Espaço Literário

O Melhor da Web


Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
Jufrance Costa - JUAREZ FRANCISCO DA COSTA
JUAREZ FRANCISCO DA COSTA
Cadastrado desde: 10/07/2009

Texto mais recente: Poesia Reincidente e Outros Poemas



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de JUAREZ FRANCISCO DA COSTA , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=2617

 
Textos & Poesias || Poesia
Imprimir - Impressora!
Imprimir
BARCO À DERIVA
31/07/2009
Autor(a): JUAREZ FRANCISCO DA COSTA
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
BARCO À DERIVA

BARCO À DERIVA


Copyright© Juarez Francisco da Costa
Capa: Kythão
Diagramação: Cao Ypiranga
1ª edição
1ª impressão
(2009)



Todos os direitos reservados.
Nenhuma parte desta edição pode
ser utilizada ou reproduzida - em qualquer meio ou forma -,
nem apropriada e estocada sem a expressa
autorização de Juarez Francisco da Costa.


Costa, Juarez Francisco da

BARCO À DERIVA. Juarez Francisco da Costa.
Pará de Minas, MG: Editora Virtualbooks, 2009.85p.14x20 cm.
ISBN 978-85-60864-80-5

1. Poesia brasileira – Brasil. I. Título. II. Série. CDD- B869.1
2. preparado e editado por VIRTUALBOOKS EDITORA E LIVRARIA LTDA.
Rua Benedito Valadares, 560 - centro –
35660-000- Pará de Minas - MG - Brasil
Tel.: (37) 32316653 - e-mail: vbooks01@terra.com.br
http://www.virtualbooks.com.br




RETRATO EM PRETO E BRANCO

Como são melancólicas as coisas!
O esteio morto e árvores caladas,
Flores, casas e... (tudo)... Dispersadas
Na paisagem estática de coisas.

Ah, como são alheias todas as coisas!
Tudo triste, com tédio, misturadas...
Passa o vento também frio pelas coisas.
De doenças- sem ter- nunca curadas.

Ah, como são alheias, como são calmas!
Então, doente sou eu (eu que me agito).
Eu, sangue e sensação e dote d’alma.

Vejo, triste, nas coisas, e algo aflito.
E a paisagem, estática e sem alma
Insisto corromper em meu espírito!


MINHA VIDA

Minha vida sem cor, vida com dor,
Busco coisas que são meu encanto.
Foi sempre que busquei, não me espanto
De ainda esperar e com calor.

Sem vergonha confesso algum pranto.
Desando e pouco valho sem fervor.
Se desisto desse alvo que acalanto
Vida não passa ou rompe: estertor!

Ah, estertor de mim, estertor da hora
Imensa e pesada, sem fim, árida!
Inexista um tempo. Vá embora!

Para eu viver melhor a minha vida.
Estou sem possuí-la. A desoras
Despossuo o sonho e perco a simples vida.


AMOR DO FUNDO

Tudo desvaneceu sem poesia.
Ficou n’água dos olhos, mansamente
Chorando, sem que o veja outra gente.
Desfez-se a ilusão que não valia.

Já não há que esperar essa magia
De duas almas juntas e contentes.
Meu corpo incônscio já de que sentia
Esse frio, essa falta e dor latentes

Muitas vezes chorei, mas acabou.
Se o fiz, ninguém ouviu, pois era mudo;
Se o fiz, ninguém o viu, pois não rolou.

É o que tenho em mim: sinto profundo
Medo amante- prudente- d’um amor
Que eu ame mais que a mim. Dormente e fundo!


ETÉREA

Mais um hoje se foi e eu te esperei.
A porta estava aberta e não entraste.
Fechei-a, não bateste. E eu, qual traste!
Teus olhos, tua voz, eu não terei.

Meus olhos fora ponho. Não te achei
Em nenhuma miragem e, contraste,
Tudo como se igual, não estranhei.
Vento sem tua voz... De vez calaste?

E não falavas nunca, mas te ouvia.
A janela se abria pela luz
E tu não vinhas nunca, mas te via.

Tu vens de mim em mim, muda e falaz
Ao mesmo tempo e casas ao ‘não-vem’,
Pura e estéril, sêmen de anti-paz.

  
DEUSA DO MAL

De imagens que se tem que faz-se o deus.
Então, deusa te fiz, deusa de tudo:
Rainha, Vênus, raiva e meu escudo.
Tanta coisa senti por olhos teus!

E Judas eu não fui nem fariseu,
Pois eu te amava, sim. Pude, contudo,
Enraivecer de dor e calar o “eu”.
O meu canto calou no canto mudo.

Envolvida em roupão, nua te via.
Tudo embalavas. Vinham orações
Alma e carne louvar: não discernia.

E tu, deusa ainda és: mesmas feições.
Tanto enfeitiças tu e nada guias:
Descaminho e torpor das emoções.


MUSA

Hoje, te amei, menina uma vez mais:
Eu te revi nos gestos pueris
E te revi nas fugas infantis,
Fugindo à vida e a mim cada vez mais.

Hoje, te amei, mulher, uma vez mais:
Vi-te passar, e vendo-te, por bis,
De novo teu, te amei como jamais:
Amei mulher, menina que um dia quis.

Tu, afogada ausência, sinto ainda
Na vida e cores do ar, que viva a tem.
Do passado ao presente vens, ó Linda!

Tempo passou e muito tempo vem
A independente vida de mim vinda,
Vivendo além de mim, e o amor, aquém.


MÍSTICA

Ouve: ando te dando tudo e tanto!
Uns dias poesias, outros pragas.
Doces dores sofrer, dores amargas,
Palpitando em meu corpo o teu encanto!

Uns dias alegrias, outros, pranto.
Sou certo, sou contrário; pegas, largas.
`Inda fixo em teu corpo e acho o espanto
De sentir, não ter, dar. Desejo e esmagas.

