Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
 
Textos & Poesias || Transcendentais
Imprimir - Impressora!
Imprimir
SEXTO DEDO.
28/03/2008
Esse texto é de autoria do usuário logado, por esse motivo o contador não foi acionado! -

O contador só altera se o texto for lido por IPs únicos por dia. Ex. se o mesmo IP ler uma poesia várias vezes, somente a primeira leitura é computada.
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
SEXTO DEDO.

 


Nascer no cu desse mundo.
Ao lado o cão moribundo.
Com seu olhar tão tristonho.
Escuta um choro estranho.
Ser mais um boi na boiada.
Ser um espectro de estrada.
Cheirar o pó do caminho.
Não faz o seu pergaminho.


É filho de um só pai.
De algumas mães e irmãos.
Tem os dez dedos nas mãos.
Fincados com os seus pés.
Enraizado na terra.
Não chora não pede socorro.
É mudo como o cacto.
Tranqüilo como o cachorro.


E sonha com a El Dourado.
Com a barriga vazia.
Sentindo medo e azia.
Dessa partida ilusória.
Imaginando oceanos.
Soluça a dor da saudade.
Matando a fome com sonhos.
Desaba numa cidade.


E fica tão espantado.
Como cascavel do serrado.
Que tromba com o bicho homem.
E que vai matar sua fome.
E olha a torre cumprida.
Mais longa que a sua lombriga.
A noite não tem estrela.
A lua está tão sumida.


E senta no banco da praça.
O frio encolhe seu corpo.
Sua barriga doendo.
E a criança comendo.
E as pessoas passando.
Sem mesmo olhar sua cara.
E só um pobre cachorro.
Suplica o resto do osso.


Dormiu, sonhou que voava.
Pra sua terra natal.
E era bem recebido.
Pelos seus pais e irmãos.
Saiu de dentro do pássaro.
Com sua mulher e seus filhos.
Com sua barba fiel.
Falando como Fidel.


E colocaram tapete.
Para os seus pés não sujar.
E tinha anéis nos seus dedos.
E os tinham, nove nas mãos.
O seu mindinho sumira.
Na El Dorado sonhada.
Mais isso não lhe tirava.
A pose já conquistada.


E acordou no seu sonho.
Voando pra outros pais.
“Do lado, sua ‘amarela”.
Com seu vestido vermelho.
Da cor de  sua bandeira.
Do lado do seu retrato.
Tomando vinho do Porto.
Com seus amigos absortos.


E naquele pássaro gigante.
Tinha ministro cantor.
Tinha artista do fole.
Tinha até jogador.
E a modelo famosa.
Que num castelo casou.
Mais era feito de areia.
E procurou outro amor.


E alguns drinks depois.
Baixinho, então sussurrou.
Contou um raro segredo.
Falou do seu sexto dedo.
Pro homem tão importante.
Que tão sublime implante.
Dariam rumos elegante.


Seu sexto dedo do pé.
Seria o quinto da mão.
Era preciso moldar.
A dor de tanta emoção.
Aquele homem importante.
Teria enfim os seus dez
Bendita a palma completa.
Bendito os onze dos pés.


Lá vai o pássaro gigante.
Na contra mão do destino.
Levando na suas entranhas.
O sonho do nordestino.
Não come mais rapadura.
Ou seu feijão com farinha.
Mais sonha com o seu povo.
Com a barriga de ovo.


Aonde vai essa nave...
Que leva no bojo essa ave!



Honorato Falcon



Publicado no site: O Melhor da Web em 28/03/2008
Código do Texto: 1985
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.