Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
jessebarbosa26 - JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA
JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA
Cadastrado desde: 19/12/2008

Texto mais recente: A GRAVIDADE EM COMA



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=1036

 
Textos & Poesias || Poesia
Imprimir - Impressora!
Imprimir
VIAGEM POR UM FLASH
08/07/2009
Autor(a): JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
VIAGEM POR UM FLASH

                                      
Por um átimo eu saio:
Saio do templo de mim
Para degustar novas paisagens:
Paisagens que mostram
Naturezas mortas, vivas;
Egoístas, magnânimas, malévolas;
Ecletismos e aquarelas sem fim.


E, ao fazê-lo,
As pernas do meu pensamento
Singram alamedas, pontes, rodovias
Da beleza esconsa em cada esquina
Das múltiplas humanas vísceras.


Tais vísceras    são heterogêneas ilhas:
Por isso penso-as
Opulentos jardins magníficos, putrefados,
Singelos, prosaicos, ordinários,
Rarefeitos, temperados
De surpresa e poesia.




Deixo-me eivar
Dos matizes da pungência de mazelas alheias:
Viro aidético e experimento
O acerbo sabor do desprezo;
Viro sertanejo e sinto-me presa
Das intempéries da seca,
Das promessas feitas pelos magos da falácia
Como também da eterna esperança acesa,
Que, no peito destes incríveis seres resignados,
Nunca se açaima, se tresmalha, se rende ao fogo do ocaso;
Assumo-me como negro que sou,
Permitindo que meu corpo seja envolto
Pelo manto danoso da aura da marginalização;
Assumo-me como índio que sou,
Sentindo o cultural genocídio varrer o meu chão;
Assumo-me como paralítico que sou,
Assistindo impotente á porta das oportunidades
Trancar-se por onde as rodas da minha cadeira vão;
Assumo-me como mulher, como idoso, como homo,
Como gordo, como um joão-ninguém,
Como uma pessoa fora do social padrão
E sou alvejado mortalmente pelo projétil da exclusão.


Afinal, regresso á minha velha rotina,
Impregnado do eflúvio da consciência
De que o mundo é feérico,
E o tornamos diariamente facínora e carrasco,
A mais dantesca mansão sangrenta!

JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA




Publicado no site: O Melhor da Web em 08/07/2009
Código do Texto: 32862
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.