Também dás vida e encantas. Eu te quero;
Quero-te já não mais, mas não tem jeito:
Vício de por ti ser! (Como tolero?!)

Ouve: ando te dando aqui no peito,
Tanto somando no ar, que desespero.
Vem, que a vida me dando em tua mão deito.


O ANJO E O SOL

Dorme, fica de pé, corre e se senta.
Esculpida no sonho. Vem pintada.
Quem sabe, natural... Não fala nada.
Se ajoelha e não reza. Representa

Não se faz perdoar. Levanta lenta.
Nem boca nem ouvido. Como fada,
Ao mesmo tempo vem, volta e se senta...
Disse tudo depressa. Disse nada.

Entenda, se puder, meu coração
Que no gesto se deu! E morre o sol.
E tudo continua sem razão.

Ainda lembro os olhos: são de sol.
Brilham, encantam, fogem, dizem ‘não’,
Irradiam o ‘sim’ num arrebol.


A MULHER NUM QUADRO

Cheiro de ser e sangue e vida e sono,
De sol nascer, torpor e tempo e ocaso.
Eu pouco e quase nada ser e acaso,
Leve e feliz me encontro teu, sem dono.

Vem chuva e sol e chora em mim o ar morno.
E o atravessa o brilho e pinga acaso,
Linda, na tela d’alma a gota-adorno.
E te amo assim... Contigo, no éter caso.

E na utopia anjinho tu... Mulher
N’afresco, frágil, nua e minha e linda,
Como na terra e céu assim se quer.

Na chuva o sol a gota brilha ainda
Se o peito traz-te assim, voraz, mulher
N’afresco, frágil, nua e minha e linda.


HIERÓGLIFOS DE CARVÃO

Eu queria as palavras todas certas
P’ra dizer o que sinto e o que posso,
Numa medida exata, mas não posso
Dizer verdades bem que mal soletras.

Soletrando, duvidas do que é destro.
E com propriedade e sem remorso.
E com direito, se eu mesmo, incerto,
Passageiro, não sei o que esboço.

Nós nos atropelamos, somos sós
Num tão confuso caos, buscando rumo
N’alguns passos que voltam sobre nós.

Mas o que finalmente eu assumo
É que algo subjaz ao som da voz,
Assim como a mim mesmo, que sou fumo.


LUA E LÁGRIMA

A lua não diz nada, mas inspira,
Esparramando a luz por vento e chão,
Como o livre tecer de coração.
Amor, dor espalhados numa lira!...

No lago a clarear, muito se mira
E xinga-se por crer escuridão
O resto de uma sombra que revira
E faz desenhos pretos sobre o chão.

A prata fulgurante olha-se n’água.
Para ver só a luz, a lua arde,
Volta-se para si cheia de mágoa.

A vida sempre tem tristezas cruas.
Se lágrima sem água me invade,
Brota dentro de mim, desponta a lua...


VIDA E PIPA

Ah, este descaminho me dá medo,
Mas eu não sei de quê ou de quem seja
Que tudo vem e morre e deixa quedo,
Tudo que no meu peito se me enseja.

Tudo se me entardece e fica cedo
Esperando que o velho se reveja
Um pouco na criança. Nesse enredo,
Sigo senda e desvio e retrocedo.

Clausura sistemática. Que dó
Causa só conhecer meias verdades!...
Que fez que nos fizéssemos assim?

A vida vai liberta e libertina
E fica dentro em peito em confusão,
Tal fica a pipa e vai quando se empina.


POR CAUSA DO ‘NÃO’

Por motivo do ‘não’, luto comigo;
Escondo-me por trás do pranto;
Nutro impura agonia - Vida a um canto!
Um sonho fraternal, sonho inimigo!

Por motivo do ‘não’, sonhos irrigo
Com desejo voraz, pleno do encanto
De alcançar a vitória, com o perigo
De escutar tão-somente iluso canto.

Por motivo do ‘não’, há de exalar-se
Tudo, tudo de mim. Mas força existe.
E choro não virá, há de calar-se.

Quer, apesar do ‘não’, o sonho triste,
Com perfume de glória, consumar-se:
Se na vida há ‘não’, a vida insiste.


TENTATIVA DE COMEÇO, MEIO E FIM

Tudo são só momentos a passar.
E eu tenho pena grande de ser triste,
Posto que tudo passa e subsiste
Para fazer sofrer, também cantar.

Não ficasse o momento a apelar
Que eu nele fique tanto e assim partintes,
Eu como ele só fôssemos ligar
Um no outro, meio e fim constituintes...

Não teria por certo do começo
Que buscar a raiz que não conheço,
Assim como ninguém de si, enfim.

Mas teria por certo um arremesso:
Eu, enlaçado, mas solto de mim,
P’ra sempre começar novo começo.


NOITE

Os meus pés no teu chão. E a tua cama
Que não vejo, mas deito, serve-me a alma.
E deixo-me ficar na tua calma.
Sirvo-me dela e acendo minha chama.

Chama se acende em mim. Queima na cama
Que não vejo, mas deito e em fundo d’alma,
Ermo, tudo se evade e se derrama
Por teu escuro céu, que inspira calma.

(Noite serena e só, meus olhos susta.
Mais quieta do que eu, mas acalenta.
Com estrelas e mistérios nada custa.)

Há, noite, a cidade que te ausenta;
Há, noite, a cidade que me assusta.
E uma mata que aos dois nos acalenta.


INTEIRAR E PARTIR

Às vezes, infeliz, numa louca ânsia,
Pressa de ser feliz, desmonto o ser,
Buscando o que não vem alvorecer,
Mas que se me promete e só me cansa.

A vida a me negar... (Que relutância!)
O que me é de direito a converter
Numa ansiedade e só ganância
O peito oco e dual a endoidecer.

Mas que dois há em mim que não sou todo?
E por que me daria se sou parte?
Se ainda não e nunca me bastarei?

