Espaço Literário

O Melhor da Web

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
jessebarbosa - JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA
JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA
Cadastrado desde: 11/06/2008

Texto mais recente: COMEDORES DE SOBRAS



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=405

 
Textos & Poesias || Saudade
Imprimir - Impressora!
Imprimir
SAUDADE DE QUEM NÃO ME LEMBRO O NOME
11/06/2008
Autor(a): JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
SAUDADE DE QUEM NÃO ME LEMBRO O NOME

   SAUDADE DE QUEM NÃO ME LEMBRO O NOME



   Hoje estranhamente acordei sentindo sua falta.
   Infelizmente seu nome não consigo recordar,
      porém, me recordo do seu laticínio corpo delgado.
   Me lembro claramente da sua melena lisa ao modo desarrumado.


   Me olvido também de quando
      nós dois a primeira vez nos encontrado tenhamos.
   Todavia me recordo: na verdade, tenho em mente
      a consciência de muito dialogarmos
      toda vez qual nos achávamos pela biblioteca circulando
   entre as demais gentes que lá, por várias razões, andavam
   também transitando. Sim, a transitar outros seres anônimos.
   Quase sempre a procurarmos o encantatório da leitura...
   Quase sempre em busca do viajar o mais longe que podíamos...
   Quase sempre a desejar sermos trasladados a distintas dimensões:
         Indigestas, ignotas, jucundas, simplórias. Não compreensivas!   
   Quase sempre a vermos se as Bíblias, ao tocar a nuança da nossa
                                                         Sensibilidade,
nos poderiam ajudar na melhor compreensão da verídica natureza                                                                                                                     
   do       nosso                                                                                        antrópico
                                                      Mundo
   o qual ama fazer esvair em nós a razão e a generosidade de tudo!      




   E dialogávamos sobre inúmeros temas.
   Realmente temas e coisas que muito variavam. Era o que mais
                                                espanto me causava:
                                    um marxista e uma protestante.
   Sim, exatamente. Exatamente duas têmperas híbridas do pensar
      dialogando sem quererem se sobreposicionar.
   Duas Floras do pensamento que se conhecendo, se afagavam.
                                                Afagando-se: se polenizavam.











   Me recordo do seu singelo bonômio sonho.
   O sonho de ser enfermeira. Um prosaico sonho apenas.
   O sonho cada vez mais prosaicamente insólito de ajudar os
                                                      Outros.
   O sonho comunal de ver o bem-estar de todos.
   Seguramente, agora, muito freqüentemente, um sonho de
                                                   Poucos.
   Mas o que importa, para mim, é que juntos: tênue ou fortemente                                                                  
                                                      O               
                                    Compartilhamos!


   Sei bem perfeitamente. Como o sei!
   Sei que na ponte da latitude,
      por onde caminham a morigeira ganância
      tampouco o machado e a foice,
   repousa uma diferença incomensurável, por demais grande!





Porém, apesar de não nos amalgamarmos
                                 na
                           seara das idéias,
      sempre nos irmanávamos: irmanávamos ao nos permitir
      afinarmo-nos numa interação de circunspeção sincera.
   Por isso acredito: como na assimetria do cravo e a rosa,
      que na incoerência dos sexos se conchavam;
   Então, na mesma medida em que opostos nos harmonizávamos,   
      com o hábito do tempo, poderíamos nos haver conchavado.
  
        
   Sim, viajo pra dentro do âmago da mente
      e definitivamente não consigo...
   Lembro de novo do seu corpo: banhado em mar alvo.
   Lembro da feminilidade comum dos seus óculos na cara.
   Lembro do azul do jeans da calça e da saia.
   Lembro da bolsa retangular de mulher conservadora.
   Lembro de tudo do que seja possível fazer me lembrar de você,
                                 Alma Boa.
   Só não consigo me lembrar do nome de sua pessoa.
   Sim, devo dizer que é isto o que mais me atordoa!



JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA


Publicado no site: O Melhor da Web em 11/06/2008
Código do Texto: 4348
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):