos por Deus, nos termos da aliança firmada, em que o Pai e o Filho são os agentes da aliança, e os crentes apenas os beneficiários.
O pacto foi feito unilateralmente pelo Pai e o Filho, sem a consulta da vontade dos beneficiários, uma vez que eles nem sequer ainda existiam, e quando aderem agora pela fé aos termos da aliança, eles são convocados a fazê-lo voluntariamente e para o principal propósito de serem salvos para serem santificados e glorificados, sendo instruídos pelo evangelho que tudo o que era necessário para a sua salvação foi perfeitamente consumado pelo Fiador deles, nosso Senhor Jesus Cristo.
Então, preste atenção neste ponto muito importante, de que tanto é assim, que não é pelo fato de os crentes continuarem sujeitos ao pecado, mesmo depois de convertidos, que eles correm o risco de perderem a salvação deles, uma vez que a aliança não foi feita diretamente com eles, e consistindo na obediência perfeita deles a toda a vontade de Deus, mas foi feita com Jesus Cristo, para não somente expiar a culpa deles, como para garantir o aperfeiçoamento deles na santidade e na justiça, ainda que isto venha a ser somente completado integralmente no por vir, quando adentrarem a glória celestial.
A salvação é por graça porque alguém pagou inteiramente o preço devido para que fôssemos salvos – nosso Senhor Jesus Cristo.
E para que soubéssemos disso, Jesus não nos foi dado somente como Sacrifício e Sacerdote, mas também como Profeta e Rei.
Ele não somente é quem nos anuncia o evangelho pelo poder do Espírito Santo, e quem tudo revelou acerca dele nas páginas da Bíblia, para que não errássemos o alvo por causa da incredulidade, que sendo o oposto da fé, é a única coisa que pode nos afastar da possibilidade da salvação.
Em sua obra como Rei, Jesus governa os nossos corações, e nos submete à Sua vontade de forma voluntária e amorosa, capacitando-nos, pelo Seu próprio poder, a viver de modo agradável a Deus.
Agora, nada disso é possível sem que haja arrependimento. Ainda que não seja ele a causa da nossa salvação, pois, como temos visto esta causa é o amor, a misericórdia e a graça de Deus, manifestados em Jesus em nosso favor, todavia, o arrependimento é necessário, porque toda esta salvação é para uma vida santa, uma vida que lute contra o pecado, e que busque se revestir do caráter e virtudes de Jesus.
Então, não há salvação pela fé onde o coração permanece apegado ao pecado, e sem manifestar qualquer desejo de viver de modo santo para a glória de Deus.
Desde que haja arrependimento não há qualquer impossibilidade para que Deus nos salve, nem mesmo os grosseiros pecados da geração atual, que corre desenfreadamente à busca de prazeres terrenos, e completamente avessa aos valores eternos e celestiais.
Ainda que possa parecer um paradoxo, haveria até mais facilidade para Deus salvar a estes que vivem na iniquidade porque a vida deles no pecado é flagrante, e pouco se importam em demonstrar por um viver hipócrita, que são pessoas justas e puras, pois não estão interessadas em demonstrar a justiça própria do fariseu da parábola de Jesus, para que através de sua falsa religiosidade, e autoengano, pudessem alcançar algum favor da parte de Deus.
Assim, quando algum deles recebe a revelação da luz que há em Jesus, e das grandes trevas que dominam seu coração, o trabalho de convencimento do Espírito Santo é facilitado, e eles lamentam por seus pecados e fogem para Jesus para obterem a luz da salvação. E ele os receberá, e a nenhum deles lançará fora, conforme a Sua promessa, porque o ajuste feito para a sua salvação exige somente o arrependimento e a fé, para a recepção da graça que os salvará.
Deus mesmo é quem provê todos os meios necessários para que permaneçamos firmes na graça que nos salvou, de maneira que jamais venhamos a nos separar dele definitivamente.
Ele nos fez coparticipantes da Sua natureza divina, no novo nascimento operado pelo Espírito Santo, de modo que uma vez que uma natureza é atingida, ela jamais pode ser desfeita. Nós viveremos pela nova criatura, ainda que a velha venha a se dissolver totalmente, assim como está ordenado que tudo o que herdamos de Adão e com o pecado deverá passar, pois tudo é feito novo em Jesus, em quem temos recebido este nosso novo ser que se inclina em amor para Deus e para todas as coisas de Deus.
Ainda que haja o pecado residente no crente, ele se encontra destronado, pois quem reina agora é a graça de Jesus em seu coração, e não mais o pecado. Ainda que algum pecado o vença isto será temporariamente, do mesmo modo que uma doença que se instala no corpo é expulsa dele pelas defesas naturais ou por algum medicamento potente. O sangue de Jesus é o remédio pelo qual somos sarados de todas as nossas enfermidades. E ainda que alguma delas prevaleça neste mundo ela será totalmente extinta quando partirmos para a glória, onde tudo será perfeito.