Por que hei de querer a outra parte,
Eu, se me completando me darei?
Divina vida algoz, que nunca é toda!...


DENTRO DOS DIAS

Ontem, senti-me só com tanta gente
Acompanhada e alegre de aparência.
Gente ao redor e eu só era uma ausência
De todos, tudo e mim, da turba ardente.

E remoía louca e enlouquecente,
Tornando triste dentro uma carência,
A refletir no rosto dissidente,
Sem riso feito ou rido em displicência.

O ontem se vai; após, no hoje se traz.
Ainda aqui estou, e renovado,
No que de velho tenho, busco paz.

O que ontem foi está no hoje raiado
E raiar fez o dia, que se faz
Acontecer igual e ensolarado.


HORIZONTE E EMOÇÃO

O curso e o ambiente da emoção
Confundindo-se ao rio que avassala.
Este faz o rumor, a outra não fala,
Mas inspiram igual uma canção.

Águas a levantar, rolam no chão,
Saltam, ficam em cima, abrem ala.
Sentimento a rolar no coração,
Mais rasga do que diz, logo se cala.

Como rio a espalhar, tal me transformo.
Joga fluido de ver, sem parapeito,
Tal fluido de sentir por todo cosmo.

Suave ou arrebatado no seu leito,
O rio vai ao mar. E eu vou ao cosmo,
Suave ou arrebatado no meu peito.


INTROSPECÇÃO INÚTIL

Eu, que tão mergulhado em mim me ponho,
A ver se peneirar-me posso, encontro
Menos que perco em vós que sois risonhos,
O sonho e a vida toda já reencontros.

Vós para a vida e ela a vós inconhos...
Vós desenvoltos... Lentos... Sóbrios... Tontos.
E sem saber dos tédios tão medonhos,
A acolher-vos bem calmos, sois o encontro.

E esta busca a achar o mais que eu possa
(A vida me motiva enfim) somenos
Fora deixa e me faz. E dentro endossa

Não sei quê de entender a meio-termo
Que é como vós fazeis, pois nada esboça
Que cumpra diferente ou seja a termo.


MAL QUE HÁ EM MIM

Grande eu faço o mal que há em mim!
E na vida nenhum há que não eu,
A desencaminhar-me tanto assim,
Numa fuga covarde e, sempre ateu.

O por que passo e faço passa em mim,
Como a atropelar tudo que meu.
Não quero precisar mais do que o fim
De cuidar o que sou e o que nasceu.

Aniquilo de mim, ainda ao pé,
Todos os meus fiéis verdes rebentos,
Negando e retardando o nascimento.

Não quero me estragar no pensamento
Do que deva fazer. Preciso fé
No que bem possa ser em livramento.


VÁLVULA

O dia que sentir não sei que dor,
E tanto que nem possa me sentir...
Numa falta infernal de repartir
Os sobejos e as faltas de amor,

Em partes de tristeza e amargor
Vou-me desintegrar, multipartir
Numa louca implosão de desamor,
Eu de mim mesmo vítima e mártir.

Tudo transbordará como nostálgico
Canto de Ave-Maria no entardecer,
Por tudo e nada nóxio e melancólico.

Vou chorar tudo e mais o que esconder.
E quando desinchar-me o peito crônico
Leve esperarei o amanhecer.

  
MULHER FUGAZ

De que prisma vê-la?
Primava na minha idade,
era doce e juvenil...
O nome era Vera.
A leveza num toque de mão,
um beijo a face enrubescer...
Pura como um botão,
que uma flor demorava ser.
E foi bela flor deveras.
Adormeceu à noite que principiou,
mas não chegou a emurchecer.
Tem idade ainda tenra
no tempo já maduro
de uma vida vagarosa ou apressada,
que se não a traz, não a faz esquecida.
E em alguma parte vive
e é parte de uma história vera.

Má não é ela,
a Manuela que me espera.
Em curvas e proeminências.
Ou má, nua, ela?
Mas Manuela, como é bela!
Vestido diáfano, lindo azul,
de qualquer cor, cor de Manuela.
A carne rija enchendo as formas
curvilíneas e proeminentes.
E suspiro após suspiro,
todos os beijos se me arrancam.
E no amor insaciado
ainda os olhos a acompanham.
E amanhã, em outro vestido,
de qualquer cor, cor de Manuela,
o mesmo amor em outro amor,
no corpo sempre desnudo de Manuela.



MUSA E MÚSICA

Escrevendo, vou tentar,
suave deslizando a pena,
zelar minha descritiva
e reduzi-la a uma palavra.

Ouço longe e perto
nonada de ritmos,
dor nenhuma
ou aflição sentindo.

Devia ser noite alta.
No entanto é dia ainda,
ziguezagueando nele a brisa.

Nada prende tanto a mim,
que olho assim o nada.
Só vejo recortes de luz
e flores levemente balançantes.

Não obstante há a parede
interposta entre mim e o horizonte.
E uma porta estreita
ou larga, conforme a que tome.

Se uma chave me trancasse
e eu não quisesse estar,
saltaria a janela escancarada,
correria p’ra lá ou nenhures.

Tudo em volta serenado,
estranheza nenhuma me pesa.
A pulsar incessantemente,
sinto-me... Somente... Vejo fora.

A ciranda do pensamento cortada.
Interrompida a especulação...
Na porta estreita é que me meti!...
Começo agora
tudo outra vez.

Quase não consigo
concentração mínima,
misturando pensamentos
tanto, que me inquieto.
Roteiro perdido!...
Ouso continuar.

Fogem-me os versos,
retomados e mal conduzidos.
Eis a dificuldade que há,
ausente todo o sortilégio.

Duas origens,
oásis sem ponte...
Não intercede uma ligação.

Mas espero,
enquanto invoco
musa!...

Mas espero,
enquanto invoco
música!...

  
MUSA II

A Musa!...
Desejo-a de todos os modos,
obcecadamente e tanto,
que fico irrequieto, vendo-a passar.
E ela não me vê.

