Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
 
Textos & Poesias || Tradicionalistas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
## RECORDANDO ##
27/03/2008
Esse texto é de autoria do usuário logado, por esse motivo o contador não foi acionado! -

O contador só altera se o texto for lido por IPs únicos por dia. Ex. se o mesmo IP ler uma poesia várias vezes, somente a primeira leitura é computada.
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
## RECORDANDO ##


Senta aqui querido pai
Vamos recordar o passado
E chama tua prenda
Para sentar ao nosso lado.


Há meu pai...
Lembro você tropeiro
Lembro do sapateiro
E ainda me recordo
Da tua cadeira de barbeiro.


Eu lembro do gaúcho
Tropeiro bom de braço
Não havia zebu brabo
Escapasse do teu laço.


E da Sonia pai...
Aquela égua bem grandona
Se não me engano
Era uma precherona.


Um dia um zebu brabo
Lá no campo disparou
E tu montava a precherona
E de mim então lembrou.


Eu voltava da escola
O campo era meu caminho
Sem saber do perigo
vinha bem devagarinho.


Encontrei você meu pai
Que na garupa me botou
e num ligeiro galope
Para casa me levou.


Há meu pai,como lembro
Daquela égua marchadeira
Aquela Pai?
Que deu cria na cocheira.


Pai...E da crespinha
Do tempo aquele da enchente
Saiu nadando com a charrete
Que bichinho bem valente.


Pela manhã cedinho
No campo tu a buscava
Prendendo-a na charrete.
Para escola nos levava.


Em uma certa manhã
tu custou para voltar
Fitando então teus olhos
Vi tristeza em teu olhar.


Caminhavas tristemente
Então paraste na porta
falando com a voz entrecortada
Que a crespinha estava morta.


Mas um gaúcho como tu
Não se deixa derrotar
E sempre tem um amigo
Pronto para ajudar.


Se não me falha a memória
Foi teu amigo Norato
Que te emprestou um cavalo
Pondo fim...Ao triste fato.


Eu ainda lembro
E lembro com alegria
Que foi tu que me ensinou
A primeira poesia.


As hitórias que tu contava
Em minha mente não se perdeu
E aque mais eu gostava
Era da vaquinha mimosa, e o boi leseu.


Hoje para tuas filhas
tu és mãe, tu és pai
E o qualquer probleminha
Correndo para ti ja vai.


E ai com muita paciência
Tu procuras resolver
E a cada uma de nós
sempre procuras entender.


Com tua prenda bonita
cercada de carinhos
Acordas de madrugada
Ouvindo o canto dos passarinhos.



Estes versos não tem fim
Recordações voam em minha mente.
Mas aqui vou finalizar
Para da-los ati de presente.


TANIA SANTOS.



Publicado no site: O Melhor da Web em 27/03/2008
Código do Texto: 1921
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.