Temos este penhor da perfeição futura da salvação dado a nós pela habitação do Espírito Santo, que testifica juntamente com o nosso espírito que somos agora filhos de Deus, não apenas por ato declarativo desta condição, mas de fato e de verdade pelo novo nascimento espiritual que nos foi dado por meio da nossa fé em Jesus.
Toda esta vida que temos agora é obtida por meio da fé no Filho de Deus que nos amou e se entregou por nós, para que vivamos por meio da Sua própria vida. Ele é o criador e o sustentador de toda a criação, inclusive desta nova criação que está realizando desde o princípio, por meio da geração de novas criaturas espirituais para Deus por meio da fé nEle.
Ele pode fazê-lo porque é espírito vivificante, ou seja, pode fazer com que nova vida espiritual seja gerada em quem Ele assim o quiser. Ele sabe perfeitamente quais são aqueles que atenderão ao chamado da salvação, e é a estes que Ele se revela em espírito para que creiam nEle, e assim sejam salvos.
Bem-aventurados portanto são:
Os humildes de espírito que reconhecem que nada possuem em si mesmos para agradarem a Deus.
Os mansos que se submetem à vontade de Deus e que se dispõem a cumprir os Seus mandamentos.
Os que choram por causa de seus pecados e todo o pecado que há no mundo, que é uma rebelião contra o Criador.
Os misericordiosos, porque dão por si mesmos o testemunho de que todos necessitam da misericórdia de Deus para serem perdoados.
Os pacificadores, e não propriamente pacifistas que costumam anular a verdade em prol da paz mundial, mas os que anunciam pela palavra e suas próprias vidas que há paz de reconciliação com Deus somente por meio da fé em Jesus.
Os que têm fome e sede de justiça, da justiça do reino de Deus que não é comida, nem bebida, mas justiça, paz e alegria no Espírito Santo.
Os que são perseguidos por causa do evangelho, porque sendo odiados sem causa, perseveram em dar testemunho do Nome e da Palavra de Jesus Cristo.
Vemos assim que ser salvo pela graça não significa: de qualquer modo, de maneira descuidada, sem qualquer valor ou preço envolvido na salvação. Jesus pagou um preço altíssimo e de valor inestimável para que pudéssemos ser redimidos. Os termos da aliança por meio da qual somos salvos são todos bem ordenados e planejados para que a salvação seja segura e efetiva. Há poderes sobrenaturais, celestiais, espirituais envolvidos em todo o processo da salvação.            
É de uma preciosidade tão grande este plano e aliança que eles devem ser eficazes mesmo quando não há naqueles que são salvos um conhecimento adequado de todas estas verdades, pois está determinado que aquele que crê no seu coração e confessar com os lábios que Jesus é o Senhor e Salvador, é tudo quanto que é necessário para um pecador ser transformado em santo e recebido como filho adotivo por Deus.
O crescimento na graça e no conhecimento de Jesus são necessários para o nossos aperfeiçoamento espiritual em progresso da nossa santificação, mas não para a nossa justificação e regeneração (novo nascimento) que são instantâneos e recebidos simultaneamente no dia mesmo em que nos convertemos a Cristo. Quando fomos a Ele como nos encontrávamos na ocasião, totalmente perdidos    e mortos em transgressões e pecados.
E fomos recebidos porque a palavra da promessa da aliança é que todo aquele que crê será salvo, e nada mais é acrescentado a ela como condição para a salvação.
É assim porque foi este o ajuste que foi feito entre o Pai e o Filho na aliança que fizeram entre si para que fôssemos salvos por graça e mediante a fé.
Jesus é pedra de esquina eleita e preciosa, que o Pai escolheu para ser o autor e o consumador da nossa salvação. Ele foi eleito para a aliança da graça, e nós somos eleitos para recebermos os benefícios desta aliança por meio da fé nAquele a quem foram feitas as promessas de ter um povo exclusivamente Seu, zeloso de boas obras.
Então quando somos chamados de eleitos na Bíblia, isto não significa que Deus fez uma aliança exclusiva e diretamente com cada um daqueles que creem, uma vez que uma aliança com Deus para a vida eterna demanda uma perfeita justiça e perfeita obediência a Ele, sem qualquer falha, e de nós mesmos, jamais seríamos competentes para atender a tal exigência, de modo que a aliança poderia ter sido feita somente com Jesus.
Somos aceitos pelo Pai porque estamos em Jesus, e assim é por causa do Filho Unigênito que somos também recebidos. Jamais poderíamos fazê-lo diretamente sem ter a Jesus como nosso Sumo Sacerdote e Sacrifício. Isto é tipificado claramente na Lei, em que nenhum ofertante ou oferta seriam aceitos por Deus sem serem apresentados pelo sacerdote escolhido por Deus para tal propósito. Nenhum outro Sumo Sacerdote foi designado pelo Pai para que pudéssemos receber uma redenção e aproximação eternas, senão somente nosso Senhor Jesus Cristo, aquele que Ele escolheu para este ofício.



Publicado no site: O Melhor da Web em 09/10/2019
Código do Texto: 140679
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):