Tarde que seja, ela virá.
Recatada, com algum amor.
No entanto, quero um que dure,
sem desprezar o ligeiro.

Quero a graça dela aventurando
um amor em mim.
Eu a aventurar na graça dela
o amor que quero dar.
Redemoinha ora em mim,
ora no ar o amor que há.

Como em torvelinho eu...
Irremediavelmente atraído.
E nada retém ou encaminha
certeira e firmemente
meus passos a vacilar.

Sobremaneira me agito.
E quando não, entristece
o estar ela longe
e tão inconsciente.

Oscilo entre a quimera
informe e a realidade dura.
Vejo-me opaco.
Opaco tudo fica, sem ela.

Musa, com jeito de diva,
ondeia leve como folha.
Sinto a sua leveza...
que distancia e esquiva.

Desistir de tê-la não posso.
E eu quereria se fosse não arder
tonto , sozinho e longe dela.

Se ela ouvisse o que cala
natimorto no meu peito,
maltratando p’ra valer!...
talvez eu aliviasse.

Diva, não a posso ter...
Ozônio que não protege,
zênite que não alcanço...
A Musa, a passar...

  
A QUEM AMAR

Quando eu te abraçar, quero que sintas
um amor tão intenso e sincero e forte,
que nos confundamos sem saber, ao certo,
se fico feliz de amar ou tu de seres amado.
E então, terei teu amor lavado dessas tintas
que a vida dá para encobrir nossa sorte.
Numa ponte d’um no outro sentiremos perto.
E perto descobriremos o que mora ao lado,
dentro, e se descolore nos desencontros
e no sentido da cumplicidade,
para vencer a vida astuta.
Perto viveremos reencontros
numa realidade impoluta,
já sem luta.


INÉRCIA E IMPULSO

Às vezes sinto calmaria:
não sonho nem espero,
fico tão vago, que nada sou
dentro desta enorme seara.
Sinto que esta apatia,
de tom o mais severo,
é do que malogrou,
perdi e encantara.
Esta misantropia,
que mal tolero,
não se originou
senão do que eu esperara...
Senão da covardia,
defendendo-me com esmero
do que magoou
e eu não expulsara.
Mas há todo um dia
para eu seguir sincero.
E expulsar a dor que pousou
é sentir o vento na cara.


CAMINHOS DE SONO

A verdade que há e questiono
e questionar eu não quero,
de tudo a servir, também nada,
soma-se e se perde no sono.
E se traz em código e tarda.
E é em mim que jaz em mistério,
avança, transcende e retarda
o único caminho possível:
eu de mim em mim mais sensível.

A verdade que há e questiono-
sem mesmo saber que eu o faço-
estado latente no mundo
de dentro e de fora do sono,
pouco fica muito no fundo,
um pouco a passar pelo que passo.
Vereda que barro e confundo,
vereda de barro me faz,
que faço de um tanto de paz.

Barco a derivar... Calmaria...
É nisto ou em quê paz seria?
A verdade que há e questiono
soma-me e se perde no sono.
----------------------------
----------------------------
----------------------------
-----------------------------
(Assumo que perco-me em sono!)

  
POESIA OBRIGATÓRIA

Sou o que sou para fazer
a poesia do talvez.
Ser infeliz ou ser feliz,
ah, tanto faz ou tanto fez!
Tudo que pode acontecer,
se vida não, fui eu que fiz.

Eu que me arranho e dilacero,
mato-me e morro e nada morre.
Minha opção não optar
devolve a dor, o riso e um porre,
num não doer doendo sério,
brincando em mim até sarar.

Sara e se agrava no meu peito;
grava sangüínea minha estória,
direita ou torta ou duas coisas.
Tudo não mais que uma memória
que de fazer-me, por defeito
não faz nascer o que repousa.

  
DE CIRCO E VIDA

Um modo comum de viver:
as fotografias das gentes
se estampam em mim, nos meus gestos.
Na repetição todo dia
que a vida se faz discorrer.
Então, eu sou essas sementes.
Ou diga retratos abertos,
pois que nada nasce, tudo copia.

Casulo não sou... (Hei de crer!)
Estou vazio e só e silente.
Não há que dizer manifestos
de nada incomum nestes dias
lentos ou de pouco correr,
pois que isso não há; tão-somente
existe um caminho que é certo.
Se errado, por si só acha e guia.

Repetido, estou repetindo
o mais trivial das pessoas.
E de vida, modos inóspitos,
num louco correr sem correr.
Esse tempo imenso esvaindo,
onde tudo, nada, nada ecoa!
E do intro falar é insólito.
Trejeitos... O resto esquecer!...

Absorto, sou lago dormindo,
que do intro p’ra dentro abalroa.
E que não acorda, pois opto
por minha parcela não-ser,
a parte que finge, mentindo
a coisa qualquer, coisa à toa.
Ser bicho social, fotolito,
a vaga impressão que valer!

Pele que me vestem que visto,
quão nela escrever de verdade
alguém poderá com uns traços
superficiais, com uns riscos?
Quão nela escrever, bem revisto,
sulcando e dando à claridade
o que não falseia em meus passos
tão labirintais quanto ariscos?

Pele que me vestem que visto:
noites e manhãs, dias e tardes;
notícias e rótulos baços;
o puro, o impuro; os vincos;
a ponderação; algum rito;
choro, riso e meias verdades;
algumas nuanças; cansaço;
o sopro; a insistência; o circo.


