Espaço Literário

O Melhor da Web


Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
Vilma Oliveira - VILMA OLIVEIRA
VILMA OLIVEIRA
Cadastrado desde: 06/05/2008

Texto mais recente: HORAS QUE PASSAM... (Parte I)



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de VILMA OLIVEIRA , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=283

 
Textos & Poesias || Solidão
Imprimir - Impressora!
Imprimir
A FUGA I
19/04/2009
Autor(a): VILMA OLIVEIRA
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
A FUGA I

Começou a ficar escuro e eu tive medo.
A chuva caía sem tréguas e as calçadas
brilhavam úmidas à luz das lâmpadas...
Passavam pessoas de guarda- chuva
apressadas e cansadas. Os automóveis
deslizavam no asfalto molhado...

Pensei em sentar-me num banco do jardim,
não me importava com o frio. Ainda não sabia
a que caminho deveria tomar. Receava que
alguma coisa me empurrasse para o ponto
de partida. Ficar andando sem rumo não era
a solução. Eu não queria voltar para casa.
As pessoas olhavam-me com estranheza
e eu prosseguia na minha marcha...

Fechei os olhos e imaginei mil coisas:
sentada junto a janela com um livro
na mão (recompus a cena diária)
Apazigüei-me. Estava confusa, mas,
me sentia “quase inteira” perante a
possibilidade de reconquistar a minha
liberdade que perdera há tanta tempo!

A chuva continuava, encostei-me a murada
para admirar o mar que revolvia-se forte e,
quando as ondas quebravam-se junto as
pedras, a espuma salgada salpicava toda
minha roupa. Fiquei pensando: aquele
mundo marítimo não tinha fim...

A chuva parou. E agora voltaria para casa?
Sim. Isso é infinitamente consolador...
Os dias se derretem, fundem-se e formam
Um só bloco – uma grande âncora.
Vivo atrás de uma janela olhando pelos
Vidros a estação das chuvas cobrir a do sol,
Depois, voltar o verão e as chuvas de novo...





Publicado no site: O Melhor da Web em 19/04/2009
Código do Texto: 18112
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.