Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
thalya santos - THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Cadastrado desde: 07/09/2009

Texto mais recente: DIA VINTE DE OUTUBRO DIA DO POETA(THALYA)



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de THALYA SANTOS , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=3080

 
Textos & Poesias || Tradicionalistas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
### O PIAZITO CHORÃO ###
14/09/2009
Autor(a): THALYA SANTOS
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
 
39560 ### O PIAZITO CHORÃO ### thalya santos - THALYA SANTOS
### O PIAZITO CHORÃO ###







Era um ranchinho
Muito e muito longe da cidade
Lá... Onde se ver um carro
Era uma verdadeira raridade.

E foi La que nasceu um piazito
Bem saudável bem bonito
Era o primeiro filho
E o casal andava aflito.

A mãe passava o dia atrapalhada
E sempre muito preocupada
Mas cercado de carinho
Criava-se o bebezinho.

Dois meses se passou
Desde o nascimento
O pai... Sorria de contentamento.
E até chamava o pia
De terneiro mamão
E foi por estes dias
Que se armou a confusão.

O piazito chorava
O pai embalava
E a mãe fazia chazinho
Deitava o guri de bruços
E rezava baixinho.

Mas o danadinho
Chorava e suava
É dor de barriga, a mãe falava
O pai dizia...
É encalho ou sapinho
Dá mais um chazinho.
Depois já bem nervoso
Foi chamar a benzedeira
Deve ser mau olhado...
Falou apavorado.

Veio a benzedeira
A vizinha da venda
A comadre, a velha da leitaria
E era aquela gritaria.

Três galhinhos de arruda
Três pedras de carvão
Vamos fazer uma oração.

Nem reza nem benzedura
Para o guri, não achavam a cura.

Resolveram levar para a cidade
Mas... Que baita dificuldade
Não havia condução.
Lembrou-se a benzedeira
Quem sabe o seu Ferreira
Empresta o caminhão.

E o seu Ferreira de pronto
Saiu às correrias...
Foi o pai, foi à mãe
A comadre e a benzedeira
E o pia...
O pia numa choradeira.

Uma hora de viagem
Na estrada esburacada
Se não atolar o caminhão
Chegamos de madrugada.

E lá no Pronto Socorro
Foi aquela fiasqueira
A mãe chorava, o pai gritava
Rezava a benzedeira...
Só a mãe entra, falou a enfermeira.

E o doutor mandou a mãe
Tirar a roupa da criança
E logo viu a segurança
Fincando nas costinhas


Que a mãe colocará
Para fechar as camisinhas.

O doutor falou assim...
Esta curada a criança
É só tirar a segurança
Que aberta, esta a fincar
Por isto este guri
Não para de chorar.

Subiram no caminhão
Para casa se mandaram
E agora...
Agora vocês imaginam
A cara...
A cara que eles ficaram



Publicado no site: O Melhor da Web em 14/09/2009
Código do Texto: 39560
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Total comentários: 2
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.