FRIALDADE

Eu passo por ti e pressinto.
Tu passas por mim e pressentes.
E nos procuramos retintos
e não nos achamos presentes.
Que foi feito em nós, que cegamos?
- A nos pressentir, duvidamos.
Que foi feito em nós, que calamos?
- Nem mais somos nós, só estamos.
Socorro, que estão matando
sensibilidade em mim!
Estou esfriando tanto,
que o frio perpassando em mim,
vai, dos outros volta a mim.
Socorro, que estão calando
toda a minha voz e mais!
Eu sinto uma dor que é algo
que me anestesia e dói
para não sentir. O quê?
Esta mesma dor ou outra.
Socorro, que estou vagando,
não tenho ilusão não mais!
No espírito e carne imagem
que se preconcebe em cena.
Há uma defesa forte...
Eu nem sei de quê, mas há.
E isso é não me dar, não ter...
Que andam tendo todos aí?
(Só os seus iguais de si).
Socorro, que estão brincando
com escarnecer o fraco,
a alma encouraçando de si!
Socorro, que estou virando,
dentro, tudo em frágil frasco!

  
A SELVA

Eu estou na selva
e ouço, longe e perto,
uivos que são fome
e despeito e gana.
Há um louco exército
que mata e nem come.
Vida animalesca,
de tanta ameaça,
a mim, animal,
espanta e põe cerca.
E escondo afinal
o que já devassa.

  
INCOMPLETUDE

Somos descontentes não prontos,
somos a verdade de um ponto
marcado a marcar, que se adia
no tempo a tirar todo o véu.
A minha, qual é, qual a estória?
Ah, não é por certo a que pensas.
Não sou que rotulas nem mais.
Nem sei o que sou, mas sou ais.
Marcada a marcar se me adia
a vida que quero- suspensa.
A vida... pedindo licença.
Sem licença,
com medo,
precisando de credo.


A HORA E EU

Engulo meus ais,
fujo dos de fora,
ouço-lhes os ecos.
Retumbam e doem.
Aprofundo mais,
de algo me consolo
mais do que me perco
(Não sei bem do quê).
Há cheiro de relva:
estou dentro e fora
e sinto minha hora
escoando-se...
(Ora ela é rotunda,
ora ela é comprida).
Leve, afinando
e desafinando.
A hora e eu.


DE ONTEM E DE HOJE

Ontem, a dor que me doía
era uma paz que não achava...
Dentro de mim... Sentia faltas...
A solidão, melancolia...
a me ulcerar... Cortantes farpas
-que eram pseudas ou reais-
Sempre a fazer que me cortasse
passivamente eu mesmo nelas,
e elas em mim afiadamente.
Havia névoa que ofuscava
as vistas, trilhas e ruelas,
mas eu buscava sempre mais
multiplicar convicções,
de mim em mim, da vida em mim.
Internamente eu procurava
tudo em cegueira de emoções.
E fora estava e não estava,
tal como dentro o que ansiava:
metamorfose a me formar!

Hoje, da dor apenas rio.
Eu, que a doer me machucava,
que masoquista sou ainda,
escrevo versos e alivio.
Vejo que a dor não embrutece,
sinto que a dor não enfraquece
e sei que a dor nos enriquece.
------------------------------------
------------------------------------
E, hoje, não tanto... Não melindra.
Anima e faz com que eu prossiga
comigo mais dentro da mão,
que é minha e está do corpo ao lado,
distante mais de todo chão,
que em mim passou e passará
todo a pisar todo pisado.
Soergo, rio dessa dor:
não é tamanha nem menor,
uma conquista um laço um nó!


O SONHO

O sonho é um desvario.
O sonho é uma meta.
É um grito de S.O.S.;
é um brado de guerra;
é vertigem sobre o rio;
é direção na seta
que se lança e desce,
a cair sobre a terra.
O sonho é o assobio
de uma balada incerta;
não alegra nem entristece
o alvorecer na serra.
O sonho se faz bravio,
a vontade enrijece
e o passo acerta
dessa vida que erra.

  
DOR, SENHORA E REMÉDIO DA VIDA

Sentir é curar para sentir melhor.
Sinto a dor toda, com masoquismo,
sobre a ferida antiga do peito.

Não chega a prazer real, mas é saber
que é nela o modo de aprender
sobre mim e tudo, sobretudo viver.

É como bisturi, remendo pequeno ou maior.
Corta e cose num louco paradoxismo
de fazer faltar e completar n’alma do sujeito.

Ah, que venha a vida toda! Eu não vou correr
nem ficar dentro de mim a me esconder.
Vou lento ao encontro do que pode ser.


PARÁFRASE E PERÍFRASE

Desenvolvo meu pensamento em versos longos.
Exprimo meu sentimento em versos oblongos.
Pouco renovo e repito o meu canto.
E às vezes até pinto um pranto.
E de tudo, o que preciso é uma síntese.
E de tudo, o que martiriza é uma paráfrase.
Não consigo dizer de modo novo o que sinto?
Então, vá lá sem jeito, sem método e retinto...
Umas vezes com rima,
outras vezes sem rima...
Qualquer dia com raiva,
qualquer dia sem raiva...
Um dia darei um grito,
redondo ou comprido,
mas que terá enchido
todo verso escrito,
toda fala exprimida,
até a reprimida,
retida.

  
ESQUECER E CURAR

Quantas agruras reais e imaginárias,
recrudescidas inútil e perniciosamente!
Não sei que desespero há justo
para a eternidade do ser!...
Mesmo sem garantias cartoriais,
melhor crer-me eterno, paliativamente
curando e expulsando o insulto,
o medo de agora e a dor de não-ser:
é nisso toda vida divinatória,
um tanto séria ou levianamente
vivida, ensinada, teorizada no lusco-fusco
-transição entre anoitecer e amanhecer...-
Quiçá eterno eu não envelheça
e tudo cresça ou eu recomece.
Ou tudo se esqueça sem perecer.
Ou pereça sem continuar a doer!?
Quem sabe tudo é subjazer...


