Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
 
Textos & Poesias || Transcendentais
Imprimir - Impressora!
Imprimir
Sinto Deus
28/03/2008
Esse texto é de autoria do usuário logado, por esse motivo o contador não foi acionado! -

O contador só altera se o texto for lido por IPs únicos por dia. Ex. se o mesmo IP ler uma poesia várias vezes, somente a primeira leitura é computada.
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
Sinto Deus


                                                        “Eu acredito certamente em Deus
                                                                      Sei que isso é incontestável dentro de mim
                                                                      Uma crença primária, ingênua, bruta,
                                                                      Inviolável e permanente.
                                                                      Não carecendo de provas intelectuais
                                                                      Sinto Deus! Sem misticismo nenhum...
                                                                                   - Sinto Deus!”
                                                                                                         (Mário de Andrade)


 


                                 Também sinto-o
                                 Assim tão simples...
                                 Sem necessidade de provas
                                 Não mais desejando as delicias do paraíso
                                 E não temendo as ameaças do inferno



                                 Mas esse “Deus” dos meus pais
                                 Continua impregnado em mim
                                 Sinto-o no manto aveludado
                                 das gramas francesas
                                 No lilás das “flores-onze-horas”


                                 Sinto-o na majestosa “mangueira”
                                 Aconchegando uma infinidade
                                 de seres viventes
                                 Nos frutos rachados da “romãzeira”
                                 pendurados sobre o muro do meu quintal


                                 Sinto-o na docilidade das “rolinhas”
                                 Entre os pequenos anarquistas “pardais”
                                 No filhote do “bem-te-vi”
                                 Que insistentemente repete:


                                    - Te-vi!, te-vi!
 
Cláudio de Oliveira



Publicado no site: O Melhor da Web em 28/03/2008
Código do Texto: 2014
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.