EGO EM CONSTRUÇÃO

I
Sou o que sou... E ponto e vírgula.
Sou o que posso e estou em construção.
Do que em mim se desenvolveu e é factível,
quanto é meu, quanto é do outro,
que peso tem humano e que peso tem divino,
não logro ver depois da vírgula,
não logro ver depois do ponto.
O quanto estanco de agora para depois
é coisa outra que não sei nem devo saber,
é outra coisa que não sei nem posso saber.
O quanto aflige e o quanto consola
não sei, mas de fato um pouco isto
e de fato um pouco aquilo.
O que resultaria se de outro modo
não sei, mas finalmente um pouco me percebo.
Do que antevejo e pressinto nada é certo,
exceto que vou morrer e já morro vivendo.
Sou o rascunho de um rascunho
de algo definitivo a se formar.
O que definitivamente acaba em rascunho
é o espaço de tempo em que vou viver.
O que depois me tornarei, deixo-o
em mim, tanto quanto lembro do sono,
que é longo e é partido.
Do qual nada subsiste definitivo, sempre que acordo.
E nem depois que o concilio.
E sempre fico alheio.

II
Rápida vida de um momento,
rápido momento de uma vida!...
Não sei se neste ou naquela me ponho,
quando assim doidamente
me ponho a perscrutar.
Sei que equivoco no que equivocam.
Não sei o que fica, passa e vale,
quanto faz o momento na vida
e quanta vida no momento...
Não jogo com palavras:
Há embaraço e cegueira deveras,
sutilezas que não alcanço,
luz que retarda e está no túnel,
que sigo sem vislumbrar
ou vislumbro e não sigo.
Ou sigo e não alcanço.
Perco-me na cadeia de convenções,
e mal percebo que tudo é ligeiro.
E não vejo e não toco o fundo,
que insisto em tocar,
que não me acolhe.
Volto para bordo sem ir ao fundo,
meio tonto a divagar...

III
Depois de amanhecer e anoitecer
vezes que não são muitas ou poucas,
impressões pouco nítidas ficam.
Não tenho nitidez se uso vendas
e não as tira o dia
e a noite as faz perdurar.
Toda escuridão não é reflexa
senão de mim na noite
e no dia em eclipse.
Dia e noite- um não outro.
Eu e vida- atraente e atraída.
Com encontro e desencontro,
com interseção e transição
para uma fusão que nunca é...
Com estórias para contar
e acolher num silêncio de absorção...
A noite amanhece,
o dia anoitece.
Um se troca no outro sem desespero
e é em mim que age o bálsamo!


PELA FRESTA

I
Há uma vida suspensa e está no sonho,
um ideal que me suplanta o ser mecânico.
E é a mecânica de mim na e contra a vontade.
Auto-flama... É combustão que provoco e queima
e não queima, pois não me e não se consome,
para enfim extinguir-se, extinguindo o cálido.

Numa fraca inclinação, ando para aqui e para ali.
E numa forte impulsão e atração, desando de algures
e caminho para nenhures a procurar qualquer sorte,
que seja menos ou seja mais, mas traga o que tarda.
Na verdade busco e não paro de travestir a vida,
com vestes de poesia, uma que idealiza, não...
E realiza.

Sinto isto e é quase uma dor e uma dor deveras
na carne e na alma e, impotente, calo ou falo.
Não me livro... eu não me livro de sentir tão fundo
uma vida que quero tão fundo, e alta, me transcende.
E no meu plano me desconhece e se promete,
sempre a adiar-se, parecendo longe e a mim apensa.

II
Um tempo enorme passou, pouco de vivaz ficou.
Mal tenho lembranças e gravadas cores, porque desatendi
a muito do que a vida me ofereceu.
Se era muito, do muito fiz pouco
e esperei mais, sempre em desatino,
sempre com pouco siso e muito ardor.
Se basta era a oferta, eu vi diferente,
talvez trocando o bom pelo mau.
Confundindo conceitos e fazendo preconceitos,
julguei que nada era meu e estraguei tudo.
Troquei de mal com a vida e padeci
por todo um enorme tempo.
Hoje, não sei, já esqueci de avaliar
e não sei exatamente o que sim e não foi bom.
Sondei o longe, notei mal o perto,
encaminhei e desencaminhei de e para...
O que estava aqui tão perto e era tudo
e era nada, numa conta de perdas e danos.
Aqui mesmo nos versos, converso e desconverso
e não chego ao resultado da prova dos noves.

III
(Batei e abrir-se-vos-á!...)
Hei batido e não hão atendido,
hei inquirido e não hão respondido,
mas ouço ruídos,
ensaio compreensão aqui e lá,
onde o espírito lavra.
Mantenho-me alerta
e busco o sentido
para as palavras-
as articuladas
e as não articuladas-
dessa comunicação cifrada.
Busco célere, lento, aguerrido
uma porta aberta.
Procuro entrada,
acho fresta.


EMPATIA

Estou triste, sereno ou não, mas só...
Sereno ou não,
mas só,
engano que me acompanho.

Uma covardia e um medo terrível!
E eu me afundo...
Volto para a companhia possível,
açoitando e expulsando a descrença...

Encontro as coisas que são,
um pouco nelas fico e delas tiro...
Acho muito do mundo em mim,
acho muito de mim no mundo.

  
DRAMA, COMÉDIA E IDENTIDADE

Um drama se desenrola, com ou sem choro.
O choro é certo no meu peito, disfarçado nos olhos.
Eco de mim no outro ou do outro em mim,
esse choro que às vezes contenho, por estética...
Emoções despertadas são em mim pólvora,
que explode no estopim de mim
no estopim do outro.
Estranha delícia se contém na comédia
como no drama,
pois no riso e choro o homem é mais humano.
E tanto que quase se acha todo!
Integração, solidariedade, o caminho do homem...
O meio de fugir da solidão-
A física e a espectral e medonha.
Uma aura poética o choro e o riso...
Que balança o ser ou que ao ser agita,
mas comédia ou drama
em separação e ligação...
tudo não mais que trama e busca da identidade.

  
ARTÍFICE E CAÇADOR

Dê-me o caminho da seta,
mas também a seta e o arco.
Ou não me dê nada,
pois em mim haverá fome
e um artífice teimoso.
E fora a caça, o alvo.
E tenho um instinto atuante,
cego, infalível e constante,
que vem do antes, está agora
e segue para depois...
na trilha do que me cabe.

  
SEMPRE

Ontem, hoje, amanhã...
Eu incluído, subjacente, pendente,
atento, distraído, abstraído...
Dentro de tudo dentro de mim,
buscando fora o que lá está,
ou só lá se traduz.
Ontem, hoje, amanhã...
Tudo o que se faz é um pouco de luz
sobre tudo que jaz sob o firmamento,
de cor oscilante: azul, branco, marfim...
E soberano domina o ente abstraído,
no todo misturado,
fundido, crescente lentamente...
Lerdo, dirigido e protegido
desde ontem,
ainda hoje,
até amanhã...
Eu pequeno, latente, nascente,
crescente, metafísico, terreno
desde ontem,
ainda hoje,
até amanhã...


UM PROBLEMA, DOIS PROBLEMAS,
PROBLEMA NENHUM

I
Andei por aí modorrento
a procurar o lugar onde estive.
Onde estava não sabia.
Tinha consciência de ramo frágil
de árvore robusta.
Balançado pelo vento.
Era vago,
era etéreo;
tinha sentido,
não tinha bússola.
Era só um pensamento.
A pessoas perguntava o caminho:
apontavam e descreviam convictas
um que não correspondia.
Cada vez mais me perdia...
Sentindo tudo e percebendo pouco
que fosse norte e encontro,
dentro da noite nem quente nem fria.
Eu era só um pensamento,
eu era só um sentimento.

II
Faz tempo comecei a solução
de um problema que é.
Pergunto às fontes
e ouço que a resposta é em mim.
Em mim hieróglifos-
Todos de uma vez não leio.
Preciso articular fora e me aflijo.
Agora são dois os problemas:
o problema que é
e o problema que sou.
Acho meia solução,
que por ser meia,
busco outra e desfaço a primeira,
achando outra que mal me convence
e não é toda.
É como ingerir remédio necessário,
que cura e de curar adoece.
E de adoecer, outro remédio exige.
É um círculo vicioso que não para,
em que não paro e tudo fica à volta.
Esforço-me e vislumbro que em volta
tudo é igual em pequenas doses.
Descubro que me não devo pôr ao centro.
Desenvolvo uma fórmula para estar,
e ser essas voltas que tudo dá.
E eu mesmo não consigo executar.
Penso que não, e executo.
Quiçá estou dormindo e sonhando
e não é hora de acordar...
Durmo.
Quem sabe é dormindo que a vista aperta e vejo.


SUBJACENTE

Passeio no que há submerso
e pressinto o valoroso e o reles,
sentindo a calidez confortante,
perpassada pela frieza cortante.

Já antes sentira resfriar
o corpo e calar a voz.
Depois pano quente na fronte,
pensamento e sentimento realinhados.

O peito, tapera abandonada,
estrada não palmilhada...
Salpico todo o papel com versos,
signos e símbolos raro diversos...

E acalmo o desassossego
na poesia companheira,
na poesia-veneno que há,
na poesia-remédio que é.

  
SOL E CHUVA DE VERÃO

Sabe?... Quisera escrever
a poesia do sol
que nasce e morre no céu.
Comprendê-lo por sol.
Grande e modesto ao léu.
No estado d’alma esquecer,
vendo-o não só de arrebol,
de compará-lo ao meu ser.

Sabe?... Do sol grande e inteiro,
que faz calor e encobre,
que a tudo banha, e carece,
quando uma nuvem o cobre.
Não esse sol que escurece
no feito verso. Inteiro,
eu veja o Sol. (Não soçobre
Meu coração dó ligeiro!)

Sabe?... Quando há sol ou não,
não vê-lo luz e alegria.
Não uma ausência e tristeza,
mas um irmão no meu dia.
Brilho servil, natureza
que vem e vai-se do chão,
que a noite tarda. Tardia,
também vem vai-se do chão.

Sabe?... Quisera escrever
a poesia da chuva
que tarda ou cai pelo céu.
Compreendê-la por chuva,
mas não a lágrima e o véu
do triste quieto a só ver
como a uma alma viúva
e a si tão só remoer.

São chuva e sol dois momentos
da mesma sorte de coisas
para equilíbrio do todo.
O choro e o riso elementos
deste meu ser de rebordo.
Figura do íntimo e modo
de eu expressar sentimentos
os mais intensos das coisas.

  
HORA NEUTRA

Nada ora vislumbro em mim
neste ostracismo velho
e espontâneo.
Não fosse o orvalho
vacilante e errante,
notaria ora eu
vida em mim?

Respiração,
suspiro,
pulsação.

Vida que guardo,
lida que espera,
vida que aguarda.

Inadvertido,
tudo olvida em mim.
O sol do meio-dia,
obsequioso e interrupto,
transmuda-me no novo
e leva de volta ao antigo.
Ouço a cigarra no angico,
Sinto o calor da estação.

Serial e ermo,
vejo-me tubo ou êmbolo
separando e instilando
tudo em mim.
Sempre errante, tropeço
na linha da pipa,
na linha do pensamento.

Perco-me
num influxo/refluxo sísmico,
como sorte extravagante
ou imanente.
Sem remédio.
Ou como remédio.
Mas sinto esperança
incorrigivelmente... e sossego
sobre esta hora itinerante,
sempre a soar...

Uma cegueira invencível e nefasta
cose os meus olhos,
cindindo irremediavelmente
natureza e eu.
Eu, impuro e cindido introspectivamente.

Eu quisera tanto uma vez.
Ainda agora tenho querido
rimar poesia.
Ou talvez quisera em suma
uma vez p’ra sempre
a poesia e a musa.
Trato-as bem,
rodeio e não vêm.
Obsessivamente sempre
uma coisa e outra.

Trilhar requer estrada.
Não tendo-a, recolho-me.
No vôo da pipa
revôo meu espírito.
Sem trégua, o pensamento
revoa em mim,
sondando, buscando
um sonho de integração.

Irrefletidamente,
sem ter gosto,
dor ou vontade
ou óbices,
insiro-me ou fico
sonolento
no dia novo.

Uma pipa vacila, empinada,
mediando céu e terra
-apogeu e precipício-
Uma chuva inicia, lavando...
Preso eu no zodíaco
oracular de uma vida cifrada.

  
VERÃO, TEMPESTADE E BONANÇA

Havia coriscos no ar. E retumbar de trovão
era no meu peito- incessante e medonho.
E eu a pedir lampejo para a escuridão.
Tal como a natureza, pesaroso e tristonho.

O lampejo era no céu e o negrume, no coração.
Eu anoitecera e a noite ficara enfadonha.
Enfadado do dia e tudo enfadonho... Malsão.
Não dita a dor castrante e cheia de peçonha.

Tarde descubro que agravava tons e cores da noite,
a se agravar em mim, agravado por mim mesmo.
Tarde descubro uma brandura, alivio secura.
Uma luz e sentido novos... Para olhos, ouvidos e peito.

Já então amanhecera na natureza e no peito:
tudo brando, claro, apagado todo o nanquim.
Uma chuva torrencial caíra quando ainda noite.
E trouxe clara manhã ao peito, a iniciar toda cura.

  
POEMA DE INTERSEÇÃO

I
Um homem,
uma mulher.
Um planalto,
uma pradaria.

Dois já é mais que plural:
dois já há no um.
Dois do começo.
Dois do gerador fato.

Três já é tudo desigual:
três, embora vivam em comum,
três vezes se partem- o terço-
Tri...lhando para o quarto.

Quatro caminham na pradaria.
Quatro bebem no planalto.
Quatro? Homem, mulher, rebento e credo.
Quatro? Patas de animal já prenhe.

Cinco. Que mais multiplicaria?
Cinco pontas de estrela no alto:
síncope em cinco é que impede
cinco de ser dez- Seria pleno!?

Seis não é demais.
Seis... centas vezes quantas
sesmarias haverá no pensamento
ensimesmado de alguém a explorar?

Se te diga alguém nada loquaz
sete poucas palavras já prontas...
Se tente assim dar-te de tudo o tento,
sete vezes quanto hás de não acreditar?

Oito? Quantas serão as séries...
Oi, tomara saber alguém!
Outro terá sabido um dia?
- Ou tornou nunca ou olvidou.

Novena louca de vidas em série.
Novo e antigo nos retêm;
Nove, o que será que prenuncia?
Novo elo que ainda não se juntou?

Dez, número de escadas no homem.
Des... amado ou amado pela mulher,
des... amada ou amada de fato.
Dízima de quanto no meio da pradaria?

II
Que será que neste tempo
andam dizimando muito mais?
(Não vivi antes, mas sei
nem sempre foi assim).
Sinto... Na verdade sinto
no bolso o dízimo,
na alma dízima periódica,
dízima infinita...
É o amor que está dizimado
no consciente de tudo,
no quociente de ser um.
Questão de sentir tudo
e tão intensamente
que parece nunca se completar.
E tão intensamente
que tudo parece sempre.

III
Isso que do outro é igual em mim
é tão diferente em mim.
É tão diferente no outro.
É que somos um processo de empirismo.
É que somos um processo de narcisismo
em lealdade e traição:
lealdade ao ‘eu‘,
traição do ‘tu’.
Supressão do ‘eu’
em favor do ‘tu’
(ou do ‘eu‘?).
Segundo um processo de intelectualidade,
que junta e também separa.
E o que sobramos?
‘Eus’ e ‘eus’,
inteligentes de verdades e mentiras,
burros de amor e respeito.
Pobres de dar e receber.
Somos a unidade dissolvida,
somos a unidade pretendida.

  
SIMPLES

Espero pouco e penso que é tudo.
Ou espero muito e penso que é tudo.
E é pouco e é muito.
Espero intensamente e dói perceber
que espero, que não quero,
que tudo já é ou já chegou
(E às vezes nem percebo).
Quando conscientizo uma realização,
sinto que não é tudo,
que não era como querido,
que não traz o efeito esperado,
mas algo transforma.
E quase imperceptivelmente,
identifico-me na minha identidade,
na identificação do outro.
Dentro da natureza das coisas,
na natureza de aprender
a calma e a sabedoria de não esperar.
De esperar, ter e não ter.
Realizo numa realização interminável.
Na irrealização de fatos e conquistas
o aprendizado de sorrir e chorar.
Para logo se apagar,
para gravar indelevelmente
o milagre, a graça, a dádiva
de crescer lentamente,
pagando preço,
ganhando prêmio.


LATÊNCIA

Procurar e desandar deste modo,
punindo em mim uma falta,
tem sido dor sobre outra dor,
um dedo sobre a ferida.
E curá-la, não sinto que é
a conquista, o encontro.
Curá-la é não agravar o ser,
nem justificar e clarear o estar.
Mas compulsivamente faço e desfaço
meu ego em construção.
Assumo uma atitude que fora e dentro
põe-me em descompasso
com o mundo,
comigo mesmo.
Do que sou sobra tudo,
pouco se reparte e titubeio
no que reflete, engana e se engana.
Vesgo tudo em mim,
vesgo no olho do outro.
Meu ser se refugia, esconde,
mostra e ninguém vê.
Ou vê confuso e pouco firme.
Apago tudo e silencio
num estado de meia-noite,
num calor preguiçoso de meio-dia,
como porta, como filtro...
até que um raio venha raiar,
até que um raio possa penetrar
e despertar.
***


Publicado no site: O Melhor da Web em 31/07/2009
Código do Texto: 35164
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.